Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
RESENHA DO LIVRO:
OS CÁLICES AMARGOS
DO MINISTÉRIO
Matéria : Epístolas Pastorais
Professor : Rev. Marcelo Leite
Seminarist...
1
ANÁLISE CONSTRUTIVA
Como seria bom se todo pastor ou líder com experiência em alguma área pudesse
contribuir com os mais...
2
APLICAÇÃO PESSOAL
Entendo que a diferença na vida ministerial de um pastor ou líder não é somente o
tempo de ministério,...
3
Senhor Jesus Cristo. Nele aprendemos que foi injustiçado, traído, incompreendido,
conviveu com a solidão e permaneceu fi...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Os cálices amargos do ministério

1,275 views

Published on

Livro (resenha)

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

Os cálices amargos do ministério

  1. 1. RESENHA DO LIVRO: OS CÁLICES AMARGOS DO MINISTÉRIO Matéria : Epístolas Pastorais Professor : Rev. Marcelo Leite Seminarista: Marcello R. Mattos
  2. 2. 1 ANÁLISE CONSTRUTIVA Como seria bom se todo pastor ou líder com experiência em alguma área pudesse contribuir com os mais novos pastores ou os mais novos líderes que estão iniciando a sua jornada ministerial. Existem muitas literaturas que abordam os mais diversos temas bíblicos, porém faltam literaturas que exprimem experiências vividas e que precisam ser repassadas como fontes de ensino. O autor Estevam Fernandes se apresenta como um pastor que possui mais de 30 anos de experiência de ministério integral. A sua preocupação é de retratar os lados espinhosos do ofício pastoral de modo que aquele que possa ler o livro venha capacitar-se a enfrentar as diversas tribulações, tropeços e guerras que o chamado ministerial exige. O autor com propriedade distingue sobre o desejo de ter uma mesa pastoral com o ofício árduo que o espera. Quem não tem a expectativa de ser um pastor ou uma pastora? Quem não almeja um dia ser responsável por uma igreja? O apóstolo Paulo nos ensina em uma de suas três cartas pastorais que o episcopado é uma excelente obra desejada, diz em 1ª Timóteo 3:1: “Esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja.”. A questão em jogo não é o desejo somente, e sim se somos capazes de responder ao chamado, ou se fomos verdadeiramente comissionados por Cristo a desempenhá-lo. Positivamente compreendo que o livro “Os cálices amargos do Ministério” tem o cuidado de nos encorajar a desempenhar bem o nosso ministério de modo que as expectativas românticas sejam desconstruídas. Se olharmos para Jesus veremos que recebeu uma coroa de espinhos e se olharmos para o Apóstolo Paulo entenderemos que recebeu lágrimas, solidões e açoites por amor a obra. Mais líderes bíblicos passaram por mais diversos problemas e por que nós, também líderes, não enfrentaremos coisas parecidas? O autor do livro tem o cuidado de nos alertar que somos “servos sofredores”. O livro está repleto de ensinamentos importantíssimos para o leitor onde na abordagem sobre o cálice da solidão, menciona sobre o perigo de abrir o coração para a nossa esposa a ponto de envenená-la contra a igreja. Outro ponto importante a se destacar é o pensamento que as pessoas têm a respeito da disponibilidade do pastor onde para elas, o pastor não pode ter as suas demandas e necessidades em primeiro lugar. Se estiver disponível o pastor é bom, se não está disponível o pastor é injustiçado e incompreendido. Muitos pastores, segundo o autor, degustam experiências amargas quando desempenham o seu ofício pastoral preocupado em agradar primeiramente as pessoas. É um grande engano esperar delas algo em troca, haja vista que devemos fazer por amor e por ofício sem pretensão de receber algum benefício. Muitos outros pontos importantes ainda poderiam ser destacados e mencionados, pois o livro é muito rico em suas linhas escritas. Em minha análise construtiva termino dizendo que existe uma relação muito próxima de ovelha e pastor. Trata-se de um relacionamento interpessoal diferente de todos os outros e que ambos precisam ser respeitados, porém cabe exclusivamente ao pastor o real posicionamento. Para a ovelha o pastor é um homem de Deus e os cálices amargos da chamada ministerial não podem atrapalhar o desempenho da função.
  3. 3. 2 APLICAÇÃO PESSOAL Entendo que a diferença na vida ministerial de um pastor ou líder não é somente o tempo de ministério, que também é importante. Em primeiro lugar vem a sua obediência e intimidade com Deus ao longo desse tempo. É nessa visão que ao ler o livro “Os cálices amargos do Ministério” percebi que toda a dificuldade encontrada pelo o autor foi canalizada numa obra tão importante para aqueles que almejam o episcopado. A leitura permite identificar alguns dissabores ministeriais, porém com a intenção de fortalecer o leitor. Mais cedo ou mais tarde todo pastor na sua caminhada com Cristo descobrirá que é um ser humano igual a qualquer outro, com fraquezas, questionamentos, limitações e adversidades. Compreendi com a leitura do livro que a nossa vocação pastoral não faz desaparecer a nossa humanidade nem nos imuniza contra as dores que surgirão. O livro aplica com propriedade a exemplificação de seis cálices que servem de alertas para a atividade pastoral. São eles: ingratidão, traição, solidão, indiferença, injustiça e pecaminosidade. Porém nenhum deles poderá ser capaz de impedir a chamada ou a carreira ministerial proposta por Cristo. Na página 23 existe uma referência bíblica importante que diz: “E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens, Sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis.” (Colossenses 3:23-24). Isso nos mostra que todas as nossas atitudes ministeriais precisam ser feitas com uma única direção – Jesus Cristo. Não devemos focar qualquer ação visando aplausos dos homens, pois o nosso galardão vem do Senhor ao qual servimos com todo o nosso amor. Outra aplicação importante colocada pelo o autor é a questão familiar, onde ela é apresentada como o maior tesouro nesta vida. Deus na sua infinita grandeza nos deu uma família como fonte de alegria e também como suporte emocional nas horas em que vierem as crises. Tal entendimento leva-me a seguinte pergunta: - Os pastores ou os futuros pastores estão construindo e zelando pela a estrutura de suas famílias? De todos os cálices amargos apresentados pelo o autor Estevam Fernandes destaco como o mais grave o cálice da pecaminosidade. Todos os outros são inevitáveis, haja vista serem fatores externos ou com ingerência pastoral. Não dependem da ação do pastor, pois são inerentes à função ministerial. Esse cálice é diferente, pois o autor nos ensina que é de dentro para fora. Cabe ao pastor extingui-lo antes que seja tarde demais. Compreendo que é algo gravíssimo e nocivo deixando sequelas que afetarão a imagem pastoral e familiar para sempre. Se um pastor quer ter o seu ministério desacreditado é só servir em sua mesa o cálice da pecaminosidade. Diz o autor: “Lembremo-nos de que o nosso principal patrimônio espiritual é a nossa credibilidade”. Concluo sabendo que a vida pastoral pode ser difícil e amarga, porém é uma obra excelente que faz parte dos planos de Deus. O maior exemplo de nossa caminhada é o
  4. 4. 3 Senhor Jesus Cristo. Nele aprendemos que foi injustiçado, traído, incompreendido, conviveu com a solidão e permaneceu firme em seu propósito. Que possamos fazer de nosso ministério, uma grande obra que glorifique o nome do Senhor Jesus Cristo. Amém! (Filipenses 3:14) “Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” (1ª Timóteo 3:1) “Esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja.”

×