Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Bioquímica Celular 2 - Proteínas

38,719 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Bioquímica Celular 2 - Proteínas

  1. 1. PROTEÍNAS
  2. 2. DEFINIÇÃO São macromoléculas, de elevado peso molecular, constituídas pela união de vários aminoácidos, associados entre si através de ligações peptídicas. Portanto, as proteínas são polímeros, onde os monômeros ( unidades constituintes ) são os aminoácidos.
  3. 3. AminoácidosEstrutura química : Apresentam um grupo Amina ( NH2 ) e um grupo carboxila ( grupo ácido ). R representa um radical, sendo o fator que diferencia um aminoácido de outro.
  4. 4. LIGAÇÃO PEPTÍDICA Ocorre entre o Grupo amina de um aminoácido + grupo carboxila do aminoácido seguinte Reação de desidratação (liberação de molécula de água)
  5. 5. DIFERENTES RADICAIS – DIFERENTES AMINOÁCIDOS
  6. 6. Classificação dos Aminoácidos Naturais – o organismo é capaz de sintetizarEx: glicina, glutamina, etc. Essenciais – o organismo não é capaz de sintetizar, mas obtido na alimentação.Ex: lisina e isoleucina (feijão) Leucina e valina (arroz)
  7. 7. FENILCETONÚRIA DOENÇA GENÉTICA CARACTERIZADA PELA DEFICIÊNCIA DE PRODUÇÃO DA ENZIMA FENILALANINA-HIDROXILASE, QUE É RESPONSÁVEL PELA CONVERSÃO DO AMINOÁCIDO ESSENCIAL FENILALANINA EM TIROSINA ( OUTRO AMINOÁCIDO). O ACÚMULO DO AMINOÁCIDO FENILALANINA NO SANGUE E NO LÍQUOR ( LÍQUIDO CÉREBRO-ESPINHAL OU CÉFALORRAQUIANO ) LEVA A LESÕES NO SISTEMA NERVOSO CENTRAL. O ACÚMULO DE FENILALANINA PODE SER DETECTADO PELO TESTE DO PEZINHO.
  8. 8. Proteínas As proteínas diferem uma das outras pela:  Ordem dos aminoácidos  Tipo dos aminoácidos  Número do aminoácidos
  9. 9. FUNÇÕES DASPROTEÍNAS Estrutural Formar alguns hormônios Formar anticorpos Contração muscular Transporte de oxigênico (hemoglobina = proteína + ferro); Enzimática (acelerar reações químicas)
  10. 10. Estrutura primária É a seqüência de aminoácidos em uma proteína.
  11. 11. Estrutura secundária Surgem as pontes de hidrogênio que conferem a forma helicoidal para a “fita de aminoácidos”.
  12. 12. Estrutura Terciária A hélice dobra-se nas três direções do espaço devido a atração entre as cargas elétricas dos aminoácidos que podem forma pontes bissulfeto (dois átomos de enxofre), ficando com forma enovelada.
  13. 13. Estrutura Quaternária Em algumas proteínas os ‘novelos’ se associam formando o que chamamos de estrutura quaternária.
  14. 14. REVISANDO: FORMA ESTRUTURAL DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA TERCIÁRIA ESTRUTURAESTRUTURA SECUNDÁRIAPRIMÁRIA ESTRUTURA QUATERNÁRIA
  15. 15. Desnaturação de proteínas Como você viu, a forma da proteína é importante para a sua função. Mas alguns fatores como calor, acidez, radiação, substâncias químicas, etc. podem romper as ligações que mantém a forma da proteína, alterando a sua estrutura secundária e terciária. Quando a estrutura da proteína desmancha, dizemos que ocorreu a desnaturação. Uma leve desnaturação é reversível, mas uma desnaturação acentuada é irreversível. Neste caso a proteína perde sua forma e função.
  16. 16. Proteínas conjugadas São proteínas que se associam a outras substâncias.Ex.Glicoproteínas (proteínas + glicídios)Nucleoproteínas (proteínas + ácidos nucleicos)(encontramos nos cromossomos, ribossomos).
  17. 17. Proteínas que aceleram reações químicas.
  18. 18. ENZIMAS- biocatalisadoras - diminuem a energia de ativação para que ocorra a reação- alta especificidade- reagem com uma substância específica chamada substrato- sítios ativos – local da enzima onde ocorre a reação com o substrato- modelo chave-fechadura – cada enzima um substrato, sem desgaste da enzima- catabolismo e anabolismo - reação de síntese (anabolismo) ou destruição(catabolismo) ENZIMA PEPSINA substrato proteína sítios ativos produtospeptídeos - catabolismo chave fechadura alta especificidade
  19. 19. Então... Enzimas são proteínas especiais que funcionam como biocatalisadores (aceleração reações químicas já que diminuem a energia de ativação).
  20. 20. Cofator Algumas enzimas são proteínas conjugadas que dependem de associar-se a outras moléculas para realizar sua atividade. Essa molécula é chamada de cofator que pode ser um metal (cálcio, zinco) ou uma substância orgânica, quando então é chamada de coenzima. Muitas vitaminas são coenzimas. Nesse caso a parte proteica é chamada de apoenzima e o conjunto (proteina + cofator) é chamado de holoenzima.
  21. 21. A reação enzimática Como você viu cada enzima reage com o seu substrato (são específicas). No final da reação o substrato transforma-se em outra substância e a enzima conserva-se inalterada.
  22. 22. Nomes de algumas enzimas Geralmente se dá pelo nome do substrato com o sufixo ase. Ex. amilase (substrato: amido) Lactase (substrato: lactose) Maltase (substrato: maltose) Pepsina e tripsina (substrato: proteína).
  23. 23. Fatores que influenciam na velocidadeda reação enzimática pH Temperatura Concentração do substrato
  24. 24. pH
  25. 25. Temperatura A seta indica a temperatura ótima da enzima.
  26. 26. Concentração de substrato.
  27. 27. FATORES QUE INFLUENCIAM AS ATIVIDADES DAS ENZIMAS
  28. 28. Inibição enzimática É o fenômeno através do qual a enzima é inativada e não funciona mais, ou seja, não produz mais o substrato. A inibição pode ser competitiva ( o inibidor compete com o substrato pelo sítio ativo da enzima) ou não-competitiva (o inibidor liga- se a outra região da enzima).
  29. 29. Inibição competitiva
  30. 30. Exemplo: inibição competitiva Algumas bactérias que causam doenças possuem uma enzima que transformam o ácido paraminobenzoico (PABA) em uma vitamina (ácido fólico). A molécula do antibiótico sulfanilamida (sulfa) é semelhante ao PABA e compete pelo centro ativo da enzima. Quando a sulfa se liga à enzima, não deixa o PABA se ligar e assim a bactéria não produz ácido fólico e morre.
  31. 31. Inibição não-competitiva Produtos como o inseticida DDT e o veneno arsênico se ligam a outras regiões de algumas enzimas (não ao centro ativo), inibindo-as.

×