Aula 4 2014.1 ucam - rsa - praticas responsáveis em gp

272 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
272
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 4 2014.1 ucam - rsa - praticas responsáveis em gp

  1. 1. 28/01/2014 AULA 4 – RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL. Tema: Práticas Responsáveis de Gestão de Pessoas. PRÁTICAS RESPONSÁVEIS EM GESTÃO DE PESSOAS. A Construção do Orgulho de Pertencer. Prof. Angelo Peres Dificilmente um colaborador que não concorda com a conduta (valores, cultura e clima) de sua empresa, nem se orgulha de seu trabalho, se sentirá motivado a colaborar com esta organização. Ou seja, dificilmente se sentirá motivado a trazer (participar) de uma ação que geração de resultados. No limite, uma gestão responsável e sustentável é constituída pelas pessoas e a forma como a empresa interage com seus colaboradores pode impactar mais no comprometimento, no empenho e na satisfação dessas pessoas. Um bom ambiente de trabalho e a forma como as organizações tratam seus trabalhadores e a sociedade em geral é que abrem oportunidades para o crescimento e a sustentabilidade dos negócios. 1
  2. 2. 28/01/2014 Na gestão de RH a identificação com o lugar que trabalha (os trabalhadores) é fator poderoso na retenção de Talentos. Nessa alternativa, um dos principais desafios a ser enfrentados pela gestão das empresas é a adoção de programas gerenciais socialmente responsáveis, e privilegiar as políticas internas e externas, e valores culturais que contribuem para um novo comportamento organizacional. Um Novo Comportamento Organizacional Substitui os Programas de Qualidade por Programas Socialmente Responsáveis e Sustentáveis. Assim, um dos desafios da GP, na perspectiva da gestão responsável, deve começar (iniciar) com a interação interna, isto é, criar políticas de RH para os trabalhadores. PROGRAMA GERENCIAL SOCIALMENTE RESPONSÁVEL. Relações Internas e Externas Valores Organizacionais Um Novo Comportamento Organizacional No contexto da Sustentabilidade Emergem Traços Culturais Que Devem Ser Evidenciados e Observados. Cooperação, participação, diálogo, transparência, respeito, igualdade, diversidade e solidariedade. 2
  3. 3. 28/01/2014 São estes Traços Culturais que legitimam uma empresa socialmente responsável. Cooperação, participação, diálogo, transparência, respeito, igualdade, diversidade e solidariedade. Uma empresa que pratica o assédio moral, ridiculariza seus colaboradores, não assegura condições mínimas de saúde e segurança, discrimina com base na cor, raça, classe social, religião, sexo, entre outros,não é uma empresa tida (e reconhecida) como socialmente responsável. Não é possível admitir (legitimar) uma empresa como socialmente responsável se ela, por exemplo (mesmo que investindo em práticas de menor impacto ambiental) se utiliza de trabalho infantil. Dessa forma, além de se eliminar estas práticas discriminatórias, as empresas devem analisar e reavaliar o seu recrutamento, seleção, monitoramento feito às pessoas, desenvolvimento e sistemas de recompensa... Esta estratégia (de RH) deve substituir as práticas seculares capitalistas e, substituir, por ações (filosofia) com um enfoque mais humanizado. Do contrário, pode-se incorrer, como é muito comum, em um discurso incoerente com as práticas institucionalizadas na empresa. Ou seja, corre-se o risco de se ter uma conduta apartada dos compromissos assumidos (verbalmente). Isto porque, um bom ambiente de trabalho é essencial para a atração de talentos, como, também, maior retorno organizacional. AÇÃO ESTRATÉGICAS DE RH NO CAMPO DA RSE. 3
  4. 4. 28/01/2014 Ações de diversidade nos Processos Seletivos; Gestão do processo de demissão de pessoas; Ações de promoção da saúde e bemestar; Permitir a atuação do sindicato nos locais de trabalho; Ações de não interferência na vida familiar e/ou privada dos trabalhadores; Desenvolver/envolver os empregados numa gestão participativa; Oferecimento de bônus por desempenho; Instituir ações contra o assédio moral; Oferecimento de bolsas de estudo para aquisição de conhecimento; Desenvolvimento de carreira; Desenvolver ações de orientação profissional, aconselhamento e preparação para a aposentadoria; Programa de avaliação e aconselhamento do funcionário. INSTITUCIONALIZAR PRÁTICAS DE RS: Recrutar pessoas da comunidade local; Reintegrar o funcionário ao mercado de trabalho, quando se tratar de demissão; Não discriminar quanto a idade, sexo, etc.; Adotar políticas de contratação de pessoas com deficiência em maior número que o exigido pela lei; POLÍTICAS DE RSE NA GESTÃO DE PESSOAS. Adotar o critério de experiência em voluntariado; Contratar jovens aprendizes e idosos; Proibir o trabalho infantil. 4
  5. 5. 28/01/2014 DEFINIR POLÍTICAS ÉTICAS DE GESTÃO SOCIALMENTE RESPONSÁVEL PARA A ORIENTAÇÃO DE PESSOAS, MODELAGEM DE CARGOS E AD: I Até 200 empregados 2% II De 201 a 500 3% III IV Assegurar aos recém-contratados o conhecimento concreto do local de trabalho; Cumprir as normas e convenções internacionais de trabalho; Possuir PCCS com critérios transparentes; De 501 a 1000 4% Educar os funcionários quanto ao devido respeito ao colega de trabalho, independente de raça, credo, cor, etc; Acima de 1000 5% Oferecer aos trabalhadores palestras motivacionais e aprimoramento nos processos de trabalho, buscando maior eficiência; Preparar o trabalhador para a aposentadoria; Oferecer apoio psicológico; Oferecer orientação quanto ao planejamento financeiro. DESENVOLVER PROGRAMAS DE HIGIENE, SEGURANÇA E QUALIDADE DE VIDA: Fornecer serviços de aconselhamento sobre saúde e segurança; Aumentar a segurança no local de trabalho e seus arredores; Oferecer infraestrutura de refeitório para o público interno; Investir em instalações sanitárias adequadas; Estimular o hábito do uso do uniforme e dos equipamentos de segurança, quando for o caso; Proporcionar momentos de integração entre os colaboradores de diferentes níveis hierárquicos e setores; Encorajar os funcionários a ter uma dieta saudável; Oferecer programas de ginástica laboral; Proporcionar testes e exames médicos periódicos para medir o nível do colesterol, pressão sanguínea, dentre outros; Estimular prática esportiva; Envolver os empregados em gestão participativa; INSTITUCIONALIZAR SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DE RH QUE POSSIBILITEM A TRANSPARÊNCIA: Esclarecer quanto a expectativa de conduta ética; Apresentar demonstrativos dos resultados econômicofinanceiros da empresa; Possuir código de ética e disseminá-lo através de treinamentos e programas de admissão; Possuir uma rede de comunicação interna, de maneira a que todos tenham acesso às informações. Inclusive sobre práticas de gestão da empresa; Promover debates com os colaboradores a respeito de problemas éticos e estruturais enfrentados dentro do ambiente organizacional, proporcionando instrumentos para registrar a má gestão. Possuir CIPA; Oferecer acessórios e mobiliários ergonômicos. CRIAR AÇÕES QUE POSSIBILITEM O DESENVOLVIMENTO INTERGRAL DOS COLABORADORES E DA ORGANIZAÇÃO: Manter programas de treinamento e capacitação, estimulando promoções internas; CRIAR POLÍTICAS DE REMUNERAÇÃO, PROGRAMAS DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS: Assegurar remuneração igualitária para homens e mulheres que ocupem a mesma categoria funcional; Estender os benefícios aos terceirizados; Assegurar que temas emergentes de gestão estejam inseridos na educação, programas de avaliação e incentivo de colaboradores; Fornecer cesta básica aos mais necessitados; Buscar a participação dos trabalhadores nos processos de melhoria do ambiente de trabalho; Oferecer bolsas de estudos; Oferecer benefícios como creche, ou outros; Oferecer apoio educacional, erradicando o analfabetismo entre os colaboradores e os terceirizados; Possuir programa de tratamento a dependentes químicos; Adotar políticas de promoção de grupos menos representados internamente. Proporcionar os benefícios oferecidos a excolaboradores inválidos por acidentes de trabalho. 5
  6. 6. 28/01/2014 Referências: ALIGLERI, L., ALIGLERI, L.A., KRUGLIANSKAS, I. Gestão Socioambiental. São Paulo: Atlas, 2009. 6

×