Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Sedia m'eu na ermida

10,152 views

Published on

"Sedia m'eu na ermida de San Simon"

Published in: Education
  • Be the first to comment

Sedia m'eu na ermida

  1. 1. Sedia-m'eu na ermida de San Simón Mendinho
  2. 2. Sedia-m'eu na ermida de San Simion e cercaron-mi as ondas que grandes son: eu atendo'o meu amigo, eu atend'o meu amigo. Estando na ermida ant'o altar, cercaron-mi as ondas grandes do mar; eu atend'o meu amigo, eu atend'o meu amigo. E cercaron-mi as ondas que grandes son: nem hei i barqueiro nem remador; eu atend'o meu amigo, eu atend'o meu amigo. E cercaron-mi as ondas do alto mar; non hei i barqueiro nem sei remar; eu atend'o meu amigo, eu atend'o meu amigo. Non hei i barqueiro nem remador: morrerei eu, fremosa, no mar maior: eu atend'o meu amigo, eu atend'o meu amigo. Nem hei i barqueiro nem sei remar, e morrerei eu, fremosa, no alto mar: eu atend' o meu amigo, eu atend'o meu amigo.
  3. 3. Ermida de S.Simon Ria de Vigo
  4. 4. Sedia-m'eu na ermida de San Simion e cercaron-mi as ondas que grandes son: eu atendo'o meu amigo, eu atend'o meu amigo. Estando na ermida ant'o altar, cercaron-mi as ondas grandes do mar; eu atend'o meu amigo, eu atend'o meu amigo. E cercaron-mi as ondas que grandes son: nem hei i barqueiro nem remador; eu atend'o meu amigo, eu atend'o meu amigo. E cercaron-mi as ondas do alto mar; non hei i barqueiro nem sei remar; eu atend'o meu amigo, eu atend'o meu amigo. Non hei i barqueiro nem remador: morrerei eu, fremosa, no mar maior: eu atend'o meu amigo, eu atend'o meu amigo. Nem hei i barqueiro nem sei remar, e morrerei eu, fremosa, no alto mar: eu atend' o meu amigo, eu atend'o meu amigo.
  5. 5. MAR Elemento negativo Elemento perigoso Lugar de (des)encontro
  6. 6. Sedia-m'eu na ermida de San Simion e cercaron-mi as ondas que grandes son: Estando na ermida ant'o altar, cercaron-mi as ondas grandes do mar; E cercaron-mi as ondas que grandes son: nem hei i barqueiro nem remador; E cercaron-mi as ondas do alto mar; non hei i barqueiro nem sei remar; Non hei i barqueiro nem remador: morrerei eu, fremosa, no mar maior: Nem hei i barqueiro nem sei remar, e morrerei eu, fremosa, no alto mar: . Estar na Ermida de S. Simon Ser cercada pelas ondas Não ter barqueiro nem remador Não ter barqueiro nem remador Morrer formosa Morrer formosa Esperar o amigo
  7. 7. A cantiga narra um fato ocorrido na Ermida de San Simion, quando a donzela, movida pela paixão, se encontra diante do altar “Estando na ermida ant’o altar” à espera do amigo “eu atendend’ o meu amigo” e, distraidamente não percebe a maré alta. Quando se dá conta da situação, em pânico, descobre que está cercada pelas ondas crescentes e sem ajuda do barqueiro: “non ei i barqueiro, nen remador”. Sendo assim, entrega-se ao destino de morrer bela e pensando no amigo, desejo enfatizado no refrão.
  8. 8. Correspondência entre a natureza circundante e o estado de espírito da donzela. O movimento paralelístico adapta-se e parece evocar o ir e o vir crescente das ondas, com a maré, que sobe, envolvendo-a, cuja solidão, na espera do amigo, é reiterada obsessivamente no refrão “eu atendend’ o meu amigo”.
  9. 9. • ESTAR NA ERMIDA • SER CERCADA PELAS ONDAS • VERIFICAR QUE NÃO TEM SALVAÇÃO • PREVER A MORTE Enquanto espera o amigo
  10. 10. Das ondas do mar Das ondas da emoção De não poder escapar MEDO ao ímpeto amoroso do amigo Da própria paixão Da espera indefinida pelo amigo
  11. 11. • “a angústia da solidão cresce, como a maré tormentosa cresce, sem trazer barca nem marinheiro, para sair das ondas da dor” R. Menéndez Pidal

×