Estafilococos

21,983 views

Published on

Cocos Gram-positivos: Staphylococcus

0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
21,983
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
503
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Estafilococos

  1. 1. STAPHYLOCOCCUSCOCOS GRAM-POSITIVOS, CATALASE POSITIVO 1
  2. 2. CARACTERISTICAS GERAIS•Cocos Gram + (0.5-1.2 um dediametro) em cachos de uva e aos pares•Nao fazem esporos,•Bactérias facultativas•Respiracão aeróbica/fermentacão•Todos são catalase-positivo,•Imóveis 2
  3. 3. CARACTERISTICAS GERAIS•São relativamente resistentes aoressecamento e ao calor.•Apresentam sensibilidade variável amuitos agentes antimicrobianos (produçãode B-lactamases, resistência à meticilina eoxacilina, tolerância e plasmídios ) 3
  4. 4. 4
  5. 5. 5
  6. 6. Principais espécies Staphylococcus aureus Staphylococcus epidermidis Staphylococcus Saprophyticus Staphylococcus Haemoliticus 6
  7. 7. 7
  8. 8. PAREDE CELULAR 8
  9. 9. 9
  10. 10. Proteína A (SpA): Tem a habilidade de se ligar à porçãoFC de IgG, impedindo, portanto que ela sirva de fator deopsonização na Fagocitose. Fab Fab IgG Fc SpA (Atn)S. aureus 10
  11. 11. HABITAT São membros da microbiota normal da pele, via respiratórias e trato gastrointestinal. O estado de portador nasal é observado em 40% a 50% dos humanos. Capacidade patogênica – desde a intoxicação alimentar a bacteremia e abscessos em vários órgãos. 11
  12. 12. 12
  13. 13. FATORES DE VIRULÊNCIAProteína A = proteína antifagocitáriaCatalase = impede digestãointracelularCoagulase = Producão de fibrinaEstafiloquinase= Lisa depósitos defibrina - fator de disseminacão 13
  14. 14. FATORES DE VIRULÊNCIAHemolisinas = alfa, betaLeucocidina = destrói leucócitosExotoxina alfa: extracelular,leucocida, dermonecróticaEnterotoxina termoestável:intoxicacão: vômitos e diarréialíquida s/sangue 14
  15. 15. PEPTIDOGLICANO Induz a produção de interleucina 1 e de Ac.opsônicos pelos monócitos. Apresenta atividade semelhante a endotoxina. Pode atuar como quimiotático para polimorfonucleares. 15
  16. 16. ESTRUTURA ANTIGÊNICAÁCIDOS TEICÓICOS Podem ser antigênicos.PROTEÍNA “A” Componente da parede celular. Liga-se à moléculas de IgG, com exceção da IgG3. 16
  17. 17.  CATALASE ENZIMAS Conversão do peróxido de hidrogênio em água e oxigênio. COAGULASE Impede a cascata normal da coagulação do plasma. Deposição de fibrina na superfície dos estafilococos. HIALURONIDASE ou fator de propagação 17
  18. 18. ENZIMAS ESTAFILOQUINASE Ação semelhante a estreptoquinase, resultando em fibrinólise. PROTEINASES LIPASES B-LACTAMASES 18
  19. 19. 19
  20. 20. TOXINAS EXOTOXINAS Contêm hemolisinas solúveis ( toxina alfa - proteína capaz de lisar eritrócitos e lesar plaquetas; ação sobre musculatura lisa vascular; toxina beta - degrada a esfingomielina; toxina gama e delta). 20
  21. 21. TOXINAS LEUCOCIDINA Pode destruir leucócitos. São termoestáveis. ENTEROTOXINA O gene da enterotoxina pode estar localizado no cromossomo ou ser transportado por plasmídios. 21
  22. 22. MANIFESTAÇÕES CLINICAS Infeccões piogênicas na pele (foliculite, furúnculo, carbúnculo, terçol, etc); Infeccões oportunistas (osteomielite, septicemia, pneumonia, endocardite, meningite, etc); 22
  23. 23.  Síndrome de Ritter (pele escaldada); Intoxicações alimentares; Síndrome do choque tóxico. 23
  24. 24. INFECÇÕES POR STAPHYLOCOCCUS24
  25. 25. FURUNCULOO furúnculo é uma pústula que acomete um folículo piloso, causado por infecção por S. aureus. 25
  26. 26. 26
  27. 27. Furúnculo ( modelo da infecção estafilocócica ) S.aureus no folículo piloso Necrose tecidual + produção fibrinaPATOGENIA Formação de parede + células inflamatórias + tecido fibroso No centro da lesão ocorre liquefação Drenagem Tecido de granulação e cicatrização final 27
  28. 28. O furúnculo ou antraz começa como umnódulo inflamado doloroso que usualmenteflutua, aflora e se rompe. 28
  29. 29. FOLICULITE ESTAFILOCÓCICA 29
  30. 30. SÍNDROME DA PELE ESCALDADA Superantígenos produzidos por S. aureus são as Toxinas Exfoliativas (ETs). As ETs causam um a Síndrome da Pele Escaldada Estafilocócica (Staphylococcal Scalded Skin Syndrome - SSSS), caracterizada pela formação de lesões bolhosas e posterios exfoliação da pele. 30
  31. 31. SINDROME DA PELE ESCALDADA 31
  32. 32. SINDROME DA PELE ESCALDADA 32
  33. 33. SINDROME DA PELE ESCALDADA 33
  34. 34. SINDROME DA PELE ESCALDADA34
  35. 35. Síndrome do Choque Tóxico (TSS)  Uma condição sistêmica grave caracterizada por febre, hipotensão, descamação cutânea, erupções cutâneas e acometimento de pelo menos mais três sistêmas orgânicos a longo prazo. A Síndrome do Choque Tóxico pode ocorrer num evento menstrual ou não menstrual. 35
  36. 36. 36
  37. 37. 37
  38. 38. SINDROME DO CHOQUE TÓXICO 38
  39. 39. IMPETIGO Impetigo é uma infecção da epiderme que resulta em lesões vesiculares que rompem, levando à formação de crostas de exsudato seco. 39
  40. 40. IMPETIGO40
  41. 41. IMPETIGO41
  42. 42. CARBUNCULOOcarbúnculo é um conjunto defurúnculos que coalesceram emcamadas profundas da derme edo tecido conjuntivo formandouma lesão supurativa profundacom múltiplas erupçõesadjacentes. 42
  43. 43. CARBUNCULO43
  44. 44. CARBUNCULO 44
  45. 45. CARBUNCULO 45
  46. 46. ABCESSO46
  47. 47. TERÇOL 47
  48. 48. INFECÇÃO DO SITIO CIRÚRGICO 48
  49. 49. OSTEOMIELITE49
  50. 50. OSTEOMIELITE 50
  51. 51. INFECÇÃO DE QUEIMADURA 51
  52. 52. FOLICULITE52
  53. 53. SEPTICEMIA 53
  54. 54. DIAGNÓSTICO EXAME BACTERIOSCÓPICO: Coloração de GRAM CULTURA: Meio de ágar sangue, ágar chapman-stone, ágar manitol salgado. 54
  55. 55. MEIOS DE CULTURANão são muito exigentes, crescemem meios comuns que contémpeptona e extrato de carne, mascrescem melhor em meios contendosangue, ácido nicotínico, tiamina ebiotina. São adequados: AGARSANGUE, CHAPMAN STONE,MSA -ÁGAR MANITOL SAL,STAPHYLOCOCCUS 110. 55
  56. 56. Morfologia das colôniasCrescimento rápido em condiçõesaeróbicas ou microaerófilas.Em meiossólidos, as colônias são redondas, lisas,elevadas e brilhantes.As colônias de S.aureus sãoacinzentadas a amarelo dourado intenso.As colônias de S.epidermidisapresentam coloração de cinza a branca. 56
  57. 57. 57
  58. 58. ÁGAR SANGUE 58
  59. 59. PROVA DIFERENCIAL 59
  60. 60. Esquema de Identificação (Resumo) Nota: Strep. viridans é COCOS GRAM POSITIVOS alfa hemolítico e negativo para todos os testes abaixo Catalase + Staphylococcus (cachos) Streptococcus -(pares & cadeias) Coagulase Hemólise +S. aureus - S. epidermidis (1) BETA: Bacitracina + S.pyogenes (grupo A)β-hemolítico não-hemolítico (normalmente) CAMP/Hipurato +S. agalactiae (grupo B)manitol +col. amarelo manitol - col. branca (2) ALFA: Optoquina/Bile Solubil. + S. pneumoniae ou (3) GAMA: Bile Esculina + 6.5% NaCl + Group D* Enterococcus S. saprophyticus novobiocina - R Bile Esculina + 6.5% NaCl - Group D* Não-Enterococcus (*pode ser tb beta ou alfa hemolítico) 60
  61. 61. COLORAÇÃO DE GRAM 61
  62. 62. Provas Bioquímicas Produtores de catalase ( Diferenciação com os estreptococos ) Fermentam carboidratos produzindo ácido láctico, não gás. Tolerância ao NaCL MANITOL 62
  63. 63. CATALASEH2O2 + crescimento bacteriano Formação de bolhas (teste positivo) 63
  64. 64. 64
  65. 65. HEMÓLISE 65
  66. 66. TESTE DA COAGULASE 66
  67. 67. PROVA DA COAGULASE 67
  68. 68. NOVOBIOCINA 68
  69. 69. TESTE DE AGLUTINAÇÃO EM LATEX 69
  70. 70. TESTE DE AGLUTINAÇÃO EM LATEX 70
  71. 71. Esquema Simplificado de Diferenciação S = sensível, R = resistente, V = variável, F = fermentativo, O = oxidativo 71
  72. 72. 72
  73. 73. EPIDEMIOLOGIA Principais fontes: Lesões humanas, fômites contaminados, vias respiratórias e pele humana. Importância do estado de portador crônico ( nariz e pele ) de S.aureus resistente a antibióticos. Nos hospitais, as áreas de maior risco de infecções estafilocócicas são berçários, U.T.I., centro cirúrgico e enfermarias de quimioterapia de câncer 73

×