Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula 60 políticas industriais e comerciais

2,256 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Aula 60 políticas industriais e comerciais

  1. 1. Economia Internacional: políticasindustriais e comerciais
  2. 2. Política Industrial e Comércio Há praticamente um consenso entre os economistas a favor do livre-comércio  Especialização e liberdade para importar aumentam o bem-estar dos consumidores, no país e no exterior Por que a maior parte dos países adotam políticas que de alguma forma restringem o comércio (tarifas, quotas, licenciamento)? Por que alguns governos são mais protecionistas do que outros? PET-Economia FEAC-UFAL
  3. 3. AL: Protecionismo ou Liberalismo? Fases da inserção internacional das economias latino-americanas:1. Da independência até 1920s: economias abertas, voltadas para a exportação de produtos primários2. Período entre-guerras: crise internacional estimula protecionismo e substituição espontânea de importações3. Pós-segunda guerra até 1980s: políticas ativas de industrialização por substituição de importações (ISI)4. Desde a segunda metade dos anos 1980s: liberalização e reformas pró-mercado PET-Economia FEAC-UFAL
  4. 4. Por que a AL adotou o modelo de ISI1. Choque externo: crise internacional a) reduziu demanda pelas commodities exportadas b) reduziu oferta de bens manufaturados de consumo2. Influência das idéias de Prebisch e da CEPAL a) resistência à idéia de que o comércio promove o desenvolvimento b) tendência à deterioração dos termos de intercâmbio dos exportadores de commodities PET-Economia FEAC-UFAL
  5. 5. Exportação de Produtos Agrícolas (US$ bilhões) EUA 52.7 França 36.8 Holanda 34.4 Alemanha 23.8 Itália 15.9 China 15.5 R. Unido 14.7 Espanha 14 Brasil 13.8 Austrália 12.6 Outros 183.1 Total 417.3 Fonte: FAO, citado por Amadeo (2002) PET-Economia FEAC-UFAL
  6. 6. Especificidades do Modelo da AL Objetivo da substituição de importações era promover a auto-suficiência industrial (promover novos setores) O Estado assumiu para si os papéis de planejador e financiador das políticas de desenvolvimento, além de produtor de bens e serviços considerados essenciais A defesa da concorrência não era, por razões óbvias, um instrumento considerado oportuno para promover o desenvolvimento PET-Economia FEAC-UFAL
  7. 7. Especificidades do Modelo da AL A produção industrial era voltada para abastecer o mercado doméstico e não para exportação Esta é uma diferença fundamental em relação aos tigres asiáticos que explica a superioridade produtiva destes em relação aos tigres latino-americanos A partir dos anos 1970s, houve uma clara opção pelo endividamento externo para financiar a substituição de importações dívida PET-Economia FEAC-UFAL
  8. 8. Argumentos Favoráveis à ISI Volatilidade dos preços das commodities Deterioração dos termos de intercâmbio Natureza dinâmica das dotações fatoriais (capital versus trabalho e terra) Indústria Nascente Externalidades positivas Equilíbrio do BdP: pessimismo quanto à eficácia de uma desvalorização e opção por restrições administrativas às importações PET-Economia FEAC-UFAL
  9. 9. Principais Instrumentos de Política Imposição de barreiras não-tarifárias sobre importações (licenciamento prévio, prioridade ao similar nacional, obstáculos à contratação de câmbio, proibições de importação, etc.) Tarifas Apreciação cambial Câmbio múltiplo Investimento governamental direto Política monetária expansionista (juros negativos) e política de direcionamento do crédito (escasso) aos setores e programas prioritários PET-Economia FEAC-UFAL
  10. 10. Conseqüências Positivas Industrialização Redução de importações Maior ênfase na responsabilidade social do governo Aumento de gastos com educação, proteção social e infra-estrutura PET-Economia FEAC-UFAL
  11. 11. Conseqüências Negativas Proteção e apreciação cambial restringiam competitividade internacional do produto nacional viés anti-exportador Exagero na importância do crescimento industrial em detrimento da agricultura  Absorção limitada de trabalhadores  Promoção da urbanização Redução das receitas tributárias provenientes das exportações em conjunto com aumento dos subsídios à indústria pressionavam o orçamento (desequilíbrio fiscal) inflação PET-Economia FEAC-UFAL
  12. 12. Críticas ao Modelo ISI Estrutura de proteção favorecia montagem de produtos finais e não produção de bens básicos Bens manufaturados domésticos eram mais caros que os estrangeiros, prejudicando os consumidores Produtores tinham mercado cativo, eram desincentivados a exportar (apreciação cambial) e não sofriam concorrência Excessiva capacidade de prod. industrial Prejuízos à agricultura (apreciação cambial, estímulo à ind. de fertilizantes e máquinas) PET-Economia FEAC-UFAL
  13. 13. Críticas ao Modelo ISI Déficits orçamentários financiados com inflação (apreciação cambial) Juros negativos desestimulavam a poupança e estimulavam investimentos intensivos em capital (baixa absorção de mão-de-obra) Trabalhadores eram penalizados por elevados índices de desemprego e crescente informalidade, assim como pela baixa remuneração nos setores tradicionais Empresas multinacionais foram atraídas para usar tecnologia de ponta (capital-intensivas) e para produzir para o mercado interno PET-Economia FEAC-UFAL

×