Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

Seleção de habitat

Ad

Ecologia de Populações




Prof. Dr. Harold Gordon Fowler
popecologia@hotmail.com

Ad

Aula: Seleção de Habitat e a Dinâmica de
Fonte - Destino

  •Teoria de Seleção de Habitat


  •Dinâmica de Fonte - Destino...

Ad

Teoria da Seleção de Habitat
Desenvolvida para relacionar as decisões individuais
  de forrageio as distribuições espaciai...

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Upcoming SlideShare
Distribuição Livre Ideal
Distribuição Livre Ideal
Loading in …3
×

Check these out next

1 of 26 Ad
1 of 26 Ad
Advertisement

More Related Content

Advertisement

Seleção de habitat

  1. 1. Ecologia de Populações Prof. Dr. Harold Gordon Fowler popecologia@hotmail.com
  2. 2. Aula: Seleção de Habitat e a Dinâmica de Fonte - Destino •Teoria de Seleção de Habitat •Dinâmica de Fonte - Destino •Dispersão balanceada •A densidade como indicador da qualidade do habitat •Armadilhas Ecológicas •Dicas do Habitat e recursos sub-valorizados
  3. 3. Teoria da Seleção de Habitat Desenvolvida para relacionar as decisões individuais de forrageio as distribuições espaciais de abundância (ligação de comportamento aos processos populacionais). Premissa: os habitats são escolhidos por seus custos e benefícios evolutivos. Premissa: os lucros de forrageio se convertem em aptidão. Prevê que as abundâncias numa mancha deve ser determinada pela qualidade da mancha.
  4. 4. Teoria da Distribuição Livre Ideal Distribuição livre ideal (Fretwell e Lucas 1970) Aptidão G Seleção de habitat Dependente da densidade P Número de competidores
  5. 5. A Distribuição Livre Ideal (DIL) Se os animais são – IDEAL: Capazes de avaliar perfeitamente os custos e benéficos de sua localidade atual. – LIVRE: Capazes de movimento sem restrições a uma localidade nova. Então, Os animas serão espaçados de modo que sua aptidão (ou alguma medida da aptidão) é igual em todo lugar.
  6. 6. Seleção de Habitat Como a variação espacial da qualidade de habitat afeita as populações? N = 100 N = 10 Boa Pobre Média N = 50
  7. 7. Distribuição Livre Ideal de animais entre habitats 3.5 Habitat 1 maior qualidade do que 2 3 Aptidão 2.5 2 (0,50) 1.5 (25,75) 1 (50,100) K2 K1 0 20 40 60 80 100 120 Tamanho Populacional
  8. 8. Distribuição Livre Ideal de animais 3.5 entre habitats Habitat 1 higher quality than 2 F2  a2  b2 N2 3 F1  a1  b1N1 Isoclinal de Aptidão: As abundancias Fitness em cada habitat onde os aptidões 2.5 2 (0,50) são esperados serem iguais sob a DLI. 100 1.5 (25,75) 1 (50,100) K2 K1 0 20 40 60 80 100 120 75 Population Size IF, F1  F2 N1 50 a1  b1N1  a2  b2 N2 25 0 0 2 5 7 100 N1  a1  a2  b1 b2 b1 N2 N2 5 0 5
  9. 9. Resumo da Seleção de Habitat DLI Quando as condições são apropriadas: – Conhecimento ideal é liberdade de chegar ali. – Os animais se distribuem de modo que o aptidão é igual entre habitats heterogêneos. – Implica que a densidade é uma boa previsão da qualidade do habitat.
  10. 10. O que limita a DLI?? Não Ideal: – Informação imperfeita – Equilibrando os custos e benefícios de tempo curto versus longo é difícil Entrada de energia versus risco de predação •Não Livre: - Custos energéticos de movimento e seleção de habitat -Dominância de outros indivíduos Territorialidade -Antecipação do local
  11. 11. Modelos de Seleção de Habitat 1) Distribuição Livre Ideal • Todos os indivíduos dentro de um habitat têm sucessos iguais 2) Distribuição Despótica Ideal •Os competidores superiores monopolizam os melhores habitats por meio da territorialidade •Perdedores são deslocados a habitat de menor qualidade •A densidade fica menor no habitat de melhor qualidade do que esperada pela DLI. •Os indivíduos em habitat de maior qualidade tem mais sucesso 3) Distribuição Antecipada Ideal •Cada habitat tem uma variedade de locais potenciais que diferem em qualidade. •O indivíduo sempre coloniza o habitat com o local disponível para reprodução. •Os indivíduos ‘monopolizam’ os locais ao chegar primeiro e ocupam os locais. •O aptidão média difere entre os habitats.
  12. 12. Número médio de Qualidade média de fertilidade filhotes vingados Colonização seqüencial por Milvus migrans Machos Fêmeas
  13. 13. Teoria de Fonte - Destino O que acontece as populações quando utilizam dois tipos de habitat: um habitat de aptidão médio é >1, e um habitat onde o aptidão médio é < 1? Historia – Lidicker 1975 – Van Horne 1983 – Holt 1985. Predador em habitat sem presa – Pulliam 1988. modelos BIDE – Crescimento rápido após essas publicações Teoria primaria, mas os estudos empíricos crescem
  14. 14. Modelo de Fonte – Destino HABITAT DA HABITAT DO FONTE DESTINO Na média, b>d, e a b<d, e a população cai população cresce i>e, importador bruto de -e>i, exportador bruto animais de animais
  15. 15. Modelo de Fonte – Destino de Pulliam Modelo simples com a dependência de densidade no habitat fonte – Número limitado de locais de reprodução na fonte – Destino tem um número não limitado de locais pobres para reprodução – Os animais fazem seleção de habitat e “nunca ocupam um local de reprodução mas pobre quando um local melhor está disponível” Pulliam, HR. 1988. Source, sinks, and population regulation. Am. Nat. 132:652-661.
  16. 16. Modelo de Fonte – Destino de Pulliam Implicações – Pode ter muitos indivíduos no destino Densidade pode ser um indicador POBRE da qualidade do habitat – O nicho realizado pode ser maior do que o nicho fundamental! – As comunidades podem incluir espécies de fontes e destinos A imigração tem papel importante na estrutura de comunidades
  17. 17. Dispersão Balanceada (McPeek e Holt 1992, Lemel et al. 1997) -Os indivíduos têm aptidões positivos em ambos habitats, mas os habitats têm valores diferentes de K - A dispersão condicional é favorecida K2 m21 = K1 m12: Números iguais em ambos os sentidos M21 M12 K1 K2
  18. 18. Previsões e Premissas dos Modelos Fonte - Destino Destinos estão Sem Destinos Balanced dispersal presentes – Sem diferencias nos variáveis – Diferencias nos demográficos entre os variáveis habitats. demográficos entre os habitats. – Sem viés nos Vieses nos movimentos movimentos entre manchas de habitat Dispersão dependente da de qualidades diferentes densidade negativa Nenhuma previsão respeito a dispersão dependente da densidade
  19. 19. Densidade animal e qualidade de Habitat •A densidade poderia ser independente da qualidade do habitat em algumas situações e os dados demográficos são necessários para determinar a qualidade do habitat. •O problema mais provável quando o habitat é heterogêneo numa escala que permite o movimento entre habitats de alta e baixa qualidade. •Provavelmente ocorre em espécies com hierarquias de dominância social e alta capacidade reprodutiva. •Publicação importante que muda a forma de pensar sobre a qualidade de habitat. Beatrice Van Horne. 1983. Density as misleading indicator of habitat quality. Journal Wildlife Management 47:893-901.
  20. 20. Com que frequência e sob quais circunstancias a densidade é um previsor pobre da qualidade do habitat? •Revisão de estudos de aves durante um período de 20 anos (desde a publicação de Van Horne 1983). •Enfocou a relação entre densidade e sucesso reprodutivo em habitats pareados. Bock e Jones. 2004. Avian habitat evaluation: should counting birds count? Front. Ecol. Environ. 2:403-410.
  21. 21. •Em geral, as localidades com densidades maiores tiveram um recrutamento maior (per capita ou por área) •A densidade tive uma relação negativa com o sucesso reprodutivo mas freqüentemente em paisagens perturbadas. •Conclusão: os contagens de aves freqüentemente mensura utilmente a qualidade de habitat e forma uma base para recomendações de manejo.
  22. 22. Armadilhas Ecológicas •As armadilhas ecológicas também são conhecidos como “destinos atrativos”. •As mudanças antropogenicas nas paisagens ocorrem rapidamente e as espécies não são capazes de responder (tempo de retorno evolutivo) e assim escolhem um habitat do destino de baixa qualidade. •As dicas do habitat já não são indicadores confiáveis da qualidade do habitat (“seleção de habitat mau adaptativa”). “a dinâmica populacional de fonte - destino pode ser gerada por mudanças antropogenicas nas paisagens que ocorrem tão rapidamente que os organismos não podem tomar decisões acerca da seleção de habitat ótimo. Os indivíduos selecionam os mesmos habitats do que seus ancestrais mas essas decisões já não proporcionam um aptidão maior.” Remes 2000.
  23. 23. Evidencia Experimental de Armadilhas Ecológicas Passerina cyanea : Uma migrante neotropical que prefere Nidificar nas bordas do habitat.
  24. 24. Armadilhas Ecológicas Passerina cyanea preferencialmente seleciona habitats com 50% mais de borda. Mas tiveram menos filhotes vingados por fêmea nas manchas de borda.
  25. 25. Recursos sub-valorizados •Outra forma de seleção de habitat mau adaptativa •Oposto das Armadilhas Ecológicas •Habitat de alta qualidade recebe menos imigrantes que poderia suportar devida a carência de dicas apropriadas de colonização •Implicações para a restauração ecológica Gilroy, JJ, e WJ Sutherland. 2007. Beyond ecological traps: perceptual errors and undervalued resources. TREE 22:351-356.

×