Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Hábitos viciosos e a ortopedia funcional dos maxilares

Hábitos viciosos e a ortopedia funcional dos maxilares

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Related Audiobooks

Free with a 30 day trial from Scribd

See all
  • Be the first to comment

Hábitos viciosos e a ortopedia funcional dos maxilares

  1. 1. HÁBITOS VICIOSOS E A ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES, VISTA ATRAVÉS DA REABILITAÇÃO NEURO-OCLUSAL. Nesta época do ano, em que o ar se torna mais seco, poluído e frio, os consultórios médicos começam a receber um maior número de pacientes, em sua grande maioria crianças, com problemas de ordem respiratória. A respiração ideal, fisiológica, ocorre pelo nariz, e proporciona uma filtragem, aquecimento e umidificação do ar. Quando a criança não consegue respirar pelo nariz, é obrigada a usar a boca; e o ar que penetra pela boca chega aos pulmões poluído com umidade e temperatura inadequada favorecendo o aparecimento de rinites alérgicas, sinusites, adenóides, amidalites, etc, e com isso definindo o quadro de respiração bucal. A manutenção dessa situação no tempo irá induzir à ocorrência de diversos transtornos3,4. A essa condição respiratória inadequada juntamente com a associação de hábitos nocivos como o uso prolongado de mamadeira, sucção de chupeta e/ou dedo, os quais solicitam da musculatura respiratória e mastigatória um trabalho diferente do normal, o paciente passa a desenvolver adaptações funcionais e alterações estruturais, prejudicando o crescimento e desenvolvimento das arcadas dentárias e o posicionamento satisfatório dos dentes; além de transtornos gerais do organismo. O desenvolvimento do complexo crânio-facial está relacionado com a dissipação de forças resultantes de origem mastigatória, geradas pelos impactos nas superfícies dos dentes, pelo que a situação oclusal seria importante no controle da função mastigatória, regida pelo sistema neuromuscular1,12. A Ortopedia Funcional dos Maxilares, vista através da Reabilitação Neuro-Oclusal (OFM-RNO) é uma proposta de trabalho reconhecida mundialmente, que procura direcionar o crescimento e desenvolvimento das bases ósseas maxilares7,8,9, proporcionando uma harmonia facial e equilíbrio das funções que a boca exerce, como: respiração, deglutição, mastigação, fonoarticulação (fala), relacionadas à postura crânio cervical4,5. A OFM-RNO está fundamentada nas ciências básicas como: Fisiologia, Neurociência, Anatomia, Histologia, e outras; e busca através destas um diagnóstico diferencial, utilizando para isso diversas técnicas e recursos cientificamente comprovados6,7,8,9,10,11. Tem como objetivo identificar, prevenir e intervir sobre os distúrbios da oclusão dental, desde o início da maturação dos elementos constituintes. Desta maneira se faz necessário a compreensão dos fatores genéticos, epigenéticos e ambientais, pois os mesmos atuam como fatores determinantes da morfogênese crânio-facial. Assim, a harmonia do crescimento e desenvolvimento crânio-oro-cervical depende diretamente do equilíbrio das funções exercidas pelo sistema estomatognático3,4,5,6,8,9,10,11. Os estímulos empregados por aparelhos ortopédicos funcionais e/ou por ajustes oclusais fornecem uma nova informação ao sistema nervoso, o qual passa a regular-se e responder através da musculatura envolvida, modificando assim a informação de desequilíbrio e permitindo a retomada do desenvolvimento e função dentro da faixa de normalidade pré-estabelecida pelo organismo3,5,6, 8,9,10,11.
  2. 2. Portanto, atresias dos maxilares, falta de espaço para os dentes, mordidas abertas e/ou cruzadas, protrusões dentais e outros tipos de más oclusões esqueléticas e dentárias podem ser resultantes do desequilíbrio funcional das estruturas correspondentes2,5,10. Em associação a esse desequilíbrio é comum encontrar-se alterações de postura corporal do paciente, que não identificada e orientada para tratamento poderá futuramente causar desvios permanentes em sua coluna vertebral. A seguir serão mostrados casos de pacientes com hábitos de respiração bucal, sucção de dedo, chupeta e/ou mamadeira com más oclusões instaladas, que foram tratados com a OFM-RNO com a intenção de devolver forma e função adequadas, dando condições para a natureza retomar o desenvolvimento adequado. Ex. 1: paciente classe I de Angle, com mordida aberta anterior e cruzada unilateral direita por hábito vicioso de chupeta e respiração bucal. Antes Depois Ex. 2: paciente classe II de Angle, com mordida cruzada unilateral esquerda, respiração mista, com atresia maxilar e apinhamento dental superior. Antes Depois
  3. 3. Ex. 3: paciente classe II de Angle, com atresia maxilo-mandibular, apinhamento dental anterior e respiração bucal. Antes Depois A prevenção destes problemas de ordem funcional deve ser iniciada desde o nascimento da criança e durante o crescimento ativo com resultados mais efetivos e estáveis, através da informação, orientação dos pais ou responsáveis12,13. Já nos casos onde o problema já se encontra instalado, deve haver a intervenção multidisciplinar das áreas da saúde como Otorrinolaringologia, Odontologia, Fonoaudiologia, Fisioterapia, e Outras. A OFM-RNO pode ser empregada também no adulto e na terceira idade10, porém com resultados mais modulados. Há casos que são tratados totalmente com a OFM-RNO, outros são indicados posteriormente para a Ortodontia para dar continuidade ao caso, independente da técnica utilizada. O importante é que tanto uma terapêutica como outra procure estabelecer o equilíbrio funcional do paciente, prioridade maior da saúde do indivíduo com um todo3,12. Referências Bibliográficas: 1. CAVANHA, A. O.: Mecanogênese das linhas de força. Jornal da APCD, São Paulo. 4: 25- 30,1975. 2. CARRERO, B. H., VALLS, A. W., ARENAS, AIDA G.: Funciones del sistema estomatognático e oclusopatias. Acta Odont Venezuel, 26: 41-47, 1988. 3. DOUGLAS, CARLOS. R.: Tratado de Fisiologia Aplicada às ciências da Saúde. 1ª Ed., São Paulo, Editorial Robe, 1994. 4. DOUGLAS, CARLOS. R.: Patofisiologia Oral. 1ª Ed., São Paulo, Pancast Editora, 1998. 5. GRABER, T. M.,NEUMANN, B.: Aparelhos Ortopédicos Removíveis. 2a. ed, São Paulo, Ed. Médica Panamericana, 1987. 6. KAWAMURA, Y: Neurophysiologic background of occlusion. J Am Soc Period, 5: 175-183, 1967. 7. LAVERGNE, J., PETROVIC, A.: Discontinuities in occlusal relationship and the regulation of growth. A cybernetic view. Eur J Orthod. 5: 269-278,1983. 8. McNAMARA, J. A. Jr.: Neuromuscular and skeletal adaptations to altered function in the orofacial region. Am J Orthod, 64: 578-606, 1973. 9. PETROVIC, A., JEANNE STUTZMANN: Teoría cibernética del crecimiento cráneo-facial post natal y mecanismos de acción de los aparatos ortopédicos y ortodóncicos. Rev ass argent ortop fun max 15: 07-53,1981-1982.
  4. 4. 10. PLANAS, PEDRO: Rehabilitación Neuro-Oclusal (RNO) 2ª ed. Barcelona, Ed Científicas y técnicas, S.A., 1994. 11. SIMÕES, WILMA A.: Insights into maxillary and mandibular growth for a better practice. J clin ped dent, 21: 1-7,1996. 12. SIMÕES, WILMA A.: Ortopedia Funcional de los Maxilares vista a través de la rehabilitación neuro-oclusal. Caracas, Ediciones Isaro, 1988. 13. SIMÕES, WILMA A.: Prevenção de oclusopatias. Ortodontia. 11 :117-125,1978. Denise Fernandes Barbosa Liege M. B. Ferreira Mestres em Patofisiologia de Órgãos e Sistemas. Especialistas em Ortopedia funcional dos Maxilares segundo a Reabilitação Neuro-Oclusal.

×