Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Restaurações em Amálgama

108,045 views

Published on

Restaurações em Amálgama

Published in: Education

Restaurações em Amálgama

  1. 1. Prof. Ms. Guilherme TerraDisciplina de Dentística operatória básicaRESTAURAÇÕES EM AMÁLGAMA
  2. 2. Amálgama Conceito definido por Black em 1895. Liga metálica em que um dos componentes é o mercúrio. Formato de partículas  Limalha (Partículas irregulares)  Esferoidal  Limalha + Esferoidal A reação de presa do amálgama é chamada de cristalização.
  3. 3. Restaurações em Amálgama A restauração em amálgama deve seguir alguns passos para seu sucesso. Esses passos podem ser chamados de Tempos de Cristalização do Amálgama.
  4. 4. Tempos de Cristalização doAmálgama Deve-se considerar a:  trituração;  inserção;  condensação;  Brunidura pré-escultura;  escultura.
  5. 5. Trituração O objetivo da trituração é promover um maior contato entre a liga e o mercúrio. O tempo ideal é o mínimo para a formação de uma massa prateada e brilhante, de máxima plasticidade numa dada proporção liga/mercúrio.
  6. 6. Trituração A trituração pode ser:  Manual  Mecânica
  7. 7. Trituração manual É realizada através do gral e pistilo de vidro ou metálico. O excesso de mercúrio é removido com um pano de linho ou de camurça.
  8. 8. Trituração mecânica Amalgamadores são dispositivos mecânicos que têm a propriedade de misturar o mercúrio com a liga metálica.  Eles podem ser divididos em duas categorias:  Amalgamadores de proporcionamento automático.  Amalgamadores de cápsulas.
  9. 9. Amalgamadores de proporcionamentoA desvantagemdestesistema está naimprecisão daproporção.
  10. 10. Amalgamadores de cápsulasA proporção serealiza porbalança deprecisão, sendobem maisconfiável.
  11. 11. Inserção Deve ser inserido em pequenas porções com o auxílio do porta amálgama.
  12. 12. Condensação Visa o preenchimento da cavidade e a perfeita adaptação do amálgama com as paredes e ângulos. Visa também a compactação da massa. Realizada por um condensador de amálgama.
  13. 13. Brunidura pré-escultura Realizada com um brunidor ovóide ou esférico, com pressão firme sobre o amálgama. O intuito é remover o excesso de mercúrio.
  14. 14. Escultura Realizada logo após a brunidura pré-escultura com o instrumento de Hollemback . O tempo de trabalho para a escultura pode variar de 3 a 15 minutos dependendo da liga.  Amálgama de cristalização rápida  3 a 6 minutos  Amálgama de cristalização regular  6 a 10 minutos  Amálgama de cristalização lenta  10 a 15 minutos
  15. 15. Brunidura pós-escultura Realizada com leve pressão em movimentos circulares. Dar maior brilho e lisura superficial.
  16. 16. Acabamento e Polimento Reduz o depósito de placa e prolonga a vida da restauração. Corrigi discrepâncias marginais e melhora o contorno. Deve ser feito, no mínimo após 48 horas.
  17. 17. Acabamento e Polimento O acabamento é realizado com fresas multilaminadas de 12 ou 30 lâminas, em baixa rotação.
  18. 18. Acabamento e Polimento Nas proximais usa-se tiras de lixa. O polimento deve ser feito com movimentos intermitentes e sob refrigeração, para evitar o afloramento de mercúrio.
  19. 19. Acabamento e Polimento O polimento dever ser iniciado com as pontas de borracha mais abrasiva para as menos abrasivas, em baixa rotação. Estas borrachas abrasivas são encontrados nas cores marron (mais abrasiva), verde e azul;
  20. 20. Sequência clínica Isolamento do campo operatório; Adaptação do porta matriz (Classe II); Trituração do amálgama; O amálgama deve ser colocado num pote Dapen de vidro; Acomodar o material e condensar primeiro nas proximais (Classe II);
  21. 21. Sequência clínica Condensar contra as paredes e ângulos;
  22. 22. Sequência clínica Brunir com movimentos circulares e rápidos; Delimitar a crista marginal com explorador (Classe II);
  23. 23. Sequência clínica Esculpir com o Hollemback apoiando a ponta ativa do instrumento em dente, seguindo a inclinação das vertentes; Aguardar a cristalização inicial; Brunimento pós-escultura.
  24. 24. Sequência clínica Brunimento pós- escultura.
  25. 25. Falhas das restaurações emAmálgama O amálgama apresenta uma vida média de 4- 8 anos e uma vida máxima de 25 anos. Apesar do excelente desempenho clínico, que este material apresenta, muitas falhas poderiam ser evitadas.
  26. 26. Tipos de falhas Manchamento; Corrosão; Fratura de corpo e bordo; Cáries secundárias; Danos pulpares; Degradação marginal; Alterações dimensionais do material.
  27. 27. Causas das falhas Indicação incorreta do material; Carga mastigatória intensa (Bruxismo); Profundidade do preparo insuficiente; Proporção liga metálica/mercúrio incorreta;
  28. 28. Causas das falhas Trituração inadequada; Condensação insuficiente; Brunidura acentuada; Polimento exagerado; Forramento excessivo;
  29. 29. Causas das falhas Ausência de cunha e matriz; Anatomia / escultura inadequada; Falta de polimento; Excessos marginais; Contorno, altura e contatos incorretos.
  30. 30. Causas das falhas 56% pelo preparo cavitário incorreto 40% pela técnica incorreta 4% outras causas
  31. 31. Prevenção de falhas Indicação correta do material; Seguir os princípios gerais do preparo; Dominar a técnica restauradora; Manipular corretamente o material; Regular os aparelhos de acordo com o tipo de liga utilizado; Utilizar os instrumentos corretos.
  32. 32. Indicações Restaurações da cavidade tipo I, II e V .‰ Pacientes com péssima higiene bucal. Preenchimento para peças protéticas com infra- estrutura metálica. Restaurações subgengivais. Obturações retrógradas endodônticas.
  33. 33. Contra-indicações Pouco remanescente nas paredes circundantes. Contato proximal ou oclusal com outros metais. Pacientes com deficiências renais severas. Pacientes alérgicos à algum componente da liga. Crianças abaixo de seis anos de idade????? Gestantes e lactantes??????

×