Ei! Você Sabe Dizer Não?

1,415 views

Published on

A importância de se estabelecer limites com os Stakeholders de projeto

Published in: Business, Technology
1 Comment
0 Likes
Statistics
Notes
  • Excelente, maravilhoso será muito útil em conhecimentos.

    Obrigada.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,415
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
370
Actions
Shares
0
Downloads
49
Comments
1
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ei! Você Sabe Dizer Não?

  1. 1. Ei! Você sabe dizer não? Peter Mello, SpS, PMP, PMI-SP Osvaldo Pedra, SpP, PMP
  2. 2. Tópicos
  3. 3.
  4. 4. Identificação do Problema <ul><li>GPs estão no centro de necessidades e expectativas diferentes e normalmente concorrentes entre si. </li></ul><ul><li>Projetos falham quando não sabemos estabelecer limites a expectativas de clientes, fornecedores, equipe e demais envolvidos. </li></ul>
  5. 5. Identificação do Problema <ul><li>Dizer SIM e NÃO e dar espaço para que os envolvidos também digam SIM e NÃO são elementos fundamentais para se estabelecer metas consistentes e se atingir resultados positivos em projeto. </li></ul>Dizer NÃO pode doer. Não dizer pode ser pior...
  6. 6. Identificação do Problema <ul><li>A origem do NÃO não pode ser hierárquica, mas racional. </li></ul>
  7. 7. Identificação do Problema <ul><li>O NÃO precisa ser justo. </li></ul><ul><li>E portanto calcado em boas informações. </li></ul><ul><li>Nem o mais habilidoso fanfarrão convence a todos sem fundamento técnico. </li></ul>
  8. 8. Identificação do Problema <ul><li>Precisamos : </li></ul><ul><ul><li>NÃO aceitar a imposição de datas e durações indevidas; </li></ul></ul><ul><ul><li>NÃO aceitar a limitação de recursos em função de uma economia questionável; </li></ul></ul><ul><ul><li>NÃO experimentar um ambiente de projetos desprovido de informações adequadas; </li></ul></ul><ul><ul><li>- NÃO nos comprometermos com níveis de incerteza não identificados/pactuados ... </li></ul></ul>
  9. 9. Identificação do Problema <ul><li>Precisamos então: </li></ul><ul><ul><li>Desenvolver nossa capacidade de liderança e influência sobre os stakeholders; </li></ul></ul><ul><ul><li>Planejar com maior cuidado e níveis de detalhe todas as etapas de projeto; </li></ul></ul><ul><ul><li>Envolver e motivar os envolvidos em função de resultados realistas... </li></ul></ul>
  10. 10.
  11. 11.
  12. 12.
  13. 13. Reconhecendo a importância do ACASO Entende-se por qualidade a entrega daquilo que atende às expectativas do cliente.
  14. 14. Reconhecendo a importância do ACASO Riscos perturbam a ordem nas áreas de Integração, Recursos Humanos, Comunicação, Aquisições ...
  15. 15. Reconhecendo a importância do ACASO O efeito em qualquer área percebe-se em alterações do ESCOPO, do PRAZO ou dos CUSTOS.
  16. 16. Reconhecendo a importância do ACASO Alterando a Qualidade desejada Qualidade
  17. 17. Reconhecendo a importância do ACASO Assim, A peça fundamental encontra-se no tratamento do ACASO Qualidade
  18. 18. Reconhecendo a importância do ACASO A essência de se dizer “ não ” está em reconhecer que a incerteza e o acaso imperam em qualquer projeto. Constrói-se assim uma transformação do “Triângulo de Ferro” em um “Quadritriângulo” para o gerenciamento ativo dos riscos em projetos.
  19. 19. Reconhecendo a importância do ACASO <ul><li>Um bom Plano de Projeto é um INSTRUMENTO para determinar um escopo e custo adequado e preparar o terreno para integrar os esforços em torno de objetivos documentados de projeto. </li></ul><ul><li>Os processos de integração, qualidade, recursos humanos, aquisições e comunicação têm como objetivo máximo viabilizar “o quê” (escopo) será feito “quando” (tempo) e “por quanto” (custos) e todos os oito processos circundam o acaso (riscos). </li></ul><ul><li> </li></ul>
  20. 20. Reconhecendo a importância do ACASO <ul><li>NÃO planejar é Planejar para FALHAR. </li></ul><ul><li>Mas se alguém encontrar uma forma mais adequada de realizar um projeto, o que importa são os resultados, certo? </li></ul><ul><li> </li></ul>
  21. 21. Reconhecendo a importância do ACASO <ul><li>O TEMPO e os RISCOS seguem seus rumos com ou sem nossa interferência. </li></ul><ul><li> </li></ul><ul><li>E sobre estes dois devemos fundamentar a realização do RESULTADO do projeto. </li></ul>
  22. 22. Reconhecendo a importância do ACASO Diga NÃO aos cronogramas determinísticos. Um projeto pode ter algumas datas fixadas baseadas em um compromisso (MARCOS & FINALIZAÇÃO)
  23. 23. Reconhecendo a importância do ACASO As demais datas de projeto devem/irão/precisam flutuar dentro de margens controladas. Limite Técnico Médias Históricas Registros Pessimistas
  24. 24. Reconhecendo a importância do ACASO O caminho do risco é o sucesso, o do acaso é a sorte. (Raul Seixas, Caminhos) O homem constrói o Ídolo do Azar para justificar sua própria imprudência. (Platão)
  25. 25.
  26. 26. Aprendendo a dizer “Não” Relato de casos e provocação para um debate
  27. 27.
  28. 28. Conclusões <ul><li>A trajetória para o sucesso de qualquer projeto passa por um planejamento adequado de suas ações e um envolvimento freqüente com os envolvidos para estabelecer sinergia entre os objetivos particulares e uma meta comum. </li></ul><ul><li>Gerentes de projeto que não sejam capazes de dar fundamentação técnica a seus argumentos para a adequação de custos e prazos ao escopo definido terão maior dificuldade em desenvolver uma liderança efetiva em projetos. </li></ul><ul><li> </li></ul>
  29. 29. Conclusões <ul><li>Isso significa evoluir em relação às práticas e técnicas – entre elas: </li></ul><ul><ul><li>O detalhamento de pacotes de trabalho em uma EAP; </li></ul></ul><ul><ul><li>A constituição de cronogramas baseado em restrições e não somente a aplicação de CPM; </li></ul></ul><ul><ul><li>A identificação, análise e resposta adequada aos riscos de projeto; </li></ul></ul>
  30. 30. Conclusões <ul><li>Isso significa evoluir em relação às práticas e técnicas – entre elas: </li></ul><ul><ul><li>Um adequado sistema de coleta e resposta a informações de projetos entre outros; </li></ul></ul><ul><ul><li>Gerenciamento Ativo de Riscos; </li></ul></ul><ul><ul><li>O planejamento e execução de uma boa comunicação com todos os envolvidos em um projeto ... </li></ul></ul>
  31. 31. Conclusões <ul><li>No entanto, o conjunto de técnicas, ferramentas e habilidades deve ser direcionado ao desenvol-vimento de uma liderança em projeto que permita manter: </li></ul><ul><ul><li>A equipe motivada; </li></ul></ul><ul><ul><li>O cliente seguro dos resultados do projeto; </li></ul></ul><ul><ul><li>O patrocinador ciente das oportunidades e problemas inerentes ao projeto; </li></ul></ul><ul><ul><li>etc. </li></ul></ul>
  32. 32. Conclusões <ul><li>Não se pode alcançar esta tão desejada “liderança” apenas com sorrisos e compromissos com todos os envolvidos, sem uma análise consistente dos conflitos existentes e o desenvolvimento de uma rotina de se estabelecer limites tanto ao cliente, como o patrocinador ou membros de equipe. </li></ul><ul><li>Estabelecer limites é – em última instância – saber o momento apropriado de se dizer “ não ”. </li></ul>
  33. 33. Conclusões Dizer NÃO pode doer. Não dizer pode ser pior...
  34. 34. Referências Bibliográficas Outros textos de Peter Mello influenciaram este trabalho e podem ser encontrados em: http://www.gestaoeprojetos.com/eventos.htm

×