Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Gestão de Dados de Investigação e Bibliotecas em Portugal: estratégias, serviços e competências - apresentação no #13BAD

96 views

Published on

Apresentação no 13º Congresso BAD - 26 de outubro de 2018 - Gestão de Dados de Investigação e Bibliotecas em Portugal: estratégias, serviços e competências. Diana Silva, Serviços de Biblioteca, Informação Documental e Museologia, Universidade de Aveiro; Pedro Príncipe, Serviços de Documentação da Universidade do Minho.

Published in: Science
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Gestão de Dados de Investigação e Bibliotecas em Portugal: estratégias, serviços e competências - apresentação no #13BAD

  1. 1. Gestão de Dados de Investigação e Bibliotecas em Portugal estratégias, serviços e competências Diana Silva, Pedro Príncipe Serviços de Biblioteca, Informação Documental e Museologia, Universidade de Aveiro Serviços de Documentação da Universidade do Minho
  2. 2. 1. A premência do novo foco das BES na Gestão Dados de investigação 2. A ação estratégica para este novo desafio 3. O universo de serviços a desenvolver 4. A urgência de mais e melhores competências
  3. 3. Dados de investigação Reforço da Ciência Aberta Urgência de Dados FAIR Reforço do papel Institucional
  4. 4. Ciência Aberta - POLÍTICAS E MANDATOS organismos de financiamento de ciência tem vindo a adotar políticas relativas à gestão e partilha dos dados produzidos no âmbito de projetos de investigação. - redução dos custos associados à recolha de dados - reprodutibilidade da investigação Horizonte 2020 uma política de dados abertos que visa melhorar e maximizar o acesso e a reutilização dos dados.
  5. 5. Ciência Aberta - POLÍTICAS E MANDATOS Em Portugal também se assiste ao reforço das políticas de Ciência Aberta com foco no dados: - Recomendação da FCT (Maio de 2014). - Política Nacional de Ciência Aberta em desenvolvimento (princípios, Grupo de trabalho…).
  6. 6. Dados FAIR - Princípios FAIR para os dados
  7. 7. Dados de investigação- Melhorar o potencial de reproducibilidade da ciência
  8. 8. Dados de investigação Requisitos dos Editores … …
  9. 9. Dados de investigação- Requisitos dos editores para disponibilização dos dados Um número significativo de revistas científicas apresenta uma política específica de disponibilização dos dados ou de arquivo de dados. - Enviar dataset para o editor - Depositar dataset num repositório confiável - Providenciar a informação de contacto
  10. 10. Dados de investigação Tornar o processo de investigação mais fácil Salvaguardar os dados Partilhar os dados para reutilização Obter ganhos e créditos por isso Evitar acusações de fraude ou má ciência
  11. 11. Ação estratégica É fundamental que as bibliotecas promovam uma ação efetiva e de valor acrescentado neste domínio Criação de serviços de apoio e consultoria, focados nas necessidades concretas da comunidade e mediante uma cultura de proximidade e flexibilidade.
  12. 12. Ação estratégica Cabe às BES facilitar - a implementação de sistemas e serviços de suporte à gestão de dados de investigação e para o cumprimento das exigências dos organismos financiadores da ciência (gestão e partilha)
  13. 13. Ação estratégica Reforço do papel Institucional Objetivo: desenvolver um conjunto de boas práticas para a gestão de dados no contexto universitário. Âmbito: dados gerados nas universidades e instituições de investigação e o papel dos repositórios institucionais e das bibliotecas enquanto agentes de gestão de dados nas instituição.
  14. 14. Ação estratégica 7 recomendações para apoiar a cauda longa dos dados de investigação
  15. 15. 7 recomendações para apoiar a cauda longa dos dados de investigação 1. Reconhecer e compreender a diversidade dos dados criados na sua organização, ou através do seu apoio financeiro e desenvolver estruturas adequadas para a gestão desses dados. 2. Dimensionar os mecanismos de financiamento existentes para apoiar a gestão de dados de investigação para pequenos projetos de investigação. 3. Expandir e fortalecer o papel institucional na gestão dos dados de investigação. 4. Desenvolver e aplicar padrões comuns em instituições e domínios para garantir maior interoperabilidade entre os conjuntos de dados. 5. Apoiar a reproducibilidade e a transparência da investigação, ligando dados, software e literatura. 6. Estabelecer estruturas de governança que reflitam as diversas dimensões dos dados de investigação. 7. Desenvolver princípios e políticas coerentes para a recolha e preservação da cauda longa dos dados.
  16. 16. 7 recomendações para apoiar a cauda longa dos dados de investigação 3. Expandir e fortalecer o papel institucional na gestão dos dados de investigação. - Muitos conjuntos de dados de cauda longa correm o risco de serem perdidos porque não são administrados adequadamente. - O suporte local a investigadores aumentará a adoção de padrões e boas práticas de gestão de dados ao longo do ciclo de vida da investigação, melhorando a probabilidade de os dados serem preservados adequadamente, pesquisáveis e reutilizáveis por outros. “Encorajamos universidades e instituições a oferecer serviços de gestão de dados de investigação…” “Serviços devem fazer parte da atuação natural das bibliotecas…”
  17. 17. Ação estratégica Fundamental definir uma estratégia detalhada, por etapas, perceber desde já o que é mais urgente e possível fazer Estar a par de serviços e infraestruturas em curso ou planeados a nível nacional e europeu.
  18. 18. Ação estratégica Traçar um programa de atividades em colaboração com outros serviços da IES • Gabinete de apoio à investigação • Serviços de tecnologias • Unidades de investigação Auscultar os investigadores antes de tudo e fazer levantamentos
  19. 19. Os serviços Expandir e fortalecer o papel institucional na gestão dos dados, com mais intervenção estratégica e oferta de serviços de suporte.
  20. 20. Os serviços
  21. 21. Os serviços Três dimensões básicas: • os requisitos relativos à gestão de dados de investigação, sobretudo no que tange à elaboração de planos de gestão de dados • os requisitos relacionados com a partilha e o acesso aberto aos dados produzidos, através de repositórios de dados • Criação de serviços de apoio e consultoria
  22. 22. Os serviços Que serviços? - Constituir repositórios de dados em instituições e infraestruturas disciplinares para depósito de dados “as open as possible as closed as necessary”.
  23. 23. Os serviços Que serviços? - Estruturar o apoio à gestão e preservação de dados gerados e recolhidos em projetos de Ciência Cidadã capitalizando o seu potencial
  24. 24. As competências Programas de formação sistemáticos ao nível da instituição ou globais Aumento de recursos e capacidade de planeamento Essencial ter os pés na terra: lucidez sobre a real capacidade de resposta
  25. 25. 23 COISAS: Bibliotecas para a gestão de dados de investigação Visão geral de recursos úteis e ferramentas online livres que podem servir para integrar a gestão de dados científicos no trabalho prático dos profissionais das bibliotecas.
  26. 26. https://www.rd-alliance.org/23-things-libraries-research-data-rdas-libraries-research-data-interest-group.html
  27. 27. As competências A partilha de práticas entre profissionais CRIAR COMUNIDADE
  28. 28. Obrigada

×