Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Idade média igreja e cultura

18,271 views

Published on

A Igreja na Idade Média/ Heresias/ Tribunais de Inquisição/ Cultura Medieval

  • Be the first to comment

Idade média igreja e cultura

  1. 1. IDADE MÉDIA OCIDENTAL Profª. – Fatima Ap. de Freitas A IGREJA MEDIEVAL
  2. 2. SUMÁRIO • Igreja Medieval • Cultura da Idade Média
  3. 3. A IGREJA MEDIEVAL • Na Idade Média, a Igreja Católica dominava o cenário religioso. • Detentora do poder espiritual, a Igreja influenciava o modo de pensar, a psicologia e as formas de comportamento na Idade Média. • A igreja também tinha grande poder econômico, pois possuía terras em grande quantidade e até mesmo servos trabalhando. • Os monges viviam em mosteiros e eram responsáveis pela proteção espiritual da sociedade. • Passavam grande parte do tempo rezando e copiando livros e a bíblia, eram os monges copistas.
  4. 4. A ORGANIZAÇÃO DO CLERO CLERO REGULAR • Era formado pelos sacerdotes (monges ou freiras) que viviam isolados nos mosteiros ou conventos, obedecendo a uma regra de vida estabelecida por sua ordem religiosa. • Entre as mais importantes podemos citar a dos Beneditinos, dos Franciscanos, Dominicanos e Carmelitas. • Dedicavam seu tempo à vida religiosa e à realização de atividades agrícolas, pastoris, artesanais e trabalhos intelectuais. CLERO SECULAR • Era formado por sacerdotes que viviam fora dos mosteiros. • Para controlá-lo, foi criada uma hierarquia de cargos e funções que ia do pároco ao papa e que até hoje é a mesma. Vejamos:  Papa: cargo mais alto da hierarquia, considerado o bispo de Roma, sucessor de São Pedro.  Arcebispo: responsável pela província eclesiásticas (agrupamento de dioceses).  Bispo: responsável pela diocese (várias paróquias).  Pároco: padre responsável pela paróquia.
  5. 5. DIVISÃO DO CLERO CLERO SECULAR AÇÃO EM SOCIEDADE CLERO REGULAR COMUNIDADE ISOLADAS - MOSTEIROS
  6. 6. QUESTÃO DAS INVESTIDURAS • Problema entre o papa e os imperadores sobre a questão da nomeação de sacerdotes para cargos eclesiásticos, que remonta de meados do séc. X quando o imperador Oto I, do Sacro Império Romano Germânico, passou a intervir nos assuntos religiosos. • Ele fundou bispados e abadias, nomeou seus titulares em troca da proteção que concedia à Igreja controlava as ações do papa. • As investiduras do imperador visavam a interesses pessoais e do reino dando margem à corrupção entre os membros do clero, pois os bispos e padres colocavam seu compromisso com o rei acima da fidelidade ao papa. • Em 1073, o papa Gregório VII, instituiu o celibato e a proibição da investidura de sacerdotes a cargos eclesiásticos pelo imperador.
  7. 7. • Em reação, o imperador do Sacro Império aliou-se a 26 bispos alemães proibidos pelo papa de exercer funções religiosas, rompeu com o papa e o imperador foi excomungado, desenvolvendo um conflito aberto. • A questão só foi resolvida em 1122 com a Concordata de Worms, onde o papa faria a investidura espiritual dos bispos e ao imperador cabia o poder temporal (juramento de fidelidade ao bispo ao imperador)
  8. 8. HERESIAS E INQUISIÇÃO • Doutrinas contrárias às ensinadas pela Igreja Católica. Principais heresias: Albigenses: acreditavam num deus do bem e do mal, Cristo era visto como libertador das almas humanas. Patarinos e Valdenses: questionava a validade dos sacramentos ministrados por sacerdotes pecadores. Bogomilismo: acreditavam que a Igreja romana estava corrompida pela riqueza e o verdadeiro cristianismo existia apenas na pobreza e na vida simples; combatiam o culto à virgem Maria, aos santos e às imagens que havia nas igrejas. Tribunal da Inquisição Tribunal eclesiástico criado em 1231 pelo papa Gregório IX, como meio de descobrir e julgar os hereges, e com penas que variavam do confisco dos bens, excomunhão e morte na fogueira.
  9. 9. Educação • A educação era para poucos, pois só os filhos dos nobres estudavam e a Igreja Católica influenciava diversos aspectos da transmissão da cultura. • No final do século XII, começaram a surgir as primeiras universidades, eram corporações, quase sempre ligadas à Igreja que reuniam mestres e estudantes para o estudo de determinadas áreas do conhecimento. • Uma universidade completa tinha faculdades nas áreas de Teologia (filosofia), artes (ciências e letras), direito e medicina. • Principais universidades: Salerno, Paris, Oxford, Cambridge, Montpellier, Salamanca, Nápoles, Roma e Coimbra.
  10. 10. ESTILOS ARQUITETÔNICOS ROMÂNICO • Floresceu entre os séculos XI e XIII. • Traços simples, grossos pilares, tetos e arcos em abóboda, janelas estreitas e muros reforçados. • Principais obras: Igreja de São Miguel (Lucca), e a catedral de Notre Dame (Poitiers- França)
  11. 11. ESTILO GÓTICO • Desenvolveu-se entre os séculos XII e XVI. • Predominou na França, Inglaterra e Alemanha. • Distingue-se do românico por sua leveza, elegância e traços verticais. • Janelas ornamentadas com vitrais coloridos, permitindo boa iluminação interior, paredes finas e altas com angulosas abóbodas apoiadas em longos pilares. • Destaque: Catedrais de Chatres, Reims e Paris.
  12. 12. PINTURA • Foi dominado por temas religiosos, concentrando-se na representação humanizada de santos e divindades. • A pintura dos murais, vitrais e miniaturas adquiriu grande importância. • Pintores do período: Giotto e Cimabue MÚSICA  Na música sacra, destacou-se o papa Gregário Magno (540- 640), que introduziu o canto gregoriano, caracterizado por uma melodia simples e suave cantada em uníssono por várias vozes.  Outro nome de destaque foi o do monge beneditino Guido d Arezzo (990-1050), que batizou as sete notas musicais, aproveitando, para isso, as sílabas iniciais dos versos de um hino a São João Batista.
  13. 13. MÚSICA POPULAR • Na música popular, destacaram-se as canções dos trovadores e menestréis, inspiradas em temas românticos ou nos feitos heróicos dos cavaleiros. • Surgida na França por volta do século XI, a canção trovadoresca espalhou-se pelos reinos europeus (atuais Inglaterra, Alemanha, Portugal, Espanha e Itália, entre outros). • Trovador - nome que se dava aos compositores e poetas românticos que criavam obras de caráter popular. • Menestrel-cantor ambulante que acompanhava o trovado LITERATURA • A poesia medieval procurou enaltecer os valores e as virtudes do cavaleiro: justiça, amor, prudência e cortesia. • Na poesia épica, exaltava-se a ação corajosa dos cavaleiros em prol da cristandade. • Na poesia lírica, exaltava-se o amor cortês dos cavaleiros em relação às suas damas. • Entre os grandes nomes da literatura medieval destaca-se Dante Alighieri (1265-1321), autor de “A divina comédia.”
  14. 14. CIÊNCIA • Na Idade Média, a ciência e a filosofia ainda estavam muito ligadas. Diversas obras, traduzidas do árabe e do grego, influenciaram os estudos da matemática, da astronomia, da biologia e da medicina. • Houve também o aperfeiçoamento da arte da navegação, com a utilização da bússola, de mapas, do astrolábio e outros instrumentos. • Um dos grandes nomes da ciência medieval foi o do monge franciscano Roger Bacon(1214- 1294), que introduziu a observação da natureza e a experimentação como métodos básicos do conhecimento científico. • Conhecido como "Doutor Admirável", Bacon desenvolveu estudos em diversos campos do saber (geografia, filosofia, física). FILOSOFIA • Na filosofia, destacaram-se os pensadores Santo Agostinho (século IV) e Santo Tomás de Aquino (século XIII), que tinham como interesse principal harmonizar a fé cristã com a razão. • Santo Agostinho foi o representante de uma corrente filosófica chamada patrística. • Santo Tomás de Aquino reconstruiu, dentro da ótica cristã, boa parte das teorias de Aristóteles.
  15. 15. Cultura popular • O cristianismo fundamentou uma série de elementos culturais que marcaram as sociedades européias da Idade Média: os costumes, as normas éticas, a produção literária, o ideal das figuras heróicas, a criação artística (música, pintura, escultura, arquitetura etc.) • Além da cultura oficial, promovida, em grande parte, pelas autoridades da Igreja e pelos governos feudais, havia também muitas criações populares. • Enquanto a cultura oficial era austera e consagrava a divisão social dominante, a cultura popular era impregnada de humor. • A cultura popular manifestava-se por meio dos festejos carnavalescos, das encenações teatrais burlescas (cômica, satírica), dos gracejos dos "bufões" e "bobos", das paródias que recriavam trechos da Bíblia (evangelhos, salmos etc.), das orações e hinos religiosos, das lendas clássicas. • Nessas atividades, as pessoas representavam seu mundo e promoviam o riso, divertindo o público e criticando os costumes.
  16. 16. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • História Geral – Raimundo Campos • História e Vida Integrada – Nelson Piletti e Claudino Piletti. • História Global – Gilberto Cotrim. • Nova história Integrada – João Paulo Mesquita e Luiz Estevam • SUGESTÕES DE FILMES: • As Bruxas de Salem. • O Nome da Rosa.

×