Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
CLÍNICA MÉDICA I
 DEFINIÇÃO:
- É o excesso de líquido acumulado no espaço
intersticial ou no interior das próprias células
- Pode ocorrer ...
 Para que o edema ocorra deve haver uma
quebra nos mecanismos que controlam a
distribuição de líquido intersticial.
 Pod...
 LOCALIZAÇÃO
 DURAÇÃO E EVOLUÇÃO (início, horário,
fenômenos que acompanham...)
 INTENSIDADE
 CONSISTÊNCIA
 TEMPERATU...
 LOCALIZAÇÃO
- Localizado – se restringe a um segmento
- Generalizado
 Locais mais comuns
- Membros inferiores
- Face (e...
 FOTO
 INTENSIDADE
- Avaliar através de compressão firme e
sustenta da polpa digital do polegar ou
indicador, contra uma estrut...
 CONSISTÊNCIA
- conceituada como grau de resistência durante a
compressão da região
- avaliada pela mesma manobra anterio...
 ELASTICIDADE
- Observando-se a volta da pele à posição
primitiva após a compressão
- ELÁSTICO: retorno imediato (edemas
...
 TEMPERATURA DA PELE ADJACENTE
usando dorso dos dedos ou costas das mãos,
por comparação com área vizinha
- TEMP. NORMAL ...
 SENSIBILIDADE
Também avaliado pela digitopressão
- DOLOROSO: inflamatório
- INDOLOR
 OUTRAS ALTERAÇÕES DA PELE
- COLORAÇÃO:
- palidez: acompanha edemas com
distúrbio de irrigação sanguínea
- cianose: indic...
 OUTRAS ALTERAÇÕES DA PELE
-TEXTURA E ESPESSURA
- Lisa e brilhante: edema recente e intenso
- Pele espessa: edema de long...
 PRINCIPAIS CAUSAS:
 SD NEFRÓTICA, SD NEFRÍTICA, PIELONEFRITE
 ICC
 CIRROSE HEPÁTICA
 MIXEDEMA
 ALERGIAS
 VARIZES
...
 EDEMA RENAL
- Engloba: Síndrome nefrítica, Síndrome Nefrótica e
Pielonefrite
- mecanismos fisiopatológicos diferentes, m...
 ICC
- um dos sinais cardinais
- generalizado, predominando em MMII
-vespertino (gravitário – se acamado = pré-sacral)
- ...
 CIRROSE HEPÁTICA
- edema generalizado, quase sempre discreto
- predomina em MMII, habitual ascite
concomitante
- mole, i...
 MIXEDEMA
- Forma particular de edema na Hipofunção
tireoideana
- Há deposição de substâncias
mucopolissacarídeas no espa...
 EDEMA ALÉRGICO
- acompanha fenômenos angioneuróticos
- por aumento de permeabilidade capilar
(histaminas e cininas decor...
 EDEMAS LOCALIZADOS
- Varizes
- Trombose venosa
- Flebite
- Linfedema
 EDEMA VARICOSO
-em MMII (pode preponderar em um membro)
- pouco intenso
- a princípio é mole, podendo tornar-se duro
com...
 TROMBOSE VENOSA:
- mole
- intenso
- pele pálida (flegmasia alba dolens)
- em alguns casos cianótica (flegmasia alba
ceru...
 FLEBITE
- Decorre de componente inflamatório com
aumento de permeabilidade capilar,
insuficiência de valvas e oclusão de...
 LINFEDEMA
- designação para edemas originados nas
afecções de vasos linfáticos (obstrução)
- localizado, duro, inelástic...
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Semiologia dos Edemas
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Semiologia dos Edemas

61,385 views

Published on

Semiologia do Edemas Disciplina de Semiologia da unilus

Published in: Health & Medicine
  • Login to see the comments

Semiologia dos Edemas

  1. 1. CLÍNICA MÉDICA I
  2. 2.  DEFINIÇÃO: - É o excesso de líquido acumulado no espaço intersticial ou no interior das próprias células - Pode ocorrer em qualquer sítio do organismo - edema cutâneo – infiltração no espaço intersticial dos tecidos que constituem pele e TCSC - coleções líquidas em cavidades serosas – fenômenos fisiopatológicos afins; denomina-se derrame cavitário ou articular.
  3. 3.  Para que o edema ocorra deve haver uma quebra nos mecanismos que controlam a distribuição de líquido intersticial.  Pode ser: - localizada e envolver apenas fatores que influenciam o fluxo de fluido capilar - Secundária a alterações do controle de volume do compartimento extracelular e do liquido corporal total
  4. 4.  LOCALIZAÇÃO  DURAÇÃO E EVOLUÇÃO (início, horário, fenômenos que acompanham...)  INTENSIDADE  CONSISTÊNCIA  TEMPERATURA DA PELE ADJACENTE  SENSIBILIDADE DA PELE ADJACENTE  OUTRAS ALTERAÇÕES DA PELE ADJACENTE
  5. 5.  LOCALIZAÇÃO - Localizado – se restringe a um segmento - Generalizado  Locais mais comuns - Membros inferiores - Face (especialmente subpalpebral) - Região pré-sacral (principalmente acamados)
  6. 6.  FOTO
  7. 7.  INTENSIDADE - Avaliar através de compressão firme e sustenta da polpa digital do polegar ou indicador, contra uma estrutura rígida subjacente (tíbia, sacro, ossos da face). - depressão local: fóvea, cacifo - Graduar em cruzes( +/ ++++) - Outras formas: a) Pesando o paciente diariamente b) Medindo-se o perímetro da região
  8. 8.  CONSISTÊNCIA - conceituada como grau de resistência durante a compressão da região - avaliada pela mesma manobra anterior - EDEMA MOLE: facilmente depressível, representa edema de menor duração e tecido infiltrado de água - EDEMA DURO: maior resistência para se obter a fóvea, traduz existência de proliferação fibroblástica, de maior duração ou acompanhado de surtos inflamatórios repetidos (Linfedema)
  9. 9.  ELASTICIDADE - Observando-se a volta da pele à posição primitiva após a compressão - ELÁSTICO: retorno imediato (edemas inflamatórios) - INELÁSTICO: demora a retornar (síndrome nefrótica, ICC)
  10. 10.  TEMPERATURA DA PELE ADJACENTE usando dorso dos dedos ou costas das mãos, por comparação com área vizinha - TEMP. NORMAL : freqüentemente não se altera - QUENTE: edema inflamatório - FRIA: comprometimento da irrigação sanguínea da área
  11. 11.  SENSIBILIDADE Também avaliado pela digitopressão - DOLOROSO: inflamatório - INDOLOR
  12. 12.  OUTRAS ALTERAÇÕES DA PELE - COLORAÇÃO: - palidez: acompanha edemas com distúrbio de irrigação sanguínea - cianose: indica perturbação venosa localizada, mas pode ser parte de cianose central ou mista - vermelhidão: inflamatório
  13. 13.  OUTRAS ALTERAÇÕES DA PELE -TEXTURA E ESPESSURA - Lisa e brilhante: edema recente e intenso - Pele espessa: edema de longa duração - Pele enrugada: qdo edema está sendo eliminado - OUTROS DISTÚRBIOS TRÓFICOS: atrofia, ulceração, hiperpigmentação
  14. 14.  PRINCIPAIS CAUSAS:  SD NEFRÓTICA, SD NEFRÍTICA, PIELONEFRITE  ICC  CIRROSE HEPÁTICA  MIXEDEMA  ALERGIAS  VARIZES  TROMBOSE VENOSA  FLEBITE  LINFEDEMA
  15. 15.  EDEMA RENAL - Engloba: Síndrome nefrítica, Síndrome Nefrótica e Pielonefrite - mecanismos fisiopatológicos diferentes, mas com características semiológicas comuns - edema generalizado (predominantemente facial – subpalpebral, matutino) - mole, inelástico, temperatura normal ou pouco reduzida -Sd nefrótica: + intenso, geralmente acompanhado de derrames cavitários, fisiopatologia por hiperaldosteronismo secundário e hipoproteinemia - Sd nefrítica: retenção de sódio e água por disbalanço glomerulotubular e aumento da permeabilidade capilar.
  16. 16.  ICC - um dos sinais cardinais - generalizado, predominando em MMII -vespertino (gravitário – se acamado = pré-sacral) - varia de intensidade - mole, inelástico, indolor, pele adjacente pode estar lisa e brilhante - Decorre, sobretudo, pelo aumento de pressão hidrostática e retenção de sódio e água. Provável aumento de permeabilidade capilar associado (fator natriurético atrial)
  17. 17.  CIRROSE HEPÁTICA - edema generalizado, quase sempre discreto - predomina em MMII, habitual ascite concomitante - mole, inelástico, indolor - hipoproteinemia (distúrbio no metabolismo protéico), hiperaldosteronismo secundário (responsável pela retenção de Na e H2O) e hipoalbuminemia
  18. 18.  MIXEDEMA - Forma particular de edema na Hipofunção tireoideana - Há deposição de substâncias mucopolissacarídeas no espaço intersticial (aumento da pressão osmótica intersticial) com retenção hídrica secundária - pouco depressível, inelástico, não muito intenso, alterações tróficas do hipotireoidismo (pele seca e fria)
  19. 19.  EDEMA ALÉRGICO - acompanha fenômenos angioneuróticos - por aumento de permeabilidade capilar (histaminas e cininas decorrentes da reação antígeno-anticorpo) - pode ser generalizado, mas costuma restringir- se a certas áreas (face) - instalação súbita e rápida (pele lisa e brilhante) - pode ser quente e avermelhado - mole e elástico
  20. 20.  EDEMAS LOCALIZADOS - Varizes - Trombose venosa - Flebite - Linfedema
  21. 21.  EDEMA VARICOSO -em MMII (pode preponderar em um membro) - pouco intenso - a princípio é mole, podendo tornar-se duro com o passar do tempo - inelástico - alteração de coloração da pele com cronificação (castanha ou mais escura) - pode tornar-se espessa e de textura mais grosseira
  22. 22.  TROMBOSE VENOSA: - mole - intenso - pele pálida (flegmasia alba dolens) - em alguns casos cianótica (flegmasia alba cerulea) - por aumento da pressão hidrostática, seja por insuficiência das valvas das veias, seja por oclusão do vaso (mesmo mecanismo do edema varicoso)
  23. 23.  FLEBITE - Decorre de componente inflamatório com aumento de permeabilidade capilar, insuficiência de valvas e oclusão de vaso (aumento da pressão hidrostática) - localizado, intensidade leve a mediana, elástico, doloroso - pele adjacente lisa, brilhante, vermelha e quente
  24. 24.  LINFEDEMA - designação para edemas originados nas afecções de vasos linfáticos (obstrução) - localizado, duro, inelástico, indolor - com francas alterações de textura e espessura de pele (grossa e áspera) - avançado = elefantíase - pós-erisipela, filariose, pós-mastectomia

×