Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
REVISÃO NEUROANATOMIA
PROPEDÊUTICA NEUROLÓGICA
TECIDO NERVOSO
Células
Neurônios Neurogliais
• receber
• processar
• enviar informações
• sustentação
• revestimento
• mod...
Dendritos
(múltiplos)
Corpo Celular
(Pericário)
Axônio
(único)
Neurônio
Neurônio
O percurso do impulso nervoso no neurônio é
sempre no sentido dendrito --> corpo celular -
-> axônio.
Estrutura das sinapses
SINAPSE:
 estrutura altamente especializada, local
onde há passagem do impulso nervoso
entre neurô...
Neurotransmissores
estão presentes em
vesículas na
terminação do
axônio.
Chegada do impulso na
terminação resulta na
liber...
NEURÓGLIA
Funções da neuróglia
• Sustentação do tecido
• Produção de mielina
• Remoção de excretas
• Fornecimento de substancias nut...
Células Gliais
• Astrócitos
• Oligodendrócitos
• Microglia
• Células ependimárias
• Substância branca fibras nervosas
mielínicas e neuróglia,
• Substância cinzenta corpos de neurônios,
fibras amielínica...
Função
Astrocito Sustentação e nutrição dos neurônios
Oligodentrocito Sintetiza mielina a nivel do sistema
nervoso central...
NERVO
Filamentos radiculares (radículas)
Raiz ventral Raiz dorsal + Gânglio
sensitivo
NERVOS ESPINHAIS
MEDULA ESPINHAL
• 31 PARES DE NERVOS ESPINHAIS:
 8 CERVICAIS
 12 TORÁCICOS
 5 LOMBARES
 5 SACRAIS
 1 COCCÍGEO
MEDULA ESPINHAL
 MEDIDA  45cm NO ADULTO
• LIMITES :
1. CRANIAL  BULBO (FORAME MAGNO)
2. CAUDAL  2a. VÉRTEBRA LOMBAR (L...
MEDULA ESPINHAL
• SUBSTÂNCIA CINZENTA POR DENTRO DA
BRANCA
• FORMA DE UM “H “.
• CONSTITUÍDA DE UM AGLOMERADO DE
NÚCLEOS (...
MEDULA ESPINHAL
MEDULA ESPINHAL
• SUBSTÂNCIA BRANCA:
• FIBRAS MIELÍNICAS , AGRUPADAS EM 3
FUNÍCULOS ( CORDÕES ), SOBEM E DESCEM
PELA MEDUL...
MEDULA ESPINHAL
Vias de sensibilidade
• Constituídas de 3 neuronios
• O segundo neuronio cruza a linha mediana
ANTERO – LATERAL
(Espino-talamico)
Tato protopático
Dor e Temperatura
Fasciculo grácil e
cuneiforme
Tato epicrítico, Propr...
Profunda
superficial
TRACTO ESPINO-TALÂMICO LATERAL
Vias de Dor e Temperatura
Fibras cruzam a linha média pela comissura
branca,
Seguem pelo ...
TRACTO ESPINO-TALÂMICO LATERAL
Chegam à área somestésica do córtex cerebral
situada no giro pós-central
sensibilidade té...
Lesão do trato espinotalâmico lateral
Anestesia térmica e dolorosa da região do corpo
abaixo e contra lateralmente à lesão
TRATO ESPINOTALÂMICO ANTERIOR
Via de pressão e tato protopático
 Fibras cruzam a linha média pela comissura
branca,
Segu...
Fascículo Grácil e Cuneiforme
Via de propriocepção consciente,
tato epicrítico e sensibilidade
vibratória
FASCÍCULO GRÁCIL E CUNEIFORME
Via de propriocepção consciente, tato epicrítico e
sensibilidade vibratória
• Neurônios I=>s...
FASCÍCULO GRÁCIL E CUNEIFORME
Via de propriocepção consciente, tato epicrítico e
sensibilidade vibratória
• Tato epicrític...
SOMATOTOPIA: representação no
SNC da superfície cutânea ou do
interior do corpo.
Fascículo grácil (membros inferiores)
Fas...
• Secção medular=> anestesia para todas as
formas de sensibilidade abaixo da lesão
• Hemisecção da medula abaixo da
lesão...
Sistema Piramidal
Motricidade
• 1º neurônio motor (neuronio motor
superior)
–Via piramidal
• 2º neurônio motor (neuronio m...
Neurônios motores superiores
• Encontrados no encéfalo
• O neurônio motor superior tem seu corpo
celular no córtex motor p...
Neurônios motores inferiores
• Encontrados no corno anterior da medula espinal
ou em núcleos de nervos cranianos motores d...
Trato corticospinal
Cortex motor primário
Células piramidais
Controle dos olhos,
mandíbula, faringe
Tratos
corticospinal
e
corticobulbar
Cápsula interna
Piramidal
• Homúnculo motor de Penfield  disposição
somatotópica representação da face
inferiormente, junto ao sulco lat...
Copyright © 2009 Allyn & Bacon
Homúnculo
motor
“Homúnculo” Motor
8.53
Vias descendentes
• Trato piramidal ou córtico-espinhal –
destino  núcleos motores espinhais (une
o córtex aos neurônios ...
Piramidal
• As fibras do trato corticoespinhal surgem
como axônios das células piramidais,
• 1/3 das fibras origem do cór...
Piramidal
• Após sairem do córtex (área 4 ) :
os axônios do trato piramidal descem pela corona
radiada,
para atingir a p...
Piramidal
• Ao nível do bulbo forma um só feixe , a
pirâmide bulbar (piramidal),
• No 1/3 caudal as fibras cruzam pela
dec...
Piramidal
• Trato cortico-espinhal ventral (anterior):
• fibras não cruzadas.
• Fibras ocupam o funículo anterior,
• Termi...
Piramidal
• Principal função  motora somática
• Responsável pela motricidade voluntária
(via que confere velocidade e agi...
Piramidal
• Lesão  incapacidade de realizar movimentos
independentes de grupos musculares isolados
Trato córtico - nuclear
• Transmite impulsos aos neurônios motores do
tronco encefálico.
Sistema Piramidal
• Trato córtico-nuclear (cortico-bulbar)
–Do córtex aos núcleos dos nervos cranianos
• Mesencéfalo – III...
Lesões do neurônio motor
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Revisão neuroanatomia 17
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Revisão neuroanatomia 17

1,472 views

Published on

Neurologia

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

Revisão neuroanatomia 17

  1. 1. REVISÃO NEUROANATOMIA PROPEDÊUTICA NEUROLÓGICA
  2. 2. TECIDO NERVOSO Células Neurônios Neurogliais • receber • processar • enviar informações • sustentação • revestimento • modulação da atividade neuronal • defesa
  3. 3. Dendritos (múltiplos) Corpo Celular (Pericário) Axônio (único) Neurônio
  4. 4. Neurônio O percurso do impulso nervoso no neurônio é sempre no sentido dendrito --> corpo celular - -> axônio.
  5. 5. Estrutura das sinapses SINAPSE:  estrutura altamente especializada, local onde há passagem do impulso nervoso entre neurônios, nervo -glândula ou nervo -músculo
  6. 6. Neurotransmissores estão presentes em vesículas na terminação do axônio. Chegada do impulso na terminação resulta na liberação dos neurotransmissores na fenda sináptica Os neurotransmissores atingem o outro neurônio desencadeando impulso nervoso
  7. 7. NEURÓGLIA
  8. 8. Funções da neuróglia • Sustentação do tecido • Produção de mielina • Remoção de excretas • Fornecimento de substancias nutritivas aos neurônios • Fagocitose de restos celulares • Isolamento dos neurônios
  9. 9. Células Gliais • Astrócitos • Oligodendrócitos • Microglia • Células ependimárias
  10. 10. • Substância branca fibras nervosas mielínicas e neuróglia, • Substância cinzenta corpos de neurônios, fibras amielínicas, neuróglia, • Fibras nervosas no SNC reúnem-se em feixes tractos ou fascículos, • Fibras nervosas no SNP reúnem-se em feixes nervos.
  11. 11. Função Astrocito Sustentação e nutrição dos neurônios Oligodentrocito Sintetiza mielina a nivel do sistema nervoso central. Microglia Fagocitose, é o macrófago do sistema nervoso central. Célula ependimaria Reveste cavidades que contém líquido cefalorraquidiano Célula de Schwann Sintetiza mielina no sistema nervoso periférico.
  12. 12. NERVO Filamentos radiculares (radículas) Raiz ventral Raiz dorsal + Gânglio sensitivo NERVOS ESPINHAIS
  13. 13. MEDULA ESPINHAL • 31 PARES DE NERVOS ESPINHAIS:  8 CERVICAIS  12 TORÁCICOS  5 LOMBARES  5 SACRAIS  1 COCCÍGEO
  14. 14. MEDULA ESPINHAL  MEDIDA  45cm NO ADULTO • LIMITES : 1. CRANIAL  BULBO (FORAME MAGNO) 2. CAUDAL  2a. VÉRTEBRA LOMBAR (L2)
  15. 15. MEDULA ESPINHAL • SUBSTÂNCIA CINZENTA POR DENTRO DA BRANCA • FORMA DE UM “H “. • CONSTITUÍDA DE UM AGLOMERADO DE NÚCLEOS (corpos celulares, células gliais e vasos sanguíneos)
  16. 16. MEDULA ESPINHAL
  17. 17. MEDULA ESPINHAL • SUBSTÂNCIA BRANCA: • FIBRAS MIELÍNICAS , AGRUPADAS EM 3 FUNÍCULOS ( CORDÕES ), SOBEM E DESCEM PELA MEDULA.
  18. 18. MEDULA ESPINHAL
  19. 19. Vias de sensibilidade • Constituídas de 3 neuronios • O segundo neuronio cruza a linha mediana
  20. 20. ANTERO – LATERAL (Espino-talamico) Tato protopático Dor e Temperatura Fasciculo grácil e cuneiforme Tato epicrítico, Proprioceçâo, Vibração Cruzamento na MEDULA Cruzamento no BULBO Vias somestésicas Sensibilidade: ipsilateral Sensibilidade: contralateral
  21. 21. Profunda superficial
  22. 22. TRACTO ESPINO-TALÂMICO LATERAL Vias de Dor e Temperatura Fibras cruzam a linha média pela comissura branca, Seguem pelo funículo lateral da medula do lado oposto, Na ponte une-se ao espinotalâmico anterior para formar o lemnisco espinhal, termina no tálamo.
  23. 23. TRACTO ESPINO-TALÂMICO LATERAL Chegam à área somestésica do córtex cerebral situada no giro pós-central sensibilidade térmica e dolorosa do lado oposto do corpo
  24. 24. Lesão do trato espinotalâmico lateral Anestesia térmica e dolorosa da região do corpo abaixo e contra lateralmente à lesão
  25. 25. TRATO ESPINOTALÂMICO ANTERIOR Via de pressão e tato protopático  Fibras cruzam a linha média pela comissura branca, Seguem pelo funículo anteriorda medula do lado oposto, Na ponte une-se ao espinotalâmico lateral para formar o lemnisco espinhal, Termina no tálamo.
  26. 26. Fascículo Grácil e Cuneiforme Via de propriocepção consciente, tato epicrítico e sensibilidade vibratória
  27. 27. FASCÍCULO GRÁCIL E CUNEIFORME Via de propriocepção consciente, tato epicrítico e sensibilidade vibratória • Neurônios I=>situam-se nos fascículos grácil e cuneiforme, terminam no bulbo, • Neurônios II => nos núcleos grácil e cuneiforme (no bulbo), as fibras cruzam o plano mediano para formar o lemnisco medial (tálamo), • Neurônios III => no núcleo ventral postero – lateral do tálamo, radiações talâmicas chegam à area somestésica passando pela cápsula interna e coroa radiada.
  28. 28. FASCÍCULO GRÁCIL E CUNEIFORME Via de propriocepção consciente, tato epicrítico e sensibilidade vibratória • Tato epicrítico discriminação de 2 pontos • Propriocepção consciente • Sensibilidade vibratória
  29. 29. SOMATOTOPIA: representação no SNC da superfície cutânea ou do interior do corpo. Fascículo grácil (membros inferiores) Fascículo cuneiforme (membros superiores, ombro e pescoço)
  30. 30. • Secção medular=> anestesia para todas as formas de sensibilidade abaixo da lesão • Hemisecção da medula abaixo da lesão abolição da sensibilidade profunda do mesmo lado da, anestesia térmica e dolorosa do lado oposto da lesão.
  31. 31. Sistema Piramidal Motricidade • 1º neurônio motor (neuronio motor superior) –Via piramidal • 2º neurônio motor (neuronio motor inferior) –Via periférica
  32. 32. Neurônios motores superiores • Encontrados no encéfalo • O neurônio motor superior tem seu corpo celular no córtex motor primário, mais precisamente no giro pré-central do lobo frontal (área 4 de Brodmann), • NMSs corticais provenientes do trato corticospinal e corticobulbar regulam os movimentos conscientemente direcionados ou voluntários
  33. 33. Neurônios motores inferiores • Encontrados no corno anterior da medula espinal ou em núcleos de nervos cranianos motores do tronco encefálico, • Axônios saem pelas raízes ventrais ou pelos nervos cranianos para suprir músculos esqueléticos, • Sinapses NMI com fibras musculares formam junções neuromusculares e liberam o neurotransmissor acetilcolina, que age nos receptores dos músculos esqueléticos.
  34. 34. Trato corticospinal Cortex motor primário Células piramidais Controle dos olhos, mandíbula, faringe
  35. 35. Tratos corticospinal e corticobulbar Cápsula interna
  36. 36. Piramidal • Homúnculo motor de Penfield  disposição somatotópica representação da face inferiormente, junto ao sulco lateral, superiormente os MMSS, tronco e MMII na face medial do hemisfério
  37. 37. Copyright © 2009 Allyn & Bacon Homúnculo motor
  38. 38. “Homúnculo” Motor 8.53
  39. 39. Vias descendentes • Trato piramidal ou córtico-espinhal – destino  núcleos motores espinhais (une o córtex aos neurônios motores) • Trato córtico-bulbar ou córtico-nuclear : destino  núcleos motores do tronco.
  40. 40. Piramidal • As fibras do trato corticoespinhal surgem como axônios das células piramidais, • 1/3 das fibras origem do córtex motor primário (área 4), • 1/3 da área motora secundária, • 1/3 do lobo parietal.
  41. 41. Piramidal • Após sairem do córtex (área 4 ) : os axônios do trato piramidal descem pela corona radiada, para atingir a perna posterior da cápsula interna,  base do pedúnculo cerebral,  base da ponte e pirâmide bulbar.
  42. 42. Piramidal • Ao nível do bulbo forma um só feixe , a pirâmide bulbar (piramidal), • No 1/3 caudal as fibras cruzam pela decussação piramidal, • 90% das fibras passam dorsolateralmente para formar o trato córtico-espinhal lateral (mais importante), • Ocupa funículo lateral.
  43. 43. Piramidal • Trato cortico-espinhal ventral (anterior): • fibras não cruzadas. • Fibras ocupam o funículo anterior, • Terminam com relação aos neurônios motores contralaterais, cruzam comissura branca • Inervam os músculos paraxiais
  44. 44. Piramidal • Principal função  motora somática • Responsável pela motricidade voluntária (via que confere velocidade e agilidade aos movimentos voluntários, usados para realização de movimentos rápidos dependentes de habilidade), • Controle da musculatura axial e apendicular
  45. 45. Piramidal • Lesão  incapacidade de realizar movimentos independentes de grupos musculares isolados
  46. 46. Trato córtico - nuclear • Transmite impulsos aos neurônios motores do tronco encefálico.
  47. 47. Sistema Piramidal • Trato córtico-nuclear (cortico-bulbar) –Do córtex aos núcleos dos nervos cranianos • Mesencéfalo – III e IV pares cranianos • Ponte – V, VI e VII pares cranianos • Bulbo – IX, X, XI e XII pares cranianos
  48. 48. Lesões do neurônio motor

×