Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
DOENÇAS <br />SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS<br />conhecerpara se proteger<br />
O que são DSTs?<br />DSTs é a sigla para as doenças sexualmente transmissíveis.<br /> As DSTs,  são doenças transmitidas, ...
DSTs<br />A AIDS e a sífilis também podem ser transmitidas da mãe infectada, sem tratamento, para o bebê durante a gravide...
DSTs no Brasil<br />No Brasil, as estimativas de infecções de transmissão sexual na população sexualmente ativa, a cada an...
Outras DSTs<br />Linfogranuloma venéreo;<br />Infecção pelo Vírus T-linfotrópico humano (HTLV);<br />Tricomoníase;<br />Do...
Sistemas reprodutores<br />Sistema reprodutor feminino<br />Sistema reprodutor masculino<br />
DSTs NO BRASIL: dados estatísticos (2008)<br />15%   fazem sexo com outros homens;45%    tiveram entre 2 e 5 parceiras(os)...
DSTs NO BRASIL: dados estatísticos (2008)<br />Entre essas mulheres, 16,7% tiveram mais de um parceiro sexual no ano anter...
AIDS NO BRASIL: dados estatísticos<br />Tabela I - Casos de AIDS notificados no SINAN, declarados no SIM e registrados no ...
O CONTROLE DAS DSTsNO BRASIL<br />Nos últimos anos, principalmente após o agravamento da epidemia de AIDS, as DSTs readqui...
AS DSTs COMO PRIORIDADE<br />Por que as DST devem ser priorizadas? São quatro os critérios para a priorização de agravos e...
PRINCÍPIOS PARA O CONTROLE<br />Os princípios básicos para o controle das DST, como em qualquer processo de controle de ep...
ESTRATÉGIAS PARA O CONTROLE<br />Prevenção<br />Detecção de Casos <br />Tratamento Imediato<br /> O manejo adequado de cas...
Observações importantes<br />De acordo com o Ministério da Saúde, os dados acumulados dos últimos 10 anos mostram uma pred...
SEXO SEGURO<br />Faça sexo com quem você quiser, mas faça sexo seguro! Preserve-se, Previna-se. <br />Faça amor, não faça ...
INTEGRANTES DO GRUPO<br />Cristiane  Ribeiro Castilho<br />EmanuelleCorecha<br />Fernanda Raquel  Pereira Souza<br />Gelel...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

DSTs

15,366 views

Published on

Published in: Education, Health & Medicine
  • eu acho que temos que nos precaver mais
    temos que nos precaver mais
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

DSTs

  1. 1. DOENÇAS <br />SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS<br />conhecerpara se proteger<br />
  2. 2. O que são DSTs?<br />DSTs é a sigla para as doenças sexualmente transmissíveis.<br /> As DSTs, são doenças transmitidas, principalmente, por contato sexual sem o uso de preservativos (conhecidos popularmente como camisinhas). <br />Outra forma de infecção pode ocorrer pela transfusão de sangue contaminado ou pelo compartilhamento de seringas e agulhas, principalmente devido ao uso de drogas injetáveis.<br />
  3. 3. DSTs<br />A AIDS e a sífilis também podem ser transmitidas da mãe infectada, sem tratamento, para o bebê durante a gravidez, o parto. E, no caso da AIDS, também na amamentação.<br />As DSTs são consideradas como um dos problemas de saúde pública mais comuns em todo o mundo. Em ambos os sexos, tornam o organismo mais vulnerável a outras doenças, inclusive a AIDS, além de terem relação com a mortalidade materna e infantil. <br />
  4. 4. DSTs no Brasil<br />No Brasil, as estimativas de infecções de transmissão sexual na população sexualmente ativa, a cada ano, são:<br />Fonte:http://www.aids.gov.br/pagina/dst-no-brasil<br />
  5. 5. Outras DSTs<br />Linfogranuloma venéreo;<br />Infecção pelo Vírus T-linfotrópico humano (HTLV);<br />Tricomoníase;<br />Donovanose;<br />Cancro mole;<br />Doença Inflamatória Pélvica (DIP). <br />
  6. 6. Sistemas reprodutores<br />Sistema reprodutor feminino<br />Sistema reprodutor masculino<br />
  7. 7. DSTs NO BRASIL: dados estatísticos (2008)<br />15% fazem sexo com outros homens;45% tiveram entre 2 e 5 parceiras(os) 35%afirmaram sempre usar preservativo 49,1%praticam coito anal.<br />58,8% mulheres tiveram apenas 1 parceiro28,5% tiveram entre 2 e 5 parceiros 47,3% disseram usar sempre camisinha com31,8% praticam coito anal.<br />Fonte: http://www.revistaladoa.com.br/website/artigo.asp?cod=1592&idi=1&moe=84&id=8983<br />
  8. 8. DSTs NO BRASIL: dados estatísticos (2008)<br />Entre essas mulheres, 16,7% tiveram mais de um parceiro sexual no ano anterior e 49,2% disseram que nunca usam preservativo com parceiro fixo.<br />Fonte: http://www.revistaladoa.com.br/website/artigo.asp?cod=1592&idi=1&moe=84&id=8983<br />
  9. 9. AIDS NO BRASIL: dados estatísticos<br />Tabela I - Casos de AIDS notificados no SINAN, declarados no SIM e registrados no SISCEL/SICLOM(1), segundo UF e região de residência por ano de diagnóstico. Brasil, 1980-2010(2).<br />Tabela III - Número e taxa de incidência (por 100.000 hab.) de casos de AIDS notificados no SINAN, declarados no SIM e registrados no SISCEL/SICLOM(1) por sexo e razão de sexos, segundo ano de diagnóstico. Brasil, 1980-2010(2).<br />Tabela IV - Casos de AIDS notificados no SINAN, declarados no SIM e registrados no SISCEL/SICLOM(1), segundo sexo e faixa etária por ano de diagnóstico. Brasil, 1980-2010(2).<br />Tabela XII - Óbitos por AIDS, segundo UF e região de residência por ano. Brasil, 1980-2009. <br />Fonte:  http://www.aids.gov.br/sites/default/files/publicacao/2010/boletim2010_preliminar_pdf_34434.pdf<br />
  10. 10. O CONTROLE DAS DSTsNO BRASIL<br />Nos últimos anos, principalmente após o agravamento da epidemia de AIDS, as DSTs readquiriram importância como problemas de saúde pública. Entretanto, alguns problemas têm sido percebidos no contexto da atenção às DSTs em nosso País: <br />a escassez de dados epidemiológicos relativos às DST;<br />a discriminação contra os portadores de DST ainda existente no sistema de saúde;<br />a irregularidade na disponibilização de medicamentos específicos; <br />a ineficácia das técnicas laboratoriais existentes na detecção precoce de algumas DSTs.<br />
  11. 11. AS DSTs COMO PRIORIDADE<br />Por que as DST devem ser priorizadas? São quatro os critérios para a priorização de agravos em saúde pública:<br /> Magnitude <br />Transcendência<br /> Vulnerabilidade <br /> Factibilidade<br />
  12. 12. PRINCÍPIOS PARA O CONTROLE<br />Os princípios básicos para o controle das DST, como em qualquer processo de controle de epidemias, são os seguintes: <br /> Interromper a cadeia de transmissão;<br /> Prevenir novas ocorrências.<br />Fonte: http://mdemulher.abril.com.br/imagem/saude/interna-slideshow/VM-471-saude-dst.jpg<br />
  13. 13. ESTRATÉGIAS PARA O CONTROLE<br />Prevenção<br />Detecção de Casos <br />Tratamento Imediato<br /> O manejo adequado de casos de DST envolve os seis passos a seguir:<br />
  14. 14. Observações importantes<br />De acordo com o Ministério da Saúde, os dados acumulados dos últimos 10 anos mostram uma predominância de mulheres na faixa de 13 a 19 anos com AIDS sobre o sexo masculino. E que resultados positivos para o HIV e outras DSTs estão relacionados, principalmente, ao número de parceiros. Ou seja, quanto mais parceiros, maior a vulnerabilidade a uma possível infecção.<br />Fonte: http://www.orm.com.br/2009/noticias/default.asp?id_modulo=197&id_noticia=518322<br />
  15. 15. SEXO SEGURO<br />Faça sexo com quem você quiser, mas faça sexo seguro! Preserve-se, Previna-se. <br />Faça amor, não faça DSTs! <br />
  16. 16. INTEGRANTES DO GRUPO<br />Cristiane Ribeiro Castilho<br />EmanuelleCorecha<br />Fernanda Raquel Pereira Souza<br />Gelelson de Souza Leal <br />Jaciane Viana Oliveira<br />Lana Jennyffer Santos Nazareth<br />Maria Nathália Cunha da Silva<br />

×