Aboio e Toada: de práticas musicais no cotidiano popular para propostas                              de aulas de música.  ...
Segundo a autora, um dos fatores que determinaram a implantação da pecuária noterritório sergipano foi a cobiça de boas pa...
FIGURA 1 – Mapa de Sergipe com Porto da Folha em                         Vermelho e Aracaju em Amarelo.                   ...
Na chegada da Alvorada, que tem como destino a Praça da Matriz, acontece umaMissa em cima do palco, momento em que os vaqu...
Figura 4 – Aboiador (Geno Vitor) fazendo repente no Parque                     Nilo dos Santos          No período das últ...
elemento voltado para a interação entre os próprios vaqueiros, quando estes                       abóiam juntos, em conson...
Esta fermata afirma que a introdução acabou e deve se iniciar a toada, então oToador A começa a melodia juntamente com a l...
Assim que o aboio se encerra os dois toadores simultaneamente iniciam utilizando asmesmas palavras e linha melódica, porém...
•   Pré-requisito: Aula introdutória à toada e aboio.•   Organização do espaço: Carteiras em círculos•   Organização dos a...
•     Organização do espaço: Sala de aula sem carteiras.•     Organização dos alunos: Em pé.•     Recursos Necessários: Ap...
A pesquisa aqui apresentada está ainda em fase de construção, ou seja existem muitospontos a serem elucidados, e o tema é ...
ReferênciasALMEIDA, Renato. História da Música brasileira. RJ: F. Briguiet, 1958.ANDRADE, Mário de. Dicionário Musical Bra...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Aboio e toada magno

3,734 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,734
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
517
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aboio e toada magno

  1. 1. Aboio e Toada: de práticas musicais no cotidiano popular para propostas de aulas de música. Magno de Jesus Pereira UFS (Universidade Federal de Sergipe) magnogangae@oi.com.brResumo: O trabalho que segue abaixo foi estimulado por discussões e debates inseridos nocurso de Licenciatura em Música da Universidade Federal de Sergipe, mais específico nosprogramas PIBID/Música1 e PRODOCÊNCIA (capes) e no grupo de pesquisa “ManifestaçõesMusicais de Sergipe” que se formou a partir dos encontros realizados por esses programasonde o principal tema de debate era justamente a questão da implementação da Lei 7.869/08que estabelece a música como conteúdo obrigatório nas escolas e das discussões que seestabeleceram a partir de então como, por exemplo, “que música ensinar?”. Com essa linha deraciocínio o grupo passou a pesquisar diversas manifestações culturais do estado de Sergipe,no caso aqui específico o autor está trabalhando com Aboio e Toada no Alto Sertão sergipano.O artigo está estruturado primeiramente em um breve apanhado histórico, em outro tópicotemos uma descrição da pesquisa de campo, em seguida uma breve análise estrutural e porúltimo propostas de aulas de música utilizando o Aboio e a Toada.Palavras-chave: Aboio, Toada, MúsicaBreve Histórico Para iniciarmos a discussão sobre o tema proposto devemos a princípio refletir sobreo processo embrionário, ou seja, os fatos históricos que determinaram o aparecimento dofestejo. Um primeiro direcionamento nos é ofertado por Cascudo: As festas populares no campo estão em sua grande maioria muito ligadas às heranças de antigos sistemas de produção e às relações de trabalhos de determinada época, às quais se acrescentam as crenças religiosas e o poder político local. As festas no sertão e, mais especificamente, as festas dos vaqueiros estão ligadas diretamente ao ciclo do gado na região. (VIEIRA, 2007. p. 12 apud CASCUDO, 1993) Sendo assim, a primeira análise a ser feita é como o ciclo de gado chegou e seincorporou na região semi-árida de Sergipe especialmente na cidade de Porto da Folha.Seguindo este pensamento encontramos a Historiadora sergipana Maria Thetis Nunes que, emum capítulo do livro Sergipe Colonial I intitulado As primeiras atividades econômicas. OPau-Brasil. O Gado afirma que “A pecuária tornar-se-ia a atividade principal doscolonizadores do território sergipano” (NUNES, 2006. p. 108).1 Existe um blog com muitas informações sobre o PIBID/Música e Pró-docência, o acesso pode ser efetuado apartir do link http://propibidmusica.blogspot.com.br/
  2. 2. Segundo a autora, um dos fatores que determinaram a implantação da pecuária noterritório sergipano foi a cobiça de boas pastagens pelos senhores de engenho do recôncavobaiano, já que “O gado era imprescindível, quer na força motora das moendas, no transportedas canas para os engenhos e açúcar para os portos de embarque, quer para alimentação daspopulações em contínuo crescimento”. (NUNES, 2006. p. 109) Ainda segundo a autora, o período de expansão do gado se iniciou em 1607 a partirdo Rio Real alcançando rapidamente áreas como Tobias Barreto e Simão Dias. Na região dePorto da Folha há registro da criação de gado desde 1612. (Livro da Razão do Brasil apud,NUNES, 2006 p. 112) Para Maria Thetis (2006) a pecuária foi sendo levada para o sertão por dois motivosprincipais, o primeiro da metade para o final do século XVIII, devido o crescimentoconsiderável de implantação de engenhos visionando a indústria açucareira proporcionando atomada das terras férteis de massapé pelos engenhos. E o segundo, a invasão dos holandesesno Brasil, que proporcionou um estimulo por parte da coroa portuguesa à colonizaçãosergipana, numa tentativa de evitar pontos vazios que facilitassem a ação de invasõesestrangeiras, nesse sentido várias sesmarias foram doadas principalmente para a criação deanimais. Dentro desta conjuntura não encontramos documentos que afirmem datas e locaisexatos do desenvolvimento das toadas e aboio em Sergipe e na cidade de Porto da Folha, noentanto como está intimamente ligada com a cultura do gado é bem provável ter acontecidocom a implementação da pecuária no estado, ou seja, no início do século XVII.Descrição do Festejo A cidade de Porto da Folha fica a 190 quilômetros de Aracaju, na região do AltoSertão Sergipano, banhada pelo Rio São Francisco fazendo divisa com o estado de Alagoas.
  3. 3. FIGURA 1 – Mapa de Sergipe com Porto da Folha em Vermelho e Aracaju em Amarelo. Fonte:<http://portofolha.com/attachments/Image/mapa _sergipe.png> Segundo Tonho de Chico, um dos fundadores da Festa do Vaqueiro, o evento foicriado em 1969 e de lá para cá foi realizada em todos os anos com exceção de 1970 devido àgrande seca que assolou o sertão sergipano naquele ano. A festa (41ª Festa do Vaqueiro) aquidescrita foi vivenciada pelo autor durante a pesquisa de campo realizada entre os dias 22 e 25de setembro de 2011 no Município de Porto da Folha-SE. Para uma melhor compreensão do leitor a descrição da festa será feito em etapas. Deinício, no dia 22 a partir das 22:00hs na Praça Matriz houve apresentação de bandas deArrocha e Forró em um palco com uma boa estrutura de som e iluminação, logo após, aindana Praça Matriz, lá pelas 4:30 da madrugada houve a abertura oficial da Festa. Nessa abertura, a comissão organizadora que é facilmente identificada por estarutilizando uma roupa azul e branca faz agradecimentos aos patrocinadores e apresenta ohomenageado da festa, que neste ano foi Frei Angelino. Após a abertura oficial os vaqueiros e outras pessoas, todos montados à cavalo ou emoutros animais como o jegue e o boi ou ainda em carroças, percorrem a cidade em umaespécie de cortejo denominado por eles de Alvorada, onde todos acompanham um Mini-triocom locutores que fazem, dentre outras funções as toadas e aboio.
  4. 4. Na chegada da Alvorada, que tem como destino a Praça da Matriz, acontece umaMissa em cima do palco, momento em que os vaqueiros recebem a benção do padre e emseguida participam de um café da manhã aberto para o público. Durante à noite do dia 23 aconteceram apresentações artísticas tanto na Praça Matrizcomo num espaço denominado Clube do Vaqueiro. No dia 24 o festejo prosseguiu e ocorreunum ambiente próprio fora da cidade conhecido como Parque Nilo dos Santos localizado naSerra dos Homens. Nesse espaço existiam dois ambientes, um com uma estrutura de palco esom onde aconteceram apresentações artísticas e outra onde aconteceu o Pega de Boi noMato2. Figura 2 - Imagem da estrutura de som e palco no Parque Nilo dos Santos.2 O Pega de Boi no Mato: Os vaqueiros se organizam em equipes que fazem as inscrições, na maioria das vezesem dinheiro, então a equipe é convocada e é solto o gado que corre para dentro da caatinga. O objetivo é trazeruma espécie de coleira que é colocada no gado, se a equipe trouxer ela será recompensada com prêmios quevariam entre dinheiro, animais e objetos de valor como uma moto 0km.Musicalmente, na pega de boi acontecem paralelamente as atividades dos vaqueiros pessoas fazendo aboio etoada, e por vezes o próprio locutor do evento desenvolve essas práticas musicais.
  5. 5. Figura 4 – Aboiador (Geno Vitor) fazendo repente no Parque Nilo dos Santos No período das últimas horas da tarde do dia 24 na Praça Carro de Boi aconteceramapresentações de bandas de axé music em um trio com potente equipamento de som. Já pelanoite a programação musical continuou na Praça da Matriz com diversas bandas de forró evaquejada. No dia 25, pela manhã, no povoado Ilha do Ouro localizado às margens do Rio SãoFrancisco houve apresentações artísticas com bandas de axé music em um palco armado comestrutura de som. No turno da tarde pelas ruas de Porto da Folha houve uma cavalgada ondevárias pessoas montadas à cavalo, em jegue, boi ou em carroças acompanharam um mini-triocom os locutores fazendo agradecimentos e toando. Na Praça do Carro de Boi durante os períodos finais da tarde do dia 25 aconteceramapresentações de bandas de axé music, logo em seguida na Praça Matriz aconteceram novasapresentações de bandas que estão vinculadas a mídia de massa, marcando assim o final doevento.O Aboio e a Toada O contexto musical tradicional desse evento gira em torno de três práticas, o aboio, atoada e a música de vaquejada3. No entanto o objetivo do nosso trabalho é perceber as práticasmusicais presentes no aboio e na toada, as outras manifestações musicais e suas interferênciasnão farão parte de nossa análise. A partir desta premissa, devemos de início procurar conceitos e definições sobre aspráticas escolhidas, nesse sentido em uma definição de Aboio Cascudo afirma que, Aboio é o canto de trabalho utilizado pelo vaqueiro para tocar a boiada durante as migrações, durante as apartações, etc., alem de também ser um3 Apesar de na programação oficial haver bandas de axé music e forró eletrônico e ainda os carros com megaaparelhagens de sons que reproduzem diversos estilos de música principalmente a veiculada pela mídia demassa.
  6. 6. elemento voltado para a interação entre os próprios vaqueiros, quando estes abóiam juntos, em consonância. (VIEIRA, 2007. p. 14 apud CASCUDO, 1984) Segundo Renato Almeida os aboios seriam, “linhas melódicas calcadas sobre vogais(mais geralmente A, E, O) entoadas pelos vaqueiros conduzindo gado solto. São melodiaspuras que sobem, descem, encurvam-se,[...] (ALMEIDA, 1958. p. 87) Na concepção de Mário de Andrade, o conceito do verbo aboiar seria: (V.I; S.m). O marroeiro (vaqueiro) conduzindo o gado nas estradas, ou movendo com ele nas fazendas, tem por costume cantar. Entoa uma arabesco, geralmente livre de forma estrófica, destituído de palavras as mais das vezes, simples vocalizações, interceptadas quando senão por palavras interjectivas, “boi êh boi”, boiato, etc. O ato de cantar assim chama de aboiar. Ao canto chama de aboio. (ANDRADE, 1989. pp. 1-2) Então o aboio seria o canto de trabalho utilizado pelos vaqueiros para guiar o gadopelas fazendas com vocalizações simples e com pouca utilização de palavras. A toada seutiliza dessas vocalizações acrescentando versos criados previamente. Dentro desse universo existe também o repente, que seria a utilização dessesvocalizes por pessoas que improvisam versos. Na maioria das vezes é uma disputa entre doisou mais pessoas para ver quem melhor se destaca nos versos criados.A estrutura da Toada A Toada “tradicional” realizada pelos vaqueiros não possui acompanhamentoharmônico, apesar de que em alguns raros momentos encontramos pessoas com violões ouacordeons fazendo esta função, ou seja, não é uma regra. Existem algumas formas de organização das toadas, uma delas podemos visualizaratravés do esquema abaixo: 1. ... Introdução Toador A Toador B Final Na Introdução geralmente é realizada um aboio, vocalize utilizando vogais e/oupalavras em canto melismático, onde a última nota é sustentada por uma fermata.
  7. 7. Esta fermata afirma que a introdução acabou e deve se iniciar a toada, então oToador A começa a melodia juntamente com a letra estabelecida e quando este faznovamente um aboio é o sinal de que o Toador B deve entrar. O Toador B utiliza a mesma linha melódica estabelecida pelo seu antecessor e assima música se desenvolve um após o outro sucessivamente até o final que pode ser realizadocom os dois simultaneamente ou com o que deu início, sempre utilizando aboio. Abaixo, temos uma transcrição elaborada pelo autor de uma toada gravada porGenovitor & Niltão com título “Aboio de Repente” no CD Vozes e Toques Sergipanos, Nesta transcrição percebemos que a melodia foi construída a partir do modo Lócrio4,no qual fica bem nítido com a presença da 2ªm (ré b) e da 5ª dim (sol b). Outra forma utilizada pelos toadores está explicita no exemplo abaixo: 2. ... Introdução Toador A Final + Toador B Nesse esquema a introdução continua sendo um aboio, no entanto este pode serrealizado por apenas um dos toadores ou com os dois simultaneamente.4 É preciso salientar que os responsáveis pela criação e/ou execução das toadas não possuem conhecimentosteóricos- musicais, com isso eles criam suas melodias a partir do conhecimento passado de forma oral e com ocontato com pessoas mais velhas.
  8. 8. Assim que o aboio se encerra os dois toadores simultaneamente iniciam utilizando asmesmas palavras e linha melódica, porém o único detalhe é que um dos toadoresdesenvolvem a melodia uma terça acima. Dessa maneira eles desenvolvem a música, sempre que se encerra uma estrofe elesfazem um aboio, até a música ser conduzida pro final que como no esquema apresentadoanteriormente encerra com um aboio.Proposta para aulas de músicaPROPOSTA 1 “Aboio e Toada”• Objetivos: Apresentar para os alunos o Aboio e a Toada com suas diferenças e semelhanças, bem como o contexto e histórico dessa manifestação musical.• Público Alvo: Alunos do Ensino Médio.• Tempo: 3 aulas• Pré-requisito: Não tem.• Organização do espaço: Carteiras enfileiradas.• Organização dos alunos: Individualmente.• Recursos Necessários: Datashow, Notebook, Pincel e Quadro Branco.• Descrição da Atividade:1 – Apresentar com Auxílio de imagens uma contextualização das práticas em questão;2 – Apontar através da audição as diferentes maneiras de produção da Toada;3 - Apresentação do Vídeo “Aboio e Tuada, poesia do vaqueiro” dirigido por Damien Chemine produzido pela TV Aperipê. Sergipe – 2009;4 – Discussão sobre o vídeo;5 – Pesquisa sobre os Aboiadores e toadores da Região (se existir) com entrevistas e produçãode material para exposição na escola.PROPOSTA 2 “Forma da Toada”• Objetivos: Estimular o aluno na percepção auditiva e representação gráfica das diferentes maneiras de construção de uma toada.• Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental e Médio• Tempo: 1 ou mais aulas
  9. 9. • Pré-requisito: Aula introdutória à toada e aboio.• Organização do espaço: Carteiras em círculos• Organização dos alunos: Individualmente de início e depois separados em três grupos.• Recursos Necessários: Aparelho de som, 3 cartolinas, giz de cera com diversas cores.• Descrição da Atividade:1 - A prática se inicia com a audição de 3 toadas com formas diferentes.2 - O professor estimula a percepção dos alunos solicitando que eles anotem as diferenças deorganização de cada faixa.3 - Divisão da sala em três grupos, cada um ficará responsável pela construção de um gráficoque represente a forma da toada correspondente.4 – Ao final da construção, os grupos deverão trocar seus gráficos entre si.5 – Cada grupo terá alguns minutos para decifrar o gráfico que recebeu.6 – Apresentações dos grupos que deverão explicar para o resto da turma o gráfico ao qualestão em mãos.7 - Discussão sobre os gráficos, se eles realmente correspondem à toada indicada e se os tiposgráficos construído realmente podem representar tal toada.Dicas de Toadas:  http://www.youtube.com/watch?v=hZrjctC_zdI Toada Despedida do Vaqueiro / Vavá Machado e Marcolino  http://www.youtube.com/watch?v=wuSpmI6By8U&feature=related Toada Boi Maracajá – Kara Veia.  http://www.youtube.com/watch?v=x2uBcmV946Q&feature=related – Parte 2 do Documentário “Aboio e Tuada, poesia do vaqueiro” dirigido por Damien Chemin e produzido pela TV Aperipê. Sergipe - 2009 – No vídeo existem exemplos de Repente que podem ser utilizados pelo professor.PROPOSTA 3 “Entoando”• Objetivos: Estimular o aluno na prática do canto através da Toada.• Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental e Médio• Tempo: 2 ou mais aulas• Pré-requisito: Aula introdutória à toada e aboio.
  10. 10. • Organização do espaço: Sala de aula sem carteiras.• Organização dos alunos: Em pé.• Recursos Necessários: Aparelho de som, Pincel e quadro negro.• Descrição da Atividade:1 – Apreciação de uma Toada;2 – Divisão da Toada em Várias partes menores;3 - Execução com vogais de cada parte da toada solicitando que os alunos imitem o professor;Ex: Frase 1 da ToadaProfessorAluno - Imita Quando o professor perceber que os alunos estão cantando corretamente ele passa asegunda frase, e assim por diante até que toda idéia melódica seja trabalhada.4 – Passar a letra da toada para os alunos, encaixando com as idéias melódicas e utilizando ojogo de pergunta e resposta com as frases;Ex:Professor Pergunta:Alunos Respondem:Considerações Finais
  11. 11. A pesquisa aqui apresentada está ainda em fase de construção, ou seja existem muitospontos a serem elucidados, e o tema é amplo, nesse sentido um único estudo é pouco para amultiplicidade de discussões que possam vir a tona. Por fim compreendemos que O Aboio e a Toada são importantes não apenas nocontexto da festa em Porto da Folha-SE, mas são uma das matrizes formadoras da rica culturamusical nordestina com influência na prática musical de artistas como Luiz Gonzaga eJackson do Pandeiro, dentre outros, portanto sua inserção em sala de aula é essencial naformação da identidade musical e cultural dos alunos.
  12. 12. ReferênciasALMEIDA, Renato. História da Música brasileira. RJ: F. Briguiet, 1958.ANDRADE, Mário de. Dicionário Musical Brasileiro. Belo Horizonte: Itatiaia; Brasília:Ministério da Cultura; São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de SãoPaulo/Editora da Universidade de São Paulo, 1989. (Coleção Reconquista do Brasil, 2ª série,v.162)Genovitor e Niltão. Aboio de repente In: Vozes e Toques Sergipanos: forró, toada e aboio.Produção: Damien Chamien. Aracaju, 2007. 1 CD. Faixa 24.http://portofolha.com/attachments/Image/mapa_sergipe.png acessado no dia 25/02/2012 às22:00hs.http://www.youtube.com/watch?v=hZrjctC_zdI acessado no dia 18/04/2012 às 18:00hs.http://www.youtube.com/watch?v=wuSpmI6By8U&feature=related acessado no dia18/04/2012 às 17:00hshttp://www.youtube.com/watch?v=x2uBcmV946Q&feature=related acessado no dia19/04/2012 às 19:00hsNUNES, Maria Thetis. Sergipe Colonial I. São Cristóvão: Editora UFS/ Aracaju: FundaçãoOviedo Teixeira, 2008.VIEIRA, Natã Silva. Cultura de vaqueiro: o sertão e a musica dos vaqueiros Nordestinos.Trabalho apresentado no III ENECULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura,realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa,Salvador-Bahia-Brasil. Disponível em:http://www.cult.ufba.br/enecult2007/NataSilvaVieira.pdf Acessoem: 04/11/2011 às 10hs.

×