SlideShare a Scribd company logo
1 of 17
Padrões de abundância e distribuição espacial em uma metacomunidade de girinos ao longo de um gradiente de cobertura de dossel  Diogo B. Provete Michel V. Garey Denise de C. Rossa-Feres Itamar A. Martins Curitiba-PR Julho 2011
[object Object],[object Object],[object Object],INTRODUÇÃO
[object Object],[object Object],INTRODUÇÃO
Cobertura de dossel  em poças
Aumento da cobertura de dossel Crescimento  e  Desenvolvimento  lentos Microalgas Perifiton Detritos C:N C:N C:N OD Temperatura Incidência Solar Prod. Primária Mortalidade
[object Object],[object Object],[object Object],OBJETIVOS
MATERIAL & MÉTODOS 13 poças Jul 2008 – Jun 2009
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],MATERIAL & MÉTODOS
SAD Toolkit  Modelos de DAE Metacommunity Padrões de distribuição GLM (Poisson) + AICc Modelos para a variação da Abundância e Riqueza
crospedospilus circumdata
RESULTADOS Cobertura de Dossel Crescente Geo ZSM Log normal Power function ZSM Power function Geo Geo ZSM Lognormal Power function ZSM Power function
Aumento cobertura de dossel icterica
RESULTADOS Seleção de Modelos Riqueza global
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],CONCLUSÃO

More Related Content

Viewers also liked

Funcoes da linguagem enem
Funcoes da linguagem   enemFuncoes da linguagem   enem
Funcoes da linguagem enemEstude Mais
 
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enemCilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enemEstude Mais
 
Exercício sobre Evolução
Exercício sobre EvoluçãoExercício sobre Evolução
Exercício sobre EvoluçãoEstude Mais
 
Questoes do enem de portugues
Questoes do enem de portuguesQuestoes do enem de portugues
Questoes do enem de portuguesEstude Mais
 
Respostas funcionais
Respostas funcionaisRespostas funcionais
Respostas funcionaisunesp
 
Biologia anelideos
Biologia anelideosBiologia anelideos
Biologia anelideosEstude Mais
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introduçãounesp
 
Exercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enemExercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enemEstude Mais
 
Exercicios de Matematica
Exercicios de MatematicaExercicios de Matematica
Exercicios de MatematicaEstude Mais
 
Revisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemRevisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemEstude Mais
 
Moluscos - Biologia
Moluscos - BiologiaMoluscos - Biologia
Moluscos - BiologiaBruna M
 
Introdução a meta populações
Introdução a meta populaçõesIntrodução a meta populações
Introdução a meta populaçõesunesp
 
Radioatividade - Química
Radioatividade - QuímicaRadioatividade - Química
Radioatividade - QuímicaEstude Mais
 
Filo platyhelmintes platelmintos
Filo platyhelmintes platelmintosFilo platyhelmintes platelmintos
Filo platyhelmintes platelmintosEstude Mais
 
Filo cnidaria cnidarios
Filo cnidaria cnidariosFilo cnidaria cnidarios
Filo cnidaria cnidariosEstude Mais
 

Viewers also liked (18)

Quimica solucoes
Quimica solucoesQuimica solucoes
Quimica solucoes
 
A era vargas
A era vargasA era vargas
A era vargas
 
Tutorial R
Tutorial RTutorial R
Tutorial R
 
Funcoes da linguagem enem
Funcoes da linguagem   enemFuncoes da linguagem   enem
Funcoes da linguagem enem
 
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enemCilindros e prisma e geometria plana no enem
Cilindros e prisma e geometria plana no enem
 
Exercício sobre Evolução
Exercício sobre EvoluçãoExercício sobre Evolução
Exercício sobre Evolução
 
Questoes do enem de portugues
Questoes do enem de portuguesQuestoes do enem de portugues
Questoes do enem de portugues
 
Respostas funcionais
Respostas funcionaisRespostas funcionais
Respostas funcionais
 
Biologia anelideos
Biologia anelideosBiologia anelideos
Biologia anelideos
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Exercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enemExercicios de estatistica no enem
Exercicios de estatistica no enem
 
Exercicios de Matematica
Exercicios de MatematicaExercicios de Matematica
Exercicios de Matematica
 
Revisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enemRevisao de ecologia para o enem
Revisao de ecologia para o enem
 
Moluscos - Biologia
Moluscos - BiologiaMoluscos - Biologia
Moluscos - Biologia
 
Introdução a meta populações
Introdução a meta populaçõesIntrodução a meta populações
Introdução a meta populações
 
Radioatividade - Química
Radioatividade - QuímicaRadioatividade - Química
Radioatividade - Química
 
Filo platyhelmintes platelmintos
Filo platyhelmintes platelmintosFilo platyhelmintes platelmintos
Filo platyhelmintes platelmintos
 
Filo cnidaria cnidarios
Filo cnidaria cnidariosFilo cnidaria cnidarios
Filo cnidaria cnidarios
 

Similar to Padrões de Abundância e Distribuição espacial numa metacomunidade de girinos ao longo de um gradiente de cobertura de dossel

Modelagem e Geotecnologias para a Conservação, Planejamento e Gestão da Biodi...
Modelagem e Geotecnologias para a Conservação, Planejamento e Gestão da Biodi...Modelagem e Geotecnologias para a Conservação, Planejamento e Gestão da Biodi...
Modelagem e Geotecnologias para a Conservação, Planejamento e Gestão da Biodi...Vitor Vieira Vasconcelos
 
Escala
EscalaEscala
Escalaunesp
 
Geossistemas e Geodiversidade - Aula prática
Geossistemas e Geodiversidade - Aula práticaGeossistemas e Geodiversidade - Aula prática
Geossistemas e Geodiversidade - Aula práticaVitor Vieira Vasconcelos
 
Fragmentação
FragmentaçãoFragmentação
Fragmentaçãounesp
 
Uma adaptação curricular de física para ciências agrárias
Uma adaptação curricular de física para ciências agráriasUma adaptação curricular de física para ciências agrárias
Uma adaptação curricular de física para ciências agráriasSeminário Latino-Americano SLIEC
 
Informações e dados ambientais
Informações e dados ambientaisInformações e dados ambientais
Informações e dados ambientaisAlex Santiago Nina
 
Modelação Espacial de Incêndios Florestais: Autómatos Celulares
Modelação Espacial de Incêndios Florestais: Autómatos Celulares Modelação Espacial de Incêndios Florestais: Autómatos Celulares
Modelação Espacial de Incêndios Florestais: Autómatos Celulares Marc Valente
 
Modelação espacial de incêndios florestais: autómatos celulares
Modelação espacial de incêndios florestais: autómatos celularesModelação espacial de incêndios florestais: autómatos celulares
Modelação espacial de incêndios florestais: autómatos celularesPedro Dias
 
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...Vitor Vieira Vasconcelos
 

Similar to Padrões de Abundância e Distribuição espacial numa metacomunidade de girinos ao longo de um gradiente de cobertura de dossel (10)

Modelagem e Geotecnologias para a Conservação, Planejamento e Gestão da Biodi...
Modelagem e Geotecnologias para a Conservação, Planejamento e Gestão da Biodi...Modelagem e Geotecnologias para a Conservação, Planejamento e Gestão da Biodi...
Modelagem e Geotecnologias para a Conservação, Planejamento e Gestão da Biodi...
 
Escala
EscalaEscala
Escala
 
Geossistemas e Geodiversidade - Aula prática
Geossistemas e Geodiversidade - Aula práticaGeossistemas e Geodiversidade - Aula prática
Geossistemas e Geodiversidade - Aula prática
 
Fragmentação
FragmentaçãoFragmentação
Fragmentação
 
Uma adaptação curricular de física para ciências agrárias
Uma adaptação curricular de física para ciências agráriasUma adaptação curricular de física para ciências agrárias
Uma adaptação curricular de física para ciências agrárias
 
Informações e dados ambientais
Informações e dados ambientaisInformações e dados ambientais
Informações e dados ambientais
 
Modelação Espacial de Incêndios Florestais: Autómatos Celulares
Modelação Espacial de Incêndios Florestais: Autómatos Celulares Modelação Espacial de Incêndios Florestais: Autómatos Celulares
Modelação Espacial de Incêndios Florestais: Autómatos Celulares
 
Modelação espacial de incêndios florestais: autómatos celulares
Modelação espacial de incêndios florestais: autómatos celularesModelação espacial de incêndios florestais: autómatos celulares
Modelação espacial de incêndios florestais: autómatos celulares
 
O uso de_modelos_em_ecologia_de_paisagen
O uso de_modelos_em_ecologia_de_paisagenO uso de_modelos_em_ecologia_de_paisagen
O uso de_modelos_em_ecologia_de_paisagen
 
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
Relações entre espécies e características ambientais - Prática de modelagem d...
 

More from Diogo Provete

Usos e desusos dos métodos filogenéticos comparativos
Usos e desusos dos métodos filogenéticos comparativosUsos e desusos dos métodos filogenéticos comparativos
Usos e desusos dos métodos filogenéticos comparativosDiogo Provete
 
Revoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
Revoluções Científicas - Thomas S. KuhnRevoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
Revoluções Científicas - Thomas S. KuhnDiogo Provete
 
Ordem Insectivora (Mammalia)
Ordem Insectivora (Mammalia) Ordem Insectivora (Mammalia)
Ordem Insectivora (Mammalia) Diogo Provete
 
Origem e diversificação de espécies ao longo do tempo
Origem e diversificação de espécies ao longo do tempoOrigem e diversificação de espécies ao longo do tempo
Origem e diversificação de espécies ao longo do tempoDiogo Provete
 
Interações predador-presa
Interações predador-presa Interações predador-presa
Interações predador-presa Diogo Provete
 
Fisiologia do fígado e endocrinologia do pâncreas
Fisiologia do fígado e endocrinologia do pâncreasFisiologia do fígado e endocrinologia do pâncreas
Fisiologia do fígado e endocrinologia do pâncreasDiogo Provete
 
Desenvolvimento de anfibios
Desenvolvimento de anfibiosDesenvolvimento de anfibios
Desenvolvimento de anfibiosDiogo Provete
 
Nervura central da folha
Nervura central da folhaNervura central da folha
Nervura central da folhaDiogo Provete
 
Effects of fruit extract on growth inhibition
Effects of fruit extract on growth inhibition Effects of fruit extract on growth inhibition
Effects of fruit extract on growth inhibition Diogo Provete
 
Evolution of vertebrate appendicular muscle
Evolution of vertebrate appendicular muscleEvolution of vertebrate appendicular muscle
Evolution of vertebrate appendicular muscleDiogo Provete
 
The ultrastructure of the stomochord in Pterobranchia
The ultrastructure of the stomochord in PterobranchiaThe ultrastructure of the stomochord in Pterobranchia
The ultrastructure of the stomochord in PterobranchiaDiogo Provete
 
Ordem Insectivora (Mammalia)
Ordem Insectivora (Mammalia)Ordem Insectivora (Mammalia)
Ordem Insectivora (Mammalia)Diogo Provete
 
Mecanismos comportamentais e motivacionais - Sistema Límbico
Mecanismos comportamentais e motivacionais - Sistema LímbicoMecanismos comportamentais e motivacionais - Sistema Límbico
Mecanismos comportamentais e motivacionais - Sistema LímbicoDiogo Provete
 
Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Diogo Provete
 
Phylogenetic signal and diversity of visceral pigmentation in eight anuran fa...
Phylogenetic signal and diversity of visceral pigmentation in eight anuran fa...Phylogenetic signal and diversity of visceral pigmentation in eight anuran fa...
Phylogenetic signal and diversity of visceral pigmentation in eight anuran fa...Diogo Provete
 
Mendeley presentation
Mendeley presentationMendeley presentation
Mendeley presentationDiogo Provete
 
Phylogenies help to uncover diversity patterns in Neotropical amphibians
Phylogenies help to uncover diversity patterns in Neotropical amphibiansPhylogenies help to uncover diversity patterns in Neotropical amphibians
Phylogenies help to uncover diversity patterns in Neotropical amphibiansDiogo Provete
 
Fine-scale spatial patterns and pond morphology jointly affect metacommunity ...
Fine-scale spatial patterns and pond morphology jointly affect metacommunity ...Fine-scale spatial patterns and pond morphology jointly affect metacommunity ...
Fine-scale spatial patterns and pond morphology jointly affect metacommunity ...Diogo Provete
 
Techniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling VertebratesTechniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling VertebratesDiogo Provete
 

More from Diogo Provete (20)

Usos e desusos dos métodos filogenéticos comparativos
Usos e desusos dos métodos filogenéticos comparativosUsos e desusos dos métodos filogenéticos comparativos
Usos e desusos dos métodos filogenéticos comparativos
 
Revoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
Revoluções Científicas - Thomas S. KuhnRevoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
Revoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
 
Lord Byron
Lord ByronLord Byron
Lord Byron
 
Ordem Insectivora (Mammalia)
Ordem Insectivora (Mammalia) Ordem Insectivora (Mammalia)
Ordem Insectivora (Mammalia)
 
Origem e diversificação de espécies ao longo do tempo
Origem e diversificação de espécies ao longo do tempoOrigem e diversificação de espécies ao longo do tempo
Origem e diversificação de espécies ao longo do tempo
 
Interações predador-presa
Interações predador-presa Interações predador-presa
Interações predador-presa
 
Fisiologia do fígado e endocrinologia do pâncreas
Fisiologia do fígado e endocrinologia do pâncreasFisiologia do fígado e endocrinologia do pâncreas
Fisiologia do fígado e endocrinologia do pâncreas
 
Desenvolvimento de anfibios
Desenvolvimento de anfibiosDesenvolvimento de anfibios
Desenvolvimento de anfibios
 
Nervura central da folha
Nervura central da folhaNervura central da folha
Nervura central da folha
 
Effects of fruit extract on growth inhibition
Effects of fruit extract on growth inhibition Effects of fruit extract on growth inhibition
Effects of fruit extract on growth inhibition
 
Evolution of vertebrate appendicular muscle
Evolution of vertebrate appendicular muscleEvolution of vertebrate appendicular muscle
Evolution of vertebrate appendicular muscle
 
The ultrastructure of the stomochord in Pterobranchia
The ultrastructure of the stomochord in PterobranchiaThe ultrastructure of the stomochord in Pterobranchia
The ultrastructure of the stomochord in Pterobranchia
 
Ordem Insectivora (Mammalia)
Ordem Insectivora (Mammalia)Ordem Insectivora (Mammalia)
Ordem Insectivora (Mammalia)
 
Mecanismos comportamentais e motivacionais - Sistema Límbico
Mecanismos comportamentais e motivacionais - Sistema LímbicoMecanismos comportamentais e motivacionais - Sistema Límbico
Mecanismos comportamentais e motivacionais - Sistema Límbico
 
Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma Bancos de germoplasma
Bancos de germoplasma
 
Phylogenetic signal and diversity of visceral pigmentation in eight anuran fa...
Phylogenetic signal and diversity of visceral pigmentation in eight anuran fa...Phylogenetic signal and diversity of visceral pigmentation in eight anuran fa...
Phylogenetic signal and diversity of visceral pigmentation in eight anuran fa...
 
Mendeley presentation
Mendeley presentationMendeley presentation
Mendeley presentation
 
Phylogenies help to uncover diversity patterns in Neotropical amphibians
Phylogenies help to uncover diversity patterns in Neotropical amphibiansPhylogenies help to uncover diversity patterns in Neotropical amphibians
Phylogenies help to uncover diversity patterns in Neotropical amphibians
 
Fine-scale spatial patterns and pond morphology jointly affect metacommunity ...
Fine-scale spatial patterns and pond morphology jointly affect metacommunity ...Fine-scale spatial patterns and pond morphology jointly affect metacommunity ...
Fine-scale spatial patterns and pond morphology jointly affect metacommunity ...
 
Techniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling VertebratesTechniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling Vertebrates
 

Recently uploaded

Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreLeandroLima265595
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoCelimaraTiski
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 

Recently uploaded (20)

Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 

Padrões de Abundância e Distribuição espacial numa metacomunidade de girinos ao longo de um gradiente de cobertura de dossel

Editor's Notes

  1. Uma metacomunidade é um conjunto de comunidades locais ligadas por dispersão. O framework teórico/conceitual de metacomunidades pode ser bastante útil para detectar padrões de distribuição de espécies em larga escala (Holyoak et al. 2005). Estudos neste sentido tem trilhado dois caminhos distintos: a avaliação de padrões de distribuição , e os mecanismos responsáveis por eles. A avaliação de padrões em metacomunidade depende de elementos estruturais da metacomunidade, tais como turnover, coerência e boundary clumping.
  2. Para determinar a estrutura de metacomunidades 4 elementos precisam ser avaliados (palavras em maiúscula na figura) que auxiliarão na inferência do padrão espcial das espéceis (Checkerboard, Gleasonian, Clementisian, Evenly spaced etc.)
  3. Outro antigo padrão em comunidades ecológicas cujo interesse tem sido renovado nos últimos anos é a distribuição de abundância de espécies. Este fenômeno se dá pela disponibilidade de ferramentas computacionais que permitem o ajuste de vários modelos teóricos propostos, que por sua vez ajudam a elucidar processos responsáveis pela formação de comunidades locais.
  4. Diversos estudos tem demonstrado que a cobertura de dossel sobre ambientes lóticos influencia não só a entrada de matéria e energia nos sistemas, mas tb a distribuição e composição de espécies. Deste modo, poças com dossel mais fechado tendem a sustentar menos espécies devido à baixa qualidade nutricional do recurso alimentar, baixo OD, o que faz com que os girinos levem mais tempo para metamorfosear, causando maior mortalidade. No entanto, o papel deste fator ambiental em comunidades de ambientes lênticos tem sido explorado só recentemente. De acordo com alguns estudos, a cobertura de dossel influencia várias características do ambiente aquático que determinam a distribuição de diversos grupos de organismos, como larvas de odonata, gastrópodes e girinos. No entanto, nenhum estudo até agora investigou como a cobertura de dossel influencia a estrutura e dinâmica de metacomunidades de girinos em larga escala.
  5. Este slide resume as características das poças arranjadas num gradiente de dossel, no quadrado da esquerda está as poças com pouca cobertura, e na direita com alta cobertura, embaixo estão como os fatores ambientais variam, na esquerda as poças tem alta incidência solar, que vai diminuindo à medida que se aumenta a cobertura e assim por diante. No entanto a resposta das spp a esse gradiente pode variar interespecificamente.
  6. 1) Avaliar como padrões de abundância relatica variam ao longo da cobertura de dossel
  7. Nós amostramos 13 poças no PARNA Serra da Bocaina e seus arredores (região de planalto) entre Julho de 2008 e Junho de 2009.
  8. Coletamos 9 descritores ambientais incluindo características fisico-químicas (em preto), de estrutura do corpo d’água (sublinhado) e % cobertura de dossel
  9. Utilizamos o pacote metacommunity no Matlab para determinar a estrura da metacomunidade, e o pacote sadtoolkit para ajustar os modelos teóricos de DAE à abundância de espécies nas poças. Ajustamos modelos lineares generalizados aos dados de abundância e riqueza global das espécies nas poças, acoplados ao um procedimento de seleção de modelos para determinar quais variáveis são as mais responsáveis pela variação na riqueza e na abundância das espécies. CARA, PRONUNCIA-SE POÁSSON
  10. Estas são as spp encontradas na fase larval durante este estudo
  11. Estes são os modelos de DAE que se melhor se ajustaram ao padrão de abundância relativa das espécies nas poças, por ele é possível notar que poças com dossel fechado se ajustaram a modelos que predizem um gde número de espécies, raras, como a multinomial de somatório zero (ZSM), power function e lognormal, isto está de acordo com padrões obsevados em outros estudos, que predizem que poucas espécies conseguem sobreviver nestes ambientes pobres em recursos
  12. A cobertura de dossel influenciou marcadamente a distribuição das espécies de girinos nas poças, com espécies até mesmo exclusivas de poças com dossel fechado (C. mantiqueira, P. olfersii e S. crospedospilus) e outras que só ocorreram em locais abertos (R. icterica e L. furnarius)
  13. Sendo assim, o padrão espacial de distribuição das espécies na metacomunidade é do tipo quasi-gleasonian, o que indica que há uma substituição de espécies, mas que os limites de distribuição das mesmas não é bem definido, sugerindo que as espécies estão respondendo a um mesmo tipo de gradiente ambiental, mas que o mesmo não é “forte” o bastante para influenciar a substituição de espécies.
  14. O Modelo com somente o dossel modelado exponencialmente explicou 61% da variação da riqueza global. Outros modelos somente com variáveis estruturais do corpo d’água, fisico-químicas e com todas as variáveis (global) explicaram cada um menos de 0.01% da variação na riqueza.
  15. A cobertura de dossel influenciou a riqueza de espécies de forma não linear (modelo exponencial decaindo de uma assíntota se ajustou melhor que uma linear para a riqueza).
  16. Esta mecacomunidade parece ser essencialmente estruturada por processos baseados no nicho, com gradientes ambientais atuando fortemente para ditar a distribuição tanto da abundância relativa das espécies quanto da distribuição espacial das mesmas. Além disso, a cobertura de dossel mostrou ser um importante gradiente influenciando não só a riqueza de espécies mas tb a sua abundância ao longo das poças.