Valoração de Tecnologias

863 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
863
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Valoração de Tecnologias

  1. 1. Gestão Estratégica da Inovação na Empresa<br />DPCT - UNICAMP<br />Conceitos Básicos sobre Finanças em Projetos de <br />P&D e Inovação Tecnológica<br />Pablo Viníciusde Mello Leonardo<br />
  2. 2. Introdução<br /> Alguns conceitos básicos sobre a análise financeira são essenciais para se conseguir valorar uma tecnologia ou ainda ter a possibilidade de se mensurar o retorno sobre o investimento da atividades de P&D.<br />
  3. 3. Gestão Financeira na prática da P&D<br /> As atividades de P&D podem ser consideradas como unidades de negócios, por consequência serem avaliadas e administradas utilizando-se ferramentas e metodologias já conhecidas de gestão financeira e corporativa.<br /> Ou seja, os projetos de P&D podem ser vistos como uma micro ou mini empresa possuindo os seus próprios relatórios financeiros que posteriormente serão parte do resultado das unidades de negócios os quais pertencem.<br /> Todos os relatórios corporativos anuais incluem três tipos de relatórios financeiros:<br />Demonstração de Resultados<br />Balanço Financeiro<br />Demonstração do Fluxo de Caixa<br />
  4. 4. Demonstração de Resultados – Conceito<br /> De uma forma simples é onde as receitas são declaradas e onde os custos e impostos são subtraídos para se chegar ao lucro.<br /> Geralmente a demonstração de resultados representa a rentabilidade de um empresa geralmente em um trimestre ou um ano.<br />
  5. 5. Demonstração de Resultados – Elementos<br /> A tabela abaixo descreve basicamente os elementos de uma demonstração financeira de resultados. <br />Referência: “The Valuation of Technology”, página 47<br />
  6. 6. Demonstração de Resultados <br />Receita e Despesas Operacionais<br /> Para muitas operações de manufaturas as receitas representam as vendas de seus produtos mas podem incluir muitas outras formas de receitas tais como aluguéis e royalties sobre uma patente.<br /> As despesas diretamente ligadas às atividades de criação dessas receitas são chamadas de despesas operacionais. Estes incluem custos em manufatura, custos de vendas, despesas gerais e P&D.<br />
  7. 7. Demonstração de Resultados <br />Receita Operacional (EBIT) - Conceito<br /> O valor líquido das vendas menos as despesas operacionais é chamado de receita operacional ou lucro operacional.<br /> Os Analistas Financeiros e os investidores bancários frequentemente referem a ele como EBIT, earnings before interest and taxes (lucro antes de juros e impostos).<br /> O EBIT é um número muito importante na avaliação e gestão de um negócio porque ele é independente de como a organização é financiada (Ex. usando dinheiro emprestado ou dos seus próprios acionistas).<br />
  8. 8. Demonstração de Resultados <br />Receita Operacional (EBIT) – Calculo de valor<br />O calculo do valor de uma empresa usando o EBIT pode ser visto abaixo.<br />Referência: “The Valuation of Technology”, página 48<br />
  9. 9. Balanço Financeiro - Conceito<br /> Indica todos os ativos de propriedade da empresa e todas as obrigações sobre esses ativos situados em um determinado período de tempo.<br />
  10. 10. Balanço Financeiro - Elementos<br />A tabela abaixo demonstra o balanço financeiro anual de uma companhia.<br />Referência: “The Valuation of Technology”, página 53<br />
  11. 11. Balanço Financeiro – Ativos<br /> Em contabilidade o ativo são os bens e direitos que a empresa tem num determinado momento, resultante de suas transações ou eventos passados da qual futuros benefícios econômicos podem ser obtidos.<br /> Ex:<br /><ul><li>Dinheiro e títulos negociáveis
  12. 12. Contas a receber
  13. 13. Inventário
  14. 14. Capital de giro
  15. 15. Propriedade, planta e equipamentos
  16. 16. Goodwill (Ativo Intangível)
  17. 17. Investimentos e outros ativos</li></li></ul><li>Balanço Financeiro – Passivos<br /> Em contabilidade, o passivo corresponde ao saldo das obrigações devidas.<br /> O passivo é um recurso controlado por uma entidade e um acontecimento passado e do qual se esperam que fluam benefícios econômicos no futuro, cuja liquidação se espera um fluxo de recursos.<br /> Ex:<br /><ul><li>Contas a pagar
  18. 18. Passivos a pagar
  19. 19. Dívidas
  20. 20. Reservas
  21. 21. Empréstimos
  22. 22. Salários</li></li></ul><li>Balanço Financeiro – Patrimônio Líquido<br /> O patrimônio líquido representa os valores que os sócios ou acionistas têm na empresa em um determinado momento.<br /> No balanço patrimonial, a diferença entre o valor dos ativos e dos passivos e resultado de exercícios futuros representa o PL (Patrimônio Líquido), que é o valor contábil devido pela pessoa jurídica aos sócios ou acionistas, baseado no Princípio da Entidade.<br />
  23. 23. Balanço Financeiro – Equação<br /> A imagem de uma empresa pode ser sumarizada por uma simples equação:<br /> O fato dos dois lados da equação serem iguais explica o termo balanço financeiro.<br />
  24. 24. Demonstração do Fluxo de Caixa – Conceito<br /> A demonstração de fluxos de caixa deve relatar os movimentos de caixa durante o período analisado. Os seus elementos nos dizem de onde o dinheiro veio e para onde ele foi. <br /> É também a chave para a maioria dos métodos de avaliação financeira.<br /> A estrutura típica da demonstração do fluxo de caixa possui três seções:<br /><ul><li> Operações
  25. 25. Investimentos
  26. 26. Atividades Financeiras</li></li></ul><li>EBITDA - Conceito<br /> É a medida usada no fluxo de caixa antes de impostos.<br /> Os Analistas Financeiros e os investidores bancários frequentemente referem a ele como earningsbeforeinterest, taxes, depreciationandamortization (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização).<br />
  27. 27. Demonstração do Fluxo de Caixa – Elementos<br />A tabela abaixo demonstra os elementos básicos da demonstração do fluxo de caixa.<br />Referência: “The Valuation of Technology”, página 65<br />
  28. 28. Problemas na Demonstração Financeira <br /> Em termos gerais, existem duas importantes classes de problemas associados aos sistemas de contabilidade corporativos que produzem demonstrações financeiras:<br />Problema da Alocação<br />Problema da Valoração<br />
  29. 29. Problemas na Demonstração Financeira <br />Problema da Alocação<br />Mudança/Troca de Alocação<br />do recurso<br />Unidade de Negócio A <br />(Projeto de P&D)<br />Unidade de Negócio B<br />(Projeto de P&D)<br />Cobra-se o <br />preço de transferência<br /> Problemas com a alocação existem em todos os níveis da contabilidade. Mas possui uma problemática particular com a adoção generalizada do conceito de centro de lucros/unidades de negócios/centros de responsabilidade.<br /> A troca ou mudanças na alocação de recursos entre as unidades de negócios (entende-se como um projeto de P&D) podem gerar um grande problema de gestão, pois se não forem controlados acabam mascarando o desempenho individual de cada unidade de negócios que consequentemente, em uma estrutura descentralizada, afetando a organização como um todo pois esta depende dos resultados individuais das unidades de negócios. <br /> Para evitar esse tipo de problema é adotada a taxação da mudanças da alocação de recursos através do preço de transferência. <br />
  30. 30. Problemas na Demonstração Financeira <br />Problema da Valoração<br /> Os maiores de todos os problemas em contabilidade são os problemas relativos a valoração, eles ocorrem pois os valores dos ativos e passivos podem mudar com o tempo. <br /> Ex.: O valor de uma planta fabril de cinco anos pode ser estimado pelo custo menos a depreciação, mas será que esse valor é realístico?<br /> Vale lembrar que a prática da P&D por consequência pode gerar um conhecimento, produto ou processo novo e valorá-los pode se tornar um obstáculo.<br /> Também é encontrada uma grande dificuldade em se valorar a propriedade intelectual, este é um problema severamente único.<br /> As ferramentas e as terminologias de demonstrações financeiras, em especial as ligações entre a demonstração de resultado e o balanço financeiro são ambos essenciais para a valoração da tecnologia e o seu impacto na corporação como um todo.<br />
  31. 31. Propriedade Intelectual<br /> Na era da informação, uma parcela cada vez maior do valor econômico das empresas é associada com os seus ativos intangíveis, sendo muitas vezes a propriedade intelectual a mais importante.<br /> A propriedade intelectual pode assumir muitas formas, que incluem propriedades identificáveis, tais como:<br /><ul><li>Marcas ;
  32. 32. Marcas Comerciais;
  33. 33. Patentes;
  34. 34. Direitos Autorais.</li></ul> Mas também podem pode assumir muito pouco a característica de propriedade identificável, tais como:<br /><ul><li>Conhecimento sobre os clientes;
  35. 35. Conhecimento sobre uma determinada tecnologia;
  36. 36. Conhecimento de como uma indústria trabalha;
  37. 37. Conhecimento dos processos de produção com qualidade.;
  38. 38. Expertise em uma tecnologia.</li></li></ul><li>Como tratar a <br />Propriedade Intelectual?<br /> A propriedade intelectual desenvolvida por uma empresa pode ser tratada de duas formas:<br />
  39. 39. Como valorar a <br />Propriedade Intelectual?<br /> Valorar comercialmente a propriedade intelectual pode ser lógico em princípio, mas com o tempo vemos que não é tão fácil assim.<br /> A vantagem competitiva gerada pela propriedade intelectual gera receita.<br /> Ex.: Aumento de produção decorrida de uma nova tecnologia.<br />A propriedade intelectual pode ser licenciada, assim sendo a invenção teria o valor do fluxo de caixa dos royalties antecipados sobre a vida útil da patente. Nesse contexto você pode perder a vantagem competitiva gerada pela propriedade intelectual.<br /> Licenciar ou não é um exercício de valoração, mas vale lembrar o segredo no processo deve ser mantido pois os competidores podem inventar algo similar e garantir a execução da patente.<br />A propriedade intelectual pode gerar uma vantagem competitiva<br />
  40. 40. O valor da Tecnologia é Situacional<br />Qual Forma de Valoração Devo Usar?<br /> Em alguns casos a valoração da tecnologia só pode ser empreendida em situações específicas de negócios.<br /> Ex.: Na venda do negócio beneficiado, deve-se entender qual foi a abordagem financeira (custo ou investimento) aplicada ao desenvolvimento da tecnologia que lhe rendeu a vantagem competitiva.<br />A tecnologia não tem um valor intrínseco<br />
  41. 41. O valor da Tecnologia é Situacional<br />Qual Forma de Valoração Devo Usar?<br /> Dentre os fatores situacionais que irão conduzir as decisões da empresa, se o valor mais alto sobre a propriedade intelectual, é obtido via licença ou segredo comercial/industrial podem ser incluídos:<br />
  42. 42. O valor da Tecnologia é Situacional<br />Qual Forma de Valoração Devo Usar?<br /> A decisão de se obter o valor mais alto pode requerer que seja feito:<br /><ul><li>Uma análise dos cenários alternativos usando os fatos conhecidos;
  43. 43. Suposições Razoáveis
  44. 44. Estimar as probabilidades</li></ul>Todavia a empresa pode optar em não aceitar a alternativa de se obter o<br />maior valor por questões de estratégias globais ou proteger e construir relacionamentos valorosos.<br />
  45. 45. Diferentes Medidas de Retorno<br />ROE<br />(ReturnOnEquity)<br />ROI<br />(ReturnOnInvestment)<br />RONA/ROA<br /> (ReturnOnAssets)<br />Retorno sobre o Capital Próprio = Lucro Líquido / Saldo Médio Ajustado do Patrimônio Líquido<br />Retorno sobre Investimento Total = Lucro Líquido / Saldo Médio do Ativo Total<br />Retorno sobre Ativo Operacional = Lucro Operacional / Saldo Médio do Ativo Operacional<br />
  46. 46. O modelo Pro - Forma <br /> O modelo Pro - Forma é um modelo que incorpora valores estimados ou previstos para uma atividade futura da mesma forma utilizada para representar os valores atuais ou passadas, tais como a declaração de entrada ou o balanço financeiro.<br /> O modelo de valoração como o Pro – Forma, serve como guia em uma série de decisões em P&D de uma forma que não seria possível utilizando métodos não quantitativos.<br />
  47. 47. Construindo o modelo Pro - Forma <br />Demonstração de Resultados<br /><ul><li>Custo das vendas (Custo direto de manufatura) e Margem bruta
  48. 48. Overhead (Indiretos)
  49. 49. Depreciação
  50. 50. Lucro bruto
  51. 51. Custo de vendas(Força de Vendas), despesas gerais e administrativas, despesas com P&D
  52. 52. EBIT/Lucros antes dos impostos
  53. 53. EBITDA
  54. 54. Lucro líquido pré imposto
  55. 55. Retorno sobre as vendas/Margem de lucro</li></ul>Balanço Financeiro<br /><ul><li>Inventário
  56. 56. Contas a pagar e Contas a Receber
  57. 57. Capital de giro
  58. 58. Ativos fixos (Custo da planta, equipamentos antes da depreciação)
  59. 59. Depreciação acumulada
  60. 60. Imobilizado líquido e capital total de empregados
  61. 61. Retorno sobre o capital</li></ul>Demonstração do Fluxo de Caixa<br /><ul><li>Lucro líquido pós imposto e depreciação
  62. 62. Despesas de capital e aumento no capital de giro
  63. 63. Fluxo de caixa operacional
  64. 64. Fluxo de caixa livre mais o valor terminal</li></ul>Modelo<br />Pro - Forma<br />
  65. 65. Fim<br />

×