Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Narrativa por Storyboards: técnicas e padrões (apresentação)

841 views

Published on

O Storyboard é a ferramenta que apresenta o contexto de uma narrativa, por meio de imagens, símbolos e palavras que representam ações, intenções e emoções. O processo de criação do storyboard é uma tarefa a ser desenvolvida com atenção e deve-se ter um cuidado especial aos detalhes que envolvem a representação das ações dos personagens, da movimentação dos cenários e câmeras e, acima de tudo, da intenção do autor em cada quadro. Escolher cada símbolo é uma tarefa que requer precisão, já que o objetivo maior é facilitar a compreensão da história.

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Narrativa por Storyboards: técnicas e padrões (apresentação)

  1. 1. Universidade Presbiteriana Mackenzie Narrativa por Storyboards: técnicas e padrões Revisão Sistemática Ms. Pedro Henrique Cacique Braga
  2. 2. SINOPSE O Storyboard é a ferramenta que apresenta o contexto de uma narrativa, por meio de imagens, símbolos e palavras que representam ações, intenções e emoções.
  3. 3. MATERIAIS
  4. 4. MATERIAIS Storyboarding: An Empirical Determination of Best Practices and Effective Guidelines [1] Draw Me a Storyboard: Incorporating Principles & Techniques of Comics... [2] The Narrative Storyboard: Telling A Story About Use And Context Over Time. [3] Cardboard Semiotics: Reconfigurable Symbols as a Means for Narrative Prototyping in Game Design. [4]
  5. 5. MÉTODOS ANIMAÇÃO GAME DESIGN UI DESIGN  Qual o ponto de partida para a elaboração do Storyboard?  Como determinar um número aceitável de quadros e sequencias?  Quais elementos textuais devem estar presentes?  Quais os principais símbolos utilizados?  Existe uma classificação dos quadros de um storyboard?
  6. 6. RESULTADOS Atributo Teoria comprovada de forma prática Game Design UI Design Animação Aborda conceitos de semiótica Descreve o fluxo de criação do Storyboard Busca elementos de outras técnicas para a melhor compreensão do Storyboard Apresenta tipos de quadros, anotações e simbologia Descreve o uso de um sistema computacional Questionamento sobre a narrativa como ponto de partida Apresenta número adequado de quadros Mostra quais os elementos textuais devem estar presentes Classificação dos quadros e sequencias [1] [2] [3] [4]
  7. 7. DISCUSSÃO Questionamento sobre a narrativa como ponto de partida Simbologia não padronizada Método centrado no usuário Processo Iterativo observando nível de detalhamento
  8. 8. CONCLUSÃO Construção segmentada e iterativa Pode-se criar um sistema padrão de símbolos Evitar elementos textuais Elaborar um sistema de autoria comum, permitindo até mesmo engenharia reversa Utilização de outras técnicas artísticas
  9. 9. REFERÊNCIAS [1] K. N. Truong, G. R. Hayes e G. D. Abowd, “Storyboarding: An Empirical Determination of Best Practices and Effective Guidelines,” em DIS 2006, Pennsylvania, USA., 2006. [2] M. Haesen, J. Meskens, K. Luyten e K. Koninx, “Draw Me a Storyboard: Incorporating Principles & Techniques of Comics...,” pp. 133-142, 2010. [3] S. Greenberg, S. Carpendale, N. Marquardt e B. Buxton, “The Narrative Storyboard: Telling A Story About Use And Context Over Time,” Interactions, pp. 64-69, January/February 2012. [4] R. McDaniel, E. H. Vick, S. Jacobs e P. Telep, “Cardboard Semiotics: Reconfigurable Symbols as a Means for Narrative Prototyping in Game Design,” em ACM, New Orleans, Louisiana,, 2009.

×