100 DICAS ENEM PARTE 08

1,458 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,458
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Sujeitos de uma sociedade de consumo ostentatória, suscitando desejos e aspirações que resultam em frustrações, porque em sua maioria irealizáveis, transitando em um meio cuja desigualdade e acirramento das contradições constituem uma das formas mais visíveis.
  • Portanto os jovens possuem uma importância crucial para o entendimento das sociedades modernas, o seu funcionamento e suas transformações. Entender a juventude é compreender a própria modernidade em diversos aspectos como a arte, a cultura, o lazer, o consumo entre outros. Além de o jovem possuir, como já foi assinaladas, características que dependem de sua classe, raça/cor, gênero, idade etc, as juventudes desenvolvem formas de pensar e atuar característicos de sua condição de jovem. Ser jovem não depende somente da idade, de características biológicas, do corpo. Não depende exclusivamente da classe social a que pertencem seu gênero, sua raça/cor. Há que se considerar a circunstância cultural com a qual as juventudes estão sendo socializadas, seus hábitos, sua maneira de perceber e vivenciar o mundo onde vivem. Nestes aspectos as várias juventudes podem ser semelhantes, na diferença. Segundo Charlot (Juventudes Sergipanas – Relatório de pesquisa, Bernard Charlot, Aracaju, 2006: 2): É inegável que se encontram vários tipos de jovens, bastante diferentes entre eles. Todavia é difícil descartar a idéia de que há elementos comuns entre eles, por mais diferentes que sejam. Além da “cultura jovem”, ou melhor, dos traços comuns ás várias “culturas jovens”, sempre há pelo menos características comuns a todos, inclusive na abordagem de Bourdieu: esses jovens são considerados jovens pelos adultos e por si mesmos. Portanto, quando se pensa em juventude e jovens, não se pode renunciar nem ao plural, nem ao singular. Ao jovens são diferentes mas tem em comum o fato de serem considerados jovens e terem que lidar com os adultos. Essa relação entre gerações é fundamental para entender como são os jovens e o que é juventude em um determinado lugar e momento da história. ( 2006:2). Mas o que é ser jovem na nossa sociedade, qual a situação dessa vasta camada da população, tão escondida até recentemente e descoberta em função de suas transgressões, de denúncias sobre o seu comportamento, de comentários sobre sua forma de vestir, de falar, sobre seus piercings e sua música? Viver em grupo, ser veloz, buscar de forma incessante novidades é quase uma condição do ser jovem. Ser transgressor, com aspas e sem aspas, pode desencadear comportamentos violentos ou abrir margem para a discussão de soluções para os problemas que tenham como base as capacidades e os recursos que os jovens possuem são características das Juventudes. Os jovens vivem em uma época onde acontecem profundas transformações econômicas e de valores na nossa sociedade, o que afeta a sua transição para a vida de adulta. Existem muitos e diversos grupos juvenis, com características particulares e específicas, que sofrem influências multi-culturais e que de certa forma são globalizados, além da presença que os bens de consumo possuem em suas vidas. Vivemos em uma sociedade de consumo ostentatória que suscita no conjunto das juventudes aspirações e frustrações, no seio de uma sociedade que apresenta fortes desigualdades sociais.
  • 100 DICAS ENEM PARTE 08

    1. 1. 100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM 2012/2013 PARTE 8 E AÍ, GOSTARAM?ACABARAM-SE AS DICAS, E AGORA É TORCER PARA QUE ALGUMA DELAS CAIA NO SEU ENEM... SUCESSO SERÁ TODO SEU..SE VOCE LEVOU A SÉRIO VOCE VAI VER... Prof. MARIO FERNANDO DE MORI
    2. 2. DICA 81:AS ‘EXPRESSÕES’POPULARES DO COTIDIANO DOBRASIL – AS NOVELAS E SEUS BORDÕES
    3. 3. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 81 • OBSERVE ALGUNS BORDÕES DE NOVELAS BRASILEIRAS, E SUA INFLUÊNCIA NA CULTURA DO POVO BRASILEIRO, E DEPOIS RESOLVA AS QUESTÕES SOBRE O TEMA INDUSTRIA CULTURAL.• Chayene, a rainha do eletroforró, utliza expressões curiosas, como "curicas", "chumbreguetes" e "paneleiras" para referir-se às Empreguetes , suas grandes rivais em Cheias de Charme (2012) • Odete, personagem de Mara Manzan em O Clone, dizia a todo instante que "Cada mergulho é um flash", fazendo referência ao Piscinão de Ramos, do qual era frequentadora • Sempre solícito aos caprichos da vilã Tereza Cristina (Christiane Torloni) em Fina Estampa (2011), Crodoaldo Valério (Marcelo Serrado) chamava a patroa de "pitonisa", "rainha do Nilo", "filha de Osíris", entre outros elogios que faziam referência ao Egito • O bordão "Né brinquedo, não", dito pela divertida Dona Jura em O Clone (2001), virou hit nas ruas e marcou a carreira da atriz Solange Couto, que deu vida à personagem suburbana • O fazendeiro Sinhozinho Malta (Lima Duarte), da novela Roque Santeiro (1985), vivia perguntando "Tô certo ou tô errado?", frase que vinha acompanhada do balançar de suas pulseiras
    4. 4. • Aos 11 anos, Carla Diaz interpretou a pequena Khadija de O Clone (2001), cujo grudento bordão era "Inshalá, muito ouro!". A personagem mirim sonhava em seguir os costumes islâmicos e casar-se com alguém escolhido pelo pai • A prostituta Bebel (Camila Pitanga), de Paraíso Tropical (2007), fazia de tudo para parecer uma mulher sofisticada. Vira e mexe, ela disparava: "Sou uma mulher de catiguria"• Maria Altiva, vilã de A Indomada (1997) vivida por Eva Wilma, fez sucesso com o bordão "Oxente, my god!". Mais tarde, o autor Aguinaldo Silva resgatou a frase e colocou-a na boca da tia Íris de Fina Estampa (2011), outra personagem da atriz • A personagem Dona Armênia (Aracy Balabaniam), de Rainha da Sucata (1990), tinha um sotaque carregadíssimo e vivia ameaçando Maria do Carmo (Regina Duarte) de "jogar na chon" o prédio onde a empresária tinha uma casa de shows • Para descrever algo bem feito, o personagem Timóteo (Paulo Betti), de Tieta (1989), utilizava a expressão "nos trinques". O bordão caiu na boca do povo
    5. 5. 1) Utilizando o conceito de indústria cultural, os filósofos Adorno e Horkheimer criticaram os meios de comunicação de massa, como a televisão, o rádio, o cinema e os jornais, afirmando que produzem e vendem mercadorias culturais sem qualidade com os objetivos de obter lucro e de fazer propaganda da forma de vida capitalista e desumanizada.Tendo em vista essa concepção, é correto afirmar que1 - os meios de comunicação contribuem para a conscientização política e o senso crítico dos cidadãos.2 - a televisão é um meio completamente inofensivo, já que os espectadores podem mudar de canal.3 - é necessária uma crítica severa aos conteúdos divulgados pelos meios de comunicação, visando à libertação dos seres humanos da influência da indústria cultural.4 - através de programas de entretenimento a indústria cultural contribui para a qualidade de vida dos indivíduos.5 - os meios de comunicação contribuem para o conformismo dos espectadores, que tendem a se tornar passivos diante do mundo.ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 1,2,3,5 estão corretasd) Somente 1,5 estão corretase) Somente 2,4,5 estão corretas
    6. 6. 2) No livro Dialética do Esclarecimento, os filósofos alemães, da Escola de Frankfurt, T. Adorno e M. Horkheimer, cunharam a expressão “indústria cultural” para caracterizar a transformação das expressões artísticas a partir do surgimento da sociedade industrial capitalista.Sobre a indústria cultural, é correto afirmar que1 - os meios de comunicação surgidos com o desenvolvimento tecnológico, como o rádio e o cinema, contribuíram para a criação de um mercado consumidor dos objetos artísticos.2 - a reprodução técnica das obras de arte tem como finalidade única promover o acesso universal e democrático aos bens culturais.3 - a indústria cultural transforma em bens de consumo tanto as artes populares, próprias da cultura de massa, quanto as artes eruditas, voltadas para um público educado e restrito.4 - as produções artísticas perdem seu caráter crítico, à medida que são submetidas ao domínio econômico das regras do mercado.5 - a massificação das expressões artísticas promove a difusão da cultura, resultando em um padrão de gosto “médio”, comum a todo o público.ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 1,2,3,5 estão corretasd) Somente 1,3,4,5 estão corretase) Somente 2,4,5 estão corretas
    7. 7. 3) Considere o enunciado:“Enquanto todas as outras ciências têm como objeto algo que se encontra fora do sujeito cognoscente, as ciências humanas têm como objeto o próprio ser que conhece. Daí ser possível imaginar as dificuldades da economia, da sociologia, da psicologia, da geografia humana, da história para estudar com objetividade aquilo que diz respeito ao próprio homem tão diretamente”(ARANHA/ MARTINS. Filosofando: Introdução à Filosofia. 2ª. Ed., São Paulo, Moderna: 1993 – p. 167).De acordo com seus conhecimentos sobre o tema em questão, qual das opções abaixo caracteriza as ciências humanas e suas dificuldades metodológicas?a) As ciências humanas lidam com fatos objetivos, ou seja, excluem todo aspecto subjetivo de seu procedimento de análise.b) Para garantir uma análise rigorosamente objetiva dos fatos humanos, as ciências humanas empregam a metodologia utilizada pelas ciências naturais, baseando sua investigação fundamentalmente no método experimental e de observação.c) As disciplinas conhecidas como ciências humanas operam fundamentalmente por analogia com as ciências naturais e seus resultados, porque de outra forma não teriam como assegurar o rigor e a certeza de seus experimentos, e são estas duas características que fazem da ciência um pensamento baseado na universalidade do conhecimento.d) Nas disciplinas conhecidas como ciências humanas, é difícil a superação da subjetividade. O obstáculo principal está na natureza dos fenômenos do comportamento humano, que carregam uma carga de significações que se opõem a sua transformação em simples objetos científicos, ou seja, em esquemas abstratos e matematicamente manipuláveis.e) É certo afirmar que a ciência será tão rigorosa quanto mais for matematizável. Desta forma, as ciências humanas, embora lidem com objetos subjetivos, devem almejar sempre técnicas estatísticas e operacionais – ou seja, técnicas herdadas da matemática – em sua metodologia, buscando retirar todo aspecto aproximativo e de interpretação de seus resultados.
    8. 8. DICA 82:MOVIMENTO OWSOCUPPY WALL STREET (OCUPE WALL STREET)
    9. 9. SOBRE O MOVIMENTOOccupy Wall Street é o nome do movimento que tem, desde 17 de setembro de 2011, ocupado Wall Street em protesto contra a desigualdade social e econômica, desemprego, ganância, assim como a corrupção e a influência desigual das corporações nos governos
    10. 10. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 82"Ocupa Wall Street é o movimento mais importante do mundo hoje"A RESPEITO DO TEMA, PODE-SE DIZER QUE:1 - Uma onda de manifestações contra o sistema financeiro mundial se espalhou por dezenas de países no dia 15 de outubro de 2011. O movimento, chamado na Europa de “Indignados” e, nos Estados Unidos, de “Ocupe Wall Street”, é uma reação contra os cortes de gastos públicos feitos pelos governos para combater a recessão.2 - Os ativistas culpam os governos e as instituições financeiras pelo crescimento das taxas de desemprego e da desigualdade em países atingidos pela crise de 2008.3 - Na época, para impedir um colapso no mercado, bancos tiveram que ser “salvos” com recursos públicos, aumentando a dívida dos Estados. Agora, para equilibrar as contas, os governos precisam reduzir despesas, com o corte de benefícios sociais, e elevar os impostos.4 - As revoltas começaram em 15 de maio de 2011 em Madri, na Espanha. O movimento ficou conhecido como “Indignados”. Em 17 de setembro, surgiu nos Estados Unidos o “Ocupe Wall Street”, inspirado no movimento espanhol. Os integrantes do grupo montaram acampamento na praça Zuccotti, no centro financeiro de Nova York, e ganharam adesão de sindicatos e simpatia de políticos democratas.5 – O movimento tem alcançado seus propósitos, o que possibilitou, em um ano de celebração de seu nascimento, em 15 de outubro de 2012, uma comemoração, pois conseguiram mudar algumas leis financeiras dentro dos EUA e de vários países Europeus da Zona do Euro, em crise.ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 1,2,3,4 estão corretasd) Somente 1,3,4,5 estão corretase) Somente 2,4,5 estão corretas
    11. 11. DICA 83: BRASIL: BUSCA POR VAGA PERMANENTE NOCONSELHO DE SEGURANÇA DA ONU
    12. 12. Geopolítica: papel do Brasil no cenário internacional  A importância do Brasil enquanto ator global tem crescido nos últimos anos e os desafios que o país enfrenta enquanto potência emergente podem motivar questões nas provas. Desde o governo do ex-presidente Lula, o Brasil busca uma vaga permanente no Conselho de Segurança da ONU e os professores sugerem que os candidatos se debrucem sobre o funcionamento dessa importante organização internacional.  Em 2012, a economia brasileira se consolidou como 6ª e, por isso, é bom estar atento às principais atividades econômicas do país também. A tentativa frustrada de mediação de conflitos internacionais por parte do governo brasileiro também deve ser alvo de atenção.
    13. 13. Política Externa Brasileira • Collor (1990-1992): o choque neoliberal • Itamar (1992-1994): retorno neodesenvolvimentista• Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) : do otimismo liberal à globalização assimétrica • Lula: multilateralismo e geometria variável • Dança de paradigmas: desenvolvimentista/neoliberal/logístico
    14. 14. Governo Dilma (2011-)• Continuidade com o governo anterior, mas com ajustes na política externa • Chanceler Antonio Patriota • Maior ênfase nos direitos humanos
    15. 15. Governo Dilma (2011-)• Em 17 março, o Brasil se absteve na votação do Conselho de Segurança da ONU que autorizou a criação da Zona de Exclusão Aérea na Líbia e possibilitou os ataques desencadeados àquele país. Mas o posicionamento do Brasil não foi isolado. Alemanha, China, Índia e Rússia também se abstiveram• Em 24 de Março, o Brasil votou favoravelmente ao envio de um relator para investigar possíveis violações dos Direitos Humanos no Irã.
    16. 16. Governo Dilma (2011-)• Visita Argentina (janeiro), Portugal (março), China (abril), Uruguai (maio), Paraguai (Junho), Peru (julho) •Visita de Obama ao Brasil: minimizar as dificuldades de relacionamento político;mostrar interesse no petróleo do pré-sal, buscarparticipação norte-americana nas grandes obras preparatórias para as olimpíadas e Copa do Mundo . •Brasil busca superação dos entraves no comércio do Brasil com os EUA, já que o comércio bilateral vem apresentando déficit para o lado brasileiro
    17. 17. O conceito de América do Sul na diplomacia brasileira • A política externa do Brasil até meados do século XX tinha uma visão seletiva da América Latina e da América do Sul.• O conceito de América Latina era considerado amplo e vago demais e incluía uma região sob o domínio dos EUA (México e América Central) na qual o Brasil não expressava grande interesse • Idéia de divisão das Américas:Enquanto os EUA hegemonizariam a América Central, o Brasil teria uma ascendência sobre a América do Sul. • Duas questões chave (desde o século XIX): Evitar a formação de uma frente anti-brasileira e consolidação das fronteiras
    18. 18. Conceito América do Sul• Entretanto, na América do Sul, o interesse prioritário da política externa brasileira consistia nos países da Bacia do Prata • Apenas com a intensificação do seu desenvolvimento industrial, o Brasil voltou-se cada vez mais para os países da região amazônica, vista como um mercado potencial para as manufaturas brasileiras.• A integração da América do Sul exigia o desenvolvimento da Amazônia, que até então separava a economia industrial brasileira dos mercados as margens do Pacífico e Caribe. E o desenvolvimento da Amazônia dependia da cooperação com os países vizinhos • Deslocamento das percepções de ameaça para a região amazônica
    19. 19. América do Sul: a base dainserção internacional brasileira Projeto de integração na América do Sul IRSA- CASA - Unasul Eixo Brasil- Venezuela – Argentina Projeto de construção de um Mega-Estado
    20. 20. Relações Brasil- Estados Unidos - Brasil defende a multipolaridade-Brasil defendia a Mini-Alca-Brasil critica a posição dos americanos na OMC Relações cordiais entre o Brasil e os EUA “Acomodação estratégica”
    21. 21. Bases americanas – Colômbia Tratados de Livre Comércio (TLC) Chile (2003) Peru (Dez 2005) Colômbia (Fev. 2006)CAFTA (Acordo de LivreComércio da América Central eRepública Dominicana) EUA,Costa Rica, El Salvador,Nicarágua, Honduras, Guatemala eRepública Dominicana
    22. 22. CONCEITOS E DESAFIOS ESTRATÉGICOS DA INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL • Manter e ampliar espaços de autonomia no sistema internacional• Garantir o fortalecimento da multipolaridade – Aproximação com a China, IBAS, Rússia, e Europa. • Alcançar uma vaga permanente no Conselho de Segurança da ONU • Barganhar a abertura e acordos econômicos • Evitar as vulnerabilidades externas, econômicas e de segurança • Garantir a soberania sobre a Amazônia • Evitar uma corrida armamentista na América do Sul • Garantir fornecimento de energia (gás, petróleo e eletricidade)• Utilizar recursos externos para promover o desenvolvimento (Exportações, Investimentos, Empréstimos) • Construir uma terceira via entre panamericanismo e bolivarismo: o sulamericanismo • Defesa do “modelo brasileiro” – Brasil, o país da globalização... E uma potência em construção.
    23. 23. Atividade industrial América do SulIn:COSTA,Darc.Integrar édesenvolver aAméricado Sul
    24. 24. Atividade AgrícolaAmérica do sul In:COSTA, Darc. Integrar é desenvolver a América do Sul
    25. 25. América do Sul densidadepopulacional hab/km2 In: COSTA, Darc. Integrar é desenvolver a América do Sul
    26. 26. América do SulIntegração Espacial In:COSTA, Darc. Integrar é desenvolver aAmérica do Sul
    27. 27. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 83Entra presidente, sai presidente, e o Brasil continua atrás de um lugar no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas. Assim como o seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff insiste que o mundo mudou desde a II Grande Guerra e, por isso, existe a necessidade de uma reforma do conselho para retratar a nova ordem mundial.LEIA AS OPINIÕES SOBRE O TEMA, ABAIXO:1 - Que o mundo não é mais igual a 1945, todo mundo sabe. A União Soviética não existe mais, o Muro de Berlim já caiu há 20 anos e os Estados Unidos não são mais aquela potência toda de outrora. A então China de Mao Tse Tung é atualmente um gigante comunista-capitalista de respeito, e Inglaterra e França estão às voltas com crises políticas e econômicas, por vezes muito características de países em desenvolvimento. 2 - Dilma Rousseff está certa em dizer que a estrutura de órgãos internacionais como ONU, FMI e Banco Mundial envelheceu. Esses dois últimos são um belo exemplo de como realmente não faz mais sentido se manter uma estrutura ditada pelos vencedores de uma guerra de quase 70 anos atrás. Criados após a batalha como forma de recompor o mundo, FMI e Banco Mundial são um feudo de Estados Unidos e Europa, que dividiram o poder irmãmente. O primeiro escolhe sempre o presidente do FMI e o segundo, o do Banco Mundial.
    28. 28. 3 - O irônico é ver que justamente os dois “gigantes” estão atolados em dívida, têm dificuldades em controlar as travessuras de suas empresas e de seus investidores e ainda foram os responsáveis por atirar o mundo inteiro em uma crise sem tamanho. Por outro lado, se a situação não está pior é porque países em desenvolvimento como China, Brasil, Índia, Coreia do Sul e Rússia mostraram que já estão grandinhos o suficiente para aguentarem o tranco da “vida de adulto”.4 - Alguns podem considerar ufanismo brasileiro, mas a aspiração nacional por um lugar no Conselho de Segurança da ONU até que faz sentido quando analisado o histórico de intermediador do país em âmbito internacional. Um dos maiores exemplos nesse sentido é o jurista Ruy Barbosa, que participou com destaque da II Conferência de Paz, em Haia, em 1907, quando defendeu o princípio da igualdade dos Estados. Sua participação foi tão elogiada que o brasileiro chegou a ser indicado para juiz da Corte Internacional de Haia, cargo de grande prestígio ao qual abdicou.5 - As questões da paz entre as nações e a igualdade dos Estados ainda seguem como premissas brasileiras no fórum mundial. O país é um dos poucos a ter se comprometido em não ter armas de destruição em massa e um dos principais defensores do uso da energia nuclear apenas para fins pacíficos. Além disso, conseguiu de forma rara definir as questões de fronteira sem precisar dar um tiro contra os seus vizinhos.6 - O custo é alto para que um país se torne um membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. Embora deva sempre buscar a paz, é importante que o país tenha força militar e larga representatividade do seu corpo consular pelo mundo, o que gera custos políticos e financeiros. Além disso, como membro permanente, o Brasil será obrigado a se posicionar em questões polêmicas que poderão por frente a frente alguns de seus aliados, voto este que poderia trazer custos muito maiores dos que o país tem que arcar hoje.LIDAS AS OPINIÕES, PODE-SE DIZER ESTAREM COERENTES COM A REALIDADE:a) Todas as opiniões.b) Somente as opiniões 1,2,3 e 4c) Somente as opiniões 2,3,4 e 5d) Somente as opiniões 2,3,4e) Somente as opiniões 1,2,3 e 5
    29. 29. DICA 84:CENTENÁRIO DE JORGE AMADO
    30. 30. CORDEL PARA JORGE AMADO • UM CORDEL PARA JORGE AMADO• Autor: Antonio Barreto, natural de Santa Bárbara, residente em Salvador • Você já foi à Bahia? Se não foi, peço que vá! Jorge Amado ainda vive Em cada canto de lá Nas ruas, igrejas, danças Nos costumes, nas lembranças E nas águas de Iemanjá! • Quem visita Salvador Precisa estar antenado Lá no Pelourinho existe A Casa de Jorge Amado Um acervo bem completo Organizado e repleto Da vida do nosso bardo.
    31. 31. • Sua obra é tão vasta Que não cabe no papel Mesmo assim fiz um resumo No afã de ser fiel Para homenagear Jorge Amado – o avatar Nesse singelo cordel.• Jorge Amado veio à Terra Coroado de magia: Mil novecentos e doze 10 de agosto foi o dia No arraial de Ferradas Como num conto de fadas Itabuna, na Bahia. • Teve nosso grapiúna Por entre campos floridos A singela companhia Dos seus dois irmãos queridos Que cresceram ao seu lado: Joelson e James Amado Seus parceiros preferidos. • Filho de João Amado E dona Eulália Leal O menino grapiúna Encontrou logo seu Graal E tornou-se um escritor De grandeza, de valor E fama internacional.
    32. 32. • A sua primeira esposa: Matilde Garcia Rosa Com quem teve uma filha Lila – menina mimosa Que com seus 14 anos Elevou-se a outros planos Numa estrela bem briosa. • O segundo casamento Foi coroado de brilhos Encontra Zélia Gattai E com ela tem dois filhos O João Jorge e a Paloma E assim Jorge retoma Seu andar em outros trilhos. • Sua infância colorida Não foi entre arranha-céus Deu-se à beira do Atlântico Na cidade de Ilhéus Litoral de inspiração Para no futuro então Receber os seus troféus.• Foi ali que Jorge Amado Vivendo à beira do cais Sob sóis, luas, estrelas Observando sinais De feirantes, pescadores, Caravelas, sonhadores Tornou-se um bardo capaz.
    33. 33. • No balanço do destino Lá se foi o buscador Lapidar a sua alma No oráculo Salvador: A capital da Bahia Lusitana na magia Africana no amor. • O adolescente encontra Nas ladeiras de Gregório O caminho para as letras Abrindo o seu oratório Para a vida literária Rebelde, universitária: Seu grande laboratório.• Jorge Amado aos 15 anos Então iniciaria No mundo do jornalismo No Diário da Bahia Dando provas que assim Nosso grande querubim A todos encantaria. • A famosa Academia Dos Rebeldes, Jorge Amado (28) Foi um dos seus fundadores Comprovando ser letrado Assim nasce o escritor O nosso maior condor Um romancista aclamado.
    34. 34. • Uma revista importante Chamada “Meridiano” Jorge publicou um número Vinte e oito foi o ano Com grande repercussão Surpresa e admiração De todo leitor baiano• Muito mais que inquieto, Dá então prosseguimento: Colabora com a revista Intitulada “O Momento” Nove números publicados Que foram logo esgotados Mostrando assim seu talento. • Sonhou ser advogado E prosseguiu no seu pleito. Mesmo sendo um literato Formou-se então em Direito Concluindo lá no Rio Com destaque e muito brio Mas não ficou satisfeito. • Militante de esquerda Desistiu de advogar Abraçou a literatura E seguiu seu caminhar Pois a vida literária Era a causa necessária Para ele então brilhar.
    35. 35. • Antes do primeiro livro Uma parceria bela Com Edson Carneiro e Dias da Costa: a novela Intitulada “Lenita” Em capítulos escrita: Abrindo a sua aquarela. • Escreve o primeiro livro Seu romance inaugural No ano de trinta e um: “O País do Carnaval” Sendo o ponto de partida Da trajetória luzida De cunho internacional.• Em seguida, vem “Cacau” No ano de trinta e três. Em trinta e quatro, “Suor” Foi o romance da vez. Daí nosso romancista Foi o primeiro da lista Com bravura e polidez. • A partir desse momento Suas obras consistentes Tornam-se reconhecidas Em todos os continentes E Jorge feito um condor Passa a ser o escritor De romances reluzentes. • Veio então “Jubiabá” No ano de trinta e cinco E “Mar Morto” em trinta e seis O seu mais singelo brinco Depois “Capitães da Areia” Uma obra de mão cheia De maestria e afinco.
    36. 36. • É deveras muito vasta A lista dos seus escritos Então vou relacionar Para não causar atritos Aqueles mais adorados Traduzidos e amados Certamente os mais bonitos! • Eu cito: “Farda, Fardão, Camisola de Dormir” Um romance curioso Que muito me fez sorrir; Sem falar de “Gabriela (Formosa) Cravo e Canela” Que o mundo pôde curtir.• “Dona Flor e seus dois Maridos” Não esquecerei jamais Também “Pastores da Noite” “Seara Vermelha” – um ás! “Terras do Sem Fim”; “Tieta Do Agreste” – a violeta Que são obras imortais.
    37. 37. • Lembro “Tereza Batista Cansada de Guerra”, ou não?! “A Morte e a Morte de Quincas Berro D’Água”, meu irmão: A esperteza do baiano Um povo belo, profano Afro e luso em ação! • E não para por aqui Essa obra incomum: Tem “Os velhos Marinheiros” “O Compadre de Ogum”, “Tenda dos Milagres”, sim Parece não ter mais fim Nessas águas de Oxum!• Quase, quase me esquecia Do meu livro predileto: O “São Jorge dos Ilhéus” E um outro tão completo Chamado “Tocaia Grande”. Veja então como se expande A relação que coleto!
    38. 38. • Jorge Amado também soube Na sua pena versejar Escrevendo bons poemas Em “A Estrada do Mar” Um livro mais que singelo Em que Jorge, com anelo, Pôde nos presentear. • Com o mundo da criança Jorge esteve preocupado E um infanto-juvenil De nome “O Gato Malhado E Andorinha Sinhá” Com a força de Iemanjá Por ele foi publicado. • Sem falar em outro gênero Que ele fez com maestria: “O ABC de Castro Alves” Uma linda biografia, Além da grande pujança “Cavaleiro da Esperança” Com luz, prosa e poesia.
    39. 39. • Os seus livros de memórias Estão na vasta bagagem. Lembro de “Navegação” (aquela) de Cabotagem”; E o “Menino Grapiúna” Em que Jorge se afortuna Por toda e qualquer paragem.• Diversos contos e crônicas Escritos por Jorge Amado. No teatro, bela peça De nome “O Amor do Soldado”. Além de correspondência Com pessoas de influência Desse universo letrado. • E no âmbito da política Aumenta seu cabedal Fora eleito por São Paulo (1945) Deputado Federal. Sendo ali a sua vez Para criar novas leis Na cultura nacional.
    40. 40. • Durante a era Getúlio Foi deveras pressionado. Filiado ao PCB, Do Brasil foi exilado No Uruguai, França, Argentina E em Praga – assim termina O sofrimento do bardo. • Jorge ocupou a cadeira Cujo patrono Alencar Na famosa ABL Seu merecido lugar Com sucessão aferida À sua musa querida: Zélia Gattai – o seu par.• Muitos troféus recebidos No Brasil e além-mar: “Graça Aranha”; “Jabuti” E mais dois que vou citar: “O Nestlé”, “Moinho Santista” E tantos outros na lista Deste grande avatar.
    41. 41. • No estrangeiro, recebeu Muitos prêmios de cartaz: “Sofia”, “Moinho Itália” “O prêmio “Lênin da Paz” “Pablo Neruda”, “Camões” E tantas outras moções Deste baiano sagaz.• Traduções no mundo inteiro Do esloveno ao albanês Do inglês ao espanhol Do mongol ao holandês Do árabe ao catalão Do croata ao letão Do guarani ao francês… • Foi Doutor Honoris Causa Pelo grande labutar Em 10 universidades Do Brasil e além Mar: Itália, França, Bahia Portugal, com alegria Inda consigo lembrar!
    42. 42. • A obra de Jorge Amado Ganhou adaptações No teatro, no cinema Nos cordéis e em canções Seriados e novelas No colorido das telas De muitas televisões.• Falar das características Da obra deste baiano É tarefa mais que árdua Posso navegar no engano Contudo não perco o prumo Então vou fazer um resumo Como um bom samaritano: • Na sua primeira fase Um Jorge politizado Buscando dar voz ao povo Excluído e injustiçado Prostitutas, marginais Proprietários rurais, Todo o proletariado.
    43. 43. • Jorge não perdeu de vista As denúncias sociais Tanto o povo das metrópoles Como das zonas rurais Coronéis, comerciantes Marinheiros, traficantes Burgueses e muito mais. • E na sua prosa única Aprendeu a transitar Nos caminhos do erudito E também do popular Exaltando a Bahia Dos costumes à magia De forma peculiar. • Embora materialista Jorge Amado era de fé Um fiel simpatizante Do famoso candomblé Sendo ali grande “Sinhô” Com título de Obá Xangô Sem nunca arredar o pé! • Mas São Jorge lá na lua Fez o seu grande chamado E no dia seis de agosto (2001) Disse: “Pode vir, Amado, O Mistério te conduz Pois na Estação da Luz Teu lugar foi reservado…“ • FIM • Salvador, Novembro 2011
    44. 44. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 84A série de comemorações do centenário de Jorge Amado começou em agosto de 2011 e irá se estender pelo ano de 2012. Para organizar os acontecimentos desse ano tão importante para a literatura brasileira, foi formada uma comissão especial. Todos os projetos aprovados irão receber o selo do centenário criado pelo Máquina Estúdio.
    45. 45. "Não tenho nenhuma ilusão sobre a importância de minha obra", afirmou Jorge Amado. "Mas, se nela existe alguma virtude, é essa fidelidade ao povo brasileiro."A respeito deste ESCRITOR E SUAS OBRAS, PODE-SE DIZER1 - A intimidade com que expôs traços, costumes e contradições da cultura brasileira foram um dos fatores por trás da popularidade de que Amado desfrutou em vida.2 - A reverberação lembra a frase do escritor moçambicano Mia Couto, para quem Amado fez mais para projetar a imagem do Brasil lá fora do que todas as instituições governamentais reunidas. "Jorge Amado não escreveu livros, escreveu um país", afirmou Couto em 2008, em uma palestra em que prestou testemunho sobre a forte influência do autor sobre escritores africanos.3 - "Ele tinha o compromisso de ser uma espécie de narrador do Brasil, alguém que quer passar o país a limpo", diz o pesquisador, professor de Teoria da Literatura na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e autor de Jorge Amado: Romance em tempos de utopia.4 - Ele adotava uma postura crítica dos problemas sociais do país e ao mesmo tempo retratava "um povo alegre, trabalhador, que não desiste", diz Assis Duarte. "Para os críticos, ele faz uma idealização do povo." Amado leva para o centro de suas histórias heróis improváveis para seus tempos - um negro, uma prostituta, um faxineiro, meninos de rua, mulheres protagonistas.5 - O escritor amazonense leu Jorge Amado pela primeira vez na escola de Manaus, aos 14 anos. A professora apresentou Capitães da Areia, logo cativando o interesse da classe ao contar que o livro havia sido queimado em Salvador em 1937, durante o Estado Novo. "Eu era de Manaus, e para mim o Brasil era aquele mundo cercado de água e de floresta. A leitura de Capitães da Areia foi uma revelação de outra paisagem social e geográfica no mesmo país."LIDAS AS OPINIÕES, PODE-SE DIZER ESTAREM COERENTES COM A REALIDADE:a) Todas as opiniões.b) Somente as opiniões 1,2,3 e 4c) Somente as opiniões 2,3,4 e 5d) Somente as opiniões 2,3,4e) Somente as opiniões 1,2,3 e 5
    46. 46. DICA 85:QUESTÃO DOSINDÍGENAS NO BRASIL
    47. 47. RAPOSA SERRA DO SOL
    48. 48. ÍNDIOS NOBRASIL
    49. 49. AS PRIMEIRASIMPRESSÕES  “Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas” .
    50. 50. OS TUPI-GUARANI  Os povos Tupi-guarani, agricultores pouco sedentários e de muita rivalidade intertribal, que dominavam a costa brasileira de São Paulo ao Pará,foram os primeiros a entrar em contato com os europeus. Os Tupi-guarani estavam mais bem organizados que as outras nações.Eram extremamente preconceituosos,tanto que chamavam os Jês de Tapuia, ou seja,”selvagens”. Este menosprezo dos Tupi-guarani pelos outros povos acabou depois sendo assimilado pelos conquistadores.
    51. 51. MODO DE VIDA  O tipo de sociedade em que estavam organizados esses indígenas é chamado pelos antropólogos de sistema tribal.  O que domina na organização tribal é a relação de parentesco,definida pela cooperação entre membros descendentes de um ancestral comum.
    52. 52.  Nas aldeias não existia uma autoridade formal, responsável pelo controle do grupo.O chefe de cada aldeia não tinha o poder de um rei.Ele trabalhava como os outros do grupo, e seu poder de liderança era exercido durante as reuniões, nos períodos de guerra ou em situações de calamidade. Era chamado de cacique ou morubixaba.
    53. 53.  Outra figura importante na organização das tribos era o Pajé, também conhecido por xamã, mediador entre o plano dos homens e o dos espíritos.  Os Tupi-guarani acreditavam na vida futura e na reencarnação dos antepassados em uma criança.  Temiam os espíritos do mal e as almas dos mortos.
    54. 54. A ANTROPOFAGIA
    55. 55. O RITUAL DE ANTROPOFAGIA DOS GUARANIS
    56. 56.  As principais vítimas desse tipo de ritual eram os inimigos de prestígio, pois esses povos acreditavam que incorporariam a força e o poder daquele que fosse devorado. O responsável pelo aprisionamento, ou aquele que tinha recebido a vítima como presente, ganharia mais prestígio na comunidade.  O ritual também poderia significar um ato de vingança contra os inimigos.Mas, em qualquer uma dessas circunstâncias,não se pode afirmar que a antropofagia estivesse relacionada com uma atitude selvagem, pois o ato de comer carne humana não estava ligado simplesmente ao desejo de saciar a fome ou a um impulso instintivo. Ao contrário, tratava-se de um ato cultural, carregado de manifestações simbólicas.
    57. 57. O ENCONTRO ENTRE CULTURAS
    58. 58. INFERNO E PARAÍSO A leitura cristã feita do encontro dos europeus com os habitantes da Américatinha forte conotação maniqueísta. De um lado, estava o “bem” , simbolizado porDeus e pela busca do paraíso; de outro, o “mal” , representado pelo Diabo e o inferno. Assim, a idéia da conquista de novas terras vinha acompanhada pelodesejo de levar a palavra de Deus para as “criaturas demonizadas” do Novo Mundo, por meio da catequese.
    59. 59.  A política indigenista do Estado português teve a preocupação de submeter a população nativa ao esforço de defesa e exploração de seus domínios no continente americano. Esse processo acompanhou o desenvolvimento da política colonial.Dessa forma, nos primeiros anos da conquista, durante breve período, os índios foram tratados como parceiros comerciais no escambo do pau-brasil ao longo da costa.
    60. 60.  Quando a colonização ganhou força, a partir de meados do século XVI, as tentativas de convívio iniciais deram lugar a tensões e conflitos entre o conquistador e os indígenas. A possibilidade de parceria entre europeus e nativos acabou, assim, anulada pela perspectiva da colonização dominadora.
    61. 61.  Os portugueses procuraram dominar os índios através da “guerra justa” , do “resgate” ou do “descimento” “guerra justa” – designava a luta contra grupos que não aceitavam a conquista portuguesa e resistiam à catequização. Os índios aprisionados nessas guerras podiam ser escravizados com autorização do rei.
    62. 62.  Além dos índios aprisionados em “guerras justas” , os colonos estavam autorizados a escravizar também os nativos “descidos” – aqueles que eram trazidos das suas aldeias para novos aldeamentos organizados pelos colonizadores, próximos às vilas – e os “resgatados”, ou seja, índios obtidos entre os prisioneiros de outros índios.
    63. 63. A RESISTÊNCIA INDÍGENA Com a colonização, os nativos da América portuguesa tinham duas escolhas : submeter- se ou resistir. No plano social e político, isso significava aderir a uma sociedade não-igualitária, utilitarista e hierarquizada, inteiramente diversa da sua, ou opor-se a ela. No plano cultural, implicava preservar ou abandonar as tradições, crenças e ritos seculares pelos costumes, valores e doutrinas do mundo cristão, apresentados como os únicos verdadeiros e superiores a todos os demais.
    64. 64.  Alguns povos não tiveram escolha senão deixar-se catequizar e colocar-se sob o abrigo das ordens religiosas para escapar à escravidão ou ao extermínio impostos pelos colonizadores.
    65. 65.  Nas diversas missões, os caminhos da catequese e da exploração do trabalho indígena seguiram processo e diretrizes semelhantes. Os descimentos e depois, a redução dos indígenas marcavam o passo inicial do empreendimento religioso. Reduzir,significa “reconduzir” , devolver os índios à fé cristã e à vida policiada. Na atuação missionária, os descimentos estavam atrelados às reduções, ou seja, desciam-se índios para depois reduzi-los. Reduzir significava fixá-los nas missões, sob formas de organização diferentes das tribais.
    66. 66. Outros povos empreenderam lutasferozes em defesa da liberdade.
    67. 67.  Um terceiro grupo optou por fugir para regiões cada vez mais distantes dos núcleos formados pelos colonizadores.Entre esses grupos, o mais numeroso parece ter sido o dos tupinambás. Após a chegada dos portugueses em 1500, milhares deles retiraram-se do litoral, procurando na Amazônia o que chamavam de “terra sem males”.
    68. 68. CONCLUSÃO Como solução econômica principal, a escravidão indígena fracassou no contexto da vida colonial centrada na exploração mercantilista. Não pela indolência, mas sim pela resistência dos índios ao cativeiro e a um regime de trabalho para eles opressivo, estranho e sem sentido. Com o conhecimento que tinham do território, podiam contra-atacar, fugir ou migrar em massa para o interior Como solução econômica secundária, a escravidão indígena continuou a ser usada em toda a colônia. Seria sempre menos importante nas áreas mais prósperas da produção e exportação açucareira. Mas teria muita importância para áreas menos prósperas, sem recursos para comprar escravos africanos .
    69. 69.  “ A maioria dos que ali estavam trazia aqueles bicos de ossos nos lábios. E dentre os que andavam sem eles, alguns tinham os lábios furados e nos buracos uma espécie de rolha de madeira; outros traziam três daqueles bicos : um no meio e os dois outros nos lados da boca. E andavam outros por ali, pintados, metade de sua própria cor e metade de tintura preta, meio azulada; outros ainda tinham o corpo pintado de xadrez.” ( Pero Vaz de Caminha )
    70. 70. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 851) Na América inglesa, não houve nenhum processo sistemático de catequese e de conversão dos índios ao cristianismo, apesar de algumas iniciativas nesse sentido. Brancos e índios confrontaram-se muitas vezes e mantiveram-se separados. Na América portuguesa, a catequese dos índios começou com o próprio processo de colonização, e a mestiçagem teve dimensões significativas. Tanto na América inglesa quanto na portuguesa, as populações indígenas foram muito sacrificadas. Os índios não tinham defesas contra as doenças trazidas pelos brancos, foram derrotados pelas armas de fogo destes últimos e, muitas vezes, escravizados.No processo de colonização das Américas, as populações indígenas da América portuguesaa) foram submetidas a um processo de doutrinação religiosa que não ocorreu com os indígenas da América inglesa.b) mantiveram sua cultura tão intacta quanto a dos indígenas da América inglesa.c) passaram pelo processo de mestiçagem, que ocorreu amplamente com os indígenas da América inglesa. d) diferenciaram-se dos indígenas da América inglesa por terem suas terras devolvidas.e) resistiram, como os indígenas da América inglesa, às doenças trazidas pelos brancos.
    71. 71. 2) Enquanto os portugueses escutavam a missa com muito "prazer e devoção", a praia encheu-se de nativos. Eles sentavam-se lá surpresos com a complexidade do ritual que observavam ao longe. Quando D. Henrique acabou a pregação, os indígenas se ergueram e começaram a soprar conchas e buzinas, saltando e dançando (...)Náufragos Degredados e Traficantes: (Eduardo Bueno)Este contato amistoso entre brancos e índios preservado:a) pela Igreja, que sempre respeitou a cultura indígena no decurso da catequese.b) até o início da colonização quando o índio, vitimado por doenças, escravidão e extermínio, passou a ser descrito como sendo selvagem, indolente e canibal.c) pelos colonos que escravizaram somente o africano na atividade produtiva de exportação.d) em todos os períodos da História Colonial Brasileira, passando a figura do índio para o imaginário social como "o bom selvagem e forte colaborador da colonização".e) sobretudo pelo governo colonial, que tomou várias medidas para impedir o genocídio e a escravidão.
    72. 72. DICA 86: ALTO ÍNDICE DEGRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
    73. 73. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: sexualidade, prevenção e assistência pré-natal Profª Esp. Ana Cristina P. de Jesus
    74. 74. ADOLESCÊNCIA Fase de transição: infância adultez
    75. 75. ADOLESCÊNCIA ADOLESCENTE: 10 a 19 anos de idade (Organização Mundial de Saúde – OMS); ADOLESCENTE: 12 a 18 anos de idade (Estatuto da Criança e do Adolescente)
    76. 76. ADOLESCÊNCIA Período de transformações físicas, fisiológicas e emocionais.
    77. 77. ADOLESCÊNCIA Construção e afirmação de nova identidade social.
    78. 78. ADOLESCÊNCIA Etapa do desenvolvimento do ser humano para atingir a maturidade biopsicossocial;
    79. 79. SEXUALIDADE
    80. 80. Sexualidade: Percepção e controle do corpo; Exercício do prazer/desprazer; Valores e comportamentos em processos afetivos e sexuais.
    81. 81. Manifestação da Sexualidade Novas necessidades e sensações corporais; Desejos desconhecidos; Busca de relacionamento interpessoal.
    82. 82. Expressão da sexualidade Qualidade das relações afetivas que vivenciaram e vivenciam; Transformações corporais, psicológicas e cognitivas; Valores, normas culturais e crenças da sociedade em que estão inseridos.
    83. 83. PREVENÇÃO
    84. 84. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
    85. 85. Até o final dos anos 90 a taxa de fecundidade entre meninas adolescentes aumentou 26%. BRASIL, 2000
    86. 86.  São cerca de 700 mil meninas se tornando mães a cada ano no Brasil; A gravidez ocorre geralmente entre a primeira e a quinta relação sexual. Entre 1993 e 1999 houve aumento de aproximadamente 30% do número de partos feitos no SUS em adolescentes entre 10 a 14 anos. BRASIL, 2000.
    87. 87. O que leva as adolescentes a engravidar?1. Iniciação precoce da puberdade ---- Decréscimo da idade da Menarca ---- Iniciação da capacidade reprodutiva;2. Ausência de métodos contraceptivos nas relações sexuais e de preservativo ---- Maior exposição à gravidez e às infecções pelo HIV e outras DST’S. Berquó, 2005
    88. 88. O que leva as adolescentes a engravidar?3. O uso de drogas e bebidas alcóolicas;4. Resposta às pressões do parceiro para iniciar a vida sexual;5. Além das que engravidam para casar-se. Berquó, 2005
    89. 89. FALTA DE UM PROJETO DE VIDA FALTA DE PERSPECTIVA FUTURAFALTA DE UM PROJETO DE ORIENTAÇÃO SEXUAL
    90. 90. A gravidez na adolescência acarretasobrecarga física e psíquica aumentando avulnerabilidade aos agravos materno-fetais e psicossociais. Estatuto da Criança e do Adolescente,2001
    91. 91. MATURAÇÃO SEXUAL #COMPETÊNCIA SOCIAL, ECONÔMICA E EMOCIONAL
    92. 92. 1985
    93. 93. 35.302.872 de pessoas (10 a 19 anos) 21% da população do Brasil Censo 2000, MS 2006em média: 65 partos / 1000 adolescentes entre 15 e 19 anos nos EUA: 41/1000 G Bretanha: 27/1000 Africa sub-sahara: 229/1000 Bearinger LH. Lancet 2007EUA e GB: 20% dos partos em pacientes abaixo dos 18 anos são reincidentes Milne D. Current Opinion in Obst and Gynecology, 2008
    94. 94. Gravidez na adolescência CENSO 2000 o aumento entre 15 e 19 anos da taxa de fecundidade foi mais expressivo entre:  jovens menos escolarizadas  jovens mais pobres  jovens residentes em área urbana
    95. 95. Veja, 10 junho 2009 – James HeckmanPremio Nobel de Economia em 2000
    96. 96. PARTOS ATENDIDOS NA REDE HOSPITALAR DO SUS NO PERÍODO DE 1993 A 2000 Total de 10-14 anos 15-19 anos Outras Faixas Partos EtáriasANO em Todas Número % Número % Número % as Idades1993 2.856.255 26.505 0,93 611.608 21,41 2.218.142 77,661994 2.852.834 26.604 0,93 635.311 22,27 2.190.919 76,801995 2.821.211 28.282 1,00 661.330 23,44 2.131.599 75,571996 2.743.141 31.911 1,16 675.839 24,63 2.035.391 74,201997 2.718.265 33.534 1,23 686.804 25,27 1.997.927 73,501998 2.617.377 31.857 1,22 666.582 25,47 1.918.938 73,321999 2.616.720 31.800 1,22 673.512 25,74 1.911.408 73,042000 2.504.654 32.489 1,29% 646.801 25,84% 1.825.364 72,87% Fonte: DATASUS/FNS/MS
    97. 97. Gravidez na adolescência apresentação da demógrafa Elza Berquó ao MS, agosto 2005 Evolução da taxa específica de fecundidade de mulheres de 15-19 anos segundo várias fontes de dados. Brasil. 0.1000Taxa de Fecundidade de 15-19 anos . 0.0900 0.0800 0.0700 Taxa de fecundidade em 0.0600 mulheres de 16 a 18 anos – 0.0500 entre 1979 e 2003 0.0400 0.0300 1980 1985 1988 1990 2005 1978 1979 1981 1982 1983 1984 1986 1987 1989 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 Anos Evolução das taxas específicas de fecundidade de mulheres de 10- Pnads Censos Sinasc Registro Civil PNDS 14 anos. Brasil, 1995-2003 0.0040 Taxas específicas de fecundidade 0.0035 0.0030 0.0025 0.0020 SINASC 0.0015 Registro Civil 0.0010 0.0005 Taxa de fecundidade em 0.0000 mulheres de 10 a 14 anos – entre 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 1995 e 2003 Anos
    98. 98. Problema Médico ou
    99. 99. Contexto familiar e social Cad. Saúde Pública vol.20 suppl.1 Rio de Janeiro 2004
    100. 100. Contexto familiar e social Cad. Saúde Pública vol.20 suppl.1 Rio de Janeiro 200
    101. 101. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 861) A taxa de natalidade vem sofrendo queda generalizada nas cinco macrorregiões brasileiras, desde a década de 1970. Entretanto, entre as adolescentes, esse quadro se inverteu: entre 1991 e 2000, o número de partos realizados nos hospitais públicos em meninas, na faixa dos 10 aos 14 anos, aumentou aproximadamente 30%. Na faixa etária de 15 a 19 anos, o acréscimo foi de mais de 25%. (Adaptado de Magnoli, D. e Araújo, R. "Geografia. A construção do mundo". São Paulo: Ed.Moderna, 2005).A gravidez precoce desponta como um dos temas de destaque nos estudos demográficos do Brasil atual, porque:a) a proporção elevada de mortes das adolescentes no momento do parto redistribui a base da pirâmide etária, aproximando os índices brasileiros aos de diversos países com baixo índice de desenvolvimento humano (IDH).b) esse tipo de gravidez apresenta taxas elevadas nas áreas mais carentes, reduzindo a possibilidade de políticas distributivas nesses espaços.c) grande parte das mães adolescentes abandona os estudos regulares, encontrando dificuldades de inserção igualitária no mercado de trabalho formal.d) aumenta expressivamente as taxas de mortalidade no país, reduzindo a expectativa de vida da população adulta.e) diminui o índice de crescimento vegetativo no país, afetando a formação da População Economicamente Ativa (PEA) que é produtora de riquezas.
    102. 102. 2) A ocorrência de gravidez na adolescência tem aumentado consideravelmente. O conhecimento e o uso adequado de métodos contraceptivos podem reverter esse problema.Em relação a esses métodos, é CORRETO afirmar-se que:a) o diafragma impede a nidação da mórula.b) o dispositivo intra-uterino, D.I.U, impede a chegada dos espermatozóides ao útero.c) o método hormonal feminino, pílula, impede a ovulação.d) o método de tabela é eficiente se forem evitadas relações sexuais entre o décimo segundo e o décimo quarto dia do ciclo.e) o preservativo masculino, camisinha, tem ação espermicida.
    103. 103. DICA 87: TRANSTORNOSPSICOLÓGICOS DOS JOVENS NA ATUALIDADE
    104. 104. O mundo do jovem:concepções de juventude. . Belo Horizonte, 16 de outubro de 2011 Miriam Abramovay
    105. 105. Juventude e Juventudes É uma construção histórica e social.Cada época e cada setor, postula diferentes maneiras de ser jovem, dentro de situações sociais e culturais específicas. É uma produção de uma determinada sociedade, relacionada com formas de ver os jovens, inclusive por estereótipos, momentos históricos, referências diversificadas e situações de classe, gênero, raça, grupo, contexto histórico entre outras.
    106. 106. Juventude e JuventudesParte-se da afirmação de que não há somente uma juventude, mas juventudes que seconstituem em um conjunto diversificado com diferentes parcelas de oportunidades, dificuldades, facilidades e poder na nossa sociedade.
    107. 107. Percepção sobre as Juventudes O século XX marca a visão do jovem em processo de transição , sob a influência da psicologia como ciência.  O jovem é visto como em processo de maturação psicológica,uma passagem difícil em suas vidas, um momento de crise na sua sexualidade, nos seus sentimentos e no seu ideal.
    108. 108. Percepção sobre as JuventudesA sociedade tem uma enorme dificuldade em conceber os jovens como sujeito dedireitos e de identidade própria, oscilando entre considerá-lo adulto para algumasexigências e enfatizá-lo em várias outras circunstâncias.
    109. 109. Representações contraditórias sobre os jovensEm geral os jovens são rotulados e prejulgados negativamente:  São todos drogados;  Não têm juízo;  São inconseqüentes;  São inexperientes;  São revoltados;  São violentos.
    110. 110. Preconceitos  Por serem jovens; Pelo fato de morarem em bairros da periferia ou favelas; Pela sua aparência física, a maneira como se vestem;  Pelas dificuldades de encontrar trabalho;  Pela condição social.
    111. 111. Os Jovens e a conteporaneidade  A juventude vive na contemporaneidade a reificação de um ideal estético em uma sociedade de consumo, transformando, inclusive, a forma de ser jovem em objeto, em mercadoria, intervindo no mercado do desejo como sinal de distinção e de legitimidade.
    112. 112. Condição JuvenilCinco elementos são cruciais para a definição da condição juvenil em termos ideais-objetivos, quais sejam: 1) A obtenção da condição adulta, como uma meta; 2) A emancipação e a autonomia, como trajetória;3) A construção de uma identidade própria, como questão central, 4) As relações entre gerações, como um marco básico para atingir tais propósitos.5) As relações entre jovens para modelar identidades, ou seja, a interação entre pares como processo de socialização
    113. 113. Vulnerabilidade Os jovens sofrem riscos de exclusão social sem precedentes devido a um conjunto de desequilíbrios provenientes do mercado, Estado e sociedade quetendem a concentrar a pobreza entre os membros deste grupo e distanciá-los do “curso central” do sistema social. (Vignoli, 2001). Os jovens são vulneráveis, mas também possuemcertos recursos para fazer frente aos obstáculos e riscos – como capital humano, social e simbólico.
    114. 114. Vulnerabilidades Positivas  Rebeliões sobre estereótipos, tabus, preconceitos;  Vontade de saber e construir Busca por autonomia e por participação, curiosidade  Orientação gregária Apelo para diversas linguagens e tipos de organização (movimentos sociais e ONGs) recorrendo à culturas juvenis.
    115. 115. Contraponto: como os jovens se sentem em relação à vida?Grau de satisfação com a vida que leva hoje, 2004.  Muito satisfeito- 6%  Satisfeito- 69%  Insatisfeito- 22%  Muito insatisfeito- 2%
    116. 116. Razões de satisfaçãoGráfico 1 - Distribuição da população jovem segundo razões para estar satisfeita ou muito satisfeita com a vida que leva hoje - Brasil, 2004 Fonte: Pesquisa “Juventude, juventudes: o que une e o que separa”, UNESCO 2004
    117. 117. FinalmenteCom base na percepção de nossos jovens, podemosdizer que a juventude nos aponta com o otimismo, coma certeza de que pouco ou nada se perdeu, que ainda há muito espaçopor onde começar/recomeçar a construção de um outro mundo. Um mundo melhor, porque possível.E possível porque também mediado pela ótica e pela participação juvenil tanto em sua dimensão estética quanto ética.
    118. 118. Quem são os Jovens no BrasilPopulação Ano 1970 1980 1991 2000 2005Total da 93.139.03 118.562.54 146.639.03 169.799.170 184.184.264 população 7 9 9BrasileiraJovens de 15 a 25.043.15 34.531.408 41.220.428 47.930.995 50.500,000 29 anos 7FONTE: IBGE (censos demográficos, 1970, 1980, 1991 e 2000). IBGE (Projeção da população 2005). PNAD 2005.
    119. 119. Jovens: quantos são?
    120. 120. Jovens: freqüência à escola
    121. 121. Aspectos Socioeconômicos da População JovemClasse Socioeconômica N %Classe A 621.158 1,3%Classe B 5.393.905 11,2%Classe C 15.112.448 31,6%Classe D 19.798.177 41,4%Classe E 6.906.983 14,4%Total 47.832.671 100,0%FONTE: Pesquisa: Juventude, juventudes: o que une e o que separa, 2004.
    122. 122. Caracterização por cor/raça auto atribuída Cor/Raça Auto Atribuída N % Branco(a) 16.035.983 33,5% Negro(a) 5.442.528 11,4% Pardo(a)/moreno(a) 25.580.067 53,5% Indígena 453.909 0,9% Oriental 105.093 0,2% Outra 95.603 0,2% Não opinou 119.487 0,2% Total 47.832.671 100,0% FONTE: Pesquisa: Juventude, juventudes: o que une e o que separa, 2004.
    123. 123. Distribuição por SexoDistribuição por sexo N %MASCULINO 23.696.849 49,5FEMININO 24.135.821 50,5Total 47.832.671 100,0FONTE: Pesquisa: Juventude, juventudes: o que une e o que separa, 2004.
    124. 124. Influências Os jovens sofrem influências multiculturais e vivem dois problemas em comum: a globalização e a violência e a globalização do crime ligada ao narcotráfico.  Segundo Castells(1997), nas últimas décadas organizações criminosas tem levado a cabo operações em escala internacional, aproveitando da globalização econômica e das novas tecnologias dei informação. Em torno do narcotráfico foi-se organizando uma poderosa rede de crimes como o tráfico de armas, tráfico de imigrantes, prostituição internacional, contrabando etc. Todas as transações se baseiam na coesão mediante uma violência extraordinária.
    125. 125. Enquanto organizamos, por cima, a nova ordemeconômica e tecnológica, um amplo setor de jovens está construindo, por baixo, uma desordem alternativa feita de sua negação a um sistema que os nega. (...) Somente restabelecendo as pontes de contato com a nossa juventude, em todos os países, poderemos realmente construir nosso futuro. E somente se soubermos como os jovens pensam e vivem, e porque pensam assim, poderemos encontrar uma nova linguagem, fundamento de uma nova política. Manuel Castells
    126. 126. Miriam Abramovay Socióloga, pesquisadoramembro do Conselho Nacional de Juventude. mabramovay@gmail.com http://www.miriamabramovay.com
    127. 127. Psicopatologia
    128. 128. Definição de Transtorno Mental  Os Transtornos Mentais são síndromes ou padrões comportamentais ou psicológicos clinicamente importantes, que ocorrem num indivíduo e estão associados com sofrimento ou incapacitação ou com um risco significativamente aumentado de sofrimento, morte, dor, deficiência ou perda importante da liberdade. A expressão “transtorno mental” infelizmente sugere uma distinção entre transtornos “mentais” e transtornos “físicos”, uma visão reducionista do dualismo mente/corpo.  Um equívoco comum consiste em pensar que uma classificação de transtornos mentais classifica pessoas, quando na verdade o que se classifica são os transtornos que as pessoas apresentam.
    129. 129. • Permite o estabelecimento de condutas, prognóstico, investigação científica e hipóteses explicativas.• Os critérios diagnósticos visam a servir como diretrizes a serem moduladas pelo julgamento clínico, não devendo ser usados como um “livro de receitas”.• Mau uso do diagnóstico psiquiátrico • Uso político e punitivo • Instrumento de estigmatização • RótuloDiagnosticar é descobrir umfenômeno patológico
    130. 130. • Diagnóstico é um construto, não é um dado concreto da natureza• É formulado para ajudar a entender melhor nossos doentes e poder ajudá-los de uma maneira mais eficazDiagnóstico
    131. 131. • Função científica e de comunicação• Função pragmática e ética de entendimento, ordenação e subsídio para a prática clínicaDiagnóstico
    132. 132. • Baseado em dados clínicos, na história dos sintomas e no exame psíquico atual• É orientado pela observação, descrição e aspectos fenomenológicos, além da evolução temporal.Diagnóstico
    133. 133. • Não há sintomas patognomônicos específicos de um transtorno mental• É o conjunto de dados clínicos que possibilita o diagnóstico psicopatológico• O diagnóstico se torna consistente com a observação do curso, da evolução do transtorno• É necessário aguardar a evolução para se confirmar a hipótese inicialPrincípios gerais do Diagnóstico
    134. 134. • Baseado em dados clínicos• Difícil base em mecanismos etiológicos• Inexistência de sintomas específicos• Estão em constante evolução• Confiabilidade (reprodução)• Validade (verdade)Aspectos particulares dodiagnóstico psiquiátrico
    135. 135. • Padrões de comportamento ou traços de personalidade típicos ou que estejam em conformidade com certos padrões adequados e aceitáveis de se comportar e agir.Normalidade
    136. 136. • Transtorno mental é caracterizado como um comportamento, uma síndrome psicológica ou um padrão que está associado a uma perturbação (p. ex., sintoma doloroso) ou deficiência (i.e., uma limitação em uma ou mais áreas importantes do funcionamento).• A síndrome ou o padrão não deve ser uma resposta esperada e culturalmente aceita a determinado evento, como a morte de um familiar.• Comportamentos que diferem dos padrões (p. ex., políticos, religiosos ou sexuais) ou conflitos entre o indivíduo e a sociedade não são transtornos mentais. DSM-IV-TR
    137. 137. • Normalidade como saúde: ausência de sinais e sintomas.• Normalidade como utopia: “uma ficção ideal”.• Normalidade como média: faixa intermediária normal e extremos anormais.• Normalidade como processo: mudanças ou processos ao invés de definição transversal.Perspectivas danormalidade
    138. 138. • Autonormal: pessoa considerada normal por sua própria sociedade• Autopatológica: pessoa considerada anormal por sua própria sociedade• Heteronormal: pessoa considerada normal por membros de outra sociedade que a observam• Heteropatológia: pessoa considerada incomum ou patológica por membros de outra sociedade que a observam Normalidade contextualizada
    139. 139. • Aparência e comportamento• Estado de consciência• Orientação• Confiança• Relacionamento com o entrevistador• Afeto e humor• Fala• Pensamento• Senso-percepção• Insight• Juízo críticoExame do Estado Mental
    140. 140. • Mulheres: anorexia, bulimia nervosa, somatização e transtornos do humor.• Homens: personalidade anti-social e abuso de álcool.Sexo
    141. 141. • Pacientes jovens: anorexia nervosa e esquizofrenia.• Pacientes idosos: demência degenerativa.• Um paciente que parece mais velho do que sua idade pode ter uma história de abuso de drogas, transtornos cognitivos, depressão ou doença física.Idade
    142. 142. • Pode ser fonte de estresse ou reação de adaptação• Pode ter formação cultural diferente (p. ex. psicose interpretada como possessão de espíritos)Raça e origem étnica
    143. 143. • Precário: anorexia nervosa em mulheres jovens; anorexia devido ao abuso de álcool e de outras drogas; esquizofrenia; depressão ou doenças físicas como câncer e diabete.• Obesidade: transtorno da alimentação; transtorno da somatização; transtorno do humor com hiperfagia; ou uso de drogas psicotrópicas como a mirtazapina, valproato de sódio, lítio, clorpromazina, clozapina e olanzapina.Estado nutricional
    144. 144. • A vestimenta pode demonstrar status social e profissional, engajamento em atividades de lazer e de trabalho, atitude em relação à sociedade ou um estado de humor extremo como a mania ou depressão.• Estes indícios servem como alerta, mas não deve predispor o médico a favor ou contra um diagnóstico.Higiene e modo de vestir
    145. 145. • A maioria dos pacientes mantém contato visual e segue com os olhos os movimentos e gestos do entrevistador.• Movimentos oculares aberrantes são indícios diagnósticos: olhos errantes revelam distratibilidade, alucinações visuais, mania ou deterioração cognitiva.• A evitação do contato visual pode expressar hostilidade, timidez ou ansiedade.• O rastreamento constante do olhar pode revelar desconfiança.Contato visual
    146. 146. • Alto tônus muscular: paciente tenso e agitado, aumento no nível de energia.• Baixo tônus muscular: calmo ou sonolento, decréscimo no nível de energia.Postura
    147. 147. • Gestos (expressivos, ilustrativos, simbólicos)• Catatonia• Flexibilidade cérea• Agitação psicomotora• Coréia• TremoresMovimentospsicomotores
    148. 148. • Coma: não desperta.• Estupor: é despertado temporariamente.• Torpor: percepção reduzida.• Estado crepuscular ou de sonho: desorientado.• Ingestão de álcool• Drogas• Desmaios• Narcolepsia• Convulsões• Pseudoconvulsões• A letargia pode indicar doença física, demência ou delirium.Estado de consciência
    149. 149. • A concentração se limita a assuntos interessantes?• Ele pode se concentrar somente quando fala, ou também quando ouve?• Se distrai facilmente?Atenção e concentração
    150. 150. • Envolve a capacidade de: • registrar • fixar • Conservar • reproduzir a experiência anteriorMemória
    151. 151. • Remota• Recente• Imediata• ConfabulaçãoMemória
    152. 152. • Disartria: articulação indistinta (p. ex. no abuso de álcool)• Disprosódia: perturbação do ritmo (pausas longas entre sílabas, p. ex.)• Salada de palavras (fluência contínua e sem sentido)• Taquilalia (fala rápida)A fala
    153. 153. • Pensamento concreto (não simboliza)• Circunstancialidade (detalhes irrelevantes)• Tangencialidade (não atinge o alvo, mas se aproxima)• Perseveração (repetir a mesma coisa)• Verbigeração ou palilalia (repetir automaticamente palavras ou expressões, especialmente ao final da frase)• Associação por ressonância (associa por sons)• Taquipsiquismo• Descarrilhamento• Fuga de idéias• Divagação• Salada de palavrasPensamento
    154. 154. • Idéia prevalentes: idéias carregadas de afeto que dominam a preocupação da pessoa: • Ansiosos • Depressivos • Fóbico • ObsessivosAlterações doPensamento
    155. 155. • Delírios de grandeza• Delírios de ruína• Delírios persecutórios• Delírios de passividade (inserção ou roubo de sentimentos ou pensamentos)• Delírios bizarrosConteúdo do pensamento
    156. 156. • Despersonalização• Desrealização• Ilusão• Alucinações (visuais, auditivas, olfativas, gustativas, táteis, somáticas)Senso-Percepção
    157. 157. • Quanto à pessoa• Quanto ao tempo• Quanto ao espaçoOrientação
    158. 158. • Hipomodulado: varia pouco (p. ex.: embotamento afetivo).• Modulado: varia de acordo com a situação.• Hipermodulado: varia muito.Afeto
    159. 159. • Deprimido• Tranquilo• Eufórico• IrritávelHumor
    160. 160. • O afeto é momentâneo e o humor duradouro.• O afeto está ligado a um estímulo externo ou interno e muda com eles; o humor altera-se espontaneamente.• O afeto é primeiro plano; o humor plano de fundo.• O afeto é observado pelo médico (sinal); o humor é referido pelo paciente (sintoma).• O afeto pode ser congruente (coerente) ou incongruente com o humor.Humor e afeto
    161. 161. • Afeto • Qualidade e tônus emocional que acompanham uma idéia ou representação mental. Componente emocional de uma idéia. • Dimensão psíquica que dá cor, brilho e calor a todas as vivências humanas.• Humor • Tonalidade de sentimento mantido pelo paciente durante a entrevista.• Emoções • Reações afetivas agudas, momentâneas, desencadeadas por estímulos importantes. São intensas e de curta duração. • Alegria, tristeza, raiva, medo.Afetividade e Humor
    162. 162. • Pleno• Parcial• InexistenteInsight
    163. 163. • Juízo crítico é a capacidade de escolher objetivos adequados e selecionar meios socialmente aceitáveis e adequados de os atingir.• Reflete o teste de realidade, a inteligência e a experiência.• Os planos para o futuro são realistas?• O paciente é responsável?• Há risco de auto ou hetero-agressão?Juízo crítico
    164. 164. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 87O Mundo de hoje vive conhecendo comportamentos de Jovens, que com seus “transtornos psicológicos”, tem chamado a atenção de autoridades do assunto, pois tais problemas, tem levado a ações, geradoras de atos violentos em escolas pelo mundo inteiro.ALGUNS TRANSTORNOS SÃO JÁ DEFINIDOS, LEIA SOBRE ELES ABAIXO:1 - Transtornos do Humor : É o grupo onde se incluem as doenças depressivas, de certo modo comuns na adolescência, acompanhadas das mais diversas manifestações. Podem apresentar humor deprimido (tristeza) acentuado ou irritabilidade (que por si só pode ser manifestação normal da adolescência), perda de interesse ou prazer em suas atividades, perda ou ganho de peso, insônia ou excesso de sono e abuso de substâncias psicoativas (mais comumente álcool, porém até outras drogas). O tratamento desses transtornos envolve o uso de fármacos (antidepressivos), associados a psicoterapia.2 - Transtornos Alimentares : Onde se incluem a Bulimia (ataques de "comer" compulsivo seguidos, muitas vezes, do ato de vomitar) e Anorexia (diminuição intensa da ingesta de alimentos). A pessoa demonstra um "pavor" de engordar, tomando atitudes exageradas ou não necessárias para emagrecer, mantendo peso muito abaixo do esperado para ela. O tratamento desses transtornos envolve uma equipe multidisciplinar (psiquiatra, nutricionista), fármacos antidepressivos e psicoterapia, necessitando em alguns casos de intervenções na família.
    165. 165. 3 - Transtornos do Uso de Substâncias Psicoativas : O uso de drogas, como é conhecido, é um tipo de alteração de comportamento bastante visto na adolescência. A dependência de drogas, que é o transtorno mais grave desse grupo, manifesta-se pelo uso da substância associado a uma necessidade intensa de ter a droga, ausência de prazer nas atividades sem a droga e busca incessante da droga, muitas vezes envolvendo-se em situações ilegais ou de risco para se conseguir a mesma (roubo e tráfico). O tratamento envolve psicoterapia, educação familiar e alguns fármacos, por vezes necessitando internação hospitalar.4 - Transtornos de Conduta : Caracterizam-se por comportamentos repetitivos de contrariedade a normas e padrões sociais, conduta agressiva e desafiadora. Constitui-se em atitudes graves, sendo mais do que rebeldia adolescente e travessuras infantis normais. Essas pessoas envolvem-se em situações de ilegalidade e violações do direito de outras pessoas. Aparecem roubos, destruição de patrimônio alheio, brigas, crueldade e desobediência intensa como algumas das manifestações. O tratamento envolve basicamente psicoterapia, podendo-se utilizar alguns fármacos no controle da impulsividade desses pacientes. São transtornos de difícil manejo, e muitas vezes necessitam de intervenções familiares e sociais.5 - Transtornos de Ansiedade : Os transtornos de ansiedade incluem desde a ansiedade de separação e a fobia escolar, condições que ocorrem quase que exclusivamente na infância, até o transtorno obsessivo compulsivo, transtorno de ansiedade generalizada, estresse pós- traumático, síndrome do pânico e fobias. Pessoas que vivem com um grau muito intenso de ansiedade podem chegar a ter prejuízos no seu funcionamento, por exemplo social, em decorrência dessa ansiedade. Além de causar importante sofrimento físico e psicológico, as conseqüências dos sintomas ansiosos costumam ser desmoralizantes e incapacitantes em mais de uma esfera, como por exemplo social, ocupacional, escolar e familiar. Os sintomas podem iniciar tanto na infância quanto na adolescência , e podem ser tanto primários, quanto secundários ou ocorrerem em comorbidade com outros sintomas psiquiátricos. O tratamento envolve basicamente psicoterapia, podendo-se recorrer a alguns fármacos como coadjuvantes.
    166. 166. 6 - Transtornos Psicóticos : Nessa fase da vida muitos transtornos psicóticos, por exemplo a esquizofrenia, iniciam suas manifestações. Esses transtornos são graves, muitas vezes necessitam internação hospitalar e são caracterizados por comportamentos e pensamentos muito bizarros e distorcidos frente a realidade. O tratamento baseia-se em tratamento medicamentoso com o uso de antipsicóticos e psicoterapia de apoio. São transtornos, em sua maioria, cronificantes, principalmente se não tratados.Publicada em 07/04/2011 às 11h12mFernanda Baldioti, Luiz Ernesto Magalhães, Paulo Roberto Araújo, Rafael Galdo, Simone Candida e Waleska Borges – O GloboCBNRIO – Um ex-aluno invadiu, na manhã desta quinta-feira, a Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, e fez vários disparos, que teriam atingido mais de 30 alunos. Segundo o relações-públicas do Corpo de Bombeiros, coronel Evandro Bezerra, treze pessoas morreram. O major Machado, do 14º BPM (Bangu), afirmou que há ainda 22 feridos em estado grave apenas no Hospital Albert Schweitzer, também em Realengo, a maioria baleada no tórax e na cabeça. O atirador foi identificado como Wellington Menezes de Oliveira. Ele foi baleado na perna e depois se matou. Segundo Fernandes, fiscal do Detro, que fazia uma operação na região, Wellington deixou uma carta explicando as razões do atentado.JULGANDO O CASO DE UMA ESCOLA ACIMA CITADA, PODE-SE DIZER QUE O JOVEM MOSTROU O TIPO DE TRANSTORNO,a) 1,2,3,4 e 6b) 2,3,4,5 e 6c) 1,2,3,4 e 5d) 1,3,4,5 e 6e) 1,3,4 e 6
    167. 167. DICA 88:AS GREVES NO BRASIL EM 2012
    168. 168. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 881) Greve é a cessação coletiva e voluntária do trabalho realizada por trabalhadores com o propósito de obter benefícios, como aumento de salário, melhoria de condições de trabalho ou direitos trabalhistas, ou para evitar a perda de benefícios. Por extensão, pode referir-se à cessação coletiva e voluntária de quaisquer atividades, remuneradas ou não, para protestar contra algo (de conformidade com a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT).Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Greve>. Acesso em 27/06/2012.A definição acima corresponde à forma como a greve é percebida socialmente. Entretanto, ela adquire um significado mais complexo a partir da análise sociológica.PODE-SE DIZER SOBRE O TEMA:1 - Segundo a análise marxista, a sociedade capitalista é formada pelo antagonismo de classes: de um lado, os proletários trabalhadores que são obrigados a vender sua força de trabalho em troca de um salário de subsistência; de outro, os burgueses, detentores dos meios de produção, que compram essa força de trabalho e se tornam possuidores daquilo que os proletários produzem.2 - A greve, nessa relação de produção, surge como uma forma de luta dos proletários contra a exploração que podem estar sofrendo. Dessa forma, eles deixam de trabalhar, impedindo que o burguês obtenha seu lucro. Esse impasse tem como objetivo forçar o burguês a ceder às reivindicações dos proletários por melhores condições de trabalho.3 – No caso do Brasil, em 2012, todas as greves foram causadas estritamente por questões salariais, e todas alcançaram os objetivos que se propuseram seus articuladores.4 – O Brasil é um país democrático, e as greves são marcas da história do país, onde as classes trabalhadoras tem direitos de revindicar suas ideias ou questões econômicas, no caso, os salários.LIDAS AS OPINIÕES, PODE-SE DIZER ESTAREM COERENTES COM A REALIDADE:a) Todas as opiniões.b) Somente as opiniões 1,2,3c) Somente as opiniões 2,3,4d) Somente as opiniões 2,3e) Somente as opiniões 1,2,4
    169. 169. 2) Leia o texto a seguir:Em 1978, uma greve que parecia amalucada, organizada em menos de uma semana na fábrica de ônibus e caminhões Scania-Vabis, em São Bernardo do Campo, alastrou-se por boa parte do ABC paulista. Questionou a legislação sindical então ultrarrestritiva, ampliou o direito de greve, deixou perplexos os patrões e na defensiva a ditadura militar; construiu novos paradigmas para a ação dos sindicatos e projetou pela primeira vez o nome de Luiz Inácio da Silva, o Lula, para fora dos meios metalúrgicos. Trinta anos depois, alguns destacados militantes dessa jornada se perguntam: “Acabou?”.(Militantes questionam o rumo do sindicalismo 30 anos após greve de 78, Folha de São Paulo, 11 maio 2008.)Sobre o processo histórico referido no texto e com base nos conhecimentos sobre as mudanças recentes nas relações de trabalho, considere as afirmativas a seguir:I. O movimento grevista do fim da década de 1970 aumentou sua legitimidade e importância entre os trabalhadores porque atuou dentro da estrutura sindical oficial de Estado e por ser custeado pelo imposto obrigatório.II. Embora tenha ampliado o direito de greve e contestado o regime político vigente no país, as greves citadas não surtiram maiores consequências práticas, o que se verifica no distanciamento que adotaram em relação ao movimento para a redemocratização do país.III. Após as greves de 1978, o movimento sindical brasileiro conheceu grandes avanços na década de 1980, vistos pelo aumento das taxas de sindicalização em setores antes não alcançados, como trabalhadores rurais, camadas médias e funcionários públicos.IV. Trinta anos depois, devido à reestruturação produtiva e ao aumento do desemprego, as práticas sindicais dominantes tendem a uma maior aproximação com as empresas e com o Estado e ao distanciamento em relação às bases dos trabalhadores.Assinale a alternativa correta.a) Somente as afirmativas I e II são corretas.b) Somente as afirmativas I e III são corretas.c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.d) Somente as afirmativas I, II e IV são corretas.e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.
    170. 170. DICA 89:ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA: QUAIS AS MUDANÇAS ?
    171. 171. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 89A respeito das MUDANÇAS NO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA, PODE-SE DIZER1 – O Acordo é para uniformização da Língua Portuguesa, pois vai criar uma língua única e com os mesmos sentidos e acentuações.2 – O objetivo do acordo não é uniformizar a língua, pois, as variedades de uso já estão presentes na estrutura social em que a língua está inserida.3 – O acordo é para que resolvamos alguns problemas. O principal problema enfrentado é que temos uma língua – a portuguesa- e duas grafias na qual trazia problemas na redação de documentos oficiais e na publicação de obras de interesse público.4 - Os principais objetivos do novo acordo são: restringir as diferenças de escrita existentes e fortalecer a comunidade linguística entre os falantes da Língua Portuguesa.5 - Em relação à ortografia é interessante conhecermos sua estrutura. Orto deriva da palavra gregra “ortho” que significa correto/reto e grafia da palavra “graphos” que significa escrita. Assim, a ortografia de uma língua consiste na padronização da forma gráfica de suas palavras.ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 2,3,4 e 5 estão corretasd) Somente 1,3,4,5 estão corretase) Somente 2,4,5 estão corretas
    172. 172. DICA 90:O MOVIMENTO “YOSOY132” : A CHAMADA “PRIMAVERA MEXICANA”
    173. 173. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 90A mobilização popular contra regimes ditatoriais e governos considerados antidemocráticos ganhou destaque em 2011, com manifestações em países como Líbia, Turquia e Egito. A “Primavera Árabe”, nome pelo qual tais mobilizações ficaram conhecidas, se propagou com muita rapidez e eficiência, graças às redes sociais. Em síntese, podemos dizer que os objetivos dos manifestantes eram: o direito ao voto, o respeito aos direitos femininos, o direito à educação e à liberdade de imprensa e expressão.
    174. 174. A RESPEITO DO TEMA, PODE-SE DIZER1 - Desde o dia 11 de maio, manifestações contrárias ao monopólio do poder pelos membros do Partido Revolucionário Institucional (PRI) no México estão sendo chamadas de Primavera Mexicana.2 - As graves denúncias de corrupção contra o governo, seguidas da repressão aos meios de comunicação, tem ampliado o movimento que começou com o protesto dos estudantes da Universidade Iberoamericana, localizada na Cidade do México, durante a visita de Peña Nieto, candidato do PRI à presidência.3 - Na época, forças policiais reprimiram brutalmente manifestantes da “Frente de Povos em Defesa da Terra”, que protestavam contra a construção de um aeroporto em Texcoco. De acordo com a CNDH (Comissão Nacional de Direitos Humanos), a repressão resultou na morte de dois jovens, na prisão de mais de duzentos manifestantes e no estupro de quarenta e sete mulheres por membros das forças repressoras.4 - O candidato do PRI à presidência acusa os líderes dos protestos de estarem ligados ao partido de Andrés Manuel López Obrador, candidato à presidência pelo PRD (Partido da Revolução Democrática), seu principal adversário eleitoral. Peña afirmou ainda que os manifestantes não seriam estudantes e que foram pagos pelos seus opositores esquerdistas. Diante dessas acusações, os universitários gravaram um vídeo no qual 131 jovens mostram a carteira de identificação da universidade. A partir de então, teve início o movimento #yosoy132 (“eu sou o 132”).5 - Além dos estudantes da Universidade Iberoamericana, universitários de outras instituições se juntaram ao movimento e se organizam por meio do Twitter, Facebook e Youtube. Entre as manifestantes já há jovens da UNAM, do Instituto Politécnico Nacional, da Universidade Autônoma Metropolitana, da Universidade Autônoma da Cidade do México, do Claustro de Sor Juana, da TEC de Monterrey, do ITAM e da ANÁHUAC. Os próprios dirigentes estudantis definem o movimento, "Primavera Mexicana", como uma luta "em que os jovens florescem e espalham suas ideias como pólen, no qual os corações se incendeiam, as mentes se abrem e se fazem tangíveis as ilusões".ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 2,3,4 e 5 estão corretasd) Somente 1,3,4,5 estão corretase) Somente 2,4,5 estão corretas

    ×