Atração

1,650 views

Published on

Bases biológicas para a atração

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,650
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
59
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Atração

  1. 1. Prof. Dr. Harold Gordon Fowler popecologia@hotmail.com Ecologia de Populações
  2. 2. O Homem e a Evolução Atração e evolução
  3. 3. Darwin e a evolução Charles Robert Darwin (1809-1882) 1859 – publicou On the Origin of Species by Means of Natural Selection, or The Preservation of Favoured Races in the Struggle for Life (usualmente abreviado a ‘The Origin of Species’)
  4. 4. As raízes biológicas da Variação  Darwin identificou que dentro de cada espécie, existem variações entre os indivíduos.  Muitas dessas variações são funções da constituição genética da espécie – Herdadas pelos seus descendentes
  5. 5. As raízes biológicas da variação  Porém – – A herança acontece somente se o organismo tem descendentes!   A maioria dos organismos n]ao sobrevivem suficiente para reproduzir. Os problemas de quem sobrevive e quem reproduz não são aleatórios…
  6. 6. As raízes biológicas da variação  Um processo de seleção, se repetida geração após geração, produziria uma mudança grande numa espécie.  Por isso, a vantagem de sobrevivência para um atributo baseado na genética resultará, após gerações, numa mudança da espécie inteira.
  7. 7. As raízes biológicas da variação  Mas todas as variações dentro de uma espécie não são benéficas. – Algumas variações não resultam numa vantagem reprodutiva.  A evolução não deve ser pensado como o favorecimento do “melhor” ou “mais avançado” …
  8. 8. As raízes biológicas da variação  Mas – – A evolução somente favorece o organismo que melhor se adapta ao ambiente em que vive. – Se o ambiente muda, o padrão de vantagem seletiva também muda.
  9. 9. Sobrevivência pessoal e genética  “Sobrevivência do mais apto” – Errôneo – A sobrevivência pessoal somente tem importância se a sobrevivência resulta no sucesso reprodutivo – Repasse de genes a próxima geração
  10. 10. Sobrevivência pessoal e genética  Um organismo que vive mais do que outros, mas que deixa nenhuma prole, é um morto genético vivo.  Por isso, o que realmente importa na evolução não é a sobrevivência pessoal, mas a sobrevivência dos genes. – É por via dos genes que as gerações futuras (e assim a evolução da espécie) mudarão.
  11. 11. Propaganda por Comportamentos Muitos animais fazem propaganda de seu sexo e sua disponibilidade de copular por meio dos comportamentos.  Rituais de cortejo  – Freqüentemente bem elaborados, incorporando períodos de retirada, e jogos de sedução.  Por que essa alteração entre ‘sim’ e ‘não’?
  12. 12. Propaganda por Comportamentos Cada animal tem razão para se aproximar a outro,  Mas cada um tem razão sentir perigo do outro  – A aproximação e amorosa ou agressiva?  Essa tensão entre atração e perigo precisa ser resolvida – Táticas alternativas de aproximação e afastamento provavelmente servem para avaliar a intenção do outro animal.
  13. 13. Atração  O Homem é um ser biológico – Nossos comportamentos possam ter aspectos genéticos que envolvam cortejo.  Porém – O aprendizagem baseado na cultura durante nossa vida possa ter um papel maior ao determinar quando, como e com quem copulamos.
  14. 14. Atração  Não existe duvida da influencia da cultura. – É a mudança cultural e não uma evolução rápida que alterou a idade média de ser pai ou mãe durante as últimas décadas. – São as diferencias culturais e não as diferencias biológicas que tornam os indivíduos com tatos faciais mais atrativos as Maori de Nova Zelândia, mas feios para nos
  15. 15. Atração
  16. 16. Atração Quais comunalidades existem entre os povos diversos do mundo respeito as preferências de pares e padrões de cortejo?  Nenhuma comunalidade  – Argumento forte do que a reprodução do Homem não é fortemente determinado pela biologia.  Comunalidade – Faz parte de nossa herança biológica?
  17. 17. Atração Física  A aparência física tem muito importância na determinação do grau de atração de uma pessoa. – Ou pelo menos pela atração inicial. A demanda brasileira para produtos químicos cosméticos e do banho deve aumentar 6% por ano no ano 2010  Pelo menos R$ 255 milhões gastos no Brasil em 2005 para procedimentos cirúrgicos cosméticos 
  18. 18. Walster, Aronson, Abrahams, e Rottman (1966) Os calouros da faculdade foram combinados aleatoriamente numa balada e depois foram perguntados se gostaram ou não seu par e se sairiam juntos.  O determinante principal no desejo de cada calouro para sair com o par no futuro era sua aparência física. 
  19. 19. Green, Buchanan, e Heuer (1984) Estudaram clientes de um serviço de relacionamento de vídeo que selecionaram os pares a base de arquivos que incluíram as fotografias, informação de gostos e escolas, e detalhes de passatempos e idéias.  Ao chegar a escolha real, o  determinante principal era a fotografia. 
  20. 20. Atração Física   Os indivíduos fisicamente atrativos também se beneficiam da crença comum de que o bonito é bom. As pessoas tendem associar a atração física com atributos positivos de personalidade – – – – – Dominância Boas destrezas sociais Inteligência Alegria Boa saúde mental  Dion, Bersheid, e Walster, 1972
  21. 21. Atração Física  As pessoas atrativas são: Julgadas como melhor adaptadas e não perturbadas (Cash et al., 1977; Dion, 1972)  Julgadas como melhor de obter emprego apõs entrevista (Dipboye et al., 1977)  Julgadas como mais felizes, com mais sucesso, e com melhor personalidade e por isso mais provavel de se casar (Dion et al., 1972)  Passam mais facilmente por jurados se o candidate era fêmea (Sigall e Ostrove, 1975)  Avaliadas com marcas melhores nos trabalhos escritos se o aluno era mulher (Landy e Sigall, 1974) 
  22. 22. Atração Física As pessoas freqüentemente pensam que os indivíduos mais atrativos também serão mais inteligentes.  Mas, não existe correlação entre atração e inteligência  – Eagly, Ashmore, Makhijani, e Longo, 1991; Feingold, 1992; Jackson, Hunter, e Hodge, 1995.
  23. 23. Combinando a atração  A atração física é desejada – Se somente procuramos a mais desejada, o mundo ficaria vazio   Não há suficientes pessoas bonitas no mundo! Procuramos pares sexuais da mesma nível de atração de nós – Isso garanta que obtemos o mais provavel, e ainda minimizamos simultaneamente a probabilidade de rejeição.
  24. 24. Combinando a atração  Muitas evidencias favorecem essa hipótese de combinação – Existe uma correlação forte entre a atração física dos dois pares   Berscheid, Dion, Walster, e Walster, 1971 O dia a dia confirma essa hipótese – “Formam uma par ótimo”  Igual que muitos estudos empíricos – Berscheid e Walster, 1974; Feingold, 1988; White, 1980.
  25. 25. Combinando a atração
  26. 26. O que é fisicamente atrativo?  Existe sem dúvida uma escolha pessoal – “A beleza fica no olho do admirador”  Porém, existe mais concordância sobre a atração de que esse ditado sugere.
  27. 27. O que é fisicamente atrativo?  Pessoas de culturas distintas geralmente concordam sobre quais caras são atrativas, igualmente o que acontece com pessoas de gerações diferentes – Cunningham, Roberts, Barbee, Druen, e Wu, 1998.  As evidencias também sugerem que as crianças preferem as caras que os adultos consideram atrativas, implicando uma escolha inata – Langlois et al., 1987.
  28. 28. O que é fisicamente atrativo?  Ao largo das idades, gerações e culturas, as pessoas atrativas quase sempre têm: – Pele clara – Cabelo brilhante – Nenhuma deformação visível
  29. 29. O que é fisicamente atrativo?  As caras que são simétricas geralmente são consideradas mais atrativas do que caras nbão simétricas.  Geralmente, “a caras médias” (aquelas com largura e tamanho do olho médios, e outros atributos) são mais atrativas do que as caras que demonstram desvios da média – Grammer e Thornhill, 1994; Fink e Penton-Voak, 2002; Mealey et al., 1999; Rhodes et al., 1998; Rhodes et al., 1999; Thornhill e Gagestad, 1999.
  30. 30. O que é fisicamente atrativo?  Porém, alguns desvios da média aumentam o grau de atração – São aqueles que exageram os atributos importantes da cara média. – A fêmea média tem olhos grandes, cadeiras amplas, e uma queixa pequena – A cara feminina será mais atrativa se tem olhos ligeiramente maiores da média, lábios mais cheios da média, e outros atributos
  31. 31. O que é fisicamente atrativo?
  32. 32. O que é fisicamente atrativo?  A cara do macho médio tem um queixo firme, uma mandíbula grande, e um sobrecelha proeminente.  Por isso, a cara masculina será mais atrativa se esses atributos são exagerados.
  33. 33. O que é fisicamente atrativo?
  34. 34. O que é fisicamente atrativo?
  35. 35. O que é fisicamente atrativo? Como no caso da cara, a simetria e sendo normal contribuem a atração do corpo humano.  Provavelmente isso explica porque os indivíduos mais simétricos no tamanho de suas mãos e pés começam ter relações sexuais mais cedo e tem mais pares sexuais durante sua vida  – Thornhill e Gangestad, 1994.
  36. 36. O que é fisicamente atrativo?  Tamanho corporal – É uma área onde as preferências variam entre culturas e períodos temporais. – Porém, podem existir proporções preferidas consistentemente.  Razão cintura a cadeira – A circunferência da cintura divida pela circunferência da cadeira.
  37. 37. O que é fisicamente atrativo?  Várias pesquisas indicam que as mulheres percebidas como mais atrativas possuíam uma razão de aproximadamente de 7:10. – Por isso, se uma cultura favorece mulheres magras, uma mulher com uma cinta de 38 cm e cadeiras de 76 cm seria considerada atrativa. – Se uma cultura favorece mulheres mais gordas, então uma mulher com uma cinta de 50 cm e cadeiras de 82 cm pode ser ideal. – Em ambos os casos, a razão 7:10 fica preservada  Furnham et al., 1997; Henss, 2000; Singh, 1993; Singh e Luis, 1995.
  38. 38. O que é fisicamente atrativo?
  39. 39. O que é fisicamente atrativo?
  40. 40. A base biológica da atração   Por que caras simétricas e razão cinto a cadeira? – A explicação evolutiva é que a razão de cinto a cadeira de 7:10 indica um pélvis maduro e um estoque adequado de gordura  Capacidade de engravidar, sinaliza um par fértil – Uma razão relativamente baixa indica níveis mais altos de estrogênio = melhor saúde e maior fertilidade  Singh 1993; 1994. Qualquer macho com uma preferência para essa forma maximiza suas probabilidades de sucesso reprodutivo – A seleção natural favorece os indivíduos com essa preferência.
  41. 41. A base biológica da atração  A preferência para caras simétricas também pode ter raízes evolutivas. – Vários problemas de saúde resultam e caras assimétricas – A proximidade a media indica ausência desses problemas   A atração a esses atributos seria mais provável como resultado de proles saudáveis (Thornhill e Gangestad, 1999) A seleção natural favorece um organismo que acha atrativas caras medias e simétricas
  42. 42. A base biológica da atração  Ceticismo acerca dos argumentos evolutivos – A atração facial é um indicador de saúde?  Kalick, Zebrowitz, Langlois, e Johnson, 1998 – Se não é precisamos repensar o argumento evolutivo. – Será possível que nossa preferência para caras medias e simétricas se deriva de outra fonte. – Temos uma preferência generalizada para o balance    Preferimos relógios e aves médios mais do que itens assimétricos Halberstadt e Rhodes, 2000 Precisamos mais dados…
  43. 43. Proximidade “O que ela vê nele?”  Vários fatores simples tomam um papel grande para determinar a atração de uma pessoa.  Um dos fatores mais importantes é a proximidade. 
  44. 44. Proximidade  Os resultados da proximidade não sempre são positivos – Pesquisa num complexo de apartamentos demonstrou que as pessoas que moraram ali desenvolveram relações de amigos com as pessoas que também moraram ali. – Mas, as pessoas que elas não gostaram também moraram ali  Ebbesen, e Kjos, e Kohecni, 1976.
  45. 45. Proximidade  A proximidade permite o desenvolvimento da familiaridade – As pessoas tendem gostar o que é familiar  Brickman e D’Amata, 1975; Moreland e Zajonc, 1982; Zajonc, 1968 – As pessoas expostas a fotografias de caras desconhecidas julgaram as desconhecidas serem mais aceitável quanto mais observaram as fotografias Jorgensen e Cervone, 1978
  46. 46. Familiaridade  Comparação de caras e imagens de espelho – Se a familiaridade é crítica, nossos amigos preferem uma visão não alterada de nossa cara a sua imagem de espelho, mas nós devemos preferir a imagem de espelho – Os dados experimentais confirmam esse caso  Mita, Dermer, e Knight, 1977.
  47. 47. Familiaridade
  48. 48. Similaridade  As pessoas “iguais formam grupos” ou os “opostos se atraem”?  As pessoas se atraem a outras que são similares em vários atributos como – – – – – – – Raça Origem étnica Nível social e educacional Historia familiar Renda Religião Padrões de comportamento, como beber álcool ou fumar
  49. 49. Burgess e Wallin, 1943 Pesquisa muita citada que afirma que namoros americanos tendem ser similares em todas as dimensões.  Esses resultados proporcionam uma evidencia forte da homogamia  – Uma tendência poderosa de que iguais escolham iguais.
  50. 50. Homogamia  Influencia a estabilidade do par. – Os pares que ficaram juntos após 21/2 anos foram mais similares do que os pares que romperam.   Hill, Rubin, e Peplau, 1976 Pares casados tendem ser similares em quase toda dimensão de personalidade  Caspi e Herbener, 1990
  51. 51. O que produz a homogamia? Uma possibilidade é que a similaridade facilita a ligação pessoal.  Outra possibilidade é que a similaridade é um produto secundário da proximidade.  – Por isso não conhecemos, interagem com ou casamos com uma pessoa muito dissimilar a nós.  Berscheid e Walster, 1978
  52. 52. Homogamia Somente na cinema é a regra de homogamia violada
  53. 53. Quem escolha a quem? Na maioria das espécies animais, os dois sexos tomam papeis diferentes na seleção e procura do par sexual.  Usualmente a fêmea toma a decisão final de copular ou não.  – Existe uma razão simples – A fêmea enfrenta um maior custo na reprodução
  54. 54. Quem escolha a quem?  Em aves – A fêmea proporciona o ovo além do recurso alimentar para o embrião em desenvolvimento.  Em mamíferos – A fêmea carrega o embrião dentro do corpo e depois proporciona leite a prole .  Em ambos os casos – A carga biológica da fêmea é muito maior do que do macho.
  55. 55. Quem escolha a quem? Essa carga pode ser mensurada por várias formas, incluindo o tempo que cada sexo precisa investir na prole
  56. 56. Exceções Interessantes Cavalos do mar machos exibem mais discriminação sexual Phalaropes mais exigência sexual
  57. 57. Escolha do Par Sexual pelo Homem No Homem, o macho e a fêmea são seletivos na escolha de seus pares sexuais A copula somente acontece quando ambos consentem Porém, os dois sexos se distinguem nos critérios usados ao escolher seu par sexual…
  58. 58. Escolha do Par Sexual pelo Homem      A base das pesquisas: O grau de atração física é mais importante para o homem que para a mulher Os homens geralmente preferem mulheres mais novas As mulheres preferem homens mais velhos O status social em financeiro do par é mais importante Para asa mulheres
  59. 59. Escolha do Par Sexual pelo Homem
  60. 60. Escolha do Par Sexual pelo Homem  As diferencias sexuais não são únicas a nossa sociedade – China, Índia, Francia, Nigéria e Irão  Buss, 1989, 1992; Buss e Barnes, 1986  Ainda mais, ambos os sexos concordam que – Os homens e as mulheres valorizam a inteligência e bondade de seu par potencial  Buss, 1992
  61. 61. Tarefa Prática   Pega um jornal ou uma revista Procura as diferencias entre “Homens procurando mulheres” e “Mulheres procurando homens” e se:      Dão a idade / afirmam a amplitude de idades de seu par preferido Afirmas seus atributos físicos Altura, sinais de juventude, atributos faciais Afirma sua altura ou altura desejada do par Afirma seu status social ou profissional e afirma o status desejado do par
  62. 62. Escolha do Par Sexual pelo Homem  Segundo Buss – A melhor explicação para essas preferências é evolutiva – Se nossos ancestrais machos preferiam mulheres atrativas, aumentaria seu sucesso reprodutivo,porque as mulheres atrativas seriam mais saudável e provavelmente mais fértil. – A seleção natural favorece machos com essa preferência, e essa preferência expandiria entre os machos de nossa espécie
  63. 63. Escolha do Par Sexual pelo Homem  E para idade da mulher – Quanto mais nova a melhor, mais anos reprodutivos terá. – Por isso, um homem encolhendo um par de menor idade pode antecipar potencialmente mais filhos. – De novo, isso aumentaria o sucesso reprodutivo do macho, seria favorecido pela seleção natural, e viria comum para a espécie.
  64. 64. Escolha do Par Sexual pelo Homem  As preferências da fêmea ficam fáceis de entender dessa perspectiva – Um investimento elevado em cada filho implica que é melhor ter poucos e fazer possível garantir a sobrevivência de cada filho. – Um macho rico de status elevado ajuda a lograr essa meta   Capaz de proporcionar alimento e outros recursos necessários A vantagem reprodutiva seria associada com essa preferência. – Uma evolução gradual no sentido de que todas as fêmeas da espécie teriam essa preferência
  65. 65. Escolha do Par Sexual pelo Homem  Outras explicações – É possível que as mulheres preferem homens ricos, de status elevado, porque aprendem durante a vida as vantagens ganhas de esse par  Em muitas culturas, as oportunidades profissional e educacional são limitadas, e por isso “casando bem” é a melhor estratégia de acumular recursos
  66. 66. Escolha do Par Sexual pelo Homem  Evidência consistente com a explicação cultural – As mulheres se preocupam menos do status potencial do macho se vivem numa cultura que proporciona mais oportunidades as mulheres Os recursos do macho potencial viram menos importantes na seleção do par sexual  (Kasser e Sharma, 1999; Eagly e Wood, 1999) 
  67. 67. Sistemas Reprodutivos  Poligamia – Vários membros de um sexo copulando com um individuo do outro sexo. – Poliginia  Várias fêmeas copulando com um macho – Poliandria  Vários machos copulando com uma fêmea  Monogamia – Relação reprodutiva baseada num relação quase permanente entre um macho e uma fêmea
  68. 68. Sistemas Reprodutivos  Mamíferos versus Aves – 90% das aves são monógamos  Durante um período reprodutivo – Porem, mais de 90% de todos os mamíferos são polígonos  Economia evolutiva – O que um organismo pode fazer para maximizar o seu sucesso reprodutivo?
  69. 69. Sistemas Reprodutivos  Em muitas espécies de aves, a incubação de sucesso depende de ambos os pais – Um precisa chocar os ovos e o outro precisa procurar alimento. – Após a incubação, a procura de alimento ainda precisa cooperação – A monogamia tem retorno reprodutivo para o macho e a fêmea  Cada pai precisa a ajuda do outro oara garantir a sobrevivência da prole e por isso dos genes
  70. 70.  Sistemas Reprodutivos Essa condição é diferente parta os mamíferos – Não tem problema de cuidar o ninho – Após o nascimento, somente a mãe pode secretar leite aos filhos – A mãe pode procurar alimento durante a gestão – Os filhotes freqüentemente podem sobreviver somente como o cuidado maternal, e os genes do macho serão carregados a próxima geração de qualquer jeito
  71. 71. Sistemas Reprodutivos  Como deve se comportar o macho? – Em termos evolutivos, um organismo de sucesso é aquele que perpetua seus genes nas gerações seguintes – O organismo com maior sucesso é aquele que tem o maior número de proles férteis sobreviventes
  72. 72. Sistemas Reprodutivos  Se a prole pode sobreviver sem o cuidado do macho – O macho maximiza seu sucesso reprodutivo ao copular com tantas fêmeas como possível.  E o resultado fina é – A poliginia, com cada macho procurando copular com mais fêmeas.
  73. 73. Sistemas Reprodutivos  As conseqüências anatomias – Os machos poligênicos precisam ser fisicamente distintos Para atrair uma fêmea  Para ganhar na competição com outros machos  A Poliginia é quase sempre acompanhado pelo dimorfismo sexual  Resulta em diferencias pronunciados no tamanho ou estruturas corporais entre os dois sexos 
  74. 74. Sistemas Reprodutivos  Quanto mais poliginia uma espécie, mais dimorfismo apresenta.
  75. 75. Sistemas Reprodutivos  Em espécies poliandras as fêmeas são maiores e mais agressivas…
  76. 76. Sistemas Reprodutivos Em espécies monógamas não existe dimorfismo
  77. 77. Sistemas Reprodutivos do Homem O homem tem uma tendência biológica para relações monógamas? O homem é dimorfico moderadamente O macho humano médio é aproximadamente 10% maior e 3 cm mais alto do que a mulher. Sugere uma tendência no sentido da poliginia.
  78. 78.  Sistemas Reprodutivos do Homem A maioria das culturas tradicionais permitam a poliginia – Somente 16% das culturas estudadas requerem arranjos de casamento monóginos   Ford e Beach (1951). A maioria das sociedades modernas rejeitam a poligamia – Porém, existe evidencia que sugere que os homens desejam mais pares sexuais do que as mulheres  Symons, 1979
  79. 79. Sistemas Reprodutivos do Homem  Os teóricos evolutivos acreditam que as diferencias entre os sexos estão ligados a nossa natureza biológico – Os homens querem mais variedade sexual porque é reprodutivamente adaptiva. – O investimento do homem em cada filho (tempo e recursos) is small    Podem ter o luxo de vários filhos Mais filhos = mais genes na próxima geração Mais mulheres para copular = mais probabilidade de ter mais filhos
  80. 80. Sistemas Reprodutivos do Homem  As mulheres precisam avaliar seus pares sexuais com mais cuidado – Mais interessadas numa relação familiar estável – As mulheres não podem (biologicamente) parir filho após filho – Um risco tremendo de encontrar o melhor pai possível para seus filhos  Um homem que proporcionar recursos e apoio
  81. 81. Sistemas Reprodutivos do Homem  De novo, mais controvérsia sobre o papel da seleção sexual – Os atitudes sexuais reflitam os valores culturais e não as diferenças sexuais do aptidão As atitudes masculinas são formadas sob as condições sociais nas quais os meninos aprendem que suas conquistas sexuais comprovem que são “machos”  As meninas aprendem apreciar os valores de casa, família e um marido 
  82. 82. Sistemas Reprodutivos do Homem  Os dados da explicação evolutiva podem ter outras interpretações – Pedersen et al, 2002  Os homens queriam 7.7 pares sexuais durante os próximos 30 anos mulheres queriam 2.8 pares sexuais durante o mesmo período temporal.  Mas, em outras medidas, os homens e as mulheres foram iguais.  Quase a metade dos homens indicaram que o número ideal de pares sexuais era 1; e 98.9% dos homens indicaram que esperaram juntar com um par sexual mutuamente exclusivo durante a vida, idealmente durante os próximos 5 anos.  99.2% das mulheres queriam o mesmo.
  83. 83. Sistemas Reprodutivos do Homem  Em geral – Existem diferencias entre homens e mulheres no sentido previsto pela evolução  Porém, – Outros resultados ficam contrários as previsões evolutivas  Os valores e esperanças culturais devem tomar um papel tão importante como a biologia
  84. 84. Tarefa  Discuta as evidencias das causas evolutivas das avaliações de atração no homem.  Fontes de pesquisa – Gleitman, H., Fridlund, A.J., e Reisberg, D. (2004). Psychology (6th Ed.) Chapter 11. – Hogg, M.A., e Vaughan, G.M. (2002). Social Psychology (3rd Ed.) Chapter 13. – Web of Knowledge / Web of Science – ScienceDirect - http://www.sciencedirect.com
  85. 85. Explicações evolutivas do comportamento do Homem Quatro pontos fundamentais da evolução para reconhecer:  A evolução é um fato. As espécies vivas mudaram ou evoluíram no tempo. A teoria de evolução de Darwin tenta explicar as forças que causam as mudanças.  A seleção natural é o processo básico que determina a evolução.  Qualquer natural. atributo que melhora a reprodução será favorecido pela seleção
  86. 86. Explicações evolutivas do comportamento do Homem COMPORTAMENTO REPRODUTIVO DO HOMEM A natureza da seleção sexual  um problema adaptivo importante para mos sexos é a escolha de um par adequado.  várias características levam a um sucesso reprodutivo menor E por isso não são selecionadas. Uma capacidade reprodutiva baixa (como mais velho) é uma das características.
  87. 87. Explicações evolutivas do comportamento do Homem COMPORTAMENTO REPRODUTIVO DO HOMEM  A natureza da seleção sexual  os machos e as fêmeas enfrentam problemas adaptivos diferentes ao escolher um par.  porque as mulheres precisam realizar um investimento maior nos filhos, por via a gestação e cuidado parental, ficam mais seletivas na copula.  os machos precisam competir entre eles (competição intra-sexual) para serem escolhidos.
  88. 88. Explicações evolutivas do comportamento do Homem COMPORTAMENTO REPRODUTIVO DO HOMEM  FORMAS DA SELECÃO SEXUAL os indicadores físicos e de comportamento revelam os atributos que possam ser repassados aos filhos (‘bons genes’) e informação sobre as probabilidades da sobrevivência do par para proteger e apoiar os filhos (seleção para ‘bons pais’).  os indicadores tendem ser ‘Condicionalmente dependentes’ - os indivíduos mais saudáveis se cuidam melhor e fazem um uso melhor dos indicadores existentes (melhores cuidados e com aparência melhor).
  89. 89. Explicações evolutivas do comportamento do Homem COMPORTAMENTO REPRODUTIVO DO HOMEM  FORMAS DA SELECÃO SEXUAL  O Homem é ‘pré–programado’ para lidar com a sinalização desses indicadores importantes, o que aumente seu desejo copular.  o ser humano tem testículos de tamanho médio pelos padrões dos primatas, sugerindo que o normal do homem ancestral era ser moderamente competitivo, para proporcionar pares múltiplos para as fêmeas (Bakers e Bellis, 1995).
  90. 90. Explicações evolutivas do comportamento do Homem COMPORTAMENTO REPRODUTIVO DO HOMEM  CONSEQUENCIAS DA SELEÇÃO SEXUAL  Dimorfismo – diferencias físicas entre os sexos. Sistema reprodutivo poliandro – um macho e várias fêmeas.  a diferencia moderada de tamanho entre homens e mulheres sugere que nossa espécie evoluiu sob um sistema reprodutivo poligino, com uma seleção sexual mais intensa entre os machos do que entre as fêmeas
  91. 91. Explicações evolutivas do comportamento do Homem COMPORTAMENTO REPRODUTIVO DO HOMEM  CONSEQUENCIAS DA SELEÇÃO SEXUAL  Fêmeas com atributos de cara parecidos a crianças, como olhos grandes e narizes pequenas são consideradas universalmente mais atrativas (Perrett et al., 1994), as are males faces with testosteronio – influenced features such as strong jaws e narizes maiores (Thornhill e Gangestad, 1993) Neofilia (amor para o novo) influencia a escolha do par sexual em muitas espécies. Creative ‘behavioural courtship displays’ such as jokes, dance, music and art (Muller, 1998).
  92. 92. Explicações evolutivas do comportamento do Homem INVESTMIENTO PARENTAL  Diferencias sexuais  A seleção sexual ocorre como resultado dos níveis diferentes de investimento parental entre machos e fêmeas, como também entre machos e fêmeas individuais.  No Homem é a mulher que investe biologicamente mais no que o macho.
  93. 93. Explicações evolutivas do comportamento do Homem INVESTMIENTO PARENTAL  Diferencias sexuais Por que as mulheres investem mais do que os homens?   Anisogamia – as fêmeas investem na produção de poucas gametas grandes e ricas em energia (ovos), e os homens produzem muitas gametas de vida curta e renováveis (espermas).  Gestação e lactação – as fêmeas proporcionam mais recursos a zigoto em desenvolvimento internamente durante nove meses (gestação) e produzem leite para nutrir o filho (lactação).
  94. 94. Explicações evolutivas do comportamento do Homem INVESTMIENTO PARENTAL Diferencias sexuais  Por que as mulheres investem mais do que os homens?  Certeza da maternidade – devido a anisogamia e a concepção interna, as fêmeas sempre sabem que o filho é dela mas os machos não tem certeza acerca a paternidade.  Comitente aos recursos – devido a fatores expostos anteriormente e a natureza de dependência dos filhos, as fêmeas tem mais probabilidade para cuidado continuo do filho devido ao investimento já realizado da mae.
  95. 95. Explicações evolutivas do comportamento do Homem INVESTMIENTO PARENTAL  Diferencias sexuais Investimento masculino!  o investimento masculino após a concepção é duvidoso devido a carência de garantias parentais.
  96. 96. Explicações evolutivas do comportamento do Homem INVESTMIENTO PARENTAL  Diferencias sexuais  Investimento masculino!  Mais investimento masculino depende de [parte 1]: [1] o número de fêmeas disponíveis. [2] uma razão baixa de fêmeas a machos. [3] uma alto grau de competição com outros machos. [4] uma atração baixa a outras fêmeas (escolha do par sexual). Todos esses aumentarão o investimento em proles.
  97. 97. Explicações evolutivas do comportamento do Homem INVESTMIENTO PARENTAL  Diferencias sexuais  Investimento masculino  Mais investimento masculino depende de [parte 2]: [1] A probabilidade da sobrevivência da prole. [2] Clima rigorosa. [3] Muitos predadores. [4] Carência de alimento e apoio social. A prole tem menor probabilidade de sobreviver somente com o cuidado materno.

×