Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Eco marinho

Descrição do talassociclo

  • Be the first to comment

Eco marinho

  1. 1. O AMBIENTE MARINHO Disciplina :Ecologia Básica Prof. MsC. Paulo Cesar de Souza Grillo
  2. 2. <ul><li>Água dos oceanos pode ser dividida em zonas distintas com perfil ambiental e formas de vida exclusivas e características. </li></ul><ul><li>A zonação ocorre tanto no sentido horizontal como no vertical, em função da capacidade de penetração da luz no mar. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Zonação horizontal </li></ul><ul><li>Na zonação horizontal, que vai da costa para o mar aberto, a distribuição da fauna e da flora depende essencialmente da temperatura da água e da quantidade de alimento disponível. </li></ul><ul><li>Quanto mais nos afastamos da costa, menos alimento estará disponível para a manutenção da vida já que o meio dos oceanos pode ser descrito como um &quot;deserto biológico&quot;. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>No plano horizontal distinguem-se claramente duas zonas ou províncias marinhas: a nerítica e a oceânica </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Província Nerítica: é a região mais próxima da costa, a zona com maior quantidade e variedade de vida. Essa faixa do oceano está situada sobre a plataforma continental, entre a linha de maré alta e a profundidade média de 200 metros. </li></ul><ul><li>Esta subdividida em duas regiões: </li></ul><ul><li>Zona Litorânea, entre as linhas de maré alta e baixa; </li></ul><ul><li>Zona Costeira, da linha de maré baixa para fora. </li></ul><ul><li>A Província Oceânica compreende a faixa do oceano situada acima da planície abissal, onde a profundidade é superior a 200 metros. </li></ul>
  6. 6. <ul><ul><ul><ul><li>Zonação Vertical </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>A zonação vertical abrange toda a massa de água marinha separando-a por faixas de profundidade desde a superfície até o fundo oceânico, relacionadas com as comunidades ecológicas que aí se estabelecem. </li></ul><ul><li>A zonação vertical é determinada pela intensidade da luz solar que recebe, pela presença de nutrientes, assim como pela pressão e temperatura da água. </li></ul><ul><li>A combinação de diversos fatores, entre os quais a pressão e a luminosidade, criam nos mares quatro distintos biomas: litoral, nerítico, batial e abissal. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Neles há três tipos de comunidades: </li></ul><ul><li>O plâncton é composto por pequenos organismos que vivem carregados pelas correntes, ocupando o bioma nerítico. </li></ul><ul><li>O bentos abrange os seres que vivem fixo ao fundo oceânico, desde o sistema litoral até as fossas abissais. </li></ul><ul><li>Nos quatro biomas podem ser encontrados representantes do nécton, animais capazes de nadar. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Há duas formas de estabelecer uma zonação vertical, o que define dois domínios Por cada um deles distribui-se uma comunidade biológica marinha que lhe é característica. </li></ul><ul><li>O Domínio Bentônico: corresponde ao fundo marinho em toda sua extensão, desde onde respinga a água da maré alta até a mais profunda fossa submarina. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Costuma-se dividir o Domínio Bentônico em sete zonas, agrupadas em dois sistemas: o sistema litoral (situado na plataforma continental) e o sistema profundo (que avança além do talude). </li></ul><ul><li>Sistema Litoral : </li></ul><ul><li>Zona supralitoral - acima da linha de nível médio da maré alta, mas influenciada profundamente pelo mar. </li></ul><ul><li>Zona mediolitoral - entre as linhas de nível médio de mares altas e baixas. Fica periodicamente exposta ao ar durante as marés baixas. </li></ul><ul><li>Zona infralitoral - abaixo da linha de nível médio da maré baixa (baixa-mar), até o limite de existência de algas fotófilas (dependentes de boa luminosidade).       </li></ul>
  10. 11. <ul><ul><ul><li>Zona circalitoral - limite inferior é o limite extremo das algas ciáfilas (tolerantes a baixa luminosidade). Trata-se de uma área de transição entre as águas costeiras e as águas profundas, onde a vida começa a escassear. </li></ul></ul></ul><ul><li>O sistema profundo: </li></ul><ul><li>começa no limite inferior da zona circalitoral e abriga três zonas mais claramente reconhecíveis e delimitadas pela profundidade: </li></ul><ul><li>Zona batial - até 2.000 metros. A vida bentônica é bastante rara pela dificuldade de fixação nesses terrenos escarpados. </li></ul><ul><li>Zona abissal - até 6.000 metros. Engloba as extensas planícies abissais, com as fontes hidrotermais e afloramentos frios de metano e todas as suas exóticas formas de vida bentônica. </li></ul>
  11. 12. <ul><ul><ul><li>Zona hadal - além de 6.000 metros. É o território das fossas abissais e das formas de vida adaptadas ao frio, escuridão, escassez de recursos alimentares e pressões avassaladoras. </li></ul></ul></ul><ul><li>  Domínio Pelágico: relacionado ao mar aberto. Aí vivem os organismos pelágicos, seres vivos muito diversos, que vivem sem e dependência de um substrato, arrastados pelas correntes ou capazes de nadar. comunidades planctônica e nectônica. </li></ul>
  12. 13. <ul><li>Tomando-se em consideração a fauna, a luminosidade, temperatura e pressão,divide-se em seis zonas: </li></ul><ul><li>  Zona epipelágica ou eufótica é a zona superficial iluminada. Seu limite inferior (geralmente entre 50 e 100 metros) é marcado pela zona de compensação fótica, profundidade onde a fotossíntese aparente é nula (fotossíntese = respiração). </li></ul><ul><li>Zona mesopelágica (profundidade entre 50-100 a 200 metros) é ainda ligeiramente iluminada, mas o fitoplâncton não pode sobreviver nela por um longo período. </li></ul><ul><li>Zona infrapelágica (profundidade entre 200 e 500-600 metros) que não é mais afetada pelas variações sazonais de temperatura, e tem o seu limite inferior marcado pela isoterma de 10 o C. </li></ul>
  13. 14. <ul><li>Zona batipelágica (profundidade entre 500-600 e 2.000 metros) tem o seu inferior determinado pela ocorrência da isoterma de 4ºC nas latitudes médias. Fauna: </li></ul><ul><li>Zona abissopelágica (profundidade entre 2.000 e 6.000 metros) corresponde às águas oceânicas que se estendem sobre os fundos da grande planície abissal. Fauna: peixe-pescador, peixe-sapo, peixe-engolidora, peixe-machado, quetognatas, crustáceos, misidáceos e decápodes. </li></ul><ul><li>Zona hadopelágica (profundidade superior a 6.000 metros), muito pobre e submetido a grandes pressões, situa-se nas fossas abissais. Fauna: </li></ul>
  14. 15. <ul><li>Uma forma mais simples de se estabelecer uma zonação vertical no ambiente marinho é tomando-se como critério a quantidade de luz: </li></ul><ul><li>Zona eufótica (até 100 metros de profundidade), que recebe luz em maior intensidade. </li></ul><ul><li>Zona disfótica (entre 100 e 300 metros de profundidade), com luz difusa e aproveitada por poucos produtores. </li></ul><ul><li>Zona afótica (abaixo de 300 metros de profundidade), sem luz. </li></ul>
  15. 16. <ul><li>Principais fatores do ambiente marinho </li></ul><ul><li>A distribuição de cada espécie pelos diversos habitats,como a própria sobrevivência do indivíduo, estão determinadas pela existência de certos elementos do meio ambiente que podem agir diretamente sobre o funcionamento do organismo, e sobre o seu ciclo de vida. </li></ul><ul><li>Esses elementos receberam o nome de” fatores ecológicos”. </li></ul><ul><li>são a luminosidade, a temperatura, a salinidade e a pressão. </li></ul><ul><li>Luminosidade :A presença da luz no oceano não é importante apenas por permitir a realização da fotossíntese, é também veículo para informações para orientar seu comportamento, indicando a presença de predadores ou presas, os locais para abrigos, os parceiros sexuais, ou a fonte de alimentos . </li></ul>
  16. 17. <ul><li>A temperatura : atua diretamente sobre os organismos regulando a velocidade do metabolismo, seguindo a regra de que a cada aumento em 10 o C, a velocidade do metabolismo dobra. O aumento dessa velocidade significa um aumento proporcional nas necessidades energéticas do organismo e, conseqüentemente, na quantidade de alimento para manter-se vivo. </li></ul><ul><li>A salinidade : em mar aberto, não é muito variável; possuindo valores aproximados de 35  / 00 , com extremos medidos em 34 e 37  / 00. No Mar Vermelho, o mais salgado dos mares, a salinidade média é de 40  / 00 . </li></ul><ul><li>São euri-halinas as espécies que suportam variações na salinidade. Incluem as espécies estuarinas (de água salobra) ou as capazes de mudar de água doce para marinha, ou vice-versa, como o salmão. </li></ul><ul><li>As esteno-halinas não suportam variações, vivem em concentrações salinas aproximadamente constantes.         </li></ul>
  17. 18. <ul><li>Pressão hidrostática : revela-se um fator determinante na distribuição e adaptação morfológica das espécies, principalmente no fundo oceânico. </li></ul><ul><li>Esta aumenta de 1 atm a cada 10 metros de profundidade. </li></ul><ul><li>Assim, um organismo que vive a 4.000 metros de profundidade, está submetido a uma pressão de 400 atm; é uma pressão 400 vezes maior do que a pressão atmosférica ao nível do mar. </li></ul><ul><li>Exigindo especiais adaptações . </li></ul>
  18. 19. <ul><li>Densidade </li></ul><ul><li>A densidade identifica e diferencia as massas de água que existem nos oceanos. </li></ul><ul><li>As mais densas afundam, empurrando outras menos densas para a superfície, em um movimento conhecido como circulação termohalina. </li></ul><ul><li>Tal dinâmica cria um mecanismo de ciclagem dos nutrientes e de renovação da água do fundo dos oceanos. </li></ul><ul><li>água superficial: 150 metros </li></ul><ul><li>água superior: 150 e 700 metros </li></ul><ul><li>água intermédia: entre 700 e 1500 metros </li></ul><ul><li>água profunda: entre 1500 e 3000 metros </li></ul><ul><li>água de fundo: abaixo dos 4.000 metros </li></ul>
  19. 20. <ul><li>Existe a aproximadamente 1.000 metros de profundidade, em vastas áreas dos oceanos, uma camada conhecida como SOFAR. </li></ul><ul><li>A densidade torna reflexiva às ondas sonoras e faz com que sejam propagadas mais rapidamente. </li></ul><ul><li>Correntes </li></ul><ul><li>Correntes são movimentos de massas de água com deslocamento horizontal ou vertical. Tem grande amplitude. </li></ul><ul><li>São basicamente produzidas por: </li></ul><ul><li>Calor solar </li></ul><ul><li>Rotação terrestre </li></ul><ul><li>Vento </li></ul>
  20. 21. <ul><li>correntes superficiais </li></ul><ul><li>correntes profundas </li></ul><ul><li>Marés e Ondas </li></ul><ul><li>Marés: Gerado pela atração gravitacional que a Lua exerce sobre a Terra faz com que o nível do mar no litoral mude periodicamente. O relevo de certos pontos do litoral faz com que as variações do nível do mar, gerados pelas marés, sejam muito grandes. </li></ul><ul><li>Ondas: Ventos criam ondas, como também fenômenos geológicos como deslizamentos no talude, movimentos sísmicos e atividade vulcânica submarina. </li></ul>
  21. 22. <ul><li>O pH </li></ul><ul><li>É um indicador da acidez dos líquidos, que mede a concentração de íons H+ em uma escala de 1 a 14. </li></ul><ul><li>As células somente conseguem manter normal seu funcionamento dentro de uma faixa muito estreita de variação de pH. </li></ul><ul><li>O valor do pH do meio afeta o desempenho das enzimas e podem viabilizar ou não a ocorrência de reações químicas espontâneas. </li></ul><ul><li>Condiciona também várias reações químicas no meio marinho que dissolvem ou precipitam nutrientes que mantêm o ecossistema marinho. </li></ul><ul><li>Nos oceanos, o pH varia de 7,5 a 8,4. </li></ul><ul><li>Outros fatores também influenciam no valor de pH: salinidade, temperatura e mesmo a fotossíntese, que promove a alcalinidade. </li></ul>
  22. 23. <ul><li>Gases Dissolvidos </li></ul><ul><li>Oxigênio: </li></ul><ul><li>A presença de oxigênio dissolvido na água é crucial para o processo respiratório de todos os animais marinhos . </li></ul><ul><li>A solubilidade diminui conforme aumentam a temperatura e a salinidade . </li></ul><ul><li>O oxigênio não se encontra naturalmente dissolvido de um modo uniforme no meio marinho. </li></ul><ul><li>Gás Carbônico: </li></ul><ul><li>É a matéria-prima para as algas produzirem alimentos que mantenham o ecossistema marinho. Possui, ainda, um importante papel de tampão, substância que ajuda a manter constante os valores de pH. </li></ul>
  23. 24. <ul><li>O Nitrogênio: </li></ul><ul><li>Nos oceanos sua quantidade é 10.000 vezes menor que na atmosfera, mas não menos importante. </li></ul><ul><li>É a matéria-prima para a produção de proteínas, enzimas e material genético. </li></ul><ul><li>É transformado da sua forma gasosa para a forma salina pelas cianobactérias (algas azuis) e pelas bactérias Azobacter, disponibilizado-se assim para a maioria dos organismos marinhos. </li></ul>
  24. 25. <ul><li>Micronutrientes </li></ul><ul><li>Apesar dos organismos marinhos necessitarem dos micronutrientes apenas em pequeníssimas quantidades, seu papel é crucial. Imensas áreas de mar aberto são praticamente carentes de vida simplesmente porque carecem desses micronutrientes. </li></ul><ul><li>O fósforo é importante para a formação do material genético e para o metabolismo energético. </li></ul><ul><li>O enxofre é o elemento chave na produção de aminoácidos, principalmente cisteína. </li></ul><ul><li>O cloro é necessário para a manutenção do equilíbrio iônico das células. Alterações significativas no pH marinho podem transformar o cloro no altamente tóxico ácido hipocloroso. </li></ul>
  25. 26. <ul><li>Ferro: Ocupa uma posição chave na molécula de hemoglobina. Encontra-se dissolvido na água em baixas concentrações, mas no fundo oceânico há imensas reservas de ferro e manganês na forma de nódulos. </li></ul><ul><li>Magnésio: É o elemento que ocupa uma posição chave na molécula de clorofila, eixo central do processo fotossintético. </li></ul><ul><li>O oxigênio e o hidrogênio - constituintes da molécula de água - são os elementos químicos mais abundantes na água do mar. </li></ul><ul><li>Quantidades de importantes nutrientes como cálcio, potássio, carbono e sódio estão presentes na água do mar. E mais dezenas de outros elementos químicos, com presença inferior a de uma parte por milhão, conhecidos como elementos-traço. </li></ul>

    Be the first to comment

    Login to see the comments

  • claudiarodrigues395669

    Nov. 12, 2014
  • jessylemos2012

    Mar. 16, 2016

Descrição do talassociclo

Views

Total views

9,595

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

3

Actions

Downloads

193

Shares

0

Comments

0

Likes

2

×