Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Fisica 10°ano - Medicoes em quimica

  • Login to see the comments

Fisica 10°ano - Medicoes em quimica

  1. 1. Didáxis Cooperativa de Ensino - Riba d’Ave
  2. 2. APL 1.1 Medições em química Química A 10º ano
  3. 3. Índice : • Noções básicas • Medições com diferentes equipamentos •Calcular a densidade de um material
  4. 4. Noções básicas:  Exatidão – relaciona o valor encontrado com o valor teórico e é afetado por erros sistemáticos.  Precisão – relaciona os valores encontrados entre si nas várias medições da mesma grandeza e é afetado por erros acidentais.
  5. 5. Noções básicas:  Medições em massa : -Alcance – valor máximo que é possível medir com um aparelho -Sensibilidade – valor de menor divisão da escala do aparelho  Medições em volume -Rigoroso – pipeta, bureta , balão volumétrico -Não rigoroso – proveta
  6. 6. Noções básicas: Medições : -diretas – valor exato (balança, régua,…) -indiretas – regista-se valores para chegar ao valor pretendido (fórmulas, …)
  7. 7. Noções básicas:  Erros : -sistemáticos – atuam sempre no mesmo sentido e podem ser eliminados, são previsíveis associado a deficiências do método, deficiência das condições do ambiente e/ou impurezas. -acidentais – não são previsíveis e não podem ser eliminados associado a má colaboração do observador, alteração momentânea das condições de trabalho e/ou estimativa errada das frações da escala. -paralaxe – associado com a posição incorreta.
  8. 8. Noções básicas:  Incerteza:  Absoluta (relacionado com a exatidão):  Relativa (relacionado com a precisão): Sa – incerteza absoluta Xi – valor obtido Xa – valor exato/tabelado Sr – incerteza relativa Sa – incerteza absoluta Xa- valor exacto/tabelado
  9. 9. Noções básicas:  Desvio (relacionado com a precisão):  Absoluto  Médio di - desvio absoluto da medição Xi – valor obtido na medição Xmédio – valor mais provável/médio dm – desvio médio Xmédio – valor mais provável/medio n – n° de redações
  10. 10. Índice •Material •Objetivos •Procedimento •Conclusões •Críticas Medições com diferentes equipamentos
  11. 11. Material: •Berlinde •Proveta graduada •Bureta •Duas balanças diferentes •Régua •Craveira
  12. 12. Objetivos: • Utilização correta dos materiais; • Obter e comparar valores obtidos sobre o mesmo objeto; • Admitir que poderão ocorrer erros; • Cumprir as regras de segurança; • Cumprir as regras de sala de aula; •Trabalhar rigorosa e corretamente para obter valores mais exatos possíveis.
  13. 13. Procedimento: Volumes -proveta com 20ml de água – colocou-se o berlinde e observou-se uma subida de 20ml para 21ml, concluiu- se então que volume é de 1ml=1cmᵌ. -bureta com 10ml de água – colocou-se o berlinde na bureta e verificou-se uma subida de 10ml para 15ml, ou seja, de 5ml=5cmᵌ.
  14. 14. Procedimento: Massa -balança analítica – colocou-se um berlinde numa balança e obteve se o seu peso, 4,4738g. -balança de precisão – colocou-se o mesmo berlinde numa 2ª balança e obteve-se um peso de 4.5g.
  15. 15. Procedimento: Comprimento -régua – mediu-se com uma régua de 15cm o berlinde e observou-se que este mede 0.8mm. - craveira – medindo o berlinde com uma craveira de 20cm obteve-se um comprimento de 1cm.
  16. 16. Conclusões: Com este trabalho concluiu-se que a exatidão dos valores da massa , do volume e do comprimento do berlinde variam consoante os diferentes instrumentos utilizados nesta experiencia para determinar o volume , massa e o comprimento. Na primeira parte desta experiência entre os seis materiais utilizados para descobrir o volume, massa e comprimento do mesmo berlinde de metal, os que deram valor mais exatos foram, nomeadamente, a proveta, a balança analítica e a régua graduada.
  17. 17. Críticas: Durante a experiência o grupo trabalhou rigorosamente e executou-se assim com poucas dificuldades a experiencia, obtendo os resultados e objetivos pretendidos para esta experiencia. A experiencia decorreu sem dificuldades ou problemas.
  18. 18. Índice •Material •Objetivos •Procedimento •Cálculos •Conclusões •Críticas Calcular a densidade de um material
  19. 19. Material: •Proveta •Balança analítica •Berlinde
  20. 20. Objetivos: • Respeitar as regras de segurança e sala de aula; • Descobrir a densidade a partir do volume da massa; • Determinar o material do berlinde a partir da densidade obtida; • Utilizar corretamente as formulas e o material; • Compreender o procedimento; • Tentar ser rigoroso para obter valores exatos.
  21. 21. Procedimento: 1ª Parte Para descobrir a densidade do berlinde precisa-se de calcular a sua densidade a partir da fórmula d=m/v. -Necessita-se de saber a massa do berlinde , por isso , colocou-se o berlinde numa balança analítica e observou se um peso de 16,3265g. -Agora precisa-se de conhecer o volume. Para isso colocou-se o berlinde numa proveta com 10ml de agua e observou se um deslocamento de 0.3ml (equivale a 0.3cmᵌ)
  22. 22. Procedimento: 2ª Parte Sabendo então os dois dados necessários, a massa e o volume, podemos utilizar a fórmula da densidade para determinar a densidade do nosso berlinde: ρ= ρ= (=) ρ = 5442.1(6) kg/dm
  23. 23. Procedimento: 3ª Parte Sabendo a densidade, que é 5,4 g/cmᵌ, e verificando numa tabela a densidade, podemos definir o material do berlinde , mas como a densidade não foi encontrada em nenhuma dessas tabelas , conclui-se que é uma liga, ou seja, uma mistura de materiais. Assim , a determinação do material não é possível pois não é puro.
  24. 24. Cálculos: • Precisa-se de calcular a densidade, a partir do o volume e da massa ρ= (=) ρ= (=) ρ= 5442,1(6) kg/dm³=5,4421(6)g/cm³ Volume em dmᵌ - Massa em g • Precisa-se de converter o volume que obtemos: 0,3ml = 0,3cmᵌ = 0,003dmᵌ
  25. 25. Conclusões: Nesta segunda parte da experiência, conseguiu-se determinar a densidade do berlinde com pouca dificuldade, uma vez que já era conhecida a fórmula necessária e as medidas. Como não se encontrou o valor da densidade obtida do berlinde em tabelas de densidade, concluiu-se que o material do berlinde é uma liga , ou seja, uma mistura de material. Sendo assim não se pode provar que foi trabalhado corretamente mas pelo procedimento e cálculos certos pode-se concluir que a experiencia foi realizada com sucesso.
  26. 26. Críticas: Não se pode determinar ao certo qual o material do berlinde pois é uma liga , assim o objetivo não esta totalmente cumprido. O grupo trabalhou corretamente e tentou ser sempre rigoroso com o procedimento da experiencia. Cumpriu-se os objetivos quase todos completamente e a experiencia realizada com sucesso.
  27. 27. Turma 10.2 - Ano Letivo 2013/2014 -Jéssica Monteiro,n°16 -Joana Lemos , n°17 -Joana Sousa,n°18 -Rafael Ferreira,n°26 -Tânia Salgado,n°27 FIM

×