Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Simulado de língua portuguesa

4,421 views

Published on

  • Be the first to comment

Simulado de língua portuguesa

  1. 2. <ul><li>1 – (Enem – 2002) Só falta s Senado aprovar o projeto de lei [sobre o uso de estrangeirismos no Brasil] para que palavras como shopping center, delivery e drive-through sejam proibidas em nomes de estabelecimentos e marcas. Engajado nessa valorosa luta contra o inimigo ianque, que quer fazer área de livre comércio com nosso inculto e belo idioma, venha sugerir algumas outras medidas que serão de extrema importância para a preservação da soberania nacional, a saber: </li></ul><ul><li>nenhum cidadão carioca ou gaúcho poderá dizer “Tua vai” em espaços públicos do território nacional; </li></ul><ul><li>Nenhum cidadão paulista poderá dizer “Eu lhe amo” e retirar ou acrescentar o plural em sentenças como “Me vê um shopps e dois pastel”; </li></ul><ul><li>Nenhum dono de borracharia poderá escrever cartaz com a palavra “borraxaria” e nenhum dono de banca de jornal anunciará “Vende-se cigarros”; </li></ul><ul><li>Nenhum livro de gramática obrigará os alunos a utilizar colocações pronominais como “casar-me-ei” ou “ver-se-ão”. </li></ul><ul><li>(PIZA, Daniel. “Uma proposta imodesta”. O Estado de S. Paulo, 8/4/2001) </li></ul>No texto acima, o autor: ( ) mostra-se favorável a uma padronização do uso da língua portuguesa, por entender que ela deve ser protegida contra deturpações de uso. ( ) ironiza medidas de repreensão ao uso de estrangeirismos e tentativas de padronização do uso da língua ao sugerir medidas que inibam determinados usos regionais e socioculturais da língua. ( ) denuncia o desconhecimento de regras elementares de concordância verbal e nominal pelo falante brasileiro. ( ) revela-se preconceituoso em relação a certos registros linguísticos ao propor medidas que os controlem. ( ) defende o ensino rigoroso da gramática para que todos aprendam a empregar corretamente os pronomes.
  2. 3. 2 – ( Fuvest 1995) No romance Vidas Secas de Graciliano Ramos, o vaqueiro Fabiano encontra-se com o patrão para receber o salário. Eis parte da cena: “ Não se conformou, devia ser engano. (...) Com certeza havia um erro no papel do branco. Não se descobriu o erro, e Fabiano perdeu os estribos. Passar a vida inteira assim no toco, entregando o que era dele de mão beijada! Estava direito aquilo? Trabalhar como negro e nunca arranjar carta de alforria? O patrão zangou-se, repeliu a insolência, achou bom que o vaqueiro fosse procurar serviço noutra fazenda. Aí Fabiano baixou a pancada e amunhecou. Bem, bem. Não era preciso barulho não”. (Graciliano Ramos, Vidas Secas, 91ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2003) No fragmento transcrito, o padrão formal da linguagem convive com marcas de regionalismo e de coloquialismo no vocabulário. Pertence à variedade do padrão formal da linguagem o seguinte o seguinte trecho: ( ) “Não se conformou: devia haver engano”. ( ) “entregando o que era dele de mão beijada!” ( ) “e Fabiano perdeu os estribos”. ( ) “Aí Fabiano baixou a pancada e amunhecou”. ( ) “Passar a vida inteira assim no toco”.
  3. 4. 3 – (Cefet-SC 2009, adaptado) Com base nas regras da norma padrão, assinale a única alternativa na qual a grafia de ambas as palavras em destaque está correta: ( ) O caso teve grande REPERCUÇÃO e causou a DEMIÇÃO do secretário. ( ) Ainda que Olavo se mostrasse PRETENCIOSO às vezes, jamais fazia ALUZÃO aos bens do pai. ( ) Chamavam-no REACIONÁRIO porque utilizava, nas DISCUSSÕES do grupo, argumentos baseados em valores tradicionais. ( ) A certeza da REPREENÇÃO paterna causava-lhe grande AFLISSÃO. ( ) Casas de DIVERÇÃO muito suspeitas convidaram os jovens a TRANSGREÇÕES
  4. 5. . 4 – (ENEM 2009) A PARTIDA Acordei pela madrugada . A princípio com tranquilidade, e logo com obstinação, quis novamente dormir. Inútil, o sono esgotara-se. Com precaução, acendi um fósforo: passava das três. Restava-me, portanto, menos de duas horas, pois o trem chegaria às cinco. Veio-me então um desejo de não passar mais nem uma hora naquela casa. Partir, sem dizer nada, deixar quanto antes minhas cadeias de disciplinas e de amor. Com receio de fazer barulho, dirigi-me à cozinha, lavei o rosto, os dentes, penteei-me e, voltando ao meu quarto vesti-me. Calcei os sapatos, sentei-me um instante à beira da cama. Minha avó continuava dormindo. Deveria fugir ou falar com ela? Ora, algumas palavras... Que me custava acordá-la, dizer-lhe adeus? (LINS, O. A partida. Melhores contos. Seleção e prefácio de Sandra Nitrini. São Paulo: Global, 2003) No texto, o personagem narrador, na iminência da partida, descreve a sua hesitação em separar-se da avó. Esse sentimento contraditório fica claramente expresso no trecho:
  5. 6. ( ) “A princípio com tranquilidade, e logo com obstinação, quis novamente dormir”. ( ) “Restava-me, portanto, menos de duas horas, pois o trem chegaria às cinco”. ( ) “Deveria fugir ou falar com ela? Ora, algumas palavras...” ( ) “Partir, sem dizer nada, deixar quanto antes minhas cadeias de disciplinas e amor”. ( ) “Calcei os sapatos, sentei-me um instante à beira da cama”. 5 – Leia os versos a seguir para resolver o exercício: Nasce o Sol, e não dura mais que um dia Depois da Luz se segue à noite escura Em tristes sombras morre a formosura Em contínuas tristezas e alegrias. (Gregório de Mattos) O texto tem, como característica, uma figura de linguagem denominada antítese. Com base na leitura dos versos, podemos dizer que este recurso estilístico se baseia na seleção de itens lexicais que: ( ) se repetem e possuem sons consonantais semelhantes. ( ) são colocados em ordem progressiva ou regressiva de significação. ( ) suavizam uma ideia que seria, de outro modo, triste ou chocante. ( ) estabelecem entre si uma relação de oposição ( ) contêm um significado diferente do que se pretende dizer, com o objetivo de provocar o sarcasmo.
  6. 7. 6 – (Unesp – 2010) Assim como numa família de atletas um garoto deve encontrar certa resistência ao começar a fumar, fui motivo de piada entre alguns parentes – quase todos intelectuais – quando souberam que eu estava correndo. O esporte é bom pra gente, fortalece o corpo e emburrece A MENTE – disse minha vó, num almoço de domingo (...) Antes que o primeiro corredor indignado atire UM TÊNIS em minha direção, explico-me. (...) ( Antonio Prata. Pensar em nada. Runner’s World, nº 7, São Paulo; Editora Abril, maio/2009) Os termos grafados com letras maiúsculas nas passagens acima identificam-se pelo fato de exercerem a mesma função sintática nas orações de que fazem parte. Indique essa função: ( ) Sujeito ( ) predicativo do sujeito ( ) predicativo do objeto ( ) objeto direto ( ) complemento nominal
  7. 8. 7 – (Fuvest – 2010) Em qual destas frases a vírgula foi empregada para marcar a omissão do verbo? ( ) Ter um apartamento no térreo é ter as vantagens de uma casa, além de poder desfrutar de um jardim. ( ) Compre sem susto: a loja é virtual; os diretos, reais. ( ) Para quem não conhece o mercado financeiro, procuramos usar uma linguagem livre de economês. ( ) A sensação é de estar perdido: você não vai encontrar ninguém no Jalapão, mas vai ver a natureza intocada. ( ) Esta é a informação mais importante para a preservação da água: sabendo usar, não vai faltar. 8 – Assinale a alternativa em que os verbos estão empregados dentro dos padrões da norma culta. ( ) Fazem cinco anos que não vejo minha família. ( ) Haviam mais pessoas do lado de fora da sala do que assistindo aula. ( ) O tempo de espera pela consulta costumam ser de sete dias. ( ) Os dois entrevistados parecem terem a mesma opinião sobre o assunto. ( ) eu não viajo há anos e hoje faz duas semanas que finalmente estou planejando minhas férias.
  8. 9. 9 – (UFPE – 2000) O Modernismo, iniciado no Brasil a partir da Semana de Arte Moderna de 1922, não apresenta, entre suas principais características: ( ) liberdade de expressão ( ) anticonvencionalismo dos temas ( ) valorização da vida rural ( ) inovação da linguagem ( ) incorporação da temática do cotidiano 10 – (Enem – 2009) A falta de espaço para brincar é um problema muito comum nos grandes centros urbanos. Diversas brincadeiras de rua, tal como o pular corda, o pique pega e outros, têm desaparecido do cotidiano das crianças. Essas brincadeiras de rua desenvolvem tanto habilidade perceptivo-motaras quanto habilidades sociais. Considerando a brincadeira e o jogo como um importante instrumento de interação social, pois por meio deles a criança aprende sobre si, sobre o outro e sobre o mundo ao seu redor, entende-se que: ( ) o jogo possibilita a participação de crianças de diferentes idades e níveis de habilidade motora. ( ) o jogo desenvolve habilidades competitivas centradas na busca da excelência na execução de atividades do cotidiano. ( ) o jogo gera um espaço para vivenciar situações de exclusão que serão negativas para a aprendizagem social. ( ) através do jogo é possível entender que as regras são constituídas socialmente e que não podemos modificá-las. ( ) no jogo, a participação está sempre vinculada à necessidade de aprender um conteúdo novo e de desenvolver habilidades motoras especializadas.

×