As leis civis entregues por Moisés aos israelitas

10,494 views

Published on

Published in: Spiritual
8 Comments
9 Likes
Statistics
Notes
  • “Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa. Assim brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus”
    (Mateus 5.14-16).
    Olá Pastor, bom dia! Rogo ao Senhor Jesus que lhe mantenha firme neste grandioso ministério, e que através da sua vida e de seus estudos publicados neste site, a verdadeira luz do mundo continue a brilhar em nossas vidas. Augusto Monteiro
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Por nada irmã Terezinha. Que o bom Deus continue vos abençoando. Abcs. Em Cristo, razão do meu viver...Pr.Moises
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Que Deus continue lhe abençoando ricamente com muita sabedoria cada vez mais neste ministério pois nos ajuda muitíssimo , muito obrigado.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Pastor, muito bom esse trabalho que você faz, continue fazendo este ótimo trabalho Que Deus te abençoe
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • @WellerFerreira Meu irmão,obrigado pela ajuda em oração e por usar nossos slides. Sendo possível, divulgue esse material para que mais pessoas sejam abençoadas. Obrigado por tudo. Que o Senhor continue te abençoando . Em Cristo, razão do meu viver...
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
10,494
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
20
Actions
Shares
0
Downloads
657
Comments
8
Likes
9
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

As leis civis entregues por Moisés aos israelitas

  1. 1. AS LEIS CIVIS ENTREGUES POR MOISÉS AOS ISRAELITAS 1º Trimestre de 2014 Lição 10 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  2. 2. TEXTO ÁUREO 2 "Mas o juízo voltará a ser justiça, e hão de segui-lo todos os retos de coração" (Sl 94.15). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  3. 3. VERDADE PRÁTICA 3 Deus é justo e deseja que o seu povo aja com justiça. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  4. 4. 4   INTERAÇÃO Os capítulos 20.22 - 23.33 do livro do Êxodo versam sobre leis que regeram as esferas civis e litúrgicas na história judaica, isto é, elas legislavam tanto a vida da sociedade israelita quanto o sistema de culto ao Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Segundo a Bíblia de Estudo Pentecostal, "essas leis, que eram principalmente civis em sua natureza, tinha a ver somente com Israel, sua religião e as condições e circunstâncias prevalecentes naquele período". Entretanto, "os princípios existentes nessas leis - tais como o respeito à vida, apego à justiça e à equidade - são eternamente válidos" (p.150). Precisamos interpretar a Palavra de Deus de maneira Sampaio de Paula não confundido e Pr. Moisés equilibrada, aplicando a literalidade da Lei de uma nação à Igreja.
  5. 5. OBJETIVOS 5 Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:  Estudar o processo de promulgação das leis de caráter civil e religioso.  Analisar as leis acerca dos crimes das propriedades em Israel.  Compreender o caráter social das leis promulgada por Moisés. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  6. 6. Palavra chave 6 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  7. 7. Esboço da Lição 7 I. MOISÉS, O MEDIADOR DAS LEIS DIVINAS 1. O mediador (Êx 20.19-22). 2. Leis concernentes à escravidão (Êx 21.1-7 3. Ricos e pobres (Dt 15.4-11; Jo 12.8). II. LEIS ACERCA DE CRIMES 1. Brigas, conflitos, lutas pessoais (Êx 21.18,19). 2. Crimes capitais. 3. Uma terra pura. III. - LEIS CONCERNENTES À PROPRIEDADE 1. O roubo (Êx 22.1-15). 2. Profanação do solo e o fogo (Êx 21.33,34; 22.6). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  8. 8. 8 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  9. 9. INTRODUÇÃO 9   Deus entregou a Israel o Decálogo e algumas leis civis que regeriam aquela nação. O Decálogo pode ser considerado, em nossos dias, à nossa legislação constitucional, civil e penal. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  10. 10. INTRODUÇÃO 10   Tanto no seu caminhar no deserto, como depois já em Canaã, o povo de Israel viveu rodeado de povos ímpios, incrédulos, idólatras, perversos, enfim, grandes pecadores contra o Senhor e contra o próximo. Como nação, o povo precisava de leis que os orientasse e os levasse a uma convivência ideal. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  11. 11. 11 I. MOISÉS, O MEDIADOR DAS LEIS DIVINAS 1. O mediador (Êx 20.19-22). 2. Leis concernentes à escravidão (Êx 21.1-7). 3. Ricos e pobres (Dt 15.4-11; Jo 12.8). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  12. 12. 12 I. MOISÉS, O MEDIADOR DAS LEIS DIVINAS 1. O mediador (Êx 20.19-22).   Deus falou diretamente com o seu povo. Todavia, eles temeram e não quiseram ouvir a voz do TodoPoderoso diretamente. Então, os israelitas disseram a Moisés: "Fala tu conosco, e ouviremos; e não fale Deus conosco, para que não morramos." Diante do Senhor o povo reconhecia as suas iniquidades e fragilidades. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  13. 13. 13 I. MOISÉS, O MEDIADOR DAS LEIS DIVINAS 1. O mediador (Êx 20.19-22).   Moisés foi o mediador entre o povo e Deus. Hoje, Jesus é o nosso mediador. Sem Cristo não podemos nos aproximar de Deus nem ouvir a sua voz (1 Tm 2.5). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  14. 14. 14 I. MOISÉS, O MEDIADOR DAS LEIS DIVINAS 2. Leis concernentes à escravidão (Êx 21.1-7).   As leis civis foram dadas a Israel tendo em vista o meio e a condição social em que viviam. O Senhor nunca acolheu a escravidão, mas, já que ela fazia parte do contexto social em que Israel vivia, era preciso regulamentar esta triste condição social. Deus ordenou que o tempo em que a pessoa estaria na condição de escravo seria de seis anos (Êx 21.2). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  15. 15. 15 I. MOISÉS, O MEDIADOR DAS LEIS DIVINAS 2. Leis concernentes à escravidão (Êx 21.1-7).   “A lei não exigia que houvesse escravidão, mas visto que existia, estas leis regulamentares regiam a manutenção das relações certas". (Segundo o Comentário Bíblico Beacon) O Senhor sabia da existência da escravidão, porém, Ele nunca aprovou esta condição. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  16. 16. 16 I. MOISÉS, O MEDIADOR DAS LEIS DIVINAS 3. Ricos e pobres (Dt 15.4-11; Jo 12.8).   Deus sustentou o seu povo durante sua caminhada no deserto. Agora, quando entrassem na terra, deveriam trabalhar, e haveria entre os israelitas ricos e pobres. O contexto era outro. Em geral, a pobreza era resultado de catástrofes naturais, problemas com as colheitas, guerras e rebeldia do povo em obedecer aos mandamentos divinos. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  17. 17. 17 I. MOISÉS, O MEDIADOR DAS LEIS DIVINAS 3. Ricos e pobres (Dt 15.4-11; Jo 12.8).  Deus sempre quer o melhor para o ser humano, que Ele criou e abençoou (Gn 1.27,28). Isso abrange os pobres: "Aprendei a fazer o bem; praticai o que é reto; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas" (Is 1.17). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  18. 18. 18 I. MOISÉS, O MEDIADOR DAS LEIS DIVINAS 3. Ricos e pobres (Dt 15.4-11; Jo 12.8).  1. 2. 3. Uma parte do ministério de vários profetas que Deus levantou no Antigo Testamento era denunciar e advertir os israelitas contra : A injustiça social e O trabalho mal renumerado e A opressão dos ricos e poderosos. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  19. 19. SINOPSE DO TÓPICO (1) 19 Assim como Moisés fez a mediação entre Deus e Israel, Cristo é o único mediador entre Deus e os homens. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  20. 20. Perguntas 20 1. Quem foi o mediador entre os israelitas e Deus? R. Moisés. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  21. 21. Perguntas 21 2. De acordo com a lição, a pobreza em Israel era decorrente de quê? R. Em geral, a pobreza era resultado de catástrofes naturais, problemas com as colheitas, guerras e rebeldia do povo em obedecer aos mandamentos divinos. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  22. 22. II. LEIS ACERCA DE CRIMES 22 1. Brigas, conflitos, lutas pessoais (Êx 21.18,19) 2. Crimes capitais. 3. Uma terra pura. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  23. 23. II. LEIS ACERCA DE CRIMES 23 1. Brigas, conflitos, lutas pessoais (Êx 21.18,19)   Deus criou o homem, logo, Ele conhece bem a sua natureza. Para orientar o povo em casos de agressões e brigas, o Senhor determinou leis específicas. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  24. 24. II. LEIS ACERCA DE CRIMES 24 1. Brigas, conflitos, lutas pessoais (Êx 21.18,19)  Na Nova Aliança, aqueles que já experimentaram o novo nascimento, pelo Espírito Santo (Jo 3.3), não devem se envolver em brigas, disputas e contendas, pois a Palavra de Deus nos adverte: "E ao servo do Senhor não convém contender" (2 Tm 2.24). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  25. 25. II. LEIS ACERCA DE CRIMES 25 1. Brigas, conflitos, lutas pessoais (Êx 21.18,19)   Na igreja de Corinto faltava comunhão fraterna e em seu lugar havia disputas e contendas. Paulo denunciou e criticou duramente os coríntios por esta falta (1 Co 6.1-11). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  26. 26. II. LEIS ACERCA DE CRIMES 26 2. Crimes capitais.   Deus já havia ordenado no Decálogo: "Não matarás" (Êx 20.13). Na expressão "não matarás", o verbo hebraico exprime a ideia de matar dolosamente, perfidamente, por traição. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  27. 27. II. LEIS ACERCA DE CRIMES 27 2. Crimes capitais.   Na Antiga Aliança, o sistema jurídico era bem intolerante com os transgressores: "olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé". Todavia, havia casos onde a morte era, na verdade, uma fatalidade. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  28. 28. II. LEIS ACERCA DE CRIMES 28 2. Crimes capitais.  Deus, em sua misericórdia e bondade, estabeleceu as "cidades de refúgio", para socorrer aqueles que cometessem homicídio involuntário, ou seja, morte acidental (Nm 35.9-11). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  29. 29. II. LEIS ACERCA DE CRIMES 29 2. Crimes capitais.   As cidades de refúgio apontavam para Jesus Cristo, nosso abrigo e socorro. Elas também serviam para evitar que as pessoas fizessem vingança com as próprias mãos. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  30. 30. Cidades de refúgio 30 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  31. 31. Cidades de refúgio 31  * Quedes: Santificação para o Impuro (Js 20.7). No original, o termo " Quedes" significa "santo" ou "santuário". O nome desta cidade ilustra perfeitamente o que Cristo é para nós: nosso santo refugio."ele é o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" (Jo 1.29; Hb 2.17,18;4.14-16).  * Siquém: Lugar para o cansado (Js 20.7). Siquém no original significa "ombro" ou "costa". O ombro é a parte superior do braço (Jo 31.27) que tem força para cansado e oprimido(Mt 11.28). Ele é o bom pastor que tem força para suportar peso (Js 4.5; Is 10.27). Assim como Siquém, Jesus é o refúgio para o cansado e oprimido (Mt 11.28). Ele é o bom pastor que carrega a ovelha ferida sobre os seus ombros (Lc 15.5) Pr. Moisés Sampaio de Paula
  32. 32. Cidades de refúgio 32  *Hebrom: Ligar de comunhão (Js 20.7). O tempo Hebrom significa "comunhão" ou "associação". Esta cidade foi designada para ser refugio para o desamparado e solitário. Jesus é o refugio seguro para o desamparado. Seu sangue nos aproximou de Deus, garantindo-nos todas as beatitudes salvíficas (Ef 2.1119). Ele nos reconciliou com Deus (2 Co 13.13). Já não somos mais solitários, desamparados, pois habitamos em família (Ef 2.19). Glória a Deus!  *Bezer: Lugar de refúgio para o fraco (Js 20.8). De acordo com o original, Bezer significa "fortaleza". Essa cidade era uma fortaleza para o homicida involuntário. Semelhantemente, Cristo é o nosso abrigo (Sl 91.9), fortaleza e proteção. Nele temos segurança e força para enfrentar todas as adversidades da vida (Sl 119.14). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  33. 33. Cidades de refúgio 33  *Ramote: Lugar de refúgio para os humilhados (Js 20.8). Ramote no original quer dizer "exaltação", "elevação". Assim como Ramote, Jesus é nosso lugar de elevação. Ele foi humilhado até a morte(Fp 2.7,8; Hb 2.7) Jesus é nosso sumo sacerdote fiel e misericordioso. Nele encontramos paz, esperança e segurança, Portanto, não temas! O Senhor exalta os abatidos (Is 57.15;66.2)  * Golã: Lugar de refugio para os tristes (Js 20.8). A pessoa que fugia para uma cidade de refugio estava triste aflita. O termo "tristeza" tanto no Antigo quanto em o Novo Testamento tem o sentido de "labor", "dor", ou "lamento por algo negativo" (Gn 3.16). Cristo é o nosso refugio contra a tristeza (Rm 14.17; Gl 5.22). Pr. Moisés Sampaio de Paula RICHARDS,L.O. Guia dos leitor da Bíblia. RJ: CPAD, 2005. 
  34. 34. II. LEIS ACERCA DE CRIMES 34 3. Uma terra pura.  1. 2. 3. Deus libertou seu povo da escravidão e os estava conduzindo para uma nova terra. As leis serviriam para: Ensinar, Advertir e Impedir que o povo Israel profanasse Canaã (Nm 35.33,34). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  35. 35. SINOPSE DO TÓPICO (2) 35 As leis acerca de crimes versavam sobre as brigas, conflitos, lutas pessoais e crimes capitais. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  36. 36. Perguntas 36 3. Qual a advertência da Palavra de Deus em o Novo Testamento quanto às contendas e disputas? R. "E ao servo do Senhor não convém contender" (2 Tm 2.24). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  37. 37. Perguntas 37 4. Como era o sistema jurídico na Antiga Aliança com respeito aos transgressores? R. O sistema jurídico era bem intolerante com os transgressores: "olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé". Pr. Moisés Sampaio de Paula
  38. 38. 38 III . LEIS CONCERNENTES À PROPRIEDADE 1. O roubo (Êx 22.1-15). 2. Profanação do solo e o fogo (Êx 21.33,34; 22.6). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  39. 39. 39 III. LEIS CONCERNENTES À PROPRIEDADE 1. O roubo (Êx 22.1-15).   A ovelha e o boi são citados porque os israelitas eram um povo pastoril, rural. Segundo a Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, "tais leis visavam proteger a nação e organizá-la e voltar sua atenção para Deus". Pr. Moisés Sampaio de Paula
  40. 40. 40 III. LEIS CONCERNENTES À PROPRIEDADE 1. O roubo (Êx 22.1-15).   O Senhor havia retirado os israelitas do Egito, porém, o "Egito" não saiu da vida de muitos deles. Por isso eram necessárias leis rígidas quanto ao direito do próximo e a propriedade privada, sabendo-se que toda a terra é do Senhor; nós somos apenas inquilinos nela (Dt 10.14). Pr. Moisés Sampaio de Paula
  41. 41. 41 III. LEIS CONCERNENTES À PROPRIEDADE 2. Profanação do solo e o fogo (Êx 21.33,34; 22.6).   Naquelas terras e naqueles tempos era comum os habitantes perfurarem ou escavarem o solo em busca de água para o povo e os animais e as lavouras. Quem fizesse tal abertura no solo era também responsável pela sua proteção para a prevenção de acidentes. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  42. 42. 42 III. LEIS CONCERNENTES À PROPRIEDADE 2. Profanação do solo e o fogo (Êx 21.33,34; 22.6).  Segundo o Comentário Bíblico Beacon, "estas normas ensinavam o cuidado e promoviam o respeito pelos direitos de propriedade dos outros". Pr. Moisés Sampaio de Paula
  43. 43. 43 III. LEIS CONCERNENTES À PROPRIEDADE 2. Profanação do solo e o fogo (Êx 21.33,34; 22.6).  Atualmente muitas reservas ecológicas são queimadas e espécies em extinção eliminadas pela ação inconsequente, criminosa e irresponsável daqueles que se utilizam dos recursos naturais de forma indevida. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  44. 44. SINOPSE DO TÓPICO (3) 44 As leis concernentes ao direito de propriedade garantiam o direito do próximo à terra. Todavia, a terra é do Senhor e os seres humanos são apenas os seus mordomos. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  45. 45. Perguntas 45 5. Qual era o objetivo das leis concernentes à propriedade? R. Proteger a nação e organizá-la e voltar a sua atenção para Deus. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  46. 46. Conclusão 46  As leis abordadas nesta lição foram entregues a Israel, porém, aprendemos com os conceitos destas leis a respeitar a vida e os direitos do próximo. Quando os direitos do próximo não são respeitados, a convivência em sociedade se torna um verdadeiro caos. Pr. Moisés Sampaio de Paula
  47. 47. 47 Pr. Moisés Sampaio de Paula

×