Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Agrotoxico e meio ambiente -3ºA

1,636 views

Published on

Projeto @ BIO 2016

Published in: Education
  • Be the first to comment

Agrotoxico e meio ambiente -3ºA

  1. 1. E.E. PROF°LUIZ GONZAGA RIGHINI 2016 AGROTÓXICOS E AMBIENTE
  2. 2. Objetivo: refletir sobre o impacto do uso de agrotóxico ao meio ambiente e a saúde humana. Além disso ,avaliar alternativas para tentar reverter /amenizar tal
  3. 3. O que é?
  4. 4. Segundo a legislação vigente, agrotóxicos são produtos e agentes de processos físicos, químicos ou biológicos, utilizados nos setores de produção, armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, pastagens, proteção de florestas, nativas ou plantadas, e de outros
  5. 5. Para que serve? O agrotóxico visa alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-las da ação danosa de seres vivos considerados nocivos.Também são considerados agrotóxicos as substâncias e produtos empregados como desfolhantes, dessecantes, estimuladores e
  6. 6. Tipos :  Inseticidas: Destinados ao controle de insetos, ácaros, nematóides e moluscos.  formam 3 grandes grupos, os organoclorados, os organofosforados e carbamatos e as piretrinas.  Fungicidas: Usados no controle de doenças causadas por fungos, bactérias e vírus.  Herbicidas: Destinados ao controle de plantas daninhas. Têm como grupos mais importantes Paraquat, dinitrofenóis. Dentre eles os organoclorados são os que mais persistem no ambiente, chegando a permanecer por até 30 anos. São por via oral, respiratória e dérmica, e atingem o sistema central e periférico. Provocando câncer e por isso foram vários países.
  7. 7. Como surgiu ?
  8. 8.  Estes produtos foram desenvolvidos durante a Primeira Guerra Mundial e extremamente utilizados na Segunda Guerra Mundial, como arma química.Após o término da guerra, estes passaram a ser usados como defensivo agrícola.  O primeiro composto dessa classe, denominado DDT, foi fabricado em 1874 por Othomar Zeidler; contudo, foi apenas em 1939 que Paul Muller evidenciou suas propriedades inseticidas. A partir de então, o DDT era a principal arma no combate contra o mosquito disseminador da malária, até descobrir-se que ele, assim como todos os organoclorados, é um composto cancerígeno, teratogênico e cumulativo no
  9. 9. No período pós-guerra, os vencedores programavam uma ampliação dos seus negócios, partindo das indústrias que se desenvolveram durante a guerra, sendo encontrada dentre elas, a indústria química. Havia fome na Europa, surgindo então a “revolução verde”, que tinha como objetivo Foi então que surgiu a “revolução verde“, que visava promover a agricultura, gerando comida para os famintos do mundo. Esta política levou a uma grande contaminação ambiental, sem que a fome fosse extinta. Hoje, 1/5 das das crianças não ingerem a quantidade suficiente de calorias e proteínas que necessitam. E cerca de 2 bilhões de pessoas terceira parte de humanidade sofrem de anemia. A cada ano 30 milhões de pessoas morrem de fome no mundo e 800 milhões sofrem de subalimentação crônica.
  10. 10. NO BRASIL
  11. 11. A “revolução verde” chegou ao Brasil em meados da década de 60. Foi implantada através de imposição das indústrias de agrotóxicos e do governo brasileiro: o financiamento bancário para a compra de semente só saia se o agricultor comprasse também o adubo e o agrotóxico. Desde 2008, o Brasil ocupa o primeiro lugar no ranking mundial de consumo de agrotóxicos. Enquanto nos últimos dez anos o mercado mundial desse setor cresceu 93%, no Brasil, esse crescimento
  12. 12. Saúde human a
  13. 13. A saúde humana é afetada pelos agrotóxicos de três maneiras: durante sua fabricação, no momento da aplicação e ao consumir um produto contaminado. Independentemente da forma de contato, os efeitos são extremamente perigosos. Problemas neurológicos, como o Mal de Alzheimer, estão associados à exposição a inseticidas organofosforados, assim como o desenvolvimento de transtorno do déficit de atenção com hiperatividade em crianças. A Agência de Proteção Ambiental dos EUA
  14. 14.  A EPA afirma que o efeito do pesticida depende do principio ativo nele presente. Os sintomas podem variar, desde irritação da pele, até problemas hormonais e o desenvolvimento de câncer.  Em 2007, pesquisadores descobriram, depois de realizarem um levantamento, que a maioria dos estudos revela a associação entre a exposição a agrotóxicos e o desenvolvimento de linfoma não- Hodgkin e leucemia.  Para as grávidas, o risco é dobrado. Pesquisadores apontam para as fortes evidências que ligam o contato com pesticidas a problemas
  15. 15.  Contudo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) assegura que apenas 1/6 dos acidentes são oficialmente registrados e que, aproximadamente, 70% dos casos acontece em países em desenvolvimento, com os organofosforados representando 70% das intoxicações agudas.  Os agrotóxicos têm feito vítimas fatais, além de provocar aborto, malformação fetal, suicídios, câncer, dermatose, entre outras doenças. De acordo com a OMS, ocorrem 20.000 óbitos/ano devido à manipulação, inalação e consumo
  16. 16.  Estudos estimam que aproximadamente 25 milhões de trabalhadores agrícolas de países pobres sofram com algum tipo de intoxicação causada por exposição a agrotóxicos. Há diversas situações comprovadas como no caso de que duas grandes empresas multinacionais que firmaram acordo em 2013 para indenização da ordem de R$ 200 milhões envolvendo cerca de mil trabalhadores contaminados por substâncias cancerígenas, entre 1974 e 2002, numa fábrica de pesticidas em Paulínia, no interior de São Paulo.  Uma pesquisa feita pela Organização Pan- Americana de Saúde (OPAS), em 12 países latino- americanos, revelou que o envenenamento por produtos químicos, especialmente o chumbo e os pesticidas, simbolizam cerca de 15% de todas as
  17. 17. Impactos ambientais
  18. 18.  De maneira geral, os pesticidas são tóxicos, independentemente de qual composto é usado, sendo uns menos, e outros mais danosos à saúde humana e ao meio ambiente.  Um dos problemas mais comuns é a contaminação do solo, de lençóis freáticos e de rios e lagos. Quando o agrotóxico é utilizado, ele chega ao solo e a chuva, ou o próprio sistema de irrigação da plantação, facilita a chegada dos pesticidas aos corpos de água, poluindo- os e intoxicando toda vida lá presente.  Um bom exemplo de como esse tipo de produto tóxico funciona pode ser observado em inseticidas, como os organoclorados e organofosforados. Ambos são bioacumulativos, o que significa que o composto permanece no corpo do inseto ou de um peixe após sua morte. Se algum outro animal se alimentar de um ser
  19. 19.  O uso de pesticidas, inclusive, contribui com o empobrecimento do solo. Estudos mostram que a utilização de pesticidas reduz a eficiência da fixação de nitrogênio realizada por micro- organismos, o que faz com que o uso de fertilizantes seja cada vez mais necessário.  Os pesticidas também favorecem o surgimento de pragas progressivamente mais fortes, através de um processo de “seleção natural”, em que os animais mais resistentes aos agrotóxicos tomam o lugar das espécies mais suscetíveis. Esse processo também acaba
  20. 20. Outros problemas que já foram percebidos por estudos são a diminuição do número de abelhas polinizadoras e a destruição do habitat de pássaros em ambientes onde pesticidas são utilizados. A degradação do meio ambiente tem consequências a longo prazo e seus efeitos podem ser irreversíveis. Em escala planetárias, existem mais de 2 trilhões de toneladas de resíduos industriais sólidos e cerca de 350 milhões de toneladas de
  21. 21. Fiscalizaçã o
  22. 22.  Atualmente, cabe ao Ministério da Saúde o controle de agrotóxicos, enquanto que o controle ambiental cabe ao Ibama. O governo transmite todos os dados ao Ministério da Agricultura.  No ano de 2002, a Agência Nacional deVigilância Sanitária (ANVISA) criou o programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA), visando monitorar o comprimento da legislação sobre o nível permitido de resíduos agrotóxicos nos alimentos, o uso de quais produtos é permitido em cada colheita, e garantir que produtos como frutas, verduras e legumes cheguem à mesa do consumidor brasileiro com qualidade e segurança.  Em casos de uso de agrotóxicos acima do permitido pela ANVISA, os órgãos responsáveis pelas áreas da agricultura e meio ambiente, são acionados para
  23. 23. Alternativ as
  24. 24. agrotóxicos. Uma das possíveis alternativas para a substituição de agrotóxicos são os biopesticidas. De acordo com a EPA, o termo se refere a produtos feitos a partir de micro-organismos, substâncias naturais ou derivados de plantas geneticamente modificadas, que façam controle de pestes. Para o consumidor final, a situação é mais complexa, já que é difícil saber se o produtor utilizou ou não biopesticidas na sua lavoura. A opção é escolher, preferencialmente, alimentos orgânicos e sempre lavar frutas, legumes e verduras, independentemente da sua procedência.
  25. 25.  A pressão popular também é importante. A Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e PelaVida é uma organização que trata do assunto. maiores informação no Site da campanha ; http://www.contraosagrotoxicos.org/ DICA: assista o documentário :O veneno esta na mesa , criado por esta campanha.
  26. 26. Conclusão : A utilização de agrotóxicos está comprometendo toda a humanidade e a vida na Terra.
  27. 27. Fontes:  http://brasil.elpais.com/brasil/2015/04/29/politica/1430321822_851653.html  http://www.mma.gov.br/seguranca-quimica/agrotoxicos  O que são agrotóxicos?  | Cultivando.com.br  http://www.infoescola.com/ecologia/agrotoxicos/  http://www.coladaweb.com/biologia/alimentos/agrotoxicos-o-veneno-nosso-de-cada- dia  http://www.ecycle.com.br/component/content/article/35/1441-os-problemas- causados-pelos-agrotoxicos-justificam-seu-uso.html  http://www.contraosagrotoxicos.org/
  28. 28. PROF ª : MARIA TERESA IANNACO GREGO 3º AN O  ALUNAS : KETLYN MAYLA SANTOS SILVA / Nº 22 RAYLLA DE SOUSA OLIVEIRA / Nº 27 THAINA YURI MEDEIROS BRITO / Nº 32

×