Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Respostas De Exercicios 8ª

10,550 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Respostas De Exercicios 8ª

  1. 1. Problemas e exercícios complementares ■ CAPÍTULO 1 – SEMELHANÇA ˆ ˆ ˆ De fato: AB C = DÂC = a e AC B = DC A (é o mesmo ângulo). Figuras semelhantes b) A 1 a) Não. b) Sim. c) Sim. d) Não. e) Sim. 2 Exemplo de resposta: B 70° C 80° a B C 110° 100° D D A C B 80° 70° a A C c) AB = BC = CA 110° DA AC CD 100° d) 7 = 8 = 4 D A x = 2 cm e y = 3,5 cm y 4 x 3 Exemplo de resposta: 7 Altura da estátua: 34 m, aproximadamente. A B 8 A 59 m, aproximadamente. ˆ 9 a) Ê = B (ângulos retos). Em Ô os ângulos opostos pelo vértice são iguais. Portanto, os triângulos C ABO e DEO são semelhantes. B' D b) x = 125 = 15,625 8 10 Em a não se pode garantir que os quadriláteros são semelhantes. Em b, os triângulos PEF e PAB A' são semelhantes. Como PA = 3 ⋅ PE, tem-se AB = 3 ⋅ EF. 11 a) 75 = 60 b) x = 48 mm 60 x C' Semelhança no triângulo retângulo 12 d a x D' I II Os dois quadriláteros foram reduzidos na mesma razão. p 4 a) 1 para 2 b) Sim. c) Sim. d) Sim. São iguais a 5,4 cm e 10,8 cm, aproximadamente. e) São iguais. Medem 45° f) 4 vezes, pois 6 = 4 ⋅ 1,5. 5 a) F b) V c) V d) F a) Como os dois triângulos retângulos menores são Triângulos semelhantes semelhantes, temos: p = x . Multiplicando a 6 a) Os triângulos ABC e DAC são semelhantes por- a p que têm dois ângulos respectivamente iguais. igualdade por a e, depois, por p tem-se: p2 = a ⋅ x. 102
  2. 2. b) A fórmula diz que o quadrado da altura per- Mais cálculos com radicais pendicular à hipotenusa é igual ao produto dos dois segmentos formados sobre a hipotenusa. 10 a) 4 7 b) 5 6 c) 7 7 d) 7 5 13 Valores aproximados: a) 50 mm b) 40 mm e 26 mm 11 a) 41 5 b) 3 7 c) –2 2 c) 26 mm d) 26 mm 12 a) x = 49 b) x = 50 c) x = 16 d) x = 40 14 a) V b) F c) V 13 a) 2 b) 10 p h = m = p 15 a) h = m = 2 2 m x l p l a b) p2 = h ⋅ a; p ⋅ m = l ⋅ h ■ CAPÍTULO 3 – EQUAÇÕES E FATORAÇÃO o O teorema de Pitágoras Equações de 1- grau 16 6,3 cm 1 a) x = 10 b) x = 6 17 2 a) x = 5 b) x = 2 AB (cm) AC (cm) BC (cm) 15 20 25 3 x = –8 3 12 5 13 4 Isolar a incógnita significa deixar apenas um ter- 15 8 17 mo com a incógnita em um dos lados da equação e, no outro lado, apenas termos sem a incógnita. 18 a) 16 cm b) EI = 240 cm 17 450 cm; ME = 128 cm Vários tipos de equações c) SE = 17 17 5 a) x = 13 b) x = 25 d) 240 cm2 6 a) z = 3 b) x = 2 19 5 m 7 a) –6; 6 b) Não tem solução. 20 a) 100 km b) 200 km c) Resposta pessoal. c) – 97 ; 97 d) –2; 2 ■ CAPÍTULO 2 – A QUINTA E A SEXTA OPERAÇÕES 8 a2 = b2 + c2 ⇒ a2 – c2 = b2 ⇒ b = a2 – c2 (Neste caso, b > 0.) Potências e notação científica 1 a) 10–4 b) 10–3 c) 105 Equações resolvidas por fatoração d) 107 e) 10–2 f) 10–3 9 a) 7 b) 5 c) 2 d) 2 6 9 –5 2 a) 6,5 × 10 b) 1,2 × 10 c) 10 d) 3 × 10–5 e) 3,8 × 10–5 f) 1,3 × 10–6 a2 + a + 1 2a2 10 a) b) 5a – 7 2a + 5 3 a) 2 × 10–3 b) 1,4 × 108 11 a) 0; –1 b) 0; –2 c) –3; 5 d) 5 4 a) 1 b) 1 c) 1 d) 1 3 16 2 4 8 12 a) – 6 ; 6 b) 0; –10 5 a) 5 × 10–6 m b) 3 × 10–5 m 2 c) 2 × 10–7 m d) 2 × 10–8 m 13 a) x = 5 ⋅ x b) 0; 5 Cálculos com radicais Fatorando o trinômio quadrado perfeito 6 a) 27,30 m 14 a) x2 + 14x + 49 b) x2 – 14x + 49 b) 6 rolos (se fossem 5 rolos, faltaria arame) c) 4a2 + 4a + 1 d) 9a2 – 12ab + 4b2 10a2b a2 7 a) 9 b) 3 c) 80 d) 15 e) 42 f) 20 e) y4 + 10xy2 + 25x2 f) 25a2b2 – + 3 9 8 7 3 15 a) y2 + 14y + 49 b) 9x2 + 6x + 1 9 c) 9y2 + 6y + 1 d) 36y2 + 12y + 1 9 21 3 b2 e) x2 + 18x + 81 f) a2x2 + abx + 8 4 ASSESSORIA PEDAGÓGICA 103
  3. 3. b) a 16 a) 7 b) –1 c) 9 d) 1 3 4 b c 17 a) 0; –10 b) – 12 c) –3,5; 1,2 d) –2; 3; 5 23 f 18 Tem-se 4x2 + 12x + 9 = 169. Portanto, (2x + 3)2 = 132 d e 2x + 3 = 13 ou 2x + 3 = –13. Das soluções x = 5 ou x = –8, só serve a positiva. e 19 a) a b) –37 c) –a d) 0; 3 A=a⋅f+c⋅d 22 2 2 13 69 % (O lado do quadrado maior é 1,3 . Sua área ■ CAPÍTULO 4 – MEDIDAS é 1,69 2.) Sistemas decimais e não-decimais ■ CAPÍTULO 5 – ESTATÍSTICA 1 100 ha (Em um quadrado com área de 1 km2, ca- Contando possibilidades bem 10 fileiras de 10 quadrados menores com 1 a) 15 b) 30 100 m de lado. São 10 ⋅ 10 quadrados com 100 m de lado.) 2 256 2 107°50′3′′ 3 a) 4 231 e 1 243 b) 3 c) 2 134, 2 143, 2 314, 2 341, 2 413, 2 431 3 64°57′7′′ d) 24 4 130°50′15′′ 4 24 5 a) 378 cm b) 7,2 cm c) 3 500 g Chance e estatística d) 138 000 cm2 e) 1,48 cm2 f) 12 830 mL g) 35 000 kg h) 0,005 L 5 a) DADO 1 1 2 3 4 5 6 DADO 2 3 9 3 1 1 2 3 4 5 6 6 1 km = 10 m 2 2 4 6 8 10 12 7 78°54′44′′ 3 3 6 9 12 15 18 4 4 8 12 16 20 24 Calculando áreas e volumes 5 5 10 15 20 25 30 8 225 cm2 6 6 12 18 24 30 36 9 a) x; y b) retângulo; x; h c) x ⋅ h d) paralelogramo; iguais; x ⋅ h b) 4 c) 4 = 1 36 9 10 31,24 cm d) 6 e 12 e) 9 = 1 = 25 % m⋅p 36 4 11 Área do triângulo amarelo = 2 f) 27 = 3 = 75 % g) 2 36 4 9 n⋅p Área do triângulo laranja = 2 6 a) 1ª vez 2ª vez 3ª vez produto m⋅p n⋅p par par Área do trapézio = + 2 2 par ímpar par (m + n) ⋅ p par Área do trapézio = par par 2 ímpar 12 a) a ímpar par b par par A1 c par ímpar par ímpar f A2 d par par ímpar ímpar ímpar e b) 7 = 87,5% A = A1 + A2 8 104
  4. 4. 7 a) 3 = 3% Sistemas de equações 100 b) Ele ganha o primeiro sorteio em apenas 3 % 5 a) (2; 1), (4; 2), (6; 3), [ 2 ; 1 ] 3 3 dos casos. Apenas numa fração desses 3 %, ele b) (3; 6), (6; 3) c) (6; 3) ou (–6; –3) ganha o segundo sorteio. As chances no se- 6 x=6ey=2 gundo sorteio são de 2 ≈ 2 %. Temos, então: 99 7 a) x = –1 e y = –4 ou x = 4 e y = 1 2 % de 3 % = 6 = 0,06 % 10 000 b) x = 1 e y = 3 ou x = 3 e y = 2 2 8 Os livros podem estar arrumados da seguinte 8 Supondo que retângulo tenha dimensões x e y, forma: 2x + 2y = 40 Posição Possibilidades temos o seguinte sistema: { . O sistema xy = 44 a 1- 5 tem solução, portanto tal retângulo existe e suas a 2- 4 dimensões são 10 + 2 14 e 10 – 2 14 . a 3- 3 a 9 Se x2 + 4 = 4x, então x = 2. 4- 2 a 5- 1 10 a) 3 8 No total, são 5 × 4 × 3 × 2 × 1 = 120 possibilidades. Porém, só existe uma possibilidade dos livros se- :2 – 1 rem arrumados na ordem certa. Portanto, a pro- 15 2 babilidade de Maria Rita recolocar o livro na or- 1 1 1 dem certa é de ≈ 0,8 %. – 120 20 8 2 ( )– 5 Amostras b) 9 Resposta pessoal. Observação: Em 70 % dos casos, 6 a amostra de 36 feijões contém de 9 a 15 feijões roxinhos, o que dá uma idéia razoável daquilo que ocorre na população. +4 –2 10 Sim, mas a chance de isso ocorrer é quase nula. 11 a) O retângulo tem 21 cm2 de área e há 11 ponti- nhos no quadradinho azul. Portanto, estimamos 2 4 :2 231 pontos dentro do retângulo. b) Existem 230 pontos. A quantidade real é bem No caso b, resolve-se a equação x – 2 + 4 = x. 2 próxima da estimada. c) x 12 Aproximadamente, 174 [ 50 = 23 ] . x 80 :2 x ■ CAPÍTULO 6 – EQUAÇÕES E SISTEMAS DE EQUAÇÕES DE 2- GRAU º –3 2 A fórmula de Bhaskara O diagrama leva à equação x – 3 = x. Desta, 2 obtém-se x2 – 2x – 3 = 0. Logo, x = +3 ou x = –1. 1 a) – 7 ; 7 b) – 8 ; 0 c) 4 d) 2 ; 2 3 3 3 3 –1 2 a) –5; – 1 b) 1 ; –5 c) 1; – 3 d) –1; 1 2 2 2 5 :2 3 ou :2 (–1) 3 a) –1 – 11 ; –1 + 11 b) 1; 3 6 9 –2 1 4 6, 8, 10 –3 –3 ASSESSORIA PEDAGÓGICA 105
  5. 5. 11 Resolvendo o sistema: L – 10 = J + 10 r L + 10 = 2(J –10) s C descobrimos que Luís tem R$ 70,00 e João, R$ 50,00. 12 10 13 x = 149; y = 21 A O B ■ CAPÍTULO 7 – GEOMETRIA DEDUTIVA 4 Chamaremos o menor dos números consecutivos Matemática, detetives e dedução de x e o maior de x + 1. Temos que o quadrado do 1 A chave está em perceber quais são as afirmações menor é x2 e o quadrado do maior é (x + 1)2 = x2 + a contraditórias. Por exemplo, Amábile diz ser a 4- a + 2x + 1. Ao efetuarmos a diferença entre eles, a chegar. Se ela disse a verdade, não foi a 1- , mas, se temos: x2 + 2x + 1 – x2 = 2x + 1, ou seja, 2x + 1 é a a não foi a 1-, ela mentiu. Conclusão: ela não é a 4-, igual ao dobro do menor somado com uma a nem a 1-! Prosseguindo com o raciocínio: por mo- unidade. a tivos similares, Dulce mentiu e não é a 3-, nem a a 5 Sabemos que um número é múltiplo de três se ele 1-. Isso mostra que Carmo mentiu. Logo, Bigode o a for formado por um produto em que o 3 apareça foi o 1- e Carmo foi a 4-. Para Dulce sobra apenas o como um dos fatores. Tomaremos os números con- o 2- lugar, o que significa que ela é a criminosa! secutivos x, x + 1 e x + 2, por exemplo. Efetuando a 2 Comece montando uma tabela como a abaixo. soma deles, temos x + x + 1 + x + 2, resultando em Ana Bela Clara Dália 3x + 3. Se colocarmos o 3 em evidência, o resulta- do será 3 ⋅ (x + 1), isto é, o resultado é um número Bancária formado pelo produto de 3 por (x + 1). Portanto, o Comerciária resultado é um número múltiplo de 3. Dentista Professora Ângulos nos polígonos 6 Uma maneira de resolver seria escrever a equação Como na questão anterior, deve-se perceber quais são as afirmações contraditórias. Assim, podem-se (n – 2)180° = 5 ⋅ 360° . Obtém-se n = 12. n n eliminar possibilidades e anotá-las na tabela. Por exemplo: 7 15 • Ana e Bela são vizinhas e revezam-se na carona 8 120º de automóvel; • A bancária vai a pé para o trabalho; ˆ ˆ 9 AC B = 180º – 70º – 30º = 80º. Se AC B = 80º, então Das duas afirmações acima se conclui que Ana e ˆ AC P = ABC = 40º. No triângulo ACQ, CÂQ = 70º ˆ Bela não podem ser bancárias. 2 • Freqüentemente Ana vence Dália no xadrez; ˆ ˆ e AQ C = 90º, donde podemos obter AC Q = 20º. • A única vez que a dentista encontrou-se com a ˆ ˆ ˆ ˆ Se AC P = AC Q + x, então x = AC P – AC Q, donde professora foi no consultório, para o tratamento x = 20º. de uma cárie. Das duas afirmações acima se conclui que Ana e Ângulos na circunferência Dália não podem ser dentista ou professora. As- sim, Ana é comerciária e Dália é bancária. 10 a) AÔB = 180º • O salário da professora é maior de que o da ˆ b) P = 90º, porque esse ângulo inscrito corresponde comerciária ou da dentista. ao ângulo central AÔB (ambos correspondem • O salário de Bela é maior que o de Clara. ) ao arco AB). Das duas afirmações acima se conclui que Bela é ˆ ˆ 11 Se LK M = 35º, então LMK + 90º + 35º = 180º, donde professora e Clara é dentista. ˆ LMK = 55º. 3 Se AÔB = AÔC + CÔB = 180º, então AÔC + CÔB = ˆ ˆ ˆ 12 Os ângulos a , b e c são inscritos e correspondentes 2 2 ao mesmo arco. Logo, a = b = c = 31º. = AÔB = 180° = 90° . 2 2 13 a) 65º Portanto, rÔs = 90º, de onde podemos concluir que b) 230º a reta r é perpendicular à reta s. c) 115º 106
  6. 6. Paralelismo 7 R$ 18 000,00 14 a) Se r // s, a = x (ângulos correspondentes). Como 8 As opções de que Dorinha dispunha eram as se- a = y (opostos pelo vértice), resulta que: x = y. guintes: b) x + b = 180º. Como a = x, vem: a + b = 180º. Pagamento Saldo Rendimentos 15 Se r // BC, os triângulos ABC e AMN têm ângulos à vista poupança após 30 dias Opção iguais e, por isso, são semelhantes. Logo, se AM = (R$) (R$) (R$) I MB, isto é, se AM = AB , então: 322,00 450,00 – 322,00 = 1,25 2 AC e portanto AN = NC. 128,00 a) AN = 2 Entrada Saldo Rendimentos b) MN = BC (R$) poupança após 30 dias 2 Opção (R$) (R$) B C II 165,00 450,00 – 165,00 = 2,79 285,00 r M N Na opção I, ao final dos 30 dias, Dorinha não teria dívida e o saldo da poupança, já somados os ren- A dimentos, seria de R$ 129,25. 16 x = 10 Na opção II, decorridos 30 dias, o saldo da pou- m x p z x y y z pança, já somados os rendimentos, seria de 17 São verdadeiras: = ; = ; = ; = . R$ 287,79. Porém, ela ainda deveria pagar uma par- n y n y m n n p cela de R$ 165,00. Portanto, sobraria um total de R$ 122,79. Logo, por ter optado pelo pagamento ■ CAPÍTULO 8 – MATEMÁTICA, COMÉRCIO E INDÚSTRIA a prazo, Dorinha perdeu R$ 6,46. Produção e proporcionalidade Problemas variados 1 2 kg 9 Parcela 1 = R$ 226,00; parcela 2 = R$ 186,00; par- 2 18 costureiras cela 3 = R$ 186,00 3 10 a) 48; 24; 72 b) 200; 600 c) 44; 44 % d) 20; 20 % a (m) b (m) c (m) P (R$) 11 a) 35 % b) 35,5 % c) 17,5 % d) 10 % 1 2 0,5 2 000 e) 10 % f) 1 % g) 100 % h) 115 % 2 2 0,5 4 000 12 a) 64 2 2 2 16 000 b) Não. Porque cada aluno votou em dois nomes. 1 2 4 16 000 Se todos votaram, a soma dessas porcentagens 1 8 1 16 000 será 200 %. c) 4 4 13 a) 75 % b) Aproximadamente 33 %. x y z 10 20 100 ■ CAPÍTULO 9 – TRIGONOMETRIA 20 40 100 Medindo o que não se alcança 15 30 100 1 14,5 m 15 15 200 2 a) AI = 5 3 ≈ 8,5 cm b) tg  = 3 ≈ 0,57 15 60 50 3 c) 30° 30 120 50 3 18 m, aproximadamente. 4 ê ≈ 15° Juros ˆ 5 a) tg R = 2,14 b) R ≈ 65° c) I ≈ 25° 5 1 % a.m. 6 a) 9 %, aproximadamente. b) 100 % 6 Aproximadamente 6 % a.m. c) 214 %, aproximadamente. ASSESSORIA PEDAGÓGICA 107
  7. 7. Razões trigonométricas c) Para obter a quantidade de palitos da figura n, pode-se pensar assim: 7 a) x ≈ 15 cm b) x ≈ 35° Número da figura Quantidade de palitos 8 Dedução: no triângulo ABC: sen B = b . No ˆ 1 4 a ˆ triângulo ABH: sen B = h . Logo, b = h . Final- 2 4+6 c a c mente, ah = bc. 3 4+6+8 n 4 + 6 + 8 + ... + 2(n+1) 9 a) A Usando a idéia de Gauss, de somar “das pontas 9 cm h para o meio”, vem: 4n + 2n2 + 2n fn = [4 + 2(n + 1)] ⋅ n = = n2 + 3n 30° 2 2 B C 12 cm 4 É a fórmula do item a. b) h = 4,5 cm Funções e seus gráficos c) 27 cm2 5 y 10 12,2 m, aproximadamente. 11 BC = 2 3 cm; AC = 4 3 cm 4 Polígonos inscritos e circunscritos 1 12 a) Se o decágono regular for construído com ca- 0 x 1 pricho, cada lado deverá medir aproximadamen- te 3,1 cm. b) Neste caso, cada lado deverá medir aproxima- damente 7,3 cm. 6 y 13 a) 9 cm b) 18 cm 3 3 14 Teremos cos 30° = 2 . Portanto, 3 =5 3. 5 O x 1 3 15 A = 2r2 16 a) = 2 3 r b) A = 3 r2 c) A = 2 3 r2 3 3 7 (2; –1) 8 (0; 0) e (8; 0) 17 Resposta pessoal. Usando funções ■ CAPÍTULO 10 – FUNÇÕES 9 9 10 II Funções, suas tabelas e suas fórmulas 11 II – Como o cone “se alarga”, o nível da água sobe 1 a) Número de quilômetros rodados, ou seja, dis- cada vez mais devagar. tância percorrida. 12 A-I B-III C-II b) Porque, se x = 0, y = 1,10 ⋅ x + 2,15 = 2,15. Deve- se pagar a bandeirada. ■ CAPÍTULO 11 – CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS c) 18,5 km Simetrias 2 a) 28 b) p = 10 + 2 (f – 1), isto é p = 2f + 8 1 a) Não tem simetria axial. Tem simetria central. c) 46 Tem simetria 90° rotacional. b) Tem simetria axial (7 eixos). Não tem simetria 3 a) 40 b) 130 central. Tem simetria 360° rotacional. 7 108
  8. 8. c) Não tem simetria axial. Tem simetria central. 3 B Tem simetria 90° rotacional. d) Não tem simetria axial. Tem simetria central. D Tem simetria 180° rotacional. A 2 a) e1 C C' O 0 e2 A' D' Retângulo B' Tem simetria axial (2 eixos). Tem simetria central. Tem simetria 180° rotacional. 4 Resposta pessoal. 5 Resposta pessoal. b) 6 Resposta pessoal. Um exemplo: e1 e2 e3 e4 Quadrado Tem simetria axial (4 eixos). Tem simetria central. Tem simetria 90° rotacional. 7 Resposta pessoal. c) e1 Dá pra construir? 8 16. Exemplos de resposta: O e2 a) A Losango Tem simetria axial (2 eixos). Tem simetria central. B D Tem simetria 180° rotacional. d) e1 e2 e3 C e4 A b) e5 D Pentágono regular Tem simetria axial (5 eixos). Não tem simetria C central. Tem simetria 72° rotacional. B ASSESSORIA PEDAGÓGICA 109
  9. 9. 9 Estão determinados somente os triângulos dos ca- b) sos a e c. Em b, há infinitos; em d, o triângulo não existe e em e, há dois triângulos diferentes. 10 a) Sim. b) Não, porque, dependendo das medidas dos ân- gulos internos, pode-se construir losangos dife- vista lateral vista frontal rentes. c) Sim. d) Não, porque, dependendo das medidas dos ân- gulos internos, pode-se construir pentágonos eqüiláteros diferentes. e) Sim. vista superior f) Não, porque, dependendo das medidas dos ân- gulos da base ou dos outros lados, pode-se cons- 15 a) F b) V c) V d) F e) V truir triângulos diferentes. 11 É preciso saber a largura da faixa preta e a medida ■ CAPÍTULO 12 – CÍRCULO E CILINDRO do lado do quadrado. (Se o tamanho da figura puder variar, basta saber a largura da faixa em fun- Perímetro e área do círculo ção da medida do lado do quadrado.) 1 a) 31,4 cm b) 78,5 cm2 Desenhando em 3D 2 10 914,64 km 12 Exemplo de solução: 3 a) Construção pessoal. b) 257 cm2, aproximadamente. c) e d) Respostas pessoais. 4 a) x = 1 b) x ≈ 16 cm c) x ≈ 16 m d) Não 2π Volume do cilindro 5 Na figura I, pois o lado maior do retângulo é igual h ao perímetro do círculo da base. F 13 Exemplo de solução: 6 a) F b) V c) F d) V 7 Aproximadamente 16 m. 8 cilindro de altura 1 m: volume = 1 m3 ≈ 0,32 m3 π cilindro de altura 2 m: volume = 1 m3 ≈ 0,16 m3 2π ■ CAPÍTULO 13 – CLASSIFICAÇÃO DOS NÚMEROS h F Conjuntos 14 Exemplo de solução: 1 a) F b) V c) F d) V a) e) V f) F g) F vista superior F1 F2 2 a) x = 24 b) x = 12 c) x = 6 d) x = 0 e) x = 6 f) x = 30 3 ∅, {1}, {2}, {3}, {1, 2}, {1, 3}, {2, 3}, {1, 2, 3} 4 a) 0, 30, 60, 90, 120 b) 0, 5, 10, 15, 20 c) 0, 30, 60, 90, 120 d) 0, 6, 10, 12, 18 vista lateral vista frontal 5 a) 10 b) 2 c) 9 d) 0 110
  10. 10. 6 a) I D 15 A C B –6 –5 –4 –3 –2 –1 0 1 2 3 4 5 6 7 8 16 Em A há 3 números inteiros; em B não há nenhum e em C há 2. b) Não. c) Sim. 17 a) V b) V c) F 7 24 elementos. d) F e) F f) V Conjuntos numéricos ■ CAPÍTULO 14 – TÉCNICA ALGÉBRICA 8 Produtos notáveis e fatoração Q I Z 1 a) (40 – 3)(40 + 3) = 1 600 – 9 = 1 591 R b) (40 + 2)2 = 1 600 + 2 ⋅ 40 ⋅ 2 + 4 = 1 764 c) (500 + 2)(500 – 2) = 250 000 – 4 = 249 996 N d) 1 000 000 – 2 ⋅ 1 000 ⋅ 2 + 4 = 996 004 2 a) x2 + 8x + 16 9 a) 0 ∈ N, 0 ∈ Z, 0 ∈ Q, 0 ∈ R. b) 25x2 – 20x + 4 b) Pertencem a N, Z, Q, R. (Não esquecer que N c) a2 – 25x2 está contido nos outros três.) d) m2x2 + 2mxnd + n2d2 c) Esses números pertencem a Q (e portanto a R), e) a4 – b 2 podendo pertencer a N. f) 25a2x2 – 1 d) π ∈ I e portanto π ∈ R. 3 a) x3 + 15x2 + 75x + 125 10 a) 28 b) – 1 = 125 b) x3 + 15x2 + 75x + 125 9 8 1 000 c) 4x – 2 c) 60 = 20 d) – 4 137 d) 2xy – 2y2 99 33 1 000 11 a) (I) x = 5 ou x = – 5 4 a) 3 – 3 b) 6 –2 2 (II) Não existe solução. 5 a) (x2 + 4)(x + 2)(x – 2) (III) x = 7 + 5 ou x = 7 – 5 b) 3x(4x2 – 2x + 3) 2 2 (IV) Não existe solução. c) 3(2x + 1)(2x – 1) d) 2(2a + 3b)2 b) Em (I) e (III). c) (II) e (IV). Equações fracionárias 12 a) Sim. b) Não. c) Não. d) Sim. 6 a) x = ± 2 b) x = 20 Reta numérica c) x = 2 ou x = – 1 d) x = – 3 2 4 13 a) C b) E c) D e) x = 3; o número 2 não pode ser solução. d) A e) A f) B 7 x = 2 e y = 6 ou x = 16 e y = – 8 14 a) – 13 b) 15 4 7 8 Resolvendo a equação 60 000 + 1 000 = 60 000 x x–3 c) 91 d) – 314 = – 157 obtemos x = 15 produtos. 5 100 50 9 x = 2 e y = 4 ou x = 4 e y = 2 3 3 3 3 ASSESSORIA PEDAGÓGICA 111

×