Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

Seleção em populações humanas

Ad

Ecologia de Populações
Prof. Dr. Harold Gordon Fowler
popecologia@hotmail.com

Ad

Seleção em Humanos
Se uma espécie está presente em vários tipos de
  ambientes e a força seletiva que atua sobre
  um atri...

Ad

O “Princípio de Cornucópia”
Para a mesma distribuição de freqüência ou
  “paisagem" de ambientes, as forças seletivas
  de...

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Upcoming SlideShare
Darwin 200 anos
Darwin 200 anos
Loading in …3
×

Check these out next

1 of 17 Ad
1 of 17 Ad
Advertisement

More Related Content

Advertisement

Seleção em populações humanas

  1. 1. Ecologia de Populações Prof. Dr. Harold Gordon Fowler popecologia@hotmail.com
  2. 2. Seleção em Humanos Se uma espécie está presente em vários tipos de ambientes e a força seletiva que atua sobre um atributo difere entre esses ambientes, a seleção bruta dependerá da proporção da população em cada habitat. A proporção da população será determinada por (a) a freqüência pela qual um habitat é usado (b) a população relativa nos habitats utilizados
  3. 3. O “Princípio de Cornucópia” Para a mesma distribuição de freqüência ou “paisagem" de ambientes, as forças seletivas de aqueles ambientes que sustentam populações maiores terão um impacto desproporcional sobre os atributos de gerações futuras. Por isso: Com a mesma intensidade de seleção, os ambientes “bons" com densidades e crescimento superiores aos valores médios formam o fundo seletivo principal de espécies que ocupam vários ambientes
  4. 4. Vegetação do Velho Mundo Fonte: Atlas of Paleovegetation (Adams e Faure)
  5. 5. Vegetação do Velho Mundo (National Geographic, 1997)
  6. 6. Densidade Populacional da Ásia Fonte: CIESEN
  7. 7. Estimativas do Uso de Zonas Ecológicas Diferentes pelo Homem Região Densidade populacional/ha Ártica 46,1 Floresta Tropical 143,5 Deserto Tropical 435 Floresta Temperada 725,2 Deserto Temperado 15,0 Floresta Boreal 20,7 (De Keeley 1988, Kelly 1995)
  8. 8. Distribuição Temporal Média de Zonas Habitáveis do Velho Mundo Floresta Boreal Deserto Tropical Floresta Tropical Deserto Temperado Floresta Temperada (Fonte: Atlas of Paleovegetation, Adams e Faure)
  9. 9. Distribuição de População Media de Forrageiros do Mundo Velho Floresta Boreal Deserto Tropical Floresta Tropical Deserto Temperado
  10. 10. Variabilidade em Forrageiros 35 30 Nomadico 25 20 Semi-Nomadico 15 Semi-Sedentarrio 10 Sedentario 5 0 Fonte: Binford (1980)
  11. 11. Distribuição de Tipos Sociais 100% 80% Não Democrático 60% Democrático 40% 20% 0% Artico FB RD RF TD TF Zona Ecológica Tamanho médio da Populações Democràticos – 3576 Tamanho médio de Populações Não Democráticos - 5806
  12. 12. As Estratégias Sob a Seleção Variada em Ambientes Diferentes de Forrageio Alelo (H) – a capacidade de explorar (como pela competição) vantagens na capacidade competitiva para obter mais ganho seletivo (“tentando a sorte"). A expressão estratégica é condicional ao status Alelo (h) – no mínimo, não quer atuar dessa forma dada a oportunidade
  13. 13. Condições de Simulação Ambiente 1 Efeitos Ambiente 2 Efeitos (Bom) Seletivos (Pobre) Seletivos Dominante(H) +A Dominante(H) -C Dominante(h) -A * D * Dominante(h) Normal P(H) P(h) * (1-D) Subordinado(H) -A * D * Subordinado(H) Normal P(H) P(h) * (1-D) Subordinado(h) -A * D * Subordinado(h) Normal P(H) P(h) * (1-D) D = proporção de “dominantes,” A= vantagem de exploração, C= custo de castigo, P(H) = frequencia do alelo H (initialmente 1)
  14. 14. Fixação de Alelos em Ambientes Diferentes Densidade Alta (H) Densidade Baixa (h) Frequencia da Estrategia 1 0,95 Favorecida 0,9 0,85 0,8 0,75 1 6 11 16 21 26 31 36 41 46 Gerações X 100
  15. 15. Sensitividade dos Parâmetros H custo 1 H custo 2 H custo 3 H custo .4 H custo 5 0,2 0,15 0,1 0,05 0 10% dominantes 30% dominantes
  16. 16. Efeito da Entrada Genética A cada 625 A cada 1250 A cada 2500 1 Frequencia (H) 0,8 0,6 0,4 0,2 0 1 17 33 49 65 81 97 113 129 145 161 177 193 Períodos de Tempo (625 anos)
  17. 17. Conclusões Parciais Sob premissas reais, existiam números substancias de forrageiros egoístas. Essas populações proporcionam um contrapeso poderoso contra a seleção negativa do comportamento “hierárquico” em forrageiros “padrão”. É duvidosa a persistência de um “desenho especial” para a democracia, ou de uma mudança genética na dominância política. É mais provável que a democracia é uma conseqüência de um atributo geral flexível que é capaz de seguir a socio-ecologia, com ajuda da aprendizagem social (cultura).

×