Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Suporte Nutricional No Paciente com Lesão Renal Aguda

4,412 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Suporte Nutricional No Paciente com Lesão Renal Aguda

  1. 1. Suporte nutricional no paciente com Lesão Renal Aguda<br />Paulo N Rocha<br />paulonrocha@ufba.br<br />Nefrologista<br />Professor Ajunto do Depto. Medicina<br />FMB 201 anos – UFBA<br />
  2. 2. Lesão Renal Aguda (LRA)Dados epidemiológicos do BEST KIDNEY trial<br />BEST KIDNEY Trial: 23 países, 53 hospitais, 29269 pacientes<br />Incidência: 5,7% (IC 95% 5,5% a 6,0%)<br />Etiologia: choque séptico em 47,5% (IC 95% 45,2% a 49,5%)<br />Mortalidade hospitalar: 60,3% (IC 95% 58,0% a 62,6%)<br />Fatores de risco independentes de morte: <br />Uso de DVA, uso de VM, choque séptico, choque cardiogênico, SHR<br />Uchino S et al. Acute Renal Failure in Critically Ill Patients: A Multinational, MulticenterStudy. JAMA. 2005;294:813-818<br />
  3. 3. Tratamento do paciente com LRAO que pode fazer a diferença?<br />Características intrínsecas do paciente<br />Alguns aspectos relacionados ao tratamento<br />Antibióticos<br />Hemodinâmica: DVA, volume<br />Ventilação mecânica<br />Controle metabólico<br />Diálise<br />Cuidados de enfermagem<br />Cuidados de fisioterapia<br />Corticóides<br />Suporte nutricional<br />Difícil imaginar que mexer em um único aspecto deste complexo tratamento pode resultar em significativa melhoria do prognóstico...<br />
  4. 4. Suporte nutricionalPeculiaridades do paciente com LRA<br />A LRA, é caracterizada por alterações importantes na homeostasia do meio interno.<br />Estas alterações resultam em:<br />Mudanças no gasto energético<br />Proteólise de músculos esqueléticos, com aumento no turnover de aminoácidos e balanço nitrogenado negativo<br />Resistência à insulina e hiperglicemia<br />Distúrbios no metabolismo lipídico<br />A terapia de suporte renal (TSR) resulta em perdas de AA que devem ser consideradas na prescrição nutricional<br />Pacientes com LRA têm maior propensão de desenvolver complicações metabólicas do suporte nutricional<br />
  5. 5. Suporte nutricional na LRAMudanças no gasto energético<br />O hipercatabolismo do paciente criticamente enfermo com LRA é multifatorial...<br />Como separar os efeitos da uremia dos efeitos da doença de base?<br />ESTUDO CLÁSSICO:<br />Pacientes cirúrgicos em VM, com DMOS e LRA<br />GEB através de calorimetria indireta por ≥ 48 horas<br />Hipermetabolismo:<br />35±12% acima do GEB<br />Soop M, et al. Energy expenditure in postoperative multiple organ failure with acute renal failure. ClinNephrol, 31:139-145, 1989.<br />
  6. 6. Mudanças na proteína corporal total com 2 semanas de NPT para cada uma das categorias nutricionais. <br />N = 122 pacientes, 40 kcal/kg/dia e 0,3 g nitrogênio/kg/dia<br />Proteína corporal total: análise da ativação de nêutrons in vivo<br />Gasto energético: calorimetria indireta<br />Presume-se que apenas pacientes emagrecidos, sem evidência de estresse, possam ganhar proteína corporal.<br />Hill, GI. Aust N Z J Surg, 58: 13-21, 1988. <br />In: Riella MC e Martins C. Nutrição e o Rim.<br />
  7. 7. Suporte nutricional na LRAProteólise de músculos esqueléticos<br />Hipercatabolismo<br />Músculos esqueléticos se tornam a principal fonte de AA para gliconeogênese<br />Balanço nitrogenado -<br />Perda de massa magra <br />↑ da ureia<br />Fiaccadori E. Nutritionalsupport in acutekidneyinjury. JNEPHROL 2008; 21: 645-656<br />
  8. 8. Altamente frequente em pacientes com LRA<br />Patogênese<br />Altos níveis de hormônios contra-regulatórios<br />Citocinas pró-inflamatórias<br />Uso de corticóides<br />Uso de drogas vasoativas<br />Sobrecarga de glicose (suporte nutricional)<br />Associada a aumento na mortalidade<br />Controle glicêmico rigoroso:<br />Nefroprotetor?<br />Reduz mortalidade?<br />Risco de hipoglicemia grave (especialmente no paciente com LRA – 30% do catabolismo de insulina ocorre no rim)<br />Basi S, Pupim LB, Simmons EM, et al. Insulinresistance in critically ill patients with acute renal failure. Am J PhysiolRenal Physiol. 2005;289:F259-F264<br />Suporte nutricional na LRAResistência à insulina e hiperglicemia<br />
  9. 9. Hiperglicemia, IIT e desfechos<br />Leuvenstudy 1 (N Engl J Med 2001)<br />Pacientes cirúrgicos<br />Menor mortalidade (8,0 x 4,6%, P <0,04)<br />Ureia e creatinina média mais baixas <br />Menos TSR (8,2 x 4,8%, P = 0,007)<br />Leuvenstudy2 (N Engl J Med2006)<br />Pacientes clínicos<br />Mortalidade semelhante<br />Menos LRA (8,9 x 5,9%, P = 0,04)<br />NICE SUGAR (N Engl J Med2009)<br />Pacientes clínicos e cirúrgicos<br />Ausência de impacto na morbimortalidade<br />
  10. 10. Suporte nutricional na LRADistúrbios no metabolismo lipídico<br />Perfil:<br />TG e VLDL aumentados<br />Colesterol total, HDL e LDL reduzidos<br />Lipólise defeituosa. Redução de 50% nas atividades das enzimas:<br />lipoproteína lipase periférica<br />triglicerídeo lipase hepática<br />Clearance de gorduras administradas via NPT é reduzido no paciente com LRA<br />
  11. 11. Fatores que influenciam a prescrição nutricional no paciente com LRA<br />Estado nutricional do paciente<br />Grau de catabolismo imposto pelas doenças associadas<br />Necessidade (assim como tipo e frequencia) de terapia de suporte renal<br />
  12. 12. Diagnóstico do estado nutricional no paciente com LRA: dificuldades.<br />Situações distintas:<br />Desnutrição na LRA: resposta metabólica ao estresse e inflamação <br />Desnutrição por inanição crônica<br />Marcadores nutricionais podem variar bastante entre as duas situações<br />Medidas clínicas, antropométricas, bioquímicas, de composição corporal<br />Ausência de gold-standard<br />
  13. 13. Avaliação nutricional na LRA<br />Adaptado de: Guimarães SM et al. Nutrition in acute renal failure. Sao Paulo Med J. 2005;123(3):143-7.<br />
  14. 14. Protein-EnergyWastingna LRA<br />Problema frequente<br />Numa coorte prospectiva de 309 pacientes que fizeram avaliação nutricional pelo SGA na chegada à UTI, 42% preencheram critério para PEW.<br />Fatores que contribuem para ocorrência de PEW na LRA:<br />Desnutrição prévia, suporte nutricional inadequado, estado hipercatabólico, acidose, perda de sangue<br />Fiaccadori E, et al. Prevalenceandclinicaloutcomeassociatedwith preexisting malnutrition in acute renal failure: a prospective cohort study. J Am Soc Nephrol. 1999;10:581-593.<br />
  15. 15. Avaliação nutricional na LRADiagnóstico de “Protein-EnergyWasting”<br />Critérios Bioquímicos<br />Albumina ou pré-albumina<br />Perda de peso<br />Redução de massa muscular<br />Baixa ingesta de calorias e proteínas<br />Fouque D, Kalantar-Zadeh K, Kopple J, et al. A proposednomenclatureanddiagnosticcriteria for protein-energywasting in acute and chronic kidney disease. Kidney Int. 2008;73:391-398.<br />
  16. 16. Suporte nutricional na LRAAvaliação do grau de Catabolismo<br />Adaptado de: Guimarães SM et al. Nutrition in acute renal failure. Sao Paulo Med J. 2005;123(3):143-7.<br />
  17. 17. Suporte nutricional na LRAInfluência da diálise<br />Diálise:<br />Perda de até 0,2 g AA / litro de ultrafiltrado<br />Se membrana de alto fluxo, perda aumenta em 30%<br />Total de perdas pode variar de 1-15g de AA e 5-10 g de proteína por sessão<br />Fiaccadori E. Nutritionalsupport in acutekidneyinjury. JNEPHROL 2008; 21: 645-656<br />
  18. 18. Catabolismo protéico e balanço nitrogenado em pacientes com LRA<br />N = 40 pacientes com LRA em CVVH<br />Quando a administração de proteína é inferior a 1 g/kg/dia, um maior aporte de energia reduz o catabolismo protéico.<br />No entanto, neste nível de suporte de proteína, os pacientes permanecem em balanço nitrogenado negativo<br />Administração de proteínas 1,5-1,8 g/kg/dia pode aumentar o catabolismo protéico<br />Aporte de níveis mais baixos de energia pode minimizar este fato<br />Macias WL, et al. Impact of the nutritional regimen on protein catabolism and nitrogen balance in patients with acute renal failure. J ParenterEnteralNutr. 1996 Jan-Feb;20(1):56-62.<br />
  19. 19. Comparação do balanço nitrogenado em pacientes que receberam ≥ 1,0/kg/dia<br />Macias WL, et al. Impact of the nutritional regimen on protein catabolism and nitrogen balance in patients with acute renal failure. J ParenterEnteralNutr. 1996 Jan-Feb;20(1):56-62.<br />
  20. 20. Efeito conjunto da administração de energia e proteína no nPCR<br />Macias WL, et al. Impact of the nutritional regimen on protein catabolism and nitrogen balance in patients with acute renal failure. J ParenterEnteralNutr. 1996 Jan-Feb;20(1):56-62.<br />
  21. 21. Avaliação do Grau de Catabolismo, uso de TSR e Plano Nutricional na LRA<br />Fiaccadori E. Nutritionalsupport in acutekidneyinjury. JNEPHROL 2008; 21: 645-656<br />Guimarães SM et al. Nutrition in acute renal failure. Sao Paulo Med J. 2005;123(3):143-7.<br />
  22. 22. Suporte nutricional na LRAAssociação com desfechos clínicos<br />PEW severa está associada a mau prognóstico<br />Embora pareça lógico, os benefícios do suporte nutricional com relação a morbi-mortalidade permanecem controversos e sem comprovação<br />Heterogeneidade e complexidade da síndrome<br />Poucos estudos<br />Baixa qualidade dos estudos<br />
  23. 23. Suporte nutricional e mortalidade Estudos das décadas de 70 – 80<br />Evidência inicial: <br />Improved survival from acute renal failure after treatment with intravenous essential L-amino acids and glucose. Results of a prospective, double-blind study. N Engl J Med. 1973 Apr 5;288(14):695-9.<br />Outros estudos se seguiram, com resultados conflitantes<br />Meta-análise de 4 estudos (RCTs)<br />Does treatment with essential amino acids and hypertonic glucose improve survival in acute renal failure?: A meta-analysis. RenFail. 1987-1988;10(3-4):141-52.<br />“We conclude that the efficacy of these parenteral nutritional regimens remains uncertain in this clinical setting.”<br />
  24. 24. Balanço nitrogenado e sobrevida<br />N = 50 pacientes críticos com LRA em TSR (CRRT)<br />Intervenção: <br />10 pacientes receberam 2,0 g/kg/dia de proteína durante todo estudo<br />40 pacientes receberam doses progressivas de 1,5 -> 2,0 -> 2,5 g de proteína/kg peso/dia<br />Balanço nitrogenado positivo se correlacionou positivamente com a ingesta protéica e foi atingido mais facilmente com > 2 g/kg/dia<br />O balanço nitrogenado se tornou positivo ao longo de tempo nos pacientes em estudo, equanto que permaneceu negativo nos controles (P = 0.0001).<br />O balanço nitrogenado se associou a melhores desfechos:<br />Para cada 1g/dia de aumento no balanço nitrogenado, a probabilidade de sobrevida aumentou em 21% (P = 0.03). <br />Scheinkestel CD, Kar L, Marshall K, et al. Prospectiverandomizedtrial to assess caloric and protein needs of critically ill, anuric, ventilated patients requiring continuous renal replacementtherapy. Nutrition. 2003;19:909-916.<br />
  25. 25. Altas doses de AA via NPT na LRA<br />N = 14 pacientes criticamente enfermos com LRA não-oligúrica<br />Intervenção:<br />Grupo 1: 75g AA via NPT<br />Grupo II: 150 g AA via NPT<br />Todos receberam 2000 kcal não-protéicas/dia<br />Grupo II foi melhor nos seguintes parâmetros (4 dias):<br />Balanço nitrogenado: +9,0±8,3 vs -10,5±17,0 g/dia<br />BH+ acumulado: 2003±1336 vs 2407±1990 ml<br />Dose furosemida: 1003±288 vs 649±293 mg<br />Singer P. High-dose amino acid infusion preserves diuresis and improves nitrogen balance in non-oliguric acute renal failure. Wien Klin Wochenschr. 2007;119:218-222.<br />
  26. 26. Suporte nutricional na LRAConclusões<br />Deve ser individualizado e adequar-se às necessidades de cada paciente<br />Estas necessidades não dependem tanto da presença de LRA, mas sim da:<br />Grau de catabolismo imposto pelas doenças associadas<br />Estado nutricional do paciente<br />Tipo e frequência de diálise<br />Até o momento, não contamos com um marcador nutricional sensível, específico e de fácil mensuração<br />Se houver desnutrição e hipercatabolismo, o suporte deve ser iniciado precocemente<br />Não há evidências de alto nível indicando que o suporte nutricional é capaz de modificar a história natural da LRA<br />
  27. 27. Obrigado.<br />Paulo N Rocha<br />paulonrocha@ufba.br<br />Nefrologista<br />Professor Ajunto do Depto. Medicina<br />FMB 201 anos – UFBA<br />

×