Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Bases Clínicas e Humanisticas para o desenvolvimento da Atenção Farmacêutica

4,694 views

Published on

Bases Clínicas e Humanisticas para o desenvolvimento da Atenção Farmacêutica

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Bases Clínicas e Humanisticas para o desenvolvimento da Atenção Farmacêutica

  1. 1. "Bases Clínicas e Humanísticas para o Desenvolvimento da Atenção Farmacêutica" Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson
  2. 2. Introdução <ul><li>Antes de abordar o tema “Atenção Farmacêutica” é importante traçar um cenário da área farmacêutica no Brasil e no mundo. </li></ul>
  3. 3. Contexto Histórico <ul><li>Hepler & Strand (1990) realizaram uma análise sobre os três períodos que consideram mais importantes da atividade farmacêutica no século XX, definindo-os como: </li></ul><ul><li>o tradicional; </li></ul><ul><li>o de transição; e </li></ul><ul><li>o de desenvolvimento da atenção ao paciente. </li></ul>
  4. 4. Período Tradicional <ul><li>O papel tradicional foi desenvolvido pelo boticário que preparava e vendia os medicamentos, fornecendo orientações aos seus clientes sobre o uso dos mesmos. Era comum prescrevê-los também. </li></ul>
  5. 5. Período de Transição <ul><li>Conforme a indústria farmacêutica começou a se desenvolver este papel do farmacêutico paulatinamente foi diminuindo. Começa assim o período de transição. </li></ul>
  6. 6. Período de Desenvolvimento de Atenção (“Care”) ao Paciente <ul><li>o farmacêutico em meio a uma grave crise de identidade profissional, iniciou sua reação fazendo nascer nos anos 60 a prática da farmácia clínica. </li></ul><ul><li>Passou a se conscientizar do seu papel para a saúde pública. </li></ul>
  7. 7. Foco no Paciente <ul><li>A prática farmacêutica orienta-se para a atenção ao paciente e o medicamento passa a ser visto como um meio ou instrumento para se alcançar um resultado, seja este paliativo, curativo ou preventivo. </li></ul>
  8. 8. Mercado Farmacêutico Mundial <ul><li>O mercado farmacêutico mundial movimenta mais de US$ 500 bilhões no mundo; </li></ul><ul><li>Um dos setores que mais investe em Pesquisa e Desenvolvimento; </li></ul><ul><li>Foco nos negócios (Capital); </li></ul><ul><li>Paciente em segundo plano. </li></ul>
  9. 9. Mercado Farmacêutico Brasileiro <ul><li>As vendas totais foram de US$ 2,5 bilhões no primeiro trimestre de 2007, contra US$ 2,2 bilhões em 2006; </li></ul><ul><li>Os genéricos ocupam 14,6% do mercado brasileiro (1º trimestre de 2007); </li></ul><ul><li>Total de 260 mil clientes atendidos e 669 milhões de unidades vendidas (dados Abrafarma de 2004). </li></ul>
  10. 10. Mercado Farmacêutico Brasileiro <ul><li>Ministério da Saúde (2003) em 2002 despendeu 1,8 bilhões de reais para a aquisição de medicamentos para uso em unidades ambulatoriais públicas. </li></ul>
  11. 11. Custos adicionais com o uso do medicamento <ul><li>Estima-se que nos EUA as reações adversas a medicamentos sejam a quarta a sexta causa de morte em hospitais, excedendo as mortes causadas por pneumonia e diabetes (White et al., 1999). </li></ul>
  12. 12. Custos adicionais com o uso do medicamento <ul><li>A morbimortalidade por esta causa é considerada comum e o custo estimado é da ordem de 136 bilhões de dólares ao ano (Holland & Degruy, 1997). </li></ul>
  13. 13. Mudança de paradigma <ul><li>a finalidade do trabalho do farmacêutico deixa de se focalizar no medicamento enquanto produto farmacêutico e passa a ser direcionada ao paciente, com a preocupação de que os riscos inerentes à utilização deste produto sejam minimizados. </li></ul>
  14. 14. Declaração de Tóquio <ul><li>Em 1993 a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou o documento conhecido como “Declaração de Tóquio” (OMS, 1993) coloca o paciente como foco das ações do farmacêutico. </li></ul>
  15. 15. “ Proposta de Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica” <ul><li>A “Proposta de Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica” (OPAS, 2002) tem por objetivo uniformizar os conceitos e a prática profissional no país. </li></ul>
  16. 16. “ Focos da Proposta de Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica” <ul><li>Educação em saúde; </li></ul><ul><li>Orientação farmacêutica; </li></ul><ul><li>Dispensação, atendimento e acompanhamento farmacêutico; e </li></ul><ul><li>Registro sistemático das atividades, mensuração e avaliação dos resultados. </li></ul>
  17. 17. Definição de Atenção Farmacêutica (Consenso Brasileiro) <ul><li>É a interação direta do farmacêutico com o usuário, visando uma farmacoterapia racional e a obtenção de resultados definidos e mensuráveis, voltados para a melhoria da qualidade de vida. </li></ul>
  18. 18. Humanização na Saúde <ul><li>Nos anos 2000 ganha força as estratégias para implantação de uma Política Nacional de Humanização no atendimento do SUS. </li></ul>
  19. 19. A humanização tem como bases: <ul><li>Valorização dos sujeitos: usuários, trabalhadores e gestores; </li></ul><ul><li>Fomento da autonomia e do protagonismo desses sujeitos; </li></ul><ul><li>Aumento do grau de co-responsabilidade na produção de saúde e sujeitos; </li></ul>
  20. 20. A humanização tem como bases: <ul><li>Estabelecimento de vínculos solidários e de participação coletiva na gestão; </li></ul><ul><li>Identificação das necessidades sociais de saúde; </li></ul><ul><li>Mudança nos modelos de atenção e de gestão dos processos de trabalho em saúde;e </li></ul><ul><li>Compromisso com melhoria das condições de trabalho e atendimento. </li></ul>
  21. 21. Importância da Humanização <ul><li>Para enfrentar as graves lacunas quanto ao acesso universal e equânime aos serviços e bens de saúde e à atenção integral à saúde. </li></ul><ul><li>Para modificar o quadro de desvalorização dos trabalhadores da saúde, de precarização das relações de trabalho (baixo investimento em educação permanente, baixa implicação no processo de gestão). </li></ul>
  22. 22. Implantação da Atenção Farmacêutica e Humanização na Saúde <ul><li>Na grande maioria das vezes, o farmacêutico da farmácia pública ou hospitalar tem uma gama enorme de tarefas burocráticas que o afastam do paciente </li></ul><ul><li>O farmacêutico brasileiro precisa gerenciar melhor seu tempo, diminuindo as tarefas administrativas e aumentando as atividades clínicas. </li></ul>
  23. 23. Implantação da Atenção Farmacêutica e Humanização na Saúde <ul><li>Para isto acontecer, é necessário saber delegar serviços aos colaboradores diretos, informatizar processos de rotina, portanto o farmacêutico deve mudar sua postura e enxergar o paciente como foco de seu trabalho. </li></ul>
  24. 24. Etapas Prévias para Execução de Ações de Atenção Farmacêutica <ul><li>Convencimento de quem tem poder de mando como Secretários de Saúde Estaduais e Municipais, diretores clínicos de hospitais, proprietários de redes de drogarias e farmácias; </li></ul><ul><li>Colocar o paciente como foco das ações; e </li></ul><ul><li>Definição de projetos específicos de atenção farmacêutica (por doenças, tipos de paciente, tipos de medicamentos). </li></ul>
  25. 25. Etapas de Execução de Ações de Atenção Farmacêutica <ul><li>Atendimento Farmacêutico (entrevista e anamnese); </li></ul><ul><li>Intervenção Farmacêutica; e </li></ul><ul><li>Acompanhamento/seguimento farmacoterapêutico. </li></ul>
  26. 26. Etapas de Pós-Execução de Ações de Atenção Farmacêutica <ul><li>Avaliação e monitoração de resultados; </li></ul><ul><li>Elaboração de relatórios; </li></ul><ul><li>Publicação científica dos resultados; </li></ul><ul><li>Reavaliação contínua das rotinas;e </li></ul><ul><li>Propositura constante de novos projetos conforme a demanda. </li></ul>
  27. 27. Perguntas??? [email_address]

×