Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Clipping cnc 31082015 versão de impressão

221 views

Published on

Mapa, Funcafé, estoque de café, Brasil, CNC, Conselho Nacional do Café, café, Expocaccer, exportação, OIC, café arábica, Embrapa, Colômbia, restrições de envios, Uganda, cafés especiais, Indonésia, El Niño

Published in: News & Politics
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Clipping cnc 31082015 versão de impressão

  1. 1. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck CLIPPING – 31/08/2015 Acesse: www.cncafe.com.br Mapa já repassou este ano R$ 1,162 bi a bancos que operam com o Funcafé Assessoria de comunicação social – Mapa 31/08/2015 Inez De Podestà O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) já repassou, este ano, R$ 1,162 bilhão às instituições financeiras que operam com Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé). O último aporte, na semana passada, foi de R$ 173,1 milhões para seis bancos. Antes, o Mapa havia transferido R$ 989,3 milhões para 12 bancos para crédito destinado à estocagem, à aquisição de café, a linhas de capital de giro de cooperativas de produção e de indústria de torrefação e moagem. Os recursos foram destinados para o Crediminas, Agrocredi, Credivar, Banco de Tokyo, Banco ABC Brasil, Banco de Crédito e Varejo. Acesse a tabela de repasse do Funcafé no link: http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/image/tabela%20funcafe%20imagem%2030%2008.jpg. Fundo — O Fundo de Defesa da Economia Cafeeira foi criado, em 1986, para apoiar as políticas públicas voltadas à cafeicultura, uma das principais atividades da agricultura brasileira. O Brasil é um dos maiores produtores mundiais de café, com uma safra estimada em 44,28 milhões de sacas de 60 quilos de grãos beneficiados no ciclo 2015. O país também é o maior exportador mundial do produto, com embarques de 20,5 milhões de sacas de café verde e industrializado que renderam US$ 3,6 bilhões no período de janeiro a julho de 2015. O setor tem 290 mil cafeicultores, em cerca 1.900 municípios de 15 estados brasileiros, e gera 8,4 milhões de empregos diretos e indiretos em toda a cadeia. Estoque de café do Brasil em 2016 será o menor da história, prevê CNC Thomson Reuters 31/08/2015 Roberto Samora Reuters - Os estoques de passagem de café do Brasil deverão registrar o menor volume da história em março de 2016, previu nesta sexta-feira o Conselho Nacional do Café (CNC), após o país atingir em 2015 a sua terceira queda consecutiva na safra, segundo números oficiais.
  2. 2. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck Em nota nesta sexta-feira, o órgão que representa o setor produtivo afirmou que o Brasil, maior produtor e exportador global de café, terá condições de honrar seus compromissos com os mercados externo e interno, apesar da produção afetada pela seca nos últimos anos. Contudo, o CNC alertou que "o estoque de passagem de 2016 será, certamente, o mais baixo de toda a história cafeeira do país". A projeção foi feita após a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) ter divulgado na quarta-feira uma queda de 5,6 por cento nos estoques privados em março de 2015 ante 2014, para 14,4 milhões de sacas de 60 kg. O CNC estimou à Reuters que os estoques em 31 de março de 2016 poderiam somar algo em torno de 6 milhões de sacas, levando em conta o saldo entre o consumo interno e exportações e a produção e os estoques anteriores. A previsão do CNC, no entanto, é de uma colheita este ano de cerca de 40 milhões de sacas, abaixo das projeções do mercado, que variam de aproximadamente 45 milhões a 52 milhões de sacas. De acordo com levantamento da Conab, os menores estoques privados de café da história foram registrados em 2012, de 8,4 milhões de sacas. O levantamento da Conab é realizado junto a integrantes do setor, por meio do envio de questionários. Para a realização da última pesquisa, 94 por cento dos 816 armazenadores responderam a sondagem. O Brasil tem um consumo interno de cerca de 20 milhões de sacas por ano. As exportações de café verde em 2015 estão projetadas em cerca de 32 milhões de sacas. Ainda que as projeções dos produtores sejam historicamente menores que as do mercado, nesta semana uma importante trading global, a Volcafe, reduziu sua projeção de safra do país em 2015 em mais de 3 milhões de sacas, para 48,3 milhões de sacas, citando um tamanho menor dos grãos colhidos. O contrato dezembro da café arábica, negociado em Nova York, operava perto de 1,24 dólar por libra-peso nesta sexta-feira, após mínima desde janeiro de 2014, de cerca de 1,20 dólar no início da semana, num momento em que o mercado tem sido afetado principalmente por um dólar mais forte frente o real que incentiva vendas de produtores brasileiros no mercado global. Café: Expocaccer dobra capacidade de armazenamento para 1 milhão de sacas Agência Estado 31/08/2015 Daniela Frabasile A Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado (Expocaccer) vai inaugurar, no dia 5 de setembro, uma unidade de armazenamento de grãos, com capacidade para 500 mil sacas, no município mineiro de Patrocínio. "A nova planta é totalmente independente da atual e vai atender não só a produção de Patrocínio, mas também de outros municípios da região",
  3. 3. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck afirmou o superintendente da cooperativa, Sérgio Geraldo Dornelas. A nova unidade conta, ainda, com uma linha de recepção de grãos. "O projeto foi concebido para ser completamente automatizado e eficiente", diz. Esta é a primeira etapa de um investimento de R$ 25 milhões, em dois anos. A segunda etapa deve ser finalizada em março de 2016, com a abertura de uma linha de processamento e beneficiamento de grãos de café, com capacidade de 600 sacas por hora. "Com isso, estamos dobrando a capacidade própria de armazenamento e triplicando a capacidade produtiva de beneficiamento", enfatizou Dornelas. Com o investimento, realizado com recursos do BNDES, a Expocaccer pretende reduzir os custos de aluguel de armazéns e da contratação de serviços de processamento de grãos. "Se tivermos como base a safra atual, não há necessidade de contratar terceiros, mas a expectativa é de um aumento na produção nas próximas temporadas", contou ele. Ainda conforme Dornelas, o aumento da capacidade de armazenagem e beneficiamento foi necessário por causa do aumento da produção dos cooperados e do número de produtores cooperados. Produção A Expocaccer projeta recebimento de café em 2015 em cerca de 1 milhão de sacas, o que corresponde a uma quebra de 30% na comparação com o ano passados. "Além da bianualidade - e estamos em um ano produção baixa -, a quebra foi acima da prevista, por causa do clima e do maior volume de grãos menores", explicou o superintendente. A região do cerrado enfrentou um veranico intenso nos meses de dezembro de 2014 e janeiro de 2015, com falta de chuvas, maior insolação e temperaturas acima do normal. O resultado dessas condições climáticas foi a maior quantidade de grãos miúdos. Os grãos de peneira 17/18, mais graúdos e valorizados, representam cerca de 15% da produção deste ano, segundo Dornelas, enquanto a média para a região é de 30%. "Em Patrocínio, cerca de 30% dos cooperados possuem áreas irrigadas, e mesmo nessas propriedades tivemos problemas, ainda que em menor proporção", afirmou o superintendente. Exportações globais de café caem 3,6 por cento em julho, diz OIC Thomson Reuters 31/08/2015 Nigel Hunt Reuters - As exportações globais de café caíram 3,6 por cento em julho ante o ano anterior para um total de 9,59 milhões de sacas de 60 kilos, informou a Organização Internacional do Café (OIC) nesta sexta-feira. Nos primeiros 10 meses da temporada de 2014/15, que começou em 1º de outubro do ano passado, as exportações de café ficaram 2,8 por cento abaixo, em 92,85 milhões de sacas. As exportações de café robusta caíram 8,4 por cento em julho ante o ano anterior, para 3,78 milhões de sacas. As exportações cumulativas do robusta para a temporada até o momento caíram 3,4 por cento, para 35,30 milhões de sacas. As exportações de café arábica em julho foram 0,3 por cento menores que as do mesmo mês ano passado, a 5,81 milhões de sacas. As exportações acumuladas na temporada até o momento registram queda de 2,4 por cento, para 57,55 milhões de sacas.
  4. 4. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck Seca prejudica qualidade do café arábica e produção deve ser menor Globo Rural 31/08/2015 Paulo Barbosa e Marcelo de Castro Na fazenda Maringá, em Carmo do Paranaíba, região do cerrado mineiro, dos 130 hectares de café em produção, pouco mais de 60% foram colhidos e o cafeicultor Diego Henrique Silva conta que ainda vai demorar mais de um mês pra terminar o serviço. “O ano passado eu já tinha praticamente encerrado a minha colheita, e esse eu ainda vou levar 30 dias para fazer o término”, diz. Até agora, na região do cerrado mineiro cerca de 70% do café cultivado na área de 200 mil hectares em produção foi colhido. Tradicionalmente, na região do cerrado mineiro, a colheita termina no início de agosto, mas nesta safra, por causa do clima a finalização da colheita vai entrar setembro a fora. Segundo o agrônomo Vicente Nunes Junior esse atraso é porque faltou chuva entre janeiro e fevereiro. “Com essa irregularidade, o fruto não enche completamente, ele fica miúdo, não dá a qualidade que a gente sempre quer no nosso cafeeiro”, explica Vicente Nunes Júnior, agrônomo. É o que já é constatado na propriedade de Marcelo Cardoso, também em Patrocínio. “Essa quebra de produtividade está bem clara. Eu devia colher de 10 a 10.500 sacas de café, e eu estimo que pode chegar a sete mil sacas ou até abaixo”, diz o produtor rural. O superintendente da Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado (Expocaccer), Sérgio Dornelas, diz que a queda na produção está além do esperado. “Colhemos no ano passado por volta de cinco milhões e meio de sacas de café na região do cerrado mineiro e nesta safra deve ficar em torno de quatro milhões de sacas”, avalia. No sul do estado, a colheita do café arábica também está tendo problemas. O produtor Flávio Botrel tem 85 hectares com café em Varginha. Esse ano esperava colher duas mil sacas, mas já sabe que vai ter uma quebra na produção. "Aqui na fazenda eu acredito que vai ser na casa de uns 25 a 30%. O grão tá melhor que no ano passado, tá um grão mais uniforme, mas só que ele é miúdo", explica. Na lavoura do produtor Antônio Vander o amadurecimento dos grãos é o que preocupa. "O café até hoje não amadureceu, ainda está maduro e verde e a colheita vai se estender até outubro desse ano pra terminar. O que poderá comprometer a outra colheita, porque a lavoura já está espinhando, ou seja, está querendo florir”, comenta. Se por um lado a quebra da produção e a qualidade do café preocupam, por outro, a alta do dólar pode compensar as perdas dos cafeicultores. "Quanto mais o dólar estiver alto com relação ao real, melhor são para os produtos de exportação, isso na conversão dá mais reais para o produtor", diz Archimedes Colli Neto, presidente da Centro Comércio de Café. Funcafé repassa à Embrapa R$ 2 mi para concessão de bolsas de estudos Assessoria de comunicação social – Mapa 31/08/2015 Inez De Podestà O Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) repassou à Embrapa Café R$ 2 milhões para concessão de cerca de 200 bolsas de estudos para técnicos de instituições de ensino e pesquisa e universidades por intermédio do Consórcio Pesquisa Café. Eles vão trabalhar em
  5. 5. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck 92 projetos de pesquisa e de transferência de tecnologia previstos no Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento do Café (PNP&D/Café). Os bolsistas atuarão em projetos de pesquisa em cinco áreas: sustentabilidade da cafeicultura de montanha; mão de obra escassa e de alto custo; estresses bióticos (insetos-pragas, fungos, bactérias, vírus e nematoides) e abióticos (déficit hídrico); qualidade e marketing para rentabilidade; e deficiência dos processos de transferência de tecnologia. No início deste mês, o Funcafé repassou R$ 5,5 milhões para execução desses projetos. O Programa de Bolsas do Consórcio Pesquisa Café reúne profissionais qualificados para atuar em benefício do desenvolvimento sustentável do setor cafeeiro; apoiar o treinamento de estudantes de graduação e pós-graduação nas universidades e instituições consorciadas; e ampliar a capacidade dos produtores, técnicos e pesquisadores no desenvolvimento e adoção das novas tecnologias e conhecimentos gerados. Anualmente, o programa conta com 186 bolsistas. De 1998 até o primeiro semestre deste ano, já foram concedidas 3.888 bolsas. Os bolsistas acompanham as atividades de aproximadamente 800 técnicos do Consórcio Pesquisa Café. O repasse dos recursos do Funcafé para a Embrapa Café está no Diário Oficial da União de quinta-feira (27). Café ultrapassa os limites da xícara e conquista novos mercados Estado de Minas – Online 31/08/2015 Fernanda Borges O famoso cafezinho do dia a dia está tomando novas formas e conquistando outros mercados. Muito além do costume e da tradição, o grão ultrapassou os limites da xícara e agora previne até celulite. O negócio tem atraído a atenção da indústria e de grandes empresas, amparado por um setor com expectativas positivas – em 2015, a produção de café no estado deve atingir perto de 23,3 milhões de sacas, ante 22,6 milhões de sacas em 2014, segundo levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). É do Sul de Minas Gerais, maior produtor de café do mundo, que sai o grão usado na fabricação de muitos produtos. A região responde por 43% da produção mineira do café, segundo dados da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig). E é na indústria de cosméticos que o café se faz cada vez mais presente. “Tudo gira em torno da importância que esse fruto tem para a nossa economia. O café é o principal produto do agronegócio mineiro”, afirma Vanessa Vilela, criadora da Kapeh (palavra que significa café no dialeto maia), marca de produtos para o corpo e cabelo, que tem como matéria-prima grãos de café certificados. “O café é rico e benéfico para a pele, tem muitas propriedades oxidantes, ação antienvelhecimento e esfoliante, além de proteção solar natural”, diz a farmacêutica e executiva da marca. Os grãos utilizados pela empresa são provenientes de fazendas certificadas pela Utz Certified, que possibilita a checagem da safra, data de colheita, produtos utilizados no cultivo, colaboradores envolvidos, entre outros dados. “O café que usamos em nossa produção é produzido com sustentabilidade e tem toda uma rastreabilidade”, reforça. Há oito anos no mercado, a marca oferece mais de 120 itens vendidos em 18 estados e exporta para Portugal, Holanda e Coreia do Sul. “As pessoas que já apreciam a bebida ficam felizes com a valorização do produto”, diz Vanessa Vilela. A Cooxupé, maior produtora do grão do país, também entrou no setor de cosméticos. Na semana passada, a empresa oficializou uma joint venture com a química Aqia, que fornece insumos para gigantes como Natura, Boticário e Unilever. A empresa venderá óleo e biomassa
  6. 6. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck do café verde à química para serem usados nas indústrias cosmética e farmacêutica. Além da arrecadação com a venda de matéria-prima, a Cooxupé receberá uma participação nas vendas dos produtos à base de café fabricados pela Aqia. A parceria deve alcançar um crescimento de 20% a 30% para os negócios da química, com faturamento de R$ 25 milhões até 2020, segundo a empresa. Para a cooperativa, no entanto, a perspectiva de acréscimo virá de médio a longo prazo. Segundo o presidente da Cooxupé, Carlos Alberto Paulino da Costa, por enquanto, serão entregues 100 sacas de café por mês para o processamento de 480 quilos de óleo verde e 5 mil quilos de biomassa, o que deve movimentar R$ 50 mil. “A receita é baixa, mas pensamos na boa aceitação no futuro”, disse. Em 2014, a Cooxupé registrou faturamento de R$ 2,5 bilhões e exportou 3,2 milhões de sacas de café arábica. FORTALECIMENTO A força do café no Sul do estado também serviu de base para o cervejeiro Antônio Augusto Netto introduzir o grão em uma de suas receitas. No início do ano, o empresário abandonou a profissão de engenheiro elétrico e criou uma marca de cervejas artesanais (foto: Antônio Graça/Divulgação) em Guaxupé. Deu certo. Segundo Netto, em uma de suas degustações, a cerveja de café foi eleita a melhor. “O sabor é marcante de cerveja no início e possui um retrogosto intenso de café. Parece que você acabou de beber uma xícara de café”, conta o proprietário da marca Zug Bier (zug é uma palavra alemã que significa “trem” – gíria comum aos mineiros). Apesar da boa aceitação, a marca aguarda o registro no Ministério da Agricultura para comercializar o rótulo em bares, restaurantes e mercados. “A procura tem aumentado e vejo curiosidade do público em geral. Acredito que tenha muito a crescer e no futuro a ideia é exportar”, afirma. A artesã Vanessa Massafera também se valeu do café para investir no próprio negócio. Moradora de Varginha, no Sul do estado, o artesanato faz parte do dia a dia da jovem há mais de 10 anos. Começou com a família numa discreta produção em casa e hoje as peças são vendidas para todo o Brasil e exportadas. “Minha mãe ganhou um moedor de uma senhora amiga dela e enfeitou com grãos de café de porcelana fria italiana. Esse foi o pontapé inicial”, conta Vanessa, que iniciou os trabalhos quando ainda tinha 15 anos. De lá pra cá, a artesã, já produziu milhares de peças e por conta da originalidade, agradou empresas e fazendeiros da região. Os preços variam de R$ 35 a R$ 1 mil. “Fazemos relógios, mandalas, bandejas, quadros, latões de leite, moedores com o café. As pessoas foram se interessando e não paramos mais de produzir”, destaca. Segundo Vanessa, são utilizadas, cascas, plantas e filtros de papel para a produção dos artesanatos. Produto com sucesso reconhecido Marcas já conhecidas no mercado têm como carro-chefe produtos à base do café. Na doceira mineira Frau Bondan, o chocolate que leva o produto que vem das lavouras foi uma das primeiras apostas da proprietária Paula Bondan. “Nada mais justo que o próprio café tomar um banho de chocolate. É um produto de sucesso, que ultrapassa as barreiras da língua portuguesa e do paladar. O café é paixão pelo mundo inteiro”, destaca. Na fabricação de balas, o grão também faz a vez de protagonista. A Florestal Alimentos, fabricante da balinha Brazilian Coffee conta com um volume médio de 52 milhões de unidades vendidas por mês. “Podemos dizer que é um dos produtos de maior sucesso da marca. É a bala de café mais vendida e conhecida do Brasil”, afirma o gerente de marketing da empresa, Adriano Orso. Segundo ele, atualmente, o produto é vendido para 20 destinos, tendo como principais os EUA, Hungria, Chile, Argentina e Uruguai.
  7. 7. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck Há ainda quem aposte no café para combater as temíveis celulites. Além de cosméticos à base do grão, uma empresa paulista desenvolveu uma bermuda que libera cafeína para diminuir as imperfeições na pele. Isabel Luiza Piatti, tecnóloga em estética e diretora de pesquisa e desenvolvimento de produtos da Buona Vita Cosméticos, conta que as células presentes no tecido liberam a substância, que entra na corrente sanguínea e age contra as marcas. “Cosméticos à base do café são os mais vendidos na linha de tratamento corporal. Isso não é novidade. O interessante é que esses produtos caíram no gosto do consumidor e vieram para ficar. Haja café!”, brinca. Exportadores da Colômbia pedem eliminação de restrições de envios CaféPoint 31/08/2015 Reportagem: Reuters / Tradução: Juliana Santin O presidente da Associação Nacional de Exportadores de Café da Colômbia (Asoexport), Carlos Ignacio Rojas, disse que a Colômbia deveria liberar suas exportações de café para se converter em abastecedor de diferentes qualidades e abrir novos mercados. Com esta decisão, as receitas dos produtores e do país melhorariam. O país também produz cafés de qualidades mais baixas, como semi-lavados, cujas exportações estão restritas. “Somos um dos países que mais têm restrições para exportações de café”. “Com a liberação, poderíamos colocar no mercado o melhor preço de cafés que hoje simplesmente não estamos podendo exportar, abrir novos mercados que hoje não estão abertos e podemos oferecer a nossos compradores um portfólio de produtos para que somente negociem com a Colômbia”. Há décadas, o Comitê Nacional de Cafeicultores, a máxima autoridade do setor, somente permite exportações de café arábica com o argumento de que a restrição permite manter um selo distintivo de qualidade ao café colombiano nos mercados internacionais, pelos quais os compradores pagam um preço premium. Fontes da Federação Nacional de Cafeicultores disseram que é pouco provável que se elimine essa restrição como pedem os exportadores privados, que respondem por mais de 60% das vendas externas de café. Porém, Rojas disse que eliminar essa restrição não se traduziria em baixar a qualidade do café nem em um não cumprimento das medidas fitossanitárias. A Colômbia registrou em 2014 uma produção de 12,1 milhões de sacas de 60 quilos, recuperando seus níveis históricos depois de quatro anos não cumprindo sua meta por causa das fortes chuvas e de um programa de renovação dos cafezais. O país sul-americano, terceiro produtor mundial depois do Brasil e do Vietnã, tem atualmente 960.000 hectares cultivados com café. Rojas garantiu que a Colômbia pode aumentar sua produção sem provocar uma queda dos preços. A Colômbia espera para 2015 uma colheita de 12,5 milhões a 13 milhões de sacas de 60 quilos. Das 10,9 milhões de sacas exportadas pelo país no ano passado, 35% foram diferenciados ou especiais, pelo que Rojas admitiu que há espaço para crescer nesse setor. “Sim, há espaço para crescer, mas não se pode chegar a 100%. Até onde chegaremos? Depende do gosto do consumidor”.
  8. 8. Conselho Nacional do Café – CNC SCN Quadra 01, Bl. “C”, Ed. Brasília Trade Center, 11º andar, sala 1.101 - CEP 70711-902 – Brasília (DF) Assessoria de Comunicação: (61) 3226-2269 / 8114-6632 E-mail: imprensa@cncafe.com.br / www.twitter.com/pauloandreck Uganda: produção de cafés especiais aumenta após reforma do Governo Agência Estado 31/08/2015 A produção de grãos especiais em Uganda está aumentando, em grande parte impulsionada por uma reforma realizada pelo governo, afirmou o diretor da Autoridade para o Desenvolvimento do Café do país, Henry Ngabirano. A safra de grãos especiais representa cerca de 10% da produção total de café de Uganda. Há cinco anos, esse porcentual era de 5%. Comprovando a melhora na qualidade, a Starbucks começou, na semana passada, a vender um tipo de café feito apenas com grãos produzidos no país. Fonte: Dow Jones Newswires. Previsão de safra de café da Indonésia é reduzida por El Niño, diz associação Thomson Reuters 31/08/2015 Bernadette Christina Reuters - A Associação de Exportadores e Indústrias de Café da Indonésia reduziu nesta segunda-feira sua estimativa de safra do país pela segunda vez este ano devido a efeitos de um clima seco provocado pelo fenômeno El Niño. A produção do país no Sudeste Asiático, terceiro maior produtor global de café robusta, foi estimada em 500 mil toneladas este ano, disse à Reuters o presidente da associação, Irfan Anwar "A produção foi prejudicada pelas mudanças climáticas e pelo El Niño", disse Anwar, cuja nova projeção está abaixo da previsão anterior da associação, de 600 mil a 650 mil toneladas de café. A Indonésia deverá enfrentar um El Niño de condições moderadas até novembro, afetando províncias de Sumatra até o leste do país, embora existam indicativos de que o padrão climático poderá ficar mais intenso entre setembro e dezembro.

×