Edição 36 - Petrobras em Ações - nº 01/2011

1,462 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,462
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Edição 36 - Petrobras em Ações - nº 01/2011

  1. 1. Relacionamento com Investidores • Ano XI • nº 36 Prêmio no Chile n A Petrobras Chile recebeu o Prêmio de Empresa Destaque em 2010 por sua Novidades do pré-sal contribuição ao desenvolvimento econômico daquele país. O reconhecimento se deu pela importância da companhia no mercado local O de combustíveis, com investimentos em tecnologia, qualidade e meio ambiente. primeiro sistema definitivo de produção do pré-sal teve início em outubro de 2010, no campo de Lula, com a entrada em Acordos com chinesas operação da plataforma Cidade de Angra dos Reis. No primeiro n A Petrobras assinou dois importantes acordos com as empresas chinesas trimestre de 2011, a companhia iniciou Testes de Longa Duração Sinopec (China Petrochemical Corporation) (TLDs) em outros campos do pré-sal. O objetivo dos TLDs é obter informa- e Sinochem (Sinochem Corporation). Com ções sobre as características dos reservatórios para a definição dos projetos a Sinopec, a companhia firmou Acordo definitivos de desenvolvimento da produção. de Cooperação Tecnológica para troca de conhecimentos em geofísica, geologia Em fevereiro, entrou em operação o TLD do reservatório de e engenharia de reservatórios. Com a Tracajá, localizado a 124 km da costa do Rio de Janeiro, na área do pré-sal Sinochem foi assinado Memorando de do campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos. A descoberta de Traca- Entendimentos para Cooperação Estratégica já faz parte do Programa Planóleo, que busca intensificar os trabalhos de para identificar e viabilizar oportunidades de negócios nas áreas de upstream, exploração e produção nas áreas próximas a campos que já se encontram comercialização e recuperação de campos em operação. maduros. Em abril, outros dois TLDs foram iniciados: na área nordeste do campo de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos, a cerca de 300 km da costa do Rio de Transporte de etanol n Em março, foi criada a Logum Logística Janeiro, e na área de Brava, na concessão de produção do campo de Marlim, S.A., que será responsável pela construção, localizado a 170 km da cidade de Macaé (RJ). O TLD de Lula Nordeste é desenvolvimento e operação de um um projeto do consórcio formado pela Petrobras (operadora, com 65% de abrangente sistema logístico multimodal participação), BG Group (25%) e Galp Energia (10%). para transporte e armazenagem de etanol. Petrobras, Copersucar S.A., Cosan S.A. Cinco reservatórios estão em produção no pré-sal da Bacia de Campos: Indústria e Comércio e Odebrecht Transport Brava, Jubarte, Baleia Franca, Tracajá e Carimbé (este último iniciado em Participações S.A. detêm, cada uma, 20% 2010, na concessão do campo de Caratinga). O petróleo do pré-sal das ações da empresa. também já está sendo exportado: 1 milhão de barris de petró- Aquisição da Innova leo extraídos do campo de Lula foram vendidos à estatal chilena Empresa n A Petrobras passou a deter 100% Nacional de Petróleo (Enap). do capital social da Innova, empresa petroquímica brasileira antes controlada pela Petrobras Energia Internacional (Pesa). Assim, a companhia terá autonomia para realizar novos investimentos na Innova e alinhar a atuação desta empresa aos seus negócios Navio-plataforma no Brasil. Ao mesmo tempo, a Pesa poderá FPSO Cidade de Angra concentrar suas atividades na Argentina. O valor da operação foi de US$ 332 milhões. dos Reis Produção em março n A produção média de petróleo e gás natural da Petrobras, no Brasil e no exterior, em março, foi de 2.613.994 barris de óleo equivalente por dia (boed), ante 2.603.953 boed em fevereiro. No Brasil, a produção alcançou 2.376.186 boed. No mês, houve retorno à produção de plataformas que se encontravam em manutenção e entrada em Petrobras Executivo Construção operação do Teste de Longa Duração do é destaque nos de Petróleo do e afretamento de campo de Sidon, na Bacia de Santos. EUA Ano sondas Pág. 3 Pág. 4 Pág. 4
  2. 2. Resultados do primeiro trimestre de 2011LUCRATIVIDADE N o primeiro trimestre de prio para os acionistas e pagos R$ 1 bi- A modernização das refinarias 2011 (1T11), a Petrobras obteve lhão 565 milhões em dividendos. Além possibilitou maior produção de diesel lucro líquido recorde, que disso, foi aprovada a distribuição de melhor qualidade. atingiu R$ 10 bilhões 985 milhões, antecipada de remuneração aos O preço médio, em reais, dos deri- 42% superior ao registrado no mesmo acionistas, sob a forma de juros so- vados vendidos no mercado brasileiro período de 2010 (1T10), e também bre o capital próprio, no montante de aumentou 4% na comparação entre o registrou aumento do lucro bruto, R$ 2 bilhões 609 milhões. 1T11 e o 1T10, e as vendas nesse com variação positiva de R$ 894 mi- A produção total de petróleo e mercado no período foram 7% lhões. O aumento na cotação do petró- gás natural no Brasil e exterior no 1T11 superiores às do 1T10. No 1T11, leo Brent, que atingiu a média de aumentou 3% em relação ao 1T10, a importação de petróleo aumentou US$ 104,97 no 1T11 (contra US$ 76,24 atingindo a média diária de 2 milhões devido à necessidade de recomposi- no 1T10), elevou as receitas da exporta- 627 mil barris de óleo equivalente (boed). ção de estoque. Além disso, as impor- ção e da produção. As vendas do seg- Entraram em operação novos projetos tações de derivados aumentaram 2% mento internacional registraram aumen- do Plano de Antecipação da Produção no período como reflexo do cresci- to na receita de R$ 1 bilhão e 94 milhões. de Gás (Plangas). Houve elevação da mento na demanda. No mesmo período, as despesas fica- produção nas plataformas exis- Em janeiro de 2011, a compa- ram estáveis em relação ao 1T10. Com tentes e também no piloto do campo nhia realizou a maior colocação de isso, a companhia obteve lucro opera- de Lula, além de vários testes de longa dívida por uma empresa brasileira no cional 8% superior e geração operacio- duração (TLDs) na área do pré-sal. mercado internacional de capitais, com a nal de caixa (EBITDA) 7% maior em Destaca-se no trimestre a utili- emissão de títulos no valor de US$ 6 bi- relação ao 1T10. Os investimentos zação de 92% da capacidade lhões (vencimentos de 5, 10 e 30 anos). Os no 1T11 totalizaram R$ 15 bilhões nominal das refinarias no Bra- recursos captados são para investimentos 871 milhões. sil, decorrente dos investimentos em do Plano de Negócios, mantendo-se a es- No mesmo período, foram desem- melhorias operacionais. Foram proces- trutura adequada de capital e o grau de bolsados R$ 2 bilhões 218 milhões sados 1 milhão 852 mil bpd de petró- alavancagem financeira em linha com a título de juros sobre o capital pró- leo, 7% a mais do que no 1T10. as metas da companhia.RESULTADOS & RETROSPECTIVA Em R$ Milhões 1T11 1T10 Variação (%) Em R$ Milhões 1T11 1T10 Variação (%) Vendas líquidas 54.800 50.412 8,7 EBITDA 16.093 15.076 6,7 Lucro bruto 20.204 19.310 4,6 Valor de mercado (controladora) 402.487 332.381 21,1 Lucro operacional * 12.536 11.617 7,9 Investimentos consolidados 15.871 17.753 (10,6) Lucro líquido 10.985 7.726 43 Endividamento líquido** 66.064 62.067 6,4 Lucro líquido por ação (R$) 0,84 0,88 (4,5) Estrutura de capital (capital de terceiros 34 33 3,0 líquido / passivo total líquido) (percentual)** * Antes das receitas e despesas financeiras e da equivalência patrimonial. ** (1T 2011 x 4T 2010) Em mil barris óleo equivalente/dia 1T11 1T10 Variação (%) Produção total de petróleo, LGN e gás natural 2.627 2.547 3,1 500 Produção total de derivados 1.877 1.765 6,3 450 Exportação líquida de petróleo e derivados (38) 126 (130,2) 400 Capacidade de utilização das refinarias – no Brasil 2.007 1.942 3,3 350 Capacidade de utilização das refinarias – no exterior 281 281 0,0 300 Participação do óleo nacional na carga processada 82% 80% 2,5 162% IBOV 250 Variação Real Acumulada das Ações 200 145% PETR3 150 IBOVESPA PETR3 PETR4 135% PETR4 (%) (%) (%) 100 Nos últimos 10 anos 433,08 ou 18,22 a.a. 403,88 ou 17,55 a.a. 376,85 ou 16,91 a.a. 50 1/1/2006 1/7/2006 1/1/2007 1/7/2007 1/1/2008 1/7/2008 1/1/2009 1/7/2009 1/1/2010 1/7/2010 1/1/2011 Nos últimos 5 anos 189,72 ou 23,71 a.a. 47,94 ou 8,15 a.a. 46,68 ou 7,96 a.a. No último ano 5,95 (26,65) (25,62)
  3. 3. INTERNACIONALEXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO Mais um bloco exploratório Petrobras é destaque na África nos Estados Unidos A Petrobras adquiriu 50% de participação no bloco 4, lo- calizado na costa do Benin – país A Petrobras tem se destacado em suas operações nos Estados Unidos. O Escritório de Administra- “Indústria do Ano”, em reco- nhecimento à “excelência dos servi- ços prestados à comunidade” pela situado na costa oeste da África, junto à ção, Regulamentação e Supervisão refinaria da Petrobras. empresa Compagnie Béninoise des de Energia Oceânica dos Estados A PRSI é membro da Câmara de Hydrocarbures (CBH), subsidiária da Unidos (BOEMRE, na sigla em inglês) Comércio de Pasadena há 53 anos Lusitania Petroleum, que permanece concedeu licença para a com- e se orgulha por contribuir para o com os 50% restantes. A CBH perma- panhia iniciar a produção de contínuo crescimento e prosperi- nece como operadora do ativo, mas a petróleo e gás natural em seu dade da cidade e áreas adjacentes. Petrobras tem o direito de assumir a projeto nos campos de Cascade e A Petrobras, desde a compra da refi- operação. Chinook, no Golfo do México. naria em 2008, tem realizado inves- A expectativa é encontrar óleo leve, A direção do órgão destacou timentos para aprimorar a eficiência reproduzindo descobertas realizadas a qualidade tecnológica do e a segurança. em atividades exploratórias no conti- projeto da Petrobras e ressal- nente africano, segundo a estratégia da tou a colaboração entre a indústria Petrobras de buscar oportunidades em e o governo americano para a pro- águas profundas e ultraprofundas na dução segura de recursos de energia região, onde já possui importante atua- no país. ção. O bloco cobre uma área de Com essa licença, a Petrobras aproximadamente 7,4 mil km2, iniciará em breve a produção com profundidade d’água que varia de no Golfo do México em cam- 200 metros a 3 mil metros, a uma dis- pos localizados a 2.500 metros de tância média de 60 km da costa. profundidade e utilizará o primeiro navio-plataforma do tipo FPSO a operar na região. Já a Refinaria de Pasadena (PRSI), localizada em Pasadena, no Operação inéditaLOgíSTICA Texas (EUA), recebeu da Câmara de Refinaria de no mar Comércio daquela cidade o prêmio Pasadena A Petrobras realizou com sucesso, em março, a primeira opera- Anunciado Terminal de gÁS E ENERgIA ção de abastecimento de bunker Regaseificação na Bahia a partir de outro navio em São Luís (MA). O procedimento ocorreu a cerca de 20 km da entrada do porto de São Luís, onde estão fundeados 95% dos navios com destino ao porto da ca- pital maranhense. E m março, foi assinado Protocolo de Intenções entre a Petrobras e o governo do estado da Bahia com sentando um investimento de US$ 706 milhões, com índice de nacionalização de 80%. Para a implantação dessa nova mo- o objetivo de definir ações a serem Quando o TRBA entrar em ope- dalidade de abastecimento foi incor- tomadas pelas partes que propicia- ração, o Brasil terá capacida- porado à frota de bunker o navio Sea rão as condições para a implantação de de regaseificar 35 milhões Emperor, com casco duplo, equipado do Terminal de Regaseificação da de m³/dia, volume maior que os com propulsor que facilita as manobras Bahia (TRBA). 31 milhões de m³/dia de gás natu- e tem capacidade de fornecimento de A construção do Terminal, que ral importados da Bolívia. Assim, a 12 mil toneladas. O potencial de aten- terá capacidade para regaseifi- Petrobras agregará ainda mais segu- dimento nos terminais que compõem car 14 milhões de m³/dia, vai rança e flexibilidade ao atendimento o porto (Itaqui, Ponta da Madeira e assegurar a injeção de gás natural no do mercado, uma vez que ampliará Alumar) é de 70 navios por mês. maior estado consumidor deste o acesso a diferentes fontes de oferta Com o início das operações, a combustível do Nordeste. A obra co- (nacional e importada). A malha de Petrobras espera um crescimento susten- meçará em março de 2012 e será gasodutos brasileira atingiu 9.634 km tável nas vendas do produto na região. concluída em agosto de 2013, repre- em 2010.
  4. 4. Executivo de Petróleo do Ano O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli de Azevedo, foi eleito o Executivo de Petróleo do Ano pela Energy Intelligence, um importante pro- vedor independente de informações e análises para o setor de energia há mais de 60 anos. Ele foi escolhido entre os dirigentes das cem maiores companhias do mundo no segmento. A escolha de Gabrielli se deu por liderar a companhia num período de grande crescimento, cujos principais destaques foram: as descobertas no pré-sal (as mais importantes da última década), o sucesso da operação de capitalização, o segun- do maior valor de mercado entre empresas de petróleo e a posição da Petrobras como líder em tecnologia de exploração e produção em águas profundas, com um dos mais altos padrões de segurança e eficiência do setor. Programa de Uma das mais Financiamento de sustentáveis do Fornecedores mundo A Petrobras lançou o Programa Progredir, que viabiliza de for- ma ágil e padronizada a oferta de A Petrobras aparece pelo segundo ano consecutivo entre as cem empresas mais sustentáveis do mundo, segundo o crédito em volume e condições ranking Global 100 da revista Corporate competitivas para as empresas que Knights, publicação canadense especializada integram a cadeia de fornecedores em responsabilidade social e desenvolvi- da Petrobras. Cerca de 20 mil em- mento sustentável. presas compõem a cadeia de forne- O estudo foi elaborado com base numa cedores de bens e serviços da Petro- pesquisa que analisou 3.500 companhias de bras e as empresas de pequenos e 24 países e de todos os setores da econo- médio porte encontram dificuldade mia. A Petrobras subiu 12 posições em rela- de acesso a recursos financeiros. ção ao ranking anterior e ficou em 88º lugar, A estimativa é que o custo de capta- sendo uma das três empresas brasileiras da ção dos fornecedores caia, em mé- lista (Natura, 66º, e Bradesco, 91º). dia, 20%. A iniciativa, desenvolvida em parceria com os seis maiores banco de varejo do País e com o Programa de Mobilização da Indústria Nacio- Construção e afretamento de sondas nal de Petróleo e Gás Natural, conta com o apoio da indústria e de suas entidades de classe. O crédito não A Petrobras aprovou a contratação para construção e afretamento de sete sondas. Esse lote faz parte dos A Sete BR é uma empresa constituída pelo Fundo de Investimentos em Participações, gerido pela Caixa Eco- envolve recursos da Petrobras. processos de licitação destinados à nômica Federal, que detém 90% da A fase piloto do programa, que é contratação de até 28 sondas de per- empresa e terá como quotistas inves- complementar a outras ações da furação marítima para atendimento tidores de mercado. A Petrobras dete- Companhia voltadas para o fortale- do programa de perfuração de longo rá 10% das ações da nova empresa. cimento de sua cadeia produtiva, foi prazo da companhia, prioritariamente A Sete BR admitirá como parceiras implantada em setembro de 2010. para utilização nos poços do pré-sal. e coproprietárias dos navios-sonda Nesta primeira etapa, 15 empresas O contrato de afretamento será empresas com experiência operacio- obtiveram financiamento junto aos realizado com a Sete Brasil S.A. (Sete nal para operar as sondas na presta- bancos por meio da iniciativa, com BR), que assumirá o contrato de cons- ção dos serviços contratados pela volume total de R$ 137 milhões. trução com o Estaleiro Atlântico Sul. Petrobras. 9 10Informativo publicado pela Gerência de Relacionamento com Investidores da Petrobras • Gerente executivo: Theodore Helms • Editor e jornalista responsável: OrlandoGonçalves Jr. MTb-MA 993 • Colaboração: Bianca Nasser, Fabrizio Carega, Gregor Iriarte (estagiário) e Luciana Guilliod • Contato: Suporte ao AcionistaTels.: (21) 3224-1540/4914 e 0800 282-1540 • Fax: (21) 2262-3678 • Endereço: Av. República do Chile, 65 / Sala 2202-B • Centro – Rio de Janeiro – RJ – CEP 20031-912 • E-mail: acionistas@petrobras.com.br • Projeto gráfico e diagramação: Estúdio Matiz Visite nosso site www.petrobras.com.br/ri

×