Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
BARCA BELA<br />Almeida Garrett <br />
Pescador da barca bela,Onde vais pescar com ela,Que é tão bela,Ó pescador?<br />Não vês que a última estrelaNo céu nublado...
   (que bem pode ser um coro à boa maneira clássica da tragédia grega  -não prenuncia o coro, por regra, a catástrofe? - e...
  O poema sintetiza um conflito dramático representado por três personagens: <br />   o pescador, <br />  a sereia <br /> ...
  O sujeito poético suplica ao pescador que não vá pescar, pois conhece os perigos fatais que o esperam; a repetição da ap...
1ª estrofe -  um aviso, um conselho:<br />Pescador da barca bela,Onde vais pescar com ela,Que é tão bela,Ó pescador?<br />...
  Todo o poema contém os pré-requisitos de um texto argumentativo cuja tese pode muito bem ser: «Barco que vá para o mar a...
Assim, a lógica da argumentação assenta na enumeração das adversidades que aumentam, gradativamente, o perigo que represen...
se o perigo é mesmo iminente para uma barca à deriva (sem orientação), é-o ainda mais se se deixar seduzir pelo canto da s...
Pescador da barca bela,Onde vais pescar com ela,Que é tão bela,Ó pescador?<br />Não vês que a última estrelaNo céu nublado...
Nível fónico<br />Rima: monótona: ela/ela/ela e or. <br /> A monotonia da rima sugere  que o canto da sereia tem a capacid...
apóstrofe(vv 1, 4. 8. 12, 16, 20); <br />adjectivação(bela, última); <br />pergunta de retórica (vv 1/4; vv 5/6; <br />exc...
Metáforas e símbolos: <br /> "barcabela", "sereia", "pescador" são palavras de valor metafórico e simbólico. <br />  Assim...
Metáforas e símbolos: <br /> É também neste poema metáfora e símbolo da sedução e dos perigos que todo o ser humano corre ...
Metáforas e símbolos: <br /> É também neste poema metáfora e símbolo da sedução e dos perigos que todo o ser humano corre ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Barca bela

15,426 views

Published on

Barca Bela
cercarte.blogspot.com

Published in: Education
  • Be the first to comment

Barca bela

  1. 1. BARCA BELA<br />Almeida Garrett <br />
  2. 2. Pescador da barca bela,Onde vais pescar com ela,Que é tão bela,Ó pescador?<br />Não vês que a última estrelaNo céu nublado se vela?Colhe a vela,Ó pescador!<br />Deita o lanço com cautela,Que a sereia canta bela...Mas cautela,Ó pescador!<br />Não se enrede a rede nela,Que perdido é remo e velaSó de vê-la,<br />Ó pescador!<br />Pescador da barca bela,Inda é tempo, foge dela,Foge dela,Ó pescador!<br /> Almeida Garrett<br />
  3. 3. (que bem pode ser um coro à boa maneira clássica da tragédia grega -não prenuncia o coro, por regra, a catástrofe? - e que acontecerá ao pescador se não resistir à tentação - leia-se sedução- , apesar dos avisos?)<br />
  4. 4. O poema sintetiza um conflito dramático representado por três personagens: <br /> o pescador, <br /> a sereia <br /> e alguém que é o dono da voz que se dirige ao pescador <br />
  5. 5. O sujeito poético suplica ao pescador que não vá pescar, pois conhece os perigos fatais que o esperam; a repetição da apóstrofe (Ó pescador!) exprime o seu sofrimento cada vez mais intenso porque vê o pescador cair nos laços fatais da sereia <br />
  6. 6. 1ª estrofe - um aviso, um conselho:<br />Pescador da barca bela,Onde vais pescar com ela,Que é tão bela,Ó pescador?<br />Que é como quem diz: <br /> «Se vais, ficas sem ela e,<br />perdendo-se a barca, <br /> perdes-te tu!»<br />
  7. 7. Todo o poema contém os pré-requisitos de um texto argumentativo cuja tese pode muito bem ser: «Barco que vá para o mar arrisca-se a lá ficar.» (principalmente se as condições forem adversas: vv 5/6; v 10; vv 13/14); <br />Não vês que a última estrelaNo céu nublado se vela? <br />Que a sereia canta bela... <br />Não se enrede a rede nela,Que perdido é remo e vela<br />
  8. 8. Assim, a lógica da argumentação assenta na enumeração das adversidades que aumentam, gradativamente, o perigo que representa o próprio mar:<br /><ul><li>se o mar (deve ser entendido como uma metáfora), em si mesmo, já representa perigo para a barca bela, esta ficará envolvida em maior perigo se perder a sua orientação</li></ul> («Não vês que a última estrela / No céu nublado se vela?» (vv 5/6) - a ausência de luz retira a clarividência ao pescador, facilitando a perigosidade);<br /> por isso: «Colhe a vela, / Ó pescador!»mas, se o não fizeres, se não tiveres a força, a coragem para o fazer, para resistir, «Deita o lanço com cautela...»<br />
  9. 9. se o perigo é mesmo iminente para uma barca à deriva (sem orientação), é-o ainda mais se se deixar seduzir pelo canto da sereia como aconteceu no episódio de Ulisses;<br />enredando-se a rede nela, ficará perdidamente enredado o próprio pescador (será o momento oportuno de lembrar um ditado popular: «Ir à lã e vir tosquiado.»ou, se se preferir a adaptação: «Ir à pesca e ser pescado.»)<br />curiosidade: o termo pescar, conotativamente, é muito utilizado no jogo da sedução!; por isso: enquanto é tempo, «Foge dela, / Foge dela, / Ó pescador!», <br />isto é, se não queres ficar sem a barca bela, não vás pescar com ela;<br />
  10. 10. Pescador da barca bela,Onde vais pescar com ela,Que é tão bela,Ó pescador?<br />Não vês que a última estrelaNo céu nublado se vela?Colhe a vela,Ó pescador!<br />Deita o lanço com cautela,Que a sereia canta bela...Mas cautela,Ó pescador!<br />Não se enrede a rede nela,Que perdido é remo e velaSó de vê-la,Ó pescador!<br />Pescador da barca bela,Inda é tempo, foge dela,Foge dela,Ó pescador!<br />Conclui-se, assim, que o perigo último, o maior, é ela<br />
  11. 11. Nível fónico<br />Rima: monótona: ela/ela/ela e or. <br /> A monotonia da rima sugere que o canto da sereia tem a capacidade de adormecer as resistências do pescador. <br />Aliteração: barcabela. <br /> A beleza da barca é o primeiro elemento de perdição. "Não vês… se vela?/Colhe a vela". <br /> Sugestão da força do aviso e do pedido do sujeito poético. "Deita o laço com cautela! Que… canta bela". <br /> Sugestão do cuidado que o pescador devia ter. "Não se enrede a rede nela… remo…" <br /> Sugestão do enredo do pescador nas malhas da rede da sereia, tecida pelo seu canto<br />
  12. 12. apóstrofe(vv 1, 4. 8. 12, 16, 20); <br />adjectivação(bela, última); <br />pergunta de retórica (vv 1/4; vv 5/6; <br />exclamação retórica (vv 7/8; 11/12; 15/16; 19/20); <br />diáfora(vv 6/7 (repetição de uma mesma palavra, mas com sentido diferente: vela (verbo) / vela (nome));<br />assonância (contida na rima);<br />aliteração do L;<br />Nota: todo o poema é uma alegoria, pelo que quase todos os seus elementos devem ser lidos no plano metafórico: o que está em causa é o irresistível poder de sedução da mulher fatal;<br />Construção Retórica<br />
  13. 13. Metáforas e símbolos: <br /> "barcabela", "sereia", "pescador" são palavras de valor metafórico e simbólico. <br /> Assim, a "barcabela" navega num mar que pode ser metáfora de existência humana; ela própria é metáfora e símbolo de sedução e dos perigos que o homem corre na sua existência; tudo o que é belo é perigoso. <br /> Poder-se-á lembrar o famoso poema de Camões "Descalça vai pera a fonte", onde a beleza de Lianor pode correr perigo neste mundo imperfeito. A "sereia" é tradicionalmente um elemento provocador dos navegantes (ver As Sereias, p.139). <br />
  14. 14. Metáforas e símbolos: <br /> É também neste poema metáfora e símbolo da sedução e dos perigos que todo o ser humano corre durante a sua existência. O "pescador" é metáfora e símbolo de todo o ser humano que tem de "navegar" no mar da vida, rodeado de perigos. <br /> Se se interpretar o poema no contexto onde está inserido, como se deve fazer, então teremos ainda novos sentidos. O pescador é o homem e a sereia é a mulher; esta exerce uma atracção irresistível sobre aquele. Estamos face a um tema querido dos românticos: a mulher como anjo ou como demónio, mas sempre um ser superior, a que o homem se submete.<br />
  15. 15. Metáforas e símbolos: <br /> É também neste poema metáfora e símbolo da sedução e dos perigos que todo o ser humano corre durante a sua existência. O "pescador" é metáfora e símbolo de todo o ser humano que tem de "navegar" no mar da vida, rodeado de perigos. <br /> Se se interpretar o poema no contexto onde está inserido, como se deve fazer, então teremos ainda novos sentidos. O pescador é o homem e a sereia é a mulher; esta exerce uma atracção irresistível sobre aquele. Estamos face a um tema querido dos românticos: a mulher como anjo ou como demónio, mas sempre um ser superior, a que o homem se submete.<br />

×