Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Periodização Tática - José guilherme 2016

6,386 views

Published on

O jogo de futebol como um sistema complexo
• A Tática como uma dimensão complexa
• Das ideias de jogo à criação de um Modelo de Jogo
• Princípios de jogo
• A Especificidade como sistema informacional de uma equipa
• Sub-dinâmicas de jogo
• A interação entre princípios e sub-dinâmicas de jogo
• A relevância dos padrões semanais de treino
• A criação de contextos de prática - características
• Avaliação do processo de treino

Published in: Sports
  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Follow the link, new dating source: ♥♥♥ http://bit.ly/2ZDZFYj ♥♥♥
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Sex in your area is here: ❤❤❤ http://bit.ly/2ZDZFYj ❤❤❤
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Periodização Tática - José guilherme 2016

  1. 1. Periodização Tática. O que é? José Guilherme Junho 2016
  2. 2. José Guilherme VITOR FRADE
  3. 3. José GuilhermeJosé GuilhermeJosé Guilherme
  4. 4. José Guilherme Roteiro de temas • O jogo de futebol como um sistema complexo • A Tática como uma dimensão complexa • Das ideias de jogo à criação de um Modelo de Jogo • Princípios de jogo • A Especificidade como sistema informacional de uma equipa • Sub-dinâmicas de jogo • A interação entre princípios e sub-dinâmicas de jogo • A relevância dos padrões semanais de treino • A criação de contextos de prática - características • Avaliação do processo de treino
  5. 5. José Guilherme Treino Criar, desenvolver e aperfeiçoar as diferentes competências e capacidades das equipas e dos respetivos jogadores, de modo a que a resolução dos problemas de jogo, coletivos e individuais, possam responder às exigências competitivas requisitadas.
  6. 6. José Guilherme Periodização do treino Está relacionada com o espaço temporal que é necessário para se conseguir construir uma forma de jogar. Assim: Periodizar significa dividir o processo de treino em períodos, com objetivos específicos, que facilitem a construção e evolução de uma forma de jogar, coletiva e individual, e, simultaneamente, permita o controle desse processo.
  7. 7. José Guilherme Periodização do treino Perceber o contexto Tomar decisões Escolher caminhos
  8. 8. José Guilherme Pressupostos - O que é um jogo de Futebol? - O que é uma equipa de Futebol?
  9. 9. José Guilherme O que é um jogo de Futebol? Contexto
  10. 10. O que é um jogo de Futebol? Confronto entre 2 equipas Contexto: imprevisível e aleatório Jogadores que Interagem com objetivos comuns e antagónicosPadrões de ação.Sensível a todas os acontecimentosContexto decisional
  11. 11. José Guilherme O que é um jogo de Futebol? - Confronto entre duas equipas - Jogadores interagem com objetivos comuns e antagónicos - Imprevisível e aleatório - Sensível a todos os “acontecimentos” - Evidencia “padrões de ação” Contexto
  12. 12. José Guilherme O que é uma equipa de Futebol? Um conjunto de jogadores em Interação, que cooperam, com objetivos e comportamentos comuns coordenados, fazendo emergir uma certa organização e estabilidade, ofensiva e defensiva, num contexto de jogo que é imprevisível e de instabilidade permanente. SISTEMA É um todo dinâmico constituído por elementos que interagem entre si e com o meio envolvente e que têm objetivos comuns. (Bertrand & Guillemet, 1994)
  13. 13. O que é uma equipa de Futebol?
  14. 14. José Guilherme Sistema caótico Sistemas complexos que se caracterizam por um conjunto de agentes em interação, que cooperam, com objetivos e comportamentos comuns, fazendo emergir uma certa ordem e estabilidade num contexto caótico, de desordem e instabilidade permanente. (Stacey, 1995) Contextos de grande aleatoriedade Contextos não previsíveis Contextos sensíveis “a todas os eventos”
  15. 15. Jogo de Futebol como sistema caótico
  16. 16. José Guilherme Sistema caótico - características Conjunto de interações que um Sistema pode promover entre os seus elementos e estes com o seu meio envolvente. (Bertrand & Guillemet, 1994) Quantidade de Interações Qualidade das Interações COMPLEXIDADE
  17. 17. Complexidade
  18. 18. José Guilherme Sistema caótico - características Os diferentes elementos de um sistema interagem em função de objetivos. Criar uma “organização” para ganhar os jogos Resolver os problema que o jogo levanta FINALIDADE
  19. 19. Finalidade
  20. 20. José Guilherme Sistema caótico - características As interações entre os diferentes elementos permite criar dinâmicas de ação entre eles para que os objetivos do sistema possam ser atingidos. Treinador: “promove e potencia” outras dinâmicas Treinador: “limita e destrói” as dinâmicas AUTO-ORGANIZAÇÃO Liberdade dentro da Organização
  21. 21. José Guilherme Sistema caótico - características AUTO-ORGANIZAÇÃO Liberdade dentro da Organização - Potenciar a qualidade de desempenho individual - Expressar a criatividade - Melhorar a qualidade de desempenho coletivo
  22. 22. José Guilherme Sistema caótico - características Conjunto de interações que um Sistema pode promover entre os seus elementos e estes com o seu meio envolvente. Colegas Adversários ABERTURA
  23. 23. José Guilherme Sistema caótico - características Um sistema é diferente da soma das suas partes. Um sistema tem as suas próprias propriedades/características, que em virtude das interações são diferentes das dos seus componentes. TOTALIDADE Todo desorganizado Todo neutro Todo organizado
  24. 24. José Guilherme Sistema caótico - características Um Fratal é a propriedade de fraturar e representar um modelo caótico em sub modelos, existentes em várias escalas, que sejam representativos desse modelo. (Mandelbrot, 1991) NOÇÃO DE FRATAL Parte do “todo” que representa o “todo” (várias escalas).
  25. 25. José Guilherme Objetivo das equipas Criar uma identidade, em função de determinadas ideias de jogo, com o objetivo de resolver os problemas, sempre imprevisíveis, que o jogo evidencia - isto é, criar um Modelo de Jogo. Futebol - “jogo de problemas”
  26. 26. Ideia de jogo do treinador Treino José Guilherme Ideias de como atacar (Princípios) Ideias de como defender (Princípios) Jogador Processo dinâmico não linear Objetivo das equipas Modelo de Jogo Características ExperiênciasNível
  27. 27. JOGADOR JOGADOR JOGADOR JOGADOR José Guilherme Plano Macro - Equipa Ideias do Treinador Parcialmente previsível JOGADOR JOGADOR JOGADOR JOGADOR Processo dinâmico não linear Objetivo das equipas JOGADOR JOGADOR JOGADOR Plano Micro - Jogador Imprevisível na previsibilidade Modelo de Jogo
  28. 28. José Guilherme Criar um conjunto de referências / intencionalidades coletivas e individuais que permitam orientar a equipa e os respetivos jogadores na resolução dos problemas durante os diferentes momentos do jogo. Criar um sistema informacional próprio que permita que os diferentes jogadores se identifiquem e comuniquem… Objetivo das equipas
  29. 29. José Guilherme Periodização Tática! O que é? É uma Conceção de Treino que pretende, através do respeito de uma Matriz Concetual e de Princípios Metodológicos próprios, construir uma forma de jogar Específica.
  30. 30. José Guilherme Periodização Tática! O que é? - Treino deve ser um processo de experienciar e não de exercitar Como jogar é resolver os problemas que o adversário nos coloca: - Treino deve ser um processo de ensino-aprendizagem
  31. 31. José Guilherme Periodização Tática! O que é? • Porque permite vivenciar os problemas reais, isto é, dar sentido ao processo de treino. Experienciar • Porque permite uma interação e uma consequente adaptação recíproca, uma cumplicidade - um envolvimento Emocional.
  32. 32. José Guilherme Periodização Tática! O que é? Permite desenvolver HÁBITOS DE AÇÃO Experienciar Intenções Prévias (conscientes) Experienciar (processo de treino) Intenções em Ato (dominantemente não conscientes)
  33. 33. José Guilherme Periodização Tática! O que é? Porque ensinar pressupõe contextualizar e orientar para a aquisição de determinados saberes, conhecimentos, competências, experiências, isto é, “direcionar caminhos”. Ensino-aprendizagem Ensinar implica dar sentido ao Experienciar. Só se consegue ensinar a quem quiser aprender…
  34. 34. José Guilherme Periodização Tática! O que é? Porque aprender é a aquisição de saberes, competências, conhecimentos, experiências, vivências, isto é, “experienciar o caminho”. Aprender só se estiver envolvido Emocionalmente Ensino-aprendizagem
  35. 35. José Guilherme Periodização Tática! O que é? É uma conceção que tem como objetivo a Equipa e os Jogadores adquirirem conhecimentos e competências, coletivas e individuais, através de experiências - criar hábitos de ação - de modo a ir construindo um Modelo de Jogo.
  36. 36. José Guilherme Periodização Tática! Que pressupostos? Reconhecer o processo de treino como uma realidade complexa e com uma dinâmica não linear.
  37. 37. como se exprime… José Guilherme Periodização Tática! Que pressupostos? Conhecer e reconhecer o Ser que joga - o Homem - isto é, a Criança, o Adolescente, o Adulto como uma unidade complexa. como cresce como aprende como decide
  38. 38. Apoiar-se nos conhecimentos de diferentes áreas. José Guilherme Fisiologia Biologia Psicologia Teoria da Complexidade Teoria do Caos Geometria Fratal Sociologia Neurociências… Teoria dos Sistemas Periodização Tática! Que pressupostos?
  39. 39. José Guilherme Periodização Tática! Que pressupostos? Entendimento de Tática São os meios que se utilizam para atingir determinados fins.
  40. 40. José Guilherme Periodização Tática! Que pressupostos? Entendimento de Tática Tática como uma das 4 dimensões: JOGO Dimensão Tática Dimensão Técnica Dimensão Física Dimensão Psicológica Dimensão Tática Dimensão Técnica Dimensão Física Dimensão Psicológica
  41. 41. Dimensão Tática
  42. 42. José Guilherme Periodização Tática! Que pressupostos? Entendimento de Tática Tática para a “Periodização Tática”: É uma dimensão complexa que se manifesta pela interação da organização das outras dimensões, que também são complexas. Dimensão Tática Dimensão Psicológica Dimensão Física Dimensão Técnica Tomada de Decisão Dimensão Organizativa JOGO
  43. 43. José Guilherme Periodização Tática! Que pressupostos? Entendimento de Tática Relembrando o conceito de Complexidade • Conjunto de interações que um Sistema pode promover entre os seus elementos e estes com o seu meio envolvente. • A complexidade não é simplificável, pode evidenciar diferentes níveis. • As partes não representam o todo e só são realmente entendidas quando dentro do todo. No entanto, os diferentes níveis de complexidade representam o todo - noção de Fratal.
  44. 44. José Guilherme Periodização Tática! Que pressupostos? Entendimento de Tática A complexidade não é simplificável, pode evidenciar diferentes níveis de complexidade. (Bertrand & Guillemet, 1994) Dimensão Tática Dimensão Psicológica Dimensão Física Dimensão Técnica Tomada de Decisão Dimensão Organizativa JOGO Relembrando o conceito de Complexidade
  45. 45. José Guilherme Periodização Tática! Que pressupostos? Entendimento de Tática A Dimensão Tática não tem sentido, não existe, se alguma das outras dimensões não for contemplada. Dimensão Tática Dimensão Psicológica Dimensão Física Dimensão Técnica Tomada de Decisão Dimensão Organizativa JOGO Tática para a “Periodização Tática”:
  46. 46. José Guilherme Periodização Tática! Que pressupostos? Entendimento de Tática Em consequência desta lógica entendemos que a Dimensão Tática deve assumir a Coordenação e a Modelação de todo o processo operacional do treino. Dimensão Tática Dimensão Psicológica Dimensão Física Dimensão Técnica Tomada de Decisão Dimensão Organizativa JOGO Tática para a “Periodização Tática”:
  47. 47. José Guilherme Então, o que é necessário? Modelar o processo de treino
  48. 48. José Guilherme Modelar o processo de treino Dois fundamentos: • Ter ideias de jogo: saber como se pretende que os problemas de jogo sejam resolvidos • Processo operacional: passar essas ideias do plano concetual para o plano da ação.
  49. 49. José Guilherme Modelar o processo de treino • Matriz Concetual • Matriz Metodológica Princípio da Especificidade
  50. 50. José Guilherme Princípio da Especificidade A Especificidade é um conceito qualificador de uma relação entre diferentes variáveis. Essa relação de interação entre as variáveis representam a informação específica de um determinado contexto. Gibson (1979), Laughlin ( 2008)
  51. 51. José Guilherme Princípio da Especificidade As variáveis são consideradas específicas se as relações informacionais e, consequentemente, de envolvimento se puderem predizer umas às outras. Beek, Jacobs, Daffertshofer & Huys ( 2008)
  52. 52. José Guilherme Princípio da Especificidade Assim: A Especificidade é um sistema informacional dinâmico que emerge do modo de interação dos intervenientes de um determinado contexto. Ideias de jogo do treinador Jogadores0 Interação
  53. 53. José Guilherme Princípio da Especificidade Isto é: O sistema informacional emerge do processo de treino e manifesta-se através do Modelo de Jogo que se está a criar. É um conceito: Sistémico Complexo Dinâmico
  54. 54. José Guilherme Princípio da Especificidade Desse modo: • A Especificidade é sempre substantiva - é a IDENTIDADE DE CADA EQUIPA. Cada equipa tem as suas características A sua Especificidade O seu Sistema Informacional
  55. 55. Dimensão Tática José Guilherme Princípio da Especificidade • A Especificidade condiciona e direciona tudo o que deve ser feito no processo de treino. • Dimensão organizativa • Dimensão técnica • Dimensão fisica • Dimensão psicológica • Tomada de decisão
  56. 56. José Guilherme Modelar o processo de treino • Matriz Concetual • Matriz Metodológica Princípio da Especificidade
  57. 57. José Guilherme Matriz Concetual Tem como objetivo orientar a modelação do processo de treino • Momentos do jogo • Escalas da equipa • Organização do princípios de jogo
  58. 58. José Guilherme Momentos de jogo Organização Defensiva Transição Ataque - Defesa Transição Defesa - Ataque Organização Ofensiva F R A T A L I D A D E I N T E R A Ç Ã O PROFUNDIDADE TRANSVERSALIDADE “Controlo didático” das ideias de jogo e das suas interações
  59. 59. José Guilherme Escalas da equipa Níveis de interação entre os jogadores. Densidade do experienciar.
  60. 60. José Guilherme Escalas da equipa Coletiva
  61. 61. José Guilherme Escalas da equipa Coletiva Inter-setorial
  62. 62. José Guilherme Escalas da equipa Coletiva Inter-setorial Setorial
  63. 63. José Guilherme Escalas da equipa Coletiva Inter-setorial Setorial Grupal
  64. 64. José Guilherme Escalas da equipa Coletiva Inter-setorial Setorial Grupal Individual
  65. 65. José Guilherme Escalas da equipa Coletiva Inter-setorial Setorial Grupal Individual F R A T A L I D A D E I N T E R A Ç Ã O
  66. 66. José Guilherme Organização dos princípios de jogo Princípios de Jogo Padrões de ação táticos, padrões de intencionalidades e regularidades, que a equipa e os respetivos jogadores devem manifestar nas diferentes Escalas, durante os diferentes Momentos de Jogo. Interação Fratalidade
  67. 67. José Guilherme Organização dos princípios de jogo CriatividadeIndividualidade Início Princípios de Jogo Analogia das cores
  68. 68. José Guilherme Organização dos princípios de jogo Princípios de Jogo evidenciam várias escalas: - Princípios: são os padrões gerais que caracterizam a equipa, que lhe dão a identidade (cor…) - Plano Macro.
  69. 69. José Guilherme Organização dos princípios de jogo Princípios de Jogo evidenciam várias escalas: - Sub Princípios: são os padrões de jogo intermédios, que dão vida aos padrões gerais, que criam as dinâmicas da equipa - Plano Meso.
  70. 70. José Guilherme Organização dos princípios de jogo Princípios de Jogo evidenciam várias escalas: - Sub dos Sub Princípios: estão relacionados com os pormenores que os jogadores dão aos Princípios e aos Sub-Princípios, fornecendo “imprevisibilidade à previsibilidade” - Plano Micro.
  71. 71. José Guilherme Organização dos princípios de jogo A interação entre os princípios deve ser “transversal“ e em “profundidade”. Deve haver Fratalidade entre os princípios.
  72. 72. José Guilherme Organização dos princípios de jogo Exemplo Futebol - jogo de espaços
  73. 73. José Guilherme Organização Ofensiva Criação e entradas nos espaços Objetivo: - circular a bola para encontrar, criar e entrar nos espaços abertos da estrutura defensiva adversária com a finalidade de marcar golo.
  74. 74. - Jogo posicional - equipa “aberta”… - Jogadores em apoio (losango); - Jogador(es) de ligação; - Jogadores em profundidade e largura… José Guilherme Organização Ofensiva Criação e entradas nos espaços
  75. 75. - Saídas em construção curta - preferência pelo corredor central. José Guilherme Organização Ofensiva Criação e entradas nos espaços
  76. 76. - Circulação da bola com variabilidade (passe vs condução). José Guilherme Organização Ofensiva Criação e entradas nos espaços
  77. 77. - Variação permanente da circulação em largura e em profundidade - mobilidade da bola José Guilherme Organização Ofensiva Criação e entradas nos espaços
  78. 78. José Guilherme Organização Ofensiva Criação e entradas nos espaços - Mobilidade permanente dos jogadores: - para apoio e para profundidade; - para aproveitar e criar espaços entre setores; - para ajustes de interação.
  79. 79. - Variação da intensidade de circulação: - variação entre passes curtos e longos (evitar passes médios); - variação da velocidade da bola. José Guilherme Organização Ofensiva Criação e entradas nos espaços
  80. 80. - Criação e aproveitamento de situações de 1x1, nas laterais ou no corredor central. José Guilherme Organização Ofensiva Criação e entradas nos espaços
  81. 81. José Guilherme Organização Ofensiva Criação e entradas nos espaços - Ataque aos espaços - momentos de aceleração do jogo: - jogador entre setores de frente para o jogo com espaço; - desmarcação que provoca passe; - passe que provoca desmarcação; - espaço nas costas da defesa nas laterais - 1x1.
  82. 82. - Finalização: - Ataque e/ou ocupação das zonas de finalização (4); - “Timing” de finalização; - Versatilidade na finalização. José Guilherme Organização Ofensiva Criação e entradas nos espaços
  83. 83. José Guilherme Transição Ataque-Defesa Pressão ao portador da bola, ao espaço circundante e aos jogadores sem bola Objetivo: - pressionar o portador da bola, o espaço circundante e os jogadores sem bola, de forma a ganhar a posse da bola ou entrar em organização defensiva com a equipa fechada e equilibrada, sem espaços abertos entre linhas.
  84. 84. José Guilherme Organização Defensiva Fecho dos espaços (equipa - bola - baliza) em defesa à zona pressionante Objetivo: - fechar a equipa com o propósito de condicionar, direcionar e pressionar o adversário com a finalidade de retirar os espaços em largura e profundidade, provocar o erro e ganhar a posse da bola.
  85. 85. José Guilherme Transição Defesa-Ataque Tirar bola da zona de pressão: passe - condução Objetivo: - tirar bola da zona de pressão (espaço crítico) para aproveitar a eventual desorganização defensiva do adversário para: (i) entrar nos espaços abertos - profundidade; (ii) manter a posse da bola e entrar em organização ofensiva.
  86. 86. José Guilherme Matriz Concetual De modo: Tem como objetivo orientar a modelação do processo de treino a vivenciar contextos em que estes Princípios e Sub Princípios apareçam constantemente, transformando as intenções prévias em intenções em ato.
  87. 87. José Guilherme Modelar o processo de treino • Matriz Concetual • Matriz Metodológica Princípio da Especificidade
  88. 88. José Guilherme Matriz Metodológica Otimizar as condições do processo de treino para que as ideias de jogo passem do plano concetual para o plano operacional - JOGO. • Princípio da Progressão Complexa • Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade • Princípio das Propensões I N T E R A Ç Ã O
  89. 89. José Guilherme Princípio da Progressão Complexa Está relacionado com a forma como articulamos toda a informação de modo a permitir o desenvolvimento da forma de jogar da equipa (e respetivos jogadores) ao longo do tempo. • Desenvolver os Princípios • Articular a complexidade dos princípios/exercícios ao longo da semana • Articular a complexidade com as Sub-dinâmicas de esforço vs recuperação I N T E R A Ç Ã O
  90. 90. José Guilherme Princípio da Progressão Complexa Progressão não linear Evolução Tempo • Desenvolver os Princípios
  91. 91. PRINCÍPIOS E SUB-PRINCÍPIOS DA EQUIPA José Guilherme Princípio da Progressão Complexa O QUE TREINAR? PORQUÊ? PRINCÍPIOS (JOGO ANTERIOR) PRINCÍPIOS (JOGO SEGUINTE) • Desenvolver os Princípios
  92. 92. • Articular a complexidade dos princípios/exercícios ao longo da semana José Guilherme Princípio da Progressão Complexa Curto Prazo Jogo a Jogo Domingo 2ª Feira 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo JOGO JOGORecuperação Recuperação Ativação Treino aquisitivo Operacionalização Folga Sub-Princípios Sub… Princípios Sub-princípios Sub-Princípios Sub… Escalas: Inter-setorial… Setorial Grupal Individual Escalas: Inter-setorial… Setorial Grupal Individual Escalas: Coletiva Inter-setorial…
  93. 93. José Guilherme Princípio da Progressão Complexa Curto Prazo Jogo a Jogo Domingo 2ª Feira 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo JOGO JOGORecuperação Recuperação Ativação Treino aquisitivo Operacionalização Folga MUITO ALTO BAIXO MUITO ALTO MODERADO ALTO MODERADO BAIXO BAIXO • Articular a complexidade com as Sub-dinâmicas de esforço vs recuperação
  94. 94. José Guilherme Princípio da Progressão Complexa Dois níveis de Periodização e Planificação distintos, mas que interagem: Médio e Longo Prazo Modelo de Jogo da Equipa Curto Prazo Jogo a Jogo Progressão não linear
  95. 95. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Tem como objetivo induzir adaptações nas diferentes “escalas” da equipa e respetivas interações, de modo a fazer emergir os padrões de jogo Específicos pretendidos.
  96. 96. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Para potenciar essas adaptações devemos criar um Padrão Semanal que: • Respeite a Progressão Complexa - articulação dos princípios e dos sub-princípios… • Permita a articulação das escalas de jogo… • Respeite o binómio desempenho vs recuperação - interação das sub-dinâmicas…
  97. 97. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Padrão Semanal - Morfociclo - espaço temporal entre dois jogos Domingo Domingo JOGO JOGO
  98. 98. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Padrão Semanal - Morfociclo - Morfologia / forma específica Sub-Dinâmica Tensão SubPrincípios Sub-Dinâmica Duração Princípios SubPrincípios Sub-Dinâmica Velocidade SubPrincípios Domingo 2ª Feira 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo JOGO JOGORecuperação Recuperação Ativação Treino aquisitivo Operacionalização Folga Relação entre o tipo de esforço / sub dinâmicas e a recuperação durante o Morfociclo Articulação da complexidade
  99. 99. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Simbologia das cores SUB DINÂMICA DE TENSÃO SUB DINÂMICA DE DURAÇÃO SUB DINÂMICA DE VELOCIDADE Centro do jogo Jogo na globalidade Momentos de aceleração da equipa
  100. 100. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Simbologia das cores SUB DINÂMICA DE TENSÃO SUB DINÂMICA DE DURAÇÃO SUB DINÂMICA DE VELOCIDADE Centro do jogo Jogo na globalidade Momentos de aceleração da equipa
  101. 101. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Simbologia das cores SUB DINÂMICA DE TENSÃO SUB DINÂMICA DE DURAÇÃO SUB DINÂMICA DE VELOCIDADE Centro do jogo Jogo na globalidade Momentos de aceleração da equipa
  102. 102. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Simbologia das cores SUB DINÂMICA DE TENSÃO SUB DINÂMICA DE DURAÇÃO SUB DINÂMICA DE VELOCIDADE Centro do jogo Jogo na globalidade Momentos de aceleração da equipa
  103. 103. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Simbologia das cores SUB DINÂMICA DE TENSÃO SUB DINÂMICA DE DURAÇÃO SUB DINÂMICA DE VELOCIDADE Centro do jogo Jogo na globalidade Momentos de aceleração da equipa Deste modo, podemos catalogar os princípios, os sub-princípios e os exercícios em função das sub-dinâmicas que expressam - controlo do processo de treino.
  104. 104. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Morfociclo - Domingo a Domingo Sub-Dinâmica Tensão SubPrincípios Sub-Dinâmica Duração Princípios SubPrincípios Sub-Dinâmica Velocidade SubPrincípios Domingo 2ª Feira 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo JOGO JOGORecuperação Recuperação Ativação Treino aquisitivo Operacionalização Folga
  105. 105. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Morfociclo - Domingo a Sábado Sub-Dinâmica Tensão SubPrincípios Sub-Dinâmica Velocidade SubPrincípios Domingo 2ª Feira 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo JOGO JOGORecuperação Recuperação Ativação Treino aquisitivo Operacionalização Folga
  106. 106. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Morfociclos - 3 jogos por semana Domingo 2ª Feira 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo JOGO JOGORecuperação Recuperação Ativação FolgaJOGO RecuperaçãoRecuperação Ativação
  107. 107. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Morfociclo - 3 treinos por semana Sub-Dinâmica Duração Princípios SubPrincípios Sub-Dinâmica Velocidade SubPrincípios Domingo 2ª Feira 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo JOGO JOGOFolga Sub-Dinâmica Tensão SubPrincípios Folga Folga
  108. 108. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Recuperação 3ª Feira Recuperação Sub-Dinâmica Tensão SubPrincípios Sub-Dinâmica Duração Princípios SubPrincípios Sub-Dinâmica Velocidade SubPrincípios Domingo 2ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo JOGO JOGORecuperação Ativação Treino aquisitivo Operacionalização Folga
  109. 109. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Treina-se: Sub-princípios… - Setorial; - Grupal; - Individual. “Sem desgaste emocional…” Dia - Recuperação
  110. 110. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Treino “técnico” de descompressão. Futvolei - pode variar número de jogadores. Dia - Recuperação
  111. 111. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Treino de Sub-princípios - setorial ou grupo. Jogo em espaço reduzido. Períodos de 1’ a 2’ com o mesmo intervalo ou maior… - ambiente de “descompressão”. Dia - Recuperação
  112. 112. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Treino de Sub-princípios - setorial ou grupo (regras permitem alterar…) Jogo com 4 apoios laterais em espaço muito reduzido. Períodos de 1’ a 2’ com o mesmo intervalo ou maior… Dia - Recuperação
  113. 113. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Treino de Sub-princípios - setorial ou grupo (regras permitem alterar…) MPB(várias balizas) com 2 apoios em espaço muito reduzido. Períodos de 1’ a 2’ com o mesmo intervalo ou maior… Dia - Recuperação
  114. 114. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Tensão Sub-Dinâmica Tensão SubPrincípios 4ª Feira 5ª Feira3ª Feira Recuperação Sub-Dinâmica Duração Princípios SubPrincípios Sub-Dinâmica Velocidade SubPrincípios Domingo 2ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo JOGO JOGORecuperação Ativação Treino aquisitivo Operacionalização Folga
  115. 115. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Tensão Treina-se: Sub-princípios - Inter-setorial - Setorial; - Grupal; - Individual.
  116. 116. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Tensão Treino de Sub-princípios setorial ou grupal. Org. defensiva e ofensiva com transição defesa-ataque... Jogo (Gr+4+1)x(Gr+4+1). Períodos de 3’ a 5’.
  117. 117. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Tensão Treino de Sub-princípios inter-setorial. Org. defensiva e ofensiva (jogo interior com entrada das bolas em profundidade) com transições... Jogo (Gr+6)x(Gr+6) + 4 apoios em profundidade. Períodos de 3’ a 5’.
  118. 118. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Tensão Treino de Sub-princípios setorial e inter-setorial – mobilidade, criação e entrada nos espaços. Jogo (Gr+6)x(Gr+6) em 3 espaços. Períodos de 8’ a 12’.
  119. 119. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Tensão Jogo (Gr+10)x(Gr+10) em 5 espaços. Períodos de 8’ a 12’. Treino de Sub-princípios setorial e inter-setorial – mobilidade, criação e entrada nos espaços.
  120. 120. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Tensão Treino de transições MPB (6x3(+3)+6 apoios) em 2 espaços. Períodos de 1’ a 2’.
  121. 121. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Tensão Treino de transições MPB (6x3(+3)) em 2 espaços. Períodos de 1’ a 2’.
  122. 122. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Tensão Treino de organização defensiva setorial… Jogo (Gr+5)x(5+Gr). Períodos de 6’ a 10’.
  123. 123. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Duração 5ª Feira Sub-Dinâmica Duração Princípios SubPrincípios Sub-Dinâmica Tensão SubPrincípios 4ª Feira3ª Feira Recuperação Sub-Dinâmica Velocidade SubPrincípios Domingo 2ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo JOGO JOGORecuperação Ativação Treino aquisitivo Operacionalização Folga
  124. 124. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Treina-se: Princípios e Sub-princípios - Coletivos - Inter-setorial Dia - Sub-Dinâmica Duração
  125. 125. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Duração Treino de Princípios e Sub-princípios inter-setorial. Org. ofensiva inter-setorial e transição ataque-defesa. Org. defensiva inter.setorial com transição defesa-ataque. Jogo (Gr+8)x(7+Gr). Períodos de 8’ a 12’.
  126. 126. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Duração Treino de Princípios e Sub-princípios a nível coletivo - jogo posicional. Org. defensiva e ofensiva com transições... MPB (Gr+10)x(10+Gr). Períodos de 6’ a 12’.
  127. 127. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Duração Treino de Princípios e Sub-princípios coletivo e inter-setorial. Org. ofensiva coletiva e transição ataque-defesa. Org. defensiva inter-setorial com transição defesa-ataque. Jogo (Gr+10)x(8+Gr). Períodos de 10’
  128. 128. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Duração Treino de Princípios e Sub-princípios coletivo. Org. ofensiva coletiva e transição ataque-defesa. Org. defensiva coletiva com transição defesa-ataque. Jogo (Gr+10)x(10+Gr). Períodos de 10’ a 15’.
  129. 129. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Duração Treino de Princípios e Sub-princípios coletivo e inter-setorial. Org. defensiva (inter-setorial) e transição defesa-ataque. Org. ofensiva (coletiva) com transição ataque-defesa. Jogo (Gr+10)x(7+Gr+3). Períodos de 10’
  130. 130. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Duração Treino de Princípios e Sub-princípios coletivo. Org. defensiva coletiva e transição defesa-ataque. Org. ofensiva coletiva com transição ataque-defesa. Jogo (Gr+10)x(10+Gr). Quando entram no espaço em profundidade só defendem 2 defesas… Períodos de 10’ a 12’.
  131. 131. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Velocidade Sub-Dinâmica Velocidade SubPrincípios 6ª Feira5ª Feira Sub-Dinâmica Duração Princípios SubPrincípios Sub-Dinâmica Tensão SubPrincípios 4ª Feira3ª Feira Recuperação Domingo 2ª Feira Sábado Domingo JOGO JOGORecuperação Ativação Treino aquisitivo Operacionalização Folga
  132. 132. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Treina-se: Princípios e Sub-princípios - Inter-setorial - Setorial - Grupal - Individual Dia - Sub-Dinâmica Velocidade
  133. 133. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Velocidade Treino de Sub-princípios inter-setorial. Org. ofensiva e defensiva com transições (entradas nos espaços) Jogo (Gr+7)x(6(+1)+Gr)) em ondas. Períodos de 10’ a 15’ (mas max. 1,5’…)
  134. 134. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Velocidade Treino de Sub-princípios inter-setorial e setorial. Org. ofensiva e defensiva com transições (entradas nos espaços)… (pode haver muitas variantes com a entrada no ataque e na defesa de diferentes jogadores...) Jogo (Gr+4+6)x(6+4+Gr). Períodos de 6’ a 10’ (mas max. 1,5’)
  135. 135. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Velocidade Treino de Sub-princípios inter-setorial e setorial. Org. ofensiva e defensiva com transições (entradas nos espaços) … Jogo (5+1…)x(5+3…)… Períodos de 6’ a 10’ (mas max. 30’’)
  136. 136. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Velocidade Treino de Sub-princípios inter-setorial e setorial. Transições ofensivas e defensivas. Jogo (3+2+1…)x(3+2…)… Períodos de 6’ a 10’ (mas max. 15’’+15’’)
  137. 137. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Velocidade Treino de princípios setorial e intersetorial… a) 4x(3+GR) - zona central b) 6(5+GR) - zona central + 1 corredor lateral c) 8 x(7+GR) - toda a equipa Períodos de 10’ a 15’
  138. 138. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Sub-Dinâmica Velocidade Treino Técnico… com entradas nos espaços e finalização 5x(1+1+GR) Períodos de 10’ a 15’
  139. 139. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Sábado Recuperação Ativação Sub-Dinâmica Velocidade SubPrincípios 6ª Feira5ª Feira Sub-Dinâmica Duração Princípios SubPrincípios Sub-Dinâmica Tensão SubPrincípios 4ª Feira3ª Feira Recuperação Domingo 2ª Feira Domingo JOGO JOGO Treino aquisitivo Operacionalização Folga Dia - Recuperação / Ativação
  140. 140. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Treina-se: Princípios e Sub-princípios - Coletivos - Inter-setorial - Setorial - Grupal - Individual Dia - Recuperação / Ativação “Sem desgaste emocional…”
  141. 141. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Recuperação / Ativação Meínhos variados
  142. 142. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Recuperação / Ativação Meínho das “3 equipas”
  143. 143. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Recuperação / Ativação “Finalização simples”
  144. 144. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Recuperação / Ativação Jogos (Gr + 9 (2+7)) x (9 (2+7) + Gr). Com trocas permanentes dos jogadores que ficam no espaço defensivo. Períodos de 5’ (sempre a trocar)
  145. 145. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Dia - Recuperação / Ativação Jogo (11)x(11) de coreografia, mas de exercitação muito curta (relembrar estratégia…)
  146. 146. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Domingo2ª Feira JOGO JOGO Domingo 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo2ª Feira JOGO JOGO Domingo 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Alternância Horizontal em Especificidade em 3 níveis: Relação Princípios e Sub-princípios… Padrões de Esforço Sub-bdinâmicas Binómio Esforço vs Recuperação
  147. 147. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Domingo2ª Feira JOGO JOGO Domingo 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Domingo2ª Feira JOGO JOGO Domingo 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado Manutenção dos Padrões Semanais em Profundidade Domingo2ª Feira JOGO JOGO Domingo 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira Sábado
  148. 148. José Guilherme Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade Ao respeitar este Princípio da Alternância Horizontal em Especificidade estamos: • A desenvolver o nosso Modelo de Jogo • A possibilitar treinar sempre com Intensidades Máximas Relativas e ter qualidade de desempenho entre os diferentes exercícios e diferentes treinos • Chegar aos jogos “frescos” • A respeitar o binómio desempenho vs recuperação
  149. 149. José Guilherme Princípio das Propensões Tem como objetivo criar contextos de prática em que a densidade do ou dos princípios que se pretendem treinar/experienciar apareçam como regularidade, de modo a possibilitar a emergência do jogo que se deseja para a equipa.
  150. 150. José Guilherme Princípio das Propensões - A densidade dos Princípios e dos Sub-princípios… e da sua interação tem que ser uma evidência nos exercícios propostos. - A densidade também contempla a sub-dinâmica desejada.
  151. 151. José Guilherme Princípio das Propensões PlanosTático e Técnico PlanoFisiológico - Plano Fisiológico: sub-dinâmica que cada dia solicita. Dois Planos - Planos “Tático/organizativo e Técnico”: quantidade de vezes que determinado princípio… aparece no exercício.
  152. 152. José Guilherme Princípio das Propensões É este o Princípio Metodológico que permite direcionar a Modelação do Treino de modo a que o jogo deixe de ser “caótico” para passar a ser “Caótico Determinístico”.
  153. 153. José Guilherme Princípio das Propensões Deve existir uma grande interação com os Princípios da Progressão Complexa e da Alternância Horizontal em Especificidade.
  154. 154. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios • Criar exercícios tem como objetivo potenciar relações de interação entre os jogadores, direcionadas pelas ideias do treinador, com o propósito de resolver os problemas do jogo. Não treinamos exercícios Treinamos a forma de resolução dos problema de jogo.
  155. 155. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios • “Vivenciar / experienciar” contextos de interação Específicos e Representativos • Criar exercícios tem como objetivo potenciar relações de interação entre os jogadores, direcionadas pelas ideias do treinador, com o propósito de resolver os problemas do jogo. • Direcionar as decisões, individuais e coletivas, em função de referências - ideias de jogo PROCURANDO
  156. 156. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Conceito de Representatividade: refere-se à organização das condições do contexto que é reproduzido de forma a representar o ambiente comportamemtal, informacional e funcional do contexto real. Brunswick Existem diferentes níveis de Representatividade Interagir com qualidade de desempenho - “boarder line”
  157. 157. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Especificidade vs Representatividade: - Exercícios podem ser Específicos e pouco Representativos. - Exercícios podem não ser Específicos e serem Representativos. - Exercícios devem ser Específicos e Representativos.
  158. 158. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios • Competências para decidir autonomamentePROMOVER • Criar exercícios tem como objetivo potenciar relações de interação entre os jogadores, direcionadas pelas ideias do treinador, com o propósito de resolver os problemas do jogo. • Competências para “saber fazer” • Em função das “ideias de jogo” • Em função das características e capacidades individuais
  159. 159. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios • “Reduzir sem empobrecer…” - níveis de complexidade diferenciados - Escalas de jogo CARACTERÍSTICAS • Criar exercícios tem como objetivo potenciar relações de interação, direcionadas pelas ideias do treinador, com o propósito de resolver os problemas do jogo. FRATAIS DO NOSSO JOGAR
  160. 160. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Exemplos • Org. defensiva inter-setorial (Def e MC) em jogo (Gr+8)x(8+Gr)
  161. 161. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Exemplos • Org. defensiva inter-setorial (Def e MC) em jogo (Gr+8)x(8+Gr)
  162. 162. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Exemplos • Organização ofensiva e defensiva grupal (corredor central) em jogo (Gr+6)x(6+Gr)
  163. 163. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Exemplos • Organização ofensiva e defensiva grupal (corredor central) em jogo (Gr+6)x(6+Gr)
  164. 164. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Exemplos • Organização defensiva do setor defensivo e médio centro em jogo (Gr+5)x(5+Gr)
  165. 165. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Exemplos • Organização defensiva do setor defensivo e médio centro em jogo (Gr+5)x(5+Gr)
  166. 166. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Exemplos • Organização ofensiva e defensiva do setor do MC com o PL (Gr+4)x(4+Gr)
  167. 167. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Exemplos • Organização ofensiva e defensiva do setor do MC com o PL (Gr+1+3+1)x(1+3+1+Gr)
  168. 168. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Exercícios - Contextos de Prática ▸ “Micro Estruturas” - Escalas de jogo ▸ Pretendem potenciar interações para resolver os problemas de jogo de acordo com determinadas ideias ▸ Criar a dinâmica e as sub-dinâmicas da equipa - Identidade de Jogo CRIAM O SISTEMA INFORMACIONAL DA EQUIPA.
  169. 169. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Treino das Habilidades Motoras Específicas - Dimensão Técnica
  170. 170. Desempenhos de excelência Cognitivas Percetivas Decisionais Motores Técnica Deficitária Decisões e Soluções CondicionadasHabilidades Motoras EspecíficasOpções Táticas Individuais Opções Táticas Coletivas
  171. 171. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Treino das Habilidades Motoras Específicas - Dimensão Técnica Habilidade Motora Ação complexa e intencional que envolve a interação dos mecanismos sensorial, central e motor que, através de um processo de aprendizagem, se tornou organizado e coordenado com o propósito de atingir um determinado objetivo de forma eficaz e eficiente. (Connoly, 1977; Magill, 2007; Whiting, 1975)
  172. 172. Técnica Informação disponível que explica como se executa eficientemente determinada tarefa motora específica num determinado contexto. (Tani et al, 2006) José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Treino das Habilidades Motoras Específicas - Dimensão Técnica
  173. 173. Características Destina-se a alcançar objetivos - resolver problemas contextuais. Não têm sentido, nem existem no abstrato. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Treino das Habilidades Motoras Específicas - Dimensão Técnica
  174. 174. Características Requisitam simultaneamente: precisão, consistência e flexibilidade. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Treino das Habilidades Motoras Específicas - Dimensão Técnica
  175. 175. Características Equivalência motora: capacidade de atingir os mesmos objetivos ou de realizar a mesma ação através de diferentes padrões de movimento. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Treino das Habilidades Motoras Específicas - Dimensão Técnica
  176. 176. Características Transfere de aprendizagem bilateral: reporta-se à informação cerebral que é transferida de um hemisfério para o outro, permitindo que a aprendizagem de uma habilidade por um dos membros seja facilitada pela aprendizagem que o outro já conseguiu. José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios Treino das Habilidades Motoras Específicas - Dimensão Técnica
  177. 177. O contexto de aprendizagem das habilidades motoras específicas deve ser: José Guilherme Modelação dos Contextos de Prática - Exercícios - objetivo; - contextual; - decisional; - flexível; - aleatório; - variável. Treino das Habilidades Motoras Específicas - Dimensão Técnica
  178. 178. José Guilherme Avaliação da equipa vs treino • Avaliar o nosso jogo - os nossos princípios de jogo • Avaliar o treino / exercícios • Avaliar o jogador • Direcionar o treino (coletivo e individual)
  179. 179. José Guilherme Avaliação da equipa vs treino • Como? • Observação direta • Observação indireta - vídeo • Instrumentos de análise Sports Code Vídeo Observer Gephi (gráfico de redes)
  180. 180. José Guilherme Avaliação da equipa vs treino • Gephi
  181. 181. José Guilherme Avaliação da equipa vs treino • Gephi
  182. 182. José Guilherme Avaliação da equipa vs treino • Gephi
  183. 183. José Guilherme Avaliação da equipa vs treino • Gephi
  184. 184. José Guilherme Avaliação da equipa • Como? - Definição de categorias e indicadores
  185. 185. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Indicador 1 • Jogo posicional - equipa “aberta”… - Jogadores em apoio (losango); - Jogador(es) de ligação; - Jogadores em profundidade e largura… Avaliação da equipa
  186. 186. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Indicador 2 • Saídas em construção curta - preferência pelo corredor central. Avaliação da equipa
  187. 187. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Indicador 3 • Circulação da bola com variabilidade (passe vs condução). Avaliação da equipa
  188. 188. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Indicador 4 • Variação permanente da circulação em largura e em profundidade - mobilidade da bola Avaliação da equipa
  189. 189. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Indicador 5 • Mobilidade permanente dos jogadores: - para apoio e para profundidade; - para aproveitar e criar espaços entre setores; - para ajustes de interação. Avaliação da equipa
  190. 190. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Indicador 6 • Variação da intensidade de circulação: - variação entre passes curtos e longos (evitar passes médios); - variação da velocidade da bola. Avaliação da equipa
  191. 191. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Indicador 7 • Variação da intensidade de circulação: - variação entre passes curtos e longos (evitar passes médios); - variação da velocidade da bola. Avaliação da equipa
  192. 192. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Indicador 8 • Criação e aproveitamento de situações de 1x1, nas laterais ou no corredor central. Avaliação da equipa
  193. 193. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Indicador 9 - Ataque aos espaços - momentos de aceleração do jogo: - jogador entre setores de frente para o jogo com espaço; - desmarcação que provoca passe; - passe que provoca desmarcação; - espaço nas costas da defesa nas laterais - 1x1. Avaliação da equipa
  194. 194. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Indicador 10 - Finalização: - Ataque e/ou ocupação das zonas de finalização (4); - “Timing” de finalização; - Versatilidade na finalização. Avaliação da equipa
  195. 195. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Suponhamos que tínhamos detetado problemas no Indicador 4 - Variação permanente da circulação em largura e em profundidade - mobilidade da bola Avaliação da equipa
  196. 196. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Exercícios Avaliação da equipa - Circulação em largura - mobilidade da bola
  197. 197. José Guilherme Exemplo - Organização Ofensiva Exercícios Avaliação da equipa - Circulação em profundidade - mobilidade da bola
  198. 198. José Guilherme Avaliação da equipa vs treino • Avaliar o nosso jogo - os nossos princípios de jogo • Avaliar o treino / exercícios • Avaliar o jogador • Direcionar o treino (coletivo e individual)
  199. 199. José Guilherme Avaliar treino /exercícios Será que o princípio de jogo pretendido esta a ser contemplado no exercício?
  200. 200. José Guilherme Avaliar treino /exercícios Exemplo: Interação entre jogadores do MC e PL
  201. 201. José Guilherme Avaliar treino /exercícios Exemplo: Interação entre jogadores do MC e PL
  202. 202. José Guilherme Avaliar treino /exercícios Exemplo: Muita finalização pela zona central
  203. 203. José Guilherme Avaliar treino /exercícios Exemplo: Muita finalização pela zona central
  204. 204. José Guilherme Avaliação da equipa vs treino • Avaliar o nosso jogo - os nossos princípios de jogo • Avaliar o treino / exercícios • Avaliar o jogador • Direcionar o treino (coletivo e individual)
  205. 205. José Guilherme Avaliar o jogador • Aspetos positivos: • Qualidades; • Características; • … • Aspetos negativos: • Debilidades • …
  206. 206. José Guilherme Avaliar o jogador • Intervenção • Uniformizar • Individualizar
  207. 207. José Guilherme Avaliar o jogador • Uniformizar • Bons em todas as dimensões do jogo
  208. 208. José Guilherme Avaliar o jogador • Individualizar • Excelência em algumas dimensões de jogo, mas possíveis debilidade noutras
  209. 209. José Guilherme Avaliar o jogador • Posição versus função Trabalho do Cauan Felipe Associação Mineira de Desenvolvimento Humano (AMDH) Betim - Minas Gerais
  210. 210. José Guilherme Avaliar o jogador Exemplo: Ponta de lança Organização Ofensiva: • Capacidade de controlar espaços em profundidade da equipa (central ou lateral); • Capacidade de criar linhas de passes entre linhas defensivas adversárias; • Capacidade de ultrapassar adversário direto em situação de 1 x 1; • Capacidade de desmarcação para atacar espaços em profundidade;
  211. 211. José Guilherme Avaliar o jogador Exemplo: Ponta de lança Organização Ofensiva: • Capacidade de gerir o tempo e o espaço de execução em função do contexto; • Capacidade de assistência para zonas de finalização; • Capacidade de alternar o ritmo para atacar espaços de zona de finalização. • Capacidade de atacar e finalizar em diferentes zonas de finalização;
  212. 212. José Guilherme Avaliar o jogador Exemplo: Ponta de lança Transição Defensiva: • Capacidade de realizar mudança de atitude após a perda de bola; • Capacidade de direcionar a pressão da própria equipa; • Capacidade de fecho de espaços para encurtar/equilibrar a equipa em largura e em profundidade.
  213. 213. José Guilherme Avaliar o jogador Exemplo: Ponta de lança Organização Defensiva: • Capacidade de controle dos espaços e ritmo do adversário; • Capacidade de direcionar o jogo da equipa adversário para zonas de pressão; • Capacidade de interceptar passes de ruptura; • Capacidade de reação/entendimento dos momentos de pressão; • Capacidade de fechar espaços da própria equipa.
  214. 214. José Guilherme Avaliar o jogador Exemplo: Ponta de lança Transição Ofensiva: • Desmarca-se como referência em apoio e/ou profundidade consoante o contexto; • Capacidade de temporizar a jogada para a chegada de apoios; • Retira a bola da zona de pressão em condução/penetração.
  215. 215. José Guilherme Referências Bibliográficas
  216. 216. José Guilherme Referências Bibliográficas
  217. 217. José Guilherme Referências Bibliográficas Pre arâeão Fu,tbetí §â 1..-,.
  218. 218. José Guilherme Referências Bibliográficas * íutebcã*arte allcerçaela em critér'ios
  219. 219. José Guilherme Referências Bibliográficas PreÍácio de Luís Freitas lobo Colaboração de: Rui Faria (adjunto de José Mourinho no lnter de Milão), José Guilherme 0liveira (adjunto de Carlos 0ueirós na Selecção de Portugal AA) e Marisa Gomes (treinadora dos quadros do Íutebol de formação do F. C. do Porto).
  220. 220. José Guilherme Referências Bibliográficas
  221. 221. José Guilherme Referências Bibliográficas
  222. 222. José Guilherme Referências Bibliográficas o00vlr hr§ , t N q ü l. c, t Introdução a o Pe n s a ln e n to itil iV i ,Lr p u b I i c a ç o e s:.-.1'.ii;,ã:ã*= INSTITUTO PIAGET ':.'.::;/ )i)"
  223. 223. José Guilherme Referências Bibliográficas TEORIA DOS SISTEMAS P. K. Anohin Ludwig von Bertalanffy Anatol Rapoport W. J. M. Mackenzie James D. Thompson $tRtr GrrltEl[$ $0G1fl$
  224. 224. José Guilherme Referências Bibliográficas
  225. 225. José Guilherme Referências Bibliográficas
  226. 226. José Guilherme Referências Bibliográficas
  227. 227. José Guilherme Referências Bibliográficas
  228. 228. José Guilherme Referências Bibliográficas ü l&,
  229. 229. José Guilherme Referências Bibliográficas Yues Bertrand Patrick Guíllemet oRGANÍZAÇOeS; UIVIA ABORDAGEilII, S'STEIVIICA
  230. 230. José Guilherme Referências Bibliográficas Benoll llandelbrot 0BIE[TOs FRRrrRts CIENCIAABERI{ gradiva
  231. 231. José Guilherme Referências Bibliográficas -- jy { "*Tf . 1-v: .#ívy:!,l3r;]wlffi*r|ffiyy#:( :y@tí"ww KARL R.POPPER uM DE MT]IDO PROPEISOES
  232. 232. José Guilherme Referências Bibliográficas Abraham Moles AS CIENCIAS DO IMPRECISO Biblioteca das Ciências do Homem Ediçoes Afrontamento
  233. 233. José Guilherme Referências Bibliográficas Holland DEM H.hrn 0 CI Jo A 0 como a adaptação gera a complexidade gradiva
  234. 234. José Guilherme Referências Bibliográficas
  235. 235. José Guilherme Referências Bibliográficas
  236. 236. José Guilherme Referências Bibliográficas
  237. 237. José Guilherme Referências Bibliográficas
  238. 238. José Guilherme Referências Bibliográficas
  239. 239. José Guilherme Referências Bibliográficas
  240. 240. José Guilherme Referências Bibliográficas
  241. 241. OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

×