1|   Apostila–O Amor à Comodidade                   O AMOR À COMODIDADE    Somente aqueles que praticam a santidade nesta ...
A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e |2    Havendo alcançado um ponto elevado em sua profissão, o Dr.John Che...
3|   Apostila–O Amor à Comodidadeinteiramente diversa se apreciassem a luz que Deus lhes tem dado,permitindo que ela irrad...
A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e |4    Em toda pessoa realmente convertida haverá genuína, santificadasim...
5|   Apostila–O Amor à Comodidadetrasladação para as cortes celestiais? Vós os estais preparando para setornarem membros d...
A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e |6santificadora influência da verdade. Muitos afugentam a Cristo de suaf...
7|   Apostila–O Amor à Comodidadepor outros. Uma vida de comodidade egoísta, isenta deresponsabilidade, constitui o ídolo ...
A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e |8considerar as suas conveniências e conforto, tendo sempre emmente o va...
9|   Apostila–O Amor à Comodidadeo comodismo jamais pode ser encontrado numa experiência cristã.Homens e mulheres verdadei...
A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e | 10Possuídos de amor aos que perecem, encontraremos nosso deleiteem seg...
11 |   Apostila–O Amor à Comodidadealguns vão até aos tribunais, em vez de seguirem a regra dada peloSalvador. (AA, 305)  ...
A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e | 12     Muitas pessoas que, mediante o amor do lucro ou dacomodidade, n...
13 |   Apostila–O Amor à Comodidadenenhum! A obra já está bastante adiantada. No ramo educativo, tudoestá arranjado para u...
A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e | 14e não mortos; como contristados, mas sempre alegres; comopobres, mas...
15 |   Apostila–O Amor à Comodidadedevido a nutrirem no coração orgulho, amor do mundo e àcomodidade, egoísmo, cobiça, inv...
A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e | 16dedicado emprego de suas faculdades físicas e mentais, deveriamter h...
17 |   Apostila–O Amor à Comodidadepecado, a fim de que você pudesse colocar-se em terreno firme comDeus. (MM, CT, 192)   ...
48. o amor à comodidade
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

48. o amor à comodidade

522 views

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
522
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

48. o amor à comodidade

  1. 1. 1| Apostila–O Amor à Comodidade O AMOR À COMODIDADE Somente aqueles que praticam a santidade nesta vida verão o Reiem Sua beleza. Ponha de lado toda conversa vã e frívola e tudo oque for de natureza fútil e sensacional. Não abarrote sua mentecom pensamentos de prazeres e entretenimentos mundanos.Envolva-se na obra de salvar sua alma. Se tivesse de perder sua alma,melhor seria nunca ter nascido. Mas você não precisa perder sua alma.Pode usar cada momento desta vida concedida por Deus para a glóriado Seu nome. Fortaleça-se para repelir os poderes das trevas, a fim deque não obtenham a vitória sobre você. Manuscrito 110, 1901 (Sermonsand Talks, págs. 174-176). (MM, CT, 198) Estende-se perante nós a eternidade. A cortina está para sercorrida. Em que estamos pensando, para que assim nosapeguemos ao nosso amor egoísta da comodidade, enquanto portoda parte ao nosso redor almas estão a perecer? Muitos ainda são provados como o foi Abraão. Não ouvem a vozde Deus falando diretamente do Céu, mas Ele os chama pelosensinos de Sua Palavra e acontecimentos de Sua providência. Podeser-lhes exigido abandonarem uma carreira que promete riquezae honra, deixarem associações agradáveis e proveitosas, esepararem-se dos parentes, para entrarem naquilo que pareceser apenas uma senda de abnegação, dificuldades e sacrifícios.Deus tem uma obra para eles fazerem; mas uma vida decomodidade, e a influência de amigos e parentes, embaraçariamo desenvolvimento dos traços essenciais para a sua realização.Ele os chama para fora das influências e auxílio humanos, e os levaa sentirem a necessidade de Seu auxílio, e a confiarem nElesomente, para que Ele possa revelar-Se-lhes. Quem está pronto, aochamado da Providência, para renunciar planos acariciados erelações familiares? Quem aceitará novos deveres e entrará emcampos não experimentados, fazendo a obra de Deus com umcoração firme e voluntário, considerando por amor a Cristo suasperdas como ganho? Aquele que deseja fazer isso tem a fé deAbraão. (SC, 181)
  2. 2. A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e |2 Havendo alcançado um ponto elevado em sua profissão, o Dr.John Cheyne não se esqueceu de suas obrigações para com Deus.Certa vez escreveu a um amigo: "Você talvez deseje saber o estadode minha mente. Estou humilhado até ao pó ao pensamento deque não há um ato de minha atarefada vida que resista ao olharde um Deus santo. Mas quando medito no convite do Redentor:Vinde a Mim, e que aceitei esse convite; e, além disso, minhaconsciência testifica que desejo ardentemente que minha vontade emtodas as coisas se conforme com a vontade de Deus, então tenhopaz; tenho o repouso prometido por Aquele em quem não foiencontrado nenhum engano." (MM, nos Lugares Celestiais, 235) Tem uma consciência livre de ofensas perante Deus e os homens?Suas amizades são de tal natureza a elevar sua mente a Deus e àscoisas celestiais, a aumentar em você o respeito por seus pais, e asaspirações puras e santas? Ama a verdade e o que é correto? Ou estáse entregando à imaginação criativa, que não tem influência sadiasobre a alma? Pode contemplar com satisfação o último ano desua vida? Pode perceber crescimento em força espiritual?Qualquer satisfação vulgar, qualquer comodismo, deixa umacicatriz na alma e as nobres virtudes da mente são corrompidas.Pode haver arrependimento, porém a alma está mutilada e levarásempre consigo sua cicatriz. Jesus pode limpar o pecado, mas aalma sofre uma perda. (CJN, 43) Coisa alguma despertará tanto um abnegado zelo e daráamplitude e resistência ao caráter como empenhar-se em trabalhopara benefício de outros. Muitos cristãos professos, ao procuraremas relações da igreja, não pensam senão em si mesmos. Desejamfruir a comunhão da igreja e os cuidados pastorais. Fazem-semembros de grandes e prósperas igrejas, e ficam satisfeitos com poucofazer pelos outros. Por esta maneira, estão-se roubando a si mesmos asmais preciosas bênçãos. Muitos seriam beneficiados em sacrificar suasaprazíveis associações, conducentes ao comodismo. Necessitam iraonde suas energias serão requeridas em trabalho cristão, eaprenderão a assumir as responsabilidades. (CBV 151) Uma vida passada em trabalho ativo para Deus, é uma vidaabençoada. Multidões que estão a desperdiçar a vida em frivolidades,em ociosas lamentações e inúteis queixumes, teriam uma experiência
  3. 3. 3| Apostila–O Amor à Comodidadeinteiramente diversa se apreciassem a luz que Deus lhes tem dado,permitindo que ela irradiasse sobre outros; e muitos tornam a vidamiserável por egoísmo e amor ao comodismo. Mediante diligenteatividade, sua vida se poderia tornar como brilhantes raios de solpara guiar ao caminho do Céu os que se acham na sombria estradada morte. Se assim fizerem, seu coração encher-se-á de paz e alegriaem Jesus Cristo. Review and Herald, 25 de outubro de 1881. (MJ, 202) Dirijo-me a vós que residis no grande centro da obra. Não podeisser formalistas descuidosos e irreverentes exclusivamente para vósmesmos. Muitas testemunhas estão olhando para vós, e muitos pautama sua conduta pela vossa. Uma vida irreligiosa não só sela a vossaprópria condenação, mas arruína também a outros. Vós que viveis ondetêm de ser mantidos tão grandes interesses, deveis ser homensexpeditos, fiéis sentinelas, que nunca deixem de estar de prontidão. Ummomento descuidado passado em comodismo egoísta ou emsatisfação própria pode conceder ao inimigo uma vantagem queanos de penoso labor não consigam reparar. Os que escolhemBattle Creek como seu lar devem ser homens e mulheres de fé eoração, leais aos interesses dos que os rodeiam. Sua única segurançaestá em andar com Deus. (FEC. 52) Satanás porá em campo todas as artes e artifícios paraconseguir nossa ruína. Se vos assentardes com os que amam ocomodismo, tendo nos lábios as palavras: "Estou salvo", edesrespeitardes os mandamentos de Deus, perder-vos-eiseternamente. Há em Jesus verdades que são terríveis para oscomodistas, os indolentes. Há em Jesus verdade plena de suave alegriapara os obedientes. É a alegria do Espírito Santo. Persuadi-vos, pois, aabrir a mente e o coração, para que possais ver todo raio de luz queresplandeça do trono de Deus. (I ME, 318) Será necessária coragem moral para fazer a obra de Deusinabalavelmente. Os que assim procedem não podem dar lugar aoamor-próprio, às considerações egoístas, ao amor e à comodidade,ou ao desejo de evitar a cruz. ... Obedeceremos nós à voz de Deus,ou ouviremos a sussurrante voz do maligno, e estaremos condenados auma sonolência fatal, justamente às vésperas das realidades eternas?Review and Herald, 7 de fevereiro de 1893. (MM, Minha ConsagraçãoHoje, 320)
  4. 4. A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e |4 Em toda pessoa realmente convertida haverá genuína, santificadasimpatia para com os sofrimentos de Cristo, por Ele suportados parasalvar o que era pecaminoso. Hão de, caso sejam colaboradores deCristo, vencer a comodidade egoísta, a satisfação própria, acondescendência com o próprio eu, e crescerão em nervos e músculosespirituais mediante o exercício das habilidades a eles dadas por Deuspara ganhar pessoas para Jesus Cristo. Essa obra designada peloCéu é calculada a dar largura e profundidade e estabilidade àexperiência cristã e ao caráter, e levar os obreiros à união comDeus para uma atmosfera mais elevada e pura, onde seu amor porCristo cresça sempre mais, e mais aumente seu amor para com ossemelhantes. Manuscrito 41, 1890. (MM, Nossa Alta Vocação, 297) Tenho muitos pensamentos de que não fui enviada a este país(Austrália) pelo Senhor. Sinto às vezes a convicção de que a vontade doSenhor era que eu permanecesse na Califórnia, em meu próprio lar, eescrevesse sobre a vida de Cristo, segundo fosse capaz. De uma coisaestou certa - que as pessoas precisam de ajuda neste país. E receeique fosse egoísmo ou comodismo de minha parte recusar ir àAustrália. (MM, Este Dia Com Deus, 59) Entregavam-se, porém, ao comodismo, sonhando em paz esegurança, enquanto o povo dormia em seus pecados. Jesus viu aSua igreja, semelhando a figueira estéril, coberta de pretensiosasfolhas e no entanto destituída do precioso fruto. Notava-sealardeada observância das formas da religião, enquanto faltava oespírito da verdadeira humildade, arrependimento e fé - o queunicamente poderia tornar aceitável o culto a Deus. Em vez das graçasdo Espírito, havia manifesto orgulho, formalismo, vanglória, egoísmo,opressão. Uma igreja apóstata fechava os olhos aos sinais dos tempos.Deus não a abandonou, nem permitiu que Sua fidelidade lhe faltasse;dEle, porém, afastara-se, e separara-se de Seu amor. Recusando-se elaa satisfazer às condições, Suas promessas não foram para com elacumpridas. (GC, 316) Não mais sejam os filhos expostos às tentações das cidadesmaduras para a destruição. Tem-nos o Senhor enviado advertência econselho para que saiamos das cidades. Então, não façamos maisinvestimentos nas cidades. Pais e mães, como apreciais a alma devossos filhos? Estais preparando os membros de vossas famílias para a
  5. 5. 5| Apostila–O Amor à Comodidadetrasladação para as cortes celestiais? Vós os estais preparando para setornarem membros da família real? Filhos do Rei celestial? "Queaproveita ao homem ganhar o mundo inteiro se perder a sua alma?"Mar. 8:36. Como se compararão o comodismo, o conforto e aconveniência com o valor da alma de vossos filhos? Manuscrito 76,1905. (II ME, 355) Os pais gostam demais da comodidade e do prazer, paradesempenharem na vida do lar a obra que Deus lhes designou. Nãoveríamos o terrível estado de maldade que existe entre a juventudeatual se esta tivesse sido devidamente educada em casa. Se os paisrealizassem a obra que lhes foi dada por Deus e ensinassem aosfilhos a restrição, abnegação e domínio próprio, tanto porpreceito como pelo exemplo, verificariam que, ao estaremprocurando cumprir o seu dever, de modo a receber a aprovaçãode Deus, estariam aprendendo preciosas lições na escola deCristo. Estariam aprendendo a paciência, a longanimidade, o amor ea mansidão; e essas são as mesmas lições que devem ensinar aosfilhos. (Orientação da Criança, 94) Podeis conjugar as melhores energias da mente, e no senso devossa responsabilidade para com Deus, podeis fazer o melhor possível,e não deixareis de avançar e vencer as dificuldades. Não vos senteisem indolente comodismo, sem fazer nenhum esforço especial pararealizar vossa obra. Fazei a escolha em alguma parte da grande vinhado Mestre e fazei uma obra que exija exercício de tato e talento. Reviewand Herald, 20 de maio de 1890. (MM, Nossa Alta vocação, 280) O verdadeiro cristão trabalha desinteressada einfatigavelmente pelo Mestre. Não busca comodismo nemsatisfação própria, mas põe tudo, até a própria vida, em sujeição aochamado de Deus. E a ele são dirigidas as palavras: "Quem perder asua vida por amor de Mim achá-la-á". Mat. 10:39. The Youths Instructor,12 de junho de 1902. (MM, Nossa Alta Vocação, 285) Com o comodismo e o amor-próprio, por gracejos echocarrices, e por buscar as honras mundanas. Podemos negá-Lopor nossa aparência exterior, pela conformidade com o mundo, porum ar orgulhoso ou vestes custosas. Unicamente por meio deconstante vigilância e perseverante e quase contínua oração,poderemos manifestar em nossa vida o caráter de Cristo ou a
  6. 6. A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e |6santificadora influência da verdade. Muitos afugentam a Cristo de suafamília por meio de um espírito impaciente e apaixonado. Estes têmalguma coisa a vencer nesse sentido. (I TS, 102) É o amor do comodismo, o amor do prazer, nosso amor próprio,exaltação, que nos impede de aprender as preciosas lições da vidana escola de Cristo. É dever do cristão não permitir que o ambiente e ascircunstâncias o moldem; mas viver acima do ambiente, modelando seucaráter segundo o Modelo divino. Ele deve cumprir seu dever comfidelidade, aproveitando as oportunidades a ele dadas por Deus, fazendoo máximo de suas aptidões. ... (MM, Para conhecê-lo, 93) O Senhor chama suave ao Seu jugo, e a Seu fardo, leve.Todavia esse jugo não nos dá uma vida de comodismo e liberdadee condescendências egoístas. A vida de Cristo foi de abnegação esacrifício a cada passo. E Seu verdadeiro seguidor, possuindo brandurae amor coerente, semelhantes a Ele, seguirá as pegadas de SeuMestre. Manuscrito 20, 1897. (Idem, 120) É o amor da comodidade egoísta, o amor do prazer, vossoamor-próprio, a exaltação do próprio eu que vos impede deaprender as preciosas lições da vida na escola de Cristo. Édever do cristão não se deixar moldar pelo ambiente e ascircunstâncias, mas viver acima das circunstâncias, formando ocaráter de acordo com o Modelo divino. Ele deve ser fiel emqualquer situação em que se encontre. Deve cumprir seu dever comfidelidade, aproveitando as oportunidades que lhe são dadas porDeus e utilizando suas capacidades da melhor maneira possível.Com o olhar voltado para a glória de Deus, deve trabalhar para Jesusonde quer que se encontre. Devemos entregar a vontade e o coraçãoa Deus, e familiarizar-nos com Cristo. Precisamos negar-nos a nósmesmos, tomar a cruz e seguir a Jesus. Nenhum de nós poderáchegar ao Céu senão pelo caminho estreito e em que é preciso levara cruz. Quantos, porém, usam a cruz como adorno pessoal, mas nãolevam a cruz na vida diária e prática! (MM, Exaltai-o, 246) Diz o Salvador: "Qualquer de vós que não renuncia a tudoquanto tem não pode ser Meu discípulo." Luc. 14:33. Tudo queafaste de Deus o coração, tem de ser renunciado. Mamom é o ídolode muitos. O amor do dinheiro, a ambição de fortuna, é a cadeia deouro que os liga a Satanás. Fama e honras mundanas são idolatradas
  7. 7. 7| Apostila–O Amor à Comodidadepor outros. Uma vida de comodidade egoísta, isenta deresponsabilidade, constitui o ídolo de outros. Mas estas cadeiasescravizadoras têm de ser partidas. Não podemos pertencer metade aoSenhor e metade ao mundo. Não somos filhos de Deus a menos que osejamos totalmente. ... (Fé Pela a Qual Eu Vivo, 154) Jesus olhou com infinita compaixão para o mundo em sua condiçãodegradada. Assumiu a forma humana para que pudesse pôr-Se emcontato com a humanidade e elevá-la. Veio buscar e salvar o perdido.Atingiu a maior profundeza da miséria e aflição humana, a fim de tomaro homem do modo como o encontrou, um ser manchado pelacorrupção, degradado pelo vício, depravado pelo pecado e unido aSatanás na apostasia, e elevá-lo a um lugar no Seu trono. Escreveu-se,porém, a Seu respeito que "não falhará nem será quebrantado", e Elefoi avante na senda da abnegação e da renúncia a Si mesmo,dando-nos o exemplo, para que sigamos as Suas pegadas.Devemos trabalhar como Jesus, renegando a nossa própriavontade, afastando-nos das seduções de Satanás, desprezando acomodidade e aborrecendo o egoísmo, a fim de salvar e buscar operdido, conduzindo almas das trevas para a luz, para o brilho doamor de Deus. Fomos encarregados de ir e pregar o evangelho a todacriatura. Devemos transmitir aos perdidos as boas novas de que Cristopode perdoar o pecado, renovar a natureza, revestir a alma das vestesde Sua justiça, pôr o pecador em conformidade com os Seus planos, eensiná-lo e habilitá-lo a ser cooperador de Deus. (FEC, 199) Ele não considerou o fator economia, mas viveuextravagantemente, e em suas viagens aqui e ali pôs dinheiro fora semnenhuma utilidade. Ele espalhou uma influência maléfica pelo usoindiscriminado do dinheiro do Senhor, e dizia a outros e em seu coração:Há recursos bastantes em J______, mais do que pode ser usado antesda vinda do Senhor. Alguns foram muito prejudicados por semelhanteconduta e vieram para a verdade com pontos de vista errôneos, nãocompreendendo que era o dinheiro do Senhor que estavam usando,não sentindo assim a importância dele. As pobres almas que apenas acabam de abraçar a terceiramensagem angélica e têm diante de si um exemplo dessa ordem terãomuito que aprender para se negarem a si mesmas e sofrerem por amorde Cristo. Terão de aprender a desprezar o comodismo, a não
  8. 8. A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e |8considerar as suas conveniências e conforto, tendo sempre emmente o valor das almas. Os que sentem sobre si o ai não farãograndes preparativos para viajar folgada e confortavelmente.Alguns sem vocação têm sido animados a ir para o campo. Outros têmsido afetados por essas coisas e não têm sentido a necessidade defazer economia, de se negarem, de reforçar o tesouro do Senhor. Elessentem e dizem: Há outros que têm recursos bastante; eles darão parao sustento da revista. Eu não preciso fazer nada. A revista será mantidasem o meu auxílio." (PE, 94) Então, quem de nós ingressou no serviço para esperar ascomodidades da vida, para estar de folga quando lhe aprouver,depondo a armadura de soldado e ficando à paisana, dormindo noposto do dever, e expondo assim a causa de Deus ao vitupério? Osque amam o comodismo não praticam a abnegação e pacienteperseverança; e quando há necessidade de homens pararealizarem grandes proezas para Deus, esses não se achamdispostos a responder: "Eis-me aqui; envia-me a mim." Isa. 6:8.Há trabalho árduo e penoso a ser feito, e felizes os que estiveremdispostos a efetuá-lo quando seus nomes forem chamados. Deusnão recompensará homens e mulheres no mundo futuro porprocurarem viver comodamente neste mundo (MM, RP, 345) Em sua incredulidade e amor ao comodismo, congregaram-senas partes já conquistadas, em vez de avançarem a ocupar novoterritório. Assim começaram a afastar-se de Deus. Por seu fracassoem executar Seu propósito, tornaram-Lhe impossível cumprir paracom eles a promessa de abençoá-los. Não está a igreja hojefazendo a mesma coisa? Tendo diante de si o mundo todo emnecessidade do evangelho, os professos cristãos congregam-se ondeeles mesmos possam desfrutar os privilégios do evangelho. Não sentema necessidade de ocupar novo território, levando a mensagem dasalvação para as regiões de além. Recusam-se a cumprir a ordem deCristo: "Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura."Mar. 16:15. Serão eles menos culpados do que foi a igreja judaica?(Testimonies, vol. 8, pág. 119.) Repetidas vezes tenho sido instruída a exortar nosso povo quanto asua responsabilidade individual de trabalhar, crer, e orar. A recepção daverdade bíblica conduzirá a um contínuo espírito de sacrifício, pois
  9. 9. 9| Apostila–O Amor à Comodidadeo comodismo jamais pode ser encontrado numa experiência cristã.Homens e mulheres verdadeiramente convertidos revelarão a cruzdo Calvário em seus atos diários. Há muitos adventistas do sétimo diaque não entendem que aceitar a causa de Cristo significa aceitar Suacruz. A única evidência de discipulado que provêem em sua vida está nonome que ostentam. Mas o verdadeiro cristão considera sua mordomiacomo uma coisa sagrada. Ele estuda a Palavra com perseverança, eentrega sua vida ao serviço de Cristo. (MM, Refletindo a Cristo, 279) Muita coisa está na dependência da incessante atividade dos quesão verdadeiros e leais; e por essa razão Satanás põe todo o esforçopossível no sentido de impedir o divino propósito a ser levado a efeitopor meio do obediente. Ele leva alguns a perderem de vista sua alta esanta missão, e a se tornarem satisfeitos com os prazeres desta vida.Encaminha-os para o comodismo, ou, com o propósito deencontrar maiores vantagens terrenas, a se mudarem dos lugaresonde poderiam ser uma força para o bem. Outros ele leva a,desanimados, fugirem do dever, em face de oposição ouperseguição. Mas todos estes são considerados pelo Céu com amais terna piedade. A cada filho de Deus, cuja voz Satanás tenhaconseguido silenciar, é dirigida a pergunta: "Que fazes aqui?" I Reis19:9. Comissionei-te para que fosses a todo o mundo e pregasses oevangelho, a fim de que o povo fosse preparado para o dia de Deus. Porque estás aqui? Quem te mandou? (PR, 172) Porventura a separação do mundo, em obediência à ordem divina,nos incapacitará para a obra que o Senhor nos deixou? Estorvar-nos-áde fazer o bem aos que nos rodeiam? - Não; quanto mais firmesestivermos em nosso apego ao Céu, tanto maior será nosso poder deprestatividade. Devemos estudar o Modelo, para que habite em nós oespírito que habitava em Cristo. O Salvador não era encontrado entre osexaltados e honrados do mundo. Não passava Ele o tempo entre os quebuscavam sua comodidade e prazer. Trabalhava para ajudar os quecareciam de auxílio, para salvar os perdidos e os que estavam prestes aperder-se, para levantar os oprimidos, para despedaçar o jugo dos quese achavam em cativeiro, para curar os doentes, e falar palavras desimpatia e consolação aos tristes e acabrunhados. Somos solicitados aseguir esse exemplo. Quanto mais participarmos do espírito deCristo, tanto mais procuraremos fazer pelos nossos semelhantes.Havemos de bendizer os necessitados e confortar os entristecidos.
  10. 10. A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e | 10Possuídos de amor aos que perecem, encontraremos nosso deleiteem seguir as pegadas da Majestade do Céu. ... (MM, Nos LugaresCelestiais, 312) Deus está chamando homens que estejam dispostos a deixarsuas fazendas, negócios, se necessário a família, para se tornaremmissionários para Ele. E o chamado será respondido. Tem havido nopassado homens que, constrangidos pelo amor de Cristo e pelasnecessidades dos perdidos, deixaram os confortos do lar e a sociedadede amigos, inclusive da esposa e filhos, para irem a terras estrangeiras,entre idólatras e selvagens, a fim de proclamar a mensagem demisericórdia. Muitos nessa empreitada perderam a vida, mas outros têmsurgido para levar a obra. Assim passo a passo a causa de Cristo temprogredido, e a semente semeada em tristeza tem produzido umaabundante colheita. O conhecimento de Deus tem sido estendidoamplamente, e a bandeira da cruz plantada em terras pagãs. (AA, 370) Meus irmãos, guardai-vos de um coração mau e incrédulo. APalavra de Deus é clara e escrupulosa nas suas restrições. Vai deencontro às vossas inclinações egoístas, por isso não lhe obedeceis.Os Testemunhos do Espírito dirigem a vossa atenção às Escrituras,assinalam os vossos defeitos de caráter, e reprovam os vossospecados; por isso não atentais neles. E para justificardes a vossaconduta carnal, amante do comodismo, começais a duvidar deque os Testemunhos sejam de Deus. Se obedecêsseis aos seusensinos, adquiriríeis a certeza de sua divina origem. Lembrai-vos deque a vossa dúvida não afetará a sua veracidade. Se são de Deus,ficarão de pé. (II, TS, 288 e 289) Satanás está constantemente procurando introduzirdesconfiança, alienação e malícia entre o povo de Deus. Somosmuitas vezes tentados a sentir que nossos direitos estão sendousurpados mesmo quando não há causa real para tais sentimentos.Aqueles cujo amor por si mesmos é mais forte que por Cristo e Suacausa, colocarão seus próprios interesses em primeiro lugar, e valer-se-ão de quase qualquer expediente a fim de guardá-los e mantê-los.Mesmo muitos que parecem ser cristãos conscienciosos são, peloorgulho e presunção, impedidos de ir particularmente àquele a quemconsideram em erro, a fim de falar-lhe no espírito de Cristo e juntosorarem um pelo outro. Quando se consideram ofendidos pelo irmão,
  11. 11. 11 | Apostila–O Amor à Comodidadealguns vão até aos tribunais, em vez de seguirem a regra dada peloSalvador. (AA, 305) O apóstolo ordenou aos crentes coríntios a atenderem às liçõescontidas na experiência de Israel. "Estas coisas foram-nos feitas emfiguras, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram." ICor. 10:6. Ele mostrou como o amor ao conforto e aos prazerestinha preparado o caminho para os pecados que atraíram a notávelvingança de Deus. Foi quando os filhos de Israel se assentaram acomer e a beber, e se levantaram para folgar, que se afastaram dotemor de Deus, o qual haviam experimentado quandopresenciaram a entrega da lei; e, fazendo um bezerro de ouro pararepresentar a Deus, o adoraram. E foi depois de haverem fruído umbanquete licencioso relacionado com a adoração de Baal-Peor, quemuitos dos filhos de Israel caíram por causa da licenciosidade. A ira deDeus se levantou e a Seu mando "vinte e três mil" (I Cor. 10:8) foramferidos pela praga num dia. (AA, 316) Hoje os ministros de Cristo deveriam ter o mesmo testemunhoque a igreja de Corinto deu dos trabalhos de Paulo. Mas conquantoneste tempo haja muitos pregadores, há grande escassez depastores santos e capazes - homens cheios do amor que havia nocoração de Cristo. O orgulho, a confiança própria, o amor do mundo, ocriticismo, o rancor, a inveja são os frutos que apresentam muitos queprofessam a religião de Cristo. Sua vida, em evidente contraste com avida do Salvador, não raro dá mau testemunho do caráter da obraministerial sob a qual se converteram. (AA, 328) Entregando-nos a Deus, temos necessariamente de renunciar atudo que dEle nos separe. Por isso diz o Salvador: "Qualquer de vósque não renuncia a tudo quanto tem não pode ser Meu discípulo." Luc.14:33. Tudo que afaste de Deus o coração, tem de ser renunciado.Mamom é o ídolo de muitos. O amor do dinheiro, a ambição defortuna, é a cadeia de ouro que os liga a Satanás. Fama e honrasmundanas são idolatradas por outros. Uma vida de comodidadeegoísta, isenta de responsabilidade, constitui o ídolo de outros.Mas estas cadeias escravizadoras têm de ser partidas. Não podemospertencer metade ao Senhor e metade ao mundo. Não somos filhos deDeus a menos que o sejamos totalmente. (CC, 44)
  12. 12. A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e | 12 Muitas pessoas que, mediante o amor do lucro ou dacomodidade, nada quereriam ter no restringir o comércio dasbebidas, verificaram, demasiado tarde, que esse comércio tinhaque ver com elas. Viu seus próprios filhos embrutecidos e arruinados.A anarquia anda a rédeas soltas. Corre risco a propriedade. A vida nãoestá em segurança. Multiplicam-se os acidentes por terra e mar.Doenças que crescem nos antros da imundícia e da miséria abremcaminho até aos lares senhoriais e luxuosos. Os vícios fomentadospelos filhos da depravação e do crime infectam filhos e filhas de casasdistintas e cultas. (CBV, 345) O Senhor designa que a luz que Ele nos deu sobre as Escriturasresplandeça com raios claros e brilhantes; e é o dever de nossoscolportores fazer um esforço forte e unido para que o desígnio de Deusseja cumprido. Uma grande e importante obra está diante de nós. Oinimigo das almas reconhece isto, e está empregando todos os meiosem seu poder para levar o colportor a buscar algum outro ramo detrabalho. Este estado de coisas deve mudar-se. Deus chama oscolportores a voltar à obra. Ele chama voluntários que ponham naobra todas as energias e conhecimentos, ajudando onde quer quehaja oportunidade. O Mestre chama a cada um para fazer a parteque lhe foi dada, segundo sua habilidade. Quem responderá aochamado? Quem sairá para trabalhar na sabedoria, na graça eamor de Cristo pelos que estão perto e longe? Quem quererásacrificar a comodidade e o prazer, e entrar nos lugares do erro, dasuperstição e das trevas, trabalhando zelosa e perseverantemente,falando a verdade em simplicidade, orando em fé, fazendo o trabalho decasa em casa? Quem neste tempo quererá sair fora do arraial, imbuídodo poder do Espírito Santo, levando o injúria por amor de Cristo, abrindoas Escrituras ao povo e chamando-o ao arrependimento? (ColportorEvangelista, 13) As igrejas em que se acham estabelecidas escolas, bem podemtremer ao se verem depositárias de responsabilidades moraisdemasiado grandes para serem expressas por palavras. Há de estaobra, nobremente iniciada, falhar ou enfraquecer por falta deconsagrados obreiros? Hão de os projetos e ambições egoístasachar lugar nesse empreendimento? Hão de os obreiros permitirque o amor do ganho, o amor da comodidade, a falta de piedade,excluam Cristo de seu coração e O eliminem da escola? De modo
  13. 13. 13 | Apostila–O Amor à Comodidadenenhum! A obra já está bastante adiantada. No ramo educativo, tudoestá arranjado para uma zelosa reforma, para uma educação maisverdadeira, mais eficaz. Há de nosso povo aceitar esse santo legado?Humilhar-se-ão eles ao pé da cruz do Calvário, prontos para todosacrifício e todo serviço também? (CSE, 190) "Porque tudo isso é por amor de vós", declarou, "para que a graça,multiplicada por meio de muitos, torne abundante a ação de graças,para glória de Deus." II Cor. 4:15. Não para o engrandecimento própriopregavam os apóstolos o evangelho. Era a esperança de salvar almasque os levava a devotar a vida a este trabalho. E era esta esperançaque os livrara de cessar seus esforços pelo temor dos perigos queos ameaçavam ou do sofrimento real. (AA, 332) Os homens são tentados a usar seus bens em benefício próprio, nasatisfação do apetite, no adorno pessoal ou no embelezamento de seuslares. Para estas coisas muitos membros da igreja não hesitam emgastar livremente, e até extravagantemente. Mas quando solicitados adar para o tesouro do Senhor, a fim de que se promova Sua obra naTerra, titubeiam. Talvez, sentindo que não podem escapar à conjuntura,dão uma importância tão insignificante que não raro gastam com coisasdesnecessárias. Não manifestam nenhum amor real pelo serviço deCristo, nenhum fervente interesse na salvação de almas. Nãoadmira que a vida cristã de tais criaturas seja uma existência atrofiada eenfermiça! (AA, 338) Os escritos de Paulo mostram que o ministro do evangelho deve serum exemplo das verdades que ensina, "não dando... escândalo emcoisa alguma, para que o nosso ministério não seja censurado". De suaprópria obra deixou-nos um quadro em sua carta aos crentes coríntios:"Tornando-nos recomendáveis em tudo; na muita paciência, nasaflições, nas necessidades, nas angústias, nos açoites, nasprisões, nos tumultos, nos trabalhos, nas vigílias, nos jejuns, napureza, na ciência, na longanimidade, na benignidade, no EspíritoSanto, no amor não fingido, na palavra da verdade, no poder deDeus, pelas armas da justiça, à direita e à esquerda, por honra epor desonra, por infâmia e por boa fama; como enganadores, esendo verdadeiros; como desconhecidos, mas sendo bemconhecidos; como morrendo, e eis que vivemos; como castigados,
  14. 14. A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e | 14e não mortos; como contristados, mas sempre alegres; comopobres, mas enriquecendo a muitos." II Cor. 6:3 e 4-10. (AA, 369) As fervorosas palavras de súplica do apóstolo não ficaram semfruto. O Espírito Santo operou com forte poder, e muitos cujos pésse haviam desviado para caminhos estranhos, retornaram a suaprimeira fé no evangelho. Daí em diante ficaram firmes na liberdadecom que Cristo os havia libertado. Na vida deles foram revelados osfrutos do Espírito - "amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade,bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio". Gál. 5:22 e 23. Onome de Deus fora glorificado e muitos foram acrescentados ao númerodos crentes em toda aquela região. (AA, 388) Entrementes, seus belicosos vizinhos, os filisteus, estavam ematividade. Depois da derrota em Ebenézer, tinham ainda conservado aposse de algumas fortalezas nas colinas, na terra de Israel; e agoraestabeleceram-se no centro mesmo do país. Em recursos, armamentose aparato militar, os filisteus tinham grande vantagem sobre Israel.Durante o longo período de seu domínio opressivo, esforçaram-se elespor fortalecer o seu poder, proibindo aos israelitas praticar o ofício deferreiro, com o receio de que fizessem armas de guerra. Depois daconclusão da paz, os hebreus ainda haviam recorrido às guarniçõesfilistéias para obter tais trabalhos conforme eram necessários. Dirigidospelo amor à comodidade, e pelo espírito vil causado pela longaopressão, os homens de Israel tinham em grande partenegligenciado prover-se de armas de guerra. Arcos e fundas eramusados na guerra e estes podiam os israelitas obter; mas nenhum haviaentre eles, com exceção de Saul e seu filho Jônatas, que possuísselança ou espada. I Sam. 13:22. (PP, 616) Muitos dos professos seguidores de Cristo não sentem maispreocupação pelas almas do que o faz o mundo. A concupiscênciados olhos e a soberba da vida, o amor à ostentação, o amor àcomodidade, separam de Deus os professos cristãos, e o espíritomissionário, em realidade, só existe em poucos. Que pode, porém,ser feito para abrir os olhos desses pecadores em Sião, e fazertremer os hipócritas? General Conference Bulletin, 1893, pág. 132.(SC, 35 e 36) Os que possuem mente carnal, não podem compreender asagrada força da verdade vital de que depende sua salvação,
  15. 15. 15 | Apostila–O Amor à Comodidadedevido a nutrirem no coração orgulho, amor do mundo e àcomodidade, egoísmo, cobiça, inveja, ciúmes, concupiscência,ódio e todo mal. Caso vencessem essas coisas, poderiam serparticipantes da natureza divina. Muitos deixam as positivas verdadesda Palavra de Deus, e negligenciam seguir a luz que lhes iluminaclaramente o caminho; tentam descobrir segredos não plenamenterevelados, conjecturar, falar e discutir acerca de questões que não sãochamados a compreender, as quais não têm que ver especialmentecom sua salvação. Milhares de pessoas têm sido assim iludidas porSatanás. Negligenciaram a fé e o dever presentes, os quais são claros ecompreensíveis para todos quantos se acham na posse de suasfaculdades de raciocínio; fixaram-se sobre teorias duvidosas e textosque não podiam compreender, e erraram com relação à fé; têm uma féconfusa. (I TS, 288) Em nosso convívio na sociedade, em famílias, ou em quaisquerrelações da vida em que sejamos colocados, limitadas ou vastas quesejam, há muitas maneiras por que podemos confessar a nossoSenhor, e muitos modos pelos quais O podemos negar. Podemosnegá-Lo por nossas palavras, falando mal de outros, porconversas levianas, gracejos e chocarrices, por palavrasociosas ou cruéis, ou por prevaricar, falando contrariamente àverdade. Por nossas palavras podemos confessar que Cristonão está em nós. Quanto ao nosso caráter, podemos negá-Lo peloamor da comodidade, esquivando-nos aos deveres eresponsabilidades da vida que devem recair sobre outros, se nós nãoos assumirmos, e amando os prazeres pecaminosos. Podemostambém negar a Cristo pelo orgulho no vestuário e conformidadecom o mundo, por uma conduta descortês. Podemos negá-Lo peloamor às nossas próprias opiniões, buscando sustentar e justificar opróprio eu. Também O podemos negar permitindo a mente girar emtorno do sentimentalismo amoroso, e demorando os pensamentossobre nossa suposta dura sorte, nossas provações. (I TS, 339) Pessoa alguma, seja rica seja pobre, pode glorificar a Deus poruma vida de indolência. Todo o capital possuído pelos pobres, é otempo e as forças físicas; e muitas vezes isto é gasto no amor dacomodidade e em descuidosa indolência, de modo que nada têmpara levar a seu Senhor em dízimos e ofertas. Se a homens cristãosfalta sabedoria para trabalhar da maneira mais proveitosa, e fazer
  16. 16. A p o s t i l a – O A m o r à C o m o d i d a d e | 16dedicado emprego de suas faculdades físicas e mentais, deveriamter humildade e mansidão de espírito para receber conselhos deseus irmãos, de modo que o melhor discernimento deles lhes possasuprir as deficiências. Muitos pobres agora satisfeitos com não fazercoisa alguma em benefício de seus semelhantes e para o progresso dacausa de Deus, muito poderiam fazer, caso o quisessem. São tãoresponsáveis diante de Deus por seu capital de forças físicas, como é orico pelo capital em dinheiro. (I TS, 380) Sua vida nos reprova a indiferença e frieza. Achamo-nos próximo aofim do tempo, tempo em que Satanás desceu, tendo grande ira,sabendo que lhe resta pouco tempo. Está operando com todo o enganoda injustiça naqueles que perecem. Por nosso grande Líder foideixado em nossas mãos o conflito, para que o levemos avantecom vigor. Não estamos fazendo a vigésima parte do que poderíamosfazer se estivéssemos alerta. A obra é retardada pelo amor dacomodidade e falta do espírito de abnegação de que nossoSalvador nos deu exemplo em Sua vida. Carecemos decooperadores de Cristo, de homens que sintam a necessidade de maisextensos esforços. A obra de nossos prelos não deve diminuir, masduplicar. Devem-se estabelecer escolas em vários lugares a fim deeducar nossos jovens em preparo para seu trabalho na divulgação daverdade. (I TS, 388) Cristo procura reproduzir-Se no coração dos homens; e faz isto porintermédio daqueles que nEle crêem. O objetivo da vida cristã é afrutificação - a reprodução do caráter de Cristo no crente, para que Sepossa reproduzir em outros. (MM, Exaltai-o, 275) Quando Cristo disse ao tentador: "Não só de pão viverá ohomem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus",repetiu as palavras que, mais de mil e quatrocentos anos antes, Eledissera a Israel. E as mesmas palavras estão escritas para nossaadmoestação. Devemos comungar com Aquele que nos dá vida, Aqueleque conserva o coração em atividade e o pulso batendo. Deus estáconcedendo o fôlego de vida a cada membro de Sua grande família aquiem baixo. Ele merece a sua sincera reverência, sua fervorosa devoção.Quando considera o que Ele tem feito em seu favor, como pode vocêdeixar de amá-Lo? Ele lhe deu o Seu Filho como propiciação pelo
  17. 17. 17 | Apostila–O Amor à Comodidadepecado, a fim de que você pudesse colocar-se em terreno firme comDeus. (MM, CT, 192) Se você confia em sua própria força e sabedoria, certamentefalhará. Deus pede inteira e completa consagração, e não aceitaráqualquer coisa aquém disso. Quanto mais difícil for a sua posição, tantomais necessitará de Jesus. O amor e o temor de Deus conservaram aJosé puro e incontaminado na corte do rei. ... (MM, CT, 93) Olhar para si mesmo não lhe dará luz, nem esperança, nem paz.Quanto mais você contemplar e ponderar essas coisas, tanto mais tristee desanimado ficará. Você agrada ao inimigo de Deus e da raçahumana ao continuar na caverna das trevas, onde não há um raioda Luz da vida. ... (MM, CT, 126)

×