1|   Apostila – Profecia                               PROFECIA                           A LUZ É CRESCENTEAo acompanharmo...
A p o s t i l a – P r o f eci a |2Em cada época há um novo desenvolvimento da verdade, umamensagem de Deus para essa geraç...
3|   Apostila – ProfeciaDeus permitiu que grande luz resplandecesse no espírito daqueleshomens escolhidos, revelando-lhes ...
A p o s t i l a – P r o f eci a |4do juízo. Isto se observa especialmente no livro de Daniel. Entretanto, aparte de sua pr...
5|   Apostila – Profecianas mãos de Deus, por Ele empregados para cumprirem Seuspropósitos de graça e misericórdia. Cada u...
A p o s t i l a – P r o f eci a |6ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles,indicava." Que lição para...
7|   Apostila – Profeciaexpositores da Palavra, porque, como os saduceus de outrora, eleseram ignorantes das Escrituras e ...
A p o s t i l a – P r o f eci a |8chamado "o testemunho do Jesus" (Apoc. 19: 10; cf. João 5: 39; Apoc.12: 17). O dom de pr...
9|   Apostila – ProfeciaO espírito de profecia é um dos dons do Espírito (ver. com. ICor.12:10;Efe.4:11). E quanto à manif...
A p o s t i l a – P r o f e c i a | 10do sétimo dia crêem que o ministério de EGW cumpre em uma formaincomparável com os r...
11 |   Apostila – ProfeciaOs adventistas do sétimo dia não consideram que os escritos de EGWsejam um substituto nem uma ad...
A p o s t i l a – P r o f e c i a | 12O dom de profecia foi manifestado na igreja durante a dispensaçãojudaica. Se desapar...
13 |   Apostila – ProfeciaQuem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer serácondenado. E estes sinais seguirão ao...
A p o s t i l a – P r o f e c i a | 14que foram abolidos? No mesmo capítulo? No mesmo capítulo onde osábado judaico é abol...
15 |   Apostila – Profeciamais tarde, escreveu o livro do Apocalipse? Este livro contém outro textoque costuma ser citado ...
A p o s t i l a – P r o f e c i a | 16E mais: Somos advertidos de que haveria nos últimos dias falsosprofetas, e a Bíblia ...
17 |   Apostila – Profeciatempo, se não tivesse de haver profetas então?"E Ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para...
A p o s t i l a – P r o f e c i a | 18compreendem com correção devem também compreender em união.Que é capaz de promover e...
19 |   Apostila – Profeciadado em Sua Palavra. Enganos espirituais e falsas profecias sãocomuns no presente tempo; e é ind...
A p o s t i l a – P r o f e c i a | 20seguinte forma: "Sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas." Dacomparação vemos...
22. profecia
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

22. profecia

591 views

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
591
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

22. profecia

  1. 1. 1| Apostila – Profecia PROFECIA A LUZ É CRESCENTEAo acompanharmos a cadeia de profecias, a verdade revelada para onosso tempo tem sido claramente vista e explicada. Somosresponsáveis pelos os privilégios que desfrutamos, e pela a luz queincide sobre nosso caminho. Os que viveram nas gerações passadasforam responsáveis pela a luz que lhes foi concedida. Sua mente foidespertada acerca de vários pontos da Escritura que lhes serviram deprova. Não compreenderam, porém, as verdades que hoje entendemos.Não foram responsáveis pela luz que não tiveram. Tinham a Bíblia,como nós; mas o tempo para ser esclarecida a verdade especialquanto ás cenas finais da história terrestre, é o das ultimasgerações que vivem na Terra.Verdades especiais foram adaptadas ás condições das gerações ámedida que existiram. A verdade presente, que é uma prova para opovo desta geração, não era prova aos das gerações que longe ficaram.Caso a luz que hoje brilha sobre nós relativamente ao sábado do quartomandamento houvesse sido dadas ás gerações do passado, Deus osteria considerado responsáveis por essa luz. (II TI, 692 / 93).Cada um dos diferentes períodos da historia da igreja se temdistinguido pelo desenvolvimento de alguma verdade especial,adaptada ás necessidades do povo de Deus naquele tempo. Toda novaverdade teve de enfrentar o ódio e a oposição; os que forambeneficiados por sua luz, sofreram tentações e provações. O Senhor dáao povo uma verdade especial quando este encontra em situação difícil.Quem ousa recusar-se a publicá-la? Ele ordena a Seus servos queapresentem o ultimo convite de misericórdia ao mundo. Eles não podempermanecer silenciosos, a não ser com perigo de sua alma. (GC, 609).
  2. 2. A p o s t i l a – P r o f eci a |2Em cada época há um novo desenvolvimento da verdade, umamensagem de Deus para essa geração. As velhas verdades são todasessenciais; a nova verdade não é independente da antiga, masdesdobramento dela. Só compreendendo as velhas verdades é quepodemos entender as novas. Quando Cristo quis expor aos discípulos averdade de Sua ressurreição, começou “por Moises, e por todos osprofetas”, e “explicava-lhes o que dele se achava em todas asEscrituras. Luc 24: 27. Mas a luz que brilha na nova ampliação daverdade, é que glorifica a velha.. O homem que rejeita ou despreza anova, não possui realmente a velha. Para ele perde seu poder vital etorna-se forma inanimada. (MM. Exaltai-o, 307).Muitos hoje se apegam de modo idêntico aos costumes e tradiçõesde seus pais. Quando o Senhor lhes envia mais luz, recusam-se aaceitá-la porque, não havendo ela sido concedida á seus pais, não foipor estes acolhida. Não estamos colocados onde nossos pais seachavam; conseqüentemente nossos deveres e responsabilidades nãosão os mesmos. Não seremos aprovados por Deus olhando para oexemplo de nossos pais a fim de determinar nosso dever, em vez depesquisar por nós mesmos a Palavra da verdade. Nossaresponsabilidade é maior do que foi a de nossos antepassados. Somosresponsáveis pela luz que receberam, e que nos foi entregue comoherança; somos também responsáveis pela luz adicional que hoje, daPalavra de Deus, está a brilhar sobre nós. (GC, 164).Incide sobre nós maior luz do que brilhou sobre nossos pais. Nãopodemos ser aceitos ou honrados por Deus prestando o mesmo serviço,ou fazendo as mesmas obras que nossos pais. Afim de sermos aceitose abençoados por Deus como eles foram, cumpre-nos imitar suafidelidade e seu zelo, aperfeiçoar nossa luz como eles fizeram à sua efazer como eles teriam feito caso vivessem em nossos dias. Cumpre-nos viver segundo a luz que brilha sobre nós, do contrário, essa luztornar-se-á em trevas. Deus requer de nós que manifestemos aomundo, no caráter e nas obras a medida do espírito de união e unidadeproporcional às sagradas verdades que professamos, e ao espírito dasprofecias que se estão cumprindo nesses últimos dias. A verdade queatingiu nosso entendimento e a luz que nos incidiu sobre a mente nosjulgará e condenará, caso dela nos desviemos e recusemos ser por elaguiados. (TI 1, 262-263).
  3. 3. 3| Apostila – ProfeciaDeus permitiu que grande luz resplandecesse no espírito daqueleshomens escolhidos, revelando-lhes muitos dos erros de Roma; mas elesnão receberam toda a luz que devia ser dada ao mundo. Por meiodestes Seus servos, Deus estava guiando o povo para fora das trevas docatolicismo; havia, porém, muitos e grandes obstáculos a serem por elesenfrentados, e Ele os guiou, passo a passo, conforme o podiamsuportar. Não estavam preparados para receber toda a luz de umavez. Como o completo fulgor do Sol do meio-dia para os que durantemuito tempo permaneceram em trevas, fosse ela apresentada, tê-los-iafeito desviarem-se. Portanto Ele a revelou aos dirigentes pouco a pouco,à medida que podia ser recebida pelo povo. De século em século,outros fiéis obreiros deveriam seguir-se para guiar o povo cada vezmais longe no caminho da Reforma. (GC, 103)Na profecia da mensagem do primeiro anjo, no capítulo 14 deApocalipse, é predito um grande despertamento religioso sob aproclamação da breve vinda de Jesus. É visto um anjo a voar "pelo meiodo céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitamsobre a Terra, e a toda nação, e tribo, e língua, e povo". "Com grandevoz" ele proclama a mensagem: "Temei a Deus, e dai-Lhe glória; porquevinda é a hora do Seu juízo. E adorai Aquele que fez o céu, e a Terra, eo mar, e as fontes das águas." Apoc. 14:6 e 7.É significativo o fato de afirmar-se ser um anjo o arauto destaadvertência. Pela pureza, glória e poder do mensageiro celestial, asabedoria divina foi servida de representar o caráter exaltado da obra acumprir-se pela mensagem, e o poder e glória que a deveriamacompanhar. E o vôo do anjo "pelo meio do céu", "a grande voz" comque é proferida a advertência, e sua proclamação a todos os "quehabitam sobre a Terra", "a toda a nação, e tribo, e língua, e povo",evidenciam a rapidez e extensão mundial do movimento.A própria mensagem derrama luz sobre o tempo em que estemovimento deve ocorrer. Declara-se que faz parte do "evangelhoeterno", e anuncia a abertura do juízo. A mensagem da salvação temsido pregada em todos os séculos; mas esta mensagem é uma parte doevangelho que só poderia ser pregada nos últimos dias, pois somenteentão seria verdade que a hora do juízo havia chegado. As profeciasapresentam uma sucessão de acontecimentos que nos levam ao início
  4. 4. A p o s t i l a – P r o f eci a |4do juízo. Isto se observa especialmente no livro de Daniel. Entretanto, aparte de sua profecia que se refere aos últimos dias, Daniel teve ordemde fechar e selar, até "o tempo do fim". Não poderia, antes quealcançássemos o tempo do juízo, ser proclamada uma mensagemrelativa ao mesmo juízo e baseada no cumprimento daquelas profecias.Mas, no tempo do fim, diz o profeta, "muitos correrão de uma parte paraoutra, e a Ciência se multiplicará". Dan. 12:4.O apóstolo Paulo advertiu a igreja a não esperar a vinda de Cristo emseu tempo. "Porque não será assim", diz ele, "sem que antes venha aapostasia, e se manifeste o homem do pecado." II Tess. 2:3. Nãopoderemos esperar pelo advento de nosso Senhor senão depois dagrande apostasia e do longo período do domínio do "homem dopecado". Este "homem do pecado", que também é denominado"mistério da injustiça", "filho da perdição", e "o iníquo", representa opapado, que, conforme foi anunciado pelos profetas, deveria manter suasupremacia durante 1.260 anos. Este período terminou em 1798. Avinda de Cristo não poderia ocorrer antes daquele tempo. Paulo, com asua advertência, abrange toda a dispensação cristã até ao ano de 1798.É depois dessa data que a mensagem da segunda vinda de Cristodeve ser proclamada.Semelhante mensagem jamais foi apresentada nos séculospassados. Paulo, como vimos, não a pregou; indicara aos irmãos avinda do Senhor num futuro então muito distante. Os reformadoresnão a proclamaram. Martinho Lutero admitiu o juízo para mais oumenos trezentos anos no futuro, a partir de seu tempo. Desde 1798,porém, o livro de Daniel foi descerrado, aumentou-se o conhecimentodas profecias, e muitos têm proclamado a mensagem solene do juízopróximo. (GC, 355 – 357) NEM MESMO OS PROFETAS CONPREENDERAM TODA LUZNenhuma verdade é mais claramente ensinada na Escritura do queaquela segundo a qual Deus, pelo Seu Espírito Santo, dirige de maneiraespecial Seus servos sobre a Terra, nos grandes movimentos que têmpor objetivo promover a obra da salvação. Os homens são instrumentos
  5. 5. 5| Apostila – Profecianas mãos de Deus, por Ele empregados para cumprirem Seuspropósitos de graça e misericórdia. Cada um tem a sua parte adesempenhar; a cada qual é concedida uma porção de luz,adaptada às necessidades de seu tempo, e suficiente para ohabilitar a efetuar a obra que Deus lhe deu a fazer. Nenhum homem,porém, ainda que honrado pelo Céu, já chegou a compreendercompletamente o grande plano da redenção, ou mesmo a aquilatarperfeitamente o propósito divino na obra para o seu próprio tempo. Oshomens não compreendem plenamente o que Deus deseja cumprir pelamissão que lhes confia: não abrangem, em todos os aspectos, amensagem que proclamam em Seu nome."Porventura alcançarás os caminhos de Deus, ou chegarás à perfeiçãodo Todo-poderoso?" "Os Meus pensamentos não são os vossospensamentos, nem os vossos caminhos os Meus caminhos, diz oSenhor. Porque, assim como os céus são mais alt do que a Terra, assimsão os Meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos e osMeus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos." "Eu souDeus, e não há outro deus, não há outro semelhante a Mim; queanuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas queainda não aconteceram." Jó 11:7; Isa. 55:8 e 9; 46:9 e 10.Mesmo os profetas que eram favorecidos com iluminação especialdo Espírito, não compreendiam plenamente a significação dasrevelações a eles confiadas. O sentido deveria ser desvendado deséculo em século, à medida que o povo de Deus necessitasse dasinstruções nelas contidas.Pedro, escrevendo acerca da salvação trazida à luz pelo evangelho, diz:"Da qual salvação inquiriram e trataram diligentemente os profetasque profetizaram da graça que vos foi dada, indagando que tempoou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles,indicava, anteriormente testificando os sofrimentos que a Cristohaviam de vir, e a glória que se lhes havia de seguir. Aos quais foirevelado que, não para si mesmos, mas para nós, elesministravam." I Ped. 1:10-12.Entretanto, ao mesmo tempo em que não era dado aos profetascompreender completamente as coisas que lhes eram reveladas,buscavam fervorosamente obter toda a luz que Deus fora servido tornarmanifesta. "Inquiriram e trataram diligentemente", "indagando que tempo
  6. 6. A p o s t i l a – P r o f eci a |6ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles,indicava." Que lição para o povo de Deus na era cristã, para o benefíciodo qual foram dadas aos Seus servos estas profecias! "Aos quais foirevelado que não para si mesmos, mas para nós, elesministravam." Considerai como os santos homens de Deus"inquiriram e trataram diligentemente", com respeito a revelaçõesque lhes foram dadas para as gerações ainda não nascidas.Comparai seu santo zelo com a descuidada indiferença com que osfavorecidos dos últimos séculos tratam este dom do Céu. Queexprobração àquela indiferença comodista e mundana, que se contentaem declarar que as profecias não podem ser compreendidas! Posto quea mente finita do homem não seja apta a penetrar nos conselhos do Serinfinito, ou compreender completamente a realização de Seuspropósitos, muitas vezes é por causa de algum erro ou negligência desua parte que tão palidamente entendem as mensagens do Céu. Comfreqüência, a mente do povo, e mesmo dos servos de Deus, se acha tãocegada pelas opiniões humanas, as tradições e falsos ensinos, queapenas pode parcialmente apreender as grandes coisas que Ele revelouem Sua Palavra. (GC, 343 – 345)Há grandes verdades, por muito tempo ocultas sob o monturo doerro, que devem ser reveladas ao povo. A doutrina da justificação pelafé tem sido perdida de vista por muitos que têm professado crer naterceira mensagem angélica. (I ME, 360); por favor confira no livro napág. 361, para ter maiores informações. (João 21: 25; 20: 30)A espezinhada lei de Deus tem de ser exaltada diante do povo; assimque eles se volvam sincera e reverentemente para as Santas Escrituras,a luz do Céu lhes revelará coisas extraordinárias da lei de Deus.Grandes verdades há muito veladas pelas superstições e falsasdoutrinas, irradiarão das iluminadas páginas da Palavra Sagrada.As Sagradas Escrituras derramarão seus tesouros novos e velhos,levando luz e júbilo a todos quantos os receberem. Muitos sãodespertados de sua sonolência. Erguem-se como da morte, e recebema luz da vida que unicamente Cristo pode dar. Verdades que sedemonstraram insuperáveis para gigantescos intelectos, sãocompreendidas por criancinhas em Cristo. A estes é plenamenterevelado o que tem nublado a percepção espiritual dos mais doutos
  7. 7. 7| Apostila – Profeciaexpositores da Palavra, porque, como os saduceus de outrora, eleseram ignorantes das Escrituras e do poder de Deus. (IITS, 130)Muitos têm chegado a negar doutrinas que são, com efeito, as colunasda fé cristã. Os grandes fatos da criação conforme sãoapresentados pelos escritores inspirados, a queda do homem, aexpiação, a perpetuidade da lei de Deus, são praticamente rejeitados,quer no todo, quer em parte, por vasta proporção do mundo queprofessa o cristianismo. Milhares que se orgulham de sua sabedoria eindependência, consideram como prova de fraqueza depositar implícitaconfiança na Bíblia; acham que é prova de talento e saber superiores,cavilar a respeito das Escrituras Sagradas, e espiritualizar e explicarevasivamente suas mais importantes verdades. (GC, 583)O Pastor E. J. Waggoner teve o privilégio de falar claramente, e deapresentar seus pontos de vista sobre a justificação pela fé e a justiçade Cristo em relação com a lei. Isso não era nova luz, mas velha luzcolocada onde devia estar na mensagem do terceiro anjo. ... Qual éo teor dessa mensagem? João vê um povo. Ele diz: "Aqui está apaciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos deDeus e a fé de Jesus." Apoc. 14:12. João contempla esse povo umpouco antes de ver o Filho do homem "tendo na cabeça uma coroa deouro, e na mão uma foice afiada" Apoc. 14:14. (II ME, 168) ProfeciaQuer dizer, a faculdade de falar com autoridade de parte de Deus, ou nonome de Deus, seja para predizer acontecimentos futuros ou paradeclarar a vontade de Deus para o presente (Ex. 3: 10 14: 15, Deut. 18:15, 18; Atos 3: 22-23; 7: 37-38; 2 Sam 23: 2; Mat. 11: 9-10; 2Pe. 1: 21).A profecia é o meio escolhido Por Deus para comunicar-se com ohomem (Prov. 29: 18; Núm. 12: 6; Amós 3: 7). A Bíblia chegou até aoshomens por meio deste dom (ver 2 Tim. 3: 16; 2 Ped. 1: 20-21). AsEscrituras atestam de Jesus, e o dom de profecia é apropriadamente
  8. 8. A p o s t i l a – P r o f eci a |8chamado "o testemunho do Jesus" (Apoc. 19: 10; cf. João 5: 39; Apoc.12: 17). O dom de profecia se manifesta por meio de visões, ou sonhosou uma inspiração especial que chega à mente (ver Núm. 12: 6; Apoc.1: 1-3); e então o instrumento humano se converte no porta-voz de Deus(ver 2 Sam. 23: 2; Mat. 3: 3; 2 Ped. 1: 21). Deus tinha o propósito de queeste importante dom do Espírito estivesse com sua igreja até o fim dotempo (ver Joel 2: 28-29; Apoc. 12: 17; 19: 10). Na realidade, deve sera Profecia um sinal para identificar à verdadeira igreja de Deus nosúltimos dias.(Apoc. 12: 17; 19: 10). Isto é muito razoável, porque Deus sempreesteve usando este meio para revelar-se e repartir suas mensagens aomundo desde a queda do Adão. Discernimento de espíritosQuer dizer, a capacidade para distinguir entre a inspiração divina e aque é Falsificada (ver 1 João 4: 1-3; TM 230-231). Cristo advertiu a suaigreja que surgiriam falsos profetas, especialmente nos últimos dias, etodos devem estar alerta para reconhecer e rejeitar a esses falsosprofessores (ver Mat. 24: 4-5, 11, 23-25). Os apóstolos da igrejaprimitiva possuíam a capacidade de poder distinguir os prega doureverdadeiros dos falsos e seus professores (ver Atos. 5: 1-10; 13: 9-11).Este dom era necessário nos primeiros dias da igreja, quando,indubitavelmente, havia muitos que pretendiam possuir estes dons.Satanás sempre esteve preparado para falsificar a verdade, e comfreqüência apóia as falsas pretensões dos fingidores mediante milagressobrenaturais (2 Tes. 2: 9; Apoc. 13: 13-14). O ESPÍRITO DE PROFECIAE quanto à palavra “Profecia”, comparar-se com a palavra “Profeta” emMat. 11:9. O Espírito Santo foi envaido para dar testemunho de Jesus(João 15:26), e seu testemunho e equivalente ao de Jesus em pessoa.
  9. 9. 9| Apostila – ProfeciaO espírito de profecia é um dos dons do Espírito (ver. com. ICor.12:10;Efe.4:11). E quanto à manifestação deste dom entre o povode Deus nos últimos dias, ver nota adicional no final do capitulo;com. cap. 12:17. NOTA ADICIONAL DO CAPITULO 19 DE APOCALIPSEApoc 12: 17; 19: 10; para que? Prov 29: 18; como Deus considera seusprovetas? Amos 3: 7; como saber se o profeta é falso ou verdadeiro? Isa8: 20; qual o estado do profeta em visão?. Num 24: 4. qual o sinalinfalível para provar um profeta de Deus? Dan 10: 16, 17; Existe maisprofetas de Deus ou falsos? I Reis 18: 17 - 19 e 22; qual a vantagem decrê nos profetas de Deus? II Croni 20: 20; houve profeta de Deus depoisda ressurreição de Cristo? Atos 21: 8 -10; Deus prometeu algum profetapara os nossos dias? Apoc 10: 11.No cap. 12:17 João fala do testemunho de Jesus Cristo, o qual é otestemunho da profecia, como um dos dons que identifica oremanescente (ver. Comentário respectivo na nota adicional do cap. 12).A palavra profecia descreve qualquer mensagem inspirada, comunicadapor Deus por meio de um profeta (ver. Mat. 11:9). A profecia pode seruma predição dos acontecimentos futuros, porém em geral não é. Aexpressão “espírito de Profecia” se refere especificamente a“manifestação do Espírito” na forma de um dom especial do EspíritoSanto que inspira ao que recebe e o capacita para falar com autoridadecomo representante de Deus (I Cor 12:7-10) quando é “inspirado pelo oEspírito Santo” para fazê-lo (II Pedro 1:21). O contexto da expressão deApoc. 19:10 define este sentido “o testemunho de Jesus” é o “espírito daProfecia”. Em vista de que o resto do capitulo 12:17 se refereespecificamente a igreja depois de terminar os 1.260 dias proféticos dosvers. 6 e 14, são dizer, depois de 1.798 (ver. com. Dan. 7:25), o cap.12:17, fica como uma clara predição da manifestação especial do“espírito” ou “don” de profecia na igreja de nossos dias. Os adventistas
  10. 10. A p o s t i l a – P r o f e c i a | 10do sétimo dia crêem que o ministério de EGW cumpre em uma formaincomparável com os requisitos de Apoc. 12:17.Nenhum dos escritores do NT sugere que o dom de profecia terminariacom a igreja apostólica; pelo o contrario, Paulo declara que haveria decontinuar com os outros dons do Espírito que enumera em Efe. 4:11, atéque todos cheguemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho deDeus, a um farão perfeito, na medida da estrutura da plenitude de Cristo(vers. 13). Todos os outros dons especiais mencionados no vers. 11seguem necessitando os homens e as mulheres, ainda são capacitadospelo o Espírito Santo para cumprir estas funções. Por que haveria deconsidera-se como uma exceção o dom de profecia?Sempre tem havido manifestações falsas dos dons profético. Nãosucedeu assim nos tempos do AT (II Cron. 18; Jer. 27-29) sim queNosso Senhor previu que igreja cristã seria perturbada por falsosprofetas, na medida em que se aproximar o tempo da volta de Cristo(Mat. 24:11,24). O poder desses falsos profetas seria tão grande que sefosse possível enganaria até os escolhidos. O fato de Cristo teradvertido contra as falsas manifestações do dom profético antes da Suasegunda vinda, é um poderoso argumento para esperar que tambémhaveria manifestações verdadeiras deste dom. Do contrário poderiasimplesmente ter advertido que não devia aceitar nenhum profeta.Em harmonia com advertência de Cristo João aconselha que prove osque afirmam que tem dons espirituais confirmado ( I João 4:1), a fim dedeterminar se estes dons são genuínos. As Escrituras especifica certasnormas pelas as quais se devem medir os que asseguram que falampor Deus: (1) a vida pessoal do profeta deve estar em harmonia com osensinamentos das Escrituras (Mat. 7:15-20); (2) suas mensagensdevem também concordar com as Escrituras: (3) seu ministério devetambém exaltar a Cristo como o Filho de Deus e Salvador dos homens (IJoão 4:2); (4) seu ministério deve ser confirmado por prediçõescumpridas (Jer. 28:9 cf. I Sam 3:19). É razoável esperar, que asmensagens que dá sejam de beneficio prático para a igreja, queoportunas e apropriadas e que estejam livres de influencias humanas, eque quando recebida uma visão sua experiência seja similar a dosprofetas bíblicos. A vida e o ministério de EGW cumprem plenamenteestes requisitos.
  11. 11. 11 | Apostila – ProfeciaOs adventistas do sétimo dia não consideram que os escritos de EGWsejam um substituto nem uma adição ao cano sagrado. Para osadventistas do sétimo dia a Bíblia é a única e suprema como a prova defé e prática cristã (PE 78). Os escritos de E.G.W são – de acordo comsuas próprias palavras – uma luz menor para guiar os homens e asmulheres a luz maior. Os escritos do espírito de profecia nãoapresentam um novo caminho de salvação, sim tem o propósito de queos homens compreendam e aprecie a Bíblia e aproveitem a fonte desalvação que ela revela.Alguns têm especulado, argumentando que há grau de expiração.Consideram que profeta como Débora, Natan e Agabo possuíam umgrau de inspiração inferior ao dos escritores canônicos. De acordo comeste conceito consideram que Ellen G.White possuía um grau deinspiração inferior. Porém a Bíblia não diz nada quanto a graus deinspiração e nem apóia essa idéia em nenhuma forma. Os adventistasdo sétimo dia crêem que todas estas especulações não só são ociosase também perigosas. As mentes limitadas, como podem esperar quecompreendam o mistério da maneira em que Deus, por meio do Espíritoilumina a mente de seus portadores escolhidos.PROFECIA é dizer faculdade de falar com autoridade da parte de Deus,ou no nome de Deus, quer seja para predizer acontecimentos futuros,ou para declarar a vontade de Deus para o presente (Ex 3: 10, 14-15;Deut 18: 15, 18; II Sam 23: 2; Mat 11: 9-10;II Pe 1: 21;), a Profecia é omeio escolhido por Deus para comunicar com o homem (ver Num 12: 6;Amós 3: 7). A Bíblia tem chegado até aos homens por meio deste dom(ver II Tim 3: 16; II Pe 1: 20-21), as Escrituras testificam de Jesus, e odom de profecia é apropriadamente chamado “O Testemunho de Jesus”(Apoc 19: 10; cf .João 5: 39; Apoc 12: 17), o dom de profecia semanifesta por meio de visões, sonhos ou uma inspiração especialque chega a mente (ver Num 12: 6; Apoc ‘1: 1-3); então o instrumentohumano se torna um porta voz de Deus ( ver II Sam 23: 2; Mat 3: 3; II Pe1: 21), Deus tem um propósito de que este importante dom do Espíritoesteja com sua igreja até o fim do tempo (ver Joel 2: 28-29; Apoc 12: 17;19: 10). Isto é muito razoável, porque Deus sempre tem estado usandoeste meio para revelar e repartir suas mensagens ao mundo desde aqueda de Adão. (Comentário Bíblico pag 766)
  12. 12. A p o s t i l a – P r o f e c i a | 12O dom de profecia foi manifestado na igreja durante a dispensaçãojudaica. Se desapareceu por uns poucos séculos perto do fim dessadispensação, por causa da condição corrupta da igreja, reapareceu aoseu final para introduzir o Messias. Zacarias, o pai de João Batista, "foicheio do Espírito Santo e profetizou". Luc. 1:67. Simeão, homem justo edevoto que foi, "esperando a consolação de Israel" (Luc. 2:25), veio peloEspírito ao templo, e profetizou de Jesus como "luz para alumiar asnações, e para glória de Teu povo Israel" (Luc. 2:32); e Ana, umaprofetisa, "falava dEle a todos os que esperavam a redenção emJerusalém" Luc. 2:38. E não houve maior profeta do que João Batista,que foi escolhido por Deus para introduzir a Israel "o Cordeiro de Deus,que tira o pecado do mundo". João 1:29.A era cristã começou com o derramamento do Espírito, e grandevariedade de dons espirituais se manifestou entre os crentes. Tãoabundantes eram que Paulo dizia à igreja de Corinto: "A manifestaçãodo Espírito é dada a cada um para o que for útil" (I Cor. 12:7) - a cadaum na igreja, não no mundo, como muitos têm aplicado.Desde a grande apostasia, esses dons raramente têm-se manifestado;e esta é provavelmente a razão por que professos cristãos geralmentecrêem que eles foram limitados ao período da igreja primitiva. Mas não éem virtude de erros e incredulidade da igreja que os dons cessaram? Equando o povo de Deus alcançar a primitiva fé e prática, comocertamente sucederá pela proclamação dos mandamentos de Deus e afé de Jesus, não é certo que a "chuva serôdia" de novo desenvolverá osdons? Com base na analogia, podemos esperar que assim seja.Não obstante as apostasias da era judaica, esta se iniciou e encerroucom especial manifestação do Espírito de Deus. E não é razoável suporque a era cristã - cuja luz comparada com a da anterior dispensação écomo a luz do Sol em comparação com os tênues raios da Lua -comece em glória e termine em obscuridade. E uma vez que a operaçãoespecial do Espírito foi necessária a fim de preparar um povo para oprimeiro advento de Cristo, muito maior sê-lo-á para o segundo,especialmente considerando que os últimos dias serão perigosos comonunca antes, e os falsos profetas deverão ter poder para realizargrandes sinais e maravilhas, de tal maneira que, se possível,enganariam até os escolhidos. Voltando às Escrituras da verdade:"E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.
  13. 13. 13 | Apostila – ProfeciaQuem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer serácondenado. E estes sinais seguirão aos que crerem: em Meu nome,expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e,se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; eimporão as mãos sobre os enfermos e os curarão." Mar. 16:15-18.A tradução de Campbell diz: "Estas miraculosas faculdadesacompanharão os crentes." Os dons não foram circunscritos aosapóstolos, mas estenderam-se aos crentes. Quem os receberá?Aqueles que crerem. Até quando? Não há limitação; a promessa segueparalela com a grande comissão de pregar o evangelho e alcançar oúltimo crente.Mas objeta-se que este auxílio foi prometido somente aos apóstolos eaos que cressem por intermédio de sua pregação; que eles cumpriram acomissão, estabeleceram o evangelho e que os dons cessaram comaquela geração. Vejamos se a grande comissão terminou com aquelageração."Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, edo Filho, e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisasque Eu vos tenho mandado; e eis que Eu estou convosco todos os dias,até à consumação dos séculos." Mat. 28:19 e 20.Que a pregação do evangelho sob esta comissão não terminou com aigreja primitiva é evidente da promessa: "Eis que Eu estou convoscotodos os dias, até à consumação dos séculos." Mat. 28:20. Ele não diz:Estou com vós outros, apóstolos, em toda a parte, até mesmo nosconfins da Terra; mas estou convosco todos os dias, até a consumaçãodos séculos, ou do mundo. Não se refere isto à era judaica, pois esta játinha findado na cruz. Concluo, então, que a pregação e a fé do primitivoevangelho seriam sempre assistidas com o mesmo auxílio espiritual. Acomissão dada aos apóstolos pertencia à era cristã, e compreendia todaela. Conseqüentemente os dons foram perdidos apenas em virtude daapostasia, e serão revividos com o reavivamento da primitiva fé eprática.Em I Coríntios 12:28 somos informados de que Deus colocou, fixou, ouestabeleceu, certos dons espirituais na igreja. Na falta de qualquer provaescriturística de que Ele os tenha removido, ou abolido, temos deconcluir que foram destinados a permanecer. Onde então a prova de
  14. 14. A p o s t i l a – P r o f e c i a | 14que foram abolidos? No mesmo capítulo? No mesmo capítulo onde osábado judaico é abolido e o sábado cristão instituído - um capítulo nosAtos do Mistério da Iniqüidade e do Homem do Pecado. Mas osobjetores sustentam haver prova bíblica de que os dons deviam cessar,citando o seguinte texto: "O amor jamais acaba; mas, havendoprofecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência,passará; porque, em parte, conhecemos e, em parte, profetizamos.Quando, porém, vier o que é perfeito, então, o que é em parte seráaniquilado.Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino,pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisaspróprias de menino. Porque, agora, vemos como em espelho,obscuramente; então, veremos face a face. Agora, conheço em parte;então, conhecerei como também sou conhecido. Agora, pois,permanecem a fé, a esperança e o amor." I Cor. 13:8-13.Este texto prevê a cessação dos dons espirituais, bem como da fé eesperança. Mas quando deveriam cessar? Ainda olhamos para o futuro,quando "Há de a esperança transmudar-se em alegre gozo, A fé emrealidade e a oração em louvor."Eles devem cessar quando vier o que é perfeito, quando não maistivermos de ver como num espelho, mas face a face. O dia perfeito,quando os justos forem aperfeiçoados e virmos como somos vistos, estáainda no futuro. É certo que o homem do pecado, quando chegado àvirilidade, pôs de lado "coisas de crianças", como profecia, línguas,conhecimento, bem assim a fé, a esperança, e a caridade dos primitivoscristãos. Mas nada há no texto para mostrar que Deus tinha em vistaretirar os dons que Ele havia dado à igreja até a consumação de sua fée esperança, até que a transcendente glória do estado imortaleclipsasse as mais brilhantes manifestações de poder espiritual econhecimento já manifestados no estado mortal.A objeção fundada em II Timóteo 3:16, que alguns têm gravementeapresentado, não merece mais que uma ligeira consideração. Se Paulo,ao dizer que as Escrituras devem tornar perfeito o homem, eperfeitamente instruído para toda boa obra, quer significar que nadamais será escrito por inspiração, por que estava ele nesse momentoacrescentando algo às Escrituras? Ao menos por que ele não depôs apena tão logo foi essa sentença escrita? E por que João, trinta anos
  15. 15. 15 | Apostila – Profeciamais tarde, escreveu o livro do Apocalipse? Este livro contém outro textoque costuma ser citado para provar a abolição dos dons espirituais."Eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livroque, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele aspragas que estão escritas neste livro; e, se alguém tirar quaisquerpalavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vidae da Cidade Santa, que estão escritas neste livro." Apoc. 22:18 e 19.Com base neste texto se afirma que Deus, que em diferentes vezes emaneiras, falou no passado aos pais pelos profetas, e, nos primórdiosdo evangelho por Jesus e Seus apóstolos, promete aqui solenementejamais comunicar qualquer coisa mais ao homem desta maneira.Portanto, qualquer profecia que viesse a surgir depois desta data teriaque ser falsa. Isto, diz-se, encerra o cânon da inspiração. Se assim é,por que João escreveu o seu evangelho depois do seu retorno dePatmos a Éfeso? Não estava ele assim acrescentando palavras àsprofecias do livro escrito em Patmos? É evidente, por esse texto, que aadvertência para não acrescentar nem omitir, não se aplica num volumecompilado como o temos, mas especificamente ao livro do Apocalipse,conforme saiu das mãos do apóstolo. Todavia homem algum tem odireito de acrescentar qualquer coisa a qualquer outro livro escrito pelainspiração de Deus, nem subtrair dele qualquer coisa. Escrevendo olivro do Apocalipse, estava João acrescentando alguma coisa àsprofecias do livro de Daniel? Absolutamente, não. Um profeta não tem odireito de alterar a Palavra de Deus. Mas as visões de João confirmamas de Daniel e provêem muita luz adicional aos assuntos aí introduzidos.Eu concluo, então, que o Senhor não Se obrigou ao silêncio, mas estáainda em liberdade para falar. Seja sempre esta a linguagem do meucoração: Fala, Senhor, por intermédio de quem desejares, pois o Teuservo ouve.Assim a tentativa de provar pelas Escrituras a abolição dos donsespirituais, resulta inteiramente falha. E uma vez que as portas doinferno não têm prevalecido contra a igreja, porém Deus tem um povona Terra, podemos considerar o desenvolvimento dos dons em relaçãocom a mensagem do terceiro anjo, uma mensagem que fará retornar aigreja a sua condição apostólica e a tornará, indubitavelmente, a luz -não as trevas - do mundo.
  16. 16. A p o s t i l a – P r o f e c i a | 16E mais: Somos advertidos de que haveria nos últimos dias falsosprofetas, e a Bíblia nos dá uma prova pela qual reconhecer os seusensinos a fim de podermos distinguir entre o falso e o verdadeiro. Ogrande teste é a lei de Deus, que se aplica tanto às profecias como aocaráter moral dos profetas. Se não devesse haver profecias verdadeirasnos últimos dias, quão mais fácil teria sido declarar o fato, e assim cortarde vez toda oportunidade de engano, em vez de dar um teste pelo qualprová-los, como se devesse haver tanto o genuíno como o falso.Há uma profecia a respeito dos espíritos familiares do presente, e a lei édada como um teste: "À lei e ao testemunho! Se eles não falaremsegundo esta palavra, nunca verão a alva." Isa. 8:20. Por que aexpressão "se eles não falarem", se não tivesse que haver profecia oumanifestação espiritual verdadeira ao mesmo tempo? Jesus disse:"Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas... Por seus frutos osconhecereis." Mat. 7:15 e 16. Esta é uma parte do Sermão do Monte, etodos podem ver que este discurso tem uma aplicação geral à igrejaatravés da era evangélica. Falsos profetas devem ser conhecidos porseus frutos; em outras palavras, por seu caráter moral. A única normapela qual se determina se seus frutos são bons ou maus, é a lei deDeus. Assim somos levados à lei e ao testemunho. Os verdadeirosprofetas não somente falarão segundo esta regra, mas viverão deacordo com ela. Não ouso condenar a quem fale e viva assim.Sempre tem havido uma característica nos falsos profetas: eles têmvisões de paz; e estarão dizendo "paz e segurança", quando sobre elesvirá "repentina destruição". I Tess. 5:3. O verdadeiro ousadamentereprovará o pecado e advertirá da ira vindoura.Profecias que contradizem as claras e positivas declarações daPalavra devem ser rejeitadas. Assim nosso Salvador ensinou os Seusdiscípulos quando os advertiu sobre a maneira de Sua segunda vinda.Quando Jesus ascendeu ao Céu à vista dos Seus discípulos, foideclarado da maneira mais explícita pelos anjos que Aquele mesmoJesus viria da maneira como para o Céu O tinham visto ir. Por issomesmo Jesus, ao predizer a obra dos falsos profetas nos últimos dias,diz: "Se vos disserem: Eis que Ele está no deserto! não saiais; ou: Eisque Ele está no interior da casa, não acrediteis." Mat. 24:26. Todaprofecia verdadeira sobre este ponto terá de reconhecer Sua vindavisível do Céu. Por que Jesus não disse: Rejeitai toda profecia nesse
  17. 17. 17 | Apostila – Profeciatempo, se não tivesse de haver profetas então?"E Ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outrospara evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo oaperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificaçãodo corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e aoconhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estaturacompleta de Cristo." Efés. 4:11-13.Aprendemos dos versos acima citados que quando Cristo ascendeu aoalto, deu dons aos homens. Entre esses dons enumeram-se apóstolos,profetas, evangelistas, pastores e mestres. O objetivo em vista ao seremdados era o aperfeiçoamento dos santos em unidade e conhecimento.Alguns que professam ser pastores e mestres no presente sustentamque esses dons alcançaram inteiramente o seu objetivo há uns mil eoitocentos anos, e conseqüentemente cessaram. Por que, então, nãopõem de lado os seus títulos de pastores e mestres? Se o ofício deprofeta está por este texto limitado à igreja primitiva, assim é com o deevangelista - e todos os outros - pois nenhuma distinção é feita.Ora, raciocinemos um momento sobre este ponto. Todos esses donsforam dados para o aperfeiçoamento dos santos em unidade,conhecimento e espírito. Sob sua influência a igreja primitiva desfrutoupor algum tempo dessa unidade. "E era um o coração e a alma damultidão dos que criam." Atos 4:32. E parece conseqüência naturaldeste estado de unidade, o fato de que "os apóstolos davam, comgrande poder, testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todoseles havia abundante graça". Atos 4:33. Quão desejável não seria umigual estado de coisas agora! Mas a apostasia com sua influênciadesagregadora e deletéria manchou a beleza da igreja pura, e vestiu-ade saco. Divisão e desordem tem sido o resultado. Nunca houve tãogrande diversidade de fé na cristandade como presentemente. Se osdons foram necessários para preservar a unidade da igreja primitiva,quão mais necessários não seriam eles agora para restaurar a unidade!E que é o propósito de Deus restaurar a unidade da igreja nos últimosdias, há abundante evidência nas profecias. É-nos assegurado que osatalaias verão com os seus próprios olhos quando o Senhor voltar aSião. Igualmente se nos diz que no tempo do fim os entendidosentenderão. Quando isto for cumprido haverá unidade de fé entre todosa quem Deus considera entendidos; pois os que realmente
  18. 18. A p o s t i l a – P r o f e c i a | 18compreendem com correção devem também compreender em união.Que é capaz de promover esta unidade senão os dons que foram dadospara este exato propósito?De considerações como esta torna-se evidente que o estado perfeito daigreja aqui predito está ainda no futuro; logo esses dons nãocompletaram ainda a sua obra. Esta carta aos efésios foi escrita no ano64 d.C., cerca de dois anos antes de Paulo dizer a Timóteo que estavasendo oferecido em sacrifício e que o tempo de sua partida estavapróximo. As sementes da apostasia estavam agora germinando naigreja, pois Paulo dissera dez anos antes, na segunda carta aostessalonicenses: "O mistério da injustiça opera." II Tess. 2:7. Lobosdevoradores estavam prestes a se intrometerem, não poupando orebanho. A igreja então não estava se erguendo e caminhando paraaquela perfeição e unidade reveladas no texto, mas estava prestes a serretaliada por facções e desviada por divisões. O apóstolo sabia disto, econseqüentemente foi levado a olhar para além da grande apostasia,para o tempo do ajuntamento do remanescente do povo de Deus,quando disse: "Até que todos cheguemos à unidade da fé." Efés. 4:13.Daí se vê que os dons que foram dados na igreja ainda não ficaram forade tempo."Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias. Examinai tudo.Retende o bem." I Tess. 5:19-21.Nesta epístola o apóstolo introduz o assunto da segunda vinda doSenhor. Descreve ele então o estado do mundo incrédulo nesse tempo,que estará dizendo: "Paz e segurança", quando o dia do Senhor estiverpara irromper sobre eles, como um ladrão de noite, trazendo-lhes súbitae "repentina destruição". I Tess. 5:3. Então Ele exorta a igreja, em vistadessas coisas, a estar desperta, a ser sóbria e vigiar. Entre asexortações que se seguem encontram-se as palavras que temos citado:"Não apagueis o Espírito", etc. Alguns poderão pensar que esses trêsversos são completamente desvinculados uns dos outros em sentido;mas eles têm natural conexão na ordem em que estão. A pessoa queapaga o Espírito será levada a desprezar as profecias, que são legítimofruto do Espírito. "Derramarei o Meu Espírito sobre toda a carne, evossos filhos e vossas filhas profetizarão." Joel 2:28.A expressão: "Julgai todas as coisas", é limitada ao assunto, profecias, enós devemos provar os espíritos pelos processos que Deus nos tem
  19. 19. 19 | Apostila – Profeciadado em Sua Palavra. Enganos espirituais e falsas profecias sãocomuns no presente tempo; e é indubitável que este texto tem especialaplicação aqui. Mas note-se, o apóstolo não diz: Rejeitai todas ascoisas; mas, provai todas as coisas, retende o que for bom."E há de ser que, depois, derramarei o Meu Espírito sobre toda a carne,e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terãosonhos, os vossos jovens terão visões. E também sobre os servos esobre as servas, naqueles dias, derramarei o Meu Espírito. E mostrareiprodígios no céu e na Terra, sangue, e fogo, e colunas de fumaça. O Solse converterá em trevas, e a Lua, em sangue, antes que venha o grandee terrível dia do Senhor. E há de ser que todo aquele que invocar onome do Senhor será salvo; porque no monte Sião e em Jerusalémhaverá livramento, assim como o Senhor tem dito, e nos restantes que oSenhor chamar." Joel 2:28-32.Esta profecia de Joel, que fala do derramamento do Espírito Santo nosúltimos dias, não foi integralmente cumprida no começo da dispensaçãoevangélica. Isto é evidente considerando os prodígios no céu e na Terra,introduzidos no texto, os quais devem ser precursores do "grande eterrível dia do Senhor". Joel 2:31. Embora tenhamos tido os sinais, esseterrível dia está ainda no futuro. A dispensação evangélica toda pode serchamada últimos dias, mas dizer que os últimos dias são 1.800 anos nopassado, é absurdo. Eles se estendem até ao dia do Senhor e aolivramento do remanescente povo de Deus. "No Monte Sião e emJerusalém haverá livramento, assim como o Senhor tem dito, e nosrestantes que o Senhor chamar." Joel 2:32.Este remanescente, que estará existindo em meio aos prodígios queintroduzirão o grande e terrível dia do Senhor, é sem dúvida o resto dasemente da mulher mencionada em Apocalipse 12:17 - a última geraçãoda igreja na Terra. "Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar contraos restantes da sua descendência, os que guardam os mandamentosde Deus, e sustentam o testemunho de Jesus."O remanescente da igreja evangélica terá os dons. Contra eles setravará guerra porque guardam os mandamentos de Deus e têm otestemunho de Jesus Cristo. Apoc. 12:17. O testemunho de Jesus édefinido como sendo o Espírito de Profecia. Disse o anjo: "Sou teuconservo e de teus irmãos que têm o testemunho de Jesus." Apoc.19:10. Em Apocalipse 22:9, ele repete o mesmo em substância, da
  20. 20. A p o s t i l a – P r o f e c i a | 20seguinte forma: "Sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas." Dacomparação vemos a força de expressão: "O testemunho de Jesus é oEspírito de Profecia." Mas o testemunho de Jesus inclui todos os donsdo Espírito. Diz Paulo: "Sempre dou graças ao meu Deus por vós pelagraça de Deus que vos foi dada em Jesus Cristo. Porque em tudo fostesenriquecidos nEle, em toda a palavra e em todo o conhecimento (comofoi mesmo o testemunho de Cristo confirmado entre vós). De maneiraque nenhum dom vos falta, esperando a manifestação de nosso SenhorJesus Cristo." I Cor. 1:4-7. O testemunho de Cristo foi confirmado naigreja de Corinto; e qual foi o resultado? Não lhes faltou nenhum dom.Somos nós justificados então na conclusão de que quando oremanescente for plenamente confirmado no testemunho de Jesus,nenhum dom lhe faltará, na expectação da vinda de nosso SenhorJesus Cristo? ( PE, 132 – 143)

×