Treinamento de handebol

56,970 views

Published on

0 Comments
17 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
56,970
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
1,167
Comments
0
Likes
17
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Treinamento de handebol

  1. 1. ▬ Treinamento de handebol 1. Empunhadura I – Fundamentos 2. Recepção 3. Passe 4. Arremesso 5. Progressão 6. Drible 1. Defesa II – Armação tática a. Setores defensivos b. Técnicas de defesa i. Defesa 6 x 0 ii. Defesa 5 x 1 iii. Defesa 4 x 2 iv. Defesa 3 x 2 x 1 2. Ataque a. Fluxo de ataque b. Jogadas sem bola c. Engajamento d. Ataques com dois pivôs i. Jogadores de ponta transformam-se em segundo pivô ii. Armadores, esquerdo e direito, transforma- se em segundo pivôI – Fundamentos 1. Empunhadura É a forma de segurar a bola de handebol com uma das mãos. A mesma deve ser segurada com as falanges distais dos cinco dedos abertos e com a palma da mão em uma posição ligeiramente côncava. Observações: os dedos devem abarcar a maior superfície possível da bola, os dedos devem exercer certa força (pressão) na bola para que ela esteja bem segura. Sendo que a pressão exercida pelos dedos polegar e mínimo é muito importante para o êxito da empunhadura. Exercícios Exercício 1: Empunhadura Individual Descrição: Posição Inicial: Todos os jogadores, livres pela quadra, com bola na mão.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  2. 2. Tarefa: Segurar a bola de forma correta, onde a superfície de contato é realizada pela superfície dos dedos e pela face palmar média da mão. Variações: Para elevar o nível de complexidade, o aluno deve passar a bola de uma mão para a outra, sem que esta bola escape. Utilizar duas bolas, uma em cada mão. Exercício 2: Empunhadura em Duplas Descrição: Posição Inicial: Em duplas, os jogadores posicionados um frente para o outro, com os braços estendidos a frente do ombro, a uma distância de no máximo 1 metro. Os dois jogadores segurando a mesma bola, utilizando o exercício da empunhadura. Tarefa: Cada jogador deve utilizar a força na realização da empunhadura para conseguir puxar a bola. Caso algum jogador consiga puxar, retornar ao início do exercício para realizá-lo novamente. Variações: Utilizar o braço estendidos a frente do abdômen Criar novas posições para o braço que irá realizar a empunhadura. 2. Recepção Trata-se da ação específica de receber, amortecer e reter a bola de forma adequada nas diferentes posições e situações em que o jogador for solicitado. O mesmo deve ser executado da seguinte forma:Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  3. 3. - Vamos dividir o movimento em duas partes, ou seja, vamos dividir o movimento em chegada e amortecimento da bola. Logo: Chegada: as duas mãos devem estar em paralelo com dedos levemente abertos. O jogador devera fazer pressão em seus dedos na tentativa de encostá- los. Amortecimento: Após o primeiro movimento o jogador concomitantemente trará suas mãos próximas ao peito. Vale ressaltar que a explanação acima leve em consideração que o passe esta sendo realizado na altura do ombro. Em demais casos o principio é o mesmo. No entanto pode ocorrer do movimento de amortecimento se alterar. 3. Passe Trata-se da ação de enviar e dirigir a bola a um companheiro de equipe, de forma correta, para que se tenha prosseguimento na ação tática requerida. Existindo vários tios de passes. Passes acima do ombro ▬ podem ser realizados em função da trajetória da bola para frente ou oblíquo, sendo que ambos podem ser: retificados ou bombeados. Passes em pronação ▬ lateral e para trás. Passes por de trás da cabeça ▬ lateral e diagonal. Passes por de trás do corpo ▬ lateral e diagonal. Passe para trás ▬ na altura da cabeça com extensão do pulso. Passe quicado ▬ quando a bola toca o solo uma vez antes de ser recepcionada pelo companheiro, nesse tipo de passe a bola é atirada ao solo em trajetória diagonal. Vale ressaltar que os passes apresentados acima podem ser combinados. Por exemplo, em uma jogada pode-se fazer um passe de pronação quicado por trás da cabeça. Existindo aproximadamente 120 possibilidades de combinação de passes. Exercícios Passes/recepção Exercício 1: Passe acima do ombro na parede Descrição:Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  4. 4. Posição Inicial: O exercício será realizado individualmente, ficando o jogador de frente para a parede, a qual realizará o passe. Tarefa: Lançar a bola contra a parede e recebê-la novamente. Neste momento o professor deve individualmente realizar correções, principalmente sobre a posição do cotovelo, que deve estar ligeiramente acima da linha do ombro. Variações: Realizar o passe com ambas as mãos, notando a diferença entre as duas. Realizar neste mesmo exercício o passe picado, onde a bola deve bater no solo, depois na parede e retornando à mão do jogador logo em seguida. Determinar alvos na parede (círculos desenhados) para treinar a precisão do passe. Exercício 2: Passe acima do ombro em duplas Descrição: Posição Inicial: O exercício será realizado em duplas. Os jogadores devem se posicionar de frente, um para o outro, a uma distância de aproximadamente quatro metros. Tarefa: Realizar o passe para o outro jogador e recebê-la novamente. Neste momento o professor deve individualmente realizar correções, principalmente sobre a posição do cotovelo, que deve estar ligeiramente acima da linha do ombro. Como o passe ainda não estará sendo realizado com perfeição, é interessante abordar as formas de recepção, para que o aluno a realize, independente da posição em que ela for recebida (alta, média e baixa). Variações: Realizar uma série de passes com a mão direita e outra série com a mão esquerda, notando a diferença entre as duas. Realizar neste mesmo exercício o passe quicado, onde a bola deve bater no solo. Aumentar a distância entre a dupla. Determinar o local onde a bola deve ser recepcionada.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  5. 5. 4. Arremesso É um fundamento realizado sempre em direção ao gol. A maioria dos arremessos pode ser denominada "de ombro" e segue basicamente a mesma descrição de movimento a seguir - a bola deve ser empunhada, palma da mão voltada para frente, cotovelo ligeiramente acima da linha do ombro, a bola deve ser levada na linha posterior a da cabeça e no momento do arremesso ser empurrada para frente com um movimento de rotação do úmero. Os arremessos podem ser classificados em função da forma de execução: Com apoio - significa que um dos pés do arremessador ou ambos esteja(m) em contato com o solo. Em suspensão - significa que no momento do arremesso não há apoio de nenhum tipo do arremessador com o solo. Com queda - significa que após a bola ter deixado a mão do arremessador, o mesmo realiza uma queda, normalmente a mesma se dá dentro da área adversária e de frente - arremesso bastante comum entre os pivôs e eventualmente entre as pontas. Com rolamento - significa que após a bola ter deixado a mão do arremessador, o mesmo realiza um rolamento, na maioria das vezes um rolamento de ombro. Este tipo de arremesso é mais comum entre os pontas4 e eventualmente por pivôs. Exercícios Exercício 1: Arremesso com apoio parado Descrição: Posição Inicial: Todos os jogadores parados e espalhados atrás da linha de seis metros, de frente para o gol, sem goleiro.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  6. 6. Tarefa: Um aluno de cada vez deve arremessar a bola para o gol. Variações: Determinar o local para a realização do arremesso. Cinco alunos com uma bola distribuídos atrás da linha de seis metros, ao sinal do professor ou técnico, todos devem arremessar a bola ao mesmo tempo. Utilizar uma seqüência, onde cada jogador arremessa por vez, utilizando assim o goleiro. Exercício 2: Arremesso com apoio com deslocamento Descrição: Posição Inicial: Uma coluna de jogadores nas posições do armador central, cada jogador com uma bola. Tarefa: Realizar o arremesso, de forma livre, sem cobrar o ritmo trifásico. O arremesso pode ser realizado entre os nove e seis metros. Neste momento o professor pode corrigir a posição do cotovelo, bem como do pé de apoio no chão, que deve ser contrário ao braço de arremesso. Variações: Realizar arremessos alternando os braços. Determinar o local que a bola deve atingir o gol (determinado pela divisão do gol em partes) Aumentar a distância do arremesso, em relação ao gol.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  7. 7. Exercício 3: Arremesso em suspensão Descrição: Posição Inicial: Três filas nas posições de armador central, armador esquerdo e armador direito. Tarefa: Cada jogador deve realizar o arremesso em suspensão. Neste momento o professor não deve interferir na forma de deslocamento do jogador (drible, ritmo trifásico). Ele apenas deve realizar as correções no apoio do pé que irá impulsionar o jogador para o arremesso em suspensão. Variações: Utilizar um cone (deitado) para o jogador pular durante a fase aérea do arremesso em suspensão. Aumentar a distância do arremesso para o gol. Variar as posições de arremesso, de acordo com a posição inicial. Progressão Trata-se dos deslocamentos feitos com ou sem a posse da bola. Com a posse da bola ele pode ser realizado através de um, dois ou no máximo três passos em qualquer direção ou mesmo sem deslocamento. Lembramos que um passo no handebol é dado toda vez que se levanta um dos pés do chão e se torna a colocá-lo (apoiá-lo). 1. Ritmo Trifásico - (conhecido entre os atletas como "3 passadas") é considerado pela literatura específica do método parcial como um fundamento onde o jogador dá três passos à frente e em direção a meta adversária com a posse da bola. 2. Duplo Ritmo Trifásico - (conhecido entre os atletas como "dupla passada") é considerado pela literatura específica do método parcial como um fundamento onde o jogador dá "sete" passos com a posse da bola, sendo obrigatoriamente realizados à frente, da seguinte forma: os três primeiros passos são dados com a posse da bola imediatamente após ter recebido a mesma, e simultaneamente na execução do quarto passo o jogador terá que quicar a bola no solo uma vez, tornar a empunhá-la e dar mais três passos com a bola dominada. Ao final do sétimo passo ele terá obrigatoriamente que passar ou arremessar a bola. A literatura indica que o primeiro passo deverá ser executado com a perna contrária ao braço que realizará o arremesso. Exercícios Exercício: Progressão com 3 passos Descrição:Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  8. 8. Posição Inicial: Vários tipos de materiais posicionados entre a linha de seis metros e a linha de nove metros, entre eles: 3 cordas esticadas, 3 arcos, 3 pés (formato) desenhado no chão, etc. Tarefa: Os atletas devem realizar uma progressão com três passos para frente utilizando à posição correta dos pés de acordo com os materiais e/ou as sinalizações feitas no chão. Variações: Realizar três passos andando. Realizar três passos correndo. Estimular um aumento progressivo da velocidade de execução; Aumentar a amplitude das passadas Incluir um salto no final da realização do ritmo trifásico Ritmo trifásico Exercício 1: Ritmo trifásico Descrição: Posição Inicial: Idem ao exercício anterior, só que com a bola empunhada. Tarefa: Idem ao anterior, utilizando a bola e uma das mãos. Variações: Idênticas às do exercício anterior. Exercício 2: Ritmo trifásico com finalização Descrição:Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  9. 9. Posição Inicial: Idem ao exercício anterior, porém cada jogador com a bola empunhada de frente para o gol, próximo da linha de 9 metros, para realizar o arremesso. Tarefa: Idem ao anterior e arremessar para o gol. Variações: Aumentar a velocidade de execução. Aumentar a distância do gol. 5. Drible É o movimento de bater na bola contra o solo com uma das mãos estando o jogador parado ou em movimento. Exercícios Exercício 1: Drible Individual Descrição: Posição Inicial: Cada jogador com uma bola, espalhados pela quadra. Tarefa: Realizar o drible numa seqüência que será descrita pelo professor, ao mesmo tempo em que ele realiza as correções necessárias sobre a posição da mão e do braço em relação à bola. Variações: A seqüência das variações fará o nível de complexidade crescer da seguinte forma: driblar parado em pé, driblar abaixando-se até sentar, driblar deitado até erguer-se novamente, deslocar-se andando, deslocar-se correndo, realizar paradas bruscas, realizar mudanças de direção e realizar tudo isso com ambas as mãos. Exercício 2: Drible utilizando cones Descrição: Posição Inicial: Uma coluna no final da quadra de frente para uma coluna de cones colocados a diferentes distâncias um do outro.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  10. 10. Tarefa: O jogador deve driblar inicialmente andando e depois correndo, assim como com uma mão e depois com a outra, realizando o deslocamento em ziguezague entre os cones. Variações: Diminuir o espaço entre os cones. Fazer o retorno nestes mesmos cones, de costas. Utilizar o contorno (giro em volta do cone) para alguns cones.II – Armação tática 1. Defesa a. Setores defensivos Ao jogar com estruturas defensivas em zona, subentende-se que cada jogador será responsável por sua respectiva região da quadra. No entanto, por ser o handebol um jogo e, portanto, dotado de complexidade, essa explicação se esvazia quando pensamos na movimentação dos jogadores atacantes que podem causar dúvidas sobre a defesa. Dessa forma, ao tratamos de jogos com apelo para a defesa em zona, devemos também trabalhar a idéia das Trocas de marcação quando os defensores se movimentam, garantindo assim que cada jogador seja responsável pela sua zona de atuação. Isso significa dizer que, mesmo que os jogadores atacantes que se encontram na sua zona de marcação se movimentem para outras zonas, não devemos deixar nossa região de proteção em detrimento de acompanhar os adversários, deixando esse jogador ser marcado por outro da outra região e por vezes marcando jogadores adversários advindos de outras regiões. Esse é um erro comum – correr atrás de jogadores (aspecto comum das defesas individuais), não só quando falamos de defesas zonais, mas também quando falamos da evolução conceitual nas defesas individuais. Dessa forma, devemos sugestionar que ao invés de correr atrás do adversário, por vezes é mais adequado – e no caso da defesa zona é um Princípio inerente a ela - ser realizada trocas da marcação, mantendo o posicionamento inicial da defesa em zona e trocando os jogadores adversários a serem marcados.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  11. 11. Figura 1. Nesse exemplo de uma situação de 2×2, temos na primeira imagem o posicionamento inicial, no qual os defensores devem proteger cada qual sua zona (Triângulos), indicando que haverá uma troca de posto ofensivo entre os atacantes (Círculos). A segunda imagem mostra que com a troca dos atacantes também houve troca nos defensores, e pensando num conceito de defesa em zona, isso é errado. Logo, a terceira imagem mostra que mesmo que haja a troca de postos entre os atacantes, os defensores continuam cada um defendendo sua zona, não importando qual atacante esteja em sua respectiva zona, obedecendo assim ao princípio de que cada um deve proteger sua região Cada defensor tem um atacante direto para se preocupar Apesar de parecer um conceito defensivo individual, essa preocupação é de grande importância para o bom desenvolvimento da defesa zona. A adoção de um sistema defensivo em zona acaba por influenciar a organização ofensiva em organizar-se de forma a cada atacante buscar ter apenas um jogador defensor como seu respectivo marcador, e vice e versa. No entanto, a movimentação ofensiva pode ocorrer de forma a geral algum erro nessa geometria de 1 defensor para 1 atacante, criando algumas situações de 2 atacantes x 1 defensor, o que acaba por dar vantagem para o ataque. Isso nos leva a concluir que quando dois jogadores posicionam-se na zona de um jogador, deve haver alguma possibilidade que impeça isso de ocorrer. Nesse momento, o princípio de que cada jogador defensor tem um atacante direto para ser marcado nos leva a discutir nosso próximo princípio: As zonas não são estáticas! Pois uma das formas de resolver esse problema é re-dividir as zonas de cada jogador, de forma que esses dois jogadores atacantes voltem a ter cada um deles um respectivo defensor.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  12. 12. Figura 2. Na primeira imagem vemos a relação direta entre marcadores e atacantes, a partir da numeração didaticamente colocada, onde 1 marca o atacante 1, 2 marca o atacante 2 e assim por diante. Na imagem 2 vemos a forma errada de lidar com o posicionamento do antigo atacante 1, que agora também se classifica como um atacante 3, deixando o defensor 3 com dois atacantes em sua zona e na imagem 3 temos a movimentação dos jogadores defensores mais adequada para a situação ocorrida, modificando também a estrutura conceitual das zonas se compararmos com a imagem 1. As zonas não são estáticas, elas se movimentam em relação com a localização da bola Mesmo que inicialmente nossos alunos se organizem defendendo regiões aparentemente estáticas, ao longo do jogo pode ser verificado que uma estratégia defensiva zonal não pode ser estática, de forma que os defensores fiquem mantendo uma posição específica e não se movimentarem para além dela. Faço aqui uma analogia ao voleibol, um jogo em que os jogadores têm, pela lógica do próprio jogo, a necessidade de defender sua zona de atuação, pois a defesa de sua zona está diretamente ligada ao fato da equipe sofrer ou não um ponto, afinal, se a bola cair na sua zona de ação, a equipe sofrerá um ponto. Quantas vezes não vemos jogos escolares em que o jogo de voleibol se resume ao sacador de uma equipe fazendo pontos diretamente na equipe adversária com seu “potente” saque? Ao mesmo tempo, se olharmos para a equipe que recebe o saque, fica aquela sensação de um jogo estático, parado. Por que será que isso ocorre? Por ser um jogo de defesa zonal pela natureza do próprio jogo, verificamos um erro pedagógico muito comum no ensino do voleibol, que é ensinar aos alunos que eles devem ficar posicionados em um “x” no chão, para que não haja erros de rodízio. Ao colocar um “x” no chão, damos uma idéia de que oEste trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  13. 13. aluno deve se posicionar ali e quando a bola sair de perto daquela região e vai a alguma região em que o professor não colocou nenhum “x”, a bola cai. Ou seja, a idéia de defender uma zona acaba sendo resumida a defender um local específico. Mas e o resto? Como pode ser defendido? Defender em zona é saber deslocar-se de forma a todos os jogadores terem conceitos comuns, sempre tendo na bola um objeto que influencia na organização zonal, capaz até de fazer as zonas serem móveis e de tamanhos diferentes para um mesmo jogador ao longo de toda a partida. Dessa forma, também no handebol, ao indicarmos aos nossos alunos o objetivo destes defenderem regiões especificamente definidas, corremos o risco de cairmos na “pedagogia do ‘x’” comum no ensino equivocado do voleibol. Para fugir a essa tendência reducionista, devemos elaborar estratégias de ensino que mostrem a nossos alunos que em alguns momentos do jogo determinadas regiões da quadra estão colocadas em maior risco devendo essas regiões ser protegidas com maior ênfase em detrimento de outras. Esse risco está diretamente ligado à posição em que a bola se encontra na circulação dela entre os jogadores atacantes. Logo, onde a bola está torna- se a região de maior perigo no jogo. Figura 3. A localidade da bola mostra a região de maior perigo do jogo, pois o ponto (ou gol) só é obtido através dela. Logo, onde a bola está, deve haver maior proteção para que não haja perigo de sofrer o ponto (gol). Dessa forma, podemos encontrar 3 Regras de Ação relativas a essa circulação da bola e dos jogadores: a compactação dos espaços, a basculação da defesa e a cobertara de espaços, que serão explicadas a seguir:Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  14. 14. Compactação dos Espaços do Jogo A compactação dos espaços do jogo está diretamente relacionada ao princípio de proteção do alvo, apontada por Bayer (1994) (veja o artigo que fala de jogos de defesa com base nos princípios operacionais do jogo), pois a compactação está diretamente relacionada com a idéia de manter a bola sempre à frente da linha defensiva mais adiantada da equipe. Dessa forma, a compactação da defesa deve ter como principal relação à posição da bola, procurando mantê-la sempre à frente dos jogadores mais adiantados da defesa e também, no caso do handebol, procurando não deixar que nenhum jogador sem bola se encontre atrás do último jogador da defesa, pois facilitaria um passe longo. Uma equipe atacante que ataca com muita profundidade leva a defesa a ter pouca compactação e uma equipe que ataca com pouca profundidade (formando uma ou apenas duas linhas ofensivas) promove uma maior compactação defensiva. Uma equipe pode também optar em defender com pouca compactação, como é o caso de uma defesa 3:3, afastando com a idéia de afastar a primeira linha ofensiva de aproximar-se do gol. Em fim, Optar por jogar com muita ou pouca compactação só é possível no caso das estratégias defensivas zonais, por ter a necessidade de que haja organização racional dos espaços de acordo com o objetivo da equipe, como por exemplo, o caso das chamadas defesas fechadas (6:0, 5:1, 4:2) e as defesas abertas (3:3, 3:2:1). Em resumo, o princípio da compactação garante a vantagem de ter todos os jogadores defensores entre a bola e o alvo a proteger. Figura 4. Na imagem 1 a estrutura ofensiva com pouca profundidade facilita a organização de uma defesa bem compacta enquanto que na imagem 2 uma estrutura ofensiva com muita profundidade acaba por orientar a defesa a ter duas linhas defensivas, uma mais adiantada e outra mais atrasada, dificultando a compactação defensiva.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  15. 15. Basculação Defensiva A basculação defensiva (mostrada na figura abaixo) somada com o princípio de compactação garante que o alvo seja sempre protegido. Figura 5. O movimento de basculação consiste em fechar com o maior número de jogadores a região de perigo representada pela presença da bola. A basculação deixa-me clara a idéia de que a zona a ser defendida pode sofrer alteração de dimensões e localização durante o jogo. A basculação caracteriza com maior clareza a idéia de que as zonas se movimentam e que não necessariamente terão o mesmo tamanho para cada um dos jogadores em quadra. A basculação garante que a zona em que a bola se encontrar tornar-se-á menor, mais compacta e exigindo menor deslocamento dos jogadores. Porém, as zonas mais distantes da bola tornam-se maiores, em detrimento do fato de a bola ter que viajar mais tempo para chegar a essas regiões, possibilitando que a basculação defensiva seja capaz de cobrir essa zona, voltando a diminuir os espaços em que a bola possa passar. Figura 6. Nos movimentos de Basculação, apesar da zona sofre modificação de dimensões entre os jogadores e por vezes termos a impressão de que um jogador ficará com mais de um marcador em sua zona, a sua movimentação de um lado para o outra garantirá queEste trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  16. 16. nenhum jogador fique sobrecarregado. Cobertura de espaços abertos em casos de flutuação de jogadores da defesa para linhas defensivas mais adiantadas A flutuação de jogadores entre as linhas defensivas adotadas é uma ação que deve ser possibilitada numa defesa zona, principalmente pelo feto de já havermos destacado que as zonas são móveis e se modificam ao longo de um jogo. Caso haja uma flutuação de um jogador que estava em uma defesa de uma só linha para uma linha mais alta, ele imediatamente deixa sua região desprotegida, logo, os jogadores adjacentes devem preencher essa região, re- dividindo as regiões de defesa entre eles. No jogo de handebol isso é muito comum em casos de defesas mistas, nas quais a equipe que defendia com 6 jogadores em sistema zonal resolve adotar uma estratégia de marcação individual para um jogador em específico, deixando agora 5 jogadores defendendo as mesmas zonas que eram defendidas anteriormente por 6. Logo, há a necessidade de haver uma cobertura dessa região deixada. A cobertura ganha ainda mais importância quando pensamos na possibilidade desse jogador que deixou sua zona inicial perder na disputa de 1×1 com o atacante adversário, pois se os jogadores adjacentes deixarem o espaço aberto, será uma vantagem a ser usada em prol do ataque: Figura 7. A cobertura defensiva garante a reorganização zonal evitando que haja desequilíbrio defensivo. b. Técnicas defensivasEste trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  17. 17. i - Sistema defensivo 6 x 0 Todos os jogadores devem posicionar-se na linha de delimitação do gol. Durante o fluxo de jogo não deverá sair nenhum jogador para combate corpo a corpo. Vantagens - É muito ampla, diminuindo assim os espaços junto à área de gol, dificultando o trabalho de alas e pivôs, - As tarefas dos defensores são claras, compreensíveis e modificam-se pouco durante o jogo, - Defensores extremos podem partir tranqüilos para contra-ataque, pois a área da baliza é suficientemente coberta pelas demais, - Dá boa margem a cobertura. - Não permite arremesso de curta distância e penetrações próximo a área de gol Desvantagens - Frágil nos arremessos de meia distância, - Perturba-se pouco a liberdade de movimentação do adversário, - Pouco eficaz para roubar a bola. - Permite arremessos de média e longa distância e não permite contra-ataques rápidos.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  18. 18. ii - Sistema defensivo 5 x 1 Cinco jogadores devem posicionar-se na linha de delimitação do gol. Durante o fluxo de jogo os mesmos não deverão sair para combate corpo a corpo. Por sua vez, o sexto jogador sairá para um combate corpo a corpo. (obs.: este jogador, preferencialmente, deverá ser o pivô) Vantagem - Não permite arremessos de média e longa distância e possui um contra- ataque rápido do jogador que está adiantado; - Tem amplitude e em relação ao ataque tem profundidade especialmente na zona central de defesa; - Eficiente contra arremessos de média e longa distância; - Perturba o ataque; - O pivô pode ser bem marcado; - Dá boa margem de cobertura. Desvantagens - Permite arremesso de curta distância; - Permite infiltrações; - Fraca quando há dois pivôs.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  19. 19. iii - Sistema defensivo 4 x 2 Quatro jogadores devem posicionar-se na linha de delimitação do gol. Durante o fluxo de jogo os mesmos não deverão sair para combate corpo a corpo. Por sua vez, os dois armadores, direito e esquerdo, sairão para um combate corpo a corpo. Vantagem - Não permite arremessos de média e longa distância e possui um contra- ataque rápido entre os armadores direito e esquerdo; - Tem amplitude e em relação ao ataque tem profundidade especialmente na zona central de defesa; - Eficiente contra arremessos de média e longa distância; - Perturba o ataque; - O pivô pode ser bem marcado; - Dá boa margem de cobertura. Desvantagens - Permite arremesso de curta distância entre os extremas; - Permite infiltrações; - Fraca quando há dois pivôs.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  20. 20. iv - Sistema defensivo 3 x 2 x 1 Na linha de delimitação do gol os extremos e o armador central formam a última linha de defesa. A segunda linha de defesa é formada pelos armadores a frente da linha pontilhada. E, por sua vez, a frente estará o pivô. Vantagem - Não permite arremessos de média e longa distância e possui um contra- ataque rápido entre os armadores, direito esquerdo, e o pivô; - Tem amplitude e em relação ao ataque tem profundidade especialmente na zona central de defesa; - Perturba o ataque forçando-os a jogadas individuais; - O pivô pode ser bem marcado; - os jogadores de risco podem ser bem marcados. Desvantagens - Permite arremesso de curta distância entre os estremas; - Permite infiltrações; - Fraca quando há dois pivôs. 2. Ataque a. Fluxo de jogo Consiste no direcionamento que o jogo esta sendo conduzido. Se a bola esta subindo da esquerda para a direita diz-se que o fluxo de ataque é direito e se a bola esta subindo da direita para a esquerda diz-se que o fluxo é esquerdo. Cabe, em geral, aos batedores (armadores direito e esquerdo) a inversão do fluxo.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  21. 21. b. Jogadas sem bola Trata-se dos posicionamentos intuitivos dos jogadores. Objetivando com o mesmo auxiliar na quebra da barreira, assim como, na defesa. As jogadas sem bola são decisivas para a efetivação de um chute a gol. c. Engajamento (Também conhecida como ataque 4 x 2) Trata-se de uma tática de ataque que objetiva adquirir uma vantagem numérica, onde esta vantagem, por muitas vezes, é 4 x 2. Sendo dividida em: Engajamento por fora, engajamento por dentro e engajamento para cima. Vale ressaltar que ao falarmos por fora ou por dentro refere-se ao fluxo do jogo e para cima refere-se a deslocar-se para cima da barreira. Descreveremos o princípio do engajamento utilizando-se, para isso, o engajamento para fora. Os demais engajamentos seguem o mesmo princípio. Engajamento por fora Descrição: Pivô (P) – Deve posicionar-se entre os defensores E3 e E2 fazendo com que os defensores D1, D2, D3 e E3 não participem do ataque. Armador central (AC) – deve posicionar-se a frente do defensor E2 ameaçando um ataque no sentido contrario ao fluxo. No momento em que o mesmo fechar a defesa o AC passa a bola para AD. Armador direito (AD) – deve posicionar-se a onde o PD estava e ameaçando um ataque no sentido contrario ao fluxo no espaço entre os defensores E1 e E2. Como E2 fora para cima de AC, então E1 ira fechar AD deixado seu setor defensivo aberto. Neste momento AD passa a bola para PD. Ponta direita (PD) – Efetuara o chute a gol. d. Ataque com dois pivôs (para defesa 6x0) Trata-se de táticas ofensivas onde um determinado jogador das demais posições atua como segundo pivô.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.
  22. 22. i. Jogadores de ponta transformam-se em segundo pivô Pivô (P) – deverá posicionar-se entre os defensores E3 e D3. Evitando que os defensores D3, D2 e D1 participem da jogada. Ponta direita (PD) – deverá posicionar-se entre os defensores E2 e E3. Evitando que os defensores E1 e E2 participem da jogada. Ficando assim, AC e AD contra E3. ii. Armadores, esquerdo e direito, transforma-se em segundo pivô Pivô (P) – deverá posicionar-se entre os defensores E3 e D3. Evitando que os defensores D3, D2 e D1 participem da jogada. Armador direito (AD) – deverá posicionar-se entre os defensores E2 e E3. Evitando que os defensores E1 e E2 participem da jogada. Onde AD efetua um passe de pronação para PD. Ponta direita (PD) – Passara por de trás de AD recebendo o passe. Ao receber o passe PD pode chutar ou forçar a barreira e passar para AC efetuar o chute.Este trabalho trata-se de recortes, copiados na integra, dos seguintes artigos: O ensino do handebol utilizando-se do método parcial. Da professora Heloisa Baldy dos Reis da faculdade de educação física da Unicamp. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd93/handebol.htm Tática Defensiva no Ensino do Handebol IV – Jogos de Defesa Zona, Lucas LeonardoObjetivando com o mesmo reunir materiais teóricos para o treino do grupo sub 15 do handebol.

×