Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

100 DICAS ENEM PARTE 11

2,684 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

100 DICAS ENEM PARTE 11

  1. 1. 100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM 2012/2013 PARTE 11 E AÍ, GOSTARAM?ACABARAM-SE AS DICAS, E AGORA É TORCER PARA QUE ALGUMA DELAS CAIA NO SEU ENEM... SUCESSO SERÁ TODO SEU..SE VOCE LEVOU A SÉRIO VOCE VAI VER... Prof. MARIO FERNANDO DE MORI
  2. 2. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 96Observe o GRÁFICO ABAIXO:
  3. 3. O Plano de Metas aplicado durante o governo de Juscelino Kubitschek, entre 1956 e 1960, visava a estimular o desenvolvimento econômico brasileiro.Pela leitura do quadro, conclui-se que um dos objetivos alcançados pelo Plano de Metas foi:a) integração das redes de transporte rodoferroviáriob) modernização das técnicas de extrativismo mineralc) ampliação dos investimentos na infraestrutura industriald) expansão dos capitais privados na prospecção de petróleoe) estatização do processo de produção industrial.
  4. 4. DICA 97:COMPORTAMENTO JOVEM NAS MÍDIAS SOCIAIS: O FACEBOOK
  5. 5. Se gur ança emRedes Sociais <Nome> <Instituição> <e-mail>
  6. 6. Agenda• Redes sociais• Características principais• Riscos principais• Cuidados a serem tomados• Créditos
  7. 7. Redes sociais (1/2)• Redes de relacionamento que permitem que os usuários: – forneçam informações sobre si – acessem informações sobre outros usuários – utilizem mecanismos de comunicação – se agrupem, de acordo com afinidades, características, interesses e objetivos em comum• Conteúdo totalmente gerado pelos próprios usuários
  8. 8. Redes sociais (2/2)• Diário público: – quem você é? – onde você está? – o que você curte? – quem você conhece? – o que está acontecendo? – no que você está pensando? – o que seus amigos dizem sobre você? – onde você tem estado?
  9. 9. Car acterísticas principais
  10. 10. Características principais• Rápida velocidade de propagação de informações• Grande quantidade de usuários• Facilidade de acesso• Grande quantidade de informações pessoais• Dificuldade de exclusão de informações• Dificuldade de controle sobre as informações• Tempo que as informações ficam disponíveis
  11. 11. Riscosprincipais
  12. 12. Riscos principais (1/2)• Invasão de privacidade• Furto de identidade• Invasão de perfil• Uso indevido de informações• Danos à imagem e à reputação• Vazamento de informações
  13. 13. Riscos principais (2/2)• Recebimento de mensagens contendo: – códigos maliciosos – phishing• Instalação de programas maliciosos• Acesso a conteúdos impróprios ou ofensivos• Contato com pessoas mal-intencionadas• Disponibilização de informações para criminosos, que podem ser usadas: – em tentativas de sequestro – para furto de bens
  14. 14. Cuidados aserem tomados
  15. 15. Preserve a sua privacidade• Considere que você está em um local público• Pense bem antes de divulgar (não há como voltar atrás)• Use as opções de privacidade oferecidas pelos sites – procure ser o mais restritivo possível• Mantenha seu perfil e seus dados privados• Restrinja o acesso ao seu endereço de e-mail• Seja seletivo ao aceitar seus contatos• Não acredite em tudo que você lê• Seja cuidadoso ao se associar a grupos e comunidades
  16. 16. Cuidados ao fornecer sua localização• Seja cuidadoso ao divulgar fotos e vídeos– ao observar onde foram gerados pode ser possível deduzir sua localização• Não divulgue:– planos de viagens– por quanto tempo ficará ausente de sua residência• Ao usar redes sociais baseadas em geolocalização:– faça check-in apenas em locais movimentados– faça check-in ao sair do local, ao invés de quando chegar
  17. 17. Respeite a privacidade alheia• Evite falar sobre as ações, hábitos e rotina de outras pessoas• Não divulgue, sem autorização: – imagens em que outras pessoas apareçam – mensagens ou imagens copiadas do perfil de usuários que restrinjam o acesso• Tente imaginar como a outra pessoa se sentiria ao saber que aquilo está se tornando público
  18. 18. Proteja o seu perfil (1/2)• Seja cuidadoso ao elaborar as suas senhas – use senhas longas, compostas de diferentes tipos de caracteres – não utilize dados pessoais, como nome, sobrenome e datas• Seja cuidadoso ao usar as suas senhas – evite usar a mesma senha para acessar diferentes sites – evite, se possível, usar sua senha em computadores de terceiros
  19. 19. Proteja o seu perfil (2/2)• Habilite as notificações de login• Lembre-se sempre de fechar a sua sessão (logout)• Denuncie aos responsáveis pela rede social caso identifique abusos, tais como: – imagens indevidas – perfis falsos – spam
  20. 20. Proteja o seu computador (1/2)• Mantenha seu computador seguro com: – todos os programas instalados nas versões mais recentes – todas as atualizações aplicadas• Utilize e mantenha atualizados mecanismos de segurança – antispam – antimalware – firewall pessoal
  21. 21. Proteja o seu computador (2/2)• Desconfie de mensagens recebidas – mesmo que tenham sido enviadas por conhecidos – podem ter sido enviadas de contas falsas ou invadidas• Seja cuidadoso ao acessar links reduzidos – use complementos que permitam que você expanda o link, antes de clicar sobre ele
  22. 22. Proteja os seus filhos• Oriente-os sobre os riscos de uso das redes sociais• Respeite os limites de idade estipulados pelos sites• Oriente-os para não se relacionarem com estranhos – não marcarem encontros – não usarem a webcam• Oriente-os para não divulgarem: – dados pessoais – hábitos familiares – localização geográfica (atual ou futura)• Deixe o computador em um local público da casa
  23. 23. Proteja a sua vida profissional• Cuide da sua imagem profissional• Antes de divulgar uma informação – avalie se ela pode atrapalhar o seu emprego atual – avalie se ele pode atrapalhar um processo seletivo futuro – lembre-se que ela poderá ser acessada por seus chefes e colegas de trabalho – observe se ela não fere o código de conduta da sua empresa
  24. 24. Proteja a sua empresa• Crie um código de conduta• Informe os funcionários sobre: – os riscos de uso das redes sociais – as regras de acesso durante o expediente – o comportamento esperado, referente a: • divulgação de informações profissionais (sigilosas ou não) • emissão de opiniões que possam comprometer a empresa• Invista em treinamento• Cuide da imagem – observe a opinião de clientes e consumidores – observe ações que envolvam o nome da empresa
  25. 25. Mantenha-se informado (1/2)Cartilha de Segurança para Internethttp://cartilha.cert.br/ RSShttp://cartilha.cert.br/rss/cartilha-rss.xml Twitterhttp://twitter.com/certbr
  26. 26. Mantenha-se informado (2/2)Portal Internet Segura Campanha Antispam.brhttp://www.internetsegura.br/ http://www.antispam.br/
  27. 27. Créditos➠ Fascículo Redes Sociais http://cartilha.cert.br/fasciculos/➠ Cartilha de Segurança para Internet http://cartilha.cert.br/
  28. 28. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 97
  29. 29. DICA 98:REFLEXOS DA VIOLÊNCIA NOBRASIL: A NAÇÃO MAIS ARMADA DO MUNDO
  30. 30. O termo violência vem do latim violentia que remete avis(força,vigor,emprego de força física, recursos docorpo para exercer a sua força vital).(FOUCAULTapud ZALUAR,2004).
  31. 31. A humanidade emprega força ou agressividadeconstantemente para solucionar conflitos que não se deixou resolver pelo diálogo.Configura-se como dispositivo de controle, aberto e contínuo.(TAVARES,1998) A violência humana é caracterizada para CAON(2005) em atos violentos.
  32. 32. A violência se materializa e se manifesta em: atos violentos físicos, morais, psicológicos, econômicos, sociais, religiosos, sexuais, etc. Violência é uma prática com caráter difuso, não existindo lugar para acontecer.
  33. 33. É negada, invisível e silenciosa isso produz umretorno real de mais violência, desamparo e ódio.A sociedade atual reproduz a dominaçãohistórica. Projeta a ilusão da igualdade e amplia arealidade das desigualdades a começar dadivisão social das possibilidades.
  34. 34. Acontece um aumento das desigualdadeseconômicas e sociais, aprofundando a miséria ealimentando a expansão da violência social,quando as reformas estruturais econômicas atuana direção de diminuir ou extinguir direitossociais, historicamente conquistados.
  35. 35. Quando a sociedade torna hegemônica aideologia neoliberal, o Estado desaparece, ou seenfraquece no sentido de gerenciar e administrara sociedade.
  36. 36. O mercado ocupa o lugar das instituiçõesenfraquecidas responsáveis pela sociabilidadecomo: família, igreja e escola. O mercado não tem interesse de tratar pessoascomo seres humanos e sim como clientes.
  37. 37. A principal dificuldade dessa abordagem é que aviolência torna-se sinônimo de desigualdade,exploração, dominação, exclusão, segregação eoutros males usualmente associados a pobrezaou a discriminação de cor e gênero.
  38. 38. O tema violência não é novo para a humanidade,desde as organizações mais antigas ela já existia. Para Costa(2001) a revolução agrícolatransformou as relações dos homens entre si ecom o meio.
  39. 39. Mudando a organização da sociedade o homem deixou de ser nômade e estabeleceu-se definitivamente em determinado lugar. Deixando de ser predador e tornando-se produtivo.As classes dominantes sustentam-se na exploração do trabalho daqueles que não são proprietários nem possuidores dos meios de produção, assim como emdiversas formas de opressão social, política, intelectual e religiosa.
  40. 40. Por meio da luta de classe que as principaistransformações estruturais são impulsionadas, por isso ela é dita “o motor da história”. Surge assim a idéia de PROPRIEDADE.
  41. 41. A produção cresce, aumenta a população emvárias regiões do mundo e a disputa pelas terras coloca os grupos uns contra os outros.Por conseqüência, os homens utilizam os meios violentos para punir e coibir formas de comportamento que vai de encontro aos seus interesses pessoais.
  42. 42. Para manter direitos e privilégios, cada sociedade arma-se para a garantia dessas conquistas.A civilização se desenvolve junto aos modos deprodução, assim cresce o poder bélico, entre os homens e a violência passa a predominar na resolução dos problemas.
  43. 43. A expansão da modernidade européia ao longodos últimos cinco séculos foi obra de exércitosformados em sua grande maioria por oficiaisadultos e jovens soldados aptos ao uso de armas.
  44. 44. Esse tipo de violência jamais foi atribuída àcondição de crime, ato desumano próprio dosmarginais. O uso de armas representava conquistas eriquezas e os mais hábeis eram reconhecidos etratados como heróis. Por outro lado significava risco, marginalidade,formação de quadrilhas, variadas formas deameaça interna à ordem ou populações a seremsalvas do primitivismo, da incultura, da barbárie.
  45. 45.  O século 20 aprofunda heranças bélicas da modernidade. De início foi a primeira grande guerra que se estendeu de 1914 a 1918. Ao fim do período de guerras a década de 1990 é marcada pela guerra do Golfo e dos Balcãs e extermínio(Hobsbawn,1996)
  46. 46. A estimulação da violência é uma construção domodelo social e econômico que se alimenta deconquistas como forma de manter benefício parauma pequena parcela da população, ao mesmotempo que não consegue atender às condiçõesmínimas de sobrevivência para a grande maioriados seres humanos.
  47. 47. As manifestações de violência adquirem formasnovas e ganham uma dimensão social maior.Se transformam em práticas cotidianas e por issobanalizadas ou por que ocorrem emmanifestações que fogem ao controle do Estado.
  48. 48. Nesses locais, o índice de violência alcançaramnúmeros superiores aos daqueles que viveram ouvivem em guerra declarada.Todo esse processo histórico citado, vemos queas conquistas se deram na ocupação das terras ebusca de riquezas e as imposições das culturasdominante.
  49. 49. Culturas que influenciam no consumismo,implantando formas de pensar o mundo e do vivercotidiano conforme é demonstrado no período decolonialismo.
  50. 50. Outro ponto que nos chama atenção é a quetoma como objeto o processo de rotulação dosjovens que moravam em guetos ou bairrospobres, que os classificavam como jovens deetnias inferiorizadas ou de camadas pobres como“delinqüentes”.
  51. 51. A ONU(Organização das Nações Unidas), criada após a segunda guerra mundial,desenvolve campanhas pela paz no mundo todo. As campanhas procuram desarmar as nações através de estratégias como: a formação de valores comportamentos modos de vida relativos a solidariedade tolerância e convivência.
  52. 52. O Brasil não tinha autonomia e obedecia as  mesmas leis de Portugal. Leis chamadas deFilipinas, tratavam das penalidades e constituíam um código penal muito rígido. As penas eram estabelecidas de acordo com o estatuto social do réu.
  53. 53.  Perseguições religiosas e políticas deram o tom da prática autoritária que o Estado português implantou nas terras coloniais brasileiras. O código de leis e a inquisição construíram um arcabouço de doutrinação política, moral e social que posteriormente serviu de base para os primeiros códigos legais brasileiros.
  54. 54. A estigmação a mulher, ao negro e ao índio, constituiu-se na origem das idéias autoritárias e racistas que vingaram posteriormente. Os atos de violência contra essas classes menos favorecidas da população estão presentes nos dias de hoje com outros nomes.
  55. 55. O crescimento da população e o processo de industrialização que caracterizou a segunda metade do século XX, não eliminou as tragédias sociais herdadas no período da escravidão e do extermínio da população indígena. Nem mesmo o processo de democratização que foi acrescentada a constituição de 1988, não foi suficiente para produzir a igualdade.
  56. 56.  O comércio informal das ruas, paisagem de muitas cidades brasileiras, desde a época dos escravos.As atividades ilícitas e ilegais têm agora uma organização clandestina e poderosa. Objetos roubados que não são para uso próprio, entram na circulação de mercadorias.Num esquema de extorsão de favores e dívidas contraídas com traficantes, os jovens que começam como usuário de drogas são levados a roubar,assaltar, e as vezes até matar para pagar aqueles que os ameaçam de morte.
  57. 57. Outra manifestação de violência foi uma aliançaentre Estado e Igreja, com o objetivo de perseguir todos os que não fossem cristãos recebeu o nome de inquisição; que além de motivos religiosos, a inquisição se distinguia por motivos políticos.  A desigualdade existente no Brasil contemporâneo em relação ao exercício dos direitos constrange a ética.
  58. 58. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 98O melhor conceito de violência que encontrei foi o utilizado por Rocha (1996): A violência, sob todas as formas de suas inúmeras manifestações, pode ser considerada como uma vis, vale dizer, como uma força que transgride os limites dos seres humanos, tanto na sua realidade física e psíquica, quanto no campo de suas realizações sociais, éticas, estéticas, políticas e religiosas. Em outras palavras, a violência, sob todas as suas formas, desrespeita os direitos fundamentais do ser humano, sem os quais o homem deixa de ser considerado como sujeito de direitos e de deveres, e passa a ser olhado como um puro e simples objeto.A RESPEITO DO TEMA, PODE-SE DIZER1 - A violência não é um estigma da sociedade contemporânea. Ela acompanha o homem desde tempos imemoriais, mas, a cada tempo, ela se manifesta de formas e em circunstâncias diferentes.2 - Não há quem não identifique uma ação ou situação violenta, porém conceituar violência é muito difícil visto que a ação geradora ou sentimento relativo à violência pode ter significados múltiplos e diferentes dependentes da cultura, momento e condições nas quais elas ocorrem.3 - Na Idade Média, por exemplo, certos procedimentos violentos eram formas de demonstração de amor a Deus. Nessa mesma época, havia a prova do ordálio, que consistia em submeter o suspeito de crime ou de falso amor a Deus a ter que segurar uma barra de ferro em brasa para provar sua inocência. Caso não se queimasse, seria absolvido como prova da verdade e do amor divino.
  59. 59. 4 - O processo educacional pode ser considerado como uma forma de violência visto que ele procura ordenar e adequar pulsões direcionando-as, organizando condutas e pensamentos, através da ética, da moral, regras e normas, de modo a civilizar o sujeito para sua própria preservação e convívio coletivo.5 - Há, portanto, um tipo de violência desejável e que colabora para a estruturação do sujeito e da sociedade. Ela faz parte do processo de adaptação necessário à vida, ao bem-estar comum e depende de critérios e recursos de cada cultura e meio ambiente.6 - O desenvolvimento da civilização em seu processo histórico mostra que as transformações tecnológicas, ambientais, filosóficas, psicológicas, econômicas, religiosas influenciam e contribuem para a modificação e o surgimento de novos circuitos biológicos, psicológicos e sociais. Entretanto, não elimina a presença de circuitos primitivos que, em determinadas circunstâncias, emergem, até porque fazem parte de registros genéticos transmitidos ou culturalmente herdados.ESTÃO CORRETAS AS SEGUINTES FRASES:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 2,3,4 e 5 estão corretasd) Somente 1,2,3,4 estão corretase) Somente 2,4,5 estão corretas
  60. 60. DICA 99:SECA NO NORDESTE E ENCHENTE NO AMAZONAS: OS CONTRASTES AMBIENTAIS DO BRASIL
  61. 61. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 99No Brasil há dois principais contrastes ambientais: as constantes cheias na Amazônia e a eterna seca nordestina. Tanto em um caso quanto no outro, o desdobramento é um só: destruição e mortes. Saber as causas desses problemas é importante para poder tomarem-se medidas capazes de amenizar as consequências.1 - No caso das cheias amazônica, o que ocorreu neste ano foi o grande volume de água despejado no Rio Acre, resultando também na cheia do Rio Amazonas. Parece mentira, mas até as ruas do centro de Manaus ficaram alagadas. Mas o que está causando tais enchentes? Ambientalistas afirmam que aquecimento global estaria derretendo o gelo nas calotas polares e aumentando assim o volume de água dos mares e rios. O fato é que a natureza mostra-se "desregulada" pois há pouco tempo na mesma região amazônica houve uma seca jamais vista;2 - Já em relação ao Nordeste, a questão é natural,já que a seca é uma consequência dos baixo índices de chuva naquela região. Esta área recebe pouca influência de massas de ar úmidas e frias vindas do sul. Logo, permanece durante muito tempo, no sertão nordestino, uma massa de ar quente e seca, não gerando precipitações pluviométricas (chuvas). Como vemos, esses dois problemas ambientais possuem causas diferentes e de modos diferentes também devem ser tratados.
  62. 62. 3 - No Amazonas, uma boa política de monitoramento das cheias evitaria maiores transtornos para as populações ribeirinhas e urbanas. Já no Nordeste, técnicas modernas de irrigação do solo, como foram feitas em Israel, amenizariam o sofrimento daquele povo.Também fica a torcida para que a obra de transposição do Rio São Francisco leve água para as regiões atingidas por esse fenômeno natural.Estão CORRETAS:a) Todas as frases.b) Apenas a frase 1c) Apenas a frase 2d) Apenas a frase 3e) Nenhuma das frases acima
  63. 63. DICA 100: A VIOLÊNCIA NOTRÂNSITO E NAS ESCOLAS
  64. 64. REALIZAÇÃO: Apoio:
  65. 65. FICA e Trânsito Acesso e permanência: crianças na escolaHumanização do Trânsito:  resgatar valores: compromisso, respeito, cooperação e solidariedade.Importância da educação formal:  quem não estuda tem dificuldade até para entender as leis e não será um cidadão pleno  acesso e permanência das crianças na escolaConhecimentos específicos sobre trânsito:  a escola e/ou a família devem dar  saber dos perigos diminui muito a vulnerabilidade  somente pensar e/ou discutir o assunto, já diminui os riscos
  66. 66. Metas do Projeto1 - criar o CMT – Conselho Municipal de Trânsito2 - criar o Fórum Paranaense de Segurança no Trânsito3 - informar sobre a Municipalização do Trânsito4 - publicar o Relatório Estadual dos CMTs
  67. 67. O que é Trânsito?A percepção de cada um:
  68. 68. O que é Trânsito?A percepção de cada um:Você utilizou o trânsito hoje?Pretende utilizar amanhã? E depois?Participar do trânsito é compulsório, inevitável.O trânsito é o maior palco social que existe. deveria interessar a todos: como o outropercebe e atua no trânsito
  69. 69. O que é Trânsito?a) não é só acidenteb) não é só automóvelc) não é só motorista
  70. 70. O que é Trânsito? Trânsito é muito mais do que isso: o inalienável “Direito de Ir e Vir” o Brasil das canoas, jegues e helicópteros nosso modelo rodoviário tudo o que produzimos e consumimos nem todos têm avião, barco ou carro todos somos pedestres DIREITOS e DEVERES É O MAIOR AMBIENTE SOCIAL
  71. 71. O que é Trânsito? CTB – Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997) CAPÍTULO I: DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O trânsito de qualquer natureza nas vias terrestres do território nacional, abertas à circulação, rege-se por este Código. § 1º Considera-se trânsito a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação, parada, estacionamento e operação de carga ou descarga.
  72. 72. O que é Trânsito? Para pensar: “O dono do veículo julga-se com muito mais direito à circulação do que os demais participantes do trânsito, o que está ligado às características autoritárias danossa sociedade e da falta de conscientização sobre os direitos do cidadão, que faz com que os motoristas ocupem o espaço viário com violência. O pedestre, porsua vez, assume o papel de cidadão de segunda classe,numa cidade que é cada vez mais o habitat do veículo e o antihabitat do homem.” (Vasconcelos, 1985)
  73. 73. O que é Trânsito? SNT – Sistema Nacional de Trânsito NACIONAL DENATRAN – Departamento Nacional de Trânsito CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL ESTADUAL DETRAN – Departamento Estadual de Trânsito CETRAN – Conselho Estadual de Trânsito POLÍCIA RODOVIÁRIA ESTADUAL POLÍCIA MILITAR MUNICIPAL Prefeitura - Órgão Executivo Municipal de Trânsito* ---------------------------------------------------------------- CMT – Conselho Municipal de Trânsito
  74. 74. CMT – Conselho Municipal de Trânsito O que é?  É a comunidade preocupada e organizada em função da boa MOBILIDADE, segurança e funcionalidade do trânsito local.  Atribuição principal: comprometimento com a segurança no trânsito
  75. 75. CMT – Conselho Municipal de Trânsito Atribuições do CMT: Constituir grupos, técnicos ou não, temporários ou permanentes, com diferentes membros da comunidade, para estudar e sugerir:  políticas públicas ao setor de trânsito e transporte;  o uso do solo e segurança viária;  localização dos sistemas de fiscalização eletrônica;  medidas para o aperfeiçoamento da legislação local de trânsito.  programa de ações educativas: campanhas e PROGRAMA
  76. 76. O problema do TrânsitoA violência do TrânsitoEstatísticas no mundo e no Brasilresponsabilidades
  77. 77. Estatísticas do Trânsito O trânsito brasileiro: mata uma pessoa a cada 11 min. atropela uma pessoa a cada 7 min. fere uma pessoa a cada 2,8 min. produz um acidente a cada 31 seg. faz 30 mil vítimas fatais/ano (local) FENASEG indeniza 40 mil/ano 1 avião/dia
  78. 78. CUSTOO trânsito custa ao Brasil:  5,3 bilhões de reais/ano - área urbana (IPEA 2004)  24,6 bilhões de reais/ano em rodovias (IPEA 2006)  25 bilhões de reais/ano geral (IST 2002)  28,5 bilhões de reais/ano geral (IST - projeção) - 107 mil carros populares ~
  79. 79. CUSTO IPEA e Denatran 2006 (base 2004/2005) Projeto Impactos Sociais e Econômicos dos Acidentes de Trânsito nas Rodovias Brasileiras custo total dos acidentes em rodovias: R$ 24,6 bi / ano acidente com vítima fatal: R$ 421 mil prejuízos diretos = US$ 4 bilhões / ano (IPEA 2004) é o 2º. lugar no ranking de problemas de saúde (IPEA 2004) 50% leitos hospitalares ocupados (IPEA 2004)Até onde pode chegar (David Duarte Lima - IST):U$S 10.000/dia para determinados politraumatizados
  80. 80. CUSTO IPEA – Estudo sobre o Impacto Social dos Acidentes de Trânsito (2006)Qual é o custo social? de uma criança que perde sua mãe ou pai num acidente? de um homem ou mulher que adquiriu uma doença grave?Conclusão do estudo: acidentes afetam a saúde da familiar, comprometendo oufortalecendo a rede social para o enfrentamento do problema a vítima, a família, os atendentes, precisarão de suportepsicológico para ajudar a reestabelecer “o sentido de suas vidas” Seletividade às avessas: estamos perdendo nossomelhor potencial – diferenças entre as nações
  81. 81. Soluções Os três “E”s do trânsito EDUCAÇÃO Adultos Jovens Crianças ENGENHARIA Responsabilidade Fiscalização de projetos e obras Manutenção * Educação para os “engenheiros”* ESFORÇO LEGAL Legislação Fiscalização * Educação para os administradores*
  82. 82. Educação: Aspectos Legais CTB Cap VI: DA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITOArt. 76. A educação para o trânsito serápromovida na pré-escola e nas escolas de 1º, 2º e3º graus, por meio de planejamento e açõescoordenadas entre os órgãos e entidades doSistema Nacional de Trânsito e de Educação, daUnião, dos Estados, do Distrito Federal e dosMunicípios, nas respectivas áreas de atuação. Parágrafo único. Para a finalidade prevista neste artigo, o Ministério da Educação e do Desporto, mediante proposta do CONTRAN e do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras, diretamente ou mediante convênio, promoverá:
  83. 83. Educação: Aspectos Legais CTB Cap VI: DA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO....I - a adoção, em todos os níveis de ensino, de umcurrículo interdisciplinar com conteúdo programáticosobre segurança de trânsito;II - a adoção de conteúdos relativos à educação para otrânsito nas escolas de formação para o magistério e otreinamento de professores e multiplicadores;III - a criação de corpos técnicos interprofissionaispara levantamento e análise de dados estatísticosrelativos ao trânsito;IV - a elaboração de planos de redução de acidentes detrânsito junto aos núcleos interdisciplinaresuniversitários de trânsito, com vistas à integraçãouniversidades-sociedade na área de trânsito.
  84. 84. O papel da comunidade O que podemos fazer? organização + ação Fórum Catarinense (Programa PARE) Fórum Mineiro (Programa PARE)  Fórum Estadual Paranaense de Segurança no Trânsito  Conselhos Municipais de Trânsito
  85. 85. Trânsito na EscolaEducação para o trânsito Trabalhar com a criança para atingir a família A criança como agente multiplicador: não há agente multiplicador mais eficiente do que a criança Sensibilizando a criança = atingimos a família
  86. 86. Trânsito na EscolaAluno-cidadão: Exercício da cidadania através do trânsito  Criança: atividade extra-curricular  Família: CMT Motivo para a criança querer ficar na escola  querer ficar mais na escola Pilares da Educação (Morin):  Aprender a SER, FAZER, CONHECER e… CONVIVER = trânsito
  87. 87. Trânsito na EscolaPor que as crianças?Crianças são o PRESENTE e o FUTURO Hoje: efeito imediato  Auto-preservação  Influência na família Amanhã: efeito prolongado  Futuro cidadão  Futuro condutor
  88. 88. 89 DETRANSkanska Brasil Ltda 1
  89. 89. O Projeto Amigo da Vez é uma iniciativa do Ministério dosTransportes através do Programa de Redução de Acidentes nas 90Estradas em parceria com o DETRAN. Objetivo: Reduzir o número de acidentes Skanska Brasil Ltda 2 provocados por motoristas alcoolizados.
  90. 90. A REALIDADE 91• Acidentes de trânsito são a maior causa de morte entre jovens• A média de idade dos que morrem em ferragens de veículos é de 30 anos;• A maioria dos acidentes acontece nas madrugadas de sexta para sábado e de sábado para domingo;• Dirigir alcoolizado é infração gravíssima. O motorista será detido, terá a carteira suspensa por até 12 meses e o veículo apreendido, além de pagar multa de R$ 959,69;• Em caso de acidente com vítima, se o motorista estiver alcoolizado, poderá pegar até seis anos de prisão;• A seguradora poderá se recusar a indenizar os danos por acidente se constatar que o motorista estava embriagado. Skanska Brasil Ltda 3
  91. 91. 92 A pessoa amadurecida não precisa afirmar-se pela alta velocidade, por uma manobra arriscada, nem dirigir sob efeitoSkanska Brasil Ltda 4 de drogas.
  92. 92. 93 ATITUDES INADEQUADAS NO TRÂNSITO PRATICADAS SOB A INFLUÊNCIA DO ÁLCOOL Comportamentos desrespeitosos e provocativos• Velocidade inadequada;• Baixo ou nulo respeito à sinalização;• Condução errática ou ultrapassagens inadequadas;• Sair fora das zonas de circulação;• Circular na direção contrária/proibida;• Iluminação e sinalização incorreta das manobras; Skanska Brasil Ltda 5
  93. 93. “Não podemos esquecer o poder nefasto das drogas na 94manifestação de comportamentos suicidas ao volante: asdrogas reduzem a sensibilidade, embrutecem as pessoas eocasionam o empobrecimento do senso moral (tênue e quaseinexistente passa a ser o limiar da percepção entre opermitido e o proibido, entre o bem feito e o mal feito, entre ocerto e o errado)”. Ático Dotta Skanska Brasil Ltda 6
  94. 94. A FALSA SENSAÇÃO 95A sensação estimulante provocada pelo álcool nada mais édo que a diminuição da inibição.De fato, o álcool é depressivo, e a sua ação pode induzir aosono. Skanska Brasil Ltda 7
  95. 95. REDUÇÃO DA CAPACIDADE MENTAL 96A ação depressiva do álcool no cérebro e no sistemanervoso central reduz a capacidade mental e físicadiminuindo a habilidade para a realização de tarefas maiscomplexas, como conduzir um veículo. Skanska Brasil Ltda 8
  96. 96. INTOLERÂNCIA AO ÁLCOOL 97 Não existem estatísticas confiáveis, mas os especialistas estimam que, em metade dos acidentes com vítimas no País, alguém, o motorista ou o pedestre, tomou uns drinques a mais. O limite chamado índice de alcoolemia, que é a concentração de álcool no sangue permitida em motoristas no Brasil, é de 0,6 grama por litro. Skanska Brasil Ltda 9
  97. 97. A MEDIDA DO RISCO0,2 a 0,3g p/litro de 98 sangue Percepção da distância e velocidade prejudicadas. 0,3 a 0,5g p/litro de sangue Campo visual menor,controle cerebral relaxado.0,5 a 0,8gp/litro de sangueSubestimação dosriscos e tendência à agressividade Skanska Brasil Ltda 10 FONTE - DETRAN -DF
  98. 98. BEBER E DIRIGIR 99No mundo inteiro, a tendência é proibir o motorista de beber,mas, por enquanto, poucos países adotam a tolerância zero -o Japão é um deles. • Suécia: 0,2 g/l, o equivalente a uma lata de cerveja. • França: 0,5 g/l - limite de duas taças de vinho • Estados Unidos: o alvo são os motoristas mais jovens: menores de 21 anos estão proibidos de beber antes de guiar. • A medida já surtiu resultados. No ano de 2002, o país registrou a menor taxa de mortes no trânsito por consumo de álcool (16 mil ou 38,6% do total), desde 1975. Skanska Brasil Ltda 11
  99. 99. A VIDA É FEITA DE 100 ESCOLHASSkanska Brasil Ltda 12
  100. 100. 101AMIGO QUE DIRIGE NÃOBEBE NÃO DEIXE SEU MELHOR AMIGO DIRIGIR BÊBADO. Skanska Brasil Ltda 13
  101. 101. 102“O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal acontecer”. Skanska Brasil Ltda 14 Albert Einstein.
  102. 102. COMO ENFRENTAR A INDISCIPLINANO COTIDIANO ESCOLAR: CRISES, SUJEITOS E ESTRATÉGIAS. Profª Giane Fregolente
  103. 103. COMO FAZER Para FAZER PENSAR/ REFLETIR CRITICAMENTE SOBRE O FAZER DE QUE LUGAR;PRESSUPÕE COMPREENDER O ESPAÇO ONDE SE DÁ O FENÔMENO DA VIOLÊNCIA PRECISA SE ESTUDADO
  104. 104. ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA SE PODES OLHAR, VÊ...
  105. 105. CONTINUE VENDO
  106. 106. OLHE BEM...
  107. 107. ...
  108. 108. O QUE APRENDEMOS A VER
  109. 109. OS SÉCULOS XVIII E XIX REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – NATURALIZOU-SE A EXCLUSÃO
  110. 110. SE PODES VER, REPARA...
  111. 111. FOLHA DE PAPEL EM BRANCO
  112. 112. O PROFESSOR ESTÁ AUTORIZADO
  113. 113. PASSIVIDADE COGNITIVA A escola da modernidade: Nega a produção do conhecimento e enaltece a aprendizagem daquilo que já havia sido definido como conhecimento; Os estudantes são tratados como treináveis; Professores aprendem que conhecimento é adquirido num processo linear de habilidades.
  114. 114. A DÉCADA DE 1980 “QUEREMOS ELEGER O PRESIDENTE DO BRASIL” - 1987
  115. 115. Séculos XX e XXI: Seres que pensam o mundo de um jeito próprio.
  116. 116. AGRANDE CRISE
  117. 117. ESCOLA PARA TODOS PELA DIVERSIDADE...
  118. 118. ESCOLA PARA TODOS O grito Edvard Münch
  119. 119. POR QUE?Eternidade – HistóriaDeterminismo - Imprevisibilidade;Mecanicismo - Interpenetração e a auto organizaçãoOrdem – DesordemNecessidade - Criatividade e o Acidente” (Santos p.48)
  120. 120. Acompanhantes desta nova escola A criança real; Nossos preconceitos; Diferentes núcleos familiares; Ritmos diferentes de aprendizagem; Indisciplina; Vandalismo; Bullying .
  121. 121. ESCOLA DEMOCRÁTICADefinição É uma instituição que se propõe INSTRUIR E FORMAR alunos e aluna por meio da participação, juntamente com professores e professoras, no transcorrer das tarefas de trabalho e convivência docente. Entende a participação como um envolvimento baseado no EXERCÍCIO DA PALAVRA e no COMPROMISSO DA AÇÃOCaracterísticas Valores que tenham vínculo com a liberdade, a autonomia, o desenvolvimento do espírito crítico, da iniciativa e responsabilidade, a cooperação, a solidariedade, o espírito de grupo e a tolerância. Valores procedimentais – DIÁLOGO E AUTO-REGULAÇÃOObjetivoPráticas pedagógicas que impulsionem a participação.
  122. 122. ESCOLAS DEMOCRÁTICAS UMA CONSTRUÇÃO DE TODOS ASSEMBLÉIAS ESCOLARES; ASSEMBLÉIAS DE CLASSE.
  123. 123. Regras éticas do trabalho docente Des-idealização do perfil de aluno; Aluno-problema como um porta- voz das relações estabelecidas em sala de aula; Fidelidade ao contrato pedagógico; Experimentação de novas estratégias de trabalho; Competência e prazer.
  124. 124. Qual a contribuição? A Formação Moral Auto-reconhecimento; Reconhecimento das outras pessoas Raciocínio acerca dos problemas morais de uma maneira justa e solidária Auto-regulação; Tomada de consciência; Responsabilidade;
  125. 125. DESAFIO PARA O SÉCULO XXIABRA os olhos e VEJA
  126. 126. É PRECISO...Recuperar a lucidez, resgatar o afeto
  127. 127. VIOLÊNCIA NASESCOLAS : MITO OU REALIDADE ?
  128. 128. APAAEPAssociação de Pais, Alunos e Amigos das Escolas Públicas de Mendes CONVITE DIA 19 DE SETEMBRO DE 2003 ÀS 13:00 HORAS - CIEP 288 ( MENDES) PALESTRA COM A PROFESSORA JORZEIA AMORIM ESCOLA DE PAZ (SEE-RJ/UNESCO) TEMA: VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS : MITO OU REALIDADE ? "Eu gostaria, por fim, que nas escolas se ensinasse o horror absoluto à violência e às armas de qualquer tipo. Quem sabe algum dia teremos uma Escola Superior de Paz, que se encarregará de falar sobre o horror das espadas e a beleza dos arados, a dor das lanças e o prazer das tesouras de podar". Rubem Alves
  129. 129. COMO POSSO CONTRIBUIRPARA DIMINUIR O ÍNDICE DE VIOLÊNCIA NA MINHA ESCOLA?
  130. 130. COMO POSSO CONTRIBUIR PARA DIMINUIR O ÍNDICE DE VIOLÊNCIA NA MINHA ESCOLA? SENSIBILIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOSPROFISSIONAIS DA ESCOLA PARA A QUESTÃO DAVIOLÊNCIA .  SENSIBILIZAÇÃO COM PAIS E OU RESPONSÁVEIS.  APROXIMAR A COMUNIDADE NAS ATIVIDADESESCOLARES.  RESGATE DE VALORES.  CRIAÇÃO DE PARCERIAS E VÍNCULOS.
  131. 131. DO QUE EU MAIS PRECISOPARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ?
  132. 132. DO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ? LIMITE:Estabelecer parâmetros demonstrando os benefícios do entendimento entre direitos edeveres PACIÊNCIA:Exercitar de forma permanente, no entendimento ao comportamento do jovem. COMPREENSÃO:Exercitar de forma permanente, no entendimento ao comportamento do jovem. SOLIDARIEDADE:Apresentar-se sempre como o amigo, nos momentos alegres ou tristes. SABER FALAR SUA LINGUAGEM:Estar apto a promover o conhecimento sobre a forma de diálogo do jovem.
  133. 133. DO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ? SUBSTITUIR UM PRAZER PELO OUTRO:Ofertar sempre possibilidade de convívio em situações prazerosas saudáveis. DIÁLOGO:Através do exercício da compreensão, do saber ouvir. AMOR EM TRABALHO:Dedicação, estar sempre a demonstrar que no exercício da função sempre haverá anecessidade do “fazer com amor”. RELIGIOSIDADE:Refletir sempre sobre a presença da Força Criadora em nossas vidas.
  134. 134. DO QUE EU MAIS PRECISO PARA AJUDAR OS NOSSOS JOVENS ? IMITAÇÃO DE ÍDOLOS:Referenciar na formação de ídolos da juventude, os comportamentos que possam produzirexemplos positivos que estimulem a formação correta de cidadania. GLOBALIZAÇÃO:Integrar o objetivo do Ensinar para a Vida, aproximando os sistemas educacionais para um sóideal: formar de fato e direito, o pensamento crítico para o crescimento humanizado naglobalização. ÉTICA:Estabelecer como referencial maior, a postura ética na área educacional. POR MEDO DE ERRAR AS PESSOAS NÃOPRODUZEM NADA.Necessidade de analisar posicionamentos, rompendo com atitudes que podem representarimpedimentos para atualizar-se nas propostas sobre EDUCAÇÃO.
  135. 135. O QUE NA SALA DE AULA O AJUDA A ENSINAR?
  136. 136. O QUE NA SALA DE AULA O AJUDA A ENSINAR? TER CONSCIÊNCIA DO MEU PAPEL NASOCIEDADE. RESPEITAR AS DIFERENÇAS. CONHECER A REALIDADE DO ALUNO. CAPACIDADE DE DIÁLOGO. TER AMOR PELO QUE FAÇO. NÃO TER PRECONCEITOS. SER ABERTO A MUDANÇAS.
  137. 137. O QUE NA SALA DE AULATORNA O APRENDIZADO MAIS DIFÍCIL?
  138. 138. O QUE NA SALA DE AULA TORNA O APRENDIZADO MAIS DIFÍCIL?DESESTRUTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO (FOME) ALIMENTAÇÃO (FOME)DESESTRUTURA FAMILIAR TELEVISÃO (MÍDIA) QUANTITATIVO DE ALUNOS QUANTITATIVO DE ALUNOS TELEVISÃO (MÍDIA)DEPENDÊNCIA QUÍMICA FALTA DE TECNOLOGIA FALTA DE TECNOLOGIADEPENDÊNCIA QUÍMICASAÚDE (DEFICIÊNCIA) PRÁTICA PEDAGÓGICA PRÁTICA PEDAGÓGICA SAÚDE (DEFICIÊNCIA) FALTA DE PROFISSIONAIS METODOLOGIAS IMPOSTAS METODOLOGIAS IMPOSTAS FALTA DE PROFISSIONAIS SEM ESPECIFICAÇÃO DE SAÚDE DE SAÚDE SEM ESPECIFICAÇÃO
  139. 139. O QUE NA SALA DE AULA TORNA O APRENDIZADO MAIS DIFÍCIL? VOCAÇÃO PROFISSIONAL VOCAÇÃO PROFISSIONAL FALTA DE PERSPECTIVA FALTA DE PERSPECTIVA (FALTA DE OPÇÃO) (FALTA DE OPÇÃO)CONTEÚDOS REPETITIVOS EMPOBRECIMENTO EMPOBRECIMENTOCONTEÚDOS REPETITIVOS DE TODOS DE TODOS LEIS ARBITRÁRIAS LEIS ARBITRÁRIAS DISCIPLINA = LIMITES DISCIPLINA = LIMITES MOTIVAÇÃO MOTIVAÇÃO
  140. 140. DEPOIMENTOS SOBRE OEVENTO : VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS
  141. 141. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO “O Encontro se propôs a discutir a Violência na Escola: Mito ouRealidade. A metodologia proposta foi a de discussões em sub-grupos de ângulosespecíficos do tema proposto.A Coordenadora do Encontro, Professora Jorzeia Amorim, não trouxe um novoenfoque; buscou a visão, experiência e expectativa dos participantes(representantes de escolas municipais, estaduais, particulares e comunidade emgeral).A violência foi discutida amplamente em seus diversos aspectos: social, familiar,moral, profissional, institucional, legal.Ficou claro que a violência existe e está presente no cotidiano não só escolar,como no de todos os que interagem com a criança e ou adolescente. E que asolução para minorar essa violência, seria uma parceria real entre os váriossegmentos envolvidos: pais, professores, colaboradores, instituições públicas eprivadas.É fundamental, imprescindível que cada um faça a sua parte; que acredite econtribua para a PAZ. Não esperar que aconteça algum dia e sim agir AGORA,juntos, parceiros buscando alternativas que contemplem a INCLUSÃO e o fazercom amor e responsabilidade.”
  142. 142. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO  “Eu achei muito proveitoso o encontro sobre a Violência naEscola. Momentos como este nos ajuda a refletir sobre problemasque enfrentamos diariamente. A solução é difícil mas temos que serotimistas e perseverantes.” Imaculada, professora da Escola Estadual Jayme Siciliano (Mendes)
  143. 143. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO “A palestra sobre Violência nas Escolas foi muito importantepela forma como foi conduzida: dinâmica de grupos, em que osparticipantes discutiram todas as dificuldades apresentadas e que éexclusivamente do professor, que não está sabendo conduzir osseus alunos dentro de uma sala da aula, de forma a resgatar aauto-estima do aluno e incentivando ao método pedagógico.” Geraldo Heleno, Presidente a Associação de Moradores e Amigos do Bairro Humberto Antunes
  144. 144. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO “A criação de espaços públicos para debates é sem dúvidanenhuma, uma das mais eficientes formas de se agregar aoconhecimento coletivo, as condições ideais para a busca de soluçõesdos mais diversos problemas que de uma forma geral, afligem aSociedade.A oportunidade para discussão sobre a PAZ como prática diária, sejanas escolas, ou lares, ou nas ruas, constituiu-se em um dessesmomentos, que se não nos deixou mais otimistas, com certeza nosdeixou mais esperançosos.” Hiquinho, professor e representante da Secretária Municipal de Saúde(funcionário).
  145. 145. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO“ Parabenizo a APAAEP-MENDES pelo excelente encontro realizado com a professora JorzeiaAmorim – Coordenadora do Programa Escola de Paz, com o tema: Violência: mito ou realidade? Com entusiasmo, simpatia e muita experiência, a professora Jorzeia trabalhou o tema, levandoos presentes a refletir e debater sobre a nossa comunidade, nossas crianças e nossos jovens. No fechamento do trabalho mostrou a todos que respostas ou soluções mágicas – que sempreesperamos – não existem sem a união e trabalho da comunidade, e esta é quem de fato podedetectar seus problemas e conseqüentemente buscar dentro da sua realidade, os meios,caminhos e soluções para o problema da violência ou outros. Enfatizou também que Mendes -representada por membros de alguns segmentos da sociedade, pelas respostas e opiniões porela ouvidas, já conhece seus principais problemas faltando apenas conjugar esforços comunspara as soluções. Ela ajudou-nos a perceber que, como comunidade, já estamos pensando na mesma direção,embora ainda não estejamos unidos e comprometidos de fato. Como professora , mais uma vez pude refletir sobre educação, repensar as minhas ações comoeducadora, renovar idéias e continuar acreditando que com competência, muito amor e esforço,a comunidade pode alcançar seus objetivos. Parabéns!” Jussara Macedo dos Santos Reis Silva Professora da 1ª série do Ensino Fundamental
  146. 146. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTO“ A CLAMA ESTEVE PRESENTE ! 19/09 : A CLAMA esteve presente na palestra proferida pela professora Jorzeia Amorim.Ela se apresentou como uma integrante do movimento “ESCOLAS DE PAZ”,dizendo que só no Estado do Rio de Janeiro existem 70 escolas já engajadasnesse voluntariado.A violência doméstica foi apontada como uma das maiores dificuldades pois,uma criança criada com brutalidade, seguirá o mesmo caminho.Por fim, ficou a pergunta “Como contribuir para diminuir a violência nasEscolas?E como resposta ficou a sugestão:”Escola abrindo nos fins de semana, paraintegrar a comunidade.”  (Transcrito do Boletim da CLAMA - Cinco Lagos Associação de Moradores e Amigos).  
  147. 147. DEPOIMENTOS SOBRE O EVENTOVIOLÊNCIA NAS ESCOLAS, MITO OU REALIDADE ? “ Ter participado deste evento foi uma experiência muito positiva para mim,pois a partir disto pude elaborar questionamentos sobre o meu efetivo papeldentro da Escola,enquanto agente participativo em um processo derelacionamentos diversos e nem sempre satisfatórios.Percebi que a Escola tem relevante importância na elaboração do tipo derelação entre os indivíduos e o quanto é delicado tratar certos conflitos,visto que existe todo um contexto familiar no qual a Escola não tem acesso.Mas nada impede que seja feito um trabalho de “formiguinha” na busca daPAZ.”  Professora Tânia; Escola Municipal Professora Hilda Braga ( Bairro Santa Rosa).
  148. 148. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 100A violência é fruto, muitas vezes, de uma insatisfação social ou resultado de uma opressão absolutista imposta às pessoas, mas também pode ser conseqüência de uma mente doentia, com tendências ao masoquismo e às crueldades.O QUE FAZER CONTRA ESSES TIPOS DE VIOLÊNCIA ? LEIA ALGUMAS ANÁLISES E ALTERNATIVAS E JULGUE-AS:1 - Certas heranças históricas de diversas formas de violência certamente serão transmitidas por nós às próximas gerações com a esperança de atenuá-las, cientes de nossa impotência para eliminá- las.2 - A prevenção da violência no meio escolar e no seu entorno requer a análise situacional tanto do sistema escolar quanto de suas relações com as instituições, equipamentos sociais públicos e privados e características diversas do seu entorno.
  149. 149. 3 - Para a boa integração e articulação dos diferentes setores envolvidos, há a necessidade de se diagnosticar os agentes gerais e específicos de cada contexto. Esse diagnóstico situacional dá subsídios para a elaboração e aprimoramento de projetos e de políticas públicas abrangentes e que envolvem desde a compreensão das condições de trabalho dos professores, das equipes de trabalhadores da escola, das instalações físicas, da alimentação e, também, da qualidade da comunicação entre os vários níveis de relações institucionais e pessoais envolvidas nas relações diretas e indiretas dessa coletividade.4 - A articulação e integração dos fatores descritos permitem melhor controle, desenvolvem o sentimento de pertença, como também estimula a participação no desenvolvimento das relações pessoais e coletivas.5 - A sociedade brasileira dispõe, hoje, do Estatuto da Criança e do Adolescente, instrumento fundamental para o aprimoramento das relações entre os diversos níveis do relacionamento social.ESTÃO CORRETAS:a) Todas estão corretasb) Somente 1,3,4,5 estão corretasc) Somente 2,3,4 e 5 estão corretasd) Somente 1,2,3,4 estão corretase) Somente 2,4,5 estão corretas
  150. 150. DICA 101: OS PRÊMIOS NOBEL DA PAZ NA HISTÓRIA: EM 2012: À UNIÃO EUROPÉIA
  151. 151. E em que consiste o prémio? • Para além de ser uma enorme honra para quem o recebe, o prémio consiste numa avultada quantidade de dinheiro. • Esse dinheiro provém dos lucros que a enorme fortuna de Alfred Nobel ainda dá e que é gerida pela Fundação Nobel. Todos os anos dividem esse dinheiro em cinco partes e distribuem-no pelos vencedores do prémio. • Os vencedores dos primeiros quatro prémios são escolhidos por especialistas suecos em cada uma das áreas. • Por seu turno, o mais conhecido, o Prémio Nobel da Paz, é atribuído por uma comissão do parlamento norueguês. • Mas no testamento, Nobel refere que «...não se deve ter em conta a nacionalidade dos candidatos, quem deverá receber o prémio é o mais digno, independentemente se é escandinavo ou não». Por isso qualquer pessoa no mundo o pode receber.
  152. 152. Condições para atribuição do prémio• O testamento de Nobel dizia ainda que os prémios deveriam ser distribuídos da seguinte forma: - «...uma parte para a pessoa que tenha realizado o descobrimento ou o invento mais importante no campo da Física;» - «uma parte à pessoa que tenha realizado o descobrimento ou melhoramento mais importante em Química;» - «uma parte para a pessoa que tenha realizado o descobrimento mais importante no domínio da Fisiologia ou Medicina;» - «uma parte para a pessoa que tenha produzido, no campo da Literatura, a obra mais notável de tendência idealista;» - «e uma parte para a pessoa que tenha levado a cabo o maior ou melhor trabalho em favor da fraternidade entre as nações, pela abolição ou redução dos exércitos permanentes e pela celebração e fomento de congressos pela Paz».
  153. 153. Curiosidades • Nem sempre os prémios são entregues anualmente. Algumas vezes os membros da Fundação Nobel decidem não conceder o prémio por acharem que há ninguém nesse ano que o mereça e não o atribuem! • Os Prémios Nobel de Física, Química, Fisiologia ou Medicina, Literatura e o prémio de Economia são formalmente entregues pelo rei sueco, numa cerimónia no Palácio de Concertos de Estocolmo, no dia 10 de Dezembro - o aniversário da morte de Alfred Nobel. • A entrega do Prémio Nobel da Paz tem lugar, no mesmo dia, na Câmara Municipal de Oslo, na Noruega. • Cada premiado recebe uma medalha Nobel em ouro e um diploma Nobel. A importância do prémio, varia segundo as receitas da Fundação obtidas nesse ano. • Nasceu assim o Prémio Nobel, concedido todos os anosJosé Ramos pela Real Academia de Ciências da Suécia.Horta e D.Ximenes Belo
  154. 154. Contemplados portugueses• Apenas dois portugueses receberam prémios Nobel: - Egas Moniz - Prémio Nobel da Medicina em 1949; - José Saramago - Prémio Nobel da Literatura em 1998.
  155. 155. Mas quem foi este benemérito?• Alfred Nobel nasceu na Suécia a 21 de Outubro de 1833 e faleceu a 10 de Dezembro de 1896.• Viveu em vários países e aos 17 anos, já falava muito bem sueco, russo, francês, inglês e alemão.• Por incrível que pareça, o criador destes prémios dedicou toda a sua vida à criação de bombas e explosivos, sendo ele o responsável pela invenção da dinamite!• Em 1852, começou a trabalhar nas empresas do pai (especializadas em explosivos) e, com a ajuda do pai e dos irmãos, fez experiências para transformar a nitroglicerina num explosivo útil e comercial, mas sem terem resultados positivos. Numa dessas experiências, morre o seu irmão Emil.• Na tentativa de tornar a nitroglicerina segura de manipular, combinou-a com outros produtos que transformavam o líquido numa pasta moldável e em 1867, chega à dinamite, que tal como ele previa, veio facilitar as grandes construções, como canais e túneis. • Apesar de se dedicar aos explosivos, fez mais de 355 inventos noutras áreas, como por exemplo: a borracha sintética, a seda artificial, etc.
  156. 156. • Nobel tinha ficado muito decepcionado ao ver que muitas pessoas usavam a dinamite que ele inventara para fins guerreiros. Assim decide criar uma fundação que promovesse o bem- estar da humanidade.• E foi com a ideia de criar prémios com o seu nome que Nobel se conseguiu livrar de ser conhecido como «o homem que fazia muitas explosões».
  157. 157. Laureados…• Antes de mais, o que é um LAUREADO? – adj. e s. m., que ou aquele que obteve um prémio, que se laureou; – adj., coroado de louros; – honrado; – louvado; – enaltecido; – festejado. http://www.priberam.pt/dlpo/definir_resultados.aspx
  158. 158. Os nossos escolhidos:• 1901: Jean Henri Dunant – Elyelma • 1979: Madre Teresa de• 1905: Bertha Sophie Felicitas Calcutá – Alexandra e Baronin von Suttner – Rúben Rossana e Rui • 1996: Mikhail Gorbachev –• 1952: Albert Schweitzer – Ana Inês e Paulo Margarida e Ricardo • 2002: Jimmy Carter –• 1957: Lester Bowles Pearson Patrícia e Ionel Pop – Tatiana e Tiago • 2003: Shirin Ebadi – M.ª• 1964: Martin Luther King – Inês e Laura Fábio e Cláudia • 2004: Wangari Maathai – Vanessa • 2006: Muhammad Yunus – Beatriz e Nuno http://pt.wikipedia.org/wiki/Nobel_da_Paz
  159. 159. Jean Henri Dunant (Suíço) Ex aequo com Frédéric Passy (na França)• Nasceu a 8/5/1828• Faleceu a 30/10/1910• Profissão: Homem de Negócios.• Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1901 por fundar a Cruz Vermelha. Pesquisa da Elyelma
  160. 160. Bertha Sophie Felicitas Baronin von Suttner (Austríaca) • Nasceu a 9/6/1843 • Faleceu a 21/6/1914 • Profissão: Escritora e foi secretária de Alfred Nobel. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1905 por ter ajudado a organizar o 1.º Congresso Internacional de Paz, em Viena, fundado a Sociedade Austríaca dos Amigos da Paz, sendo eleita Vice- Presidente do Escritório Internacional da Paz. Pesquisa de Rossana e Rui
  161. 161. Albert Scweitzer (Alemão) • Nasceu a 14/1/1875 • Faleceu a 4/9/1965 • Profissão: teólogo, músico (especialista em Bach) e médico. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1952 por construir um Hospital Ana Marg e Ricº em África (Gabão)com os seus próprios recursos. Pesquisa de Ana Margarida e Ricardo
  162. 162. Lester Bowles Pearson (canadiano) • Nasceu a 23/4/1897 • Faleceu a 27/12/1972 • Profissão: Foi 1.º Ministro do Canadá. • Foi escolhido para Tatiana e Tiago PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1957 por resolver pacificamente a crise do Suez, em 1956. Pesquisa de Tatiana e Tiago
  163. 163. Martin Luther King (Americano) Cláudia e Fábio • Nasceu a 15/1/1929 • Faleceu assassinado a 4/4/1968 • Profissão: Pastor e Activista Político • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1964 por defendeu os Direitos Civis das pessoas de cor, através da não-violência. O seu discurso ficou famoso: “Eu tenho um sonho”. Pesquisa da Fábio e Cláudia
  164. 164. Madre Teresa de Calcutá (Albanesa) • Nasceu a 27/8/1910 • Faleceu a 5/9/1997 • Profissão: Professora e Missionária • Foi escolhida para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1979 porque concretizou o Projecto de apoiar e recuperar os desprotegidos na Índia (pobres). Alexª e Ruben Pesquisa de Alexandra e Rúben
  165. 165. Mikhail Gorbachev (Russo) • Nasceu a 2/3/1931 • Profissão: Último Secretário- Geral do Partido Comunista da União Soviética. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 1990 porque conduziu ao final da Guerra Fria e terminou com o poder do Partido Comunista levando à dissolução da União Soviética. Paulo e Inês Pesquisa de Inês e Paulo
  166. 166. Jimmy Carter (americano) • Nasceu a 1/10/1924 • Profissão: 39.º Presidente dos E.U.A. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 2002 por promover a Paz Patrícia e Pop Mundial e os Direitos Humanos, por ser Mediador em diversas questões conflituosas no globo. Pesquisa de Patrícia e Ionel Pop
  167. 167. Shirin Ebadi (Iraniana) • Nasceu a 21/6/1947 • Profissão: Advogada • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 2003 por ter lutado pela igualdade de direitos humanos promovendo reformas no seu país. Laura e Mª InêsPesquisa de M.ª Inês e Laura
  168. 168. Wangari Maathai (Queniana) • Nasceu a 1/4/1940 • Profissão: Ambientalista e activista dos direitos humanos. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 2004, sendo a 1ª mulher africana a recebê-lo, pela sua contribuição para o desenvolvimento sustentável, democracia e paz, permanecendo, corajosamente, contra o antigo regime opressivo do Quénia. Vanessa Pesquisa da Vanessa
  169. 169. Muhammad Yunus (Bangladesh ) • Nasceu a 28/6/1940 Beatriz e Nuno • Profissão: Banqueiro dos Pobres. • Foi escolhido para PRÉMIO NOBEL DA PAZ em 2006 porque investiu no Microcrédito: financiava as pessoas para abrirem pequenas empresas. Criou então o Banco Grameen, que empresta sem garantias nem papéis, sendo, sobretudo, procurado por mulheres (97%). A taxa de recuperação é de 98,85%. Pesquisa de Beatriz e Nuno
  170. 170. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 1011) O dissidente chinês Liu Xiaobo obteve, nesta sexta-feira, o Prêmio Nobel da Paz 2010, devido ao uso da não-violência na defesa dos direitos humanos, no seu país natal. A China reagiu duramente, qualificando a decisão de uma “blasfêmia” ao próprio prêmio. Folha de S.Paulo, 08/10/2010A conquista do Prêmio Nobel pelo ativista chinês, que participou das manifestações ocorridas na Praça da Paz Celestial, em Pequim, e duramente reprimidas pelo governo em 1989, deixam claras as contradições com as quais a China se depara no início do século XXI, porque,I. a abertura econômica, a partir de 1978, acabou com o coletivismo dos tempos maoístas e foi responsável pelo crescimento do PIB chinês, favorecido pelos investimentos estrangeiros no país.II. ao assumir o governo, Deng Xiaoping combinou abertura econômica com totalitarismo político e, mesmo constatando o crescimento desigual no interior da China, tem resolvido os impasses políticos por meio de negociações pacíficas.III. o paradoxo entre o totalitarismo político e adoção de liberdade de mercado na China tem desgastado as instituições de poder, que recorrem ao exercício da força para conservar o poder diante de um país influenciado pela economia de mercado.É correto afirmar quea) somente I está correta.b) somente II está correta.c) somente I e II estão corretas.d) somente I e III estão corretase) I, II e III estão corretas.

×