Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Osteoartrite 2017

443 views

Published on

Aulda de artrose .Disciplina de Reumatologia da Unilus

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

Osteoartrite 2017

  1. 1. Alambert, PA DISCIPLINA DE REUMATOLOGIA 2017 ARTROSE
  2. 2. SINONÍMIASINONÍMIA  Os termos osteoartrose ouOs termos osteoartrose ou osteoartrite (OA) sãoosteoartrite (OA) são empregados como sinônimosempregados como sinônimos de artrosede artrose..
  3. 3. OSTEOARTRITEOSTEOARTRITE DEFINIDEFINIÇÇÃOÃO
  4. 4. DEFINIÇÃODEFINIÇÃO “Um grupo heterogêneo de condições que determinam sintomas e sinais articulares que se associam a defeitos da integridade da cartilagem articular, além de modificações no osso subjacente e nas margens articulares”. (ACR) Colégio Americano de Reumatologia
  5. 5. DEFINIÇÃO A descrição da OA como doença articular exclusivamente degenerativa constitui um equívoco, pois OA não é simplesmente um processo de desgaste, mas sim de remodelação anormal dos tecidos articulares impulsionada por uma série de mediadores inflamatórios na articulação afetada. 02/04/17
  6. 6. DEFINIÇÃO • Quadro reumático mais comum, caracterizado pela perda quantitativa e qualitativa da cartilagem articular com conseqüente remodelação óssea hipertrófica local e uma inflamação secundária.
  7. 7. “O processo de doença não afeta apenas a cartilagem articular, mas envolve toda a articulação incluindo osso subcondral, ligamentos,cápsula, membrana sinovial e músculos periarticulares. Finalmente, a cartilagem articular se degenera com fibrilação, fissuras, ulcerações e afinamento total da superfície articular” CONCEITO ATUALCONCEITO ATUAL
  8. 8. DE MODO MAIS SIMPLES:DE MODO MAIS SIMPLES: “ A osteoartrose é uma insuficiência qualitativa e quantitativa da cartilagem articular associada a alterações típicas do osso subcondral “
  9. 9. EPIDEMIOLOGIA A osteoartrite (OA) é a principal causa de dor e incapacidade em adultos mais velhos e a segunda causa de consulta médica dentre as doenças crônicas em nosso meio.
  10. 10. EPIDEMIOLOGIA Portanto, OA constitui um grave problema de saúde pública. Sua prevalência está crescendo nos países desenvolvidos, devido ao envelhecimento da população e a outros fatores tais como lesões adquiridas biomecânicas e obesidade.
  11. 11. EPIDEMIOLOGIA Estima-se que no Brasil 4% da população apresente OA sendo a articulação do joelho acometida em 37% dos casos.
  12. 12. ETIOLOGIA • Na etiologia da OA, a resposta da cartilagem articular à injúria ou degeneração artrósica é de reparação ineficiente. • As propriedades bioquímicas e mecânicas do novo tecido diferem da cartilagem original e resultam numa função articular inadequada ou alterada. 02/04/17
  13. 13. FISIOPATOLOGIA OSTEOARTRITE
  14. 14. FISIOPATOLOGIA •O melhor conhecimento da fisiopatologia inflamatória da OA provavelmente determinará novas abordagens para retardar alterações destrutivas na articulação e evitar o comprometimento funcional permanente. 02/04/17
  15. 15. FISIOPATOLOGIA • Recentemente identificou-se um papel central para o sistema do complemento inflamatório na patogênese da osteoartrite ; descobriu-se que a expressão e ativação do complemento é anormalmente elevada nas articulações de humanos com osteoartrite. 02/04/17
  16. 16. CARTILAGEM NORMAL • A composição e a complexa organização estrutural entre o colágeno e os proteoglicanos garantem as propriedades inerentes à cartilagem articular, como resistência, elasticidade e compressibilidade, necessárias para dissipar e amortecer as forças, além de reduzir a fricção, sem muito gasto de energia, a qual as articulações diartrodiais estão sujeitas 02/04/17
  17. 17. CARTILAGEM NORMAL Matriz extra-celular:95% Células:5% Colágeno ll- 90%
  18. 18. FIBRAS COLÁGENAS
  19. 19. PROTEOGLICANO: Proteína globular glucosaminoglicanos
  20. 20. PATOGENIA Estímulos precipitantesEstímulos precipitantes CONDRÓCITOSCONDRÓCITOS Fissuras e depressões na cartilagem Alterações na posição e tamanho das fibras de colágeno LIBERAÇÃO DE ENZIMAS ALTERAÇÃO DA MATRIZ EXTRACELULAR ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS Formação de osteófitos OSTEOARTRITEOSTEOARTRITE Inflamação Resposta imunológica Proliferação celular Matriz celular aumentada
  21. 21. 02/04/17 CONDRÓCITOS
  22. 22. CONDRÓCITOS • Na OA, os condrócitos tornam-se “ativados” e caracterizam-se pela proliferação celular, formação de aglomerados e aumento da produção das proteínas e enzimas que degradam a matriz. 02/04/17
  23. 23. CONDRÓCITOS PRODUZEM • Mediadores pró-catabólicos (citocinas)IL-1 e TNF alfa ativam enzimas proteolíticas(metaloproteases) • Mediadores pró-anabólicos (fatores de crescimento)
  24. 24. OSTEOARTRITE INICIAL
  25. 25. OSTEOARTRITE TERMINAL
  26. 26. CARACTERIZAÇÃO CLÍNICA •Dor, deformidade.limitação dos movimentos e progressão lenta para a perda de função articular 02/04/17
  27. 27. 02/04/17 ARTICULAÇÕES ACOMETIDAS
  28. 28. PRIMÁRIA (idiopática): Ocorre na ausência de qualquer fator predisponente conhecido e se subdivide em duas categorias, localizada e generalizada (inclui 3 ou mais áreas). SECUNDÁRIA: É aquela em que se reconhece uma causa ou um fator preexistente. EROSIVA:Também conhecida como osteoartrose inflamatória. Acomete as articulações IFD e IFP nas mãos, com FR (fator reumatóide negativo) ClassificaçãoClassificação
  29. 29. FATORES DE RISCO • Os fatores de risco mais comuns para OA incluem idade, sexo, lesão articular prévia, obesidade, predisposição genética e fatores mecânicos, incluindo desalinhamento, amplitude de movimento e anormalidade da estrutura articular. 02/04/17
  30. 30. PATOLOGIA As alterações patológicas presentes nas articulações com osteoartrite incluem a degradação da cartilagem articular, o espessamento do osso subcondral, a formação de osteófitos, graus variáveis de inflamação sinovial, degeneração de ligamentos no joelho, meniscos e hipertrofia da cápsula articular.
  31. 31. 02/04/17
  32. 32. CARTILAGEM FISSURADA
  33. 33. CARTILAGEM FISSURADA
  34. 34. SULCOS v o l t a r a v a n ç a ri n í c i o 13/9/2005 Menisco medial Superfície articular com sulcos
  35. 35. HISTOLOGIA NORMAL DA CARTILAGEM
  36. 36. O vermelho indica síntese de proteoglicanos
  37. 37. PATOLOGIA • Os achados de alterações patológicas nos tecidos articulares são a base para considerar a OA como uma doença “orgânica” que resulta em “falha articular”. Ou seja, a OA tem etiologia multifatorial e bases inflamatórias que levam progressivamente ao desgaste das estruturas, comprometendo a funcionalidade articular. 02/04/17
  38. 38. DIAGNÓSTICO • Histórico clínico (anamnese) • Exame Físico • Exames de laboratório • Estudos radiográficos
  39. 39. ANAMNESE • Dor em uma ou poucas articulações • Rigidez matinal com menos de 30 minutos de duração • Crepitação por perda da cartilagem ou irregularidades nas superfícies articulares • Limitação do movimento
  40. 40. EXAME FÍSICO
  41. 41. osteoartrose
  42. 42. LABORATÓRIO NormalExame geral de urina NegativoFator reumatóide Cor palha e viscosidade adequada, o número de leucócitos < 2.000 Líquido sinovial Normal Velocidade de hemossedimentação
  43. 43. RADIOLOGIA No início da doença não se observam anormalidades. Com seu desenvolvimento, observam-se: • Diminuição do espaço intra-articular • Esclerose subcondral (eburnação) • Osteófitos; • Erosão e anquilose óssea (pseudocistos ósseos).
  44. 44. 02/04/17
  45. 45. TRATAMENTO • Os objetivos a atingir com o tratamento são: • 1.Aliviar a dor • 2.Manter a funcionalidade articular • 3.Educar o paciente e sua família
  46. 46. TRATAMENTO • Tratamento Físico • Tratamento Farmacológico • Tratamento Cirúrgico
  47. 47. TRATAMENTO FÍSICO • Diminuição de peso • Realizar programas de exercícios para manter a força muscular, a flexibilidade das articulações e evitar deformidades • Terapia ocupacional
  48. 48. TRATAMENTO FARMACOLÓGICOTRATAMENTO FARMACOLÓGICO Ação lenta AGENTES Ação rápida
  49. 49. AÇÃO RÁPIDA • Analgésicos • AINHs • Miorrelaxantes • Corticosteróide intra-articular • Colchicina
  50. 50. AÇÃO LENTA • Glicosamina • Condroitina • Diacereína • Extratos insaponificados de soja e abacate • Ácido hialurõnico • Cloroquina • Necessitam mais estudos Sintomáticos Modificadores de doença
  51. 51. TRATAMENTO CIRÚRGICOTRATAMENTO CIRÚRGICO •As técnicas cirúrgicas empregadas na osteoartrite são artrodese, artroplastias, osteotomias, desbridamento articular, liberação de nervos periféricos, etc.
  52. 52. CONCLUSÃO • Osteoartrite NÃO é sinônimo de “envelhecimento”. • Freqüentemente, o paciente com osteoartrite procura primeiro o clínico geral. Por isso, é importante conhecê-la. • Se houver dúvidas ou complicações, deve-se consultar o reumatologista.
  53. 53. 02/04/17

×