Restaurações em resinas compostas

117,162 views

Published on

Restaurações em resinas compostas

Published in: Education
0 Comments
53 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
117,162
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
93
Actions
Shares
0
Downloads
1,803
Comments
0
Likes
53
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Restaurações em resinas compostas

  1. 1. Prof. Ms. Guilherme TerraDisciplina de Dentística Restauradora
  2. 2.  COR MATIZ CROMA Terra, G.
  3. 3.  As cores são classificadas com base em três dimensões. ◦ Matiz. ◦ Croma. ◦ Valor. Terra, G.
  4. 4. A B C D Distingue uma família de cor de outra. Vermelho de amarelo ou verde de azul, por exemplo. Terra, G.
  5. 5.  Característica que descreve a saturação ou intensidade de um determinado matiz. Na escala de cores Vita Classical, o croma é o número que segue a letra do matiz. Terra, G.
  6. 6.  Nos dentes naturais o croma é uma característica relacionada essencialmente à dentina. O esmalte age como um filtro, atenuando a percepção da cor dentinária. O croma aumenta de forma progressiva à medida em que a espessura de esmalte diminui. Terra, G.
  7. 7. Representa a luminosidade da cor.É a qualidade pela qual distinguimos uma cor clara de uma cor escura. O valor está relacionado à quantidade de pigmento branco existente. Quanto mais branco o objeto, maior será o valor, pois uma maior quantidade de luz será refletida. Terra, G.
  8. 8.  Translucidez Opacidade Fluorescência Opalescência Terra, G.
  9. 9.  Translucidez e Opacidade ◦ Efeito que mede a quantidade de luz que passa pelo objeto. Fluorescência: ◦ Característica natural da dentina. Sob luz de baixo comprimento de onda, o dente reflete cor azul-claro ou branco intenso. Opalescência: ◦ Sob luz de alto comprimento de onda o esmalte reflete luz cinza azulado. Terra, G.
  10. 10.  Cavidades menores. Fator C mais favorável. Maior influência dos iluminantes. Maior exigência estética. Terra, G.
  11. 11.  Aumento da área de esmalte no ângulo cavo- superficial. Proporciona uma melhor estética. A extensão deve ser de cerca de 0,5mm do limite de esmalte sadio. Apenas na vestibular. Terra, G.
  12. 12.  Seleção da cor. Isolamento da campo operatório. Preparo cavitário. Limpeza da cavidade. Terra, G.
  13. 13.  Proteção do complexo dentino-pulpar. Aplicação de ácido fosfórico 37% por 15 seg. Lavagem e secagem. Aplicação do sistema adesivo e fotopolimerização. Terra, G.
  14. 14.  Confecção da porção palatina com resina composta. Confecção dos lóbulos de desenvolvimento. Confecção da porção vestibular. Acabamento e polimento. Terra, G.
  15. 15. Terra, G.
  16. 16. Terra, G.
  17. 17. Terra, G.
  18. 18. Terra, G.
  19. 19. Terra, G.
  20. 20. Terra, G.
  21. 21. Terra, G.
  22. 22. Terra, G.
  23. 23. Ácidofosfórico 37% Terra, G.
  24. 24. Aplicar duascamadas deadesivo.Nãofotopolimerizarentre ascamadas.Leves jatos dear entre ascamadas. Terra, G.
  25. 25. Terra, G.
  26. 26. Terra, G.
  27. 27. Terra, G.
  28. 28. Terra, G.
  29. 29. Terra, G.
  30. 30.  Desgaste de superfície Contato proximal deficitário Contorno anatômico complexo Sensibilidade pós-operatória Infiltração marginal Técnica sensível Durabilidade questionável
  31. 31.  Análise clínica, estética e radiográfica; Checar contatos oclusais cêntricos; Acesso à lesão de cárie; Remoção do tecido cariado; Formas de conveniência ao Procedimento restaurador.
  32. 32.  Controle de fluidos gengivais, sangue e saliva; Afastamento dos tecidos moles; Proteção para paciente e profissional; Maior produtividade.
  33. 33.  Limpeza da cavidade ◦ Pedra-pomes e água. Proteção do complexo dentino-pulpar ◦ Cavidades rasas e médias.  Apenas sistema adesivo. ◦ Cavidades profundas  CIV e adesivo dentinário. ◦ Cavidades muito profundas  Hidróxido de cálcio, CIV e adesivo dentinário.
  34. 34.  Conferem à cavidade o contorno correto da porção proximal da restauração;Utilizada para não deixar excessos interproximais. Diversos tipos no mercado: ◦ Matrizes tipo Boomerang – conjunto com porta matriz ◦ Matrizes individuais pré-contornadas  Pallodent – Dentsply  Unimatrix – TDV  Composi Tigth – GDS Garrison
  35. 35.  Ácido fosfórico 32-37%, por 15seg; Lavar abundantemente; Secar suavemente; ◦ Bolinhas de algodão. ◦ Leves jatos de ar. ◦ Papel absorvente. Aplicação do adesivo e fotopolimerização.
  36. 36.  Resinas híbridas e micro-híbridas. Compactáveis. Nanopartículas. A única não indicada para posteriores são as resinas microparticuladas.
  37. 37.  Seleção da cor. Isolamento da campo operatório. Preparo cavitário. Limpeza da cavidade. Terra, G.
  38. 38.  Proteção do complexo dentino-pulpar. Aplicação de ácido fosfórico 37% por 15 seg. Lavagem e secagem. Aplicação do sistema adesivo e fotopolimerização. Terra, G.
  39. 39.  Aplicação do sistema de matriz e cunha, se necessário. Confecção da face proximal, se necessário. Técnicas incrementais, respeitando o fator de configuração cavitária – Fator C. Terra, G.
  40. 40.  Técnica para confecção de faces proximais.
  41. 41.  Convencional Step Ramp Pulso tardio Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9. Terra, G.
  42. 42.  Intensidade constante. Potência máxima do aparelho. 20 a 40 segundos. Não estende a fase Pré-gel. Gera um maior Stress na interface adesiva. Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9. Terra, G.
  43. 43.  A resina é fotopolimerizada inicialmente em uma potência mais baixa, e subitamente emprega-se a potência máxima do aparelho. Tempos pré definidos pelo aparelho. Estende a fase Pré-gel. Gera um menor Stress na interface adesiva. Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9. Terra, G.
  44. 44.  A luz é aplicada em baixa intensidade e, gradativamente a intensidade é aumentada, chegando a uma alta intensidade por mais um tempo específico. Tempos pré definidos pelo aparelho. Estende a fase Pré-gel. Gera um menor Stress na interface adesiva. Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9. Terra, G.
  45. 45.  Cada incremento é fotopolimerizado por 5 segundos em baixa potência. Banho de luz ao fim da restauração de 1 minuto por face, em potência máxima. Técnica que gera o menor stress de contração de polimerização e melhor adaptação marginal. Técnica que têm sido mais indicada pela literatura. Pacheco JFM, Sensi LG, Hirata R. Contração e Fotopolimerização das Resinas Compostas: Abordagem Clínica. Rev Soc Bras Odontol Estét. 2002;3:13-9. Terra, G.
  46. 46.  Pontas diamantadas F e FF Pontas multilaminadas Borrachas abrasivas Discos e lixas Pastas de polimento e discos de feltro e escovas de robinson brancas
  47. 47. Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho Terra Professor do Curso de Especialização em Implantodontia da SPO  Especialista em Implantodontia e Dentística  Mestre em Odontologia – Universidade Ibirapuera drguilhermeterra@yahoo.com.br

×