Epístolas gerais aula 2

3,475 views

Published on

IBBC

Published in: Spiritual
0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,475
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
12
Actions
Shares
0
Downloads
517
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Epístolas gerais aula 2

  1. 1. Aula 2 1 e 2 Pedro, Judas
  2. 2. 1ª EPÍSTOLA DE PEDRO Por Moisés Sampaio de Paula 2Pr. Moisés Sampaio de Paula
  3. 3. 1ª Epístola de pedro  O Apóstolo Pedro escreve a um grupo específico de cristãos por uma ampla área (1:1). Eles estavam sofrendo perseguição (1:6,7) e muito mais haveriam de sofrer (4:12).  O autor escreveu para encorajá‐los em meio aos sofrimentos. Para tal lembra‐lhes que foram gerados para uma “viva esperança” (1:3,21; 3:5) e que vivessem de tal modo a tornar esta esperança atraente aos pagãos (3:15). 3Pr. Moisés Sampaio de Paula
  4. 4. 1ª Epístola de pedro  Tudo estava sob o controle de Deus (4:19), que dirige a história para o bem daqueles a quem elegeu (1:2) e chamou (1:15) e dos quais cuida nos sofrimentos (5:6,7) e aperfeiçoa através dos sofrimentos (5:10).  Portanto, sofrer como cristão é uma honra (4:17‐18), ao passo que sofrer pelos erros que cometeu é vergonha.  Também há na carta exortações e conselhos práticos que orientam os relacionamentos do diaa‐ dia (2:13‐3:17). 4Pr. Moisés Sampaio de Paula
  5. 5. AUTORIA  O autor se identifica na saudação (1:1) como Pedro, apóstolo de Jesus Cristo  Afirma ter isto testemunha dos sofrimentos de Jesus (5:1).  Similaridades na fraseologia entre esta carta e os sermões de Pedro registrados em Atos (cf. I Pe 1:20; At 2:23; I Pe 4:5; at 10:42)  A presença marcante do ensino de Jesus na carta (cf. I Pe 2:12,13‐17; 2:21;3:14; 4:13; Mt 5:10‐12,16;10:38; 17:24‐27) 5Pr. Moisés Sampaio de Paula
  6. 6. ORIGEM  Se “Babilônia”, em 5:13, é símbolo oculto para Roma, a presença de Pedro em Roma no período próximo a sua morte encaixa‐se com as informações da igreja primitiva.  Além de ficar fácil explicar a presença de Marcos (cf. II Tm 4:11) e Silvano com ele. 6Pr. Moisés Sampaio de Paula
  7. 7. DATA  As datas prováveis são:  63‐64 dC, antes da perseguição por Nero e do segundo aprisionamento de Paulo,  ou 65‐68, depois da morte de Paulo e antes da morte de Pedro. 7Pr. Moisés Sampaio de Paula
  8. 8. DESTINATÁRIOS  Cristãos dispersos na Ásia Menor (judeus e gentios) – 1:1; 2:10. 8Pr. Moisés Sampaio de Paula
  9. 9. Esboço  I. A vocação do crente: a. sua salvação (1:3‐12) b. sua santificação (1:13‐2:12)  II. A submissão do crente (2:13‐3:12)  III. O sofrimento do crente (3:13‐5:14) Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
  10. 10. PROPÓSITO • Firmar, orientar, confortar.  Para os irmãos atribulados, Pedro oferece uma palavra de esperança, menciona os fundamentos da fé cristã e o que Deus tem para nós no futuro.  Quando as tribulações se multiplicam, é bastante oportuno que essas verdades sejam mencionadas para renovação da fé e do ânimo. A obra de Cristo no passado (1:3) e a herança cristã no futuro (1:4-5) são mencionados como estímulo para se enfrentarem as dificuldades presentes (1:6). 10Pr. Moisés Sampaio de Paula
  11. 11. PROPÓSITO • Em tais circunstâncias, é necessário que nos lembremos de quem somos.  Nossa identidade pode estar sendo questionada pelos homens, pelo diabo (Mateus 4:2) ou até mesmo por nós mesmos.  Pedro então enfatiza essa realidade espiritual que, muitas vezes, é desafiada por uma realidade aparente adversa. Ele utiliza enfaticamente o verbo ser: "Não éreis povo..."; "Agora sois... povo de Deus, geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo adquirido..." (2:9-10). "Sois guardados, mediante a fé, para a salvação." (1:5). "Sois edificados como casa espiritual." (2:5). 11Pr. Moisés Sampaio de Paula
  12. 12. 2ª EPÍSTOLA DE PEDRO Por Moisés Sampaio de Paula 12Pr. Moisés Sampaio de Paula
  13. 13. AUTORIA  No primeiro versículo, o autor já se apresenta como "Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo."  Pouco adiante, Pedro menciona que presenciou o episódio da transfiguração (I Pedro 1:16-18; Mateus 17:5).  No capítulo 3, versículo 1, o autor se refere à primeira epístola. 13Pr. Moisés Sampaio de Paula
  14. 14. ORIGEM  O mesmo lugar da primeira carta,Roma. 14Pr. Moisés Sampaio de Paula
  15. 15. DATA 1. Conforme II Pe 3:1 esta carta foi escrita aos mesmos leitores de I Pedro (1:1). Sendo. Portanto, uma carta circular e necessariamente composta entre a primeira carta e o martírio do Apóstolo (provavelmente em 68 dC). 2. Se I Pedro foi escrita por volta de 64‐65 dC, II Pedro teria sido entre 65 e 68 dC. 15Pr. Moisés Sampaio de Paula
  16. 16. DESTINATÁRIOS  Baseado em 3:1 entendemos que os destinatários são os mesmos da sua primeira carta: cristãos dispersos na Ásia Menor.  O primeiro versículo do livro parece sugerir que o autor pretendia que seu escrito tivesse um alcance maior: ele se dirige "aos que conosco alcançaram fé igualmente preciosa..." 16Pr. Moisés Sampaio de Paula
  17. 17. Temas e Objetivos  Animar os irmãos (capítulo 1);  Denunciar os falsos mestres (capítulo 2);  Falar sobre a segunda vinda de Cristo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 17
  18. 18. PROPÓSITO • O propósito desta carta era advertir os leitores contra a heresia introduzida pelos falsos mestres.  Contra a moralidade frouxa e  A negação da realidade da vinda de nosso Senhor. 18Pr. Moisés Sampaio de Paula
  19. 19. Esboço  Caminho 1 – A vida cristã - uma palavra de estímulo – 1:1-21  2 - Caminho 2 – Os falsos mestres – denúncia – 2:1-22  3 - A segunda vinda de Cristo e o juízo – 3:1-18. Pr. Moisés Sampaio de Paula 19
  20. 20. EPÍSTOLA DE JUDAS Por Moisés Sampaio de Paula 20Pr. Moisés Sampaio de Paula
  21. 21. SEMELHANÇAS  Muito de Judas (3‐18) é incrivelmente semelhante a II Pedro (2:1‐3:3), incluindo o uso das mesmas palavras e idéias, como demonstra a tabela abaixo: Pr. Moisés Sampaio de Paula 21
  22. 22. AUTORIA  O autor identifica‐se com “Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago” (1).  Dos seis homens chamados Judas no Novo Testamento:  Judas Iscariotes (Mc 3:19), Judas da Galiléia (At 5:37) e Judas de Damasco (At 9:14) não podem ser, por razões óbvias.  Judas Barsabás é improvável (At 15:22), ele teria usado seu nome completo e não consta que teria um irmão chamado Tiago.  Judas, filho de Tiago, um dos apóstolos (Lc 6:16; Jo 14:22; At 1:13) idem, pois o autor da carta exclui‐se do grupo dos doze (17,18).  Judas, meio‐irmão de Jesus, conforme Mt 6:3, que, por razões semelhantes a de seu irmão Tiago (Tg 1:1), não usou sua relação natural com o Senhor como fonte de autoridade. Pr. Moisés Sampaio de Paula 22
  23. 23. DESTINATÁRIO  Pouco se pode afirmar acerca dos leitores originais de Judas.  Do versículo três deduz‐se ter havido estreito relacionamento entre o autor e eles, o que nega a afirmação de que esta carta tinha por fim uma circulação geral, originalmente. Pr. Moisés Sampaio de Paula 23
  24. 24. DATA  A data desta carta depende de como ela se relacionava com II Pedro. Se Pedro se utilizou dela, ela foi escrita antes de 68 dC, ano provável da morte de Pedro.  Se, todavia, Judas fez uso de II Pedro, ela se localiza entre a data desta e a morte de Judas (64‐80 dC). Pr. Moisés Sampaio de Paula 24
  25. 25. O USO DOS APÓCRIFOS  Judas é o único livro do Novo Testamento que cita livros apócrifos.  Há uma citação direta (14,15) de I Enoque (1:9) e uma possível citação da Assunção de Moisés (9). Pr. Moisés Sampaio de Paula 25
  26. 26. O USO DOS APÓCRIFOS  Duas verdades podem ser salientadas quanto a isso:  (1) Judas, ao citar esses livros, não lhes atribui qualquer autoridade de “Escritura”. Ele apenas faz uso de literatura conhecida de seus leitores para ilustrar sua advertência. Assim também como Paulo se refere a escritores pagãos (At 17:28; I Co 15:33; Tt 1:12), faz uso da tradição rabínica (II Tm 3:8) e cita um “midrash” judaico (I Co 10:4).  (2) A inspiração divina capacita os escritores a selecionarem verdades dentre a tradição (Lc 1:1‐4). Pr. Moisés Sampaio de Paula 26
  27. 27. ESBOÇO  I. Introdução (1‐4)  II. Denúncia da impiedade e anúncio do julgamento dos falsos mestres (5‐16)  III. Exortação e bênção final (17‐25) Pr. Moisés Sampaio de Paula 27
  28. 28. BENÇÃO  “Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar e apresentar‐vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória. Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade , domínio e poder, agora, e para todo o sempre. Amém” (Jd 24,25). Pr. Moisés Sampaio de Paula 28

×