Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

Parcelas

Ad

Ecologia de Populações




Prof. Dr. Harold Gordon Fowler
popecologia@hotmail.com

Ad

Determinando a
Densidade Populacional:
como os ecólogos contam?
Contagem de todos os indivíduos
Sub-amostragem:
– Parcelas...

Ad

Contagem de Indivíduos

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Ad

Upcoming SlideShare
Transectos
Transectos
Loading in …3
×

Check these out next

1 of 26 Ad
1 of 26 Ad
Advertisement

More Related Content

Advertisement

Parcelas

  1. 1. Ecologia de Populações Prof. Dr. Harold Gordon Fowler popecologia@hotmail.com
  2. 2. Determinando a Densidade Populacional: como os ecólogos contam? Contagem de todos os indivíduos Sub-amostragem: – Parcelas – Transectos – Marcação e recaptura (organismos moveis)
  3. 3. Contagem de Indivíduos
  4. 4. Métodos de Amostragem Amostragem por parcela – Contagem precisa – Área de cada parcela conhecida – As parcelas precisam ser representativas e aleatórias
  5. 5. Censos Totais Para as espécies sésseis, a densidade local pode ser determinada por parcelas, e depois extrapolada a área total ocupada. – 9 cupinzeiros em cerrado queimado, 6 cupinzeiros em cerrado não queimado – 1 sauveiro em cerrado queimado, 18 sauveiros em cerrado não queimado – Densidade por ha é o número em 300m2 * 33.3 300 cupinzeiros/ha em cerrado queimado, 200/ha em cerrado não queimado 33.3 sauveiros/ha em cerrado queimado, 600/ha em cerrado não queimado – Premissa é que a área restante é igual a área amostrada
  6. 6. Parcelas Parcela de Raio Fixo – Densidade e área basal Parcela de Raio Variável – Densidade e área basal – Menos intensiva do que de raio fixo Método do ponto centrado no quarto – Densidade e área basal – Usado quando a distribuição é mais aleatória
  7. 7. Parcelas Útil para organismos pequenos e cesseis http://simp.ucsc.edu/Sites/Images/quadrats/pp1mquad.jpg
  8. 8. Quantificando a Mortalidade de - 40 Parcelas em 5 Transectos Moluscos - Fotografado cada duas semanas entre janeiro de 2001 e dezembro de 2003 - Método de ponto aleatório para quantificar percentagem de cobertura: moluscos, rocha e “outro” 2001 2003
  9. 9. Quais espécies lenhosas estão aqui? Por que?
  10. 10. Configurações Espaciais Visualmente, esses dois padrões são distintos. Usando a analise de parcelas, porém, os dois padrões produzem o mesmo resultado. xx xx xx xx xx xx xx xx
  11. 11. Localizaçao da unidade dentro de uma parcela •Começando de um extremo da área procura o habitat mais próximo.
  12. 12. Seleção de amostras •Uma parcela selecionada aleatoriamente
  13. 13. Parcelas de Freqüências Encaixadas 10m 50m Parcelas/Local 10m2 = 10 1m2 = 10 .1m2 = 40 .01m2= 40
  14. 14. Amostragem Sem Área Selecione indivíduos aleatoriamente ou local e medir a distância a vizinho mais próximo – Bom para árvores e sauveiros – Sutherland pp. 60-62 (Greenwood 1996)
  15. 15. A formula comum do calculo do valor do vizinho mais próximo Onde Rn = valor do vizinho mais próximo D Obs = distancia nn média observada A = área estudada N = número total de indivíduos (pontos)
  16. 16. Formula alternativa para o valor do vizinho mais próximo Onde Rn = Rn = valor do vizinho mais próximo 2d√n/a Đ = a distancia média entre vizinhos mais próximos A = área estudada N = número total de pontos (indivíduos)
  17. 17. Analise de Padrão de Pontos Para entender os vários estados e a dinâmica de um fenômeno geográfica particular, o pesquisador precisa detectar os padrões espaciais das distribuições de pontos e seguir as mudanças nos padrões de pontos em tempos diferentes.
  18. 18. Analise de Padrão de Pontos Analise de Parcelas permite determinar se uma distribuição de pontos é similar a um padrão aleatório Analise do Vizinho mais Próximo compara a distancia média entre vizinhos mais próximos num conjunto de pontos ao um padrão teórico. Os coeficientes de autocorrelação espacial mensuram o grau de similaridade de pontos vizinhos. Analise da função K pode identificar e avaliar a agregação de pontos em escalas ou extensões espaciais diferentes.
  19. 19. Analise de Parcelas A analise de parcelas avalia uma distribuição de pontos pela comparação de como a densidade muda com o espaço. A densidade medida pela analise de parcelas é comparada a densidade de um padrão aleatório construído teoricamente para avaliar se a distribuição dos pontos é mais agregada ou dispersa do que o padrão aleatório.
  20. 20. Conceito Geral da Analise de Parcelas Uma malha quadrada regular é um número de pontos que ficam em alguns quadrados. O quadrado forma uma parcela, ou a unidade de amostragem. O círculo é a forma geométrica mais compacta, mas os círculos não podem cobrar todo o espaço geográfico ao menos que se sobrepõem. Num padrão de pontos agregadas no extremo, todos ou a maioria dos pontos ficam em um ou poucos quadrados. Um padrão de dispersão extrema forma um padrão uniforme ou uma latisse triangular, todos os quadrados têm um número similar de pontos.
  21. 21. Conceito Geral da Analise de Parcelas Estatisticamente, a analise de parcelas fornece uma avaliação boa da densidade na área de estudo se emprega um número suficiente de parcelas geradas aleatoriamente. O tamanho ótimo da parcela pode ser calculado por 2A/r . A é a área de estudo, e r é o número de pontos na distribuição. Uma vez determinada o tamanho da parcela para uma distribuição de pontos, a analise de parcelas pode determinar a distribuição de frequências do número de pontos para todas as parcelas.
  22. 22. Exemplos de parcelas aleatórias e sistemáticas
  23. 23. Análise de Malha: Análise Focal cada célula Filtros espaciais: valor de saída de é calculado das células vizinhas (janela corrida) Formas de vizinhança: Maioria Maximo Média Mediano Mínimo Amplitude Desvio padrão Habitat da Espécie A Soma Habitat da Espécie B Variedade Amplitude da Espécie A = •Repasso de baixo nível: Apagacimento, 4 células • retirada de ruído Espécie A depende da B •Repasso de alto nível: Enfatiza a variação local •Ampliação da borda
  24. 24. Análise de Malha: Análise Zonal Área Centróide Geometria Perímetro Maioria Maximo Média Classe de vegetação A Mediano ou classe de uso A Mínimo Classe de vegetação B Amplitude ou classe de uso B Estatística Classe de vegetação C Desvio padrão ou classe de uso C Soma Largura Saída é: Variedade a) malha com mesmo valor em cada célula na mesma zona b) tabela com valores por zona
  25. 25. Comparação dos Padrões Observados e Esperados Além da estatística K-S usada para testar se o padrão observado é diferente de um padrão aleatório, podemos usar o Teste da Razão de Variância a Média usa a vantagem de uma propriedade estatística específica da distribuição de Poisson.
  26. 26. Analise de Vizinhos Ordenados A analise de parcelas é útil para comparar um padrão observado de pontos a uma distribuição aleatória ou outra distribuição teórica. Porém, existem limitações. Essa analise captura a informação dos pontos dentro de cada parcela, mas nenhuma informação sobre os pontos entre parcelas é usada na analise. Como resultado, a analise de parcelas pode não ser suficiente para distinguir entre alguns padrões de pontos.

×