Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Gênero lírico

25,950 views

Published on

Gêneros literários - gênero lírico. Versificação: rima, métrica, tipos de construção.

Published in: Education

Gênero lírico

  1. 1. Gênero lírico<br />métrica, rima, composição<br />
  2. 2. Características do gênero<br />A palavra lírico vem do nome de um pequeno instrumento musical da antiguidade, a lira.<br />Manifestação de um eu lírico, a expressão de seus sentimentos pessoais, seu mundo interior, suas emoções e impressões.<br />Expressão artística ser estritamente subjetiva, interiorizando o mundo exterior, criando identificações; <br />No plano formal, há predominância de pronomes e verbos em 1ª pessoa.<br />Preocupação com a forma, com destaque para aspectos métricos e melódicos.<br /> Predomínio das funções emotiva e poética. <br />
  3. 3. Eu lírico<br />Também chamado de "eu poético"<br />Enunciador do poema<br />Existência textual, não real<br />
  4. 4. Verso e estrofe<br />Verso é a unidade básica do poema<br />Cada linha de uma composição poética<br />Estrofe é o agrupamento de versos<br />O conjunto de versos (ou, mais raramente, o verso único) que se repete ao final de estrofes tem o nome de estribilho.<br />Versos brancos não possuem rima<br />Versos livres não possuem rima e métrica<br />
  5. 5. Classificação de estrofes<br />
  6. 6. Rima<br />Homofonia externa entre palavras e expressões<br />Coincidência fonêmica entre palavras a partir da vogal tônica<br />
  7. 7. Classificação fonêmica<br />Rimas consoantes (perfeitas)<br />bola/escola, amigas/antigas<br />Rimas assonantes (imperfeitas)<br />bailarinas/raparigas, espelho/zelo, choro/imploro<br />Rima preciosa<br />estrela/ vê-la, gala/ abraçá-la<br />
  8. 8. Classificação categórica<br />Rima rica<br />classes gramaticais diferentes<br />cicatriz/ feliz, cantar/mar<br />Rima pobre<br />mesma classe gramatical<br />coração/ razão, dizer/fazer<br />
  9. 9. Classificação posicional<br />Emparelhadas<br />AABB<br />Alternadas (cruzadas)<br />ABAB<br />Interpoladas (intercaladas)<br />ABBA<br />Encadeadas (internas)<br />AaBbAbB<br />
  10. 10. Métrica<br />Medida do número de sílabas poéticas de um verso<br />Base fonética<br />Escansão é o processo de contagem das sílabas<br />
  11. 11. Quantidade de sílabas<br />
  12. 12. Procedimentos de escansão<br />Contagem até a última sílaba tônica<br />Elisão<br />Junção da vogal átona com vogal inicial<br />Crase<br />Junção de vogal átona final com idêntica inicial<br />Sinérese<br />Transformação do hiato em ditongo<br />Diérese<br />Transformação do ditongo em hiato<br />
  13. 13. Eu, filho do carbono e do amoníaco,<br />Eu,| fi|lho|do| car|bo|no e| do a|mo|ní|aco,<br />Monstro de escuridão e rutilância,<br />Mons|tro|dees|cu|ri|dão|e|ru|ti|lân|cia,<br />Sofro, desde a epigênese da infância,<br />So|fro,| des|de a e|pi|gê|ne|se|dain|fân|cia,<br />A influência má dos signos do zodíaco.<br />A in|flu|ên|cia|má|dos|sig|nos|do|zo|dí|aco<br />Augusto dos Anjos<br />
  14. 14. Cavalgamento<br />Cavalgamento (enjambement) é o desalinhamento entre a estrutura oracional e o final do verso<br />"A vós correndo vou, braços sagrados, Nessa cruz sacrossanta descobertos Que, para receber-me, estais abertos, E, por não castigar-me, estais cravados"<br />Gregório de Matos<br />
  15. 15. Ritmo<br />Sucessão de tempos fortes e fracos que se alternam com intervalos regulares em um verso.<br />
  16. 16. A valsa<br />Tu, ontem,Na dançaQue cansa,VoavasCo'as facesEm rosasFormosasDe vivo,LascivoCarmim;Na valsaTão falsa,Corrias,Fugias,Ardente,Contente,Tranquila,Serena,Sem penaDe mim!<br />Casimiro de Abreu<br />
  17. 17. Formas fixas<br />Haicai<br />Rondó<br />Acróstico<br />Ode<br />Soneto<br />
  18. 18. Haicai<br />Origem japonesa<br />17 sílabas em três versos (5-7-5)<br />Referências à natureza<br />Evento particular no presente<br />Perpetuação de um instante<br />
  19. 19. Um gosto de amora<br />comida com sol. A vida<br />chamava-se: "Agora."<br />Guilherme de Almeida<br />
  20. 20. Rondó<br />Formado por oito quadras ou quatro oitavas. <br />Uma quadra se repete ao fim de oitavas ou de duas quadras. <br />A rima correspondente ao primeiro verso situa-se no interior do segundo, a deste no interior do quarto. <br />O verso de preferência é a redondilha maior. <br />
  21. 21. Rondó dos cavalinhos<br />Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo...Tua beleza, Esmeralda, Acabou me enlouquecendo.Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo...O sol tão claro lá foraE em minhalma — anoitecendo!Os cavalinhos correndo,E nós, cavalões, comendo...Alfonso Reys partindo,E tanta gente ficando...<br />Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo...A Itália falando grosso,A Europa se avacalhando...Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo...O Brasil politicando,Nossa! A poesia morrendo...O sol tão claro lá fora,O sol tão claro, Esmeralda,E em minhalma — anoitecendo!<br />Manuel Bandeira<br />
  22. 22. Acróstico<br />Poema em que as letras iniciais dos versos no sentido vertical formam um nome de pessoa, frase ou palavra intencional.<br />
  23. 23. Acróstico<br />M ais que a minha própria vidaA lém do que eu sonhei pra mimR aio de luzI nspiraçãoA mor você é assimR ima dos versos que eu cantoI menso amor que eu falo tantoT udo pra mimA mo você assim<br />M eu coraçãoE ternamenteU m dia eu te entreguei<br />A mo você M ais do que tudo eu seiO solR aiou pra mim quando eu te encontrei<br />Roberto Carlos<br />
  24. 24. Ode<br />Em grego, significa canto.<br />Forma variável e complexa.<br />Exprime alegria e entusiasmo.<br />Exaltação de personagens.<br />
  25. 25. Ode aos ratos<br />Rato de ruaIrrequieta criaturaTribo em frenética proliferaçãoLúbrico, libidinoso transeunteBoca de estômagoAtrás do seu quinhão<br />Vão aos magotesA dar com um pauLevando o terrorDo parking ao livingDo shopping center ao léuDo cano de esgotoPro topo do arranha-céu<br />Rato de ruaAborígene do lodoFuça geladaCouraça de sabãoQuase risonhoProfanador de tumbaSobreviventeÀ chacina e à lei do cão<br />Saqueador da metrópoleTenaz roedorDe toda esperançaEstuporador da ilusãoÓ meu semelhanteFilho de Deus, meu irmão<br />Chico Buarque<br />
  26. 26. Soneto<br />Composto por quatro estrofes: dois quartetos e dois tercetos.<br />As rimas dos quartetos não se alteram.<br />Tema único por todo o soneto.<br />Último verso é chamado de "chave de ouro" e deve resumir o espírito do soneto.<br />
  27. 27. Soneto da fidelidade<br />De tudo, meu amor serei atentoAntes, e com tal zelo, e sempre, e tantoQue mesmo em face do maior encantoDele se encante mais meu pensamento.<br />Quero vivê-lo em cada vão momentoE em seu louvor hei de espalhar meu cantoE rir meu riso e derramar meu prantoAo seu pesar ou seu contentamento.<br />E assim, quando mais tarde me procureQuem sabe a morte, angústia de quem viveQuem sabe a solidão, fim de quem ama<br />Eu possa me dizer do amor ( que tive ) :Que não seja imortal, posto que é chamaMas que seja infinito enquanto dure.<br />Vinícius de Moraes<br />

×