Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A diminuição de deus

163 views

Published on

Reflexão sobre a Igreja e os vários pensamentos críticos.

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

A diminuição de deus

  1. 1. “A diminuição de Deus” Texto bíblico na Nova Tradução na Linguagem de Hoje Paulo Francisco dos Santos1 Ele nos libertou do poder da escuridão e nos trouxe em segurança para o Reino do seu Filho amado. É ele quem nos liberta, e é por meio dele que os nossos pecados são perdoados. Ele, o primeiro Filho, é a revelação visível do Deus invisível; ele é superior a todas as coisas criadas. Pois, por meio dele, Deus criou tudo, no céu e na terra, tanto o que se vê como o que não se vê, inclusive todos os poderes espirituais, as forças, os governos e as autoridades. Por meio dele e para ele, Deus criou todo o Universo. Antes de tudo, ele já existia, e, por estarem unidas com ele, todas as coisas são conservadas em ordem e harmonia. Ele é a cabeça do corpo, que é a Igreja, e é ele quem dá vida ao corpo. Ele é o primeiro Filho, que foi ressuscitado para que somente ele tivesse o primeiro lugar em tudo. Colossenses 1.13-18 Vivemos os dias da diminuição de Deus! A uma primeira analise estarei sendo aos olhos dos leitores blasfemo, mas a intenção nem de longe seria ser sacrílego ou mesmo apologeta de tal pensamento, ao contrário, o real desejo é um labutar cristão buscando de alguma forma abrir os olhos da irmandade de seguidores do Evangelho de Cristo Jesus para uma ação sorrateira impetrada pelas forças do mal que dominam este mundo tenebroso, mas que sabem que a cada dia se aproxima a sua destituição e a abertura da página do Reino Eterno vaticinado à milênios na Escritura Sagrada. Admira-me ler textos escritos (quantidade volumosa) por cristãos ou pseudos (quem sabe...) que desqualificam a soberania de Deus e reduzem todo processo salvífico a uma questão meramente humana. Há produções literárias que afirmam que a Igreja de Cristo está morta, que o evangelho é apenas comércio, que os cristãos alimentam apenas a indústria de Bíblias e objetos gospel’s, que não há adoração verdadeira, que Deus está alheio ao que está acontecendo, que não há milagres por causa dos próprios cristãos, que deve haver uma reforma na igreja e blá... blá... blá... Stop! “Pare!” Estamos falando da Igreja de Cristo ou da organização formada por pessoas que são imperfeitas? Diferenciar tal questão é importantíssimo para chegarmos a um denominador comum, pois uma é perfeita, sem mácula, herdeira da eternidade e impossível de ser analisada pelo crivo humano, pois sua totalidade somente pode ser enxergada por Deus, já a outra, em sua formação há todo tipo de pessoas que foram chamadas pelo Evangelho... Neste momento quero destacar que os que foram 1 Pastor, escritor, poeta, Teólogo e bacharel em direito. 1
  2. 2. “A diminuição de Deus” chamados abrangem cristãos genuínos e aqueles que abandonam a fé permanecendo no meio cristão, os que querem apenas se aproveitarem dos benefícios oriundas da cristandade, os descontentes, os opositores que não saem e buscam atrapalhar e outros mais. Paulo, apóstolo dos não judeus não somente nos fornece o texto que dá início a reflexão que estou abordando em colossenses, mas esclarece que no tempo de suas atividades ministeriais já havia pessoas que pregavam por interesses obscuros e que a influência de espíritos enganadores fariam pessoas deixarem a verdadeira fé para seguir o caminho da condenação.2 O pensamento que quero compartilhar com os leitores não é uma tentativa para acobertar erros e colaborar para a perpetuação de ações nocivas ao Evangelho, mas relembrar e alertar que não há uma pessoa se quer que hoje é cristã que tenha decidido por opinião exclusiva seguir o caminho, mas todos são fruto da obra redentora, da ação do Senhor Espírito Santo e que nas palavras do texto bíblico em tela foi liberta e transportada das trevas para o Reino de amor do filho de Deus. Filho, que criou tudo e que conserva esse tudo em ordem e harmonia. Pensar que Ele está alheio ou que não pode lidar com as heresias, modas, fracassos, desmandos, desvarios, loucuras, shows, besteiróis, e seja lá o que for inventado por demônios ou mentes humanas sombrias é o mesmo que enfiar o infinito Rei e Senhor numa caixinha de fósforo. A igreja é o seu corpo e está ligada a Ele, ou seja, recebe vida, direção, santidade, poder e capacidade de realizar a grande comissão com esmero e valor. A organização humana com seus muitos problemas está sujeita a Ele e por incrível que pareça (não deveria parecer incrível) desde coisas pequeninas até grandes não passam desapercebidas e sua paralisação, perpetuação ou mudança estão totalmente condicionadas a sua autoridade. Jesus é o mesmo ontem, hoje e sempre. A diminuição de Deus é uma falácia maligna que tenta desqualificar o Evangelho diante de um mundo caído e necessitado de salvação. Tal falácia é tão perversa que também tenta desanimar aqueles que estão lutando para alcançar a nova terra prometida por Deus aos seguidores do Nazareno, ou seja, a Jerusalém celeste que abrigará todos que herdarão o dom da vida eterna. Elias foi tentado a pensar que não existia além de si mesmo outros adoradores fieis a Deus (será que qualquer semelhança com os dias atuais é mera coincidência?) e recebeu como resposta que restavam sete mil que seguiam a Deus3 . Talvez alguém diga: “Então devo me conformar com os erros?” Lógico que não, mas falar da igreja parecendo estar fora dela mostra a percepção limitada e própria do ser humano, que depende de dados exteriores que muitas vezes são falhos, falsificados, influenciados e que infelizmente em sua grande parte são utilizados não para provocar uma mudança positiva que glorifique a Deus e leve o Evangelho de Cristo a impactar as gerações que ainda se encontram mergulhadas no pecado sob o julgo pernicioso de Satanás. A Deus cabe a grandeza e o reconhecimento de sua soberania, mas a nós um parafrasear das palavras de João Batista, pois o ego 2 Filipenses 1.15-18; 1 Timóteo 4.01-05. 3 1 Reis 19.18. 2
  3. 3. “A diminuição de Deus” deve diminuir e a presença de Cristo crescer4 ! A igreja é de Cristo e Ele é Senhor e guia dela. A organização humana embora aparentemente inseparável do Corpo de Cristo será em breve peneirada e daqueles que foram chamados, o próprio Senhor irá tomar para si os que escolheu e tudo aquilo que foi predeterminado por Ele será cumprido trazendo glória sobre glória ao seu Santo Nome. SP, agosto de 2016. 4 João 3.30 3

×