Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Revisão de História - Brasil Colônia

53 views

Published on

Revisão de História - Brasil Colônia

Published in: Education
  • Be the first to comment

Revisão de História - Brasil Colônia

  1. 1. Brasil Colonial
  2. 2. ... MUITO ANTES DOS PORTUGUESES ▪ A presença indígena no Brasil é pré-histórica (datações que variam desde 45.000 A.P.); ▪ Pindorama: nome de um lugar mítico dos tupis (“Terra das Palmeiras”), designação que surgiu quando estes povos migraram para o litoral; ▪ População nativa na época da “Invasão de Pindorama”: Cerca de 2 milhões de habitantes.
  3. 3. Grupos linguísticos indígenas
  4. 4. Principais grupos litorâneos
  5. 5. EXPANSÃO MARÍTIMA EUROPEIA ▪ Contatos com o Oriente: novos produtos e especiarias; ▪ Constantinopla dominada pelos otomanos (1453): Necessidade de novas rotas comerciais; ▪ Espírito da Renascença: Novas técnicas, inovação, questionamento aos saberes medievais; ▪ Ampliação de territórios, de mercados, de fontes de recursos e riquezas; ▪ Expansão do Cristianismo.
  6. 6. Mapa mundi do século 15 inspirado em um mapa romano do século 2
  7. 7. PIONEIRISMO PORTUGUÊS ▪ 1139: Condado Portucalense tornou-se independente do Reino de Leão; ▪ Centralização do poder monárquico e estabilidade política; ▪ Nobreza e burguesia envolvidas na expansão comercial; ▪ Avanço nos estudos e investimentos náuticos; ▪ Localização geográfica privilegiada.
  8. 8. TECNOLOGIAS DOS DESCOBRIMENTOS
  9. 9. TECNOLOGIAS DOS DESCOBRIMENTOS
  10. 10. EXPEDIÇÕES E CONQUISTAS ▪ 1415-1460: Ocupação de Ceuta, descoberta dos arquipélagos da Madeira, Canárias e Açores, prática de navegação de cabotagem até o limite do Cabo Não (na costa do Marrocos) e depois até o Cabo Bojador em 1417 (e que era então considerado o limite sul do mundo); ▪ 1460-1487: Intensificação das expedições para as regiões já conhecidas, chegada ao Cabo da Boa Esperança (1487); ▪ Objetivo: Chegar até a Índia
  11. 11. ... ENTÃO APARECEU COLOMBO (1492)
  12. 12. VASCO DA GAMA NA ÍNDIA
  13. 13. DIVISÃO DO “NOVO MUNDO” (1494)
  14. 14. ... E A EXPEDIÇÃO DE CABRAL (1500)
  15. 15. PRIMEIRAS EXPEDIÇÕES ▪ 1501 – Gaspar de Lemos: pelo litoral para identificação e mapeamento da costa; ▪ 1503 – Gonçalo Coelho: identificação de áreas para extração vegetal em expedição contratada por comerciantes; ▪ Arrendamento a Fernando de Noronha para lucrativa atividade de exploração de pau-brasil; ▪ 1516/1520 – Cristóvão Jacques: tentativa de deter contrabando;
  16. 16. ESTABELECIMENTO DA COLONIZAÇÃO ▪ Dificuldade para realizar o povoamento português: baixo efetivo populacional, altos custos e prioridade na rota para a Índia; ▪ 1530 – expedição de Martin Afonso de Sousa: iniciar ocupação; ▪ 1532 – Fundação da vila de São Vicente; ▪ Início do cultivo de cana; ▪ Escravização de índios.
  17. 17. CAPINANIAS HEREDITÁRIAS ▪ Tentativa de atrair a ocupação e financiar a colonização do território; ▪ Administração privada concedida pelo Estado; ▪ Os donatários detinham a posse e não a propriedade das terras conforme a Carta de Doação; ▪ Foral: Documento que estabelecia direitos e deveres dos donatários.
  18. 18. CAPINANIAS HEREDITÁRIAS ▪ Criar vilas e distribuir sesmarias, exercício de autoridade administrativa, escravizar índios (“guerra justa”), envio anual de 30 índios para Portugal, receber 5% dos lucros com pau-brasil, pagar 10% de imposto sobre lucros, pagar 1/5 dos lucros com metais e pedras preciosas, monopólio sobre pau-brasil.
  19. 19. CAPINANIAS HEREDITÁRIAS ▪ Fracasso do sistema: Altos custos distância (Lisboa-Bahia = 2 meses de viagem), dificuldades para implantar produção e reação indígena; ▪ Só São Vicente e Pernambuco tiveram sucesso pela implantação do cultivo de cana e por melhores condições administrativas.
  20. 20. GOVERNO GERAL ▪ Centralização administrativa com sede em Salvador (1549); ▪ O governador geral tratava dos assuntos administrativos, da defesa territorial, nomeava funcionários, indicava sacerdotes, aplicava a Justiça, mantinha relações com as capitanias (existentes até 1759).
  21. 21. O CICLO CANAVIEIRO ▪ Condições favoráveis: Clima, terra, experiência e mercado internacional; ▪ Altos custos financiados por holandeses. PLANTATION Latifúndio + Monocultura + Escravidão + Produção para mercado externo
  22. 22. O CICLO CANAVIEIRO
  23. 23. O BRASIL HOLANDÊS ▪ A União Ibérica (1580-1640) • Morte do rei D. Sebastião (1578) na Batalha de Alcácer-Quibir; • Henrique, “O Casto”: Morte em 1580 (fim da Dinastia de Avis); • Filipe II, Rei da Espanha e unificador das coroas (em Portugal assumiu o trono como Filipe I): Criou órgãos de controle colonial, implantou a Inquisição no Brasil e proibiu negócios com a Holanda.
  24. 24. O BRASIL HOLANDÊS ▪ Reação Holandesa • Ataques a posses da União Ibérica na África (1595), pilhagem de Salvador (1604); rápida invasão à Salvador (1624-1625) que resultou em prejuízos para os invasores; • Fundação da Companhia das Índias Ocidentais (1621), organização das atividades comerciais e montagem de ação para conquistas coloniais, ataques a carregamentos de metais preciosos em navios espanhóis.
  25. 25. O BRASIL HOLANDÊS ▪ Holandeses em Pernambuco • Ataques iniciados em 14/02/1630; • Resistência luso-brasileira liderada por Matias de Albuquerque até 1635.
  26. 26. O BRASIL HOLANDÊS ▪ O governo de Maurício de Nassau (1637- 1644) • Pacificação e financiamentos para os senhores de engenho; • Tolerância religiosa; • Obras urbanísticas e a Cidade Maurícia (Moritzdardt); • Missões artísticas e científicas, destacando-se os pintores Frans Post e Albert Eckhout, o naturalista Georg Marcgraf e o médico Willen Piso.
  27. 27. O BRASIL HOLANDÊS ▪ A Insurreição Pernambucana (1645-1654) • Restauração de Portugal (1640) e acordo territorial com a Holanda; • Demissão de Nassau e pressão sobre senhores de engenho; • Formação de reação armada contra os holandeses com importantes vitórias nas Batalhas dos Guararapes (1648- 1649) e em outras ocasiões até a rendição em 1654 e acordo para que Portugal indenizasse a Companhia das Índias Ocidentais.
  28. 28. ESCRAVIDÃO E O QUILOMBO DOS PALMARES ▪ Escravidão: Lucros e atendimento à necessidade de mão-de-obra na colônia; ▪ Ativo mercado fornecedor na própria África; ▪ Escravos obtidos por captura, por guerra, por dívidas, por tributo e por “fornecimento” como moeda. ▪ Várias procedências geográficas e étnicas dos escravos; ▪ Transporte e estadia em péssimas condições, castigos físicos e torturas no cotidiano.
  29. 29. ESCRAVIDÃO E O QUILOMBO DOS PALMARES ▪ Resistência escrava: Reações físicas, fugas, formação de quilombos e ataques a propriedades coloniais; ▪ Quilombo dos Palmares (Serra da Barriga, Capitania de Pernambuco): crescimento desde 1605 e formação de uma comunidade complexa com grande população e atividades produtivas.
  30. 30. ESCRAVIDÃO E O QUILOMBO DOS PALMARES ▪ Resistência escrava: Reações físicas, fugas, formação de quilombos e ataques a propriedades coloniais; ▪ Quilombo dos Palmares (Serra da Barriga, Capitania de Pernambuco) • Crescimento desde 1605 e formação de uma comunidade complexa com grande população distribuída em núcleos (mocambos) com a atividades produtivas e comércio com vilas externas, possibilidade de prática de escravidão ou servidão; • Zumbi (último líder), enfrentou a missão de Domingos Jorge Velho e foi traído, emboscado e assassinado em 1695, tendo sua cabeça exibida em Recife.
  31. 31. BANDEIRANTISMO ▪ Exploração do interior; ▪ Favorecido pela suspensão do Tratado de Tordesilhas durante a União Ibérica; ▪ Expedições que buscavam obter ouro, capturar índios e escravos foragidos, “drogas do sertão” (a exemplo de urucum e guaraná), fundação e abastecimento de vilas.
  32. 32. BANDEIRANTISMO ▪ Tipos: • Entradas – Expedições organizadas pelo governo; • Bandeiras – Organizadas por particulares e visavam lucro; • Monções – Expansão através dos rios.
  33. 33. O CICLO MINERADOR ▪ Lucros coloniais reduzidos após a crise da produção canavieira e da concorrência estabelecida pelos holandesas que passaram a produzir nas Antilhas; ▪ Descobertas de jazidas por expedições bandeirantes e elevação da mineração à atividade colonial principal no século 18; ▪ Criação das capitanias de São Paulo e Minas Gerais, fundação de novas vilas, ampliação do controle colonial e deslocamento da capital para o Rio de Janeiro (1763); ▪ Crescimento da migração de Portugal para o Brasil; ▪ Distritos mineradores de pedras preciosas; ▪ Desenvolvimento de uma sociedade luxuosa e de uma economia auxiliar.
  34. 34. O CICLO MINERADOR ▪ Redução da atividade pela extinção de jazidas a partir de 1783; ▪ Mais fiscalização à produção legal e ao contrabando através das Casas de Fundição, das Intendências, do rigor na cobrança do “quinto”; ▪ Acordos comerciais com a Inglaterra: Recepção do ouro brasileiro.
  35. 35. A INCONFIDÊNCIA MINEIRA (1789) ▪ Revolta de Filipe dos Santos (1720) – Primeira grande manifestação contra o controle colonial na região; ▪ Marquês de Pombal: Medidas para aumentar a arrecadação de impostos coloniais para favorecer Portugal; ▪ Estabelecimento de uma cota tributária fixa de 100 arrobas de ouro (1.500kg) cobrada através da “derrama”; ▪ Formação de um movimento inspirado nos ideais iluministas e constituído pela elite de Vila Rica com planos de instituir uma república oligárquica e escravista; ▪ Tiradentes: Integrante do movimento condenado e executado.
  36. 36. A CONJURAÇÃO BAIANA (1798) ▪ Perda de status na estrutura administrativa colonial, crises de abastecimento, crescente insatisfação da população; ▪ Formação de um movimento inspirado nos ideais iluministas e no lema “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”; ▪ Inspiração na Revolução Americana, na Revolução Francesa e na Revolução do Haiti; ▪ Divulgação de ideais e propostas que incluíam rompimento do pacto colonial, proclamação de uma república, aumento de salários e fim da escravidão; ▪ Apelo popular e medo da elite local.
  37. 37. A CONJURAÇÃO BAIANA (1798) ▪ Lideranças populares articularam uma rebelião social, mas o movimento foi duramente reprimido e os articuladores foram executados e seus corpos esquartejados.
  38. 38. O PERÍODO JOANINO (1808-1822) ▪ Ascenção de Napoleão Bonaparte na França (1798) e o decreto do Bloqueio Continental à Inglaterra, aliada de Portugal (1806); ▪ Fuga da Família Real para o Brasil com apoio da Inglaterra motivado pelo interesse no mercado e produtos brasileiros.
  39. 39. O PERÍODO JOANINO (1808-1820) ▪ Favorecimento à Inglaterra: Abertura dos portos e redução de impostos de importação de 24% para 15%; ▪ Estabelecimento da corte e de estruturas administrativas do reino no Rio de Janeiro; ▪ Fundação do Banco do Brasil, Casa da Moeda, Biblioteca Nacional, Academia Real Militar; ▪ Coroação como rei Dom João VI no Rio de Janeiro e crescente insatisfação em Portugal
  40. 40. O PERÍODO JOANINO (1808-1821) ▪ Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves (1815): Fim do pacto colonial; ▪ Revolução do Porto (1820-1821): Fim do absolutismo em Portugal com exigência de retorno de D. João e rebaixamento do Brasil à condição de colônia novamente.
  41. 41. A REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA (1817) ▪ Crise em Pernambuco pela concorrência da produção canavieira do Caribe e pelas secas que afetavam a economia; ▪ Perda da condição de principal centro econômico do Brasil; ▪ Crescente influência de ideais liberais e iluministas; ▪ Conspiração dos Suassunas (1801): Ideais republicanos sob proteção de Napoleão Bonaparte.
  42. 42. A REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA (1817) ▪ 6/3/1817: Motim militar liderado por José de Barros Lima (“O Leão Coroado”) seguido por tomada de prédios públicos, além de fuga e rendição do governador Caetano Pinto Montenegro; ▪ Adesão de militares, religiosos, comerciantes, proprietários de terras e populares com tomada do poder, proclamação de uma república e adoção de uma Constituição; ▪ Adesão da Paraíba, do Rio Grande do Norte, de parte do Ceará e reação da Bahia; ▪ Repressão: Envio de tropas, execução de lideranças e perda de território.
  43. 43. A REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA (1817)
  44. 44. O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA ▪ Retorno de D. João VI para Portugal e permanência do príncipe Pedro de Alcântara Francisco António João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim de Bragança e Bourbon; ▪ Pressões externas de Portugal e internas por grupos que aspiravam a independência; ▪ Crescentes manifestações e movimentos contra o domínio português; ▪ Pernambuco: Nova separação do Brasil através da Convenção de Beberibe (1821), depondo o governador Luís do Rego Barreto e expulsando as tropas portuguesas;
  45. 45. O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA ▪ Cortes Portuguesas: Manifestações de zombaria e desprezo pela posição política de D. Pedro; ▪ Formação do Partido Brasileiro que apoiava a iniciativa de independência por parte do príncipe; ▪ Dia do Fico – 9/1/1822: Reação de D. João à ordem de retorno para Portugal e manifestação de apoio aos adeptos da independência; ▪ Insistência dos movimentos de independência através de radicalizações e demonstrações de inclinações revolucionárias; ▪ 7 de setembro de 1822: Declaração de Independência após receber notícias enviadas por Dona Leopoldina e José Bonifácio.
  46. 46. O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA

×