Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Por Rafael Araújo
01 de Março de 2014
J. Piaget e o desenvolvimento cognitivo
Cognição
Processo ativo e interativo
Cognição designa-se sendo um
mecanismo regula...
Estádios de Desenvolvimento
Estádios
Estruturas ou sistemas de
pensamento, de interpretação epensamento, de interpretação ...
Estádios de Desenvolvimento
Estádio Sensório-motor (0-2 anos)
Cognição = experiência imediata
Modo predominante da aprendizagem
SENTIDOS
Nada substitu...
Cognição: experiência intuitiva e criativa
Modo predominante da aprendizagem
Estádio Intuitivo ou Pré-operatório
(2-7 anos...
Cognição: experiência lógica
Modo predominante da aprendizagem
Estádio das Operações Concretas
(7-11 anos)
Desenvolvimento...
Estádio das Operações Formais
(11-16 anos)
Cognição: experiência lógica e abstrata
Modo predominante da aprendizagem
PENSA...
Desenvolvimento Cognitivo Musical
Espiral de Desenvolvimento de Swanwick e Tillman
(1986)
Espiral desenvolvida observando ...
Espiral de Desenvolvimento de
Swanwick e Tillman (1986)
Estádios Swanwick e Tillman (1986)
As crianças exploram os “sentidos”;
Prazer do som através de vocalizações
espontâneas;
Exploram o som de instrumentos usua...
As crianças adquirem grande habilidade para
manusear instrumentos musicais com a mão;
Mostram consciência de técnicas espe...
Estádio da Expressão – Pessoal
(4-9 anos)
“Modo de Expressividade Pessoal”: a criança
transmite emoções e histórias atravé...
Estádio da Expressão – Vernáculo
(4-9 anos)
As crianças mostram uma grande
conformidade com as convenções musicais
estabel...
Estádio da Forma – Especulativo
(10-15 anos)
O jovem músico mostra interesse em desviar-
se das convenções musicais descob...
Estádio da Forma – Idiomático
(10-15 anos)
Os jovens estão capazes de integrar as suas ideias
imaginativas dentro de estil...
Estádio do Valor – Simbólico
(15 + anos)
Os jovens músicos tornam-se conscientes da
linguagem da música através de uma fun...
Estádio do Valor – Sistemático
(15 + anos)
Os músicos avançados começam a ter uma
abordagem musical para caminhos inovador...
Compreensão Musical
Como organizamos, interpretamos,
processamentos, damos sentido e significado
musical a estímulos/impressões sensórias;
Fen...
Compreensão Musical
A compreensão musical é um processo de dar,
conferir sentido ou significado sonoro e
musical aos estím...
Compreensão Musical
Meios sensoriais envolvidos no processo de
compreensão musical
Fenómeno Auditivo
Textura musical;
A segmentação e reconhecimento de padrões
na análise do fluxo musical;
A relação entre ...
Fenómeno Cinestésico
A compreensão do ritmo no que se reporta
aos seus princípios fundamentais expressos
por Rudolf Laban ...
Fenómeno Visual
Como “ouvimos”, “escutamos”, como damos
sentido sonoro à notação, a formas gráficas –
reconhecemos e ident...
Fenómeno Visual
Fenómeno da Performance
Tocar “de ouvido” por evocação ou memória;
Tocar pela leitura (notação/partitura) ou
evocar a memó...
Fenómeno Notacional/Leitura
Como reconhecemos, identificamos e
associamos aos símbolos notacionais que
estamos a ler ou es...
Fenómeno Improvisação/Composição
Como antecipamos, projetamos, aplicamos e
reorganizamos imagens, ideias ou sentidos
sonor...
J. Bruner (*1915)
Princípios de J. Bruner
Motivação
Através da motivação intrínseca sustem-se a
vontade de aprender;
• CURIOSIDADE;
• MOTIVA...
Princípios de J. Bruner
Estrutura
Qualquer corpo de conhecimentos pode ser
organizado de uma forma ótima para ser
transmit...
Princípios de J. Bruner
Sequência
Diz respeito pela sequência de que o material
é apresentado para o aluno. Segundo Bruner...
Princípios de J. Bruner
Sequência
Representação motora;
Representação icónica;Representação icónica;
Representação simbóli...
Princípios de J. Bruner
Reforço
Para atingir a mestria de um problema, temos
de receber informação retroativa (feedback)
s...
Princípios de J. Bruner
Aprendizagem por descoberta
O aluno descobrirá através de um
pensamento analítico e intuitivo, atr...
Princípios de J. Bruner
Aprendizagem por descoberta
Este princípio contribui para uma melhoria das
capacidades intelectuai...
Princípio da “significação” de
Ausubel (1985)
O sujeito aprende e está aberto a aprender
quando integra a nova informação ...
Música para pequeninos
Orientação dos Pais
Tomar consciência da importância da voz, do
contacto ocular e o corpo;
O silêncio como fonte que permi...
Orientação dos Pais
Ter o hábito de cantar para a criança;
A criança deve distinguir “voz cantada” de
“voz falada”;“voz fa...
Orientação dos Pais
Jogos de movimento – a criança explora o
espaço de uma forma livre e relaxada;
Audição de obras divers...
E se os Pais foram desafinados?
“Quem não tem cão caça com gato”;
Vai-te embora, Vai-te embora,
Cabeça de burro, Cabeça de nabo,
Que o menino Que o pai do menino
Serve a tudo. Já está deit...
Aiello, R. (1994). Music and language: parallels and contrasts. In R. Ariello & J. Sloboda (Eds.), Musical Perceptions. Ne...
Davidson, L. & Scripp, L. (1998). Young children’s representations: Windows on music cognition. In J. Sloboda (Ed.), Gener...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Playtalk - Educar com (e na) música | o papel da música no desenvolvimento cognitivo da criança

399 views

Published on

PLAYtalks |todos os meses uma conversa sobre jogs, brincadeiras e... Saiba tudo em www.facebook.com/pimpumplay

pimpumplay | muito mais do que uma loja de jogos e brinquedos

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Playtalk - Educar com (e na) música | o papel da música no desenvolvimento cognitivo da criança

  1. 1. Por Rafael Araújo 01 de Março de 2014
  2. 2. J. Piaget e o desenvolvimento cognitivo Cognição Processo ativo e interativo Cognição designa-se sendo um mecanismo regulador que liga a pessoa ao meio A pessoa afeta o meio e o meio afeta a pessoa
  3. 3. Estádios de Desenvolvimento Estádios Estruturas ou sistemas de pensamento, de interpretação epensamento, de interpretação e representação cognitiva do mundo
  4. 4. Estádios de Desenvolvimento
  5. 5. Estádio Sensório-motor (0-2 anos) Cognição = experiência imediata Modo predominante da aprendizagem SENTIDOS Nada substitui a experiência Não existe noção de permanência do objeto nem “eu” e “outro” (conceito de “existência”) Egocentrismo SENTIDOS
  6. 6. Cognição: experiência intuitiva e criativa Modo predominante da aprendizagem Estádio Intuitivo ou Pré-operatório (2-7 anos) INTUITIVO, IMAGINATIVO E CRIATIVO Representação simbólica Desenvolvimento da linguagem e comunicação INTUITIVO, IMAGINATIVO E CRIATIVO
  7. 7. Cognição: experiência lógica Modo predominante da aprendizagem Estádio das Operações Concretas (7-11 anos) Desenvolvimento da compreensão (conceptual, numérica, classificação) – Baseada na representação da experiência concreta Caract.ª do modo de pensar PENSAMENTO LÓGICO CONCRETO REVERSIBILIDADE E CONSERVAÇÃO
  8. 8. Estádio das Operações Formais (11-16 anos) Cognição: experiência lógica e abstrata Modo predominante da aprendizagem PENSAMENTO LÓGICO-DEDUTIVO E SIMBÓLICO Desenvolvimento da metacognição Perspectivismo Caract.ª do modo de pensar PENSAMENTO LÓGICO-DEDUTIVO E SIMBÓLICO SIMBÓLICO, RACIONAL, ABSTRACTO, METAFÓRICO, ETC.
  9. 9. Desenvolvimento Cognitivo Musical Espiral de Desenvolvimento de Swanwick e Tillman (1986) Espiral desenvolvida observando composições no contexto sala de aula com crianças entre os 3 e 15 anos;
  10. 10. Espiral de Desenvolvimento de Swanwick e Tillman (1986)
  11. 11. Estádios Swanwick e Tillman (1986)
  12. 12. As crianças exploram os “sentidos”; Prazer do som através de vocalizações espontâneas; Exploram o som de instrumentos usuais e Estádio dos Materiais - Sensorial (0-4 anos) Exploram o som de instrumentos usuais e outros objetos, especialmente a sonoridade e o timbre;
  13. 13. As crianças adquirem grande habilidade para manusear instrumentos musicais com a mão; Mostram consciência de técnicas específicas do instrumento; Estádio dos Materiais – Manipulativo (0-4 anos) do instrumento; A “música” deles pode refletir uma pulsação regular e outras convenções simples de música, como representações rítmicas ou melódicas;
  14. 14. Estádio da Expressão – Pessoal (4-9 anos) “Modo de Expressividade Pessoal”: a criança transmite emoções e histórias através de música espontânea; Concentra-se no tempo e na dinâmica (alteração de ambas);
  15. 15. Estádio da Expressão – Vernáculo (4-9 anos) As crianças mostram uma grande conformidade com as convenções musicais estabelecidas; A música realizada confere padrões rítmicos e melódicos, bem como uma pulsação regular;
  16. 16. Estádio da Forma – Especulativo (10-15 anos) O jovem músico mostra interesse em desviar- se das convenções musicais descobertas no estádio passado; Experimenta caminhos de variar padrões e contrastes à música;
  17. 17. Estádio da Forma – Idiomático (10-15 anos) Os jovens estão capazes de integrar as suas ideias imaginativas dentro de estilos reconhecidos; A autenticidade musical chega a ser muito importante, bem como a técnica, expressividade A autenticidade musical chega a ser muito importante, bem como a técnica, expressividade e estrutura; Há um grande ênfase em imitar estilos de música existentes;
  18. 18. Estádio do Valor – Simbólico (15 + anos) Os jovens músicos tornam-se conscientes da linguagem da música através de uma função afetiva; Muitas qualidades das composições, como grupos de timbres ou progressões harmónicas, têm grande atenção;
  19. 19. Estádio do Valor – Sistemático (15 + anos) Os músicos avançados começam a ter uma abordagem musical para caminhos inovadores ou sofisticados; Emprega sistemas de composição novos, estuda e discute música sobre várias prespetivas intelectuais (p.e. filosófica, psicológica);
  20. 20. Compreensão Musical
  21. 21. Como organizamos, interpretamos, processamentos, damos sentido e significado musical a estímulos/impressões sensórias; Fenómeno percetivo e cognitivo Cognição: processo interno que reajusta um conhecimento previamente reconhecido através dos estímulos (perceções);
  22. 22. Compreensão Musical A compreensão musical é um processo de dar, conferir sentido ou significado sonoro e musical aos estímulos sonoros percecionados (presente), evocados (passado/memória),(presente), evocados (passado/memória), criados, imaginados (antecipados ou projetados), visualizados (por leitura);
  23. 23. Compreensão Musical Meios sensoriais envolvidos no processo de compreensão musical
  24. 24. Fenómeno Auditivo Textura musical; A segmentação e reconhecimento de padrões na análise do fluxo musical; A relação entre fenómenos de tensão eA relação entre fenómenos de tensão e distensão e processos cadenciais na música; Análise da superfície musical nos parâmetros percetivamente mais significativos;
  25. 25. Fenómeno Cinestésico A compreensão do ritmo no que se reporta aos seus princípios fundamentais expressos por Rudolf Laban ou J. Dalcroze – Tempo, Espaço, Peso, Fluidez -, bem como daEspaço, Peso, Fluidez -, bem como da expressão dinâmica da música é de natureza cinestésica, sendo facilitada e desenvolvida através de atividades específicas de movimento;
  26. 26. Fenómeno Visual Como “ouvimos”, “escutamos”, como damos sentido sonoro à notação, a formas gráficas – reconhecemos e identificamos pela visão padrões, estruturas sonoras/musicais quepadrões, estruturas sonoras/musicais que organizámos e interiorizámos pela audição;
  27. 27. Fenómeno Visual
  28. 28. Fenómeno da Performance Tocar “de ouvido” por evocação ou memória; Tocar pela leitura (notação/partitura) ou evocar a memória notacional; Improvisar sem ou através da notação;Improvisar sem ou através da notação; Compor sem ou através da notação;
  29. 29. Fenómeno Notacional/Leitura Como reconhecemos, identificamos e associamos aos símbolos notacionais que estamos a ler ou escrever (ou lemos e escrevemos no passado), pela escuta interna,escrevemos no passado), pela escuta interna, padrões e estruturas sonoras/musicais previamente assimilados, antecipando e projetando significados através da execução;
  30. 30. Fenómeno Improvisação/Composição Como antecipamos, projetamos, aplicamos e reorganizamos imagens, ideias ou sentidos sonoros da música que evocamos e “escutamos” em tempo imediato à“escutamos” em tempo imediato à performance (improvisação) ou memorizando. (composição= processo de criação notacional sem por “audição interior” do som a longo prazo);
  31. 31. J. Bruner (*1915)
  32. 32. Princípios de J. Bruner Motivação Através da motivação intrínseca sustem-se a vontade de aprender; • CURIOSIDADE; • MOTIVAÇÃO INATA; • RECIPROCIDADE;
  33. 33. Princípios de J. Bruner Estrutura Qualquer corpo de conhecimentos pode ser organizado de uma forma ótima para ser transmitido e compreendido pelo aluno;transmitido e compreendido pelo aluno; • MODO DE APRESENTAÇÃO; • ECONOMIA DE APRESENTAÇÃO; • PODER DE APRESENTAÇÃO;
  34. 34. Princípios de J. Bruner Sequência Diz respeito pela sequência de que o material é apresentado para o aluno. Segundo Bruner o desenvolvimento intelectual ocorre de acordodesenvolvimento intelectual ocorre de acordo com uma sequência inata;
  35. 35. Princípios de J. Bruner Sequência Representação motora; Representação icónica;Representação icónica; Representação simbólica;
  36. 36. Princípios de J. Bruner Reforço Para atingir a mestria de um problema, temos de receber informação retroativa (feedback) sobre aquilo que fazemos;sobre aquilo que fazemos; A altura em que o reforço é dado é essencial para o sucesso da aprendizagem;
  37. 37. Princípios de J. Bruner Aprendizagem por descoberta O aluno descobrirá através de um pensamento analítico e intuitivo, através de atividade de exploração e de pesquisa;atividade de exploração e de pesquisa; O sujeito tem um papel ativo no ato de aprender;
  38. 38. Princípios de J. Bruner Aprendizagem por descoberta Este princípio contribui para uma melhoria das capacidades intelectuais privilegiando o processo de observar, analisar e pensar;processo de observar, analisar e pensar; O saber é um processo, e não um produto;
  39. 39. Princípio da “significação” de Ausubel (1985) O sujeito aprende e está aberto a aprender quando integra a nova informação nos conhecimentos adquiridos; A aprendizagem é influenciada pelo que o sujeito já sabe;
  40. 40. Música para pequeninos
  41. 41. Orientação dos Pais Tomar consciência da importância da voz, do contacto ocular e o corpo; O silêncio como fonte que permite assimilar,O silêncio como fonte que permite assimilar, ouvir interiormente, rever na imaginação sonora aquilo que foi previamente apresentado;
  42. 42. Orientação dos Pais Ter o hábito de cantar para a criança; A criança deve distinguir “voz cantada” de “voz falada”;“voz falada”; “Cantos rítmicos” – “o pipi põe o ovo e o menino papa-o todo”; “rei-capitão, soldado ladrão, menina bonita do meu coração”;
  43. 43. Orientação dos Pais Jogos de movimento – a criança explora o espaço de uma forma livre e relaxada; Audição de obras diversificadas em termos deAudição de obras diversificadas em termos de género, estilo e instrumentação;
  44. 44. E se os Pais foram desafinados? “Quem não tem cão caça com gato”;
  45. 45. Vai-te embora, Vai-te embora, Cabeça de burro, Cabeça de nabo, Que o menino Que o pai do menino Serve a tudo. Já está deitado. Ró Ró Ró, Que agora Nó
  46. 46. Aiello, R. (1994). Music and language: parallels and contrasts. In R. Ariello & J. Sloboda (Eds.), Musical Perceptions. New York: Oxford University Press, 40-63. Ausubel, D. P. (1968). Educational psychology: A cognitive view. New York: Holt, Rinehart, and Winston. Azzara, C. (1993) . The effect of audiation-based improvisation techniques and elementary instrumental student’s music achievement. Journal of research in Music Education, 41(4), 328-342. Azzara, C. (2002). Improvisation. In R. Colwell (Ed.), Handbook of research on music teaching and learning: A project of the Music Educators National Conference. Oxford: Oxford University Press, 171-187. Azzara, C., Grunow, R., & Gordon, E., (1997) . Creativity in improvisation (Vols. 1-2). Chicago: GIA Publications. Bamberger, J. (1986). Cognitive issues in the develompment of musically gifted children. In R. Sternberg & J. Davidson (Eds.), Conceptions of giftedness. Cambridge: Cambridge University Press, 388-413. Bamberger, J. (1991). The mind behind the musical ear. Cambridge: Harvard University Press. Bamberger, J. (2003). The developmental of intuitive musical understanding: a natural experiment. Psychology of Music, 31(I), 7-36. Berliner, P. F. (1994). Thinking in Jazz. P. V. Bohlman & B. Nettll (Eds.). Chicago: The University of Chicago Press. Bibliografia Berliner, P. F. (1994). Thinking in Jazz. P. V. Bohlman & B. Nettll (Eds.). Chicago: The University of Chicago Press. Bharuca, J. J. (1994). Tonality and expectation. In R. Ariello & J. Sloboda (Eds.), Musical Perceptions. New York: Oxford University Press, 213-239. Bruner, J. (1960). The process of education. Cambridge, MA: Harvard University Press. Bruner, J. (1966). Toward a theory of instruction. Cambridge: Belknap Press of Harvard University. Campbell, P. S. (1991). Lessons from the worlld: A cross-cultural guide to music teaching and learning. New York: Schirmer Books. Campbell, S. C. & Scott-Kassner, C. (1995). Music in childhood: From Preschool through the Elementary grades. New York: Schirmer Books. Clarke, E. F. (1999). Rhytm and timing in music. In D. Deutsch (Ed.), The psychology of music. California: Academic Press, 473-500, (1982). Clarke, E. F. (2000). Generative principles in music education. In J. Sloboda (Ed.), Generative processes in music: The psychology of performance, improvisation and composition. Oxford: Oxford University Press, 1-26. Cruz, C. B. (1995). Conceito de educação musical de Zoltán Kodály e Teoria de Aprendizagem de Edwin Gordon: Uma abordagem comparativa. Revista da Associação Portuguesa de Educação Musical: APEM, 87, 4-9.
  47. 47. Davidson, L. & Scripp, L. (1998). Young children’s representations: Windows on music cognition. In J. Sloboda (Ed.), Generative processes in music: The psychology of performance, improvisation and composition. Oxford: Oxford University Press,195-230, (1988) Deutsch, D. (1999). Grouping mechanisms in music. In D. Deutsch (Ed.), The psychology of music. New York: Academic Press, 299-348, (1982) Dobbins, B. (1988). Classic standards. Rottenburg: Advanced Music. Dobbins, B. (1980). Improvisation: An essential element of musical proficiency. Music Educators Journal, 66(5), 36-41. Dowling, W. J. (1973). The perception or interleaved melodies. Cognitive Psychology, 5, p. 322-337. Dowling, W. J. & Harwood, D. L. (1986). Music cognition. Orlando: Academic Press. Funk, J. & Whiteside, J. (1981). Developmental theory and the psychology of music. Psychology of Music, 9, 2, 44-53. Gardner, H. (1983). Frames of mind: The theory of multiple intelligences. New York: Books.

×