Refino, transporte e comercialização (rtc) e petroquímica

2,822 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,822
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
642
Actions
Shares
0
Downloads
71
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Refino, transporte e comercialização (rtc) e petroquímica

  1. 1. Refino, Transporte e Comercialização (RTC) e Petroquímica Paulo Roberto Costa Diretor de Abastecimento 26 de outubro de 2011 1
  2. 2. AVISO Estas apresentações podem conter previsões Aviso aos Investidores Norte-Americanos: acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos A SEC somente permite que as companhias administradores da Companhia sobre condições de óleo e gás incluam em seus relatórios futuras da economia, além do setor de atuação, arquivados reservas provadas que a do desempenho e dos resultados financeiros da Companhia tenha comprovado por produção Companhia, dentre outros. Os termos ou testes de formação conclusivos que sejam “antecipa", "acredita", "espera", "prevê", viáveis econômica e legalmente nas "pretende", "planeja", "projeta", "objetiva", condições econômicas e operacionais "deverá", bem como outros termos similares, vigentes. Utilizamos alguns termos nesta visam a identificar tais previsões, as quais, apresentação, tais como descobertas, que as evidentemente, envolvem riscos e incertezas orientações da SEC nos proíbem de usar em previstos ou não pela Companhia e, nossos relatórios arquivados. consequentemente, não são garantias de resultados futuros da Companhia. Portanto, os resultados futuros das operações da Companhia podem diferir das atuais expectativas, e o leitor não deve se basear exclusivamente nas informações aqui contidas. A Companhia não se obriga a atualizar as apresentações e previsões à luz de novas informações ou de seus desdobramentos futuros. Os valores informados para 2011 em diante são estimativas ou metas. 2
  3. 3. ESTRUTURA DE NEGÓCIOSAtuação integrada, equilibrada e dominante no Brasil Exploração & Produção • Foco na produção em águas profundas e ultra-profundas. • Blocos concedidos e acesso a reservas garantem economias de escala. • Nova fronteira exploratória, próxima a operações existentes. Abastecimento • Posição dominante em um mercado em expansão e afastado de outros centros de refino. • Equilíbrio e integração entre produção, refino e demanda. Gás & Energia • Infraestrutura já instalada para escoamento do gás. • Flexibilidade nas operações. Biocombustíveis • Elevada Produtividade do etanol brasileiro • Disponibilidade de área agricultável • Grande mercado consumidor 3
  4. 4. RESERVAS E VOLUME RECUPERÁVELGrandes saltos de incremento de reservas com descobertas mais profundasMilhões Reservas Provadas – Critério SPE Crescimento boe Potencial Onshore Águas rasas Águas profundas e ultra-profundas Pré-sal: Lula e Cernambi 15,28 Bi boe Parque das Baleias, Mexilhão Roncador Marlim Namorado Guaricema Garoupa Carmópolis * Volume Recuperável do Pré-sal* Cessão Onerosa * Lula/Cernambi, Iara, Guará e Parque das Baleias, entre 8,1 e 9,6 bilhões de boe. Inclui somente parcela Petrobras. 4
  5. 5. PRODUÇÃOLongo histórico de implantação de projetos offshore no Brasil 8,2% a.a. nos últimos 30 anos 2.004 2000 Águas Profundas 1600 Águas Rasas Terra 1.271 1200 1.601Mil bpd 800 653 749 42 400 181 400 292 189 75 211 230 214 0 106 1980 1990 2000 2010 • 123 unidades offshore (45 flutuantes e 78 fixas) • 25 novas unidades instaladas nos últimos 5 anos P-56 FPSO Cidade de Angra dos Reis P-57 FPSO Cidade de Santos 5
  6. 6. PRODUÇÃOPetrobras pode mais que duplicar sua produção na próxima década 6.418 142 246 1.120 3.993 125 180 + 35 Sistemas 2.575 2.772 618 2.386 2.516 93 96 + 10 Projetos Pós-sal 99 96 141 + 8 Projetos Pré-sal 4.910 132 144 435 111 317 334Mil boe/dia 321 + 1 Projeto Cessão Onerosa 845 845 3.070 Cessão Onerosa 1.971 2.004 2.100 Capacidade Adicionada 13 13 1.855 Óleo: 2.300 mil bpd Pré-Sal 1.148 1.148 543 2008 2009 2010 2011 2015 2020 Produção de Petróleo - Brasil Produção de Gás - Brasil Produção Petróleo - Internacional Produção de Gás - Internacional • Pré-sal e Cessão Onerosa representarão 69% da produção adicional até 2020; • A participação do Pré-sal na produção de petróleo da Petrobras no país passará dos atuais 2% em 2011 para 18% em 2015 e para 40,5% em 2020. Nota: Não inclui produção internacional não consolidada. 6
  7. 7. MONETIZAÇÃO DAS RESERVASO mercado brasileiro é uma forma atrativa e sustentável de monetizar parte dasreservas da Petrobras Crescimento A GROWING MARKET IN BRAZIL CREATES DOWNSTREAM OPPORTUNITIES… OPPORTUNITIES… 27.1 Petroleum Consumption 25.0 (per capita) 21.7 16.0 15.3 14.8 12.6 12.4 10.7 4.5 4.6 3.7 2.3 1.4 0.6 0.8 1.0 0.3 US Japan OECD OECD1 Brazil China India 1980 2000 2009 Source: BP Statistical Review Note: 1. Includes France, Germany, Italy and the UK 18 Margens e Perfil do Refino Localização Distance PRODUCTS New refineries will produce higher value-added oil products Productivity of existing refineries – 2020 Productivity of new refineries – 2020 65% Vantagem 43% 36% 50% • Lead-Times Competitiva 38% 21% 9% 21% 10% 7% 15% 19% 4% 15% 15% 4% 11% 5% 6% 4% • Tanks • Inventories • Ships Sustentável Medium Distillated Light Diesel Jet Fuel Others Gasoline LPG Medium Distillated Naphtha Special Fuel Oil Intermediary Light Others • Increase in global demand for medium-distillated products tends to lead to an increase in price versus the Crude freight gasoline price. Product freight 8 40 Retorno e Risco Downstream profitability… Downstream Net Profit Margin (%) Adjusted EBITDA Breakdown per Segment (US$ bn) 1 Competitors Range 7 1 0.2 PBR 1.4 6 1.1 5 1 0.5 0.9 1 0.8 1.1 4 5.2 3 11.0 2 1 1 0 35.4 -1 25.0 -2 6 19.3 -3 06 07 08 09 10 Source: Reuters Knowledge TO COME Net Profit Margin = Net Profit / Total Revenue -0.8 -1.6 Competitors: XOM (US), XOM (non-US), CVX, RDS, COP -0.2 2007 2008 2009 1S09 1S10 E&P Downstream Dis tribuition G&E International 50 7
  8. 8. Perspectiva de Crescimento 8
  9. 9. FORTE DEMANDA DE DERIVADOS NO BRASILCrescimento da demanda de derivados tem superado o crescimento do PIB nos últimosanos Taxa de crescimento do PIB e demanda de derivados (anual) Projeção do PIB 11-20 Projeção da Demanda 11-20 12 Demanda de derivados 10 PIB histórico em termos percentuais (%) 8 6 5,5 4,1 4 2 3,8 4,5 0 Menor Maior -2 PIB PIB -4 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011* Pontos percentuais (p.p.) que o crescimento da demanda supera o crescimento do PIB 4 2 Diferença p.p histórica Diferença p.p. média Projetado 0 -2 -0,3 -1,0 -4 Menor Maior -6 PIB PIB 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011* 9
  10. 10. MERCADO DE QAVForte crescimento no setor de transporte aéreo nos últimos anos Número de passageiros transportados - transporte aéreo (mil) Assentos / Km disponível10.000 13.000 9.000 12.000 +12%a.a. 8.000 11.000 +12%a.a. 10.000 7.000 9.000 6.000 8.000 5.000 7.000 4.000 6.000 jan 07 jan 08 jan 09 jan 10 jan 11 jan 12 jan 07 jan 08 jan 09 jan 10 jan 11 jan 12 Em 2010, pela primeira vez em nossa história, o número de viagens interestaduais de avião superou as de ônibusFonte: ANAC 10
  11. 11. MERCADO DE AVIAÇÃOA redução expressiva dos preços das passagens aéreas associada à expansão darenda no Brasil levaram ao crescimento acelerado do setor Yield Tarifa Aérea R$ (Valores reais) Indicador econômico que corresponde ao valor médio pago por passageiro em cada quilômetro voado 1,1 R$ 2011 1,0 0,9 0,8 0,7 -62% 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012Fonte: ANAC http://www2.anac.gov.br/estatistica/tarifasaereas/ 11
  12. 12. MATRIZ DE TRANSPORTES CONCENTRADAA matriz de transporte brasileira depende fortemente do modal rodoviário Rússia 81% 8% 11% Canadá 46% 43% 11%Austrália 43% 53% 4% EUA 43% 32% 25% China 37% 50% 13% Brasil 25% 58% 17% Idade média da frota de mé caminhões (anos) Ferroviário Rodoviário Aquaviário e Outros Brasil Espanha EUA Alemanha InglaterraFontes: Plano Nacional de Logística e Transportes 2010 (PNLT), Ministério dos Transportes,Anuário do transporte de carga e Eurostat - 2007 12
  13. 13. MERCADO DE DIESELA demanda de diesel também cresceu de forma acentuada ... não só com base na recuperação da atividade ... mas também devido ao crescimento da atividade industrial ... agrícola no Brasil ao longo do tempo Índice - Produção Industrial145 180140 170 +52%135 132 160130 150125 140120 130115 120110 110 PIB105 100 PIB - Agricultura 104100 90 1Q00 1Q02 1Q03 1Q05 1Q07 1Q08 1Q09 1Q10 1Q01 1Q06 1Q04 jan 2008 jan 2009 jan 2010 jan 2011 A matriz de transporte de cargas no Brasil é altamente dependente de caminhões, com o crescimento da atividade econômica impulsionando a demanda de diesel. 13
  14. 14. EVOLUÇÃO DO MERCADO DE DESTILADOSForte crescimento foi observado seguindo a recuperação da economia Vendas de Diesel 4,1% 8,7% +9% Jan-Jun 10 Jan-Jun 11 • As vendas do 1S2011 foram 2006 2007 2008 2009 2010 Jan-Jun 11 superiores ao esperado, mantendo uma taxa de crescimento mais rápida do que o PIB Vendas de QAV 13,4% +17% 9,7% Jan-Jun 10 Jan-Jun 11 • No 1S2011 o QAV também teve crescimento mais rápido que o PIB 2006 2007 2008 2009 2010 Jan-Jun 11 14
  15. 15. ALTO POTENCIAL DE CRESCIMENTOMelhores padrões de renda e ainda baixo consumo per capita sugerem alto potencialde crescimento de demanda nos emergentes Consumo Total de Óleo Consumo per capita (Índice=100 em 2002) bbl/ habitante ano 27,1130 25,0 1980125 2000 22,3 2010120115 16,0 15,3 14,8110 12,8 12,4105 9,9100 4,5 4,9 95 3,7 1,4 2,5 90 0,6 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 OCDE EUA Brasil Mundo OCDE Fonte: BP Statistical Review 2011 15
  16. 16. PADRÕES DE CONSUMOA taxa de motorização no Brasil ainda é pequena em relação aos países desenvolvidostendo alto potencial de crescimento Licenças para novos veículos 17,4 18,0 2000 2010Milhões de Unidades 11,8 2015 6,0 5,0 3,7 3,2 2,6 2,7 2,7 2,2 3,5 4,0 3,0 2,1 1,5 0,8 Estados Japão Alemanha França Itália China Brasil Índia Unidos Número de veículos por 1000 habitantes 814 688 2010 592 545 599 2015 208 153 47 16 Estados Japão Alemanha França Itália China Brasil Índia Unidos 16
  17. 17. DEMANDA POR DERIVADOS NO BRASILPuxado pelo crescimento econômico e melhores padrões de vida Outros (PIB: 4,1% a.a.) Óleo Combustível Gasolina +3,8% a.a. Destilados Médios 3.095 2.643 928 2.147 792 mil bpd 128 1.814 1.776 696 124 567 602 593 507 98 189 108 402 315 314 1.472 1.219 951 708 761 2000 2005 2010 2015 2020 Fonte: Petrobras (Plano Estratégico 2020) 17
  18. 18. EXPANSÃO DO REFINORedução da dependência de importações de derivados Crescimento das importações ...e maior dependência do mercado acarretariam maiores custos logísticos... internacional Importações Líquidas como percentual da demandamil bpd 2006 2007 2008 2009 2010 2011E total (%)* EUA 3 Brasil (2010) 5 França 8 118 Alemanha 10 148 152 China 11 197 Japão 16 Espanha 21 México 22 299 328 Indonésia 24 Brasil (2020)** 40 * Fonte: IEA – 2010 World Energy Statistics ** Sem considerar ampliação do Parque de Refino 18
  19. 19. CRESCIMENTO REGIONALDurante a última década o crescimento de demanda de derivados foi mais aceleradonas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste Demanda 2001-2010 (mil bpd) Demanda 2010-2015 (mil bpd) 763 3,1% 4,9% 968 763 579 1,4% 1.384 3,9% 1.675 1.384 1.224 19
  20. 20. NECESSIDADE DE REFINO FORA DO EIXO SUL-SUDESTE Mercado em 2010 (mil bpd) Mercado em 2015 (mil bpd) 299 552 763 968 -464 -416 Capacidade Demanda Déficit Capacidade Demanda Déficit 1.652 1.466 1.675 1.384 82 -23 Capacidade Demanda Superávit Capacidade Demanda Déficit• Crescimento da demanda nas regiões CO, NE e N explica a concentração dos investimentos no Nordeste;• Também contribuem para esta localização os incentivos fiscais combinados a restrições ambientais. 20
  21. 21. PRODUÇÃO, REFINO E DEMANDA NO BRASILConstrução de novas refinarias para atender ao mercado domésticoMil bpd PREMIUM I (2ª fase) 4.910 300.000 bpd (2019) COMPERJ (2ª fase) 165.000 bpd 3.327 3.070 3.217 (2018) 2.643 3.095 COMPERJ PREMIUM II 2.004 2.147 (1ª fase) 2.205 2.536 300,000 bpd 1.814 1.798 165.000 bpd 1.641 (2017) (2013) 1.393 1.323 1.036 Abreu e Lima PREMIUM I (RNE) (1ª fase) 230.000 bpd 300.000 bpd 181 (2012) (2016) ... ... ... ... Produção de Óleo e Gás Natural - Brasil Carga Fresca Processada - Brasil Mercado de Derivados de Petróleo (2 Cenários) • Nenhuma refinaria nova construída desde 1980 • Demanda hoje excede capacidade de refino, com demanda crescendo 20% nos últimos 2 anos 21
  22. 22. Perfil do Refino e Margens 22
  23. 23. MARGENS DE REFINO Utilizamos premissas conservadoras frente ao histórico e frente a outros previsores Crack 321* e 2011-2020 (média) Diferencial leve-pesado* e 2011-2020 (média) (US$/bbl) Intervalo consultorias (US$/bbl) Intervalo consultorias 50 50 80 Intervalo Petrobras Intervalo Petrobras 45 45 50 70 40 45 60 35 30 50 25 40 20 30 Média 27 15 Média 2010,6 10 5 10 0 0 jan 06 jan 07 jan 08 jan 09 jan 10 jan 11 jan 12 * (Unleaded USG*2 + N2 Diesel USG)/3 - Brent * (Unleaded USG + N2 Diesel USG)/2 – Fuel Oil 3% USG Previsões indicam Spread crack 321 de US$ 8,5/bbl e diferencial óleo leve/pesado de US$ 21,8/bbl entre 2011e 2020. Fonte: Previsão dos consultores inclui Cera (3 cenários), Pira (3 cenários) e Woodmackenzie 23
  24. 24. MARGENS DE REFINO As margens podem ter grande amplitude de acordo com o tipo de petróleo processado e o rendimento de produtos $/bbl (dolares de 2010) PBR Margem Downstream USG LLS Cracking NWE Brent Topping USG Maya Coking 30 NWE Brent Cracking 25 20 19 -8 15 11 10 +6 6 5 0 USG LLS PBR USG Cracking Margem Maya -5 Downstream Coking 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010Fonte: Margens internacionais - PIRA 24
  25. 25. PETROBRAS X MAYA COKINGA comparação mostra que o efeito do perfil processado e do rendimentomédio explicam o nosso desvio de margens em relação ao Maya Coking Comparação de margens Petrobras e Maya Coking (média 2002-2010) 19 US$/bbl 2010 3 5 11 Margem Efeito Custo Efeito Margem Maya Coking Matéria-Prima Rendimento Petrobras 25
  26. 26. CONVERSÃONovas refinarias terão maiores capacidades de conversão, permitindo menor custo dematéria-prima Capacidade de Conversão / Capacidade de Destilação Custo Médio de Petróleo (2020) 70 Coque 68% 65% 64% (US$/bbl) FCC 60 HCC -5,8 50 31% 26% -2,3 40 37% 10% 65% 30 20 38% 36% 27% 10 Brent Refinarias Refinarias 0 existentes Premium Refinarias RNE COMPERJ PREMIUM (2010) existentes (2010) 26
  27. 27. PRODUTOSNovas refinarias produzirão derivados de maior valor agregado Rendimentos das refinarias existentes - 2020 Rendimentos das novas refinarias - 2020 65% 43% 50% 36% 38% 21% 21% 19% 4% 15% 10% 4% 9% 7% 15% 15% 11% 5% 6% 4% Destilados Médios Leves Outros Destilados Médios Leves Outros Diesel Gasolina Nafta Óleo Combustível QAV GLP Especial Intermediário • O aumento da demanda global por destilados médios tende a levar a um aumento do preço em relação ao da gasolina. 27
  28. 28. PREÇOS DE DESTILADOSNos destilados, nos aproximamos da paridade de importação nos últimos anos Os destilados tiveram um prêmio nos últimos anos de 8 US$/bbl em relação às cotações do Golfo Americano, valor próximo ao custo de frete + internalização US$/bbl (dólares) 8,0 8,0 90,0 93,9 88,1 Média 2002-2010 87,3 85,8 82,0 USGC EUA PBR USGC EUA PBR Diesel QAV … e esses são exatamente os produtos em que as novas refinarias estarão focadas. 28
  29. 29. OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS DAS PREMIUMS Economias de Escala e novas estratégias de …e permitem menores custos de refino em implementação reduzem CAPEX… função de remodelação dos projetos…• “Design competition” determinada em função do menor Custo de Refino do parque atual custo final (US$ / bbl em 2010)• Seleção da UOP – Companhia Internacional com vasta Idade (anos) experiência no setor de refino 70• Design único integrando off-site e on-site 60 6,4• Designer participando desde a concepção inicial até o início das operações técnicas 50 4,7• Economias de Escala (RPRE: módulos de 300mil bpd) 40 2,6• Padronização das especificações técnicas dos 30 equipamentos 20 0 100 200 300 400 Escala (mil bpd) 29
  30. 30. FATORES QUE IMPACTARÃO O CUSTO DAS PREMIUMProjeto ainda em andamento já permite avaliar algumas otimizações Escopo otimizado RNEST RPRE Efeitos esperados (projeto ainda em elaboração) peso/capacidade: 80% menor Unidade de HDT de Diesel 6 reatores 1 reator Menos interligações peso/capacidade: 60%menor Unidade de HDT de Diesel 2 fornos 1 forno Menos interligações Menos: interligações / plataformas Unidade de Coque 6 tambores 4 tambores de acesso / instrumentos / válvulas etc. 58 tanques 70 tanques p/ 230 kbpd p/ 600 kbpd Ganho de escala, menos Tancagem interligações 0,25 tanques/kbpd 0,12 tanques/kbpd 83 pontes, sendo Eliminação das pontes e maior Tubovias 20 de aprox. 96m Pipe-rack produtividade 63 de aprox. 18m Envelopes elétricos subterrâneos Menos escavação, menor impacto Cable-rack Interligação Sistema Elétrico de chuvas nas obras, menor (160.000 m³ de (aéreo) volume de concreto concreto) 30
  31. 31. Localização dos mercados 31
  32. 32. LOGÍSTICAA distância da costa brasileira aos centros de refino é de, no mínimo, 5.000 milhas Distância em milhas / dias de viagem 5.400 16 dias 5.500 16 dias 11.200 33 dias 8.000 24 dias Processar no Brasil implica em: • Menores lead-times • Menor necessidade de tanques • Menores estoques • Menor necessidade de navios Petróleo 32
  33. 33. IMPACTO EM CUSTOS DE TRANSPORTEDistâncias significam custos de frete relevantes para alcance dos diferentes mercados Fretes marítimos ($/bbl) 2,8 4,9 5,4 2,8 7,7 4,1 Processar no Brasil implica em: • Menores lead-times • Menor necessidade de tanques • Menores estoques Petróleo • Menor necessidade de navios Derivados 33
  34. 34. REFINO GLOBALEstes custos de frete e suprimento levam à expansão do refino a se concentrar nasregiões onde os mercados apresentam crescimento acelerado Aumento da Capacidade de Refino (2011-2016) 3.204 Novas Refinarias Mil bpd Expansão 1.997 1.755 736 703 437 153 Ásia Oriente América América Europa Ex URSS África Médio do Norte Latina • Pequenas refinarias e com baixa complexidade estão sendo fechadas nos mercados estagnados • Novas refinarias de larga escala e alta complexidade, adaptadas a processar petróleo pesado em mercados crescentes Fonte: Pira, Petrobras, 2011 34
  35. 35. Risco e Retorno 35
  36. 36. RENTABILIDADENovos projetos de refino tem taxa de retorno acima do custo de capital Taxa de Principais Premissas:Retorno (%) • Refinaria com trem de 300 k bpd 18 • Esquema de refino com HCC, 16 Coque e HDT 14 • Custo de Refino em linha com as 12 refinarias atuais de mesma escala 10 • Análise integrada 8 • Produção voltada para o mercado interno 6 • Não inclui benefícios fiscais na 4 operação do ativo 2 0 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 Margem US$/bbl Caso 1 – Capex US$ 30.000/bpd Caso 2 – Capex US$ 40.000/bpd cenário esperado Caso 3 - Capex US$ 50.000/bpd 36
  37. 37. MITIGAÇÃO DE RISCOSAlém do retorno, expansão do refino permite mitigar riscos do upstream, como em2009, além do benefício da integração Composição EBITDA Ajustado por Segmento (US$ bi) 48 2 1 40 2 35 1 2 1 0 33 1 2 1 1 4 1 11 41 35 31 19 -2 0 2008 2009 2010 2011* Internacional Abast Distribuição E&P G&E Nota: (*) Calculado pelas taxas médias de câmbio e considerando os últimos 12 meses até 30/06/11 37
  38. 38. INTEGRAÇÃO DE NEGÓCIOSA Petrobras assumirá um papel destacado na indústria através do aumento deprodução e da expansão do dowstreamProdução de Petróleo M bpd 6 2020 5 4 3 2010 2 1 1980 0 0 1 2 3 4 5 6 Capacidade de Refino Para as demais empresas, capacidades em 2010. 38
  39. 39. SUPORTE ÀS OPERAÇÕES DE UPSTREAMEsta atuação integrada pode ser verificada no Capex de “downstream” dedicado asuportar as operações de upstream Capex dos Programas de Capex dos Programas de Destinação do Expansão da Frota Petróleo Nacional US$ 4,4 bilhões US$ 3,5 bilhões Plangás Projetos Outros Pré-Sal 21% 30% 51% 70% 28% Suprimento Petróleo 39
  40. 40. FLEXIBILIDADES NO PARQUE EXISTENTEA existência de um parque de refino doméstico flexível mitiga os riscos decorrentesde flutuações relevantes na demanda VENDAS PRODUÇÃO k bpd 1.873 1.985 1.786 +5% +7% Derivados 1S10 1S11 1S10 1S11 VENDAS PRODUÇÃO VENDAS PRODUÇÃO +9% +6% +16% +14% 812 734 413 392 747 692 357 343 Gasolina Diesel 1S10 1S11 1S10 1S11 1S10 1S11 1S10 1S11 (*) Vendas do Abastecimento, não incluem as eliminações com a BR 40
  41. 41. Considerações Finais 41
  42. 42. INVESTIMENTOSInvestimentos em Refino, Petroquímica e Logística US$ 70,6 Bilhões • Ampliação do parque de refino: Refinaria do 4,9% NE, Premium I e II e Comperj; 4,5% 1,0% 6,2% 1,1% 0,8% • Atendimento ao mercado interno: Projetos de 15,2% modernização, conversão e de 13,9% hidrodessulfurização; 50,1% • Melhoria Operacional: manutenção e otimização do parque, SMES e P&D; 26,4% 23,9% • Ampliação da Frota; • Destinação do óleo nacional: suprimento de petróleo das refinarias e infraestrutura para Ampliação do Parque de Refino Atendimento ao Mercado Interno exportação de óleo. Melhoria Operacional Ampliação de Frotas Destinação do óleo nacional Investimentos em Petroquímica somam US$ 3,8 bi Internacional 42
  43. 43. NÍVEL DE INVESTIMENTOSInvestimentos decrescentes em qualidade, após a fase de modernização do parqueInvestimentos de US$ 16 bilhões entre 2011-15 Redução do nível de enxofre 7,0 US$ 16 Bi 5,9 4,9 4,5 Enxofre Médio - Diesel (ppm) 3,2 2,3 1,1 1,0 1,0 <250 0,1 0,2 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 43
  44. 44. INVESTIMENTO EM QUALIDADEConstrução de novas unidades em refinarias já existentes Qualidade da Gasolina Qualidade do Diesel 2015 em 2011 2012 2013 2014 2015 2011 2012 2013 2014 diante 1000 ppm Transição 50 ppm Diesel S-1800 Diesel S-500 REDUC RECAP REPLAN Gasolina Diesel e Gasolina Gasolina Diesel S-50 REFAP Gasolina REPAR Diesel S-10 Gasolina REVAP Gasolina RECAP REGAP REFAP REDUC REPAR Diesel e Diesel Diesel Diesel REGAP Diesel Gasolina Gasolina RLAM REPLAN RPBC RPBC Diesel Diesel Diesel Gasolina REGAP RLAM Revamp Gasolina HDT Confirmando o compromisso da Petrobras com sustentabilidade e diminuição da emissão de enxofre 44
  45. 45. INVESTIMENTO EM HIDRORREFINOFase de crescimento para atingir os padrões internacionais de qualidadeCapacidade de hidrorrefino em relaçãoa capacidade de destilação 100 95% 86% 80 74% (2020) 67% 70% 69% 70% 15% 59% (2015) 60 40 36% 23% (current) 20 23% 0 Agregando valor ao nosso petróleo doméstico através da produção de diesel e gasolina em linha com os padrões internacionais. Estamos alcançando nossa capacidade de hidrorrefino já que o setor teve desinvestimento nos últimos anos. 45
  46. 46. ESTRATÉGIA NA ÁREA DE PETROQUÍMICA SEGMENTO DE NEGÓCIOS DE PETROQUÍMICA Atuar em petroquímica de forma integrada com os demais negócios do Sistema PETROBRAS Ampliar a produção de petroquímicos e de biopolímeros preferencialmente através de participações societárias no Brasil e no exterior • Atuar, de forma integrada com os demais negócios da Petrobras, na produção de petroquímicos básicos e de segunda geração e de biopolímeros; • Privilegiar o desenvolvimento de ativos no Brasil; • Desenvolver o projeto COMPERJ buscando parcerias societárias; 46
  47. 47. CONSIDERAÇÕES FINAISAgregando valor no Refino Transporte e Comercialização (RTC) e Petroquímica Preservar nossa posição no mercado brasileiro, como a melhor forma de monetizar nossas reservas de petróleo Focar o parque de refino para a produção de destilados médios e adequar a especificação dos combustíveis às restrições ambientais Reduzir os níveis de importação por meio de expansão capacidade de refino e maximizar o processamento petróleo nacional Otimizar a implantação de módulos de refino com escala e projeto padronizados Criar infra-estrutura adequada e flexível para agregar valor às operações de exportação de petróleo Mitigar riscos e utilizar as flexibilidades do parque existente para otimizar o portfólio de produtos 47
  48. 48. Informação:Relações com Investidores+55 21 3224-1510petroinvest@petrobras.com.br 48 48

×