Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

Nome científico

Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Upcoming SlideShare
Nomenclatura cientifica
Nomenclatura cientifica
Loading in …3
×

Check these out next

1 of 83 Ad
Advertisement

More Related Content

Slideshows for you (20)

Viewers also liked (20)

Advertisement

Similar to Nome científico (20)

Advertisement

Recently uploaded (20)

Nome científico

  1. 1. Ecologia de Populações Prof. Dr. Harold Gordon Fowler popecologia@hotmail.com
  2. 2. Por que classificar? Após desenvolver a fala, o Homem quis organizar seu mundo e começou agrupar, ou classificar, todo em seu mundo
  3. 3. Descrição = separar atributos Caráter = um atributo (como o cor da pétala) Estados de Caráter = duas ou mais formas de um caráter ( “branco,” “vermelho”).
  4. 4. Por que classificar? Animais que nadam Animais que voam Animais que rasteam Animais que caminham com quatro pernas Animais que mastigam sua comida Animais que engulam sua comida Animais que são tóxicos
  5. 5. Classificação Colocando objetos, como seres vivos, em algum tipo de ordem. Classificação fenotípica – Baseada na similaridade geral – Os objetos mais similares são classificados mais próximos
  6. 6. Problema com a classificação fenotípica Pode ser arbitrária, Como classificar essas formas?
  7. 7. Confusão de Usar Nomes Diferentes 7
  8. 8. Existem mais de 50 nomes comunes parar o animal das últimas duas transparencias. Os nomes vulgares variam por região. Então, o que fazer?
  9. 9. Por que classificar? Para ajudar o estudo da natureza Para ajudar a organização das espécies descobertas . .
  10. 10. Classificação e Identificação Classificação: A colocação de organismos em grupos de espécies com parentesco. Listas das características de organismos conhecidos. Identificação: Comparando as características de um organismo desconhecido a listas de organismos conhecidos. – Identificação no Campo – Identificação no laboratório – Identificação no museu/herbário – Identificação clínica
  11. 11. Identificação = associar um desconhecido com um conhecido Como? Somente uma: Decisões binárias Chave taxonômica; Árvore …………………………………….…………… 1 Folhas simples …….………………………… A Folhas pentas …….………..…..…..…… B Herbácea …………………………………….…………… 2 Flores vermelhas …….…………………………… A Flores brancas …….…………………..…… B
  12. 12. Interpretação da Literatura Diferencia entre identificação errada e sinônimo não sempre fica clara – Lista dos nomes de um nome taxonômico numa revisão taxonômica as vezes tem ambos! Autores diferentes usam classificações diferentes Importância de uma base de dados inteligente, que ajuda interpretar os nomes – Precisa ter informação de sinônimo, variações…
  13. 13. Espécies de Organismos Existem 13 bilhões de organismos conhecidos Mas é somente 5% de todos os organismos que viveram!!!!! Organismos novos ainda são descobertos e identificados
  14. 14. Por que classificar? Para dar nome a cada espécie baseado num método padronizado de forma que os cientistas de países diferentes podem falar sobre o mesmo animal sem confusão
  15. 15. O que é a Classificação? A classificação é o arranjo de organismos em grupos ordenados a base de suas similaridades A classificação também é chamada taxonomia Os taxonomistas são cientistas que identificam e dão nomes aos organismos 17
  16. 16. Taxonomia A ciência que lida com – Nomenclatura: dar nomes ‘científicos’ as espécies • Regulado severamente, códigos diferentes para botânica, zoologia, bactéria – Classificação: criar e nomear grupos, ‘taxa’ ‘Sistemática’ é usado como equivalente
  17. 17. A Taxonomia é... “A reclassificação perpétua de espécies com nomes errados.” “Um mal necessário.” - Randall Kosaki
  18. 18. Taxonomistas Antigos Há 2000 anos, o primeiro taxonomista foi Aristóteles Aristóteles dividiu os organismos em plantas e animais Os organismos eram classificados pelo seu habitat --- habitantes da terra, oceano, ou ar 20
  19. 19. Teofrasto (370-285 B.C.) • Pai da Botânica, aluno de Aristóteles. • Classificou as plantas a base de forma. – Árvore – Arbusto – Subarbusto – Herbácea
  20. 20. Taxonomistas Antigos John Ray, botânico, foi o primeiro de usar Latim para nomear e foi o primeiro usar espécie Seus nomes eram compridos com descrições sobre todo sobre a planta 22
  21. 21. Historia da Nomenclatura Científica Naturalistas Gregos e Romanos, herbalistas medievais; taxonomistas caipiras: nomes populares Os naturalistas antes de Lineu:  nomes em Latim  nomina specifica; nome binominal, trinominal ou até polinominal (e.g. Iris perpusilla saxatilis Norbonensis a caulis ferme)  nomes inconsistentes e muitas vezes muito cumpridos (propósitos de diagnoses, descrição e identificação)
  22. 22. Images: Biodiversity Heritage Library
  23. 23. Carolus Linnaeus 1707 – 1778 Taxonomista do século Classificou os organismos pela sua estrutura Desenvolveu o sistema de nomeclatura usada até hoje
  24. 24. Carolus Linnaeus 1707-1778 Image: Wikimedia CommonsLibrary Biodiversity Heritage
  25. 25. Nomenclatura Binomial Bi indicaa dois Nomen é nome A nomenclatura binomial é um sistema de classificação que usa dois nomes para identificar um organismo
  26. 26. Carolus Linnaeus • O pai da taxonomia • Desenvolveu o sistema de nomenclatura binomial • Nome de duas palavras (Gênero e espécie) • Os sistemas de classificação [Species plantarum (1753) e Systema naturae (1758)]  nomina trivialia; sempre com estrutura binomial • Gênero e espécie. • Exemplo. – Nepeta cataria L. – “Nepeta floribus interrupte spicatus pedunculatis”  estilo diagnostico • Necessidade de códigos universais 29
  27. 27. Nomes Científicos No princípio, Latim ou nomes Latinizados Regulado pelos códigos: – Códigos são escritos e mantidos por Comissões • International Code for Zoological Nomenclature • International Code for Botanical Nomenclature • International Code for Bacterial Nomenclature – Comissões são juízes das disputas Problema: muitos organismos unicelulares não são plantas ou animais e tem dois nomes – Alga verde azul = cianobactéria
  28. 28. Os Nomes Científicos estão em Latim Regras da gramatica Latim Concordância no genro Mastigocerca capucina Wierzejski e Zacharias, 1893 Rattulus capucinus : Jennings, 1903 Trichocerca capucina (Wierzejski e Zacharias, 1893) Harring, 1913
  29. 29. Benefícios da Classificação Identifica or organismos de forma precisa e padronizada Evita nomes estúpidos ”Cavalo” do mar?? Usa a mesma linguagem (Latim ou Grego) para todos os nomes 32
  30. 30. Nomes são únicos … mas não absolutamente – O nome botânico pode ser o mesmo do nome zoológico – Não existe um cadastro central (ainda), o que permite espaço amplo para erros • Nome ‘Já ocupado’ – Precisa ser substituído com outro nome – nome de ‘substituição’
  31. 31. Nomes são únicos? Nomes múltiplos para o mesmo Organismo (Sinônimos) Pomacanthus imperator Holacanthus bishopi
  32. 32. Nomes são únicos? Nomes múltiplos para o mesmo Organismo (Sinônimos) Pomacanthus imperator = Holacanthus bishopi Mesmo nome para vários organismos (Homônomios) Centropyge flavissima Centropyge flavissima
  33. 33. Nomes são únicos? Nomes múltiplos para o mesmo Organismo (Sinônimos) Pomacanthus imperator = Holacanthus bishopi Mesmo nome para vários organismos (Homônomios) Centropyge flavissima Centropyge heraldi = Centropyge flavissima
  34. 34. Por que classificar? Pneumocystis jirovecii foi classificado como uma protozoa até a analise de DNA demonstrou que era um fungo. Isso tem importância de se um organismo é classificado como protozoa ou fungo?
  35. 35. A classificação pode mudar Filogenia = estudo científico, – Resultados da pesquisa pode mudar nosso entendimento – Interpretação dos fatos pode ser diferente entre os cientistas Difícil construir uma classificação completa e consistente Pode levar a mudança de nomes – A espécie muda de um gênero a outro… – Quando o gênero tem outro genro
  36. 36. O que tem em um nome? Monostyla closterocerca Schmarda, 1853 combinação nova: Lecane closterocerca (Schmarda, 1853) Edmondson, 1935 Com nome do sub-gênero: Lecane (Monostyla) closterocerca (Schmarda, 1853) Edmondson, 1935 Curto: Lecane (M.) closterocerca (Shmarda, 1853) Or: L. closterocerca Com nome de subespécie: trinominal Lecane (Monostyla) closterocerca amazonica Koste, 1972 Ou: L. closterocerca amazonica
  37. 37. O que tem num Nome? O que é um Nome? Anthias “Nome” num texto: 13 Pseudanthias “Nome” sensu Botânica: 9 Anthias (Pseudanthias) Anthias ventralis “Nome” sensu Zoologia: 4 Anthias hawaiiensis Anthias Anthias (Pseudanthias) ventralis Pseudanthias Anthias (Pseudanthias) hawaiiensis ventralis Pseudanthias ventralis hawaiiensis Pseudanthias hawaiiensis Pseudanthias ventralis ventralis Pseudanthias ventralis hawaiiensis Pseudanthias (Pseudanthias) ventralis ventralis Pseudanthias (Pseudanthias) ventralis hawaiiensis
  38. 38. Requerimentos Formais do ICZN O nome ou ato de nomenclatura precisa ser publicado; Os nomes científicos precisam ser escritos usando as 26 letras do Alfabeto Latim; A derivação: um nome pode ser derivado de qualquer idioma, ou ainda de uma combinação arbitraria de letras se foi formada para ser usada como uma palava (não cbafdg); => muita liberdade!
  39. 39. Exemplos…. Diferencia de uma letra: Tortricidae (Moths, Northern Mexico: (Kearfott, 1907) Eucosma fandana Eucosma gandana Mas também: Eucosma handana Eucosma landana Cydia candana Eucosma mandana Epiblema tandana Eucosma nandana Epinotia xandana Eucosma pandana Epinotia zandana Eucosma sandana Pelochrista randana Eucosma wandana Pelochrista vandana
  40. 40. Exemplos…. Brincando com Latim: • Stupidogobius Aurich, 1938 (peixe estúpido) Localidades: • Panama canalia Marsh, 1993 (Braconidae) • Belgica antarctica (Chironomide) • Mexico (besouro e virus) • Texas (Pentatomidae e vírus) • Neotiglossa (Texas) californica Bliven, 1958 Mithologia: • Zeus Linnaeus, 1758 (peixe) • Kali Lloyd, 1909 (peixe) • Satan Hubbs & Bailey, 1947 (peixe),…
  41. 41. Exemplos…. De novo… • Cyclocephala nodanotherwon Ratcliffe (Scarabidae) • Ochisme, Polychisme, Dolichisme, Peggichisme Kirkaldi, 1904 • Iyaiyai Evenhuis, 1994 • Agra vation Erwin, 1983 • Notnops, Taintnops, e Tisentnops Platnick, 1994 (aranhas originalmente no gênero Nops MacLeay, 1839 Pessoas (“honorificas”): • Cartwrightia cartwrighti Cartwright, 1967 (Scarabidae) • Hoia hoi (copepode parasitico), para Ju-Shey Ho • Leonardo davincii Bleszynski, 1965 (Pyralidae) Mas também (“horrorificas”): • Dyaria Neumoegen, 1893 (Liparidae) para Mr. Dyar.
  42. 42. Hierarquia: níveis Reino: Animalia, Plantae… Filo: Arthropoda, Echinodermata… Classe: Crustacea, Insecta… Ordem: Decapoda, Amphipoda, Isopoda… Família: Xanthidae, Diogenidae… Gênero: Xantho, Progeryon… Espécie: Xantho granulicarpus, Xantho hydrophilus…
  43. 43. Níveis Taxonômicos Acima do Nível da Espécie • Espécie: Apis mellifera • Gênero: Apis • Família: Apidae • Ordem: Hymenoptera • Classw: Insecta • Filo: Artrópode • Com exceção da espécie, esses níveis não têm base biológica clara, mas devem ser monofileticas
  44. 44. Taxons A maioria dos gêneros contêm um número de espécies similares Como poucos, o gênero Homo faz parte da exceção (somente incluía o Homem moderno) A classificação tem base nas relações evolutivas 47
  45. 45. Classificação • 1,700,000 nomes! É necessário ter um sistema para organizar essa informação – Classificação hierarquia • Classificação se baseia na filogenia (descendência comum) – Hipótese: a vida originou somente uma vez; todos os organismos evoluíram de um ancestral comum – Base da objetividade da classificação
  46. 46. Nomenclatura Científica Nomes vulgares – Variam com as idiomas – Variam com a geografia • Nomenclatura Binomial (Gênero + espécie) – Usado mundialmente – Escherichia coli – Homo sapiens
  47. 47. Qualquer organismo leva dois nomes • Canis lupus e o nome científico do lobo cinza. • Canis é o nome do gênero • lupus é o nome da espécie
  48. 48. Gênero Um gênero consiste de um grupo de espécies com parentesco próximo Outros membros do grupo de Canis são os cachorros e coiotes O nome do gênero sempre escreve em letras maiúsculas Canis lantans Canis lupus Canis lupus familaris
  49. 49. Espécie Uma espécie consiste de animais que podem cruzar e produzir proles férteis Somente o lobo cinza tem o nome de lupus. O nome da espécie é sempre escrito em minúsculos
  50. 50. Nomes Padronizados A nomenclatura binomial é usada Gênero espécie •Latim ou Grego Atropa belladonna Tyrannus tyrannus Harpia harpyja 53
  51. 51. Nomes Científicos Binomial (dois nomes) Gênero primeiro e a primeira letra em maiúscula seguida pela espécie em minúscula – Nome do gênero, nome da espécie – Homo sapiens – – Homo troglodytis (Seu ex-namorado?) – Canis familiaris – Seu cachorrinho – Felis domesticus – Seu gatinho (algumas pessoas esquisitas precisam ter Felis leo ou Felis tigris) – Canis latrans – Convida seu gatinho para jantar – Canis lupus - ____________? aparece
  52. 52. Nomenclatura Binomial Ursus maritmus Ursus arctos Ailuropoda melanoleuca Qual par tem mais parentescod? 55
  53. 53. Nomes Científicos Binomial Fonte do nome Fonte do Nome Científico do Gênero da Espécie Klebsiella Em homenagem a A doença pneumoniae Klebs Pfiesteria piscicida Em homenagem a Doença em peixes Lois Pfiester Salmonella Em homenagem a estupor (typh-) typhimurium Daniel Salmon em ratos (muri-) Streptococcus Cadeias de células Forma pus (pyo-) pyogenes (strepto-) Penicillium Como mecha Produz um chrysogenum (penicill-) pigmento amarelo (chryso-) Trypanosoma cruzi Como saca rolha Em homenagem a (trypano-, borer; Oswaldo Cruz soma-, corpo)
  54. 54. Nomes de Micoorganismos Nomenclatura binomial (científica) Da a cada micróbio dois nomes: – Gênero - substantivo, sempre começa com letra maiúscula – espécie - adjetive, sempre escrito no minúsculo Ambos em itálicos – Staphylococcus aureus (S. aureus) – Bacillus subtilis (B. subtilis) – Escherichia coli (E. coli)
  55. 55. Nomenclatura Publicação – Para ser válido, o nome precisa ser publicado numa revista aceita pelo código O nome precisa ser único dentro do domínio do código – Os nomes zoológicos e botânicos podem ser os mesmos Tipificação – O nome precisa ter um tipo como prova
  56. 56. Formato de nomes taxonômicos Os nomes de gêneros e taxa inferiores são escritos em italicos – Exemplos: ‘Homo’ e ‘Homo sapiens’ O subgênero se escreve entre { } após o gênero e o epíteto da espécie – Holothuria (Thymiosicya) impatiens O subgênero e níveis superiores são escritas com a letra inicial em maiuscula O nome do Gênero é frequentemente abreviado a primeira em referencias posteriore – Exemplo: H. sapiens
  57. 57. Epíteto Específico Segunda parte do nome de uma espécie Geralmente é um adjetivo – Toma o genro do nome do gênero (que sempre é um substantivo) Não precisa ser um adjetivo – Substantivo em aposição – Localidade – Nomeado em homenagem a uma pessoa • genitivo
  58. 58. Os Nomes em Latim são entendidos por cientistas 61
  59. 59. Mudança de Nome O Epíteto específico é frequentemente um adjetivo, precisa ter declinação segundo as regras da gramática latim – Turbo littoreus Linnaeus, 1758 – Littorina littorea (Linnaeus, 1758) O Epíteto específico pode ser um substantivo, que tem seu próprio genro – Tellina (Moerella) pygmaeus Lovén, 1846 – Taxonomistas, e especialmente outros usuários de nomes taxonômicos, fazem erros! • Tellina pygmaea: errado!!
  60. 60. Por que os nomes mudam? Aumento de entendimento científico Aplicação coreta dos códigos de (descobrimentos; mudanças no nomenclatura conceito de espécie (sensu lato) e (correção de erros; homônimos;…) entendimento filogenético)
  61. 61. Mudança de Nome Se uma espécie é transferido de um gênero a outro, o nome da espécie muda Zoologia: o nome do autor original é colocado entre ( ) – Spongia aurea Montagu, 1818 – Hymeniacidon aurea (Montagu, 1818) Botânica: parênteses + autor da ‘combinação’ nova – Halophila stipulacea (Forsskål) Ascherson
  62. 62. Por que os nomes mudam? Toda mudança é governada por convenções legais e neutras cientificamente: os códigos de nomenclatura Exemplo.: o ICZN (1999; http://www.iczn.org/iczn/index.jsp) consiste de: Preâmbulo 90 Artigos, agrupados em 18 capítulos Uma ou mais provisão mandatória Recomendações não mandatórias Exemplos Glossário
  63. 63. A União de Dois Taxa do Mesmo Nível Alyxia angustifolia Ridl. Ridley 16060 K Alyxia pachyphylla Merr. Coletor nativo 2224 PNH
  64. 64. A União de Dois Taxa do Mesmo Nível Alyxia angustifolia Ridl. Ridley 16060 K Alyxia pachyphylla Merr. Coletor nativo 2224 PNH
  65. 65. A União de Dois Taxa do Mesmo Nível Alyxia angustifolia Ridl. Ridley 16060 K ? Alyxia pachyphylla Merr. Coletor nativo 2224 PNH
  66. 66. A União de Dois Taxa do Mesmo Nível Alyxia angustifolia Ridl. Ridley 16060 K J. Fed. Malay States Mus. 6 (1915) ? Alyxia pachyphylla Merr. Coletor nativo 2224 PNH J. Straits Branch Roy. Asiat. Soc. 77 (1917)
  67. 67. A União de Dois Taxa do Mesmo Nível Alyxia angustifolia Ridl. Ridley 16060 K J. Fed. Malay States Mus. 6 (1915) Alyxia pachyphylla Merr. Coletor nativo 2224 PNH J. Straits Branch Roy. Asiat. Soc. 77 (1917) Alyxia angustifolia Ridl. Alyxia pachyphylla Merr.
  68. 68. Mudanças de Nome Resultantes das Mudanças na Colocação Taxonômica Hunteria Hunteria gracilis A.DC.
  69. 69. Mudanças de Nome Resultantes das Mudanças na Colocação Taxonômica Hunteria Gynopogon K. Schum. Hunteria gracilis A.DC.
  70. 70. Mudanças de Nome Resultantes das Mudanças na Colocação Taxonômica Hunteria Gynopogon K. Schum. ? Hunteria gracilis A.DC.
  71. 71. Mudanças de Nome Resultantes das Mudanças na Colocação Taxonômica Hunteria Gynopogon Gynopogon gracilis (A.DC.) K. Schum. Hunteria gracilis A.DC.
  72. 72. Mudanças de Nome Resultantes das Mudanças na Colocação Taxonômica Gynopogon Alyxia Hook. f. Gynopogon gracilis (A.DC.) K. Schum.
  73. 73. Mudanças de Nome Resultantes das Mudanças na Colocação Taxonômica Gynopogon Alyxia Hook. f. Alyxia gracilis (A.DC.) Hook. f.
  74. 74. Tipos de sistemas de informação taxonômica • ‘Nomenclatores’: lista de nomes • Taxonômicos – Lista de nomes, mais informação taxonômica (autor, referencia da publicação da descrição…) – Who’s valid?? • Bancos de Dados de Espécies – Informação da biologia, identificação… • Distribuição – Para um grupo de espécies ou para uma região
  75. 75. Nomenclatores • Índice Fungorum • Animais – Nomenclator Zoologicus (nível do gênero) – Index Animalium • Plantas – International Plant Names Index
  76. 76. Bases de Dados Taxonômicos • Global – Integrated Taxonomic Information System (ITIS) – Species 2000 – Systema Naturae 2000 – UNESCO Register of Marine Organisms • Regional – Species 2000 Europe, European Register of Marine Species (ERMS) – Marine Species Database for Eastern Africa (MASDEA) • Taxonômico – Fungi…
  77. 77. Bases de dados biogeográficos • Global Biodiversity Information Facility (GBIF) • OBIS – E seus nodos regionais Os nomes taxonômicos não sempre estão integrados
  78. 78. Bancos de Dados de Espécies • FishBase • Hexacorallia, Algaebase, CephBase, Brachnet, NeMys… • www.marinespecies.org • Projeto árvore da vida – http://tolweb.org/tree/phylogeny.html
  79. 79. Referencias International Journal of Artigos com evidencia de Systematic and Evolutionary espécies ou classificação Microbiology novas Bergey’s Manual of Systematic Proporciona informação Bacteriology filogenética de bactéria e arqueia Approved Lists of Bacterial Alista as espécies Names conhecidas de procariontes a base de artigos publicados
  80. 80. Referencias Bergey’s Manual of Morfologia, coloração Determinative Bacteriology diferencial, e testes Proporciona esquemas de bioquímicos identificação para identificar bactéria e arqueis Bergey’s Manual of Systematic Baseada no sequenciamento Bacteriology de rRNA Proporciona informação filogenética de bactéria e arqueia

×