A importância da sabedoria humilde

6,518 views

Published on

x

Published in: Education
0 Comments
19 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,518
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
193
Actions
Shares
0
Downloads
552
Comments
0
Likes
19
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A importância da sabedoria humilde

  1. 1. A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE 3º Trimestre de 2014 Lição 3 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  2. 2. TEXTO ÁUREO Pr.MoisésSampaiodePaula 2 "Não desampares a sabedoria, e ela te guardará; ama-a e ela te conservará" (Pv 4.6).
  3. 3. VERDADE PRÁTICA Pr.MoisésSampaiodePaula 3 A sabedoria que procede de Deus é humilde, por isso, equilibra o crente em todas as circunstâncias da vida.
  4. 4. Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: • Descrever a sabedoria que vem de Deus. • Demonstrar na prática a sabedoria humilde. • Compreender a distinção entre a verdadeira sabedoria e a arrogante. OBJETIVOS Pr.MoisésSampaiodePaula 4
  5. 5. Palavra chave Pr.MoisésSampaiodePaula 5
  6. 6. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIA A DEUS (Tg 1.5) 1. A sabedoria que vem de Deus. 2. Deus é o doador da sabedoria. 3. Peça a Deus sabedoria. II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13) 1. A sabedoria colocada em prática. 2. A humildade como prática cristã. 3. Obras em mansidão de sabedoria. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) 1. Administrando a sabedoria. 2. Sabedoria verdadeira e a arrogância do saber. 3. Atitudes a serem evitadas. Esboço da Lição Pr.MoisésSampaiodePaula 6
  7. 7. INTRODUÇÃO • Nesta lição estudaremos os ensinamentos da Palavra de Deus acerca da Pr.MoisésSampaiodePaula 7 Importância da sabedoria divina para o nosso viver diário.
  8. 8. INTRODUÇÃO • Tiago inicia a temática em tom de exortação, enfatizando a necessidade da sabedoria divina como condição básica de levar a igreja a viver a Palavra de Deus com alegria, coerência, segurança e responsabilidade. • E isso tudo sem precisar fugir das tribulações ou negar que o crente passa por problemas. Pr.MoisésSampaiodePaula 8
  9. 9. INTRODUÇÃO • A nossa expectativa é que você abrace o estilo de vida proposto pelo Santo Espírito nesta carta. • Não fugindo da realidade da vida, mas enfrentando-a com sabedoria do alto e na força do Espírito Santo. Pr.MoisésSampaiodePaula 9
  10. 10. Pense nisso! A sabedoria do alto gera amor, bondade, benignidade e humildade. Ela não estimula o crente a tornar-se soberbo ou arrogante em relação ao próximo, mas nos dá limites. Faz-nos saber até onde podemos ir. Pr.MoisésSampaiodePaula 10
  11. 11. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • 1. A sabedoria que vem de Deus. • 2. Deus é o doador da sabedoria. • 3. Peça a Deus sabedoria. Pr.MoisésSampaiodePaula 11
  12. 12. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • Tiago fala da sabedoria que vem do alto para distingui-la da humana, de origem má (Tg 3.13- 17). Pr.MoisésSampaiodePaula 12 1. A sabedoria que vem de Deus.
  13. 13. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • Irrefutavelmente, a sabedoria que vem de Deus é o meio pelo qual o homem alcança o discernimento da boa, agradável e perfeita vontade divina (Pv 2.10-19; 3.1-8,13-15; 9.1-6; Rm 12.1,2). Pr.MoisésSampaiodePaula 13 1. A sabedoria que vem de Deus.
  14. 14. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • Sem esta sabedoria, o ser humano vive: 1. Á mercê de suas próprias iniciativas, 2. Dominado por suas emoções, 3. Sujeitando-se aos mais drásticos efeitos das suas reações. Pr.MoisésSampaiodePaula 14 1. A sabedoria que vem de Deus.
  15. 15. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • Enfim, a Palavra de Deus nos orienta a vivermos com prudência. Todavia, quando nos achamos em meio às aflições é possível que nos falte sabedoria. Pr.MoisésSampaiodePaula 15 1. A sabedoria que vem de Deus. Por isso, o texto de Tiago revela ainda a necessidade de o crente desenvolver-se, adquirindo maturidade espiritual.
  16. 16. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • O texto bíblico não detalha a maneira pela qual Deus concede sabedoria. Tiago apenas afirma que o Altíssimo a dá. Pr.MoisésSampaiodePaula 16 2. Deus é o doador da sabedoria.
  17. 17. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • a) O Senhor é que dá sabedoria. • b) O Senhor dá todas as coisas. • c) O Senhor dá a todos os homens. • d) O Senhor dá liberalmente. • e) O Senhor dá sem lançar em rosto. Pr.MoisésSampaiodePaula 17 2. Deus é o doador da sabedoria. • Juntamente com a súplica pela sabedoria que fazemos ao Pai em oração, a epístola fornece riquíssimos ensinamentos (v.5):
  18. 18. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • a) O Senhor é que dá sabedoria. • Jesus ensina que o Pai atende às orações daqueles que o pedirem (Mt 7.7,8). Pr.MoisésSampaiodePaula 18 2. Deus é o doador da sabedoria.
  19. 19. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • b) O Senhor dá todas as coisas. • Neste sentido, dizem as Sagradas Escrituras: "Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes, o entregou por todos nós, como nos não dará também com Ele todas as coisas?" (Rm 8.32 cf. Jó 2.10). Pr.MoisésSampaiodePaula 19 2. Deus é o doador da sabedoria.
  20. 20. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • c) O Senhor dá a todos os homens. • Ele não faz acepção de pessoas (At 10.34; Rm 2.11; Ef 6.9; Tg 2.1,9). Pr.MoisésSampaiodePaula 20 2. Deus é o doador da sabedoria.
  21. 21. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • d) O Senhor dá liberalmente. • É de graça! Nosso Deus não vende bênçãos apesar de pessoas, em seu nome, "comercializá-las". Pr.MoisésSampaiodePaula 21 2. Deus é o doador da sabedoria.
  22. 22. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • e) O Senhor dá sem lançar em rosto. • A expressão é sinônima do adágio popular "jogar na cara". O Pai Celeste não age dessa forma. Pr.MoisésSampaiodePaula 22 2. Deus é o doador da sabedoria.
  23. 23. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • Ainda no versículo cinco, Tiago estimula-nos a fazermos as seguintes perguntas: Pr.MoisésSampaiodePaula 23 3. Peça a Deus sabedoria. Falta-nos sabedoria espiritual? Sentimental? Emocional? Nos relacionamentos?
  24. 24. I. A NECESSIDADE DE PEDIRMOS SABEDORIAA DEUS (Tg 1.5) • Caso ache em si falta de sabedoria em alguma área, não desanime! • Peça-a a Deus, pois é Ele quem dá liberalmente. • E mais: não lança em rosto! • Ouça as Escrituras e ponha em prática este ensinamento. Fazendo assim, terás sabedoria do alto. Pr.MoisésSampaiodePaula 24 3. Peça a Deus sabedoria.
  25. 25. SINOPSE DO TÓPICO (1) Pr.MoisésSampaiodePaula 25 A sabedoria vem de Deus. Nós temos a necessidade de pedirmos a Ele, pois o Altíssimo é o doador
  26. 26. Perguntas Pr.MoisésSampaiodePaula 26 1. Qual é o meio pelo qual o homem alcança o discernimento da boa, agradável e perfeita vontade divina? R. A sabedoria que vem de Deus
  27. 27. Perguntas Pr.MoisésSampaiodePaula 27 2. Sem sabedoria do alto, divina, como viveria o ser humano? R. Sem esta sabedoria, o ser humano viveria à mercê de suas próprias iniciativas, dominado por suas emoções, sujeitando-se aos mais drásticos efeitos das suas reações.
  28. 28. Pense nisso! Ainda que elevemos a nossa cultura, a língua e tantos outros conhecimentos, nós não temos o direito de nos mostrarmos altivos, os donos da verdade, pois de fato não o somos. Pr.MoisésSampaiodePaula 28
  29. 29. II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13) • 1. A sabedoria colocada em prática. • 2. A humildade como prática cristã. • 3. Obras em mansidão de sabedoria. Pr.MoisésSampaiodePaula 29
  30. 30. II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13) • Tiago conclama os servos de Deus, mais notadamente aqueles que exercem alguma liderança na igreja local, a demonstrarem sabedoria divina através de ações concretas (Dt 1.13,15; 4.6; Dn 5.12). Pr.MoisésSampaiodePaula 30 1. A sabedoria colocada em prática.
  31. 31. II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13) • A sabedoria é a virtude que devemos buscar e cultivar em nossos relacionamentos neste mundo (Mt 5.13-16). Pr.MoisésSampaiodePaula 31 1. A sabedoria colocada em prática.
  32. 32. II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13) • O tempo do verbo "mostrar", utilizado por Tiago em 3.13, indica uma ação contínua em torno da finalidade ou do resultado de uma obra. Pr.MoisésSampaiodePaula 32 1. A sabedoria colocada em prática.
  33. 33. II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13) • Desta maneira, a Bíblia está determinando uma atuação cristã que promova as boas obras no relacionamento humano. Pr.MoisésSampaiodePaula 33 1. A sabedoria colocada em prática.
  34. 34. II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13) • Instruída pela Palavra de Deus, a humildade cristã promove as boas obras na vida do crente (Tg 1.17-20; cf. Mt 11.29; 5.5). • Quem é portador dessa humildade revela a verdadeira sabedoria, produzindo para si alegria e edificação (Mt 5.16). Pr.MoisésSampaiodePaula 34 2. A humildade como prática cristã.
  35. 35. II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13) • A fim de redundar em honra e glória ao nome do Senhor Jesus, a humildade deve ser uma virtude contínua. • Isso a torna igualmente uma porta fechada para o crente não retornar às velhas práticas. Pr.MoisésSampaiodePaula 35 2. A humildade como prática cristã.
  36. 36. II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13) Pr.MoisésSampaiodePaula 36 2. A humildade como prática cristã. O homem natural o que nasceu de novo dominado pelo pecado, não tem o temor de Deus nem o compromisso de viver para a honra e glória dEle. "ressuscitou com Cristo", busca ajuda do alto para viver em plena comunhão e humildade com o seu semelhante (Cl 3.1-17).
  37. 37. II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13) • Vivemos em um tempo onde as pessoas se aborrecem por pouca coisa, onde tudo é motivo para desejar o mal ao outro. • Vemos descontrole no trânsito, o destempero na fila, a pouca cordialidade com o colega de trabalho e coisas afins. Pr.MoisésSampaiodePaula 37 3. Obras em mansidão de sabedoria. Parece que as pessoas não convivem espontaneamente com as outras. Apenas se toleram!
  38. 38. II. A DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA DA SABEDORIA HUMILDE (Tg 3.13) • Nesse contexto, o ensino de Tiago é de sobremodo relevante: "Mostre, pelo seu bom trato as suas obras em mansidão de sabedoria" (v.13). • São valores éticos absolutos reclamados no Evangelho. Ouçamos a sua voz! Pr.MoisésSampaiodePaula 38 3. Obras em mansidão de sabedoria. Cordialidade SolidariedadeAmor
  39. 39. SINOPSE DO TÓPICO (2) Pr.MoisésSampaiodePaula 39 A sabedoria deve ser colocada em prática como uma ação concreta através da humildade.
  40. 40. Perguntas Pr.MoisésSampaiodePaula 40 3. Quem Tiago conclama a demonstrar sabedoria divina através de ações concretas? R. Tiago conclama os servos de Deus, mais notadamente aqueles que exercem alguma liderança na igreja local, a demonstrarem a sabedoria divina através de ações concretas (Dt 1.13,15; 4.6; Dn 5.12).
  41. 41. Perguntas Pr.MoisésSampaiodePaula 41 4. O que indica o verbo mostrar utilizado por Tiago em 3.13? R. Indica uma ação contínua em torno da finalidade ou do resultado de uma obra.
  42. 42. Pense nisso! A sabedoria do alto nos dá bom senso! Quantos cheios de sabedoria não mais a demonstram no relacionamento com o outro? Teoricamente são sábios, mas relacionalmente imaturos. A sabedoria do alto não gera coração soberbo, mas um coração humilde! Pr.MoisésSampaiodePaula 42
  43. 43. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) • 1. Administrando a sabedoria. • 2. Sabedoria verdadeira e a arrogância do saber. • 3. Atitudes a serem evitadas. Pr.MoisésSampaiodePaula 43
  44. 44. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) • A sabedoria mencionada por Tiago assinala a vontade de Deus para a vida do crente. Uma vez dada por Deus, tal sabedoria constitui-se parte da natureza do crente. • É resultado do novo caráter lapidado pelo Espírito Santo. É um novo pensar, um novo sentir, um novo agir. Pr.MoisésSampaiodePaula 44 1. Administrando a sabedoria.
  45. 45. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) • Deus dá ao homem essa sabedoria para que ele administre as: Pr.MoisésSampaiodePaula 45 1. Administrando a sabedoria. os dons bênçãos todas as esferas de relacionamentos da vida humana.
  46. 46. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) • Quando Jesus de Nazaré expressou "assim brilhe a vossa luz diante dos homens" (Mt 5.16), • Ele estava refletindo sobre o propósito divino de o crente viver a inteireza do Reino de Deus diante dos homens. Pr.MoisésSampaiodePaula 46 1. Administrando a sabedoria.
  47. 47. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) • Há pessoas orgulhosas que, por se julgarem sábias, não admitem serem aconselhadas ou advertidas. Sobre tais pessoas as Escrituras são claras (Jr 9.23). • Entre os filhos de Deus não há uma pessoa que seja tão sábia que possa abrir mão da necessidade de aconselhar-se com alguém. Pr.MoisésSampaiodePaula 47 2. Sabedoria verdadeira e a arrogância do saber.
  48. 48. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) • O livro de Provérbios descreve que há sabedoria e segurança na multidão de conselheiros, pois do contrário: o povo perece (11.14). Pr.MoisésSampaiodePaula 48 2. Sabedoria verdadeira e a arrogância do saber. O rei Salomão orou a Deus pedindo- lhe sabedoria para entrar e sair perante o povo judeu (2 Cr 1.10).
  49. 49. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) • Disto podemos concluir que lidar com o povo sem depender dos sábios conselhos de Deus é um pedantismo trágico para a saúde espiritual da igreja. • Portanto, leve em conta a sabedoria divina! É um bem indispensável para os filhos de Deus. Para quem sente falta de sabedoria, Tiago continua a aconselhar: "peça-a a Deus". Pr.MoisésSampaiodePaula 49 2. Sabedoria verdadeira e a arrogância do saber.
  50. 50. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) "Onde há inveja e espírito faccioso, aí há perturbação e toda obra perversa" (v.16). • Aqui o autor da epístola descreve o resultado de uma "sabedoria" soberba e terrena. Pr.MoisésSampaiodePaula 50 3. Atitudes a serem evitadas.
  51. 51. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) • Classificando tal sabedoria, Tiago utiliza dois termos fortíssimos, afirmando que ela é: Pr.MoisésSampaiodePaula 51 3. Atitudes a serem evitadas. "animal" e "diabólica".
  52. 52. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) Animal • Porque é acompanhada por emoções oriundas de um instinto natural, primitivo, irracional e carnal, sendo por isso destituída de qualquer preocupação espiritual. Pr.MoisésSampaiodePaula 52 3. Atitudes a serem evitadas.
  53. 53. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) Diabólica • Porque o nosso adversário inspira pessoas a transbordarem desejos que em nada se assemelham aos que são oriundos do fruto do Espírito, antes, são sentimentos egoísticos, que se identificam com as obras da carne (2 Tm 4.1-3; Gl 5.19-21). Pr.MoisésSampaiodePaula 53 3. Atitudes a serem evitadas.
  54. 54. III. - O VALOR DA VERDADEIRA SABEDORIA E A ARROGÂNCIA DO SABER CONTENCIOSO (Tg 3.14-18) • Atitudes que trazem contenda, facções, divisão, gritarias e irritabilidade devem ser evitadas em nossa família, em nossa igreja ou em quaisquer lugares onde nos relacionarmos com o outro. • O Senhor nos chamou para paz e não para confusão. Vivamos, pois uma vida cristã sábia e em paz com Deus! Pr.MoisésSampaiodePaula 54 3. Atitudes a serem evitadas.
  55. 55. SINOPSE DO TÓPICO (3) Pr.MoisésSampaiodePaula 55 O valor da verdadeira sabedoria reflete a humildade; a arrogância, o orgulho, a soberba e a altivez à sabedoria terrena e diabólica
  56. 56. Perguntas Pr.MoisésSampaiodePaula 56 5. Segundo a lição, qual é o propósito de Deus ao dar sabedoria ao homem? R. De o crente viver a inteireza do Reino de Deus diante dos homens.
  57. 57. Conclusão • Após estudarmos o tema "sabedoria humilde" é impossível ao crente admitir a possibilidade de vivermos a vida cristã em qualquer esfera humana sem depender da sabedoria do alto. • A sabedoria divina não só garante a saúde espiritual entre os irmãos, mas da mesma maneira, a emocional e psíquica. Pr.MoisésSampaiodePaula 57
  58. 58. Conclusão • Ela estabelece parâmetros para o convívio social sadio ao mesmo tempo em que nos previne para que não caiamos nos escândalos e pecados que entristecem o Espírito Santo. • Ouçamos o conselho de Deus. Que possamos viver de forma sóbria, justa e piamente (Tt 2.12). Pr.MoisésSampaiodePaula 58
  59. 59. Subsídio Bibliológico Pr.MoisésSampaiodePaula 59 A U X Í L I O B I B L I O G R Á F I C O I Subsídio Teológico "Embora Paulo não tenha pregado de acordo com a sabedoria do mundo, todavia ele pregou a sabedoria oculta de Deus que só pode ser discernida quando Deus dá ao homem a direção e a ajuda do Espírito Santo (1 Co 2.7-14). Deus deseja que o homem tenha e conheça sua sabedoria (Tg 1.5). Ela é espiritual e consiste no conhecimento de sua vontade (Cl 1.9; Ef 1.8,9). Ela é 'do alto' e é contrastada com a sabedoria terrena e humana deste mundo, que pode até ser inspirada pelos demônios (Tg 3.13-17; cf. Cl 2.23; 1 Co 3.19,20; 2 Co 1.12). A sabedoria de Deus deve ser revelada ou 'dada' aos homens (Rm 11.33,34; 2 Pe 3.15; Lc 21.15). Isto pode ser conferido pela Palavra de Deus e pelo ensino humano dela (Cl 3.16; 1.28; Ap 13.18; 17.9). Como no caso da sabedoria (heb. hokma) do livro de Provérbios, ela permite que o crente saiba como agir em relação às outras pessoas, e aproveitar ao máximo as suas oportunidades espirituais (Cl 4.5) (PFEIFFER, Charles F.; VOS, Howard, F. Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, p.1712).
  60. 60. Subsídio Bibliológico Pr.MoisésSampaiodePaula 60 A U X Í L I O B I B L I O G R Á F I C O I I Subsídio Exegético "As Ações Revelam as Origens da Sabedoria (3.13-18). O retrato que Tiago nos oferece daquilo que é considerado como 'sabedoria' pela maioria das pessoas é bastante perturbador, mas precisamos ser cuidadosos para não entendermos erroneamente. Ele não está sugerindo que não exista qualquer coisa boa na humanidade (lembremos de seu aviso de que fomos 'feitos à semelhança de Deus', 3.9). O problema com essa sabedoria 'terrena, animal e diabólica' é que tem sua origem na alma humana. Sendo assim, participa dos desejos divididos dos 'inconstantes'; é capaz de fazer o bem ('bendizer a Deus e Pai', 3.9), mas também de muitas vezes levar a 'toda obra perversa'. Quando nossa 'sabedoria' é simbolizada pela 'mansidão' (v.13), que reconhece que sua principal origem está em Deus (1.5,21) e não em nós mesmos (como resultado de nossa egoísta ambição', vv.14,16) então os bons desejos existentes dentro de nós, por termos sido criados à semelhança de Deus, unem-se à Sua vontade em uma vida correta, e de bom trato (v.13). Tiago se volta às qualidades que simbolizam o 'bom trato' nos versos 17 e 18. A lista de características e virtudes que Tiago nos oferece aqui é semelhante à descrição que Paulo faz do 'fruto do Espírito' (Gl 5.22,23; cf. Tg 3.17). Tanto Paulo como Tiago enfatizam que essas características devem ser a consequência natural de uma vida renovada por Deus. O que há de particular interesse nessa lista de Tiago é o número de termos que expressam diretamente ações ao invés de simples qualidades. Aqueles que têm em si mesmos a sabedoria que vem da Palavra que foi neles 'enxertada' (1.21), não são apenas 'amantes da paz', mas também 'pacificadores'. São atenciosos com os seus semelhantes e não procuram apenas satisfazer sua ambição egoísta. São submissos à vontade de Deus ao invés de serem 'atraídos e engodados pela sua própria concupiscência' (veja 1.14). Seus atos são misericordiosos (cf. 2.12,13), são imparciais e sinceros e não como aqueles que demonstram favoritismo (2.1,9). O resultado de viver de acordo com a 'sabedoria que vem do alto' é uma safra de virtudes (cf. 2.21-23)" (STRONSTAD, Roger; ARRINGTON, French L. (Eds.) Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004, p.1680).
  61. 61. Pr.MoisésSampaiodePaula 61 Pr. Moisés Sampaio • Pastor auxiliar da Igreja Assembleia de Deus em Rio Branco, AC, Brasil. • Palestrante de seminários e pregador no Brasil e exterior. • Contato

×