Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A FORÇA DA MULHER CISTERNEIRA: CAPTAÇÃO E TRATAMENTO D’ÁGUA NO SERTÃO NORDESTINO

34 views

Published on

Monografia das alunas

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

A FORÇA DA MULHER CISTERNEIRA: CAPTAÇÃO E TRATAMENTO D’ÁGUA NO SERTÃO NORDESTINO

  1. 1. EREM JOAQUIM TÁVORA A FORÇA DA MULHER CISTERNEIRA: CAPTAÇÃO E TRATAMENTO D’ÁGUA NO SERTÃO NORDESTINO
  2. 2. Secretaria Executiva de Educação Integral e Profissional Gerência Regional de Educação Recife Sul ESCOLA DE REFERÊNCIA EM ENSINO MÉDIO JOAQUIM TÁVORA A FORÇA DA MULHER CISTERNEIRA: CAPTAÇÃO E TRATAMENTO D’ÁGUA NO SERTÃO NORDESTINO Alunas: Hellen Cristina Feitosa de Araújo, Gilmária Vitória Matos da Silva, Ariane da Silva Almeida, Camilly Vitória Rodrigues da Silva, Laura Maria Ferreira Martins, Tamirys Muniz de Oliveira Lima Professora orientadora: Paula Nascimento da Silva Outubro de 2019
  3. 3. 3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO........................................................................................................................ 4 2. OBJETIVOS: ........................................................................................................................... 5 3. METODOLOGIA..................................................................................................................... 6 4. CONTEÚDO............................................................................................................................ 7 I. Breve histórico das Cisterneiras........................................................................................ 7 II. Pedreiras, mulheres cisterneiras....................................................................................... 8 III. Dificuldades e preconceitos .......................................................................................... 9 IV. Um Novo Horizonte..................................................................................................... 10 V. Água de Cisterna.... Pode Beber?.................................................................................... 10 5. CONCLUSÃO........................................................................................................................ 13 6. REFERÊNCIAS ...................................................................................................................... 14 ANEXOS....................................................................................................................................... 15
  4. 4. 4 1. INTRODUÇÃO O processo de tratamento d’água, nas cidades grandes ocorre de maneira regular com distribuição frequente para a população urbana, sendo de boa qualidade, embora possamos dizer também que mesmo nas metrópoles há bairros com racionamento diário de água. Já no sertão tal processo é mais precário justamente porque existe a seca. Esta, além de ser um problema climático, é uma situação que gera dificuldades sociais para as pessoas que habitam a região. Com a falta de água, torna-se difícil o desenvolvimento da agricultura e a criação de animais. Assim, a seca gera fome e miséria no sertão nordestino há décadas. Muitas vezes, as mulheres, mães e meninas precisam andar durante horas sob Sol forte e calor para pegar água em baldes, em geral, suja e contaminada. Isto causa à população a ocorrência de muitas doenças, pois, para completar o quadro, a alimentação é precária e a água consumida é de péssima qualidade. Nestas localidades o tratamento d’água ocorre de maneira simples e rudimentar. Em meio a tudo isso é importante ressaltar a ação das mulheres que se transformaram em “cisterneiras” e assim constroem cisternas elas mesmas em suas casas e ainda capacitam outras mulheres para continuar esta ação. Desta forma geram também emprego e renda para as pessoas da comunidade modificando, assim, a realidade do sertão Ao participar de toda esta discussão e do processo de elaboração do tratamento da água no âmbito escolar acreditamos trazer para os alunos uma nova forma de refletir sobre esta questão que se faz urgente no mundo que é a utilização racional e consciente da água e também a importância da mulher enquanto ser essencial na construção de uma sociedade mais digna e respeitosa com o gênero feminino.
  5. 5. 5 2. OBJETIVOS: ▪ Discutir a importância da construção de cisternas por mulheres nordestinas para a obtenção a água necessária ao sustento da sua família em regiões de seca; ▪ Divulgar as técnicas para a construção das cisternas; ▪ Incentivar a discussão da luta pelo espaço feminino e do combate à misoginia e preconceito em relação a atividades que podem ser realizadas pelas mulheres; ▪ Construir um modelo de miniestação de tratamento de água para aprendizagem comparativa entre obtenção de água potável no litoral e no interior. ▪ Participar de oficinas de grafitagem que discutem o tema e modificam ambientes da escola em ambientes temáticos; ▪ Utilizar o espaço do muro artístico da escola para debate sobre a importância de preservar água em ambientes urbanos e rurais do Nordeste;
  6. 6. 6 3. METODOLOGIA • Pesquisa bibliográfica sobre água, importância, utilização e reuso; • Pesquisa bibliográfica sobre o programa de capacitação de mulheres na construção de cisternas e discussão da posição atual da mulher na sociedade; • Utilizar aulas de Matemática e Informática para cálculo de dimensionamento dos tanques do sistema de tratamento da água e de construção de cisternas; • Conhecendo uma conta de água; • Limpeza e requalificação da área de jardins da escola com paisagismo e grafitagem com temas ambientais; • Grafitagem no muro da escola na área dos temas relativos à Zona da Mata, Agreste e Sertão, relacionando a vegetação destas regiões com a disponibilidade de água; • Divulgação das etapas do desenvolvimento do trabalho no site da escola e em redes sociais; OBS: Registros fotográficos destas etapas disponíveis em: https://www.flickr.com/photos/155136931@N07/albums/72157708928992613 Acessíveis diretamente através do QR Code:
  7. 7. 7 4. CONTEÚDO O Tratamento d’água, nas cidades “grandes” tem uma distribuição abundante para a população urbana: com boa qualidade, bom tratamento e bom fornecimento, embora podemos dizer também que mesmo nas metrópoles há bairros com racionamento diário de água. Já no sertão isso se tornar precário, justamente porque existe a seca. Esta, além de ser um problema climático, é uma situação que gera dificuldades sociais para as pessoas que habitam a região. Com a falta de água, torna-se difícil o desenvolvimento da agricultura e a criação de animais. Assim, a seca gera fome e miséria no sertão nordestino. Muitas vezes, as pessoas, principalmente as mulheres, mães e meninas precisam andar durante horas, sob sol forte e calor para pegar água, em geral, suja e contaminada. Isto causa à população o desenvolvimento de muitas doenças pois para completar, a alimentação é precária e o consumo de água de péssima qualidade. Nestas localidades o “tratamento d’água” ocorre de maneira simples e rudimentar. Surgem assim as mulheres cisterneiras. I. Breve histórico das Cisterneiras A atuação das mulheres cisterneiras é uma prática inovadora e vem obtendo resultados incríveis e significativos. A ideia de capacitar mulheres na construção de cisternas surgiu de uma proposta das Comissões Executivas Municipais - formadas por representantes da sociedade civil organizada que atuam no gerenciamento do Programa Um Milhão de Cisternas (P1MC) - para que as mulheres tivessem uma nova opção de renda. O projeto logo foi aceito e desde o ano de 2006 as mulheres têm experimentado na prática a igualdade de gênero nesta área. No começo, houve muitas discussões que se opuseram à realização desta atividade. O preconceito vinha das Comissões ligadas ao Programa Água e Segurança Alimentar, assim como das próprias mulheres, seus familiares e das comunidades
  8. 8. 8 envolvidas na construção das cisternas. Mas esta barreira foi sendo vencida e a realização desta atividade começou, possibilitando às cisterneiras a geração de oportunidades e o estímulo de perspectivas no campo profissional e pessoal, a partir daí passaram a conhecer e participar mais de movimentos sociais, grupos de produção de alimentos, desenvolvendo assim uma aprendizagem para a construção e organização de seus próprios recursos financeiros. Muitas delas utilizam o dinheiro recebido para a compra de objetos pessoais, outras investem em educação, ajudam nas despesas de casa, aplicam em cooperativas de crédito ainda cuidam da saúde. II. Pedreiras, mulheres cisterneiras. A capacitação em técnicas de construção de cisternas permite o empoderamento das mulheres na região em que vivem, ampliando sua renda e quebram conceitos e atribuições restritas apenas aos homens. As mulheres estão cada vez mais fortalecendo a sua identidade como trabalhadora rural e quebrando os paradigmas da relação homem x mulher. Participam de movimentos de mulheres, ampliando sua visão política e conseguem garantir renda própria por meio dos grupos de produção. As mãos acostumadas com o trabalho doméstico e na roça, tiveram que enfrentar as ferramentas utilizadas por pedreiros que exigem habilidade e também, algumas vezes, esforço físico. Morando em Quitola, Teofilândia (BA), Maria do Carmo afirma que a ideia de trabalhar como cisterneira surgiu da necessidade de obter renda e da falta de mão-de- obra qualificada, já que muitas vezes precisava-se trazer pessoas de outros municípios. “Construção sempre foi considerada atividade de homem, eles diziam que as cisternas feitas por nós mulheres iam cair, não acreditavam na nossa capacidade”, relata a cisterneira. A renda obtida com a construção de cada cisterna é em torno de R$ 175, dinheiro que está sendo utilizado das mais diversas formas, desde a compra de enxoval para bebê até aplicação em cooperativa de crédito.
  9. 9. 9 III. Dificuldades e preconceitos A ideia de mulheres atuarem na construção de cisternas causou vários tipos de críticas. Inicialmente o preconceito partia das próprias pedreiras que não se sentiam capazes em realizar a atividade. “Será que eu consigo fazer este trabalho”, perguntava-se Luzinete dos Reis Lima, residente em Santa Luz (BA). A frequência para realizar este trabalho também foi considerada uma dificuldade, pois muitas vezes elas precisam se deslocar para municípios distantes de suas casas, tendo que passar cerca quinze dias sem ver a família. Como não constroem regularmente, muitas se sentem inseguras na hora de construir, além disso, as cisterneiras afirmam que esta atividade exige muita força. “As placas são muito pesadas”, disse Lucineide Souza de Jesus, de Serrinha (BA). Em média, os homens demoram uma semana para construir uma cisterna. Devido à limitação física feminina e a pouca prática, as mulheres pedreiras levam de duas a três semanas para finalizar a construção. Os homens colocam defeito no trabalho, especialmente os maridos e as figuras masculinas nas casas contempladas com as cisternas. Exercendo a profissão há mais de 40 anos, o pedreiro Alfredo Domingos de Araújo ensinou 10 mulheres do município de Teofilândia a construírem cisternas e diz “Elas demoraram um pouco para construir porque não tinham prática (...) Pelo menos nunca
  10. 10. 10 tiveram problema as cisternas que acompanhei a construção”. Isto é um estímulo pois percebe-se que nem todos os homens têm preconceitos. IV. Um Novo Horizonte O curso de cisterneiras dá um novo gás para estas mulheres que aprendem a ter mais confiança em si mesmas e adquirem maiores responsabilidade diante dos desafios do trabalho. “A grande alegria no trabalho como cisterneira é perceber a felicidade e a satisfação das famílias ao receberem uma cisterna”, diz Cleide de Jesus Santos, Teofilândia. Nilmara de Candeal acrescenta: “Ver famílias carentes serem beneficiadas com os milagres do Sertão. Água boa e um reservatório” Talvez falte às mulheres a força, porém, elas possuem habilidade. A capacitação de mulheres na construção de cisternas está permitindo o nascimento de um outro espaço de participação social, onde homens e mulheres, juntos, contribuem com a construção de um sertão justo, com mais famílias tendo acesso à água. Orgulho da profissão – Mesmo com todo preconceito, as sertanejas que encararam o desafio de construir cisternas sentem-se orgulhosas de serem pedreiras. “Nunca fiz nada na vida para gostar tanto quanto este trabalho”, afirma Luciene de Jesus, de Teofilândia. A atividade como cisterneira tem gerado muitas oportunidades, como por exemplo, ajudar na construção da associação da comunidade, construir sua própria cisterna, colocar o piso e o reboco da própria casa e também, a construção de cisternas particulares para outras pessoas no município onde vivem. V. Água de Cisterna.... Pode Beber? Embora construídas com a finalidade de captar água de chuva e armazená-la nos meses de seca, a utilização da cisterna vai além da captação da água de chuva, pois as mesmas são abastecidas, também, por água que vem de carros-pipa, sendo esta uma prática comum nas comunidades do semiárido nordestino.
  11. 11. 11 Em ambos os casos, a qualidade da água de cisterna pode ser afetada por diversos fatores. Quando a água vem das chuvas, a qualidade pode ser influenciada pela poluição do ar em regiões industriais, e pelo sistema de captação (telhados, calhas e superfícies de escoamentos), que permitem a entrada de contaminantes, tanto biológicos como não biológicos. Poeira, sujeira, fezes de animais e folhas de árvores podem, além de contaminar a água com microrganismos nocivos à saúde, causar sabores e odores desagradáveis à água. A construção de cisternas próximas a fossas e esgotos, a falta de conservação e manejo adequado das mesmas, tampas inadequadas, problemas de rachaduras e uso de cordas e baldes para tirar a água da cisterna, também propiciam contaminação da água, de forma que vários microrganismos, podem estar presentes na água. O abastecimento das cisternas com carros-pipa, é também fonte de contaminação durante o transporte e pelas condições de higiene e limpeza dos carros. A qualidade da água é para fins potáveis (beber, cozinhar, tomar banho e escovar os dentes. A água deve ser isenta de organismos prejudiciais à saúde, como bactérias e vírus, e isenta de substâncias químicas prejudiciais à saúde, como pesticidas e metais pesados, e que possua baixos valores de turbidez. TRATAMENTO DA ÁGUA DE CISTERNA Os principais cuidados de manutenção são: ▪ Limpezas periódicas da cisterna; ▪ Jogar fora os primeiros litros de água de chuva coletados; ▪ Verificação de rachaduras; ▪ Problemas com as tampas e possíveis entradas de contaminantes; ▪ Cuidados com a operação de retirada da água da cisterna para consumo, evitando-se o uso de baldes e cordas; ▪ “telamento” de todas as áreas de entrada ou saída da cisterna, Além desses cuidados, filtração e alguma forma de desinfeção podendo ser usado o processo de fervura da água durante cerca de 5 minutos. O processo de filtração
  12. 12. 12 pode ser realizado no ponto de entrada da água na cisterna e/ou no ponto de saída ou uso da cisterna. A cloração da água da cisterna pode ser realizada com o uso de cloro líquido, como o hipoclorito de sódio encontrado na água sanitária ou produtos de cloro sólido como o hipoclorito de cálcio, em grânulos e em pastilhas ou tabletes É importante salientar que a utilização da cloração, pode originar a contaminação da água por trihalometanos (THMs), que são subprodutos cancerígenos, resultantes da reação química do cloro com substâncias orgânicas em decomposição, como restos de folhas, restos de animais mortos e matéria fecal. Assim, é importante o tratamento por filtração, antes do tratamento da cloração, a fim de evitar a presença de matéria orgânica na água e, consequentemente, os trihalometanos, após a utilização do cloro.
  13. 13. 13 5. CONCLUSÃO A partir da temática de obtenção e tratamento d’água, tivemos ideia de ampliar a pesquisa para o problema da falta d’água no sertão, trazendo mais visibilidade às vidas sertanejas, pois descobrimos que na verdade atualmente são mulheres as grandes responsáveis por garantir a água nas suas casas. Desde o “simples” ato de buscar água nos barreiros, que ficam distantes de casa, trazendo em baldes ou se capacitando através de cursos de formação para construir cisternas, as mulheres nordestinas se sacrificam dia a dia para obtenção deste bem que nas grandes cidades é conseguido já de forma tão habitual. Em meio a tudo isso é importante ressaltar a ação das mulheres que se transformaram em “cisterneiras” e assim constroem cisternas elas mesmas em suas casas e ainda capacitam outras mulheres para continuar esta ação. Desta forma geram também emprego e renda para as pessoas da comunidade modificando, assim, a realidade do sertão e mostram também toda a força e o valor da sertaneja que está mudando a realidade econômica e social do sertão. Neste ponto descobrimos o projeto de Ana Luiza Beserra, estudante universitária da Bahia, que com o AQUALUZ, trouxe um equipamento simples de purificação da água com o uso de energia solar. Trata-se de uma caixa de inox coberta por um vidro e uma tubulação simples ligada à cisterna, um reservatório comumente usado para armazenar água da chuva ou de caminhão-pipa. O calor do sol mata cerca de 99% dos microorganismos.(ver anexo) Assim podemos perceber que dedicação, estudo e pesquisa podem alcançar grandes frutos. E isso faz com que a escola torne-se também mais valorizada e preservada pelos estudantes na medida em que percebem fatores significativos para sua vida discutidos de forma científica, e também relacionados a seu cotidiano.
  14. 14. 14 6. REFERÊNCIAS MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H. Química, São Paulo, Scipione, 2ed, vol 1, 2014. ANTUNES, M. T. Ser Protagonista, São Paulo, SM, 2ed, vol 1, 2013. GEPEQ – GRUPO DE PESQUISA PARA O ENSINO DA QUÍMICA. Interação e Transformação: química para o 2° grau. São Paulo: Edusp, vol. 1,1993. Livro do aluno, Guia do Professor. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio/Química. Secretaria de Educação Fundamental- Brasília: MEC/SEF, 1997. http://www.usp.br/qambiental/tratamentoAgua.html https://centrofeminista.com/2018/06/12/mulheres-cisterneiras-a-forca-e-a-resistencia- de-ana-maria-da-silva/ https://moc.org.br/upload/bocapiu/04-04-2008_16_45_54.pdf www.ecycle.com.br/3301-captacao-de-agua-da-chuva-aproveitamento-sistema- cisternas-como-captar- http://www.cpatsa.embrapa.br/public_eletronica/downloads/OPB130.pdf https://envolverde.cartacapital.com.br/brasileira-vence-premio-global-da-onu-com- solucao-solar-para-purificar-agua/ https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2019/09/19/estudante-baiana-que-criou- tecnologia-para-filtrar-agua-por-meio-da-luz-solar-em-regioes-do-semiarido-ganh
  15. 15. 15 ANEXOS ANEXO I Construindo uma Cisterna - Por Pedro Marcos Ortiz. (Embrapa) CISTERNA DE TIJOLO de 15.500 litros Quantidade Material 4.000 Tijolos 15 Sacos de cimento 10 Sacos de cal 0,5m³ Brita 48kg Ferro 1/4″ Requer 6 dias de trabalho de 1 pedreiro e 1 servente Para calcular aproximadamente o tamanho da cisterna quadrada ou retangular é só multiplicar a largura pelo comprimento e depois pela altura (= m3). Exemplo: • 1m x 1m x 1m = 1m3 = 1000 lts • 2m x 3 m x 1.70 m = 10.2 m 3 = (+-) 10.000 lts Para calcular aproximadamente o tamanho da cisterna redonda: Afórmula é a seguinte: V= Pi x r x r x h Agora vamos explicar o que significa cada letrinha dessas: – V significa volume. é uma letra grega chamada Pi e ela vale 3,14. – r significa raio, ou seja, ele vale a metade do diâmetro ou boca da cisterna (se a sua cisterna t e m uma boca ou diâmetro de 3 metros, o “ r ” vale 1,5 metros). – h é a altura da cisterna.
  16. 16. 16 Demonstração prática: Se uma Cisterna tem uma altura de dois metros e quarenta centímetros (2,40m) e uma boca ou diâmetro de três metros (3,0m), quanto ela suporta de água quando estiver cheia? - É só substituir os números pelas letras, fazer a multiplicação e você terá o resultado. V = 3,14 x 1,5 x 1,5 x 2,4 = 16,956 metros cúbicos que é a mesma coisa de 16.956 litros de água. Ou seja, cada metro cúbico de água é a mesma coisa que 1.000 (mil) litros de água. Agora se essa mesma cisterna, em determinado momento só tem 1,5m (um metro e meio) de água isso corresponde a quantos litros? - É só fazer a mesma conta colocando 1,5 no lugar do h. V= 3,14 x 1,5 x 1,5 x 1,5 = 10,597 metros cúbicos que é igual a 10.597 litros de água.
  17. 17. 17 Para facilitar o dimensionamento das cisternas cilíndricas use a tabela a seguir Capacidade dos Reservatórios cilíndricos Altura 0,50 m 1,00 1,50 2,10 Diâmetro da base 1,00 m 400 litros 800 litros 1.200 litros 1.600 litros 1,50 m 900 litros 1.800 litros 2.600 litros 5.700 litros 2,00 m 1.600 litros 3.100 litros 4.700 litros 6.600 litros 2,50 m 2.500 litros 4.900 litros 7.400 litros 10.300 litros 3,00 m 3.500 litros 7.000 litros 10.600 litros 14.800 litros 3,50 m 4.800 litros 9.600 litros 14.400 litros 20.200 litros 4,00 m 6.300 litros 12.600 litros 18.800 litros 26.400 litros 4,50 m 8.000 litros 15.900 litros 23.800 litros 33.400 litros
  18. 18. 18 ANEXO II PROJETO AQUALUZ Cada ciclo de filtragem dura, em média, 4 horas. O dispositivo, que filtra até 28 litros de água por dia, dura cerca de 15 anos e precisa apenas de limpeza com água e sabão, troca do filtro natural (com o estoque de refil já fornecido), sem precisar de manutenção externa ou energia elétrica. Testes preliminares feitos em laboratório certificado, que usaram parâmetros do Ministério da Saúde, revelaram que o "Aqualuz" reduziu em 99,9% a presença de bactérias de referência. Atualmente, o "Aqualuz" já distribui água potável para 265 pessoas, na Bahia, Pernambuco, Ceará e Alagoas, e o objetivo é alcançar mais 700 ainda este ano. Projeto criado por estudante baiana permite filtragem de água com luz solar — Foto: Divulgação A filtragem ocorre por 4 etapas. São elas: 1. Primeiro, a água é bombeada da cisterna até a caixa, por meio de um encanamento, passando por um filtro ecológico que é feito de sisal; 2. O filtro ecológico retém partículas sólidas; 3. Depois, já com a água armazenada na caixa de inox, ocorre a desinfecção, em que o líquido é exposto à radiação solar para eliminação dos micro-organismos patogênicos. A alta temperatura na caixa ajuda a eliminar impurezas. 4. Por fim, um dispositivo acoplado à caixa muda de cor e alerta quando a água pode ser retirada da caixa, já pronta para o consumo, por meio de uma torneira.

×